Você está na página 1de 6

Notas de Aulas: Equações Diferenciais Ordinárias

Professor: Armando Peixoto

Conteúdo

Definição de equação diferencial ordinária (edo)

1

Tipos de equações diferenciais

1

Ordem

2

Grau

2

Solução de uma edo

2

Tipos de soluções

2

Trajetórias Ortogonais

3

Exercícios

propostos

4

Respostas dos exercícios propostos

6

Definição de equação diferencial ordinária (edo) Chama-se equação diferencial ordinária a toda equação que estabelece uma relação entre a variável

independente x, a função incógnita (desconhecida) y

do assim, podemos escrever simbolicamente uma edo como segue:

f ( x ) e suas derivadas (x) e suas derivadas

y

F x ( , y , y , y , y , , y (
F x
(
,
y
,
y
,
y
,
y
,
,
y
(
n
)
)
0

(notação de Lagrange) ou

F x

(

,

y

,

dy

d

2

y

d

3

y

dx ,

dx

2

,

dx

3

,

de Leibnitz).

, y , y , , y ( n )
,
y
,
y
,
,
y
(
n )

. Sen-

,

n

d

y

n

)

dx

0
0

(notação

Tipos de equações diferenciais 1) Equação diferencial ordinária (edo): existe somente uma variável independente. Exemplos:

a)

d)

dy

dx

x 5
x
5

y

2(y ) 2 y cos(x)
2(y
)
2 y
cos(x)

b)

e)

d

2 y

dx

2

dy 3 2 y 0 dx
dy
3
2
y 0
dx

(y

) 2 (y ) 3 3y x 2
)
2
(y )
3
3y
x
2

c) xy

y 3
y
3

2) Equação diferencial parcial (edp): existem duas ou mais variáveis independentes. Exemplos:

z z z x f) x y
z
z
z
x
f)
x
y

g)

2 z 2 z x 2 y x 2 y 2
2
z 2
z
x
2 y
x
2
y
2

Ordem Denomina-se ordem de uma equação diferencial a ordem da derivada de maior ordem envolvida na e- quação. Exemplos: As equações (a), (c) e (f) são de 1ª ordem, as equações (b), (e) e (g) são de 2º ordem e a equação (d) é de 3ª ordem.

Grau O grau de uma equação diferencial é dado pelo expoente algébrico tomado à derivada de maior ordem presente na equação. Exemplos: As equações (a), (b), (c), (d), (f) e (g) são do 1º grau e a equação (e) é do 2º grau.

Solução de uma edo

Resolver ou integrar a função

F x ( , y , y , y , y , , y (
F x
(
,
y
,
y
,
y
,
y
,
,
y
(
n
)
)

é encontrar a função y

que, quando substituirmos o valor de

encontrar a função y que, quando substituirmos o valor de ( x ) e de suas

(x) e de suas derivadas na expressão

F x ( , y , y , y , y , , y (
F x
(
,
y
,
y
,
y
,
y
,
,
y
(
n
)
)

, esta se torna uma identidade.F x ( , y , y , y , y , , y ( n

y , y , , y ( n ) ) , esta se torna uma identidade.

(x) de tal forma

Tipos de soluções a) Solução geral Contém constantes arbitrárias igual à ordem da equação diferencial.

Exemplo 1: A equação F(x, y, y )

diferencial. Exemplo 1: A equação F ( x , y , y ) 0 é denominada

0 é denominada edo de 1ª ordem. Assim,

y

dy 2 x 5 2 x 5 dy (2 x 5) dx dy (2 x
dy
2
x
5
2
x
5
dy
(2
x
5)
dx
dy
(2
x
5)
dx
C
dx
y x 2
y
x
2

5x C . Esta última expressão denominamos de solução geral,

isto se deve pela constante arbitrária C estar contida na solução determinada.

Uma edo de ordem n possui n constantes arbitrárias C1,C2,

lado, a representação gráfica da solução geral obtida acima.

. Segue, ao

,Cn

gráfica da solução geral obtida acima. . Segue, ao , C n Exemplo 2: A equação

Exemplo 2: A equação F(x, y, y , y

) 0
)
0

é chamada de edo de 2ª

ordem. Verifique que a expressão y

C1 sen(x)
C1 sen(x)

C 2 cos(x) é solu-

ção geral da edo

d

2

y

dx

2

y 0 .
y
0
.
Verifique que a expressão y C1 sen(x) C 2 cos( x ) é solu- ção geral

b) Solução particular Esta solução é deduzida da solução geral. Para tanto, deve-se atribuir um ponto

conhecido (valor inicial ou valor de contorno) P

um ponto conhecido (valor inicial ou valor de contorno) P ( x o , y o

(xo ,yo ) na solução geral.

Exemplo 1: determine a solução particular que contém o ponto P

(5/2,
(5/2,

1/ 4) . Assim, substituindo o

ponto considerado na solução geral, obtemos C

o ponto considerado na solução geral, obtemos C 6 . Portanto, a solução particular é y

6 . Portanto, a solução particular é

y

x 2 5x 6 .
x
2 5x
6 .

Exemplo 2: determine a função cuja derivada é ela mesma, isto é, y

determine a função cuja derivada é ela mesma, isto é, y y . Faça a representação

y . Faça a representação gráfica

e destaque a solução particular que passa pelo ponto P

e destaque a solução particular que passa pelo ponto P (0,2) , ou seja, resolva a

(0,2) , ou seja, resolva a edo y

y
y

e de-

termine a solução particular no ponto P

Resolução:

(0,2) .
(0,2) .
dy dy dy y y dx dx C ln | y | x C dx
dy
dy
dy
y
y
dx
dx
C
ln |
y
|
x
C
dx
y
y
x
y
A e
x
C
C
x
x
y |
e
e
e
|
y
|
A e
x
y
A e

y

|

Substituindo o ponto P

(0,2) na solução encontrada, obtemos o valor na solução encontrada, obtemos o valor

A

o ponto P (0,2) na solução encontrada, obtemos o valor A 2 e, por conseguinte, a

2 e, por conseguinte, a solução particular é dada por

y

2 e x
2
e
x

. A

a solução particular é dada por y 2 e x . A representação gráfica da solução

representação gráfica da solução particular está destacada em negrito no gráfico ao lado.

Exemplo 3: determine a solução particular da solução geral y

C1 sen(x)
C1 sen(x)

C 2 cos(x) que satisfaz as

seguintes condições de contorno: y(

/3)
/3)

2 e

y(

/ 4)
/ 4)

1 . A solução particular é dada pela expres-

são y

que no Exemplo 2 do item (a) solução geral.

3,53 sen(x)
3,53 sen(x)

2,12 cos(x) . Verifique!!! Esta solução está representada graficamente em desta-

Trajetórias Ortogonais

Definição: quando todas as curvas de uma família F x,y,C0 interceptam ortogonalmente todas as

curvas de outra família Gx,y,K 0 , então dizemos que as famílias são trajetórias ortogonais uma da

outra. Em outras palavras, uma trajetória ortogonal é uma curva que intercepta toda a curva de uma famí- lia em ângulo reto. Trajetórias ortogonais ocorrem naturalmente na construção de mapas me- teorológicos e no estudo de eletricidade e magnetismo. Por exemplo, em um campo elétrico em volta de dois corpos de cargas opostas, as linhas de força são perpendiculares às curvas eqüipotenciais (isto é, curvas ao longo

opostas, as linhas de força são perpendiculares às curvas eqüipotenciais (isto é, curvas ao longo Página

das quais o potencial é constante). As linhas de força estão indicadas na figura ao lado por linhas traceja- das.

Exemplo: a figura ao lado mostra a família de retas y Cx e a família

ao lado mostra a família de retas y  Cx e a família de círculos concêntricos.

de círculos concêntricos. Estas famílias são trajetórias orto-

gonais. De fato: primeiramente deveremos determinar a edo que originou a família

F x,y,C0 y Cx . Desta forma, temos que isolar a constante C ,

x 2

y

2

K

o que nos dá

y x

C

. Derivando esta expressão em relação à x,

temos:

y  

F

y

x

, o que representa geometricamente os coeficientes angulares das retas tangentes de

cada membro da família F num ponto genérico P(x,y) . Para obtermos a família ortogonal da família F,

devemos calcular os coeficientes angulares das retas tangentes da família G. Para tanto, deve-se inverter

e trocar o sinal de yF, o que resulta em:

temos:

x

2

y

2

K Gx,y,K 0 .

Exercícios propostos

y

x

dy

    

G

y dx

y

x

xdx

ydy

0

. Resolvendo esta edo

Problema 1: formar as equações diferenciais ordinárias das seguintes famílias de curvas.

a)

d)

g)

x

y

y

2

y 2 C 2
y
2
C
2
2 C1x C1x 1 C2 C2 ln(x)
2
C1x C1x
1
C2 C2
ln(x)

b) y

e)

y

Ce x
Ce
x

c)

C1cos(2x) C2 sen(2x) f)
C1cos(2x)
C2 sen(2x)
f)

x 3

C(x 2 y 2 )
C(x
2
y
2
)

y

( C 1 C 2 x e ) x C 3
( C
1
C
2
x e
)
x C
3

2

3)dx dy
3)dx
dy

Problema 2: dada a equação diferencial

família de curvas nos eixos cartesianos. Encontre e destaque a solução particular que passa pelo ponto

0 , determine a solução geral e esboce esta

(3x

P

(1, 1) .
(1,
1) .

Problema 3: resolver as equações diferenciais ordinárias de variáveis separáveis (EDOVS).

a)

c)

(1

1

x

y 2 )dx (1 x 2 )dy 0
y
2
)dx
(1
x
2
)dy
0
dy tg( y ) 0 dx
dy
tg(
y )
0
dx

b)

d)

(1

y

y 2 )dx xdy 0
y
2 )dx
xdy
0
e 2 y x 2 4
e 2 y
x 2
4

e)

g)

2

sen(y).cos(x)dy 0
sen(y).cos(x)dy
0

cos (y).sen(x)dx

e

x

2 y . xdx e y x dy 0
2 y
.
xdx
e
y
x
dy
0
dy 1 f) dx e x .cos y
dy
1
f)
dx
e
x
.cos
y

Problema 4: sabendo-se que o Radium (Ra) se decompõe naturalmente em proporção direta à quantida- de presente, e leva 250 anos para decompor 10% de certa quantidade. Quantos anos levarão para de- compor a metade da quantidade inicial?

Problema 5: a lei do arrefecimento de Newton estabelece que a razão pela qual um corpo muda de tem- peratura é proporcional à diferença entre sua temperatura e a do meio ambiente. Se um corpo está no ar a uma temperatura de 35ºC e o corpo esfria de 120ºC para 60ºC em 40 min, determine a temperatura do corpo depois de 100 min.

Problema 6: um termômetro é retirado de dentro de uma sala e colocado do lado de fora, em que a tem- peratura é de 5°C. Após 1 minuto, o termômetro marcava 20°C; após 5 minutos, 10°C. Qual a temperatu- ra da sala?

Problema 7: num tanque existem 100 litros de água que contém 70 kg de sal dissolvidos. A água fresca (pura) entra no tanque à razão de 3 l/min, e a mistura, que permanece uniforme após agitada, sai à mes- ma razão. Quantos quilos de sal existem no tanque após 1 h?

Problema 8: resolva as equações diferenciais homogêneas (EDOH).

a) 4x

c)

(x

2

3y y (2y 3x) 0
3y
y (2y
3x)
0
y 2 )dx (2x y)ydy 0
y
2
)dx
(2x
y)ydy
0

e)

xdy

y

ydx xe x dx
ydx
xe x dx

b)

2x(x

y)dx (x 2 y 2 )dy 0
y)dx
(x
2
y
2
)dy
0

d) (x

y)dx (y x)dy 0
y)dx
(y
x)dy
0
y y x .cos( )( ydx xdy ) y .sen( )( xdy ydx ) f)
y
y
x
.cos(
)(
ydx
xdy
)
y
.sen(
)(
xdy
ydx
)
f)
x
x

Problema 9: determine as trajetórias ortogonais das famílias de curvas dadas abaixo.

a)

c)

e)

Cx

2

y

y (x C)

y e

Cx

2

b)

d)

f)

x

y

2

y

2

Ce

2Cx

x

y

x

1 Cx

Respostas dos exercícios propostos

Problema 1:

a)

xdx

b)Respostas dos exercícios propostos Problema 1: a) xdx d) g) x x d 2 y 2

d)

g)

x

x

d

2 y

2

dy 0 dx
dy
0
dx

dx

2

y

2xy 1 0
2xy
1
0

e)

dy

dx

y 0
y
0

y

4y 0
4y
0

Problema

2:

solução

y

x 3 3x 1.
x
3
3x
1.

geral

y

x 3 3x C
x
3 3x
C

e

solução

Problema 3:

a)

y

C(1 xy) x
C(1
xy)
x

d)

g)

e 2 y

(2 x

x arc tg( ) C 2
x
arc tg(
)
C
2
1) e 2 x 4 e y C
1)
e
2 x
4
e
y
C
g) e 2 y (2 x x arc tg( ) C 2 1) e 2 x

e) ln(sec(x)) y tg(ln(Cx)) sec(y)

b)

C
C

c) 3

y

2

dy x 2 2 xy dx
dy
x
2
2
xy
dx
d 3 y d 2 y dy 2 0 f) dx 3 dx 2 dx
d
3
y
d
2
y
dy
2
0
f)
dx
3
dx
2
dx

particular

d 3 y d 2 y dy 2 0 f) dx 3 dx 2 dx particular

c) x cos(y)

C
C
y arcsen( C e x ) f)
y
arcsen(
C
e
x
)
f)

Problema 4: aproximadamente 1644,7 anos.

85 (5/17) ( t / 40) 35
85 (5/17)
(
t / 40)
35
15 3 (1 t )/ 4 5
15
3
(1
t )/ 4
5

Problema 5: a função temperatura

Problema 6: a função temperatura

( )

( )

T t

T t

e T(100)

39ºC .
39ºC .

e T(0)

Q t

( )

24,7ºC . 70 e 0,03 t
24,7ºC .
70
e
0,03 t

Problema 7: a função quantidade de sal existente no tanque é

e Q(60)

11,6 kg .
11,6 kg
.

Problema 8:

y 2 3xy 2x 2 C a) y ln C x 2 y 2 arc
y
2
3xy
2x
2
C
a)
y
ln
C
x
2
y
2
arc
tg(
)
d)
x
Problema 9:
 x
2
 K
a)
2 2 3/2
c)
2y 2x 4y
(2ln(y)  3x  K 1)y
2
 K
e)

b)

2x

3

3x 2 y y 3 C
3x
2
y
y
3
C

e) e

y x ln x C
y
x
ln x
C

c)

y

3

3xy 2 x 3 C
3xy
2
x
3
C
y x y . .cos( ) C f) x
y
x y
.
.cos(
)
C
f)
x

b)

d)

f)

x

y

x

2

2

3

2

   y y 2x   K K 2Ky

3