Você está na página 1de 15

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais USUÁRIOS SISTEMA OPERACIONAL HARDWARE INTRODUÇÃO Sistema Computacional = hardware +

USUÁRIOS

Sistemas Operacionais USUÁRIOS SISTEMA OPERACIONAL HARDWARE INTRODUÇÃO Sistema Computacional = hardware +
Sistemas Operacionais USUÁRIOS SISTEMA OPERACIONAL HARDWARE INTRODUÇÃO Sistema Computacional = hardware +

SISTEMA

OPERACIONAL

Sistemas Operacionais USUÁRIOS SISTEMA OPERACIONAL HARDWARE INTRODUÇÃO Sistema Computacional = hardware +

HARDWARE

Operacionais USUÁRIOS SISTEMA OPERACIONAL HARDWARE INTRODUÇÃO Sistema Computacional = hardware + software
Operacionais USUÁRIOS SISTEMA OPERACIONAL HARDWARE INTRODUÇÃO Sistema Computacional = hardware + software
Operacionais USUÁRIOS SISTEMA OPERACIONAL HARDWARE INTRODUÇÃO Sistema Computacional = hardware + software

INTRODUÇÃO

Sistema Computacional = hardware + software

Software:

Sistema Computacional = hardware + software Software: Programas do sistema: gerenciam a operação do computador

Programas do sistema: gerenciam a operação do computador Programas de aplicação: programas de usuário

DEFINIÇÃO

Sistema Operacional: principal programa do sistema, que controla todos os recursos do computador (dispositivos físicos e funções de software).

É um programa de controle do computador. O Sistema Operacional é responsável por alocar recursos de hardware e escalonar tarefas. Ele também deve prover uma interface para o usuário - ele fornece ao usuário uma maneira de acesso aos recursos do computador.

Um Sistema Operacional pode ser definido como um gerenciador dos recursos que compõem o computador (processador, memória, I/O, arquivos, etc). Os problemas

centrais que o Sistema Operacional deve resolver são o compartilhamento ordenado, a proteção dos recursos a serem usados pelas aplicações do usuário e o interfaceamento entre este e a máquina.

HISTÓRICO

1º computador digital: Máquina analítica de Charles Babbage (1792-1871);

Primeira Geração (1945 - 1955) - Válvulas e painéis;

Segunda Geração ( 1956-1965) - Transistores e Sistemas Batch;

Terceira Geração (1966-1980) - C.Is. e Multiprogramação

Quarta Geração (1981-1990) - Computadores Pessoais;

Quinta Geração - Atualidade;

Primeira Geração (1945 - 1955) - Válvulas e painéis;

Programação através de chaves; Inexistência de linguagens ou S.O.; Toda a atividade é seqüencial; Surgimento do cartão perfurado na década de 50;

Segunda Geração ( 1956-1965) - Transistores e Sistemas Batch;

IBM 1401 e 7094

Separação entre programação e operação; Execução seqüencial de programas; FORTRAN e ASSEMBLY;

Desperdício de tempo na 1ª geração

solução: sistemas Bach (em lote):

Leitura de vários jobs em uma fita magnética, montagem da fita no computador principal e leitura de um programa especial para carga do primeiro job no computador. Os resultados eram gravados numa fita de saída e impressos em uma impressora offline, enquanto uma nova fita de entrada poderia ser montada.

Terceira Geração (1966-1980) - C.Is. e Multiprogramação

• IBM/360 e sucessores (370, 4300, 3080 e 3090)

• Multiprogramação

outro pode utilizar a CPU;

• SPOOL (Simultâneous Peripheral Operation On Line) Capacidade de alimentar uma

fila de entrada e uma outra, de saída, assim que os dados se tornem disponiveis;

Time-sharing

• Escalonamento de jobs e CPU;

• Base dos S.O. modernos;

OS/360;

divisão de memória entre jobs

enquanto um job aguarda E/S,

Quarta Geração (1981-1990) - Computadores Pessoais

C.Is. LSI - Large Scale Integration (e VLSI) disseminação dos microcomputadores

S.O. para computadores Pessoais;

S.O. para redes de computadores;

Multiprocessadores;

baixo custo de produção

Quinta Geração (1981-1990) - Atualidade

HW, SW e Telecom Processadores e memórias cada vez mais velozes e baratos:

Processamento Distribuído; Consolidação dos sistemas operacionais baseados em interfaces gráficas;

PRINCIPAIS ATRIBUTOS

Coordenar Recursos (maximização do uso e proteção dos usuários)

- Concorrência;

- Proteção de memória;

- Acesso a arquivos.

Controle

- Interações usuário - recurso;

- Interações usuário - usuário.

Sistema Operacional é a porção de software que protege o hardware da ação direta do usuário. Os demais programas rodam em modo usuário e fazem chamadas para terem acesso aos dispositivos.

FUNÇÕES do Sistema Operacional

1. Sistema Operacional visto como máquina estendida

Máquina virtual ou estendida é uma abstração criada pelo S.O. que apresenta ao usuário uma máquina mais simples e com as mesmas funções da máquina real.

Fornecer uma abstração de alto nível dos recursos de hardware da máquina, livrando o programador dos detalhes de funcionamento dos mesmos.

Sistema Operacional funciona como uma máquina virtual.

Exemplo:

Fornecer uma visão dos discos como uma coleção hierárquica de arquivos, identificados por nomes e manipuláveis por funções de abertura/fechamento e leitura/escrita, escondendo os detalhes de acionamento dos motores das unidades, posicionamento dos cabeçotes, quantidade de trilhas e tamanho dos setores dos discos.

Fornecer um esquema de alocação dos recursos (processadores, memórias, I/O, etc) entre os processos concorrentes.

Estabelecer critérios de uso dos recursos e ordem de acesso aos mesmos, impedindo violação de espaço de memória de processos concorrentes e

gerência e proteção dos

tentativas de acesso simultâneo a um mesmo recurso dispositivos.

TIPOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS

Os tipos e sua evolução estão intimamente relacionados com a evolução do HW e das aplicações por ele suportadas. A evolução dos S.O. para PCs popularizou vários conceitos e técnicas, antes só conhecidos em ambientes de grande porte.

Tipos de Sistemas Sistemas Monoprogramáveis / Monotarefa Sistemas Multiprogramáveis / Multitarefa Sistemas com
Tipos de
Sistemas
Sistemas
Monoprogramáveis /
Monotarefa
Sistemas
Multiprogramáveis /
Multitarefa
Sistemas com
Múltiplos
Processadores

SISTEMAS MONOPROGRAMÁVEIS / MONOTAREFA

Execução de um único programa (job);

Qualquer outro programa, para ser executado, deveria aguardar o término do programa corrente;

Tipicamente relacionado ao surgimento dos mainframes;

Programa / Tarefa UC Memória Dispositivos de E/S SISTEMAS MULTIPROGRAMÁVEIS / MULTITAREFA
Programa /
Tarefa
UC
Memória
Dispositivos
de E/S
SISTEMAS MULTIPROGRAMÁVEIS / MULTITAREFA

Mais complexos e mais eficientes;

Vários programas dividem os mesmos recursos;

Aumento da produtividade dos seus usuários e a redução de custos;

Programa / Tarefa UC Memória Dispositivos de E/S
Programa /
Tarefa
UC
Memória
Dispositivos
de E/S

SISTEMAS MULTIPROGRAMÁVEIS / MULTITAREFA

Mais complexos e mais eficientes;

Vários programas dividem os mesmos recursos;

Aumento da produtividade dos seus usuários e a redução de custos;

Programa / Tarefa UCP Programa / Tarefa Memória Dispositiv Programa / Programa / Tarefa Tarefa
Programa /
Tarefa
UCP
Programa /
Tarefa
Memória
Dispositiv
Programa /
Programa /
Tarefa
Tarefa

CLASSIFICAÇÃO

Sistemas Multiprogramáveis / Multitarefa Sistemas Batch Sistemas de Tempo Compartilhado Sistemas de Tempo Real
Sistemas
Multiprogramáveis / Multitarefa
Sistemas
Batch
Sistemas de
Tempo Compartilhado
Sistemas de
Tempo Real

SISTEMAS BATCH

Primeiros sistemas multiprogramáveis a serem implementados;

Caracterizam-se por terem seus programas, quando submetidos, armazenados em disco ou fita, onde esperam para ser executados seqüencialmente;

Normalmente não exigem interação com os usuários;

Ex: Compilações, Backups, etc

SISTEMAS DE TEMPO COMPARTILHADO

Permitem a interação dos usuários com o sistema;

Conhecidos como sistema on-line;

O sistema cria para o usuário um ambiente próprio;

SISTEMAS DE TEMPO REAL

Semelhantes aos sistemas de tempo compartilhado, a maior diferença é o tempo de resposta exigido no processamento das aplicações;

O programa detém o processador o tempo que for necessário, ou até que apareça outro prioritário em função de sua importância no sistema;

SISTEMAS COM MÚLTIPLOS PROCESSADORES

Caracterizam por possui duas ou mais UCPs interligadas, trabalhando em conjunto; O fator chave neste tipo de S.O. é a forma de comunicação entre as UCPs e o grau de compartilhamento da memória e dos dispositivos de I/O;

Sistemas com Múltiplos Processadores Sistemas Sistemas Fracamente Fortemente Acoplado Acoplado Sistemas
Sistemas com Múltiplos
Processadores
Sistemas
Sistemas
Fracamente
Fortemente
Acoplado
Acoplado
Sistemas
Operacionais
de Rede
Sistemas
Sistemas
Sistemas
Operacionais
Simétricos
Assimétricos
Distribuídos

Sistemas Fortemente Acoplado

Existem dois ou mais processadores compartilhando uma única memória e controlados por apenas um único SO.

Sistemas Simétricos

• Todos os processadores tem a mesma função, podendo executar o SO

independentemente

Sistemas Assimétricos

• Processador primário, responsável pelo controle dos demais processadores (secundários) e pela execução do SO.

Sistemas Fracamente Acoplado Dois ou mais sistemas de computação interligados, sendo que cada sistema possui o seu próprio SO.

- Sistemas Operacionais de Rede

Cada nó possui seu próprio HW, SW e SO.

Independente um do outro.

- Sistemas Operacionais Distribuídos Para o usuário e suas aplicações, é como se não existisse uma rede de computadores, mas sim um único sistema centralizado.

ESTRUTURA DO SISTEMA OPERACIONAL

Formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários do sistema e suas aplicações, bem como a outras rotinas do próprio sistema. Esse conjunto de rotinas é chamado núcleo do sistema ou kernel (cérebro).

KERNEL

Tratamento de interrupções;

Criação e eliminação de processos;

Sincronização e comuicação entre processos;

Escalonamento e controle dos processos;

Gerência de memória;

Gerência do sistema de arquivos;

Operações de entrada e saída

Contabilização e segurança do sistema.

SYSTEM CALLS

Mecanismo de proteção ao núcleo do sistema e de acesso aos seus serviços.

O usuário (ou aplicação), quando deseja solicitar algum serviço do sistema, realiza uma chamada a uma de suas rotinas (ou serviços) através da system calls (chamadas ao sistema).

Aplicação

através da system calls (chamadas ao sistema). Aplicação Núcleo System Call GRUPOS DE FUNÇÕES • Gerência
Núcleo
Núcleo

System Call

calls (chamadas ao sistema). Aplicação Núcleo System Call GRUPOS DE FUNÇÕES • Gerência de Processos –

GRUPOS DE FUNÇÕES

Gerência de Processos

Criação e eliminação de processos;

Alteração das características do processo;

Sincronização e comunicação entre processos;

Gerência de Memória Alocação e desalocação de memória;

Gerência de I/O Operações de I/O; Manipulação de arquivos e diretórios.

Sistemas de Arquivos

H

a

r

d

w

a

r

e

Arquivos Todas as informações utilizadas pelo computador são gravadas em arquivos. Todo arquivo tem um nome e normalmente tem uma extensão. nomearquivo.ext

Extensão do nome do arquivo Quando um arquivo é criado pode-se escolher uma extensão (três caracteres) que ajude a especificar o tipo do arquivo.

Armazenamento da Informação a Longo Prazo

Deve ser possível armazenar uma quantidade muito grande de informação

A informação deve sobreviver ao término do processo que a usa

Múltiplos processos devem ser capazes de acessar a informação concorrentemente

Nomeação de Arquivos

Nomeação de Arquivos Acesso aos Arquivos • Acesso sequencial – lê todos os bytes/registros desde o

Acesso aos Arquivos

Acesso sequencial

lê todos os bytes/registros desde o início

não pode saltar ou ler fora de seqüência

conveniente quando o meio era a fita magnética

Acesso aleatório

bytes/registros lidos em qualquer ordem

essencial para sistemas de bases de dados

Atributos de Arquivos

– bytes/registros lidos em qualquer ordem – essencial para sistemas de bases de dados Atributos de

Operações com Arquivos

Criar

Excluir

Abrir

Fecha

Escrita

Leitura

Mostrar Atributos

Renomear

Diretórios

Os diretórios servem para ajudar na organização dos arquivos. Os diretórios são importantíssimos, principalmente, quando trabalhamos em discos rígidos. Como a quantidade de arquivos que podemos gravar em um disco rígido é muito grande, torna-se necessário agrupar esses arquivos em diretórios para que possam ser localizados mais facilmente. Quando um disco é formatado pelo MS-DOS é criado automaticamente um diretório principal, chamado de raiz ou root. A partir dele pode-se criar subdiretórios para organizar os arquivos. Os diretórios e subdiretórios formam uma estrutura chamada árvore de diretórios

C DOS TEXTOS CARTAS
C
DOS
TEXTOS
CARTAS
chamada árvore de diretórios C DOS TEXTOS CARTAS PROGRAMAS RECEITAS Nomes e Caminhos de Diretórios NOMES

PROGRAMAS

RECEITAS

Nomes e Caminhos de Diretórios

NOMES Cada diretório deve ter um nome As regras para nomear diretórios são as mesmas para nomear arquivos Geralmente não se usa extensão para nome de diretório

CAMINHOS

Especifica a localização de um arquivo dentro da árvore de diretórios. Mostra a rota que o MS-DOS deve percorrer para, partindo da raiz, chegar ao diretório ou arquivo desejado Exemplo: Se no subdiretório CARTAS tiver um arquivo denominado carta1.doc, para se obter este arquivo, deve-se dizer seu caminho C:\TEXTOS\CARTAS\carta1.doc

Diretórios

Sistemas de Diretório em Nível Único

Diretórios Sistemas de Diretório em Nível Único Sistemas de Diretórios em Dois Níveis Sistemas de

Sistemas de Diretórios em Dois Níveis

Sistemas de Diretório em Nível Único Sistemas de Diretórios em Dois Níveis Sistemas de Diretórios Hierárquicos

Sistemas de Diretórios Hierárquicos

Sistemas de Diretório em Nível Único Sistemas de Diretórios em Dois Níveis Sistemas de Diretórios Hierárquicos

Operações com Diretórios

Create

Delete

Opendir

Closedir

Readdir

Rename

Conhecendo os Sistemas Operacionais

MS - DOS Sistema Operacional

Versão 6.22

Monotarefa

Linhas de Comando

Configuração mínima baixa

MS-DOS - Alguns Comandos

Dir ( listar aquivos e diretórios)

Md ( criar diretório)

Del ( apagar arquivos

Rd ( apagar diretórios)

cls ( limpa a tela)

copy ( copia arquivos )

move ( move arquivos)

Mac / OS

Sistema Operacional - Apple

Interface Gráfica

Última versão OS 8

32 bits

Sistema de Arquivos HFS (Hierarchical File System)

Capacidade de executar vários programas ao mesmo tempo. Isso o Mac faz há uns dez anos. Só que ele utiliza um sistema chamado multitarefa cooperativa, onde cada programa pega um pedaço da memória RAM para trabalhar e devolve quando termina o trabalho.

OS 2

• Sistema Operacional da Microsoft e IBM até 1990

• Em 1991 a Microsoft termina definitivamente o desenvolvimento do OS/2 e o entrega completamente a IBM

• O OS/2 usa uma interface aparentemente muito semelhante a do Windows 95

• O OS/2 Versão 3.0 suporta, o sistema de arquivos FAT (usado no DOS e Windows), a Super FAT e o HPFS.

• O sistema preemptivo divide o processador e a RAM da máquina entre os programas, de modo que todas fiquem com o suficiente

Netware

Sistema Operacional da Novell

Roda em várias plataformas

Muito utilizado nos anos 90

Perdeu mercado para o Windows Nt

NDS ( banco de dados de informações sobre todos os recursos da rede)

Sistema de Segurança Forte

Vem com vários recursos ( backup, controlador de espaço em disco, compactação de arquivos não utilizados)

Sistema de Atributos de Leituras

Unix

UNIX é um sistema operacional de 32 bits, multitarefa e multiusuário.

Surgiu na década de 70

Várias versões Sistema de arquivos Consistem em uma árvore de diretórios e sub-diretórios

Alguns comandos

cd ou chdir - muda de diretório

pwd - diz o nome do diretório atual

mkdir - faz um diretório novo

ls - lista os conteúdos do diretório (como dir em MS-DOS)

O sistema de gravação e leitura de arquivos do UNIX é bastante eficiente, tendo algumas semelhanças com o HPFS do OS/2, algumas coisas semelhantes a FAT do DOS.

Sistema dividido em 4 partes:

– O Bloco de Inicialização contém as informações necessárias ao boot do computador

– O Super Bloco possui informações sobre o sistema, como o espaço livre em disco

– Os Blocos de Informações são os blocos onde os dados são armazenados

– A Ilist informa o endereço no disco

O Unix foi originalmente desenvolvido para rodar em computadores da DEC, e mais

tarde passou a ser utilizado em mainframes

O UNIX Solaris roda em 486 ou maior e na linha RISC, da Sun.

Confiabilidade

– A arquitetura de memória protegida da Sun garante a estabilidade e faz com que seja difícil o travamento completo do SO.