Você está na página 1de 15

Ref: Geankoplis; Maccbe AGITAÇÃO E MISTURA DE LÍQUIDOS

Características do processo:

É uma das operações mais antigas;

Apresenta entendimento limitado;

A eficiência e o consumo de energia na agitação dependem de

princípios básicos da mecânica dos fluidos, mas as configurações do

escoamento nos vasos típicos com agitação são tão complicados que a

aplicação rigorosa dos princípios básicos é impossível;

Utiliza-se aproximações empíricas.

1- Aplicações:

a) Dispersão de um soluto num solvente;

b) Mistura de 2 líquidos miscíveis;

c) Mistura de reagentes num reator químico;

d) Dissolução de sólidos em líquidos, como sál em agua;

e) Dispersão de um gás em liquido, tal como oxigênio do ar em uma

suspensão de microrganismos para fermentação ou para o processo

de lodo ativado em tratamento de agua;

f) Suspensão de partículas sólidas finas em um liquido, tal como na

hidrogenação catalítica de um liquido onde partículas catalíticas

sólidas e bolhas de hidrogênio são dispersas em um liquido.

g) Agitação de um líquido homogêneo para melhorar a transferência de

calor para o líquido

Para a agitação ser eficiente é preciso ajustá-la cuidadosamente ao

resultado final a que se deseja.

Em quase toda a aplicação do processo de agitação é necessário, que o projeto esteja baseado na experiência prévia da indústria ou em ensaios efetuados com o sistema particular da operação. Para isto utiliza-se a “teoria da semelhança”, que se baseia a partir de ensaios de medida de um sistema menor e utiliza-se estes dados para sistemas em larga escala (desempenho quantificado). A análise dos resultados dos ensaios, na base dos princípios da dinâmica dos fluidos leva a um “fator de escala” para as variáveis importantes. Estes fatores de escala possibilitam a ampliação empírica dos aparelhos de ensaio até instalações em grande escala. Em muitas situações, a ampliação de escala pode basear-se simplesmente na constatação de que o equipamento de grande porte deve operar com a mesma intensidade de energia- isto é, com o mesmo consumo

de potência por unidade de volume de material- que a unidade piloto. Em virtude da ampla variedade de aplicações, o equipamento de

agitação pode assumir muitas formas.

2- Equipamentos de Agitação:

Geralmente, líquidos são agitados em vasos cilíndricos e com eixo vertical.

O topo do vaso pode ser aberto para o ambiente; mas usualmente é

fechado. As proporções do tanque podem variar largamente, dependendo da natureza do problema de agitação. Um projeto padronizado esta apresentado na Figura 1.

Figura 1- Típico vaso de processo de agitação. A base do vaso é redonda, para

Figura 1- Típico vaso de processo de agitação.

A base do vaso é redonda, para eliminar quinas ou regiões dentro das quais as correntes de fluidos não penetrarão. Um rotor é montado sobre o eixo radialmente. O eixo é acionado por um motor. Acessórios como linhas de entrada e saída, jaquetas e entradas para termômetros são usualmente incluídos. Os rotores criam um fluxo padrão no sistema, fazendo com que o liquido circule no vaso e retorne eventualmente ao rotor.

Fluxos em tanques agitados

O tipo de fluxo no tanque agitado depende do tipo de rotor; as características do fluido; e o tamanho e proporção do tanque, defletores e agitador. A velocidade do fluido em qualquer ponto no tanque tem três componentes, e o padrão de fluxo global no tanque depende da variação nestes três componentes da velocidade de ponto a ponto.

Componentes:

Velocidade radial- atua na direção perpendicular ao eixo do rotor;

Velocidade longitudinal- atua na direção paralela do eixo;

Velocidade tangencial ou rotacional- atua na direção tangente ao movimento circular envolta do eixo. No caso de eixo vertical , os componentes radial e tangencial são no plano horizontal e o componente longitudinal é vertical. Os componentes radiais e longitudinal são uteis e fornecem o fluxo necessário para a ação de mistura. Quando o eixo é vertical e central, a componente tangencial é desvantajosa pois cria um redemoinho no liquido.

é desvantajosa pois cria um redemoinho no liquido. O redemoinho (vortex) perpetua a estratificação em vários

O redemoinho (vortex) perpetua a estratificação em vários níveis sem realizar fluxo longitudinal entre os níveis. Se partículas sólidas estão presentes, correntes circulatórias tendem a jogar as partículas para fora devido a força centrifuga, de onde elas movem para baixo e para o centro do tanque no fundo. Em vez de misturar ocorre a concentração.

Prevenção de redemoinhos Fluxos circulatórios e redemoinhos podem ser prevenidos por :

Em tanques pequenos, os rotores podem ser montados fora de centro (figura abaixo).

Em tanques largos é preferencial instalar defletores, que impedem o fluxo rotacional sem interferir com

Em tanques largos é preferencial instalar defletores, que impedem o fluxo rotacional sem interferir com o fluxo radial ou longitudinal. Exceto em tanques muito largos, quatro defletores são suficientes para prevenir a formação de redemoinhos. Para turbinas, a largura dos defletores não precisam ser mais do que 1/12 partes do diâmetro do tanque; Para hélices, não mais do que 1/8 do diâmetro do tanque é necessário.

Tubos de sucção Quando a direção e velocidade do fluxo da sucção é necessário ser controlado é utilizado tubos de sucção.

Quando a direção e velocidade do fluxo da sucção é necessário ser controlado é utilizado tubos

Estes dispositivos podem ser uteis quando altas separações no impulsor são desejados, como na produção de certas emulsões, ou quando partículas sólidas que tendem a flutuar na superfície do liquido tem que ser dispersas no liquido. Tubos de sucção adicionam fricção ao fluido, e para uma dada potencia eles reduzem a taxa de fluxo, então eles só são usados quando necessários.

Impulsores

Agitadores impulsores são divididos em 2 classes: aqueles que geram correntes paralelas com o eixo do eixo do impulsor e aquelas que geram correntes na direção radial ou tangencial. Os primeiros são chamados de impulsores de fluxo-axial e o segundo de impulsores de fluxo radial. Três tipos principais:

Hélices;

Pás;

e Turbinas.

a)

Hélice

Rotor de Hélice é um impulsor de fluxo axial, de alta velocidade para líquidos de baixa viscosidade. Um tipo comum é o three-bladed marine- type propeller. Estes impulsores giram de 400 a 800 rpm (grandes) ou 1150 a 1750 rpm (pequenos). Hélices raramente excedem 18 in de diâmetro

independentemente do tamanho do vaso.

ou 1150 a 1750 rpm (pequenos). Hélices raramente excedem 18 in de diâmetro independentemente do tamanho

O padrão de fluxo em um tanque com defletores com a hélice posicionada no centro do tanque é mostrado abaixo:

hélice posicionada no centro do tanque é mostrado abaixo: b) Pás. São frequentementes usados em baixas

b) Pás. São frequentementes usados em baixas rotações entre 20 e 200 rpm. Two- bladed e four-bladed flat paddles são frequentementes usados.

e four-bladed flat paddles são frequentementes usados. Elas empurram o liquido radialmente e tangencialmente com

Elas empurram o liquido radialmente e tangencialmente com quase nenhum movimento vertical no impulsor. O comprimento total das pás é tipicamente de 50 a 80% do diâmetro interno do tanque. A largura da lamina é de 1/6 a 1/10 do comprimento. Em baixas agitações não é necessário defletores. Em altas rotações os defletores são necessários. Pá em forma de âncora

Usados em líquidos viscosos. São uteis para prevenir depósitos em uma superfície de transferência de calor, como um tanque encamisado, mas eles são péssimos misturadores. Eles operam em conjunto com pás de alta velocidade, usualmente girando em direção contraria.

alta velocidade, usualmente girando em direção contraria. c) Turbinas Alguns dos muitos designs de turbinas são

c) Turbinas Alguns dos muitos designs de turbinas são mostrados abaixo.

Alguns dos muitos designs de turbinas são mostrados abaixo. Muitas delas se assemelham à agitadores de

Muitas delas se assemelham à agitadores de pá multilaminas com laminas curtas, girando em alta velocidade em um eixo montado centralmente no tanque. As laminas podem ser retas, curvas entre outras. São usadas para

uma grande faixa de viscosidade. O diâmetro da turbina esta normalmente entre 30 a 50% do diâmetro do tanque. Normalmente as turbinas tem de 4 a 6 laminas. A Figura abaixo mostra um agitador tipo turbina plana de seis laminas. As turbinas com laminas planas conferem um fluxo radial, como mostra a figura abaixo:

conferem um fluxo radial, como mostra a figura abaixo: Eles também são uteis para a dispersão

Eles também são uteis para a dispersão de gás onde o gás é introduzido logo abaixo do impulsor e é enviado para as laminas e cortadas em bolhas finas. Em líquidos de baixa viscosidade as turbinas geram fortes correntes que permanecem através do tanque, buscando e destruindo locais estagnados. Próximo ao impulsor é uma zona de correntes rápidas, alta turbulência e cisalhamento intenso. As principais correntes são radiais e tangenciais. A componente tangencial induz a redemoinhos que podem ser evitados usando defletores ou por um anel difusor.

Projeto padrão de turbinas Ref. Mccabe

O projeto de um tanque agitado tem um grande numero de escolhas para

fazer como o tipo e localização do impulsor, as proporções do tanque, o numero e proporção dos defletores e assim por diante. Cada uma dessas decisões afetam a taxa de circulação do liquido, os padrões de velocidade e a potencia consumida. Como um ponto de partida para o projeto em problemas de agitação, um agitador de turbina mostrado na figura abaixo é comumente usado.

de turbina mostrado na figura abaixo é comumente usado. As proporções típicas são: D a 1

As proporções típicas são:

D

a

1

=

D

t

E

3

1

=

D

t

3

H

D

t

=

1

W

1

=

D

a

5

J

D

t

L

=

1

12

1

=

D

a

4

O

variam de 4 a 16 mas são geralmente de 4 a 6.

Ref. Geankoplis

numero de defletores é usualmente 4. O numero de laminas do impulsor

O agitador turbina mostrado na figura acima é o mais comumente usado nos processos industriais.

O agitador turbina mostrado na figura acima é o mais comumente usado nos processos industriais. Para o projeto de um sistema de agitação, este tipo de agitador é frequentemente usado no projeto inicial. As proporções geométricas do sistema de agitação são considerados como projeto padrão típico e estão dados abaixo:

D

a

D

D

t

d

=

0,3

2

=

D

a

3

a

0,5;

H

=

1

C

=

1

W

1

D

t

L

 

1

D

t

3

J

1

=

=

=

D

5

D

4

D

12

a

a

t

Circulação, velocidade e consumo de potencia em tanques agitados. Para um tanque de processamento ser efetivo, independentemente da natureza do problema de agitação, o volume de fluido circulado pelo impulsor deve ser suficiente para varrer todo o tanque em um tempo razoável. A velocidade da corrente que deixa o impulsor deve ser suficiente para levar as correntes às partes mais remotas do tanque. Em operações de mistura e dispersão a taxa de circulação não é somente um fator, ou mesmo o mais importante; turbulência no movimento das correntes frequentemente

regula a eficiência da operação. Turbulência resulta das correntes devidamente dirigidas e de grandes gradientes de velocidade no liquido. Ambas geração de circulação e turbulência consomem energia. Em geral, grandes impulsores movem em velocidade media são usados para promover fluxo, e impulsores pequenos operam em alta velocidade são usados onde turbulência interna é necessária.

Numero de fluxo e taxa de circulação na agitação

Um agitador atua como um rotor de uma bomba centrifuga sem invólucro e fornece um fluxo em certa pressão. Esta taxa de circulação Q (m 3 /s) da borda do impulsor é a taxa de fluxo perpendicular a área de descarga do impulsor. Velocidade do fluido tem sido medida em misturadores e tem sido usada para calcular as taxas de circulação. Dados para tanques com defletores têm sido correlacionado usando o adimensional N Q (numero de fluxo).

N

N

N

N

N

Q

Q

Q

Q

Q

=0,5

=0,75

=0,5

=0,75

=0,87

N =

Q

Q

ND

3

a

Hélice marina turbina de 6 laminas com disco (W/D a =1/5) turbina de 6 laminas com disco (W/D a =1/8) pitched-blade turbine (W/D a =1/5) turbina 4 laminas 45º (W/D a =1/6)

Velocidade padrão A figura mostra a corrente de fluido observada com uma turbina de 6 laminas, 6 in de diâmetro, girando a 200 rpm em um vaso de 12 in contendo agua gelada.

O fluido deixa o impulsor em uma direção radial , separando em correntes longitudinais seguindo

O fluido deixa o impulsor em uma direção radial , separando em correntes longitudinais seguindo para baixo ou para cima ao longo dos defletores, fluindo para dentro em direção ao eixo e retornando para o impulsor. Na base do tanque, imediatamente sob o eixo, o fluido faz um redemoinho, em outros lugares as correntes são radiais ou longitudinais. Os números indicam a magnitude escalar da velocidade do fluido em vários pontos como fração da velocidade da borda das laminas do impulsor. Sob as condições usadas a velocidade da borda é de 1,46 m/s. Aumentando a velocidade do impulsor aumenta a velocidade da borda e a taxa de circulação.

Potencia consumida

Uma importante consideração no projeto de um tanque agitado é a potencia requerida para mover o impulsor. A potencia consumida é relacionada a densidade do fluido, viscosidade do fluido, velocidade rotacional e diâmetro do impulsor.

N =

P

P

3

N D

ρ

5

a

P- potencia Grupos adimensionais Aplicando o método de analise adimensional temos:

N

P

=

ψ

nD

2

a

ρ

µ

N =

Re

nD

a 2 ρ

µ

,

n D

2

a

g

= ψ

(

N N

Re

,

Fr

)

Este grupo é proporcional ao numero de Reynolds calculado do diâmetro e velocidade periférica do impulsor. O fluxo é laminar no tanque se N Re <10 e turbulento se N Re >10 4 , e a faixa entre 10 e 10 4 , o fluxo é transicional, sendo turbulento no impulsor e laminar em partes remotas do tanque.

O

numero de potencia N P é análogo ao coeficiente de arraste.

O

numero de Froude N Fr é a medida da relação da tensão inicial da força

gravitacional por unidade de área atuando no fluido. Ela aparece em situações termodinâmicas onde tem movimento oscilatório significativo na superfície do liquido.

Correlação de Potencia para impulsores específicos

Os fatores de forma para os misturados são:

S =

1

D

a

D

t

S =

2

E

D

t

S

3

=

L

D

a

S

4

=

W

D

a

S

5

=

J

D

t

S

6

=

H

D

t

Em adição, o numero de defletores e o numero laminas dos impulsores deve ser especificado. Tanques com defletores Gráficos típicos de N P versus N Re para tanques com defletores equipados com turbinas de 6 laminas planas localizadas no centro são mostrados na Figura.

15
15