Você está na página 1de 7

Homeopatia, Saúde E Meio Ambiente

A Homeopatia tem arma contra síndrome X e autismo? A Dra.


Ana Teresa fala sobre os genes, o alimentação, as vacinas.

26/09/2008

Profa. Dra. Ana Teresa Doria Dreux: sobre a Homeopatia

Os Genes: Inclinam, ou Determinam?

Fala-se muito hoje de código genético e genes.

"Isto é genético, é de família, todos temos diabetes ou pressão alta do lado


de Papai".

"Fulano tem obesidade familiar... Não tem jeito, coitado".

Encaramos nossa genética como uma herança, propriedade tombada e fixa


que não pode ser modificada e pronto. Mas assim como na Astrologia
existe um aforismo, dizendo que os astros inclinam, mas não determinam,
assim também em muitos casos, nossos genes, inclinam a certas patologias,
mas não as determinam.

Os Genes São Dinâmicos

É isto mesmo, os genes são dinâmicos, eles trabalham o tempo todo


coordenando dados e determinando funções de acordo com material que
lhes é fornecido.

E que material é este?

1. Material interno, produzido pelos pensamentos que advém de nossas


emoções. Sabe-se que a energia segue o pensamento, e o nosso material
mental pode disparar, por efeito das emoções negativas, uma reação de
estresse, que por sua vez vai formar os famosos radicais livres, tão temidos
e com potencial terrível de desarmonizar todo o nosso organismo com uma
reação em cadeia.
2. Material externo, que provem de várias fontes: alimentação, que
podemos controlar, toxinas ambientais, nem sempre controláveis e o clima,
nada controlável.

Síndrome X, Ou Síndrome Metabólica e Homeopatia

Está havendo verdadeiras epidemias que assustando as autoridades, vem


não obstante desafiando os médicos, e quase ninguém chega a um acordo
para combatê-las.

Vamos falar de duas epidemias que estão aumentando assustadoramente. A


primeira é a chamada SÍNDROME X OU SÍNDROME METABÓLICA.

Caracteriza-se por: gordura abdominal, hipertensão, pré-diabetes (níveis de


glicose acima de 99, no sangue) e hipercolesteronemia, (colesterol e
triglicérides aumentados no exame de sangue). E toca a consultar o
cardiologista, o endocrinologista, o nutricionista, o raio que o parta.

E começa o desfile dos diuréticos, das estatinas, dos hipotensores, dos beta
bloqueadores e outros medicamentos. Vão tornando o doente em cobaia
para experiências químicas e formando novas doenças hiatrogênicas [nhs
editor: uma doença que é provocada pelo médico], provocadas por estes
elementos estranhos ao nosso código genético.

Estes medicamentos atuam contra e não a favor de nosso organismo.

Afinal, O Que Provoca Esta Tão Temida Síndrome?

Muito simples: a comida que comemos e o exercício que não fazemos.

Há dois fatores importantes a considerar:

1. Nosso código genético é praticamente idêntico ao dos primeiros homens


e mulheres.

E de que se alimentavam nossos ancestrais? De comida fresca, apanhada


dos galhos das árvores, dos ovos de pássaros, dos peixes e moluscos, dos
animais que caçavam, das raízes, dos tubérculos e eventualmente do mel
que achavam. Não havia microondas que destroem a vitalidade dos
alimentos e criam radicais livres, nem Mac Donald’s, nem Coca cola. Não
havia açúcar, o grande vilão acidificante do sangue, não havia farinha de
trigo processada, nem biscoito recheado, nem corantes nem conservantes,
nem mesmo fogo!
2. Outra coisa, eles tinham que se locomover como fazem os macacos,
constantemente, para achar seu alimento e com isto exercitavam-se!
Quando anoitecia, todos se abrigavam e iam DORMIR.

Não saiam para catar comida no meio da noite porque lá fora era perigoso e
escuro. Ficavam dormindo sem se alimentar até o sol aparecer, deixando o
corpo descansar e recuperar-se. E desintoxicar-se. Não somos feitos para
viver à maneira de viver moderna.

Quanto a isto podemos tomar providencias simples como modificar nossos


hábitos. Simples, porém dificílimas, pois ninguém quer renunciar a suas
gulodices e enfrentar a preguiça.

As Toxinas Ambientais

Outro fator são as toxinas ambientais como os pesticidas que são colocados
em nossas colheitas, o chumbo que contamina as águas e o ar, os gases
derivados de petróleo emitidos por milhares de automóveis, etc. Mais
ainda, os recipientes de plástico, onde guardamos as sobras para comer e
depois, quando aquecidos ou colocados em microondas, liberam dioxina,
substancia que se assemelha para nosso organismo a hormônios e está
sendo evidenciado que incentiva o crescimento de tumores.

No supermercado a oferta é tentadora especialmente para as crianças:


biscoitos recheados, balas de todas as cores, sucos com corantes e sabores
artificiais, nuggets, hamburguês, batatinhas fritas cheias de gordura trans e
saturadas, bebidas achocolatadas, e os pequenos se alimentam de pizza,
queijos gordurosos e com corantes amarelos, carnes cheias de hormônios.
Nada de comer frutas ou verduras.

Macarrão é de lei. Uma substância sem o menor valor nutricional que para
ser metabolizada depleta os níveis de cromo e zinco, elementos importantes
para metabolisar o açúcar. Macarrão e arroz branco nada mais são do que
açúcar sob disfarce.

O Autismo e o Homeopatia

Agora vamos falar de outra horrível epidemia que se alastra pelo mundo
que nas estatísticas mais recentes, nos Estados Unidos, acomete agora, uma
em cada 150 crianças. É o AUTISMO, doença horrível da qual ainda se
discutem as causas deste terrível aumento na população.
Ela aparece cedo antes do primeiro ou segundo ano de vida e a criança vai
parando de evoluir e desaprendendo o que já sabe. Dizem que é o
Alzheimer da infância.

Como sempre acham que é genético.

Sim, há predisposição, aliás, como em tudo no nosso corpo. Mas recentes e


ousadas pesquisas de médicos franceses que não se contentaram somente
com o conformismo da responsabilidade genética começaram a fazer
exames mais acurados.

Detectaram níveis altos, muito além dos tolerados, nos tecidos que crescem
lentamente, como o cabelo destas crianças, do metal pesado, o Mercúrio,
que pasmem, sob o nome inocente de timerosal,está presente como
conservante em vacinas.

O metal pesado é dificílimo de ser eliminado e vai se acumulando nos


tecidos, inclusive no cérebro. Lembram do mercúrio cromo que todo
mundo usava e que foi retirado do mercado? Pois então, foi por causa do
mercúrio. Agora é que o bicho pega. Vcs sabem quantas vacinas toma em
média uma criança nos seus primeiros 18 meses de existência? Não? Nunca
pararam para pensar nisto?

"Apenas" 37, sim, trinta e sete, o que dá uma média de 12 vacinas a cada 6
meses. Isto não quer dizer o numero de injeções, pois eles colocam três ou
quatro tipos em cada aplicação para simplificar. Numa idade em que não
somente o sistema imunológico da criança está em formação, como o
cérebro passa por sua maior e mais importante fase de aprendizado,
formando milhares de neurônios. Vocês sabiam que, aqui no Brasil, a
vacina da hepatite B, que é uma doença transmitida sexualmente, ou pelo
leite materno, é aplicada logo no segundo dia de vida? No pré-natal pode-se
verificar se a mãe é portadora desta doença. Não o sendo, não há
necessidade dela para o nascituro.

Na França, esta vacina é dada somente durante a adolescência, aos 14 anos,


quando a criança tem mais chances do que no berçário de começar sua vida
sexual.

A Quelação

O que estão fazendo então, na França, certos médicos, como os


ortomoleculares, que dispõem de outras armas terapêuticas? Tratando de
fazer eliminar o mercúrio do organismo das crianças autistas, por um
processo chamado quelação. Administram também substâncias naturais
como certas vitaminas e aminoácidos que ajudam o processo de
eliminação, obtendo bons resultados numa doença cujo único tratamento
era de suporte como logopedia, fisioterapia, motricidade, estímulo
psicológico, etc.

O que vemos hoje no consultório é que as chamadas viroses comuns da


infância, as quais foram contraídas por todos os adultos que agora estão
adentrando a terceira idade, e que sobreviveram muito bem a elas,
praticamente não existem mais, e há um aumento absurdo de infecções
respiratórias, asma, alergias, otites recidivantes, distúrbios da atenção.

As crianças chegam entupidas de corticóides e antibióticos além de uma


alimentação tóxica, nada nutritiva, e chupando balas pois como disse uma
mãe para mim outro dia, "facilita".

Quero deixar bem claro que a homeopatia não é contra vacinas, mas o uso
delas deve obedecer a critérios razoáveis e não a vantagens pecuniárias de
laboratórios e indústrias. Já estão sendo elaboradas vacinas sem o timerosal
e usadas em países escandinavos. A vacina Salk, a primeira contra a
paralisia infantil, voltou a ser utilizada nos EEUU, por considerarem
fatores que não vou abordar aqui.

Quero enfatizar que somos os donos de nosso destino, atuando, usando o


nosso direito de questionar, mobilizando a opinião pública. O
esclarecimento é o maior fator que pode nos ajudar a isto.

O Papel da Homeopatia

Agora é que entra a importância da homeopatia, que é a quem os pais mais


esclarecidos e sem preconceitos recorrem cada vez mais para obter
realmente resultados positivos e não paliativos que prejudicam a criança,
tornando-a um adulto vulnerável e geneticamente comprometido.

Sim, pois como saber se todos estes tratamentos e excessos de vacinas não
levarão as mutações prejudiciais, formando uma raça cada vez mais
propensa a doenças degenerativas, ao câncer, etc.?

A homeopatia tem armas terapêuticas capazes de enfrentar estes estragos


usando o princípio do semelhante. Isto já foi comprovado através do exame
dos fios de cabelo, de pessoas intoxicadas, por exemplo, pelo mercúrio.
Tratando-se homeopaticamente e após seis meses repetindo-se o exame,
constata-se que os níveis regridem para os tolerados e o mais importante, os
sintomas curam-se.
O que Significa Cura para O Homeopatia?

O que é a cura? É quando a doença não volta, e a pessoa retoma seu bem
estar integralmente, como um todo. A homeopatia também reconhece "o
tipo sensível", isto é, aquela pessoa que tem uma predisposição, por
exemplo, a acumular mercúrio em seu organismo. Isto acontece quando as
enzimas responsáveis pela antioxidação dos radicais livres, causadas pelas
toxinas e metais pesados, não funcionam adequadamente. A Homeopatia
faz com sejam estimulados os genes responsáveis pela produção destas
enzimas e administrando oligo elementos indispensáveis á fabricação das
mesmas.

O que se consegue através da dose infinitesimal e pela orientação


alimentar. Recomendo o uso de alimentos alcalinizantes do sangue pela
alimentação viva, isto é a mais possível colorida e crua, aportando assim as
enzimas presentes nos vegetais verdes e coloridos e também as boas
gorduras presentes no azeite extra virgem, no óleo de coco virgem, no
abacate, em castanhas cruas e na linhaça.

A saúde é o melhor presente que podemos dar a uma criança e a nós


mesmos. De maneira que, procurem confirmar o que escrevi, procurem
comer mais alimentos cheios de vida, orgânicos, coloridos e crus, pois o
cozimento inativo as enzimas.

Lembrem-se: a comida é a informação que transmitimos aos nossos genes.


Compartilhe-a com sua família. Procurem desconfiar de medicamentos que
agem rápido e deixam lixo tóxico no corpo.

Procurem exercitar-se diariamente, procurem apanhar sol, essencial para a


formação da vitamina D.

Procurem beber mais água.

Procurem administrar seus pensamentos evitando a negatividade.

Procurem um bom médico homeopata que tenha uma visão holística do ser
humano, pois o super especialista agora tão em voga, será substituído
brevemente pelo super generalista, aquele que aborda o paciente como um
todo, na sua única e preciosa individualidade.

Profa. Dra. Ana Teresa Doria Dreux


Livre Docente de Clínica Homeopática da UNIRIOVice-Presidente
do Instituto Hahnemanniano do Brasil
Fonte:
http://www.naturalhealthstrategies.com/homeopatia.html

-------------------