Você está na página 1de 4

Caderno Especial 26o Festi va l de Da nç a de Join v ille 26 E 27 de julho de 2008

Alceu Bett//Agência Espetaculum/Divulgação


Douglas Ruthes Ramalho, da Dance & Concept, na
apresentação da coreografia “Anatomia Musical”
Guilherme Henrique
de Menezes, da
Amir Sfair Filho/Agência Espetaculum/Divulgação

Academia de Ballet
Elisa, pas-de-trois de
“Paquita”

Amir Sfair Filho/Agência Espetaculum/Divulgação


Festival de Dança
oferece prêmios aos
destaques da edição

Amir Sfair Filho/Agência Espetaculum/Divulgação


Sérgio Almeida H sergio@jornalnoticiasdodia.com.br

A
noite dos campeões, sábado, às
20 horas, no Cau Hansen, não terá
apenas uma seleção dos primeiros
colocados em cada gênero, mo-
dalidade e categoria da Mostra Competitiva. Terá,
também, a premiação dos melhores do 26o Festival Luiza Viana Fernandes, do Harmonia Studio de
de Dança de Joinville. A Mostra Competitiva, nes- Dança, como Kitri de “Dom Quixote”
te ano, oferece prêmios especiais como troféu de
melhor grupo e medalhas de ouro para prêmio re- Também do Dance & Concept saiu indicado
velação, melhor bailarino e melhor bailarina, que o melhor bailarino, Douglas Ruthes Ramalho, além
juntos somam R$ 30 mil em dinheiro, além de uma de Guilherme Henrique de Menezes, da Academia
viagem ao Festival de Lyon, na França, oferecida ao de Ballet Elisa, da capital paulista.
coreógrafo revelação do evento. Os indicados para Ao prêmio de melhor bailarina foram in-
receberem as premiações especiais foram aponta- dicadas Érika Rosendo, do Grupo Taipas, de Natal
dos segunda (21) e quarta (23). (RN) e Luiza Viana Fernandes, do Harmonia Studio
Como melhor grupo, concorrem a Compa- de Dança, de Belo Horizonte (MG). Érika Rosendo, da Taipas Cia. de Dança, na
nhia do Conservatório do Rio de Janeiro, o Grupo O prêmio revelação teve quatro indicações: coreografia “Em Solo”, de dança contemporânea
Cristina Cará (SP) e o Balé Márcia Bueno, de São Luiza Marques, do Balé Aracy de Almeida, de São
Bernardo do Campo (SP). Paulo; Patrícia Natividade de Pinho Machado, do
Disputam o prêmio de coreógrafo revelação Soma3, de Curitiba; Lívia Nórcia Zenerato, do Gru-
Airton Rodrigues, do Soma3, e Octávio Nassur, do po Jovem Cadência, de Rio Claro (SP); e Luana Cor-
Grupo Dance & Concept, ambos de Curitiba. rêa de Andrade, do Rio de Janeiro.
2/3

Fabrício Porto/ND/ND
A interação de novas tec- rante o festival, Armando também
nologias digitais com a dança ain- ministrou uma oficina que abor-
da é pouco conhecida e estudada dou as interações da arte e da
atualmente. Para trabalhar esse tecnologia por meio de conexões
tema, a organização do Festival em tempo real, sensores, softwa-
de Dança convidou o italiano Ar- res, projeções de som e vídeo. Em
mando Menicacci, doutor em uso Santa Catarina, ele co-assinou
da tecnologia digital na educação recentemente o espetáculo “As-
da dança e produção artística sinaturas” no projeto O’ctus Cia.
pela Universidade de Paris 8, na De Atos, com estudantes e forma-
França. Ele ministrará a palestra dos do curso de artes cênicas da
“Estratégias prático-teóricas do Udesc e da Siedler Cia. de Dança.
uso digital em obras contempo- Após a passagem pelo
râneas” amanhã (26) no Centro País, ele retorna para a Universi-
de Convenções Alfredo Salfer, no dade de Paris 8, onde é diretor do
Centreventos Cau Hansen. Médianse, laboratório de pesqui-
Junto com ele, estará a sa e pedagogia da dança e tecno-
doutora Ivani Santana, da Univer- logias digitais. Na próxima edição
sidade Federal da Bahia (UFBA), do festival, Menicacci pretende
uma das poucas que realiza esse ampliar o tempo de estudo com
tipo de pesquisa no Brasil. Du- os alunos. (Rosana Rosar)

Programação Bail
M
Noite dos Campeões H Shopping Americanas – Anita
Janeiro
Onde: Arena do Centreventos
Horário: a partir das 20h
Garibaldi – 13 às 14h, 17 às
18h
H Shopping Cidade das Flores
em pa
Palcos abertos – Centro – 15 às 16h, 16h30 Sergio Almeida H sergio@jornalnoticiasdodiadia.com.br
H Feira da Sapatilha, no às 17h30
Expocentro Edmundo H Shopping Mueller – Centro

A
Doubrawa – 11 às 12h, 13 às – 11h30 às 12h30, 15 às 16h,
13h30, 14 às 15h30, 16 às 17h30 às 18h30
17h30 H Supermercados Giassi
bailarina Ana Botafogo voltou a que foi “um exercício maravilhoso”. Ana se pre- cimento t
H Praça Nereu Ramos – Centro – América – 17 às 18h brilhar no Festival de Dança de para, agora, para um outro palco, o do teatro. No centemen
– 12 às 13h, 13h30 às 14h30,
15 às 16h, 16h30 às 17h30 Joinville. Ela apresenta, hoje, às segundo semestre do ano que vem, ela participa Ângelo (R
15 horas, em uma sala de aula de uma peça, a convite da atriz Marília Pêra. E ville, será
do Centro de Convenções Alfredo Salfer, um exer- para isso, começa a se preparar desde já. com seu
Alceu Bett/Agência Espetaculum/ND

Grupo de Dança da Univali conquistou o segundo


lugar em dança contemporânea na primeira noite cício de balé contemporâneo, ilustrando a pales- Ana conta que sua rotina como bailarina que reúne
competitiva, com a coreografia “Peleja” tra “E se falássemos em dança?”, da bailarina e do TMRJ continua corrida, com aulas das 10 às bailarino
professora Silvia Soter. O evento é uma atividade 16 horas, preparando para uma temporada de entre o er
do módulo seis – “Técnica e cena: o corpo en- “Giselle”. Depois, lembra ela, vai para a faculdade De
tendido” –, que integra os Seminários de Dança. de dança, que cursa desde o ano passado na Uni- este espet
Dividida entre inúmeras atividades e eventos, seja verCidade, no Rio de Janeiro. No Municipal, atua novo trab
como bailarina do Theatro Municipal do Rio de como orientadora artística dos jovens talentos que Brasília. A
Janeiro, seja em trabalhos independentes, ela ain- despontam no mundo das sapatilhas de ponta, “Tem a de
da incursiona em outras áreas artísticas, como a compartilhando seus 31 anos de experiência no de ecolog
TV e, futuramente, o teatro, numa rotina altamente gênero clássico. No ano que vem, o Teatro Mu- di”, adian
movimentada. nicipal do Rio de Janeiro deve ficar fechado por em conta
Ana Botafogo está em plena atividade. De- alguns meses, passando por reformas. Enquanto rânea, ma
pois da experiência de participar de uma novela isso, os bailarinos – e Ana, claro – preparam o terá a mar
de televisão, ela prossegue sua carreira como bai- balé “Coppelia”, que será apresentado ano que dia, tudo
EXPEDIENTE larina, hoje, do Teatro Municipal do Rio de Janei- vem, no aniversário de 100 anos do TMRJ. pre usand
Reportagem: Cleiton Bernardes, Mariana Pereira, Sérgio Almeida e Rosana ro. “Nunca deixei de fazer dança, a bailarina não Com seu trabalho independente, Ana tem fias mais
Rosar. Fotografia: Iran Correia, Fabrício Porto, Joyce Reinert e Rogério
Souza Jr. Revisão: Solange Silva. Diagramação: Marcelo Duarte. pode parar”, afirma. Sobre a experiência, ela diz viajado muito, levando sua experiência e conhe- clássica. O
JOINVILLE, SÁBADO E DOMINGO, 26 E 27 DE JULHO DE 2008

Fotos Enéas Lopes/ND


No Festival de Dança, Ana
Um verdadeiro batalhão de Centreventos. “Queria muito ir um
Botafogo fala sobre os 31
anos de carreira pessoas trabalha nos bastidores dia” revela Nilda.
para que o Festival de Dança seja A atendente Thais Marli-
um sucesso. São profissionais con- se Zeferino, 20 anos, é outra que
tratados para os mais diversos fins, mesmo estando a poucos metros do Thais (acima), Nilda (em
desde organização de espetáculos palco do Centreventos não assistiu baixo, à dir.) e Anderson
trabalham na Feira da
até limpeza de mesas e banheiros. nenhum dia de espetáculo. Traba- Sapatilha
Agora, na reta final do festival, en- lhando no quiosque da Space Pizza,
gana-se quem acha que eles querem um dos mais movimentados da Feira
parar. A servente Nilda da Silva, 35 da Sapatilha, ela teve tempo apenas
anos, trabalha todos os dias das 15 para dar uma olhadinha no telão e
às 23 horas. Ela admite que está sugere que tenha festival durante
cansada, mas, não quer que o fes- todo o ano. “Deviam inventar um
tival acabe. “Eu agüentava mais dez jeito de ter sempre”.
dias trabalhando direto, os bailari- Na parte de organização
nos são bem educadinhos”, brinca. do festival, o sentimento é o mes-
Seu colega Anderson Oliveira, 25 mo. Celina Santos, chefe dos Pal-
anos, responsável pela manutenção cos Abertos, diz que tem pique
dos banheiros, concorda. “É um cli- para mais alguns dias de traba-
ma legal de trabalho aqui”. Traba- lho. “Quando começa a ficar bom,

larina do Theatro lhando à noite na Feira da Sapatilha,


eles não tiveram a oportunidade de
com as equipes trabalhando bem
organizadinhas, o festival acaba”.
Municipal do Rio de assistir aos espetáculos na arena do (Cleiton Bernardes)

aneiro faz projetos


Fabrício Porto/ND/ND

palcos diferentes, Corpo-objeto


agora no teatro

Fabrício Porto/ND/ND
técnico a diversos cantos do País. Re-
nte esteve em Cuiabá (MT), em Santo
RS). O próximo destino, depois de Join-
á Petrópolis (RJ). Há sete anos, ela viaja
espetáculo “Três momentos de amor”,
e num mesmo palco, seis músicos e dois
os, sob uma trilha sonora que passeia
rudito e o popular.
epois de quase uma década rodando com
táculo, Ana Botafogo começa a criar um
balho, que deve estrear em novembro, em
Ainda não tem nome, mas tem uma linha.
efinição de músicas, que falam um pouco
gia, como ‘As Quatro Estações’, de Vival-
nta. A experiência acadêmica a colocou A pesquisadora em dança paulista Vera Sala, realizou,
ato mais direto com a dança contempo- ontem pela manhã, uma performance sobre uma
instalação de sua autoria, causando admiração aos
as ela destaca que o seu trabalho sempre Espaço de sobra • A expectativa para subir ao
rca da técnica que a consagrou. “Hoje em presentes. Par compor “ImPermanências”, no corredor
palco do Cau Hansen, ontem, para a última noite competitiva do 26 o Fes-
que eu faço é uma ‘revisitação’, mas sem- de Acesso ao Teatro Juarez Machado, ela utilizou
tival de Dança, em dança de rua, levou a Cia. Jet Project, de Caxias do Sul
do a técnica clássica, mas com coreogra- 18 quilos de arame. “Um corpo envolto por arame,
(RS), a utilizar o estacionamento do Centreventos para os últimos ajustes
contemporâneas, sem abandonar a linha redimensionando seus limites, criando um
de posicionamento da coreografia “Sonhos”, que os gaúchos apresentaram
O público gosta da leveza da bailarina.” corpo-objeto”, define a pesquisadora.
na dança de rua conjunto avançado.
4 JOINVILLE, SÁBADO E DOMINGO, 26 e 27 DE JULHO DE 2008

Bye bye
Passou tão rápido que já deixou saudades. O festival finaliza hoje sua 26 a
edição, com a tão sonhada Noite dos Campeões. Para quem conhece um pouco da
realidade da dança no Brasil, o festival de Joinville é uma espécie de apoteose. Os Haroldo Marinho
bailarinos se preparam durante vários meses, enfrentando inúmeras dificuldades circulando@jornalnoticiasdodia.com.br

- Financeira é a mais freqüente. Tudo por alguns minutos no palco, tentando

Guto Gonçalves/Agência Espetaculum/Divulgação


transformar esse árduo trabalho em aplausos e reconhecimento por parte da crítica.
E, de preferência pelo corpo de jurados. Nem sempre o que se sonha, acontece. Mas
sempre resta a oportunidade de retornar no ano seguinte e brilhar no Centreventos.
Max Schwoelk/Divulgação/ND

A fantástica Ana Botafogo, por meio de sua


apurada e refinada técnica clássica, realiza hoje,
no encerramento dos Seminários de Dança, uma
performance contemporânea, observando os
rumos da dança sob sua ótica.

Em se tratando de
Na Feira da Sapatilha, Amanda Berlatto, Amanda
carisma, a bailarina Cecília
Madruga, Maria Helena Blasius e Heloisa Stang,
Kerche é uma unanimidade
do Studio Biodança de Francisco Beltrão (PR),
no Festival de Dança
entretidas com um material sobre dança

Cofrinho Estrela maior Divertido


Sempre ela, Cecília Kerche se despede novamente do festival Na quinta-feira, Gilson Bette
Bares, restaurantes e baladas da cidade têm na noite de hoje o último dia mostrando por que é um dos ícones mais festejados do evento. Com um e o staff comercial da RIC Record
para incrementar seus caixas. O festival se encerra marcando também o fim das enorme carinho e simplicidade com que atende a todos, inclusive aos proporcionaram uma grande noite
festas e das férias escolares. Logo mais, a tradicional ressaca noturna já começa fãs mais entusiasmados, cada vez que ela aparece, é uma festa à parte. no festival, recepcionando os mídias
a predominar em Joinville. Mesmo com a lei seca o movimento nas baladas foi Anteontem, bastou anunciar seu nome como jurada na modalidade balé da cidade. O camarote número 13,
considerado bom. Mas, nada de excepcional. Agosto, sempre um mês fraco neste clássico de repertório para a platéia vir abaixo. Felizmente, a fama não bombou. Nada de sorte ou azar. A
setor, se anuncia no próximo fim de semana, trazendo dúvidas e expectativas fez Cecília subir nas pontas. pauta foi à descontração. No final,
para os jovens empresários da noite. com o Centreventos já vazio, ao lado
de Osny Martins, Giovanna Locatelli
fotos Max Schwoelk/Divulgação/ND e João Carlos Gonçalves, descobrimos
que Gilson anexou outro adjetivo
a Vilmar de Souza, presidente da
Duo Promotur. É um autêntico alemão
de película. Tudo em função do
Simone
Tischer e bronzeado de Barra Velha, que Vilmar
faz questão de preservar. Boas risadas.
Compasso Kelson Santos,
conferindo
Cristiano Silveira e o festival do
Viviane Schmechel, no camarote da RIC
camarote da RIC Record Record