Você está na página 1de 72

H

E
L
E
N
A
S

Valter Félix de Carvalho


Caderno de Contos, Crônicas e Poesias
valterfcarvalho@gmail.com
INDICE

PARTE 1

Amor...............................................................................................................................................4
Milene.............................................................................................................................................5
O Portal Dos Dois Segundos .........................................................................................................10
Alegre e Descontínuo ....................................................................................................................12
Os Olhos Mais Brilhantes..............................................................................................................13
A Ilusão do Controle .....................................................................................................................15
Conclusão .....................................................................................................................................18
Latências .......................................................................................................................................19
Renascença....................................................................................................................................20
Muitas Vidas .................................................................................................................................21
Algo Em Mim Que É Ela...............................................................................................................22
Enfim ............................................................................................................................................23

PARTE 2

Flecha ...........................................................................................................................................24
Canavial ........................................................................................................................................25
Speed ............................................................................................................................................26
The Winds of War..........................................................................................................................28
A Canção Do Retorno ...................................................................................................................29
A Regeneração Dos Olhos Pt1.......................................................................................................30
Ainda Sobre O Sol: .......................................................................................................................31
Flickers .........................................................................................................................................33
......................................................................................................................................................34
Liberdade ......................................................................................................................................35
O Não Egoísmo, A Beleza E A Cura .............................................................................................36
O Bardo Em Seus Campos De Pedra .............................................................................................37
Canção #1 .....................................................................................................................................38
Uma Luz Que Não Prenda As Formas ...........................................................................................39
Release Me From My Pain ............................................................................................................40
Nome e Bois..................................................................................................................................41
Ouvindo Um Madrigal ..................................................................................................................42
Confusa Reflexão Sobre O Medo: .................................................................................................43
Tela...............................................................................................................................................44

PARTE 3

Dedicatória....................................................................................................................................45
G.P.V. ...........................................................................................................................................45
Pulso .............................................................................................................................................45
Cinco Fases ...................................................................................................................................47
Rebelion In Dreamland .................................................................................................................48
Imagens.........................................................................................................................................48
Paixoes..........................................................................................................................................49
Think Of Me With Kindness ...........................................................................................................50
Imã................................................................................................................................................51
Rodas E Trilhos.............................................................................................................................52
Frio ...............................................................................................................................................52
Terras Frias ...................................................................................................................................53
O Presente Nas Velhas Canções ....................................................................................................53
Pássaros ........................................................................................................................................54
Pequenas Canções De Amor..........................................................................................................54
Verrrrme .......................................................................................................................................55
O Resto .........................................................................................................................................55
Shhh... ...........................................................................................................................................55
Alegria ..........................................................................................................................................56
Nada..............................................................................................................................................57
Pequenos II ...................................................................................................................................57
Montepio.......................................................................................................................................58
Residuo .........................................................................................................................................58
Down, Down By The River.............................................................................................................59
Festa..............................................................................................................................................59
Direção..........................................................................................................................................60
Prece .............................................................................................................................................60
Sopro.............................................................................................................................................61
Acorda ..........................................................................................................................................61
Opiniões........................................................................................................................................62
Interrupção ....................................................................................................................................62
Fogo..............................................................................................................................................63
Seiva .............................................................................................................................................63
Barcos De Atenção........................................................................................................................63
Nah ...............................................................................................................................................64
Han ...............................................................................................................................................64
Maria.............................................................................................................................................65
Blubobão.......................................................................................................................................65
Poeminha ......................................................................................................................................66
Mojo .............................................................................................................................................66
Jack...............................................................................................................................................66
Ecos ..............................................................................................................................................67
Sonhos De Anteontem...................................................................................................................67
Como ............................................................................................................................................68
Descoberta Da Morte.....................................................................................................................68
Além Das Nuvens..........................................................................................................................69
Flor De Trevo................................................................................................................................69
Do Fundo Do Coração...................................................................................................................70
Turvação .......................................................................................................................................70
Litost .............................................................................................................................................71
Claridade.......................................................................................................................................71
Ser.................................................................................................................................................72
Amor

Onde é que você se meteu? Onde diabos eu estou?

Os dias são enredos de um tédio refinado, renovado, rebuscado. Cuidadosamente planejado para
jamais ser percebido. Ele, sub-reptício resíduo de tudo que fizeram com a gente; do que fizemos
com a gente. Resíduo da grande piada que é crescer. Que é ter limites e responsabilidades.

Que loucura é essa? Desde quando respeitamos limites?


Nem percebemos.

Tudo é muito bem planejado. O salário vale a pena, a melhor faculdade vale a pena, a mãe
orgulhosa, os irmãos admirados, o encontro com os amigos na chopperia vale a pena. Vestidos
lindos desfilando pela noite afora. Cds suaves e sorrisos estridentes. Emmerson Nogueira. Vinhos
cabernet.

Tudo muito lindo.

Mas continuo sem você, você sem mim, só porquê não temos casa. Porque sentamos juntos à
mesma mesa, bebemos juntos a mesma fina bebida, ficamos bêbados de uma mesma embriaguez
vazia, que não traz nenhuma ressaca moral, que só faz mal ao corpo e nenhum bem ao coração.

Onde é que você se meteu? Mal lembro o seu nome, seu cabelo está bonito demais. Onde foram
parar aquelas olheiras? Porque não saímos correndo pra casa? Chega de perguntas. Todo o sistema é
muito lindo, mas não conseguiu esconder sua falha. Não conseguiu me acabar com a saudade.

E em nome do presente e do meu ódio por passado, da minha arrogância e de toda a minha
impulsividade -- que você insistia em frisar mas não hesitava em desfrutar -- eu te quero aqui agora.
Vou colocar essa música, não quero saber se é anacrônica. Vou te puxar pelos cabelos e sei bem que
não vai doer. Conheço suas terminações nervosas e elas só apontam para o prazer.

Nem quero saber quanto tempo eu vou te beijar, pois minha língua não se cansa. Não me canso de
seu hálito, de eterna virgem, de eterna vadia, de uma dança de cheiros que mais parece a revisão de
tudo que eu já vi sobre o prazer.

Vou colocar essa música e o resto é entre eu e você.

Com vinho Chapinha, parede, cadeira e sofá apertado.

E que se dane o Emmerson Nogueira. Que se dane a chopperia. Me interessam os seus perfumes,
não o tamanho do seu salto. Quero soltar o seu cabelo.

4
Milene

Eu não deveria ter feito isso. Não sei se foi a saudade que eu já pareço estar sentindo, não sei se foi
para aproveitar uma semana de solidão e transformá-la em uma semana de autoconhecimento. Não
sei.
Talvez tenha sido por causa dela. Tudo o que eu faço, de certa forma, é por causa dela. Porquê eu a
amo, e nunca quis que ela se cansasse das minhas cores. Mesmo depois que eu aprendi a ser eu
mesmo e, num rebento de coragem e risco, resolvi tê-la para sempre do meu lado, mesmo depois de
criarmos nosso mundo em comum eu jamais me permiti ser o mesmo da mesma maneira, por muito
tempo.

Sempre quis lhe dar novos presentes. Me lembro bem daquele dia, quando eu estava cantarolando
ao piano e ela, linda e sem nenhuma cerimônia, desfilava do banheiro em direção ao quarto,
enrolada numa toalha milimetricamente ajustada a seu corpo, os cabelos deliciosamente molhados e
um olhar cativante, quase despropositado...

Mal tive tempo de pensar porquê ela não usara a suíte, como de costume, quando suas mãos
pousaram, infalíveis, em minhas costas, me fazendo sair de meu tom, entrando loucamente em outra
canção, suave, de alegria e de suor...

E então quando, já deitados, descansávamos um no outro, eu perguntei se aquilo tudo era um


engenhoso plano para me fazer parar de tocar, ela, sem dó, desferiu aquele golpe de rosas:

"Eu estava dormindo na varanda, seu bobo. Sua música me acordou sem me interromper o sonho; e
eu fui continuá-lo lá na sala, com você..."

Daí em diante venci três prêmios de música, todos importantes, que ela, orgulhosa, atribuía a meu
talento e perseverança, mas que eu sabia muito bem que não eram meus.

Porquê eram dela. Ela, a música, a letra e a cor de meus poemas; a inesgotável aurora que há muito
tempo me tirou das trevas para ajudá-la na fuga, que pedindo a minha ajuda acabou salvando a
minha vida.

E agora estou armando a nova surpresa. A maior de todas elas, a mais perigosa de todas elas. Tudo
o que eu precisei foram alguns livros de alguns psiquiatras hippies, algum dinheiro e a minha
razoável fama no mundo artístico -- esse mundo perigoso, onde a maioria dos criadores limpa suas
fezes com diamantes, para depois procurá-los desesperadamente no fundo do vaso; mas eu sabia o
que fazer com as pedras preciosas.

Sim, eu sabia. Mas e agora, que tudo começou? As coisas clarearam-se de súbito e algo em minha
sanidade me faz ter medo dessa clareza. Mas eu não posso ser fraco. A fraqueza já se foi e agora eu
só vejo ela. Ela, que sempre me deu forças e agora me faz perceber que tudo que eu sinto é medo de
mim mesmo, de me ver como eu sou nas profundezas. Medo de meu próprio objetivo.

Resolvo provar de um diamante, enquanto ela vem me dar a notícia:

"Vai ter um congresso de quatro dias na minha cidade e eu fui convidada para palestrar; então

5
pensei em ficar uma semana. Assim poderemos passear bastante tempo com meus pais, quem sabe
visitar aquele lago..."
"Eu não vou..."
"Como assim?"
"Preciso ficar em casa terminando um projeto e, além do mais, quero te fazer uma surpresa..."
"Ora, seu bobo, você não me surpreende mais!"
"Você diz isso desde o primeiro dia..."
Ela então me olha cúmplice, com um sorriso meio constrangido, como quem quer protestar mas é
vencido pela curiosidade de ver como as coisas vão ser:
"Veremos, então!"

Então saímos em direção à estação, ela cantando "Michelle" no carro e eu dirigindo. No caminho,
tudo é nostalgia. O dia está nublado e um vento leve balançando as árvores. Eu me lembro que foi
assim que nos beijamos pela primeira vez. Ela agora com os mesmos olhos castanhos, os mesmos
cabelos longos e lisos e um corpo crescido e exuberante. Meu Deus, como ela é linda!

Sem perceber, passamos da estação.


Enquanto dou a volta, vou sorrindo por dentro, por ter tido aquela sorte, por poder ficar com ela
mais cinco minutos no meu carro. Primeiro me sinto besta como um colegial apaixonado, depois me
flagro com medo de me separar dela, depois um aperto...
Estou descendo as malas. O dia está fresco e a brisa me prega uma peça, balançando os cabelos de
Milene.
Quase não acredito quando ela entra no trem, então o barulho da locomotiva partindo, as mãos dela
se abanando numa feliz e confiante despedida, tudo isso me coloca num torpor estranho, triste e
irreal.

Irreal, como estou me sentindo agora. Não sei o quanto ou quantas vezes as luzes do dia se
alteraram lá fora, e há poucos instantes uma força rolante foi-se embora com o meu peso. Estou
levíssimo agora. Não. Não leve. Simplesmente estou sem peso. Tornei-me parte de outro mundo;
ainda existo, mas de outra forma; eu...
Esse barulho. Algo aperta no meu coração, algo que me prende a ele, que lembra do rosto de
Milene, de Marcos, Maria...

Atendo ao telefone. Por cinco minutos tudo é normal. É tarde lá fora, o sol está se pondo, já faz um
dia...
Me despeço de Marcos. Falávamos algo sobre uma aliança para continuar a guerra, salvar a vida de
leões ingratos, voltar para a ciranda e tocar a mesma música. Sempre falamos a mesma coisa ao
telefone. É um túnel sem fim.

Como o que Milene vê antes de chegar na estação. É incrível como são belas as paisagens de sua
cidade. A princípio, alguns lagos e matas fechadas onde podem-se ver capivaras e por onde já
caminhamos várias vezes, usando o elo de nosso amor para traduzir da mata visões que, separados,
jamais entenderíamos; para compor, um para o outro, alguns belos e ancestrais poemas.

Depois, --não, o depois fica para depois...

Ela acaba de chegar na estação da cidade. É recebida pela mãe, pela irmã e pelo primo Maciel.
Talvez seja ele o único cara que a conhece a mais tempo do que eu e ainda mantém um firme
contato com ela. Eles são como irmãos. Ele resolveu-se homossexual. Mas é bonito, corpulento e
elegante e, mesmo se não o fosse, eu ainda morreria de ciúmes...

Depois. Depois das matas e os lagos, as enormes plantações das fazendas da região completam a

6
maravilhosa paisagem, mas isso já não faz diferença. Não consigo tirar os olhos dela.

Até agora, que um grilo alto e repetitivo me lembra que já é noite. Quase instintivo, como um
operário que há anos maneja a mesma máquina, abro a caixa de jóias em minha carteira.
E brigo com um dos demônios do tempo pelo direito de deixar as coisas existirem, para provar a
inutilidade prática e ética de se manipular a ordem dos fatos.

"E se algo acontecesse?" Ele diz.


"As coisas sempre acontecem"
"E se algo de ruim acontecesse a alguém que você ama e a única salvação fosse agir sobre o
tempo..."
"O tempo abre e cura nossas feridas. Em troca disso, nós respeitamos a sua continuidade. Se
tentarmos quebrá-la, perderemos essa bênção, nos tornando espíritos leprosos presos na indefinição
confortável do passado ou no vazio entorpecente do futuro."

É aí que o espiral da sabedoria me carrega de volta para o meu mundo -- e por que eu pensei 'minha
prisão'? -- e sou recebido pelo insistente grilo, que novamente preenche, com seu chamado, a minha
casa.
Mas eu não ligo muito. Afinal, é noite; e a noite é dos grilos, dos gatos, dos sapos e das baratas. E é
a coisa mais bela que existe... Era, até eu me encontrar com Milene que, fundindo o amanhecer e o
entardecer, o crepúsculo e a aurora, me fez ver o valor de uma brisa, a beleza de um sol em seu
momento mais delicado, onde sua luz se torna suave e definida, como um segredo livre -- aberto aos
anjos e apenas mostrado a nós, inconscientes homens.

O que não se aplica ao falarmos de Milene. Consciência sempre foi a sua marca registrada e a causa
de seus piores sofrimentos.
Mas também lhe rendeu muitas alegrias. Como agora, almoçando, divertida, com seus pais, sua
irmã e Maciel. Ela olha cada um deles e, sem perder nenhum detalhe, nota o quanto mudaram e
cresceram e o quanto continuam os mesmos... Pois só alguém como Milene, com os olhos voltados
para a alma, pode perceber isso nas pessoas, como um fazendeiro apaixonado percebe todos os dias
as mudanças numa oliveira ancestral cujo crescimento é, na verdade, um aperfeiçoamento de sua
eternidade.

Que palavra! Ela perde totalmente o sentido quando sento numa estratégica ratoeira que
instantaneamente, na velocidade de um feixe de luz, dispara esse mecanismo colorido de guerra. De
uma guerra não-declarada, que agita o que deveria permanecer em silêncio -- as salas de nosso
hospital interior -- e entorpece e paralisa o que deveria estar em perene movimento -- os médicos
que lá habitam.

E as malditas luzes começam. Cores e sons. Cores que talvez ficassem melhor sem o barulho, ou
talvez não. Porquê elas às vezes também gritam, às vezes dão os mais altos gritos -- como os que eu
estou dando agora, eu acho. Pois com o peso se foi o ar e essa máquina quer me levar para fora da
água. Mas eu não quero, eu não quero... Braços saem de meu estômago, feixes de luz estão entre
meus dedos, e um barulho de vidro quebrado acaba com tudo... Paz. E um susto.

Porquê esse maldito grilo me assusta tanto?

Mas ele não é importante. O importante, agora, é que Milene acaba de começar a sua palestra.
Todos ficam atentos após os habituais minutos de aplausos, que somente seres como ela são capazes
de provocar.

7
Uma palestra sua acalmaria o mais irritado dos deuses. Ela faz biologia parecer sorvete, para os
gulosos que adoram isso, matemática ou música para os que assim tentam explicar a beleza do
mundo. Porquê ela é a contrapartida viva de tal arrogância. Ela trata sua matéria com a segurança e
a criatividade de uma criança com um brinquedo de montar; como a realidade ali presente, não
como uma pretensiosa 'realidade no fundo das coisas'.
A palestra transcorre maravilhosa. Milene ainda fica no salão por mais uma hora e meia, a
conversar com inúmeros admiradores e admirados seus.
Depois, então, ela pega a estrada. Está maravilhosamente contente. Como ela é bela enquanto sorri!
Está tocando 'Michelle' no carro, que ela tomara emprestado com Maciel, e esse carro parece
acompanhar a sua felicidade, a velocidade em seu coração...

Como faz calor essa noite. E como ela é longa. Parece não ter fim, parece ter saltado para fora da
esteira do tempo e não obedecer mais a regras.
E eu me sinto cúmplice. Vou à minha carteira de diamantes para comemorar com a Branca de Neve,
a Rainha, mas o grilo toca mais alto do que nunca e me lembra que meu objetivo não é comemorar
ainda. Me lembra que existe a palavra objetivo, que eu existo, que existe uma porta...
Mas esses são pensamentos secundários. Pois descobri de onde vem tanto calor. Há uma nova
estrela cadente no céu, uma estrela cadente que não se move, grande, bela e iluminada... Como
Milene... Milene???
Não. Não pode ser. Não posso acreditar no que vejo. O anjo da anunciação -- "Maldito demônio!!!"
-- passa por minha janela e me diz que há uma nova estrela no céu. Não... Não é verdade, eu não
quero acreditar, eu não vejo; maldito grilo -- "MILENE!!!"

....... ....... .......

II
Ela ainda estava bela. Mal pude acreditar quando a vi. O carro estava completamente destruído e
seu corpo intacto, parecia que ela estava dormindo, que talvez um beijo...
Milene. MileneMileneMileneMilene. Mil brancas de neve não podem te trazer de volta e você nem
pôde ver minha surpresa. Minha nova visão, que eu nem sei se consegui ou não...

....... ....... .......

III

Tudo transcorreu bem depois do acidente. Marcos e Maria ficaram do meu lado durante todo o
velório, me ajudando a suportar a dor, que era aumentada por algumas almas vampiras que vinham
se contorcer perto de mim, oportunistas, lavando seus pátios com minhas lágrimas e me dando,
complacentes, a água suja.

Mas agora, inevitavelmente, estou só. Seus pais ficaram um tempo, e não sei a que horas dessa noite
eles foram embora. Desejei com força que você estivesse aqui, queria te dizer o quanto eles são
belos e o quanto minha arrogância intelectual me impedia de ver a sabedoria escondida em tanta
simplicidade...

Tudo é muito lindo, Milene. Você me ensinou a ver isso, mas agora... Agora a Aurora e o
Crepúsculo estão separados e já não são partes da mesma coisa. Aquele maldito grilo nunca mais
me abandonou e seus pulsos às vezes me fazem querer ficar louco. Já pensei em procurá-lo, mas
algo me diz que não devo matá-lo, destruí-lo; que ele é a minha ligação com alguma coisa. O que
mais eu poderia fazer, então? Conversar? Eu poderia conversar com um grilo?

Aquela estrela se foi. Descobri que ela não era uma estrela parada, como eu tinha pensado, mas que
o barulho em meu cérebro o fazia ficar muito mais rápido, fazendo com que ela parecesse muito

8
lenta. Basta a paz e o silêncio necessários para que ela passe rápida e brilhante como qualquer
estrela cadente. Como a melhor estrela cadente.

Vou tentar isso amanhã. Ou quem sabe essa noite mesmo? Ali está ela de novo, parada, como quem
quer me contar um segredo. Você quer me contar algum segredo? Eu sei. Só eles conhecem os
segredos. Mas eles pousaram em minha janela para avisar que você ia embora e eles pareciam
felizes... Por que eles pareciam felizes? Por que?

....... ....... .......

IV

É tão confuso. Desde que você se foi eu não vejo mais o dia, as cores são fortes, mas às vezes
tristes. E eu me livrei da Rainha. Para ver se o grilo parava, e, acho que... que....
Não!!!
Ele não pára, Milene. Ele não pára. Eu não consigo mais, eu vou enlouquecer, eu vou desistir, eu...
"Cássio? Cássio, você está aí?"
Milene? Eu posso ouvir sua voz; como...
"Milene!"
"Cássio? O que é que houve, o que aconteceu com você? Você não atendia o telefone, eu fiquei
preocupada, eu... Meu Deus... Olha o seu estado, o que foi que você fez..."
"Milene... É você..."
"É claro que sou eu... Você está todo sujo, a casa está uma bagunça... o que você fez com a
televisão?”
Milene. Nunca me senti tão seguro como agora. Nunca me senti tão em paz como agora.
"E que é isso sobre a mesa? Parece um altar... 'me deixe em paz, Branca de Neve. Faça o grilo
parar'. Meu Deus, Cássio, o que foi que você fez..."

....... ....... .......

V
Foi o melhor abraço que você me deu em toda a vida. E agora, todos são como ele. Desde que você
voltou, para cuidar de mim e da minha solidão. Para me livrar da rainha má.

No início eu fiquei perplexo, como qualquer um ficaria ao ver os seus mortos voltarem. Até pensei
em te perguntar como, mas ao ver seus olhos aflitos e brilhantes eu percebi que você sabia muito
bem como eu me sentia, como cuidar de mim, e percebi que não havia o que questionar.

Depois, quando você me explicou que só ficara no congresso por dois dias, que tinha voltado
porquê eu nunca atendia o telefone, te deixando preocupada, e que tinha me encontrado sujo, em
jejum e louco de LSD -- o que, no final, tinha muito de verdade -- eu aceitei completamente a
história, pois eu sabia que certos desígnios do céu não podem ser revelados, que eu o estava
vivendo -- mas só você podia entender o segredo.

Pois só você, Milene, é como eles. E vejo isso a cada dia. Na praia, onde você refez e tornou perene
a ligação entre a aurora e o crepúsculo; no campo, na casa de seus pais, onde podemos ficar parados
e em silêncio, usando essa paz para ver o sol passar num segundo, como a mais bela estrela cadente.

Em nossa casa, calma, celestial e sem grilos, pois todos se calam diante do Amor, do Amor que te
fez voltar para mim, que me faz ter a alegria e a bênção de viver a seu lado, ao lado de um anjo do
céu.

9
O Portal Dos Dois Segundos

Certa vez estávamos fracos. Lembra? Nosso amor, nosso sentido parecia fraco. Eu olhava para você
e sentia a necessidade de ter algo diferente. Olhava sua boca e inventava outras bocas, e as beijava
numa cama cheia de suor, numa atmosfera doente. Eu não sabia, mas essa traição era doente.
Olhava seu corpo, e me orgulhava de seu porte e de sua beleza. Me orgulhava de tê-lo comigo, e
não o tinha. Como um crítico que não bebe a arte eu te olhava e não te via; via, mas não sentia, sua
beleza olímpica morria em minha retina.

Éramos loucos, sem dúvida. Dois amantes que tanto buscaram outras realidades que voltaram com
medo, desesperadamente agarrados a uma realidade única e imediata. Culpa de nossa falsa coragem,
do eterno pé atrás. Não que ele fosse dispensável, mas o nosso era grande demais. E nessa realidade
seca, que não nos era suficiente, brotaram os cogumelos do tédio, que nós bebemos em delírio, sem
ver, tal era a nossa necessidade de fuga. E continuávamos parados, e os fungos continuavam a
crescer, e nós continuávamos a bebê-los.

Um sistema perfeito. Nosso delírio criava nossa droga, que criava a sua fonte. O problema é que a
morte é tão perfeita quanto a vida, e possui a mesma beleza e força de atração. É difícil sair de sua
órbita.

Mas, como foi que saímos? Estávamos vivos, foi isso. A morte nos abraçava, mas a pulsação dos
nossos corações lhe era um incômodo constante. Cada pulsar era uma tentativa de fuga, e haveria
um pulso forte, forte o suficiente para nos tirar daquela órbita e nos lançar em outro espaço. No
outro espaço.

E que pulsar seria esse? Nós não sabíamos, não procurávamos e nem sabíamos que era preciso
saber. Estávamos cegos, afinal.

II

Inconsciência. A rainha do nosso xadrez. Um poder maior que seu senhor, o pensamento, porém
com uma sabedoria única, equivalente a seu poder, que a faz aceitar e amar sua posição de
guerreira, de peça dependente de seu amo, mais fraco, porém o rei. Essa sabedoria que sabe que o
jogo precisa das regras, e que não há porque sair, pois lá fora é outro jogo, que também tem suas
leis.

III

E as manhãs seguiam, e nós bebíamos. Bebíamos vodca e nosso chá invisível, sem parar. Vodca
traz ressaca, ressaca requer água, e nem sempre eu ia ao banheiro. Acordava excitado.Espantava-me
com minha ereção física, tão somente física, mas não pensava muito nisso. Pênis controlam mentes,
e eu nunca fui um exemplo de força. Nunca quis ter essa força.

Então eu te olhava, e por dez minutos seu corpo voltava a ser o que é, por dez minutos eu o bebia
com sede, com muita sede.Pisávamos nos cogumelos e nos amávamos.
Com força, com saudade, saudade do corpo que morava ao lado. Nos agarrávamos com a força de

10
quem sabia que em dez minutos o mundo se acabaria, e seu corpo voltaria a flutuar numa órbita
estranha.

Gozávamos, e por dois segundos sentíamos a lucidez que sente um recém desintoxicado; isso nos
passava despercebido, mas nos dava três minutos para pensar em nossas vidas, no que fizemos
delas, para olharmo-nos um pouco de longe e medir nosso tamanho, o tamanho do nosso desastre.
Três minutos, depois cinco, vinte, e a cada manhã nosso tédio cedia espaço à nossa vergonha, à
nossa visão que, com uma clareza cada vez maior, vislumbrava o tamanho e a profundidade de
nossas feridas, e produzia lágrimas cada vez mais sinceras, cada vez mais fortes, e nossas lágrimas
lavavam nossos machucados.

IV

Os cogumelos secam ao sol, e a grama cresce sobre as fezes.

11
Alegre e Descontínuo

A menina andando sobre o estreito paralelepípedo que separa o gramado da escola e a calçada, se
equilibrando com os braços bem soltos e bem abertos. Concentrada, sorrindo, levemente, para si.

Eu, pegando o sorriso que brotou em mim; inevitável; e o dirigindo a ela


juntamente com o mais neutro dos olhares, que não classifica, não julga, não seduz nem incomoda.

E, antes que ela desse à neutralidade uma qualquer explicação, estou


dizendo, com a voz dum espelho que refletisse, dela, a leveza:

"Te desafio!"

Nós dois -- estranhos de nome como são os das crianças que se conhecem no parque, no brinquedo
do balanço, da gangorra, do pique-tudo -- nos
equilibrando sobre os paralelepípedos, medindo tempos e distâncias uma ou duas vezes para a
escolha: do jogo de resultados nunca opostos, o simbólico vencedor.

O pagamento em chocolate.
A grata despedida.
Os cinco passos nas direções opostas e um súbito "hey!".

Sensação gostosa de continuidade; e-mail respondido, olhares prolongados da janela do ônibus onde
se fez um conhecido...

"Não perguntamos nossos nomes..."

Sorrimos! E nos cumprimentamos, como bons adultos agora, e então nos despedimos. As almas
eufóricas, os passos resolvidos e sem olhos para trás.

"Adorável" eu vou pensando. "Jóia rara". E eu paro por um instante, olhando para a grama. "Feliz
acaso"; e sigo em frente. Não perguntei seu telefone.

12
Os Olhos Mais Brilhantes

"Is there any happiness out there?"

... os olhos dela estavam brilhando, enormes, doces como o cheiro de lavanda que traz à memória
meu primeiro e mais digno amor...

Tão belos, que algo em mim relutava em perceber que aquele brilho era filho duma lágrima não
resolvida, emissária duma tristeza recheada de esperança que a tornava ainda mais triste.

"Neil Young?"
"... E Janis, por favor!"

Eu não entendia como ela ainda mantinha aquela força marota e sedutora na voz tão cansada e
rouca, como ainda conseguia me causar tanto arrepio com aquele sorriso. Como eu me senti feliz e
miserável.

"Tá pensando besteira."


"Hã?"
"Vem cá."

Eu não entendia como ela ainda conseguia me encher de energia do baixo ventre até a ponta de
meus dedos com seu abraço. Como ela ainda parecia perfeita enquanto eu fechava meus olhos e
afundava meus dedos e minha alma em seu cabelo castanho, liso, raro num perfume que parecia que
nunca a abandonaria. Nunca.

"Certamente."

"..."

"A felicidade. É um passarinho voluntarioso... Mas você tem um apito no coração que sempre faz
ele vir correndo, esteja o bicho onde estiver..."

"hahahahahaha!" e ela me olha sem diminuir um milímetro sequer no delicioso sorriso que cria.

"Falo sério... Eu aqui, apanhando pra fazer essa flauta me entender e você só precisa olhar pra
cima..."

"Pra cima?"

"É. Só lá tem gente que te entende, que é como você."

Ela me olha séria.

"E eu odeio eles por isso... 'Menina de lá'... humpft." pulo na sua cama e chego bem perto do seu
rosto:

"Eles têm tempo de sobra. Não vão reclamar se você se atrasar."

13
Ela compreende o que eu quero dizer.

"Você me entende melhor do que tudo..."

E mais uma vez quebramos o protocolo.

Mais uma vez beijamo-nos loucamente, a despeito de todas as recomendações não ditas, não
escritas e jamais contestadas, no entanto.

Paramos com sua mãe entrando no quarto e gritando, estarrecida e também surpreendida de uma
boa, mas controlada surpresa:

"Meninos!!!"

Nem me levantei. Mudamos de posição, ela recostou-se sobre meu peito e começamos a rir um
tanto, eu ainda com as calças desabotoadas e ela toda amarrotada.

Horas depois fui embora caminhando, na chuva bem leve, sem blusa e no frio. Uma lembrança
sombria, mas depois alegria. Pois, afinal, chovia.

E ela estava voltando; para onde, eu não sei. Mas sei que ela pode escolher o caminho.

14
A Ilusão do Controle

"Você tá bêbado?"
"Consideravelmente."
"Mas você tinha falado que não bebia mais."
"Não foi bem isso. Só não tomava mais porre, e foi isso que aconteceu hoje..."
"..."

Era difícil saber o que pensar, que pensamento aceitar e qual ignorar. Ver ele, o homem mais
perfeito e inteligente, que ela já concluíra que amava e que não amava uma dezena de vezes,
bêbado, como os outros, como qualquer um, convencional, humano e quem sabe até emotivo como
tal.

Sim, quem sabe. Quem sabe ele fosse até mesmo acessível, passível de erro de surpresa de
admiração. De se admirar com ela. Com sua beleza, com sua originalidade, com seu carro, com...
Com ela. Por ela. Se apaixonar.

Quem sabe? E como ficaria tudo se isso acontecesse? Como seria possível ele se apaixonar por ela,
lhe dizer coisas de apaixonado, lhe fazer coisas de apaixonado, lhe tirar toda escolha. Toda escolha
de quando estar e quando não estar apaixonada, ela por ele.

Era difícil imaginar algo assim acontecendo. Era difícil conceber que toda aquela magia pudesse
acabar assim, repentinamente, num simples e trivial coração masculino apaixonado. Esse
pensamento a afligia mais que tudo agora.

"Sinto vontade..."
Ela gelou. Bêbado. Uma declaração. Que ele não tentaria negar depois. Uma porta aberta à força e
aberta às pressas e que os levaria ao fim de todo encanto. Sim, a responsabilidade é assassina do
encanto e ele lha daria agora, se declarando, dizendo que queria beijá-la, que queria encantá-la, que
queria amá-la. Como ele pode ser tão burro? Será que ele não percebe?

"Vontade?" Não tinha mesmo saída. Teria que deixá-lo falar.


"Sim, acontece quando eu fico desse jeito. Não sei, não sei porque e já nem me importo muito.
Amanhã se eu me lembrar disso eu vou te pedir desculpas por ter te falado tanta besteira, mas agora
que eu já comecei a falar..."
"..."
"Ah, eu posso mudar de assunto..."

Finalmente ele estava começando a raciocinar... Mas o que ela podia fazer? Concordar em mudar o
assunto e pronto? Magoá-lo, se passar por desinteressada, logo ela, que sempre se mostrara a mais
interessada em cada peculiaridade de seu mundo?

"Pode falar o que você quiser e não vai precisar se desculpar de nada, de nada mesmo..."
Sim, ela devia ter carregado menos o olhar... Mas ela gostava dele realmente, ela queria ouvi-lo,
ela...

"Vontade... Vontade de cantar, não sei, de pular ou me sentar, de sentir movimento no meu corpo,
de explodir essa visão que está comigo. Vontade de compartilhar..."

15
Estava na hora de cortar o assunto. Antes que ele chegasse no ponto que ela tanto temia, antes que
chegasse na inexorável confissão que a deixaria com o coração dele nas mãos e uma terrível
responsabilidade emocional que certamente turvaria a até então tão boa amizade; sim eles eram
amigos, agora ela via claramente isso e não podia deixar que ele, embriagado e por demais emotivo,
chegasse tão fundo na exposição dos sentimentos que tinha por ela. Era preciso dizer algo, desviar o
assunto, era preciso...
"..."

Ela devia ter carregado menos o olhar. Mas ele parecia precisar de atenção, parecia triste...

"Sim, compartilhar. Beijar, beijar aquela menina que está sentada naquele banco lendo
desinteressadamente aquele livro e, no entanto, de todo absorta, como se não houvéssemos nós,
como se não houvesse mundo nem dentro nem fora dela. Beijá-la, segurando na nuca apertando
contra o peito tirando seu fôlego e alimentando com o meu, com o mundo; até que ela enfim se
esquecesse daquele banco daquele livro e também daquele celular que ela cuidadosamente tem
equilibrado sobre a coxa, de forma a alertá-la com o primeiro toque. Beijá-la até fazê-la esquecer
dessa expectativa, dessa esperança que lhe rouba o mundo de dentro e de fora e a aprisiona numa
necessidade de um telefonema de um qualquer evento ou pessoa ou paixão e que a faz esquecer
daqui, de nós e da beleza que tem..."

Ele ficou em silêncio, olhando fixamente para o banco. Depois, num modo resoluto que qualquer
bêbado adoraria qualquer vez ter estado, caminhou até o pé da árvore de frente ao banco, de frente à
garota lá sentada, e procurou uma pedrinha qualquer.

"Com licença..."
"Hein?"
"Toma."

Mia, de longe, reconhecia nele aquele sorriso que a tudo cativava e já imaginava em sua mente o
desprezo que ele receberia da circunspeta moça do banco, por estar tão bêbado, e se entristecia por
ele...

"Porque você tá me dando isso?"


A moça do banco estava sorrindo.
"Não é pra você guardar... não é um presente inca com uma simpatia budista incluída pra te dar
sorte por todo o milênio; não é nada, pra ser sincero. É só uma pedrinha, mas eu preciso dela como
meio de transporte. Você só precisa carregar enquanto eu falo, porque assim dá pra entender que eu
estou te dando alguma coisa e não dizendo um monte de palavras à-toa..."
A moça do banco estava sorrindo.
"E o que você tá me dando?"
"O que eu vejo. Você é linda e tem uma luz e tem uma paz que pode deixar muita gente feliz e em
paz também. Mas há um minuto atrás eu olhei pra você e você me pareceu presa, preocupada,
esperando uma coisa que você talvez nem precise esperar. E pareceu que você estava fora de sua
beleza de sua luz de sua paz e presa nessa idéia, nessa espera... Eu devo tá falando muita bobagem,
se for me desculpe, mas se for um pouquinho como eu disse então não perca tempo."
"Como assim?"
A moça do banco estava sorrindo. Sua cabeça pendia levemente para o lado...
"Não perca tempo, volta pra você mesma. Até essa espera, seja lá qual for, pode existir bem dentro
de você, mas você não pode existir nem respirar dentro dela. Você é muito maior que ela!"
"..."
"Bom, desculpa qualquer coisa, mas isso que eu vi era seu e eu tinha que te dar. Tchau!"
"Até mais..."

16
Cinco passos que ele andou, a moça do banco falou mais uma vez.
"Vou guardar a pedrinha!"

Ele sorriu, cativado, o seu sorriso que a tudo cativa.

"Você é doido?"
"Veja só, não precisei beijar ela..."
"Hein? Como assim? Você ia beijar ela?"
"Hahaha! Não! É só jeito de dizer... Que a vontade que eu tinha era de fazer isso mesmo que eu
acabei de fazer..."

Ela não o compreendia. Qual era o problema dele? Ele estava sorrindo, satisfeito, mas com o quê?
Eles poderiam estar se beijando há cinco minutos atrás, ele poderia ter dito todas as coisas que ela
adoraria ouvir e tudo poderia mudar, para melhor, entre eles, mas ele, ao invés disso, foi dar uma
pedra a uma moça desconhecida sentada num banco...

Chegaram na porta de sua casa. Ela parecia triste e não fez sinal de que sairia do carro. Manteve os
vidros fechados.
"Você vai embora sozinho, nesse estado?"
"Não esquenta, já estou bem melhor!"
"Tem certeza?"
"Podes crer.."
"Se quiser a gente pode ficar aqui e conversar mais um pouco..."
"Você é adorável, Mia. Mas eu sei que você está louca para ir embora, você parecia ansiosa lá na
praça..."
"Não, não era nada, eu só tava pensando besteira..."

Ele iria perguntar que tipo de besteira. Será que ela deveria ter começado isso? A conversa poderia
seguir num rumo perigoso...

"Cansaço."
"Como? O quê?"
"Você me disse essa semana que estava andando muito cansada, isso dever ser cansaço. Você sabe,
a gente pensa mal e pensa errado quando está muito cansado."
"É..."
"Bom, então me vou. Valeu pela paciência... Amanhã te juro que peço desculpas por ter falado e
feito tanta besteira..."
Antes isso tivesse acontecido... Os pensamentos dela já lhe pareciam maiores que a própria cabeça.
"..."
"Tchau!"
"Tchau... Me liga amanhã?"
"Claro, sem dúvida..."

Um abraço caloroso. Ela estava apaixonada, sabia disso desde o começo. Devia tê-lo abraçado.
Devia ter dado algum sinal. Como ela podia ter sido tão burra?
Fim do abraço e da despedida. Ele nem sequer tentou beijá-la.

17
Conclusão

Olhou tudo em sua volta, enquanto explodiam os fogos e sorrisos da grande festa, por alguns
segundos, até que seus olhos se cansaram de fugir do objetivo, e então olhou para os dois. O longo e
bonito beijo que viu foi mais rápido que a raiva ou decepção que pretendia sentir. Não era maduro
ou sábio, mas era sensível e essa sensibilidade mesma o fez ver ali uma harmonia, uma
concordância de destinos que o inspirava a emitir, em silêncio, não uma lágrima, mas uma bênção,
honesta, perplexa: resignada.

Depois se misturou, anônimo pela própria sociabilidade -- anonimato da alma, o pior e mais
eficiente -- ao coro dos contentes, o núcleo de uma maioria ébria, andando caoticamente de um lado
a outro, buscando, com sede, contatos dos quais, em seguida, fugiria com uma neurótica eficiência.
O jogo dos que querem ter sem nunca ser. Um arquetípico núcleo de pessoas que nunca se
conheciam realmente, simplesmente por já terem se visto demais, se julgado demais em silêncio
demais. Música muito alta.

Cansado, triste por si, recuou alguns passos em direção aos seus, ao pequeno grupo dos que, ao
menos, lhe conheciam as lágrimas. Providencialmente estavam no meio, de um lado os perdidos
embriagados e, de outro, distantes e felizes, a ninfa e seu poeta.

Doce contraste; mais uma vez sorriu quando, talvez, devesse se forçar a algum tipo de pesar. Sentiu,
mais uma vez, uma involuntária (?) bênção, varrendo com facilidade qualquer negra sensação.

Conclusão. Sabia da dor de seu dia seguinte, das águas jogadas em cima dos planos, da raiva
contida esperando a fraqueza que vem da memória onde a mágoa se sobrepõe à inspiração. Mas
também sabia de si, de sua função e missão na história, e sabia ter cumprido o objetivo, apesar dele
mesmo. Enfim, sabia da tempestade do desejo frustrado, mas tinha consigo o forte leme da razão.

E, assim, terminou o que há muito já estava no fim. Há tempos a ninfa vinha lhe oferecendo um
lugar em seus jardins, de profunda importância: O lugar do jardineiro, mirado para compreensão e
cuidado da beleza que, radiante, cumpre seu caminho e encanta os seus poetas. Lugar que ele já
ocupava, não oficialmente, por simples desejo e natureza.

Mas não aceitara. A despeito da beleza e importância e da própria adequação desse lugar a seu
talento natural, não poderia jamais aceitá-lo. Pois sob a involuntária inspiração da ninfa ele havia
criado canções, traindo, assim, a casta, o costume, o esperado e quem sabe, o próprio destino. E,
uma fez feito poeta, sabia não poder ser jamais seu calado jardineiro, sem dela desejar os frutos,
sem, vez ou outra, machucar-lhe as flores.

Assim terminou. Tomou seus dons que, por toda a vida, o criaram e também amaldiçoaram,
guardou-os na bolsa onde trazia, inseparados, sua gaita e suas tesouras, saiu pelo portão, fechou e
trancou a enorme grade e só então olhou para o jardim, com grades à frente de seus olhos; como,
enfim, deveria ser.

Olhou toda flor e ramo e cada pedaço de terra gramada que desde muito ele ajudara a crescer.
Olhou sem querer pensar nisso. Sem desejar pensar que algo ali, de alguma forma, em qualquer
parte, fosse seu.

Olhou e, com uma última e sincera bênção que acordou a preguiçosa ninfa, seguiu o caminho, agora
sozinho, que acreditava ser o seu.

18
Latências

Ele estava correndo em direção a uma rosa, porque começava a chover naquela hora, ventava forte e
suas pétalas começavam a se separar. Ele a vira a metros de distância e se apaixonara por ela. "É tão
bela" ele pensava, e tinha razão. Suas pétalas eram cor de champanha, grandes e espessas.

Quando a alcançou, ele tirou sua blusa e fez uma redoma em volta dela, impedindo que o vento a
levasse, e deixou uma leve abertura no centro, para que a água a tocasse. Se aquela flor tivesse
olhos ela veria, naquele momento, uma estrela no centro do céu e a silhueta da lua encoberta por
uma nuvem. Se tivesse tato, sentiria o vento daquela noite transformado em brisa pela blusa daquele
rapaz e, se ela tivesse nomeáveis sentimentos seriam um amor de gratidão.

O tempo passou e a chuva se transformou em sereno. A harmonia do acaso fez a nuvem se afastar
da lua e deu ao céu mais algumas estrelas. O rapaz permaneceu parado, olhando para a rosa. A água
que escorria de seus cabelos andava como lágrimas pelo seu rosto, enquanto ele olhava a água nas
pétalas da flor e imaginava se ela podia chorar. Súbito uma gota fugiu, com movimentos rápidos e
pausados, de uma das pétalas para o seu centro. Se essa flor tivesse olhos, eles estariam
umedecidos. Mas, enfim, o que nela havia de compatível com ele era somente a vida que ela, com a
ajuda da lua, do brilho das gotas nas pétalas, celebrava.
Mostrava ao rapaz sua vida espessa e delicada enquanto ele, que só sabia sentir, num solene silêncio
a amava.

Enquanto isso, enquanto aquelas duas formas de vida quebravam as barreiras da espécie sem, no
entanto, romper os limites da natureza, milhares de olhos andavam na noite, cumprindo e sentindo
suas vidas e seus fantasmas; a neblina caía sobre um extenso campo, fazendo sua parte mais
iluminada se assemelhar a um pedaço do mar; e um par de olhos castanhos contemplava esse
espetáculo, buscando em cada fenômeno uma certa energia, que ele sabia ser necessária, sem se
importar em saber o porquê.

...E enquanto isso, no mundo das estrelas, o sol produz o seu próprio fogo. Se ele conhecesse o
tempo ele estaria esperando um novo ciclo da lua e, se ele tivesse olhos e conhecesse o azul, ele
saberia bem porque.

Em meio a tudo isso, o rapaz e a rosa continuavam a encontrar suas vidas; talvez comparando-as,
talvez desejando um a vida do outro, talvez desejando a um a vida do outro. Talvez provando, um
no calor do outro, da força que tudo liga e harmoniza, que iguala, em condição, tudo aquilo que está
vivo.
E pouco a pouco iam sentindo, cada qual à sua maneira, seus próprios sentidos e razões.

Enquanto isso, a noite cedia lugar a um suave alvorecer e um esboço do sol se projetava num
horizonte delineado por sombras de montanhas. O par de olhos castanhos surgia como o astro e a
claridade do dia começava a revelar suas feições, seu rosto delicado e seus cabelos muito longos.

O rapaz e a rosa separaram-se lentamente. Ele se despediu, enquanto ela pareceu saudá-lo com sua
beleza, ainda maior naquele momento. O sol então nasceu pleno e todas as pétalas da flor se
abriram para recebê-lo. A garota dos olhos castanhos pegou nas mãos do rapaz e olhos dele,
regozijados, pousaram nos dela.

O dia nasceu com o canto dos pássaros, o trabalho das formigas e o movimento do rio. Todos como
fonte e energia, todos seguindo a imanência da vida.

19
Renascença

Não reclame que eu te aperto. Pois o tanto que sou é o tanto que desejaria não estar assim tão perto.
Por deus, eu não tenho mais palavras, mais nenhuma melodia, sequer continuo bonito. Eu me desfiz
nas obrigações e desejos daquele plano que você sempre achou esquisito, suicida no sentido. E você
estava certa, mas, já não basta ter só isso?

Precisa ficar a me olhar com os olhos mais claros que um clichê e essa pele e essas mãos, de violino
numa sala de madeira ressonante, a confundir os meus cabelos com as cordas e a me envolver como
se fosse eu, e não elas, o instrumento. Precisa fazer isso, você, e é impossível eu entender.

Você está tão perto e reclama que eu não me aproximo e pede que eu te aperte, com o abraço mais
macio cujo arrepio lembram as águas de um riacho puro e frio onde o banho tem o ritmo dum
espiral vindo da borda -- lentamente mãos e pés e mais coragem e mais suspiro o corpo esguio em
cada nervo o coração já ritmado em intensidade, insanidade, um esquecer-tudo e o mergulho: A
plenitude realizada com o carinho em cada poro, depurados pela água.

E você pede para eu não me preocupar. Diz que estou confuso, e me dá colo e reclama o meu
silêncio e, com a pressão mais corajosa em seus pulmões, abaixa o tom e o volume de sua tiple voz
de fada e enche o ar de brandos sons, e já não sei mais o que penso. Tudo some, o medo o
choro a frustração e o desalento. Sono. E sinto, pelas horas que se vão em cada sonho, o violino, o
som macio e incessante e confortante como vinho.E tudo que sou se concentra em perecer. E sou
velado por sua atenta consciência.

20
Muitas Vidas

Saudade. Saudade nem se sabe do quê, tanto tempo faz. Que parece não ser real, que parece ser a
divagação de uma alma sonhadora, a idealização de um mundo de fuga. Mal sabe ela que esse
mundo é real. Que esse sonho e essa divagação são a memória de seus tempos de inocência, dos
seus tempos de paixão, quando não tinha razões para temer ou razões para fugir. Agora, tocando a
sua cítara, sozinha no meio dos bambus, mal percebe passarem por seus olhos os pássaros da tarde,
que outrora conversavam com ela e agora cantam exaustivamente para fazê-la novamente feliz.
Toca uma canção triste e bonita, mas que parece, a seus olhos, uma invenção qualquer do momento.

Ingênua, mal sabe ela que é esta a canção do retorno, que compusera com seu amado há séculos
atrás, embaixo dos mesmos bambus, selando a promessa de que, se um dia as marés do
esquecimento os separassem, era para lá que eles iriam voltar, para tocar essa canção e lembrarem-
se um do outro.

E, como o mundo de quem sonha é protegido pelos deuses, por entre as secas ramagens vem
caminhado o cavaleiro, o bardo agora guerreiro das sombras que, cansado do sangue e do caos das
batalhas resolveu se afastar de seu reino e caminha há milhas sem rumo, seguindo apenas uma
estranha dor no coração, que ele mal imagina o que seja, mas sabe ser irresistível.

E agora, chegando no quieto bambuzal e, de repente, percebendo a canção de uma triste cítara, ele
sente ser esse o chamado que, há tempos, o fez abandonar a guerra e o vem guiando por caminhos
desconexos, contraditórios, que quase o fizeram acreditar no curso do próprio enlouquecimento.

Ingênuo, mal percebe que, ao caminhar em direção àquela canção, seus lábios a assobiam com a
destreza de quem já há séculos a conhece, de quem há muito sabe o seu significado.

E, como já nem a natureza e nem mesmo o Tempo pareciam suportar tanta espera, a fada e o
cavaleiro agora se encontram. O bardo, percebendo o susto da desconhecida que ele acabara de
encontrar, faz um delicado sinal para que ela continue a tocar a música, enquanto senta-se numa
pedra perto dela. A musa da natureza se sente invadida de imensa tranqüilidade, tal como se aquele
sinal despertasse nela uma confiança firmada há tempos, durante anos. Como se, pela primeira vez,
ela realmente estivesse protegida, realmente estivesse em casa.

E lá permanecem os dois poderosos rebentos da natureza, uma fada dos elementos e um guerreiro
imortal. Ficam sentados de frente um para o outro, cruzando seus olhares com a delicadeza de dois
adolescentes comuns e apaixonados, sem se fazerem nenhuma pergunta, como se todas já tivessem
sido feitas. Sem perguntar ou falar de seus nomes, de seus poderes, como se isso não fizesse
diferença. Sem sequer se interrogarem o porquê de estarem cantando juntos uma canção que jamais,
em momento algum, haviam ouvido; como se o tempo conhecido de suas vidas se revelasse
pequeno demais diante do Tempo contido naquele momento.

Ingênuos. Mal sabem que agora é que estão sendo plenamente eles mesmos, as almas puras e
apaixonadas que eles eram em seus imemoriais tempos de “crianças”, antes de a Natureza e o
Tempo os escolherem para serem seus arautos, seus protetores e amigos; sua fada e seu guerreiro.
Mal sabem que cumprem, juntos, uma promessa de séculos atrás, cantando uma canção que agora
os une com a delicadeza de uma brisa de inverno; com a força sutil de um abraço materno.

Ingênuos, de fato. Como o é o próprio amor.

21
Algo Em Mim Que É Ela

Foi olhando para dentro, cada vez mais, que uma intermitente luz de fora se esboçou. E quase
ensaiei um sorriso e mesmo o silêncio que se mantinha já não mais era o mesmo: não mais distância
nem olhos fechados.

E pela primeira vez em toda minha nova vida eu estive tão perto de alguém quanto do próprio medo
de estar perto. E podia tocar ambos, e o fiz, e somente um se desfez e se recompôs vacilante, etéreo;
como uma imagem na água perturbada pelas ondas de um dedo curioso. Somente este se revelou
imagem sem matéria aparente, reflexo de algo que eu não podia ver olhando para cima, frente ou
lados. Que só podia, realmente, vir de mim.

Enquanto que ela, firme e suave, cerrou os olhos e abriu um suspiro ao seguinte e hesitante toque de
meus dedos. Calor e textura e energia e som se misturaram naquele segundo que não se desfez no
seguinte (que, dada a memória-viva dos nervos e da pele infantil que em cada canto explora um
mundo, jamais fenecerá).

E uma desejada, porém velada, certeza de realidade foi atingida, fez-se aurora num mundo onde o
medo agora é um dragão da mente e não mais arrasa casas e plantio com seu sopro e só move e
ameaça aquilo que é movido e ameaçado por minha entorpecida e velha mente, agora lançada ao
mar do passado.

E cada face, que era antes o barulho proibido que acordava um mau dragão, é agora um silêncio
macio que sugere calor e textura e energia e um melodioso som que acorda um fogo que me excita e
ativa ao invés de ameaçar.

E meus olhos já não se fecham mais pelo medo e mesmo à noite, quando tudo é escuro e frio, posso
rever meu novo mundo alvorecendo: no branco entrecortado em volúpia que sou eu nos olhos dela.

22
Enfim

Não posso dizer "eu queria", porque na verdade eu realmente quero. Quero te compor belas músicas
com minhas simples melodias, quero surpreender-te com o calor da minha vida, quero ter esse calor
para te dar.

Pois, dia a dia, a vida só se torna seca e sem razão, sem razão para crescer, sem razão para criar.

Pois eu nunca soube nem aprendi a ser por mim, por mim o nada me é o bastante e nada mais
preciso ter.

E quando descobri que não amo amar o mundo, quase me perdi em desespero, quase me tornei
minha depressão.

Pois não há o que fazer, se não há porque fazer.

E você ficava escondida, atrás de meu medo e de minha culpa, de ser e por ser assim, romântico e
não filosófico.

E eu me abrigava na noite para ter onde chorar a mentira em que eu havia me metido...

Mas a noite está em teus olhos; e perder o medo dela foi perder o medo de ti.

E tua imagem foi libertada da prisão e caminha agora livremente em meu espírito.

E me faz querer tocar a minha flauta: como se a flauta fosse tu e cada nota um meu carinho,
cuidadoso, para não ferir teus tão suaves sentimentos...

Mas o dia foi longo demais.

E foi o bastante para sofreres com a prisão e partires para longe, perdida na multidão de rostos que
são tu por instante e no outro já não são.

E tudo o que eu faço e o que farei pode então se perder no vazio; se


eu nunca te vir; se eu nunca te amar nessa realidade.

Mas cantas comigo; ainda que imagem de um espírito sem corpo, a cada dia e a cada brisa tuas
canções me soam na alma.

Porque não cantar então contigo? Porque não tocar meu som por ti?

Não importa onde estejas, ou mesmo quem sejas.


Minha busca por ti é minha busca por mim.

23
PARTE 2

Flecha

A flecha lançada, a oportunidade perdida...

Eu devo ter levado umas três horas para parar de pensar naquela menina linda e com cara de
drogada que, passando por mim na rua, elogiou meu cabelo enquanto eu, apressado, medroso,
urbano, sorri agradecendo, mas nem sequer parei para conversar.

A flecha lançada...

Somente depois de uns cinqüenta metros é que eu senti que enquanto passávamos um pelo outro ela
reduziu sua velocidade, receptiva, fez menção de parar, não correspondida, continuou andando, me
olhando para trás com uma interrogação ainda sorriso num tão bonito cabelo-olhar.

A oportunidade perdida.

Somente depois que eu percebi e percebendo comecei a sonhar e levado por sonhos desviei meu
caminho desci a rua, virei esquinas pontos-de-ônibus galerias. Nada. Nem no show dum bom coral
renascentista onde eu já quase desistia de levar-me eu a encontrei.

A flecha.
Só depois daquele show (tão pequeno tão pequeno) é que eu me recuperei.
A oportunidade.
Dormir de convidado, ouvir uma nova música acordar agora cedo e fazer a ela essa homenagem.

Pois certas coisas não se voltam, não se voltam para trás.

24
Canavial

Quero a vida simples das irmãs pobres da minha mãe, cujos impérios eram pequenos lotes de uma
herança de terra, sempre com um riacho no fundo, uma casinha de barro na frente e uma lâmpada
alimentada pela roda d'água que também me fazia copos e copos de caldo de cana.

E não quero fazer como algumas delas, que venderam seus impérios para se aventurarem por esse
mundo que eu odeio e de onde quero fugir. E ao mesmo tempo estarei fazendo, sim, como elas.
Largando meu mundo em busca do outro possível. Síndrome de família, quem sabe.

Mas não importa. Quero e, como sempre, a razão não consegue me impedir de querer.
Quero o misticismo de Alberto Caieiro e a preguiça de...ai...

Ai?

Que nada. Alguém como eu, que precisa tanto gritar, que há tanto tempo só inspira, inspira e
inspira, não teria tempo de sentir tanta preguiça.

Pois assim que eu colocasse de novo os pés na terra molhada, olhando para os lados, para trás e para
frente e nada vendo além de árvores, um pequeno pasto, pássaros e o cão que me acompanha, daria
início a um grito que começou a ser engolido no primeiro dia de trabalho em tempo integral e se
estende até hoje, aumentando um pouco mais a cada vez que a imperfeição do sistema permite à
mente sair de sua catarse e olhar, impotente, para os próprios e loucos desejos.

Um grito longo e louco e rouco que quase me mataria de tanta emoção e tanto esforço, mas que nem
incomodaria, nem de perto, nada ali ao meu redor. Meu cão ficaria me olhando com o seu rabo
ainda abanando. O cavalo que me deram de presente e que há anos eu não vejo continuaria lá
pastando, sossegado, como quem nada está esperando (como esse animal consegue viver tão
tranqüilo?). As árvores estariam todas no mesmo lugar.

Tudo tão sereno e calmo e ao mesmo tempo tão grave e imutável que, depois do meu grito, cansado
e despido de toda a intoxicação que me fazia religiosamente acreditar na minha cidade, eu seria
imediatamente absorvido por esse ambiente, imediatamente me dirigiria ao canavial para colher
umas varas de cana e em seguida ao riacho onde estaria minha roda d'água, ligando o gerador,
moendo algumas e levando o caldo para casa onde eu o esquentaria para fazer o melado que depois
viraria a rapadura que eu daria para os meus sobrinhos que chegariam no dia seguinte, para passar o
domingo na roça.

25
Speed

Para todo lado são muitas palavras. Muitos "de" e "para", muita intertextualidade, muito respeito e
não...

O que é isso? Chega um ponto em que mais importante que ser é ser adequado. Em que você se
sente como aqueles pintores de rua que ficam pintando quadros instantâneos, todos muito bonitos,
todos cheios de botos e de planetas. A primeira vez que vi isso ("da primeira vez que me
assassinaram...") fiquei paralisado. Eu e mais umas trinta pessoas. Uau. Que bonito. Que rapidez.
[Estava em Vitória/ES, bonito mês fora-de-temporada que eu passei lá. Bonitas noites ("hot night in
Budapest"), bonitas tardes de fim-de-semana. O resto foi só trabalho]. Que tema interessante,
sempre tem um boto e um planeta... Deve ser uma mensagem... Essas paisagens metálicas porém
bucólicas... Uau!

Qual! Foi o que disse sete meses depois, aqui na terrinha. Havia uns três superpintores
supermodernos supermetálicos porém bucólicos pelas calçadas. Não eram tão profissionais quanto o
primeiro (felizmente; ilusão quebrada com dúvidas custa mais a atingir o resultado mas dói menos,
muito menos...), não usavam máscaras para salvaram os pulmões do spray e os quadros eram
menores. No resto, eram impecáveis. Perfeitos mantenedores do estilo. Muitos botos. Muitos
planetas. Muito bonito. Como as capas dos cds no Nightwish. E eu odiei o show deles. E mal
consigo ouvir suas músicas agora.

É o que somos. Alguém nos cria e nos recriamos. Assim e assado, até que alguém faça cuzin e
cozido, sinin e selado, pá e tal ("... e estraga tudo, enterra tudo, pá-de-cal / enterra todos na vala
comum de um discurso liberal!"). No fim estamos felizes porém inebriados pela linguagem que
aprendemos, a linguagem pós-moderna-metálica-neo-bucólica que aprendemos daqueles que
aprenderam daqueles que... Como se aprende a falar na língua de um novo grupo de amigos. Agora
falamos a língua do maior de todos eles. O daqueles que compreenderam. Que resolveram
acompanhar a velocidade inatingível em que as coisas andam. Que resolveram ser, cada um
individualmente, a versão pessoal daquela imagem que não foi, nunca, formada por uma só pessoa.
Uau!

Será que eu ao menos sei do que estou falando?

Nervos a flor da pele. Ansiedade. Solos de guitarra muito rápidos, porém muito melódicos e
extremamente complexos. Limites. Ouvir rock progressivo pelas mãos de John Petrucci. Ouvir
Beethoven versão Trans-Siberian. E nunca, nunca estar satisfeito. Levar a melhor amiga ao motel,
fazer nela sexo oral sem dar-lhe um beijo, pegar o carro à meia noite e ir beijar a ex que você odeia.
E descobrir que não era isso que você queria. Não, e não e não! Isso são histórias para os outros.
Para os outros está bom o bastante. Você ainda está repetindo por dentro a mesma coisa: "não é
isso, não é isso...". Você quer falar de amor consigo mesmo, mas sente vergonha.

Quer ler o Dalai Lama mas tem medo do tempo que não terá para entender. Tem medo do
conhecimento ser absorvido dessa nova e incrivelmente dinâmica forma de aprendizado que
permeia o mundo dos sem tempo: Palavra, nome, conceito. Tudo muito bem separado da
compreensão/sentimento. Sim, é melhor não ler...

E então? Seu momento de maior prazer consiste numa hemorragia estranha de palavras e numa
insuportável constatação de que, fazendo sentido ou não, fazê-las te faz mais feliz. Não importa a

26
linguagem, nem se importa com seus botos e planetas. Você resolveu errar a ordem das fôrmas
porquê pensou que ninguém estava olhando. E rasgou umas duas, ou três. E misturou preto com
amarelo pra colorir o céu. E se sente bem mais feliz.

E acompanha mais uma vez a velocidade cibernética do mundo, tranqüilo, sereno. Como se nunca
tivesse visto uma cachoeira, como se nunca tivesse feito amizade com nenhum cavalo sem cela,
como se não soubesse mais o que é ficar seis meses flertando com alguém que fica seis meses
recebendo seu flerte e aguardando o resultado; e sem achar, nem de longe, que isso porventura seja
tempo demais...

Como se o mundo de pedra fosse mesmo a visão do que existe, de tudo que existe agora.

27
The Winds of War

There is no oxygen in the heart of war. No life, no breathing, any whispers through the air.
It's a place where the poet becomes a brave and the brave find his poetry.
Where friends, not relatives, are recognized in blood. Where the blood is what it is; not the pride of
a dynasty.
Where the reason reveals itself as a week resource. Too many time it needs to work. Too many
words where the words can't be heard.
No one can look at itself through the eyes of war. No one could recognize his own deepest truth.
'Cause there's no truth in the heart of war. Only dead and dead-ended.
And heroes.
There are only heroe's hearts as the living ones. Those who cried for their deads. Those who pray
for their victory, and damn the skies when victory comes.
Those for whom the bells will never toll, nor the history nor our teachers; but a single passionate
maid, a single loved child, a single dog and a loyal horse. A real god's world. A world whose tears
flows by the rivers and feed the angels' rage.
A rage against the humans, a rage in the name of them. "Cause hate and love made the passion and
the passion made the war".
And we are hated for our living, and loved by the memory of our heroes.
And we'll never teach our children about them. We've taken patriots, rich and famous as the real
ones.
And our sons will never know. And they will do it all again.

28
A Canção Do Retorno

Pra quem sempre olha pela janela ao fim tarde e por segundos quer fazer toda a loucura que há no
mundo. Mas se assusta ao ver alguém no corredor.

Um dia você sai do trabalho, como sempre às 8 da noite, três horas depois do que deveria, pega sua
moto e cai na avenida. Mas sente que está diferente esse dia. E cai novamente, mas literalmente.
Está de licença dois dias depois, e em uma semana só sente agonia. "Meus Deus, não agüento ficar
mais em casa, sem fazer dez por cento do que eu fazia".
Uma semana, e duas e três. Mas lá pela quarta você se acostuma, no fundo se lembra dos tempos de
escola, quando suas férias duravam um mês. De tanto lembrar vai fuçar seus cadernos, aqueles
papéis, perdidos papéis...
E é quando descobre, que aos seus quinze anos, fazia poesias e odes olímpicas, versos profanos com
as rimas mais ricas...
É quando se vê um você sem você.
Percebe a janela aberta do quarto
O quanto choveu sem você perceber
E as noites de frio, sinuca, conhaque
As mesas de sonho, violões e debates
O seu microfone com o cabo falhando...
São um desejo que, ainda sem imagem, vem te lembrar que hoje ainda é um agora, com tantos
sentidos, e tantos motivos que, não fossem o consumo, seu grande aliado "trabalho excessivo", os
carros potentes, as estudantes de turismo sempre tão exigentes e todo o complexo jogo de ter muito
mais do que cabe na gente,
o deixariam todo louco de uma linda paixão
como aquela de esperar o fim da festa
para entre poucos arranhar seu violão
a inspiração que vem no banho e o faz às pressas
ir pela sala arranhando algum bordão
... e todos os reinos por uma caneta!
Tudo se lembra de tudo que era e tudo se acorda em tudo que é.
e você, sem passado, só pode o presente
o certo o torna um dilema incorreto
que agora quer ser o seu outro talento:
aquele que escreve, aquele que ama, que anda no teto
que é braço mais forte se em uma promessa
e o irresponsável das horas mais certas.
E ergue-se novo, flores à frente; cruz e espada à esquerda e direita
Esquece ligado o seu despertador
E o barulho é o sinal do que é dia a dia:
Vão chamar por você
Você tem que voltar
E até pensa que quer...
E então, meu poeta,
O que vai fazer?

29
A Regeneração Dos Olhos Pt1

Estão me dando algum motivo, falando bem ou mal de mim, e estou sentindo alguma coisa.
E caso o contrario?
E no silêncio de observador oculto, o que quero e o que sinto?
É aí que mora a diferença.
A diferença entre ser autêntico ou ser sedutor.
A diferença entre ser oportunista ou controlar a criação.
A diferença entre estar preso em si mesmo ou aprender que "si mesmo" é só mais uma entre tantas
paisagens.
Paisagens que, como bons buscadores de qualquer coisa que possa ser chamada de conhecimento,
devemos estar sempre olhando, olhando...
E o que fazer quando os olhos se viciam? Quando a mente os acha mais importantes do que o
próprio objeto observado?
Isso é perder o sentido.
É ficar muito perdido.
É precisar do que ninguém tem, realmente:
É precisar que te entendam, mesmo quando você não quer se explicar.
Que te adivinhem por lágrimas que só você percebe, quando está a chorar.

30
Ainda Sobre O Sol:

...e ele às vezes brilha de uma forma tão sonora, que nos relaxa e alivia tensões cuja presença já
estávamos acostumados a não notar, como mendigos que já não notam a sujeira nas próprias
roupas... E dessa forma renova o seu convite, nos faz novamente saltar de estado -- daquele perfeito
e sereno que a moda, o presente repetido, os livros de autoajuda e, sobretudo, A Grande Festa (onde
ser triste é pavoroso e sorrir é o pão-com-água de qualquer sobrevivente)-- nos ensinaram, ou quem
sabe até forçaram, a manter.

E entramos no outro. O velho, eterno, errado, mas sempre irresistível e excitante, estado. Sentimos
calor, aperto no peito, vontade de ver de tocar de falar de buscar de esconder de encontrar. De ter
novamente a certeza, a emoção, a segurança de dizer para si mesmo que encontrou, nunca a si
próprio, mas a algo que o sonho -- que acabou para ceder-lhe lugar à vida -- aparece criando outra
vez.

Sim, assim procedemos sob o brilho do sol. Como turistas de férias na praia que por ele esperam
ansiosos e à sua presença levam seus óculos, guarda-sóis, bloqueadores, ventiladores, sucos
refrigerantes e todo o tipo de equipamentos anti-solares e anticaloríficos que, afinal, jamais
poderiam fazer sentido num dia nublado. (Sim, o dia nublado é completo demais, não é possível
aproveitá-lo. Como sorrir só por estar feliz na rua?)

Assim procedemos, estufamos o peito, esquecemos do livro do amigo da música e, afinal, que mais
importa? "Estou muito apaixonado."

E vestimos a roupa que os turistas do amor-já-concebido devem todos usar.


E ficamos muito, muito bem protegidos.
E o sol não nos queima, nem nos aquece mais.
E voltamos feridos pra casa quando ele, sempre, se põe.

Porque?
Roupas apertadas, falta de alimento, comer sempre demais.
Frio.

Jogo de extremos; do boicote à devoção, traçando uma linha cujo meio nem sequer é o equilíbrio,
mas o ponto congelado onde aguardamos a próxima oportunidade a ser perdida, o próximo sol a ser
não-sentido. O ponto sereno de se estar bem-com-a-vida. E (então) pra onde?

Ele, afinal, não se importa. O astro continua, apesar de nós mesmos ("a vida segue seu curso, apesar
de nós mesmos..."). E vai sempre brilhar, vai ser sempre tão belo quanto aquela menina é a mais
bela mesmo não sendo uma leitora, uma poetisa, uma compatível, uma cara-minha, um
complemento. Vai sempre brilhar, pois mesmo estrelas que ainda não foram estudadas por
astrônomos e seus pobres recursos têm luz própria e vida própria e são, em si, a própria vida no
universo.

Somos, assim, a própria vida no universo.

E nos tornamos assassinos competentes quando compramos nossos bilhetes de turista.

Quando procedemos; livres demais ou presos demais, ao invés de simplesmente girarmos -- e

31
sermos circundados por -- ao redor do sol que brilha em nossa órbita.

Pois qualquer astrônomo e seu prêmio nobel sabe, muito bem, que são pobres os seus recursos e que
uma estrela só é bem estudada se estiver em relação com alguma outra (cabe aqui um bom plural).
Antes disso, é apenas um brilho, um brilho perdido que não consegue nos definir sua canção.

32
Flickers

Tempos de breves visões e lembranças, de saudável nostalgia ainda longe do presente mas voltada,
ao menos, a um próximo futuro. Tempos de lampejos. Onde um e-mail de uma amiga que nos
lembra poesias nos faz lembrar bem disso mesmo e nos sentir ainda donos de uma viva caneta e
convidativos papéis. Onde o olho desviado da TV para a janela percebe, surpreso, que ainda existe
o céu e que lá estão, estranhamente, todas as mesmas brilhantes estrelas; e um passeio pela varanda
após o filme nos banha com os há tempos esquecidos vento e sereno.

Um frio no calor, escuridão além da luz artificial, o cão atento vigiando o invisível. Do lado de fora
vejo minha casa e sei que lá dentro tenho pais, irmãos, todos já vivos e já mortos conforme os olhos
com que vejo. Lampejo, de humildade diante da treva sincera e da brisa que me lembra o amanhã de
milhares de eras; mas também de vontade e de vida diante do cão que sorri sem saber de qualquer
cosmo ou qualquer era.

Olho abaixo, eu tenho mãos. O que me pode ser mais caro e nobre do que isso que vejo, do que
minhas próprias suaves e rudes e vivas e também cansadas mãos? As ergo a altura dos olhos, me
examino. Passado de um futuro que não sei, futuro frustrado de um passado sem ordem, mas
sobretudo obediência à minha vontade, ao meu impulso de erguê-las, espalmá-las, entrelaçá-las
numa oração que me lembra do amor. Sobretudo um presente, que não está em nenhum plano senão
o do coração.

Lampejos. De ser o que vejo (senão com os olhos, mais com a sinestesia que fala de mim para mim
através dessa brisa), tudo que tenho. E ser muito pouco e nada de menos. E também uma lágrima,
que não estaria se eu estivesse de todo pronto para esse momento, se estivesse de todo em paz com
o que procuro e sinto e o que tanto me ocupa o pensamento.

Uma lágrima que, nesse lampejo de vida, de saber quem sou, é um pulso de alerta, de uma febre da
alma que por certo tempo ficou esquecida, com fome, a espera da promessa pragmática feita pelo
homem que deseja, que tem medo porque não sabe que ser tudo nunca é o bastante para ser o que se
quer, no fundo.

Uma lágrima que perdoa e acalma enquanto o tempo e a brisa, a noite e o cão, os vivos que são
mortos e também a própria vida que há em tudo em todo sempre, só me lembram de alegria. Do
quanto é inútil esperar por um sorriso permitido, por uma felicidade que a virtude não condene, que
o medo não reprima.

Pois tudo é por demais bonito e breve, para não haver perdão, para ser em normas e medos
comprimido, para não ser tudo que pode e, mesmo sem glórias e distante do oficial sucesso do
mundo, sorrir e gozar, intensamente, o imenso prazer de mover essas mãos.

33
...

Mágica. Lutar por ela de alguma maneira, de todas as maneiras. Abandonar toda a certeza, esquecer
toda vingança, não mais pensar com a mente e enxergar com o coração.

Mágica. O elemento que vem e que vai, sensação onírica que aumenta à medida que se acorda.
Idéia que odeia ser pensada. Poesia que não é para ser escrita, música de tons e contrapontos que
são como uma criança, que são como o mar e o vento: vêm de Deus as suas danças.

Despertar do medo e não crescer mais no limite nem na prisão que é a afirmação da liberdade.
Apenas ser: Nossa alma vai à frente, construindo a estrada. E como criar uma nova direção sem
antes rodar toda a distância que ainda há entre nós e ela?

Se encontrar e separar: são raros os momentos que realmente podem nos mudar a vida, em que nós
e nossa alma e o outro a outra alma estão juntos por alguma razão. Momentos que não devem
continuar, mas que devemos agarrar com os dentes.

Apenas ser: Nada temos com o mundo dos homens ou o mundo dos deuses, somos aquilo que há
tempos e quase sem querer escolhemos ser, e a essas escolhas é que prestamos as contas.

Até que por si mesmas, sob a influência de alguma imprevista forma de amar que vem irritar e
atrapalhar nosso "destino", essas escolhas vão crescendo, se unindo e se quebrando, liberando
aquela dolorosa e assustadora força que nos faz compreender, que nos faz sentir.

E toda a mágica vem daí.

34
Liberdade

sonho:
Viver com honra. Com princípios e direções. Ter uma base, saber de algum limite, para se ter como
apoio. Para se usar no resgate do amor. Censurar a abertura de feridas ao invés de perpetuá-las a
partir da certeza da cura.

Dar as mãos. Viver em algum momento em alguma casa sem precisar de um papel. Dormir, ao
menos uma vez, com os dois olhos bem fechados.

desejo:
Acreditar. Levar o golpe avassalador do momento do fim, ao invés de sofrer a lenta sangria de viver
com o medo e suas "previsões". Ser forte, sem precisar de muito poder sobre.

"Meu irmão", "Meu pai", "Meu amor". Dar e ver sentido na imagem que vem com a palavra.

...
Esquecer. Enquanto a dor da esposa que, na cama, acordada, chora sem lágrimas, encontra
conclusão no súbito ronco do marido, no "sono dos 'justos'", virado pro lado.

Suspirar. Entre aspas, como é possível não se ver isso tudo?

E fugir. Mais uma vez, fugir, se quebrar, ser julgada por quem só a vê em seus papéis, pelo ideal
dos mais-que-perfeitos já vestida e maquiada.

Porque, enfim, só há a fuga ou a morte -- o apagar da luz marota e sonhadora que, muito
seriamente, ela reconhece como única base, única lua de fases constantes: princípio e conforto,
limites e norte.

35
O Não Egoísmo, A Beleza E A Cura

Sempre há um ponto em que o outono parece cair sobre sua cabeça e nunca mais acabar. E ele olha
para si e sente que meses se passaram no escuro, sem que nenhuma direção acontecesse. Mas olha
no calendário e vê apenas alguns dias desde da última vez que beijou lábios macios, que sorriu com
a mente vazia e escutou, deitado imóvel em sua cama, cheio de alma, uma canção.

E sorri. Seu corpo, que não conhece a separação conceitual desse hemisfério, está cansado,
machucado na proporção de sua tristeza; ele sabe disso, eles sabem disso, mas ainda assim e sem
reservas ele sorri. Sentado na cama, carrega o cd player com aquele velho, mesmo disco que há
apenas alguns dias o embalava numa graciosa onda de antigas sensações nunca sentidas.

Liga o som e, naturalmente, as sensações não acontecem. Nada acontece além da contínua reação de
seu pensamento superestimulado pela própria vida, pela visão de fracasso social inerente às suas
vitórias interiores, pela luta contra o outono seco da alma e do corpo. Nada além desse
embotamento dos sentidos, desse afogamento arrebatador numa batalha por si mesmo.

E ele sorri. E continua deitado, imóvel em sua cama, cheio de certeza de alma, escutando o
contraponto. Porque sabe que o arrebatamento pertence à sua mente consciente e já não é tão
egoísta a ponto de pensar serem dela os ouvidos que ouvem, os sentidos que voam nos ventos da
canção. Sabe que estar acordado num sonho é apenas um feliz presente dos tempos de paz, longe
dos quais aquele acontece em silêncio contínuo, tantas vezes mais intenso quanto é a consciente
sensação de guerra e de vazio.

Então sorri, para o seu corpo, para si, e continua deitado, imóvel em sua cama, sem nada sentir, com
um "mundo inteiro" a lhe esperar lá fora (para ser prático, para escrever um livro, conhecer mais
nomes, terminar o dever de casa, conquistar Joana, adiantar o trabalho, ler revista, ler jornal, ver
sem querer os outdoors, falar no celular)...
Desligado o celular. Fechados os olhos, cerrado o medo de ficar só.

Continua deitado a entregar aquela canção aos seus sentidos, à sua alma em outono que enfim vê
atendidos seus pedidos e que, sem nada lhe dizer, por não poder falar ainda, vai se embalando em
sonhos de sentidos simples e sublimes: em beijos de lábios macios, sorrisos de mentes vazias,
improvisos em jocosas melodias.

E ele sabe. E respira mais fundo. E descansa seus olhos.

36
O Bardo Em Seus Campos De Pedra

Sempre penso em você. Fico caminhando em meus sonhos, e não sei se choro por serem apenas
sonhos, ou se fico tranqüilo, por serem os sonhos mais bonitos. Mas eu não me conforto com a idéia
de estar longe, longe de toda a poesia que eu sei que posso ter. Não me conforto com fórmulas que
nos dizem onde e como encontrar a paz e os poemas, quem devemos ser e o que devemos fazer. O
espírito de uma pessoa pode soprar em tantas direções, de formas tão imprevisíveis e belas que
jamais conseguiríamos reproduzir de novo a mesma emoção. O que dizer de criar alguma...

Sempre penso em você, porquê preciso pensar em alguém, nos meus momentos de agitação quando
pareço perder o controle, quando paro de remar contra a maré da mecanização e do alheamento;
quase não sendo ninguém, quase esquecendo de mim.

Porquê você me faz enxergar, ver florestas em gigantes de pedra, sentir no fim de uma cidade um
pouco do cheiro da chuva, que um dia caiu e me fez te tocar.

E você sempre me atende, e chora quando eu fico perdido. E sempre sorri quando eu penso em
voltar. Olha pra mim com seus olhos de fada e me diz "toque", e toda melodia que eu parecia ter
esquecido sai de meu coração e o tempo parece que escuta a minha flauta, parado ao teu lado,
libertando meu espírito de sua contínua ilusão.

E entendo o porquê de sonhar. Como a escuridão e a claridade num crepúsculo, sonho e realidade
são divisões imprecisas de nossa percepção imprecisa; são uma simplificação para o uso da razão. E
como o próprio crepúsculo, está a nossa vida, nosso amor e emoção, que flui indescritível através
das linhas do tempo, nos dando alternativas que são como escolher entre olhar para o reflexo do
entardecer nas árvores longínquas ou voltar os olhos para o perpétuo e triste movimento da avenida.

Sonhar é viver na primeira opção.

37
Canção #1

Muita sede de cuspir mais uma idéia inusitada que num


mundo inusitado encontra eco e outros egos amarrados.
Outra catarse admirada.

Mas a dor, quando sai da alma e passeia no corpo nos


trás o medo da esteira do tempo, incômodas sensações
de não haver eternidade e, enfim, se nos prezamos, nos
empurra à simplicidade, ao batuque, o assovio, à
janela aonde chove.

Eles é que ganham a importância e o sonho já é não


ser dono de monstros de verdades e lógicas, mas o pai
de três linhas que me falem da chuva.

A simplicidade da canção do improviso, pequena e sem


casa, sem medo ou pretensão, pois pertence ao vento e
não a uma mente, objetivo ou coração.

38
Uma Luz Que Não Prenda As Formas

Uma pequena pausa, Elyria, e eu queria a luz de uma vela. Porque é noite jovem ainda, mas o lapso
entre a escuridão na porta da casa e o acender do tungstênio me fez lembrar e ver em mim o outro:
Aquele que é ainda criança e simples e desconhece a dor de viver num governo, de ser dono de
coisas e soldado de guerras da família e da polis.

O que fecha os olhos ao ouvir uma canção e de nenhuma outra forma se sente mais desperto. Que
sabe da paz que traz a melodia dos ouvidos à pele.

O que não usa palavras proibidas para evocar sentimentos esquecidos que, espíritos sem gestação ao
mundo trazidos, são como o ouro do anel posto ao fogo: reluta, brilha; mas súbito grita e perde a
forma.

O passado mutila a veia que pulsa e o algoz do presente trás nas mãos a nostalgia.

E por isso eu queria a luz de uma vela e jamais ter ousado acender essa lâmpada, Elyria.

Porque o outro é tão vivo aqui em mim quanto o é em tua casta de anjos, e aqui caminha quando
vem a noite, quando se sente seguro para abrir os seus olhos sensíveis demais, sussurrar sua voz e
narrar seus segredos -- os contos bonitos das terras do espírito.

Caminha em passos leves, mas se perde nesses gritos da luz artificial, no súbito enrijecimento e
definição do espaço, a dissolução rápida das formas e sombras alternadas e flexíveis de onde brotam
a poesia, o silêncio solene e a imaginação.

Sim, eu queria a luz de uma vela, porque hoje a escuridão se revelou minha companheira. Hoje, por
um segundo, eu me tornei o outro e o amor voltou para mim em sua forma mais feliz e simples:
Sem um passado, sem um desejo, sem um "você". Apenas um fino poder e uma ilimitada presença,
amizade por tudo. Sabor de se estar no que foi e no que ainda há de ser, consciente que "estar" é a
vida do tempo: única causa e função do presente.

39
Release Me From My Pain

Como é difícil tomar e respeitar uma decisão. Como é difícil ser a própria vida.

Começo por esquecer.

Esquecer os caminhos que não sou eu, os contentes e predestinados, os belos e afortunados e os que
não são, mas pregam ser.
Esquecer os vampiros que, por inveja ou alguma ausência de próprio espírito, evocam minha língua
para trair a própria origem.

Depois, vivo.

A sós com poucos amigos, assumo a minha fraqueza.


A sós com poucos amigos, olho firme para o espelho.
Ofereço a minha espada e meu serviço e rezo aos deuses
Pela força, o equilíbrio
E o controle de mim mesmo.

40
Nome e Bois

você vem
me toca a face com dedos de vento
tão fortes, porém
que não podem, nunca, ser ignorados.
você vem e dá segurança e identidade e força
e acende outra vez aquele sonhador aprisionado pelas próprias frustrações.
e tudo é novo e possível e natural e simples
que parece não haver velocidade processos ou ansiedade.

e é assim, entre harmonias que me embalam o sonho e me fazem querer nunca levantar,
que você vai.
mais sutilmente do que veio
e ainda mais inevitável.
não tem mais tanto prazer em tantas horas ao meu lado
mas concede um bom lugar numa seleta galeria
de grandes amigos e passados e bons mestres, muito bem selecionados.

conjunto fechado: aspirações já encerradas...

um boi com nome.


raro, claro, mago, negro, forte, belo: nome.
e outra vez o sonhador encontra a frustração de ser definido, limitado e criteriosamente classificado.
e joga fora o seu tecido onde escrevia a nova estória,
se arma novamente com algum livro entorpecente,
finge alegria e serenidade e paz,
e vai embora em seu caminho

que não passa de um qualquer caminho.


abandonado?
não.
ele sabe que não.
se ainda persiste e vai e volta e inventa e cria e luta e chora e sempre resiste é porque é forma viva,
como tudo que há na mente, e como toda forma viva quer a própria existência.
ele sabe que a vida alimenta mas não cozinha, que aquece mas não nos costura o paletó.

ele sabe que a rigidez, enfim, está em si mesmo, uma ilusão de sonhador, forma nociva ao
dinamismo e ao natural desprendimento daquilo que, oprimido por ela e por tantas outras formas, as
alimenta e sustenta e existe mais realmente que qualquer realidade: eu.
Eu, que mal me conheço e sou, no entanto, tudo aquilo em que posso realmente confiar.

(que mal se conhece e é, no entanto, tudo aquilo em que pode realmente confiar)

41
Ouvindo Um Madrigal

"Em vão buscar por ordem.


Em vão buscar por verdade
Mas essas coisas ainda podem ser encontradas
Por seu amor a prova disso me foi dada."

Uma luz pode cegar um olho


Um abraço pode quebrar uma costela
Um poder pode acabar com uma alma.

Saber o que não se sente, vislumbrar o que não se compreende, se enxergar num passado
modificado pelo desejo de vir a ser do presente ou num futuro criado pelo mesmo desejo.

"Quase tudo que sou é o que *penso* que sou. Outra boa parte é o que consigo fazer as pessoas
acreditarem que eu sou e o que resta, que seria eu mesmo, eu não faço a menor idéia do que seja.
Tenho apenas a impressão de ser muito pouco e estar há muito abandonado e esquecido."

A repetição dos dias e dos sentimentos é a maior lição sobre a falta de progresso. E o que será afinal
o maldito progresso? Até que ponto as pessoas realmente mudam aquilo que são? Tantos conceitos,
pouca compreensão. O excesso de verdade é o maior inimigo desta.

Pequeno, cada vez mais.

Montepio.

Quem vive de sonhos sente o peso de seu pecado com o passar de seus anos.
(que mostra cruelmente as possibilidades com as quais confortavelmente se podia ficar sonhando se
esvaindo pela simples ação do tempo)
O que se faz e o que se fez pode ser revivido na memória e respeitado no futuro. O que se poderia
fazer, mas não foi feito requer desculpas, provas e explicações, como tudo que pode ser falso.

Quem se enxerga em tudo não deve desejar nada. Quem se enxerga em tudo e deseja algo vai
desejar cada vez mais e conseguirá ter cada vez menos.

Triste

O pavor de ver o tempo ouvindo e desejando outros tempos.


De ter uma mente e um corpo
E não ter a moral que lhes dá união.

...E basta um segundo para se lembrar de um sorriso.

O estado do fardo do espírito:


Há um bem em tudo
Mas como entender o bem ideal
Se de tudo que se vive alimenta-se uma parte do mal?

42
Confusa Reflexão Sobre O Medo:

Querem nos afastar. Nos separar de nós mesmos. E é difícil explicar como isso funciona, difícil
explicar o quanto isso é possível, vivermos completamente separados daquilo que somos.

Todos sabem os motivos: a diversidade, a paz interior e a compreensão de que a satisfação com a
vida tornam muito pequenas as nossas necessidades, dificultam um controle homogêneo e
completamente implícito por parte do nosso grande Big Brother. Mas, por outro lado, o barulho, o
grande e sempre atualizado mercado de desejos e a universalização dos meios de "satisfação"
tornam muito fácil a tarefa de canalizar todas as nossas forças num sentido apropriado.

Mas, mesmo sabendo os motivos, torna-se difícil tarefa entender como funcionam os inúmeros
meios para nos iludir, sem contar a dificuldade ainda maior de recuperarmos nossa referência, nos
lembrar de nós mesmos, pois tantas vezes fomos cegados, sistematizados e pré-definidos antes
mesmo de termos experiências marcantes sobre as quais pudéssemos refletir.

E essa dificuldade, quando enfrentada, nos coloca nos limites da tristeza e da depressão, nos
instigando a fugir, a voltar para o seguro seio do caos. Por isso é tão estranho, por isso é tão difícil
estarmos juntos. porquê não somos nós dois, o mundo sistemático vive em nós. Usando nossa força,
usando nossa mente, dispersando nossa energia. Nos fazendo tomar carinho por sexo, amizade por
sexo, prazer por sexo e sexo por algo banal e público.

Somos visceralmente expostos ao mundo, pois nossos maiores desejos se apóiam nisso. E todo o
resto, que seria nossa felicidade e plena alegria, é eclipsado pelo medo, pelos folhetins, telenovelas -
- arautos da guerra à autoconfiança -- e pelas necessidades criadas para nos manter medrosos e
medrosamente trabalhando muito por um sistema de poucos.

Pessoas são meios e não são mais fins. E todo esse "resto" acima citado são as pequenas coisas que,
pelo menos em nossa tenra infância, nos fizeram sorrir e sentir os sorrisos e os sentimentos --
despidos de nomes e da moderníssima necessidade de serem chamados de "amor" -- mais puros.

As pequenas coisas que, hoje em dia, são pequenas demais para nos satisfazer.

43
Tela

Amei esse teu branco de uma forma vazia e estranha, como é o que vejo em você, às vezes.

Amei pela tua necessidade de forma, um potencial que luta para ser decifrado, uma cor ansiosa por
ser decomposta. Como eu. Porquê você não sou eu, mas é de onde eu mais posso ter, de você eu tiro
dando. Você não é eu, mas reflete o que eu jamais seria, mas tenho. Reflete minhas paixões sem
elas precisarem ser minhas, me deixa livre, assim. Para mostrar o que eu tenho e não sou.

O que eu tenho e não sou? Sonhos. Imaginação. Você é uma luz que me livra do escuro e um
contraste que impede o sol, tão benéfico, de me cegar. Então meus sonhos, que seriam pesadelos
por não serem nada, são seus; e já alguma coisa: Música em tintas, visíveis, não me assustam mais.

44
PARTE 3

DEDICATÓRIA

Dedico essa canção ao louco e puro ato de dedicar uma canção


A todo amor e toda prece
A tudo que não foi em vão
Aos beijos que queimaram para sempre a pele
Nos momentos em que o erro estava ausente
Àqueles que são loucos de lutar pelo que querem
E desafiam, por justiça, a terra, o céu
E toda gente.

G.P.V.

...odes e canções de dúvida


o mesmo passo que é da frente estava atrás
com carinho, ou talvez com medo,

de assustar a beija-flor que aqui pousou


a muda flor bonita

que cantando o seu silêncio em mim tocou


a mais serena missa.

PULSO

O sangue entre um pulsar e outro


de um coração, ou vida, periódico
um som e um se-lembrar tão roto

Ou, antes disso, um estar mais temeroso


de enfrentar o jogo de interpretação
dos próprios fatos: de opção ou escravidão

Antiga vontade de chamar cavalarias


antigo vício não deixar a alma sozinha

E não buscar por mais nenhuma sensação.

Julgar o mundo, a lente tosca: teoria


fazer de tudo que se vê um chão vazio

45
Escolher futilidades
Resolver o que é igual
Classificar
Seu manual de se esconder do que é banal

E no fundo aquela luta pra esquecer


a cada dia, dar passado ao que é passado,
não pode nunca ser chamada de uma luta

pois é preciso se lembrar com mais cuidado


do que haveria em se aceitar um longo fardo:
há um vício embutido em cada amor
e não há meios de fugir da providência
da abstinência do que é coisa e não pessoa
da consciência onde um espelho se formou:

não há imagem e entretanto é ele ou ela


nem passado e entretanto essa janela
de onde olhamos e tentamos esquecer
o que não há, está sempre, sempre aberta
sempre ela sempre ele sempre ela...
"esquecer" nos faz fugir da chama certa:

falta-nos nós, a falta apenas é de nós


nós: corajosos, confiantes, saciados,
nós: amistosos, confiantes, envolvidos
em nós: carinhosos, confiantes, liberados
de nós aprisionantes apegados e perdidos.
buscamos a nós e não mais por nós no mundo

até que encontramos no presente dos sentidos


nosso umbigo que nos faz estar em tudo
e invertemos, e ganhamos conclusão:
se buscava o eu no outro
mas outro não sou eu
e outro nunca era.

invertemos, e encontramos nosso tom:


estar em si é precisar estar em tudo
estar em si é desejar ter emoção
e não é ele, aquele corpo, não é ela
é a alma, que a memória finge imagem
mas que é presente, vê no adiante a direção.

46
CINCO FASES

Havia um segredo
e havia um desejo.
Amigos de um sonho
que perdeu-se num beijo
pensando que havia encontrado um lugar.

II

Uma criança que olhava para um mundo insatisfeito, onde tudo era pouco e o que se tinha era
demais.

III

Apague essa luz.


Não quero mais te olhar nos olhos
e ver sempre a mesma coisa
O mesmo vazio
Apague essa luz e chegue mais perto
Que ainda é bonito afagar seus cabelos
Mesmo eu sabendo que não é tão certo.

IV

Há tempos não chovia na minha rua


Nunca mais, desde que tudo aconteceu
E agora estão caindo as águas
E agora está soprando o frio
E nasce em mim um certo amor
que se perdeu
E, como um médico e um perdido paciente,
O tempo é curto para nós, o amor e eu.
Pois os ouvidos a quem canto não são surdos
Mas não se importam em compreender minha canção
Nesses lábios que eu beijo e não são mudos
Há um silêncio que não cede, mas diz não.
E o corpo é um joguete da esperança
A superfície aonde eu tento respirar
Um brinquedo que acalma uma criança
Esperando a velha hora de chorar.

IV

"As condições para uma ave solitária:

Ela voa para o ponto mais ao alto

47
Nunca tem, exatamente, a mesma cor
Tem o bico apontado para os céus
Aprende a não sofrer por companhia, mesmo aquela de sua própria gente
E canta muito suavemente"

REBELION IN DREAMLAND

livre de sorrisos que cativam e em seguida me aprisionam


livre de corpos que tranquilizam mas também interiorizam
os desejos mais intensos.
(amores que confortam;
um conforto entorpecente).
livre de precisar
livre de querer
de tudo que o hábito me diz ser "assim".
livre de nomes,
perfumes, cabelos,
livre de nós,
e livre de mim.

IMAGENS

sagacidade e vida
legado do objetivo
clara noite além da porta
da ilusão.

II

Grãos de chuva
Ladeira de pedras
Águas barrentas procriam redomas

De ar.

Dom que escuta


E o vento já leva
Curso intenso desfaz transparências:

Noir.

48
PAIXOES

Começo do encontro
Tensão e arrepio
E as pontas dos dedos explodem universos.

II

Senti a ousadia
Dos lábios no corpo
Em tua língua o meu gozo.

III

Em meio aos bambus


Inicio do inverno
Fui fogo em tuas pernas.

49
THINK OF ME WITH KINDNESS

Agora estou fora de teu mundo, criança.


Eu mesmo aprendi a ser uma,
Enquanto aceitava teu convite para, de um certo jeito, eu te amar.
Fui paciência e conivente e, na verdade,
não era mesmo tão difícil de gostar.

Mundos são mundos,


Preconceitos são limites,
limites são ilusões,
e ilusões nos dão poder
e identidade.

Foi um bom tempo esse, em que eu estava fraco e despreocupado em ter um nome.
Quase cheguei a acreditar,
Quase chegastes a acreditar.
Mas, enfim, não são os anos, a experiência ou a definição;
é o que há de mais simples que nos dá explicação:
Não é.

Enquanto aceitava teu convite eu, de fato, te amei.


(talvez arrisquei até bem mais
do que um simples desejo me faria então arriscar:
Me viram sem nome, coerência ou orgulho,
grave...
E no entanto, agora distante,
Ainda gosto dessa fita que assim me classifica.)

Não é.
E você não sabe,
e eu não saberei,
pois choraríamos se soubéssemos
que somos assim,
que nos medimos assim,
que assim nos amamos
e também classificamos.

Não é,
e agora estou fora,
como deve tudo aquilo que não pode não sabe
ou não quer, ou não deve
ser.

E estás muito mais bela agora,


cresceste, criança,
o baile começa em tão poucas, poucas horas
já te chamam para a dança
onde o mundo fractal te trará todas as cores,

50
e versões até de tudo que há em mim,
segundo aquilo que há em ti.

E estás bela,
e estou belo,
E nos contemplamos como quadros que se olham nas paredes da galeria
onde épocas se cruzam:
Reconhecemos a beleza que não é da nossa esfera

E contemplamos;

pois só podemos contemplar,


pois não sabemos que, apesar de cada fundo e cada tema e cada acrílico,
somos suspensos pelas mesmas cordas,
pregados às mesmas paredes,
e admirados, coniventemente, compreensivelmente, apaixonadamente e
desinteressadamente,
pelos mesmos deuses.

IMÃ

...e o tempo foi passando


O mesmo engano, os mesmos erros
Um mesmo imã no lugar do amor
E o que seríamos nunca mais foi
Nunca nos apercebíamos
Das grandes mágoas que existiam
Em quem nos deu uma grande mágoa
Nós, nós e nada mais
E nós não éramos nós dois
Mas comunidades distintas demais
E se foi o orgulho, se foi a descrença
Das mãos impensadas de quem nos "protege"
Importa pouco
Ou quase nada
Pois o que importa não soubemos captar:
Um do outro os sonhos, e os medos,
E as dores
O imã que esconde do desejo de amar.

51
RODAS E TRILHOS

O afeto nos faz fortes


tão fortes quão frágeis nós pudermos ser.
Sábios, conscientes e estáveis
na exata medida da louca emoção
que, por tanta força e tanta luz primordial
teme ser, em teu caminho, a cor completa
e, amedrontada, te ver fugir de suas mãos
que se enchem de luvas, macias, então...

No toque sutil te compõe poesia


no acaso do instante uma nova canção
À beira da noite, fugindo do dia,
fazendo que vejas num sonho embalado
a beleza, o mistério dum tom renovado
da realidade de uma aspiração...

...caminhos, desvios são toque e empatia


rodas e trilhos são livre união.

FRIO

se ao menos você soubesse


de mim
como eu sei que deveria bem saber sobre você
talvez não fosse difícil
talvez não fosse pesado
como comer sem beber água um biscoito bem salgado
ou se lembrar desesperado dum momento que morreu.
talvez não fosse chuva, tão espessa, tão gelada
talvez não fosse escuro,
e talvez não fosse adeus.

52
TERRAS FRIAS

Quando eu te falo que quero ir às terras frias


É o meu jeito de dizer que quero, com o calor
de uma lareira cuja lenha eu preparei,
ter mais motivos de leveza para estar perto,
muito perto,
quase dentro.
Que quero, com o sussurro,
de uma brisa que, insistente, nos convence
que entrar é seu direito,
lembrar-me do silêncio,
pois, assim como no fundo dessa canção de cidade grande e quente e motorizada,
podem-se ouvir harmônicos de vozes que pedem socorro,
e amor,
no fundo desse vento de florestas solitárias,
se encontra o silêncio, os olhos solenes dos mitos antigos do povo inocente,
o gozo dos vivos,
e amor.

O PRESENTE NAS VELHAS CANÇÕES

Um breve suspiro...
Florestas de bambus,
o entardecer e o leve
frio

sentado em um velho tronco, pergaminho


de uma velha tempestade
olhando os semblantes de meus companheiros
que cantam.

sentindo, no ar, de onde agora observo


as tristes e belas trovas do inverno
o tempo,
que agora parece meu único amparo.

eu,
sentado diante do que houve em mim mesmo
tomo emprestado esse outro presente,
que vivi
com a honestidade e o amor de quem sabia,
no agora,
de mim.

53
PASSAROS

as linhas não são os caminhos,


não falemos de destino.
e sim pássaros livres que vêm, pelo cheiro,
nos trazer novas mensagens
que precisamos muito ler.

porém não vemos, amiúde, nem sabemos.


temos no céu só azul suporte para sol
e em todo o resto alvos adornos repetidos
para os quais por uma vez já basta olhar.

lêdo...
leigos,
se nos dizem, e queremos, nós olhamos, então vemos
os pássaros,
voando tão longe, com cores no peito
e acordes no ar que interrompem com as asas.
sentimos que trazem o que ainda não temos,
o relance que diz se lá está nossa casa,
a confiança em sabermos já a trilha do leito.

mas não alcançamos.


é preciso que descam, do além do que somos,
e venham pousar docilmente nas mãos,
que, antes de ler, saberão cada sonho,
cada medo e vitórias que ainda serão.

é preciso encantar.
é preciso encantar as aves que dizem,
é preciso usar suas linhas de vida,
é preciso de força,
e não definição.

PEQUENAS CANÇÕES DE AMOR

A mãe precisa alimentar o filho.


Ele não come carne e hoje só foi feito carne
Não se importa. Chega tarde, está bem alimentado
Mas não tão tarde, está a mãe ainda acordada
Angustiada. Fala com ele, sai por um lado
E volta com um prato:
"Pode comer. Esse só tem
um pedaço pequeno, só pouco de carne..."

54
VERRRRME

Maldito verme que nunca mais saiu da lua cheia,


e encheu de alegria a minha cabeça,
sob a terrível condição de estar vazia
de ser simples e não mais a espessa teia
que indistingue quem eu sou do que eu "seria"...

maldito verme que arrancou-me a poesia!

O RESTO

a vida pode ser destruída por uma coisa que se chama culpa de viver
a vida pode ser destruída por um impulso que se chama [ser] o que te pedem para ser
a vida pode ser destruída pela falta de um sentimento que se chama auto-respeito
a vida pode ser destruída por excesso de orgulho, de inveja e de paixão
pode ser esquecida se olhamos demais para outras vidas
se exageramos ao pedir permissão
ou se nunca fazemos questão
é muito fácil destruir a vida.
nosso erro é não pensar que iremos junto.
e não saber que, apesar de tantas coisas que destroem
existe uma, o amor, que constrói sobre qualquer terreno.
o resto são variedades.

SHHH...

no fundo é só a vontade de silêncio.


quando menos se espera o sentimento cresce
não jornalistico, inverossímil, pouco prático
mas duma frugalidade que faz poesia
(quando menos se quer tudo acontece)
e o que se expande é às vezes bom para quem vê
mas normalmente é só resíduo
involuntário som dum sonho revivido.
que, no fundo, é só a vontade de silêncio.

55
...I...

Sem querer pensar em nada


Quando ando toda noite
A sonhar alguma estrada
Que me tire a sensatez

Eu caminho em versos
Que não são meus
E descubro que te olho
Muito mais do que me vês

Sem querer admitir


Que não posso definir
Como eu quero estar aí
Te componho versos tortos
Que eu sei que não são meus

Mas que crescem tanto em mim


Mesmo sem querer
E eu descubro que te olho
Muito mais do que me vês.

ALEGRIA

Lampejos de alegria
Já não me culpo
Nem duvido

Apenas corro e os agarro com as unhas


E como as crianças em suas cartas de natal

Coloco o que eu queria


Felicidade
Poesia

56
NADA

Não me peça nada.


Não espere amor.

Tudo o que eu quero é entregar tudo


Por tudo que tenho eu me apaixono
Mas já não brinco de mostrar quem eu sou

Não espere que eu peça


Pois eu jamais vou te pedir
Mas ouça bem, e não revele esse segredo:

Ninguém decifra de quem sonha os olhos


E só o silêncio realiza o sonho

Não espere que eu te espere


Mas é mentira eu não dizer te amo.

PEQUENOS II

... Mas isso não é certo


eu não sou daqui.
Sou desse deserto, que agora me aperta
pra eu não desistir...

II

Deixe estar
Breve a vida, grande e simples
Tudo e nada
Definidos pelo olhar.

57
MONTEPIO.

você está só.


é grande o bastante agora.
grande demais para precisar de alguma ajuda,
para que valha a pena alguma.
força,
reconstrução.
teu castelo ruiu antes por dentro
e lá ninguém mais pode entrar.
reconstrução.
força para viver a realidade que é nova e verdadeira,
e limitada
por teus próprios, e nunca antes percebidos, limites.
humano, demasiado humano,
finalmente humano.
É essa a tua, ou crua, verdade,
teu auto-montepio.
Não é a pior,
ou mágica.
apenas é

dum ser que ninguém vê,


mas não se perde no oceano.

RESIDUO

A chuva ainda é uma janela de onde vejo o meu poeta.


Andando, bem longe, a sonhar sua ninfa.
Brincando, alegre, com as coisas mais simples.

A chuva é tudo o que me restou


Agora que tudo que sou é precisar ser mais forte
E, conseguindo ou não, lutar pelo direito de viver mais uma luta
de fome e poder,
de sol a sol, da noite quente ao amanhecer.

A chuva é tudo o que me restou.

58
DOWN, DOWN BY THE RIVER.....

I had something to do
I could not remember, it was about me
and a blue
(yac, not you, because too many pieces of single you I've found
in a desperate quest
for something you aren't.
You've never been...
My own tears, my loved fault
which makes me run from what myself
to me has taught.
But what is to learn, to accomplish wisdom and bla bla bla
When when you learn you have to be quiet
Taking yourself as a liar
'Cause you've never get rid of all desire?
)
feeling, that makes me feel happy with my own drifting sadness
which I always knew as not to be mine alone.
You left me a kiss.
Your hungry mouth and shaky hands
Are still like an oasis
Still like an horizon.

FESTA

Os seus dias infinitos


Que se fazem gritos
Perdidos no espaço
Em depressão

Os seus beijos tão aflitos


Que se perdem nisto
Que é a sua vida
Sem razão
Os seus passeios ansiosos
Numa noite morta
Procurando alguém na escuridão

Não encontrando nada


Só cansaço e sede
Um cigarro molhado
Uma cerveja quente
Uma estrela apagada
Nada diferente

59
Um lixeiro na rua
Recolhendo os restos
Os pedaços da vida
As lembranças da morte
E enquanto isso

Na esquina havia
Uma menina linda
Esperando alguém
Que não chegou.

DIREÇAO

Não sucumbir. Jamais. Não sucumbir.


À tudo que somos em prol de não sermos.
Ao que se vinga por não ser amor.

Tudo que exige reparação por ser falta


E eternamente espera o mal: pois não combate.
E eternamente o controla o medo:
Pois não combate,
Dentro de si, a perfeição de quem não vê.

Não sucumbir. Jamais. Nenhuma idéia


Deve ser o grande alento de uma vida.
Apenas um beijo nos deve acalmar.
Apenas o tempo nos deve curar.
Apenas o curso que há apenas na vida
Nos deve entregar os direitos de amar.

PRECE

O beijo é uma prece.


àqueles que rezam é legada a fé.

A fé é um diamante macio
mas muito difícil de se lapidar

A fé que tenho em teu beijo


vem do amor que senti ao te olhar

Teu comando sobre o sol


e o medo que devias, mas não tens, de olhar a lua

60
Tudo isso sou eu enquanto eu sonho
em estar a caminhar no amor contigo

É a fé, que é a prece e é teu beijo


o teu olhar: minha prisão e o meu abrigo.

SOPRO

Ser é uma palavra integral.


A beleza não se divide da sabedoria que não se divide do conhecimento que não se divide da
perícia.
De cada pequeno detalhe dependem os outros detalhes
E o muito é sustentado pelo pouco às vezes invisível.
O resto é suicídio.
E o suicídio não é permitido.
A morte terá sua vez e sabe bem disso, melhor do que nós
E a vida é menos que um susto.
Pequena demais para nos darmos ao luxo
De duvidar de sua importância.

ACORDA

Que mal é esse, que a manhã nos faz


Nos fazendo recordar de nada
E sentir o peso de um amor por quase tudo?
Essa magia louca, que a manhã nos trás
Fazendo nossas máscaras da noite
Se aquecerem sem calor até cair de nossas faces
E esse insistente verde, em todo canto
Dizendo ´nada ainda está perdido!´
Parece que quer nos deixar loucos de paixão
Porque a manhã insiste tanto
Em dizer que nada disso foi em vão?

61
OPINIÕES

Com olhos que não os seus


O mundo parece tão bom
Mas olhos que não os seus
Te farão sair de seu tom

Eles disseram
Eu sei
Eles sorriram
Eu vi
Me garantiram
Gostei
E então fugiram
Sobrei.

Os olhos que não eram meus


Ilusões bonitas demais
Olhos que nunca são meus
Inverno da vida e da paz.

INTERRUPÇÃO

Só penso mesmo em te encontrar


Perdida num esquina desse inverno
Teus olhos negros e assustados me fitando
Contrastando com este rosto tão sereno

Mas, qual! É inverno, mas não há nenhuma esquina


Nem sequer sei mesmo a cor de teus olhares
E o sol, tal como ave de rapina
Vem radiante, alegre e sem pesares

Coisa louca que atrapalha o meu inverno!


Vai-te embora, sem que eu veja a tua beleza
E, feliz, já não escreva o meu poema!

Vai-te embora, louco deus


Deixa o vento soprar frio com o meu tema
Deixa ela apaixonar-se com minha cena!

62
FOGO

O que é belo aos olhos de um homem?


Seu rio, seus pássaros, seus ciprestes
Sua mata onde ele anda sem sonhar

Pois todo o som da cachoeira é como um sonho


Toda fruta da videira um paraíso
Toda a imagem que o norteia um tom preciso

Para as estrelas que ele tem no coração.

SEIVA

Você está entre a lixeira branca e a minha mesa


Uma brincadeira de mau gosto do fantasma dessa brisa
Você balança entre os meus livros e um bocejo

Eu amo a noite lenta, ociosa e sem beleza


E você sempre se escondendo no relance de um sorriso
Você dança entre as pegadas do desejo

Eu tento andar agora e andar é uma proeza


Pois sempre o pé abençoado queima tudo aonde pisa
Seu sorriso muda tudo quanto eu vejo

Não é conciso
É ironia e insensatez
Pedra vermelha, leve e lisa.

BARCOS DE ATENÇÃO

Sempre flutuações em minha mente


Vou e volto do passado ao meu presente
Respirando...

Pequenos desenhos em todas as partes


E eu me contando histórias de um forte
Que sou eu...

Há coisas que passam, outras que não


Outras que fazem que voltam, mas vão

63
Ser diferentes e novas

Como outras notas em nossa canção.

NAH

Frango a bolonhesa, panetone açucarado


Pode mas não sai e pronto
Andar de bicicleta, e o morro é inclinado
Sabe, se cair é ponto...

Coisa, cara de bolo molhado


Azarado como o favo de centeio
É. Um dedo sem arreio.

Septo de mistura abobalhado


Cebola só faz bem pro meu cabelo
Néctar de um deus entediado
Criado para a morte e tanto zelo...

HAN

Comprar feijão na feira com farinha


Coisas disformes, estranhas demais
Homens são loucos pelas mulherinhas
E nos mictórios lamentam-se em paz

Sabes, garota, essa coisa é mesquinha


E nem me disseram que era fugaz
Tentam pegá-la com mãos de galinha
Ah, que idiotas, morreram no cais!

Veja, uma rima, como uma estrelinha


Sinta o sabor dessa massa molinha
Guarda teus beijos em tua bainha

Garota, tu és fofa, és tão perspicaz


Vinho tu fazes das coisas banais
Mas já te beijei e bebi nunca mais.

64
MARIA

Ave maria,
Minha gatinha
Que mia no muro
Tão bonitinha

Com medo do arame que arranca seu pêlo.

BLUBOBÃO

Não tenho voz nenhuma


Eu canto blues de teimosia
E minha teimosia é minha única
Poesia
Teimosia que me manda eu te cantar até você me mandar
Pastar

Mas eu sou um equino


Te carrego nas costas
E minhas costas não se cansam de te
Carregar
Uma carga que eu carrego como quem carrega um corpo
Ao transar

Eu te carrego pra você


Me tocar
Como capim só pra te dar
Caviar

E se você não dá um canto ainda te canto e fico triste e é só meu blues que me faz
Recomeçar.

65
POEMINHA

Deixa, que não é difícil se esquecer


Talvez a loucura seja apenas a leveza
A nova precisão que mora em nossas almas

Então, porque querer sonhar no ontem


Se cada dia é um novo manual de sensações
De novas feridas ou flores na alma

Que, antes de tudo que se pense delas


Não são tormento, delírio ou salvação
E sim a prova de que temos emoção

A maior e melhor marca de nós mesmos


Que ninguém pode prender
Ninguém pode entender

MOJO

Tocando um blues pra mim


desista.
Um blues não se toca
se nasce.

Se faz tão pequeno e sem rima


que em qualquer neblina ele pode crescer.

JACK

Sentado na sala esperando tocar o telefone


Morrendo de sono e comendo bobagens
It's my life

Deitado no sofá ouvindo a mesma música


Tentando ler de saco cheio da revista

Imaginando o que imaginam por aí


Procurando revistas escrotas pra me divertir
It's my life
É isso aí.

66
ECOS

Distante é o grito de uma luta


Lâminas se cortam, espadas que se ferem
No mundo onde um, apenas um pode sair.

Se o fogo me queima eu tenho água


Depois da batalha eu sinto frio
Vencer nem sempre dá prazer
Às vezes é apenas necessário.

Minha espada é o peso de uma vida


Em sua lâmina há sangue de fantasmas
Meu tesouro é o fim de falsas formas
A verdade nos olhos, nas mãos e na língua.

Nem sempre meu beijo dá prazer


Em quem não me beija com os lábios
Às vezes eu faço por mim
Às vezes só eu sou meu gozo.

Minha espada não fere inocentes.


Eu sinto na pele a maldade
Mas faço palavras, não abro feridas.

SONHOS DE ANTEONTEM

Quero escrever, quero escrever


Já que não posso entender
Ter comigo o sábio silêncio
Por pura raiva eu vou escrever
O quê?

Que já tive letras melhores


Ántes de conhecer você
Que me deixou assim, menos triste
E a alegria é tão completa...
Fico sem nada para fazer.

Seria bom compreender


A utopia do querer
Porém querer não é saber
É cego, feio e insistente
E ainda quero te dizer

Sobre um sonho de anteontem

67
Um sonho bobo e repetido
Onde um querer queria o outro
E dois olhares meio bobos
Encontravam uma razão.

COMO

Um cigarro que se apaga


Não se apaga não

O que se passa é que o fogo


Ainda não foi encontrado
O sonho não foi derramado

Ninguém mandou nem recebeu nenhuma carta


Nenhum sorriso foi perdoado

O que acontece é que a inocência


Foi manchada
Os olhos são equivocados

E longe de entender porquê um amor não é amizade


Vou seguindo complacente e tão distante da verdade
Posso ser louco eu sei
Mas isso é um elogio quando diz sinceridade.

DESCOBERTA DA MORTE

Escuridão
Selva de palavras sem alma
Palavras belas
Vazias e sem sentido
Prisão
Sorrisos sem alegria, sem e razão
Harmonia sem calor algum
Prazer e vida em depressão
Mentira travestida de serenidade
Longe do choro
Perto de gritos insanos
Sinceridade social
Prostituição da língua e do espírito
Amores mortos, falso dom
Gritos e atos sem eco
Sem eco
Sem sentido
Sem razão
Escuridão.

68
ALÉM DAS NUVENS

Uma lágrima de emoção


Rola
Uma gota de mil sentimentos
De mil sensações
De mil soluções
Uma lágrima
Tempestade
Uma represa que explode em uma gota (modificar isso)
Águas humanas
Frágeis humanos
Com uma lágrima sincera
Buscam
A tormenta que trará um novo sol
Além das nuvens
Um novo céu

FLOR DE TREVO

Aprendi muito respeito com uma flor


Francamente retirada do jardim
Para enfeitar-me no meu quarto

A bela flor que não me olhava


E pouco a pouco ia murchando
E eu tentando ser alegre para ela

Acabou se pondo, enfraquecendo


E eu não sabia mais sorrir
Tentei e tentei mais contentá-la
Mas não sabia mais tentar

Então chorei e foi-se a flor


Foi em silêncio, não me olhou
E eu parado, descobrindo,
O quanto amei aquela flor

69
DO FUNDO DO CORAÇÃO

O que não é honesto


A gente faz honesto
Do fundo do coração
A gente faz verdade
De pequenas mentiras; por bem.
Não foi por mal
A gente se arrepende
E depois se surpreende
O negativo-positivo
Era mesmo positivo
Do fundo do coração
A gente não via
A gente mentia
E a mentira era a verdade
O que a gente fazia
A gente queria
Mas a gente não sabia
(A mentira era a verdade
e a gente nem sabia)

TURVAÇÃO

Vê aqui este trovão


que nas cinzas se mergulha
e não morre: Faz arder
em chama e brasa toda a terra
sem sentido.

Este homem que se abala


frente a tudo que é resposta
Suas perguntas são eternas

Vê agora este indeciso


que volta de longas viagens
ferido. Não sabe o limite
não sabe onde ir. Não sabe.
Não sabe o que diz

Veja bem, que ele procura


em seus rastros seu presente
Pobre homem sem futuro

É o que vê: Com turvos olhos,


essas glórias de si mesmo

70
Do que virá, perspectivas insalubres
Sempre querer, querer demais
Nunca fazer.

Veja este homem, que num instante


se ilumina
E logo após só se apunhala com fervor;

Se o seu sentido é a sua morte talvez seja


O seu presente a sua melhor escuridão
Se sua jornada está na fôrma de um desejo
Talvez seja assim, doente, o seu instante:
sem fim. Sem dimensão.

LITOST

É essa a morte, minha cara,


Essa morte de pequenos sentimentos
Que nos causam grandes medos
É essa pequena e terrível morte em vida
Que nos deixa separados

É essa a arma, minha cara,


Essa arma sem barullho, de silêncio,
É essa simples e ferina lança indígena
Que você usou pra nos matar

É esse o fecho, minha cara,


Esse fecho de sorrisos, fingimento
Que nos impede de ter volta.
É esse comum e detestável "nada houve"
Que cauteriza da memória os corações.

CLARIDADE

As coisas são tão claras


Quando as vejo
Quando os olhos abram pareço
Não ter medo
No escuro a claridade
Das estrelas
Revela às vezes maravilhas
Que o dia não soube mostrar
Ás vezes o sol necessário
Purifica tão bem a minha alma

71
As transições, os crepúsculos
São tão belos
E indescritíveis
Um me prepara
Para uma beleza que ás vezes
Causa medo
Outro desperta
Maravilhas que ás vezes
Eu não vejo
Às vezes os perco
Na distração dessa rotina
Há dias que eu não sonho.

SER

Eu sou o que sou


Sou o que você está vendo
E o que você tenta ver
Mas não consegue
Sou também o que seus olhos
Lhe escondem

Sou o oposto do que sei


Que não sou

Sou o que sinto ser nobre


Um vampiro que sabe sangrar
Sou a vida enquanto a vejo em você
Tenho a certeza a medida que duvido

Sou movimento

Sou um movimento por liberdade,


Por visão.

72

Interesses relacionados