Você está na página 1de 7

Espectroscopia de Satura¸c˜ao

M. L. Miguez

Instituto de F´ısica de S˜ao Carlos, Universidade de S˜ao Paulo (Dated: 6 de novembro de 2011)

A espectroscopia ´e o termo designado para toda t´ecnica de levantamento de dados f´ısico-qu´ımicos atrav´es da transmiss˜ao, absor¸c˜ao ou reflex˜ao da energia radiante incidente em uma amostra. As espectroscopias baseadas em respostas n˜ao lineares a` intensidade da radia¸c˜ao eletromagn´etica s˜ao chamadas de n˜ao lineares, e s˜ao famosas por apresentarem uma resolu¸c˜ao extremamente alta. Neste trabalho apresentaremos uma t´ecnica conhecida como espectroscopia de satura¸c˜ao que ´e capaz de eliminar as limita¸c˜oes causadas pela largura Doppler das linhas espectrais.

˜

I. INTRODUC¸ AO

Antes do desenvolvimento do laser, estudos espec- trosc´opicos de absor¸c˜ao e emiss˜ao de linhas em meios gasosos foram limitados `a resolu¸c˜ao da largura Doppler. A largura Doppler ´e uma conseq¨uˆencia da distribui¸c˜ao de velocidade dos ´atomos.

II. ESPECTROS DISCRETOS E LASER

A. Espectros Discretos

Espectros discretos s˜ao aqueles cuja curva de intensi- dade em fun¸c˜ao do comprimento de onda apresenta picos em comprimentos de onda discretos, esse ´e o caso, por ex- emplo, do espectro da radia¸c˜ao emitida por uma lˆampada de g´as a baixa press˜ao ou por um LED. Vale ressalvar que apesar de esse pico ser muito fino, ele apresenta uma largura natural devida ao princ´ıpio de incerteza de Heisenberg. E al´em do mais, em gases, por exemplo, o movimento das mol´eculas nos faz ter que levar em conta o efeito Doppler e as colis˜oes que alargam ainda mais estas linhas espectrais.

B.

Laser

Um laser consiste numa fonte espectral estritamente monocrom´atica, da´ı vem grande parte de sua im- portˆancia, j´a que sabemos das grandes vantagens do uso de ondas monocrom´aticas na f´ısica. Outra caracter´ıstica importante do laser vem do fato de ele atingir altas in- tensidades de luz que proporcionam uma intera¸c˜ao n˜ao- linear com a mat´eria, possibilitando, por exemplo, as t´ecnicas de espectroscopia n˜ao-linear que ser˜ao estudadas adiante. O funcionamento de um laser se baseia no fenˆomeno da emiss˜ao estimulada previsto por Einstein. De acordo com Einstein, um f´oton pode estimular um dado ´atomo a emitir outro f´oton idˆentico ao que o estimulou. Ent˜ao se colocarmos um meio gasoso numa cavidade formada por dois espelhos, e for¸carmos, com uma descarga el´etrica, por exemplo, esses ´atomos a emitirem f´otons, esses f´otons ficaram presos na cavidade e estimular˜ao os ´atomos a

emitirem mais f´otons idˆenticos a eles. A pequena por- centagem de luz que escapa dos espelhos (5% aproxi- madamente) ´e extremamente monocrom´atica, j´a que ´e formada quase que por apenas um tipo de f´oton.[1]

III. ALARGAMENTO DE LINHAS ESPECTRAIS

Os espectros discretos s˜ao compostos de diversos picos que chamamos de linhas espectrais. Aparentemente essas linhas parecem ser infinitamente finas tendo um formato de delta de Dirac, contudo iremos mostrar aqui que na verdade essas linhas apresentam uma largura.

A. Tempo de vida

A taxa de decaimento de ´atomo excitado no n´ıvel de energia E 2 para o n´ıvel de energia E 1 (E 2 > E 1 ) espon- taneamente, ´e dada pela equa¸c˜ao (1).

dN 2 = A 21 N 2 dt

(1)

N 2 (t) = N 2 (0)e A 21 t

(2)

onde A 21 ´e o coeficiente de Einstein de emiss˜ao espontˆanea. Ent˜ao, por defini¸c˜ao, o tempo de vida m´edio dos ´atomos nesse n´ıvel ser´a

τ 2 =

0

tN 2 (t)dt =

1 21

A

(3)

Esse tempo de vida, de acordo com o princ´ıpio da in- certeza, ir´a implicar em uma incerteza na energia E 2 , e esse erro ir´a implicar num alargamento das linhas espec- trais.

2

B. Largura Natural

Essa seria a largura que as linhas espectrais teriam se fossem isoladas no espa¸co e tivessem velocidade nula. Para obter o perfil desta linha usaremos o modelo cl´assico e depois faremos uma analogia quˆantica.

1. O perfil das linhas espectrais

Sabemos que os el´etrons presos ao ´atomo est˜ao confi- nados numa regi˜ao em torno de um m´ınimo do potencial efetivo, ou seja, o raio da ´orbita do el´etron em torno do n´ucleo oscila em torno de um raio de equil´ıbrio est´avel. Suporemos que estas oscila¸c˜oes ser˜ao harmˆonicas. A estas oscila¸c˜oes est´a associada uma acelera¸c˜ao radial, de acordo com a teoria eletromagn´etica, o el´etron su- jeito a estas acelera¸c˜oes emitir´a radia¸c˜ao com a mesma frequˆencia da oscila¸c˜ao. A emiss˜ao desta radia¸c˜ao im- plicar´a num amortecimento no movimento oscilat´orio, de modo que a equa¸c˜ao de movimento ser´a

d 2 x

dt 2

+ γ dx

dt + ω

2

0

x = 0

(4)

onde x ser´a o deslocamento radial a partir da posi¸c˜ao de equil´ıbrio, γ o fator de amortecimento e ω 0 a frequˆencia natural das oscila¸c˜oes. Primeiramente vamos estimar qual seria o perfil das linhas espectrais se n˜ao houvesse o amortecimento. Neste caso a equa¸c˜ao do movimento se reduziria a

d 2 x

dt 2

+ ω

2

0

x = 0

x(t) = Ae iω 0 t + Be iω 0 t

(5)

(6)

Para obtermos o padr˜ao de frequˆencias associadas a esta oscila¸c˜ao basta tomarmos a transformada de Fourier de (6),

a(ω) =

1

2π

−∞

x(t)e iωt dt

(7)

= (ω ω 0 ) + (ω + ω 0 )

que ´e a soma de duas deltas de Dirac. Assim, pode- mos concluir que, se n˜ao houvesse o amortecimento, as linhas espectrais seriam infinitamente finas com perfil de delta de Dirac na frequˆencia ω 0 (frequˆencias negativas n˜ao fazem sentido). Voltemos ent˜ao a situa¸c˜ao onde h´a amortecimento, consideraremos o regime oscilador sub-amortecido para γ << ω 0 , a solu¸c˜ao da equa¸c˜ao (4) ´e da forma

x(t) = x 0 e ( γ t ) cos(ω 0 t)

2

(8)

onde tomamos as seguintes condi¸c˜oes iniciais, x(0) = x 0 e x˙ (0) = 0. A transformada de Fourier da equa¸c˜ao (9) ser´a

1 a(ω) = √ 2π x(t)e iωt dt = (9) −∞ x 1 1 0
1
a(ω) =
x(t)e iωt dt =
(9)
−∞
x
1
1
0
+
i(ω − ω 0 ) + γ
i(ω + ω 0 ) + γ
2
2

A intensidade I(ω) desta radia¸c˜ao emitida ´e propor- cional a |a(ω)| 2 , de forma que temos

I(ω) = I 0

γ

2π

( ω ) | 2 , de forma que temos I ( ω ) = I

(ω ω 0 ) 2 + ( γ ) 2

2

(10)

que ´e uma uma lorentziana com largura a meia altura ∆ω = γ. Desta forma conclu´ımos, de acordo com esse modelo, que o amortecimento no movimento do el´etron impede as linhas espectrais terem um perfil de delta de Dirac, ao inv´es disso, estas linhas tˆem o perfil dado pelo equa¸c˜ao (11) (Figura 1).

tˆem o perfil dado pelo equa¸c˜ao (11) (Figura 1). Figura 1: Perfil de uma linha espectral.

Figura 1: Perfil de uma linha espectral. A largura est´a ex- agerada j´a que supomos γ << ω 0 .

2. Analogia Quˆantica

Do ponto de vista quˆantico, sabemos que quando o el´etron no auto estado |n com auto energia E n tem um tempo de vida τ n neste estado, a partir do qual decai. No n´ıvel fundamental τ 1 = 0s. De forma que temos uma incerteza associada as auto-energias destes estados[2]

E n

τ n

(11)

Assim, a frequˆencia dos f´otons emitidos na transi¸c˜ao

3

do estado |n ao estado |k ter´a uma incerteza dada por

ω = E i + ∆E k

1

1

τ

i

+ τ k

(12)

De modo que dizemos que a largura natural da linha espectral ´e devida ao fato de os el´etrons terem tempos de vida finitos nos n´ıveis de energia.

C. Largura Doppler

Sabemos que de fato as mol´eculas de um g´as n˜ao est˜ao paradas e que muito menos est˜ao isoladas no espa¸co. Se levarmos em conta fatores como o efeito Doppler ou as co- lis˜oes entre as mol´eculas dos gases, veremos que a largura das linhas espectrais ´e ainda maior. O movimento t´ermico aleat´orio de ´atomos ou mol´eculas cria um deslocamento Doppler na radia¸c˜ao emitida ou ab- sorvida. As linhas espectrais de tais ´atomos ou mol´eculas ser˜ao amplificadas desde que a freq¨uˆencia da radia¸c˜ao emitida ou absorvida dependa da velocidade. Linhas es- pectrais individuais n˜ao podem ser resolvidos devido `a amplia¸c˜ao Doppler, e, portanto, detalhes sutis na estru- tura atˆomica ou molecular n˜ao s˜ao revelados. Primeiro, vamos considerar o efeito Doppler qualitati- vamente. Se um ´atomo se move em dire¸c˜ao ou para longe de uma fonte de luz laser, ele recebe a radia¸c˜ao deslocada para o azul ou vermelho, respectivamente. Se um ´atomo est´a em repouso, em rela¸c˜ao ao laser, absorve radia¸c˜ao de freq¨uˆencia ω 0 , ent˜ao quando o ´atomo est´a se aproxi- mando do laser ele vai ver a radia¸c˜ao deslocada para o azul, da´ı para a absor¸c˜ao ocorrer a freq¨uˆencia do laser deve ser menor que ω 0 . Da mesma forma, se o ´atomo for se afastando do laser, a freq¨uˆencia do laser deve ser maior que ω 0 para a absor¸c˜ao ocorrer. Podemos agora fazer uma an´alise quantitativa, sendo v(v << c) a velocidade do ´atomo em rela¸c˜ao `a um ref- erencial no laborat´orio e ω 0 a frequˆencia de uma das lin- has espectrais do ´atomo estando em repouso, segue que a frequˆencia da linha espectral de emiss˜ao deste ´atomo, estando em movimento, ´e deslocada para [3]

ω L = ω 0 + k.v

(13)

onde k ´e o vetor de onda da radia¸c˜ao emitida. Imag- inemos agora que esta radia¸c˜ao seja emitida ao longo do eixo z, assim

ω L = ω 0 1 + v z

c

(14)

onde v z ´e a velocidade do ´atomo ao longo do eixo z. Em equil´ıbrio t´ermico, o n´umero de ´atomos deste g´as n i (v z )dv z no n´ıvel de energia E i com velocidade ao longo do eixo z entre v z e v z + dv z segue a distribui¸c˜ao de Maxwell,

n i (v z )dv z =

v

N i π exp

p

v

z

v

p

2 dv z

(15)

onde N i ´e a densidade de ´atomos no n´ıvel E i e v p =

´e a velocidade mais prov´avel ao longo do eixo z,

com k sendo a constante de Boltzmann, T a temperatura absoluta do g´as e m a massa de um ´atomo. Da equa¸c˜ao

c 0 , substituindo na equa¸c˜ao

(16),

(15) segue que dv z =

2kt

m

ω

n i (ω)= N i

p π exp c(ω ω 0 )

c

ω 0 v

ω 0 v p

2

(16)

A intensidade da radia¸c˜ao emitida ser´a proporcional ao n´umero de ´atomos emitindo radia¸c˜ao, de modo que

I(ω) = I 0 exp c(ω ω 0 ) 2 ω 0 v p

(17)

que ´e um perfil gaussiano com largura a meia altura

∆ω D = 2ω 0 v p √ ln 2 = ω 0 8 ln
∆ω D = 2ω 0 v p √ ln 2 = ω 0 8 ln 2 kT
c
c
m

(18)

que na pr´atica resulta ser duas ordens de grandeza maior do que a largura natural. Lembremos que a frequˆencia de emiss˜ao em repouso n˜ao ´e unica´ e igual a ω 0 , mas tem o perfil lorentziano discutido na se¸c˜ao ante- rior, de modo que na pr´atica a largura ´e um pouco maior do que a dada pela equa¸c˜ao (19) (Figura 2).

pouco maior do que a dada pela equa¸c˜ao (19) (Figura 2). Figura 2: Compara¸c˜ao entre o

Figura 2: Compara¸c˜ao entre o perfil Doppler e o perfil Lorentziano de mesma largura.

4

˜

IV. ESPECTROSCOPIA DE SATURAC¸ AO

A.

Introdu¸c˜ao

O bombeamento ´optico diminui a popula¸c˜ao de ´atomos

no n´ıvel de absor¸c˜ao, o que resulta numa resposta n˜ao linear `a radia¸c˜ao absorvida, t´ecnicas de espectroscopia baseadas neste princ´ıpio s˜ao chamadas de n˜ao lineares.

A espectroscopia de satura¸c˜ao ´e um tipo de espectro-

scopia n˜ao linear de alta resolu¸c˜ao com o uso de lasers que pode superar as limita¸c˜oes geradas pelo efeito Doppler.

B. Absor¸c˜ao Linear e N˜ao Linear

pelo efeito Doppler. B. Absor¸c˜ao Linear e N˜ao Linear Figura 3: Linhas do espectro de Balmer

Figura 3: Linhas do espectro de Balmer para o Deut´erio. a)N´ıveis de energia e transi¸c˜oes permitidas, b)linha de emiss˜ao a 50K observadas com um espectr´ografo, c)medidas de alta resolu¸c˜ao com espectroscopia de satura¸c˜ao

Um diagrama simplificado da espectroscopia linear ´e mostrado em a) (Figura 4), dada uma onda de propaga¸c˜ao incidente sobre a amostra, alguns f´otons s˜ao absorvidos, como mostrado no diagrama de energia, e uma fra¸c˜ao da onda atinge o detector. A espectroscopia n˜ao-linear ´e ilustrado em b) (Figura 4), existem duas ondas contra-propagantes que interagem com os mes- mos ´atomos na regi˜ao onde elas se cruzam. O feixe de propaga¸c˜ao para a direita, o feixe de bombeio, causa a transi¸c˜ao indicada com uma linha tracejada no diagrama de energia, e o feixe de propaga¸c˜ao para a esquerda, o feixe de prova, causa a transi¸c˜ao indicada com uma linha s´olida. Neste caso, o campo que atinge o detector ´e uma fun¸c˜ao de ambos os campos, portanto, a espectroscopia ´e n˜ao-linear. Antes do desenvolvimento do laser, a in- tera¸c˜ao entre os campos de frequˆencia ´optica e a mat´eria

entre os campos de frequˆencia ´optica e a mat´eria Figura 4: Em espectroscopia linear (a) a

Figura 4: Em espectroscopia linear (a) a radia¸c˜ao que atinge o detector ´e proporcional a` radia¸c˜ao incidente na amostra. Em espectroscopia n˜ao linear (b) a radia¸c˜ao que atinge o detector depende de ambos os feixes.

eram fracos o suficiente para que as teorias lineares fos- sem adequadas.

C. Espectroscopia de Absor¸c˜ao

O arranjo b´asico para a espectroscopia de absor¸c˜ao laser atr´aves de uma amostra gasosa (n˜ao absor¸c˜ao sat- urada) est´a ilustrado em a) (Figura ??). Um feixe de

laser passa atrav´es da c´elula de vapor e sua intensidade

´e medida por um detector fotodiodo. Quando um feixe de laser se propaga atrav´es de uma

amostra gasosa, os dois processos de transi¸c˜ao estimulada (emiss˜ao e absors˜ao) alteram a intensidade do feixe laser

e afetam a densidade de ´atomos (n´umero por unidade

de volume) no estado fundamental e no estado excitado. Al´em disso, o alargamento Doppler associado ao movi- mento aleat´orio t´ermico dos ´atomos tamb´em devem ser levado em conta. H´a uma intera¸c˜ao entre esses efeitos, que ´e fundamen- tal para a compreens˜ao da espectroscopia de absor¸c˜ao saturada. Come¸camos com a equa¸c˜ao b´asica que de- screve as mudan¸cas de intensidade do laser, uma vez que se propaga atrav´es de uma amostra. Por causa da emiss˜ao estimulada e de absor¸c˜ao, a in- tensidade do laser I(z) varia quando propagada de z para z + dz no meio.

dx dI = κI

(19)

onde κ ´e o coeficiente de absor¸c˜ao. Se houver um n´umero igual de ´atomos no estado fundamental e no es-

tado excitado, os f´otons do laser s˜ao t˜ao suscept´ıveis de serem emitidos por um ´atomo no estado exitado como a serem absorvidos por um ´atomo no estado fundamental

e n˜ao haver´a atenua¸c˜ao no feixe incidente. A atenua¸c˜ao

maximiza quando todos os ´atomos est˜ao no estado funda- mental, pois apenas as transi¸c˜oes para o estado excitado seriam poss´ıveis.

5

No caso de campo fraco, κ n˜ao depende da freq¨uˆencia

e da intensidade do laser, a equa¸c˜ao (20) ´e satisfeita pela lei de Beer (21), que diz que a intensidade decai exponen- cialmente com a distˆancia percorrida atrav´es da amostra.

I(z) = I 0 e κz

(20)

D. Espectroscopia de Absor¸c˜ao Saturada Doppler-Free

(20) D. Espectroscopia de Absor¸c˜ao Saturada Doppler-Free Figura 5: Aparato para espectroscopia de absor¸c˜ao

Figura 5: Aparato para espectroscopia de absor¸c˜ao saturada

Doppler-free com atomos´

de rub´ıdio

O aparato para a espectroscopia de absor¸c˜ao saturada

Doppler-free ´e mostrado em (Figura 5). O feixe de sa´ıda do laser ´e dividido em trˆes feixes, dois feixes de prova menos intensos e um feixe de bombeio mais intenso. Os dois feixes de prova passam atrav´es da c´elula de cima para baixo, e s˜ao detectados separadamente por dois fo-

todiodos. Depois de ser refletido duas vezes por espelhos,

o feixe de bombeio mais intenso passa atrav´es da c´elula

de baixo para cima. Dentro da c´elula h´a uma regi˜ao do espa¸co onde um dos feixes de prova e de bombeio se so- brep˜oem e interagem com os mesmos ´atomos. Este feixe de prova ser´a referido como o primeiro feixe de prova e o outro como segundo feixe de prova.

O sinal do segundo feixe de prova ser´a um sinal de

absor¸c˜ao linear, onde as linhas espectrais sofrem alarga-

mento Doppler. O sinal ´e mostrado em a) (Figura 6), e foi fotografado a partir da tela de um oscilosc´opio. H´a duas linhas com alargamento Doppler mostradas na figura e parte da forma da onda triangular usada para

movimentar o piezo presente no laser, usado para varrer

a freq¨uˆencia do laser.

O sinal do primeiro feixe de prova ser´a um sinal n˜ao-

linear, o sinal de espectroscopia de absor¸c˜ao saturada es-

tar´a sobreposto ao sinal com alargamento Doppler. Este sinal ´e mostrada em b) (Figura 6), a estrutura hiperfina pode ser observada.

em b) (Figura 6), a estrutura hiperfina pode ser observada. Figura 6: Sinais obtodos a partir

Figura 6: Sinais obtodos a partir do feixe de prova por es- pectroscopia Doppler-free. Em cada caso, a rampa (curva inferior) ´e a tens˜ao do piezo. A freq¨uˆencia do laser aumenta com o aumento de tens˜ao sobre o piezo. a)Linhas espectrais com alargamento Doppler. b) Linhas espectrais com alarga- mento Doppler e estrutura hiperfina. c) Linhas espectrais de absor¸c˜ao saturada Doppler-free.

Se os dois sinais da figura a) e b) s˜ao subtra´ıdos um do outro, ent˜ao o alargamento Doppler cancela-se e a estrutura hiperfina permanece. O sinal mostrado em c) (Figura 6) ´e o sinal de absor¸c˜ao saturada Doppler-free. Podemos agora considerar os detalhes da f´ısica envolvida. Come¸camos focando no feixe de bombeio e no primeio feixe de prova. O feixe de bombeio muda as popula¸c˜oes dos estados atˆomicos e o feixe de prova detecta essas mudan¸cas. Vamos primeiro considerar como o feixe de bombeio muda as popula¸c˜oes, e depois vamos discutir os efeitos dessa mudan¸ca para o primeiro feixe de prova.

6

Como discutido acima, por causa do efeito Doppler apenas ´atomos com uma particular velocidade v z estar˜ao em ressonˆancia com o feixe de bombeioe poder˜ao ser ex- citados. Essa mudan¸ca nas popula¸c˜oes pode ser feita de duas maneiras, uma forma ´e conhecida como ”bombea- mento hiperfino”e a outra como ”satura¸c˜ao”.

1. Bombeamento Hiperfino e Satura¸c˜ao

Bombeamento hiperfinos ´e o bombeamento ´optico dos

´atomos entre os n´ıveis hiperfinos.

que ir´a modificar a absor¸c˜ao do feixe de prova. O pro- cesso de bombeamento hiperfino ´optico ocorre quando h´a m´ultiplos estados fundamentais (estado fundamental com estrutura hiperfina) acess´ıvel a partir dos estados excitados.

Quando um ´atomo est´a no estado excitado tem um

tempo de vida m´edio neste estado de d´ecimos de ns, se

a intensidade do feixe de bombeio ´e baixa, o ´atomo vai

ficar no estado fundamental por um tempo muito supe- rior antes de ser re-excitado, e assim, em m´edia, quase todos os ´atomos estar˜ao no estado fundamental. No en- tanto, se a intensidade do bombeio ´e alta o suficiente ele pode re-excitar o ´atomo muito rapidamente. Neste caso a maioria da popula¸c˜ao estaria no estado excitado. Na verdade devido ao fenˆomeno de emiss˜ao estimulada, para intensidade muito alta um limite ´e atingido, onde metade da popula¸c˜ao est´a no estado excitado e a outra metade est´a no estado fundamental. Para intensidades realista a popula¸c˜ao do estado excitado ser´a menor do que 0,5, algo em torno de 2 a 20%. O efeito do uso de alta potˆencia para bombear rapidamente os ´atomos para um estado excitado ´e conhecido como satura¸c˜ao. Em al- gumas referˆencias o bombeamento hiperfino ´e tamb´em referido como satura¸c˜ao.

E um mecanismo f´ısico

´

Este efeito de satura¸c˜ao estar´a presente nas transi¸c˜oes que tˆem bombeamento hiperfino, bem como as transi¸c˜oes que n˜ao. No entanto, ´e geralmente um efeito menor. Isto pode ser entendida considerando a dependˆencia da inten- sidade desses dois efeitos sobre a popula¸c˜ao. O bombea- mento hiperfino come¸ca a se tornar importante quando

a taxa de excita¸c˜ao ´e cerca de uma vez por microsse-

gundo. A partir da discuss˜ao acima, pode-se observar que

a satura¸c˜ao da transi¸c˜ao ser´a importante quando a taxa

de excita¸c˜ao ´e compar´avel ao tempo de vida do estado excitado. Assim o bombeamento hiperfino ir´a ocorrer em intensidade muito menor do que a satura¸c˜ao. As intensi-

dades que s˜ao utilizadas s˜ao baixos o suficiente para que

o bombeamento hiperfinos seja substancialmente maior

do que a satura¸c˜ao. Agora podemos explicar como o bombeamneto hiperfino afeta o primeiro feixe de prova. Imagine que

todos os ´atomos na c´elula est˜ao em repouso e considere

o que acontece quando a freq¨uˆencia do laser ´e ajustada

para ω 0 . O bombeamento hiperfino pelo feixe de bombeio mais intenso produz uma popula¸c˜ao menor no estado fun- damental, isto significa que menos ´atomos ir˜ao absorver

energia do primeiro feixe de prova, da´ı o n´umero de f´otons do primeiro feixe de prova que atingem o detector foto- diodo vai aumentar. Agora, o segundo feixe de prova est´a interagindo com um grupo diferente de ´atomos na c´elula de vapor, portanto, n˜ao ´e influenciado pelo feixe de bombeio e, portanto, a intensidade do segundo feixe de prova em seu detector fotodiodo ser´a menor do que a do primeiro feixe de prova. Assim, depois de subtrair os dois sinais, o sinal resultante ir´a mostrar a diferen¸ca entre os dois feixes de prova devido aos efeitos do bombeamento hiperfino pelo feixe de bombeio. Ambos os feixes de prova

tˆem o mesmo alargamento Doppler, e a subtra¸c˜ao anula esta absor¸c˜ao comum como mostrado em c) (Figura 6).

Os ´atomos na c´elula de vapor, ´e claro, n˜ao est˜ao todos

em repouso, em vez disso eles ter˜ao uma distribui¸c˜ao de velocidades dada por (16). Um ´atomo que absorve luz na freq¨uˆencia ω 0 quando em repouso, absorver´a a luz do

laser de freq¨uˆencia ω L , onde ω L ´e dada por (15), quando

o ´atomo se move com velocidade de ±v z ao longo do eixo

da c´elula de vapor. Considere a distribui¸c˜ao de Maxwell de velocidades atˆomicas mostrado em (Figura 7), onde

o n´umero de ´atomos do estado fundamental N g s(v z ) ´e plotado contra v z , velocidade dos ´atomo.

z ) ´e plotado contra v z , velocidade dos ´atomo. Figura 7: Absor¸c˜ao do feixe

Figura 7: Absor¸c˜ao do feixe de prova e bombeio por atomos´ do estado fundamental, assumindo uma distribui¸c˜ao de veloci- dade de Maxwell-Boltzman, para os casos quando a frequˆencia do laser ´e a)abaixo (ω L < ω 0 ), b)igual ω L = ω 0 ) e c)acima ω L > ω 0 ) da freq¨uˆencia de ressonˆancia de transi¸c˜ao.

O eixo

z

positivo

´e

escolhido

dire¸c˜ao dos feixes de prova.

arbitrariamente

na

7

´

Atomos se movendo para a direita

est˜ao se movendo em dire¸c˜ao ao feixe de bombeio e eles

ver˜ao a luz deslocada para o azul.

com v z ir˜ao absorver a luz do feixe de bombeio. O feixe de prova ´e apontado para a direita, portanto, os ´atomos movendo para a esquerda com a mesma magnitude de

Atomos movendo-se

(a)

(ω L

<

ω 0 ).

´

´

E impor-

tante reconhecer que os trˆes feixes est˜ao interagindo com trˆes diferentes grupos de ´atomo. Os dois feixes de prova est˜ao interagindo com ´atomos em diferentes regi˜oes da c´elula de vapor movendo para a esquerda com velocidade v z , enquanto o feixe de bombeio est´a interagindo com

velocidade ir˜ao absorver os feixes de prova.

os ´atomos se movendo para a direita com velocidade v z .

Al´em disso, o feixe de bombeio ´e mais intenso e provoca uma maior redu¸c˜ao no n´umero de ´atomos no estado fun- damental do que os feixes de prova menos intensos.

´

Atomos com velocidade v z = 0 na

regi˜ao de sobreposi¸c˜ao do primeira feixe de prova e o feixe de bombeio podem absorvem luz de ambos os feixes. O feixe de bombeio esvazia a popula¸c˜ao do estado funda- mental, em seguida, o primeiro feixe de prova passa com absor¸c˜ao reduzida. Absor¸c˜ao reduzida do segundo feixe

de prova n˜ao ocorre, portanto, a subtra¸c˜ao dos dois sinais

d´a um sinal de absor¸c˜ao sem a amplifica¸c˜ao Doppler. A intera¸c˜ao ´e n˜ao-linear, o sinal do primeiro feixe de sonda depende de ambos os campos o primeiro feixe de prova e

o feixe de bombeio.

(b)

(ω L

=

ω 0 ).

´

E como em (a) com as dire¸c˜oes reversa,

e a subtra¸c˜ao dos dois sinais dos feixes de provas da um resultado nulo. Um pico ”crossover”aparece no meio entre quaisquer

duas transi¸c˜oes que tˆem o mesmo n´ıvel inferior e dois diferentes n´ıveis exitados. Isso ocorre porque, quando

o laser ´e sintonizado na frequˆencia no meio entre as

duas transi¸c˜oes, ´atomos com uma particular velocidade diferente de zero podem estar simultaneamente em res- sonˆancia com ambos os feixes de bombeio e o feixe de prova e, portanto, tˆem absor¸c˜ao n˜ao-linear. Em outras palavras, os dois feixes excitam ressonˆancias para difer- entes transi¸c˜oes.

(c) (ω L > ω 0 ).

E. Espectroscopia de satura¸c˜ao

A espectroscopia de satura¸c˜ao ´e ent˜ao baseada em

obtermos, ao inv´es do perfil Doppler da linha espectral

o perfil dos Lamb Dips associado a estas linhas, como

mostrado previamente. Como a largura destes Lamb Dips ´e muito menor que a largura do perfil Doppler, dize-

mos que a resolu¸c˜ao deste tipo de espectroscopia ´e muito

grande. Para ilustrar imagine que duas transi¸c˜oes de um

´atomo ocorrem nas frequˆencias ω a e ω b , sabemos que o perfil das linhas espectrais associadas a estas transi¸c˜oes geralmente ´e limitado pela largura Doppler, que pode

ser maior que a distˆancia entre estas frequˆencias, i.´e,

ω D > |ω a ω b | de modo que se n˜ao eliminarmos a largura Doppler n˜ao conseguimos resolver as duas lin- has. Por´em, usando a espectroscopia de satura¸c˜ao, como a largura dos Lamb Dips ´e muito menor que a largura Doppler, temos uma grande chance de ela ser menor que |ω a ω b |, e assim as duas linhas podem ser resolvidas (Figura 8).

| , e assim as duas linhas podem ser resolvidas (Figura 8). Figura 8: Note que

Figura 8: Note que o perfil Doppler em (a) n˜ao consegue resolver as linhas espectrais, enquanto que o perfil de Lamb dips consegue em (b).

F. Uma aplica¸c˜ao da espectroscopia da satura¸c˜ao

A espectroscopia de satura¸c˜ao ´e uma t´ecnica t˜ao poderosa que nos possibilita, por exemplo, obter as linhas espectrais da estrutura hiperfina de algumas mol´eculas. Ent˜ao, podemos, por exemplo, usar este tipo de espec- troscopia para estabilizar a frequˆencia de um laser a uma das frequˆencias hiperfinas desta mol´ecula, de forma que ter´ıamos um laser com uma frequˆencia extremamente precisa que poderia ser usado como um padr˜ao de com- primento e frequˆencia.

[1] Orientando Vin´ıcius and Zamprˆonio Pedroso. Espectros Diversos e um Estudo das bases da Espectroscopia de Satura¸c˜ao. PhD thesis. [2] Saturated Absorption Spectroscopy. Advanced Physics Laboratory.

[3] Doppler-free

saturated

absorption

spectroscopy:

laser

spectroscopy. Laser Spectroscopy, pages 1–18.