Você está na página 1de 2
Apostila de Física 09 – Dilatação Térmica dos Sólidos e Líquidos 1.0 Definições Quando a

Apostila de Física 09 Dilatação Térmica dos Sólidos e Líquidos

1.0 Definições

Quando a temperatura aumenta, suas dimensões também aumentam Dilatação térmica. Quando a temperatura diminui, suas dimensões também diminuem Contração térmica. Apesar de a dilatação térmica ser sempre volumétrica, existe mais dois tipos de dilatações: a linear e a superficial. Como os líquidos não possuem forma fixa, estuda-se apenas a sua dilatação volumétrica.

2.0 Dilação Linear dos Sólidos

dilatação volumétrica. 2.0 Dilação Linear dos Sólidos Aumento de uma das dimensões do corpo. A variação
dilatação volumétrica. 2.0 Dilação Linear dos Sólidos Aumento de uma das dimensões do corpo. A variação
dilatação volumétrica. 2.0 Dilação Linear dos Sólidos Aumento de uma das dimensões do corpo. A variação
dilatação volumétrica. 2.0 Dilação Linear dos Sólidos Aumento de uma das dimensões do corpo. A variação
dilatação volumétrica. 2.0 Dilação Linear dos Sólidos Aumento de uma das dimensões do corpo. A variação

Aumento de uma das dimensões do corpo.

A variação de comprimento ΔL de um corpo sólido que sofre aquecimento é

diretamente proporcional ao seu comprimento inicial ΔL 0 .

proporcional ao seu comprimento inicial ΔL 0 . A variação de comprimento ΔL de um corpo

A variação de comprimento ΔL de um corpo sólido que sofre aquecimento é

diretamente proporcional à variação de temperatura Δ .

A variação de comprimento ΔL de um corpo sólido que sofre aquecimento

depende do material que a constitui. Coeficiente de dilatação linear é uma característica do material; ela é o inverso do grau Celsius, chamado de grau Celsius recíproco (°C - ¹). Quanto maior o coeficiente de dilatação linear, maior é a dilatação do material. Quanto menor o coeficiente de dilatação linear, menor é a dilatação do material. Fórmulas:

linear, menor é a dilatação do material. Fórmulas: 3.0 Dilatação Superficial dos Sólidos Aumento da área
linear, menor é a dilatação do material. Fórmulas: 3.0 Dilatação Superficial dos Sólidos Aumento da área
linear, menor é a dilatação do material. Fórmulas: 3.0 Dilatação Superficial dos Sólidos Aumento da área
linear, menor é a dilatação do material. Fórmulas: 3.0 Dilatação Superficial dos Sólidos Aumento da área
linear, menor é a dilatação do material. Fórmulas: 3.0 Dilatação Superficial dos Sólidos Aumento da área
linear, menor é a dilatação do material. Fórmulas: 3.0 Dilatação Superficial dos Sólidos Aumento da área
linear, menor é a dilatação do material. Fórmulas: 3.0 Dilatação Superficial dos Sólidos Aumento da área

3.0 Dilatação Superficial dos Sólidos

Fórmulas: 3.0 Dilatação Superficial dos Sólidos Aumento da área de uma superfície. A dilatação
Fórmulas: 3.0 Dilatação Superficial dos Sólidos Aumento da área de uma superfície. A dilatação

Aumento da área de uma superfície.

dos Sólidos Aumento da área de uma superfície. A dilatação superficial ΔA é diretamente proporcional à

A dilatação superficial ΔA é diretamente proporcional à área inicial A 0 , e à

variação de temperatura Δ . O coeficiente de dilatação superficial do material é 2 vezes maior que o coeficiente de dilatação linear do mesmo.

de dilatação superficial do material é 2 vezes maior que o coeficiente de dilatação linear do

Fórmulas:

de dilatação superficial do material é 2 vezes maior que o coeficiente de dilatação linear do
de dilatação superficial do material é 2 vezes maior que o coeficiente de dilatação linear do
de dilatação superficial do material é 2 vezes maior que o coeficiente de dilatação linear do

4.0 Dilatação Volumétrica dos Sólidos

4.0 Dilatação Volumétrica dos Sólidos Aumento do volume do corpo. A dilatação volumétrica Δ V é
4.0 Dilatação Volumétrica dos Sólidos Aumento do volume do corpo. A dilatação volumétrica Δ V é

Aumento do volume do corpo.

Volumétrica dos Sólidos Aumento do volume do corpo. A dilatação volumétrica Δ V é diretamente proporcional

A dilatação volumétrica ΔV é diretamente proporcional ao volume inicial V 0 , e à variação de temperatura Δ .

O coeficiente de dilatação volumétrica do material é 3 vezes maior que o

coeficiente de dilatação linear do mesmo.

maior que o coeficiente de dilatação linear do mesmo. Fórmulas: 5.0 Dilatação Térmica dos Líquidos Lei

Fórmulas:

que o coeficiente de dilatação linear do mesmo. Fórmulas: 5.0 Dilatação Térmica dos Líquidos Lei idêntica
que o coeficiente de dilatação linear do mesmo. Fórmulas: 5.0 Dilatação Térmica dos Líquidos Lei idêntica
que o coeficiente de dilatação linear do mesmo. Fórmulas: 5.0 Dilatação Térmica dos Líquidos Lei idêntica

5.0 Dilatação Térmica dos Líquidos

Lei idêntica à da dilatação volumétrica dos sólidos. Coeficiente de dilatação volumétrica se torna Coeficiente de dilatação real do

líquido.

Como o líquido está sempre contido num recipiente sólido, esse também se

dilata.

Os líquidos se dilatam mais rápido que os sólidos; por isso, num recipiente cheio, o líquido transborda quando aquecido.

O líquido extravasado (o líquido que transborda) possui o coeficiente de

dilatação aparente do líquido.

A dilatação aparente ΔV ap e a dilatação do frasco ΔV F são proporcionais ao volume inicial V 0 e à variação de temperatura do frasco.

O coeficiente de dilatação real de um líquido é dado pela soma do coeficiente de

dilatação aparente do líquido e o coeficiente de dilatação volumétrica do frasco.

O coeficiente de dilatação aparente do líquido depende da natureza do líquido e

do material que constitui o recipiente que o contém.

e do material que constitui o recipiente que o contém. Fórmulas: 5.1 Comportamento anômalo da água
e do material que constitui o recipiente que o contém. Fórmulas: 5.1 Comportamento anômalo da água
e do material que constitui o recipiente que o contém. Fórmulas: 5.1 Comportamento anômalo da água
e do material que constitui o recipiente que o contém. Fórmulas: 5.1 Comportamento anômalo da água
e do material que constitui o recipiente que o contém. Fórmulas: 5.1 Comportamento anômalo da água
e do material que constitui o recipiente que o contém. Fórmulas: 5.1 Comportamento anômalo da água
e do material que constitui o recipiente que o contém. Fórmulas: 5.1 Comportamento anômalo da água
Fórmulas:
Fórmulas:
que constitui o recipiente que o contém. Fórmulas: 5.1 Comportamento anômalo da água Ao aquecermos a
que constitui o recipiente que o contém. Fórmulas: 5.1 Comportamento anômalo da água Ao aquecermos a

5.1 Comportamento anômalo da água

o contém. Fórmulas: 5.1 Comportamento anômalo da água Ao aquecermos a água desde os 0°C até

Ao aquecermos a água desde os 0°C até os 4°C, ocorre uma contração térmica ao invés de uma dilatação térmica, pois sua densidade aumenta (quando deveria diminuir), apresentando uma densidade máxima de 4g/cm³. Somente quando aquecida acima dos 4°C ocorre a dilatação térmica. Isso acontece porque, quando a água é fundida, as pontes de hidrogênio são quebradas, diminuindo o volume da água, mas, ao mesmo tempo, há uma maior agitação das moléculas, que as afastam. No primeiro momento (0°C a 4°C) o primeiro efeito é dominante, e no segundo momento (acima de 4°C) o segundo efeito predomina.

momento (0°C a 4°C) o primeiro efeito é dominante, e no segundo momento (acima de 4°C)