Resenha sobre o livro: Geografia, Escola e Construção de conhecimento.

O livro se origina de uma tese de doutorado ela vem através desse pensar as formas que o estudo geografia chega à escola a autora Lana de Souza Cavalcante se baseia em teóricos que também pesquisam o assunto e ela se utiliza de pesquisa de campo feita em escolas publicas do estado de Goiânia. Ela tem o objetivo de apontar que a geografia epistemologicamente falando não tem associação com a geografia escolarizada, sua critica ao modelo tradicional de escola e a relação aluno, cultura e conhecimento. No começo ela fala da diferença da ciência geográfica e da disciplina, Os conceitos construídos academicamente sobre a pratica escolar da geografia tem dificuldade de chegar à sala de aula. Geografia quanto ciência não se volta para formação de cidadões críticos. Depois toca no ponto em que o ensino tradicional prejudica, pois, não considera o aluno na sua totalidade cultural, família e social que para eles seria muito mais significativo o estudo do espaço em que eles vivem que é carregado de conceitos geográficos e atingiria diretamente os alunos assim o estudo do espaço para formação do cidadão, porém fica complicado falar de limites espaciais se eles não se identificam com os conceitos estudados.

A inteligência do indivíduo. Esta teoria epistemológica (epistemo = conhecimento. e logia = estudo) é caracterizada como interacionista.Continua agora pelo contexto histórico da época do nacionalismo patriota que surge a disciplina de geografia na escola impulsionada pelas nações europeias com o inicio do processo das Grandes navegações sendo a geografia aqui apenas um manual de consulta dos poderosos da época essa sendo a geografia tradicional. . Na atualidade a geografia deve esta atenta em conscientizar os fatos mundiais que afetam a relação homem e natureza. Eles queriam implementar também no ensino de geografia conceitos piagetianos que fala que o indivíduo aprende com o meio e com as intervenções que ele faz no mesmo. Para ele o comportamento é construído numa interação entre o meio e o indivíduo. como adaptação a situações novas. está relacionada com a complexidade desta interação do indivíduo com o meio. portanto. o método de ensino deve contribuir para construção desse pensamento dialético. “Para Piaget o comportamento dos seres vivos não é inato.” A geografia a parti dos anos 90 foca no estudo das relações geradas pelos espaços Com a nova configuração social promovida pelas novas tecnologias foi necessário devido a globalização conceito de espaço para além do físico. mas tarde na contra mão dessa forma de ensinar geografia surge a geografia critica que 1970 no Brasil tem o caráter de conhecimento cientifico os encontros e associação de geógrafos criadas em 1987 foram importantes na tentativa de unir conhecimentos acadêmicos com praticas escolares na geografia para autores que criticavam a geografia tradicional do período anterior o professor era agente de manutenção da hegemonia vigente no período histórico que ela vivia. nem resultado de condicionamentos.

as representações sociais são importantes para o entendimento da sua função e sua influencia no espaço que vivemos. colaboração e constantes desafios. que ele mostra que um conhecimento não é aprendido e sim construído e associado com as experiências vividas pelo ser humano. Foi visto que quando questionados sobre seus gostos eles dão resposta superficiais que não mostram nenhuma ligação deles com o conteúdo e seu cotidiano. portanto. Nessa pesquisa ela detectou que alguns dados.E insiste na defensa do estudo do conceito de espaço e define o processo de interiorização de um conteúdo descrito por Vygotsky. Os alunos preferem uma matéria pelas suas particularidades como. A rejeição também tem a mesma impulsão da relação docente e educando.” A autora descreve sua pesquisa de campo em uma escola publica de Goiânia onde ela busca identificar as representações sociais que as crianças fazem a parti da geografia. “Sua orientação deve possibilitar a criação de ambientes de participação. por exemplo. . gostar da forma como o professor trabalha. Vendo as praticas em sala a autora notou que as crianças por serem educadas nesse modelo tradicional de escola tem dificuldade em trabalhar em grupo quando isso é proposto pelo professor.

. problemas que vem de sua estrutura como saber que na tentativa de se firmar quanto ciência transmite conceitos prontos que pesquisadores já resolveram a coisa é dada e não havendo possibilidade de questionamento essa forma de ensinar esta impregnada no sistema tradicional que a outra problemática encarada para geografia dificultando o reconhecimento do individuo da geografia quanto parte da sua realidade palpável se tornando muito subjetiva e distante. Mais uma questão é a estrutura física da escola. É preciso políticas publicas e vontade política de resolver o déficit mais investimentos financeiros na compra de recursos físicos para escolas. risco de moradias. A geografia precisa se conscientizar do que é realmente relevante para vida do ser humano em sociedade avaliando os conceitos que ajudam na construção de cidadões preocupados com as questões sociais que seu espaço vivenciam como marginalização. indo a direção e só assim chegando ao professor. passando pelas secretarias. o uso de livro didático engessa a aprendizagem e o trabalho do professor.etc . coisas que para escola é desvalorizada. computadores conectados ajudariam o professor de geografia a mostrar de forma concreta os conceitos como quando se fala dos tipos de planaltos ou vídeos sobre fenômenos mundiais. falta e de materiais como mapas e tecnologias como projetores. na pesquisa de campo é nítido o desanimo que escola provoca nas crianças como ela os aprisiona emocionalmente e fisicamente.. Para resolver essas questões é preciso uma reformulação no processo educacional começando do Estado. uso de jogos que auxiliaria na interação do aluno com o conteúdo. pois é esse que executa as ações propicia a mudança. formação continuada para os educadores. falta de infraestrutura. .Com isso podemos perceber que são muitos os problemas paro o ensino de geografia na escola. que ela descreve o recreio como quase uma libertação nesse momento eles interagem e correm como se o corpo falasse “estou livre”. porém afetam fortemente a vida da população que frequenta a escola pública.

pro.Bibliografia: http://www.com/pedagogia/teoria-de-aprendizagem-devygotsky/ http://penta.htm .pedagogiaemfoco.infoescola.br/per09.html http://www.br/~luis/Ativ1/Construt.ufrgs.

Universidade Do Estado Do Rio de Janeiro Disciplina: Ensino de Geografia. Turno:Noite Sétimo Período Turma:4 Prof: Hugo Nome: Viviane Da Penha Honorato Resenha sobre o livro: Geografia. Escola e Construção de conhecimento. 2013/01 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful