Você está na página 1de 2
Espaço de Coordenadores Relações Humanas A Inteligência Emocional O que é esta tão falada Inteligência

Espaço de Coordenadores Relações Humanas

Espaço de Coordenadores Relações Humanas A Inteligência Emocional O que é esta tão falada Inteligência Emocional

A Inteligência Emocional

O que é esta tão falada Inteligência Emocional e qual o seu significado? Em primeiro lugar, trata-se de um

velho produto com nova embalagem, isto é, sempre se soube desse assunto, mas a sua evidência o tornou mais

relevante nas discussões das empresas, das escolas e de outras instituições.

Publicado nos Estados Unidos em 1995, o livro A Inteligência Emocional, de Daniel Goleman, logo fez um

enorme sucesso, que acabou se repetindo no Brasil.

Sabe-se que a inteligência não é um bloco único e nem se reduz à capacidade de estabelecer relações

adequadas, mas envolve também uma multiplicidade de habilidades. Algumas delas são mais específicas, como os

dons musicais e o talento para o desenho e outras são mais genéricas, como a habilidade lingüística e a lógico-

matemática, sendo que todas estão inter-relacionadas, de modo que uma ajuda a outra.

Assim, como cada vez mais não se pode separar corpo e mente, já não se distingue tanto a razão do

sentimento, como antigamente se fazia. Aderindo à terminologia da moda, estamos falando de uma abordagem

holística (do grego, completo, total, inteiro) do ser humano.

Inteligência Emocional quer dizer que, a emoção interfere de forma mais ou menos favorável no nosso

desempenho como um todo, facilitando ou dificultando nossas percepções e relações, das mais concretas às mais

abstratas. A interferência das emoções nos leva a atuar de forma inteligente, a nosso favor ou contra nós. A questão a

ser respondida é "Por que fulano, tão inteligente, é tão mal sucedido?".

Por isso, Goleman e autores influenciados por ele, falam da importância de "educar" as emoções e de

aprender a lidar com as frustrações, negociar com outros, reconhecer as próprias angústias e medos, etc. Goleman

chega a falar em "alfabetização emocional", como uma espécie de nova matéria e em "lições emocionais". Desta

idéia, surge uma ressalva: não se aprendem emoções apenas recebendo lições, mas principalmente negociando-se

com os outros.

Goleman apresenta os seguintes níveis de Inteligência Emocional:

ü Auto-conhecimento emocional - Autoconsciência: conhecimento que o ser humano tem de si

próprio, de seus sentimentos ou intuição. Esta competência é fundamental para que o homem tenha

confiança em si (autoconfiança) e conheça seus pontos fortes e fracos;

Domingo – Manhã

Espaço de Coordenadores Relações Humanas ü Controle emocional - Capacidade de gerenciar os sentimentos: é

Espaço de Coordenadores Relações Humanas

ü Controle emocional - Capacidade de gerenciar os sentimentos: é importante saber lidar com os

sentimentos. A pessoa que sabe controlar seus próprios sentimentos se dá bem em qualquer lugar

que esteja ou em qualquer ato que realize.

ü Auto- motivação - Ter vontade de realizar, otimismo: Pôr as emoções a serviço de uma meta. A

pessoa otimista consegue realizar tudo que planeja, pois tem consciência que todos os problemas são

contornáveis e resolvíveis.

ü Reconhecer emoções nos outros - Empatia: saber se colocar no lugar do outro. Perceber o outro.

Captar o sentimento do outro. A calma é fundamental para que isso aconteça. Os problemas devem

ser resolvidos através de conversas claras. As explosões devem ser evitadas para que não prejudique

o relacionamento com os outros.

ü Habilidade nos relacionamentos inter-pessoais - Aptidão social: a capacidade que a pessoa deve

ter para lidar com emoções do grupo. A arte dos relacionamentos deve-se, em grande parte a saber

lidar com as emoções do outro. Saber trabalhar em equipe é fundamental no mundo atual.

Saber trabalhar em equipe é fundamental no mundo atual. Como continuar deprimido Domingo – Manhã Create

Como continuar deprimido

Domingo – Manhã