Você está na página 1de 4

PODER JUDICIÁRIO - .

_ - {
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE- SÃO PAULO ';'- "' ' - '

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO


ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA
ACÓRDÃO REGISTRADO(A)SOBNo

'02258797*

Vistos, relatados e discutidos estes autos de

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO n° 603.058-4/7-01, da Comarca de SÃO

PAULO, em que é embargante COOPERATIVA HABITACIONAL DOS

BANCÁRIOS DE SAO PAULO BANCOOP sendo embargado LUIZ EDUARDO

HIDEO HIRANO:

ACORDAM, em Sétima Câmara' de Direito Privado do

Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, proferir a

seguinte decisão: "REJEITARAM'•':: OS EMBARGOS, V.U.", de

conformidade com o voto do Relator, que integra este acórdão.

O julgamento teve a participação dos

Desembargadores LUIZ ANTÔNIO" COSTA (Presidente, sem voto),

ELCIO' TRUJILLO "e SOUSA LIMA. ' "" ' • 1


i ;

São Paulo, 01 de abril de 2009.

ÁLVARO PASSOS
Relator

19 (Fora de pauta)
PODER JUDICIÁRIO
FRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Voto n° 5384/TJ - Rei. ÁLVARO PASSOS - 7a Câmara de Direito Privado.


Embargos de Declaração n° 603.058-4/7-01
Embargante: COOPERATIVA HABITACIONAL DOS BANCÁRIOS DE
SÃO PAULO
Embargado: LUIZ EDUARDO HIDEO HIRANO
Comarca: São Paulo - Foro Regional do Jabaquara

EMENTA

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO
Inocorrência dos vícios apontados - Propósitos
infringentcs - Impossibilidade - Via recursal que
não se presta ao reexame do julgado -
Prequestionamento - Decisão completa - Não
obrigatoriedade de o órgão judicial aduzir
comentários sobre todos os argumentos e
dispositivos legais invocados pelas partes -
Embargos rejeitados.

Vistos.

Trata-se de embargos de declaração opostos


contra o V. Acórdão de fls 116/118 que, por unanimidade, negou provimento
a agravo de instrumento para manter o indeferimento da antecipação dos
efeitos da tutela em ação de reintegração de posse. /

h
Embargos de Declaração n" 603.05H-4/7-0I - Foro Regional do Jabaquara - Voto n" 5384
1
á S ™ PODER JUDICIÁRIO
Jifclffc TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Sustenta a embargante, em apertada síntese,


que o julgado foi contraditório e obscuro, porquanto aplicou a lei
consumeirista sem observar a relação cooperativista vigente entre as partes,
valendo-se, para tanto, do instituto da tutela antecipada como razão de
decidir, quando o objeto do agravo se referia à liminar em ação de
reintegração de posse, fundada nos arts. 927 e 928 do CPC Pretende sejam
sanados os vícios apontados e o pronunciamento expresso acerca da
negativa de vigência da Lei n° 5.764/71, arts. 10, 80, 81 e 89 e arts 927, 928
do CPC para atender o prequestionamento necessário ao reexame da
matéria pela Superior Instância

É o breve relatório.

O recurso não merece prosperar

Com efeito, os embargos de declaração têm


os seus contornos definidos no artigo 535 do CPC, objetivando apenas
complementar a decisão omissa ou, ainda, aclará-la, dissipando
obscundades ou contradições, não se prestando ao reexame de matéria já
apreciada.

No presente caso, malgrado se reconheça


que a pretensão recursal não se referia, propriamente, ao instituto da tutela
antecipada, o fundamento adotado no aresto para o seu indeferimento - o
não convencimento da verossimilhança das alegações da embargante -
aplica-se, igualmente, à pretendida liminar possessória, já que esta também
tem natureza de antecipação de tutela, sobretudo porque visa adiantar aquilo
que se dana ao final (reintegração de posse) e sua concessão depende de
um requisito semelhante, qual seja, a plausibihdade do direito invocado/pão

Embargos de Declaração n" 603.058-4/7-01 - Foro Regional do Jahaquara - Voto n" 5384
PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

caracterizado na hipótese em razão da existência de contrato em contra-


senso com Código de Defesa do Consumidor.

Feito tal esclarecimento, não se vislumbra a


ocorrência de qualquer vício que justifique a oposição destes embargos, pois
os demais argumentos apresentados pela embargante apenas refletem o seu
inconformismo com o resultado do julgamento e sua intenção em modificá-lo,
o que é defeso pela via recursal eleita.

Outrossim, "tendo o acórdão lançado


suficientes fundamentos para justificar a conclusão adotada, no exame do
ponto do litígio, então objeto da pretensão recursal, não cabe falar em vício,
posto que a decisão está completa, valendo ressaltar que o órgão judicial
não está obrigado a aduzir comentários sobre todos os argumentos
levantados pelas partes ou artigos invocados por elas, ainda que para efeito
de prequestionamento ".1

Destarte, não sendo os embargos o meio


recursal próprio ao reexame do julgado, já que^não possuem propósitos
infnngentes, a rejeição é de rigor

Isto posto, rejéito/os embargos.

ÁLVARO RASSOS
Relaior

' TJ-SP - Embargos de Declaiaçào n 68059I-I/1 - São Paulo - 30'' Câmaia de Direito Privado -
Relator Alfredo Fanucchi - 04 05 05 - V U

Embargos de Declaração n" 603.058-4/7-01 - Foro Regional do Jabaquara - Voto n" 5384