Você está na página 1de 11

A VISÃO DE VANGUARDA DO PROJETO

relato de pesquisa
“DIGITANDO O FUTURO”:
a inclusão digital e a voz dos incluídos1

Patrícia Zeni Marchiori*

RESUMO Descreve o “Projeto Digitando o Futuro” que foi uma das inici-
ativas pioneiras de inclusão digital no Estado do Paraná, mais
especificamente no Município de Curitiba, atualmente absorvi-
do pelo Portal Cidade do Conhecimento. Apresenta conceitos
relativos às condições individuais de uso da Internet como re-
curso de visibilidade social, assim como as dificuldades de uso 1
Uma primeira versão deste trabalho foi
da tecnologia. Descreve a sessão de Grupo Focal/Focus Group publicada c omo com unicaçã o de
- realizada em 2004 - com jovens na faixa de 15 a 25 anos e os congresso: MARCHIORI, P. Z. et al. Projeto
Digitando o Futuro: a inclusão digital unindo
resultados obtidos em relação à motivação e expectativas no quantidade de acesso à qualidade de
uso do(s) espaço(s) disponível(is) para o acesso à Internet. Os conteúdo. In:COLOQUIO
INTERNACIONAL DE CIENCIAS DE LA
participantes foram também estimulados a emitirem opiniões DOCUMENTACIÓN, 5, 2 004.
sobre o uso da biblioteca em geral e as possibilidades que a Salamanca: Universidad de Salamanca/
oportunidade de acesso gratuito à Internet oferece para a no- Departamento de Biblioteconomía y
Documentación, 2004. 1 CD-ROM.
ção de cidadania.
*
Prof. Adjunto IV do Departamento de
Ciência e Gestão da Informação da UFPR.
Palavras-chave INCLUSÃO DIGITAL Mestre e Doutor em Ciência da Informação.
PROJETO DIGITANDO O FUTURO E-mail: pzeni@ufpr.br

1 INTRODUÇÃO: PROGRAMAS E CONDIÇÕES PARA notável, foi a criação do Comitê de Democratização


A INCLUSÃO DIGITAL da Informática (CDI) (http://www.cdi.org.br/). A
partir da instalação, em 1995, de um curso de

Q
uando em 1996 os Estados Unidos da informática na favela Dona Marta em Botafogo, Rio
América iniciou um movimento para o que de Janeiro, o Programa alcançou, em 2006, 716
foi chamado de Infra-Estrutura Global de escolas no Brasil e 175 escolas no exterior. Outras
informações (Global Information Infraestructure - GII), propostas se materializaram na instalação de
considerava-se como implícita a condição de que telecentros, como os disponibilizados pelas
todos os países precisariam constituir uma política Prefeituras de São Paulo (http://
de informação nacional. Durante os anos de 1996 e www.telecentros.sp.gov.br/ ), que se multiplicam
2000, os países “alinhados” aos EUA nortearam nas capitais e, de acordo com a agenda dos
linhas de ação para permitir e estimular a inclusão governos e das condições para o estabelecimento
digital. de parcerias, se ampliam para o interior.
O Brasil não foi exceção, ao reunir – no ano No Paraná, este movimento repercutiu no
2000 - cerca de 150 especialistas que elaboraram programa Telecentros – PARANAvegar (http://
uma publicação intitulada Sociedade da Informação www.telecentros.pr.gov.br/) desenvolvido e
no Brasil: Livro Verde (TAKAHASHI, 2000) visando mantido pela Secretaria de Assuntos Estratégicos
concretizar programas e linhas de ação em torno (SEAE) e pela Companhia de Informática do
desta temática. Anteriormente a esta proposta Paraná (CE LEPAR). O programa oferece
governamental, setores da sociedade civil se computadores com acesso à Internet e softwares
articulavam, reconhecendo o abismo entre os para edição de texto e de planilhas, que são
incluídos e excluídos na Sociedade da Informação. prioritariamente instalados em comunidades que
Uma das primeiras iniciativas, cuja expansão é apresentam baixo índice de desenvolvimento

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.18, n.1, p.147-157, jan./abr. 2008 147
Patrícia Zeni Marchiori

humano (IDH), entre as quais a reserva indígena adentro como um meio efetivo para disseminar a
de Rio das Cobras, em Nova Laranjeiras e o informação, favorecer a aprendizagem, estimular
assentamento do Movimento dos Sem-Terra em a produção, o consumo e a troca de informações. É
São Miguel do Iguaçu. Segundo a Coordenadora também um veículo de entretenimento e um
do Projeto, o mesmo “[...] só se tornou viável porque mecanismo para a realização de transações as
são usados apenas esses pr ogramas, q ue mais variadas.
dispensam gastos c om licenciamento. Os Sob esta perspectiva, o governo e outras
microcomputadores têm sistema operacional esferas organizacionais têm carregado a bandeira
Linux, um pacote de aplicativos Open Office e da inclusão digital, não só criando espaços para
navegador Mozilla” (SCHULLER, 2004). Ressalta promovê-la, como disponibilizando serviços de
ainda, que o uso de softwares livres, reduz o custo utilidade pública ao cidadão via Internet. No
de implantação de um telecentro de R$ 47,9 mil Estado do Paraná, citam-se os exemplos da
para R$ 27,5 mil. Em 2007, o Programa Telecentros Companhia de Energia Elétrica do Paraná (Copel)
– PARANAvegar contava com 117 unidades e da Companhia de Saneamento do Paraná
(CELEPAR fortalece..., 2008), atendendo pessoas (Sanepar) que disponibilizam, via Internet,
com nec essid ad es espec iais, indígenas e pedidos de ligação/corte de energia/água,
moradores de localidades de difícil acesso. emissão de segunda via da conta, histórico do
Ainda que o ritmo da inclusão digital tenha consumo, entre outros serviços.
se acelerado nos últimos anos, calcula-se que, no Para uma melhor compreensão deste estudo,
Brasil, existam cerca de 149 milhões de excluídos, interessa esclarecer também outros fatores que
em especial nas parc elas mais pobres da afetam as motivações pelas quais as pessoas, em
população. Em novembro de 2003, as seguintes geral, se sentem “atraídas” para o uso da Rede. A
estatísticas foram apresentadas: “[...] a maior parte Figura 1 apresentada a seguir foi retirada na íntegra
dos computadores está na Região Sudeste, onde do artigo de SAVOLAINEN (2000, p. 188), que
15% da população tem computador [...]. No Sul, o buscou identificar os fatores centrais que
percentual chega a quase 12% [...], no Centro-Oeste transformam uma pessoa em um usuário da
a 9,5%. Mas no Nordeste cai para 4,3% e, no Norte, Internet. O autor alerta para o fato de tais condições
para 4,1%” (DIEGUES, 2003). O autor continua, variarem de pessoa para pessoa e o sentido e tipo
destacando que “[...] [o] perfil estatístico do das flechas (na figura) demonstrariam a possível
incluído brasileiro é cruel: segundo a FGV, ele é seqüência destas variáveis na tomada de decisão
branco, tem mais de 12 anos de escolaridade, renda do indivíduo.
acima da média nacional e mora no Sudeste.
Negros, pardos e índios estão longe disto: somente
3,7% têm computador” (DIEGUES, 2003). Na
pesquisa “TIC Domicílios e Usuários” (Pesquisa
sobre o Uso das Tecnologias da Informação e da
Comunicação no Brasil) realizada pelo Comitê
Gestor da Internet no Brasil em 2006 (COMITÊ...,
2006), 66,68% da população brasileira entre 10 e
mais de 60 anos, ainda não acessou a Internet pelo
menos uma vez na vida, de qualquer lugar. Na
Região Sul do Brasil, o percentual não é muito
diferente (63,81%).
Considerando-se este cenário e demais
obstáculos de infra-estrutura tecnológica, de
capacitação e de políticas públicas, os programas
e iniciativas encontram espaços e buscam se
manter com o apoio das comunidades onde atuam.
É de consenso, que mesmo ao se considerar
diferenças tecnológicas e, em especial, sócio- Figura 1: Fatores que influenciam um indivíduo a se
econômicas entre os países (e mesmo entre regiões tornar um usuário da Internet
de um mesmo país), a Internet avança século XXI Fonte: Savolainen (2000, p.188)

148 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.18, n.1, p.147-157, jan./abr. 2008
A visão de vanguarda do projeto “digitando o futuro”

Como demonstrado na Figura 1, a existência ensino-aprendizagem a todos os alunos da rede de


de políticas e projetos governamentais, assim como escolas públicas municipais de Curitiba.
os discursos que identificam a Internet como algo A fase de desenvolvimento e discussão do
importante e imprescindível para a inserção na projeto aconteceu no ano de 1997, e prolongou-se
sociedade da informação, são pontos de partida por todo o ano. Após estudos, o prefeito à época
para um processo de aceitação da Rede como optou pelo projeto de uma pequena equipe da
recurso. Tal situação concorre – na mesma medida própria Prefeitura pelo seu caráter
– com os desejos e necessidades do indivíduo que descentralizador, baseado em um sistema de
também buscará, na tecnologia disponível, uma parcerias e na autonomia das escolas na escolha
relação positiva de custo/benefício. Igualmente, são do processo de implantação. Além disto, tal projeto
aspectos concorrentes, as pressões exercidas no não exigia demasiados recursos para supervisionar
trabalho e exemplos dados por outros (parentes, sua instalação e funcionamento (BOZ, 1997)
colegas e amigos) refletindo como critérios de Esse projeto partiu de três objetivos básicos,
validação da Internet. Todavia, os conhecimentos e que orientaram seu desenvolvimento:
habilidades no uso de computadores e redes (1) introduzir efetivamente a informática como
representam tanto um fator que auxilia no processo ferramenta pedagógica nas escolas da Rede
como também uma barreira caso tais habilidades e Municipal de Ensino (RME);
conhecimentos não existam. O mesmo se pode dizer (2) oferecer cursos noturnos de informática para a
das atitudes negativas, que muitas vezes são população; e,
provenientes da mídia ou de relatos de experiências, (3) criar locais de acesso público e gratuito à
que diminuem a confiabilidade e credibilidade do Internet. (MACHADO, 2003).
meio, necessárias para a inserção voluntária na
Rede. Ainda que seja um item entre os demais, o Além destes, foram estabelecidos os seguintes
fator “educação do usuário” carrega uma objetivos educacionais:
complexidade inerente ao processo. Mais (1) introduzir o computador como ferramenta
especificamente, tanto as condições cognitivas auxiliar e complementar no ensino fundamental,
prévias deste usuário o fariam entender o objetivo possibilitando maior iniciativa do aluno na
da inclusão digital, compreendendo e “desafiando” busca de informação e na construção de seu
os conteúdos oferecidos, como também afetariam aprendizado;
suas condições de reflexão, crítica e clareza de (2) manter e reforçar o papel do professor como
objetivos pessoais para utilizar tais conteúdos a seu mediador do processo educativo, viabilizando
favor. Cabe observar ainda, que no estudo original através da informática, a vivência escolar
de Savoilanen (2000, p. 189), tais fatores foram cooperativa, com reflexos na sociabilidade e
apresentados a um universo definido, de modo a
capacidade de comunicação do aluno;
identificar quais destes influenciaram o início do
(3) participar/criar (de) comunidades virtuais de
uso da Internet. Como resultados, o autor observou
alunos e/ou professores para discussão de
que os itens que obtiveram um maior número de
assuntos de interesse comum. Essas
respostas foram: demandas no trabalho e estudo,
comunidades devem estimular o “agir
facilidade de efetivar transações de qualquer tipo,
localmente e pensar globalmente” através da
curiosidade e expansão da rede de contatos. O
execução de projetos e a troca de idéias sobre
estudo desconsiderou as motivações de uso
assuntos de relevância para a práxis das escolas
baseadas no entretenimento e lazer (SAVOILANEN,
(BOZ,1997).
2000, p.185).

Visando o cumprimento destas finalidades,


2 EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL – O PROJETO entre outras ações, a PMC utilizou os Faróis do
DIGITANDO O FUTURO Saber1, que são bibliotecas comunitárias integradas
às escolas municipais e distribuídas nos bairros de
O projeto Digitando o Futuro surgiu no
contexto do Programa de Descentralização da
Secretaria Municipal da Educação da Prefeitura 1
Um “Farol do Saber” é um acervo de livros que podem ser consultados por toda
Municipal de Curitiba (PMC), com a finalidade de a comunidade, disponibilizado em uma construção modular em estrutura metálica
propiciar acesso a novas tecnologias no processo pintada em vermelho, amarelo e azul, cujo formato que se assemelha a um Farol.

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.18, n.1, p.147-157, jan./abr. 2008 149
Patrícia Zeni Marchiori

Curitiba, equipando-as com laboratórios de oferecido no mercado de programas na área


informática com acesso à Internet. A integração educacional. Após a seleção de empresas que
entre as escolas e os Faróis do Saber foi pensada reuniam condições necessárias (consultoria e
com base em uma rede interna (intranet), de modo a capacitação, implantação, equipes preparadas
possibilitar agilidade na troca de informações, pedagógica e tecnicamente, entre outras), estas
assim como a eliminação de malotes entre as escolas foram convidadas a implantar projeto-piloto nas
e a Secretaria Municipal. O uso de uma rede interna escolas e, pelo período mínimo de oito meses letivos,
também possibilita incrementar a comunicação estavam encarregadas de fornecer os equipamentos
entre pedagogos e professores através de fóruns, e softwares, gerenciar, capacitar professores e
grupos de discussão, consultas e conferências equipe técnica administrativa, e divulgar os
virtuais. A Internet nos Faróis do Saber está sob a resultados obtidos, sem qualquer ônus para a PMC.
responsabilidade do Instituto Curitiba de Esse processo foi decisivo para que a equipe
Informática (ICI) que trabalha em parceria com a do Projeto reunisse elementos essenciais para
Secretaria Municipal da Educação e tem autonomia indicar às escolas, as empresas com estrutura para
gerencial, assim como arca com todo o ônus que atendimento à demanda. Essas mudanças se
advém das instalações, manutenção e recursos fizeram necessárias porque a introdução da
humanos necessários. O ICI é uma associação civil informática na Educação Pública sempre seguiu
sem fins lucrativos, qualificada como Organização modelos centralizadores em todos os níveis da
Social de Interesse Público (OSCIP), atuando em administração pública brasileira. Neste modelo, a
todo território nacional oferecendo produtos e compra centralizada de equipamentos e programas
serviços para informática e telemática. Com gestão trazia consigo a redução da quantidade de
privada, mas objetivo público, o ICI é gerido por um fornecedores capazes de atender a demanda e, como
Conselho de Administração, composto por conseqüência, reduzia a competitividade do
representantes dos setores público e privado. Por processo, levando os fornecedores a praticarem
ser uma Organização Social, o ICI investe todo seu preços superiores ao de mercado, encarecendo e
excedente financeiro em pesquisas para o dificultando, muitas vezes, a concretização da
desenvolvimento de novos projetos. O projeto negociação. A proposta do Projeto inaugurou outra
Digitando o Futuro foi a principal ação do ICI no perspectiva de compra e logística.
campo da Responsabilidade Social. Com o projeto, A iniciativa como um todo instalou, de 1999
o Instituto iniciou os esforços para levar o acesso à ao início de 2004, 2.431 computadores em 162
informática e à Internet a toda a população da escolas municipais de Curitiba, atendendo a
capital paranaense, democratizando o uso e o 104.275 alunos e capacitando 5.744 professores. A
conhecimento sobre as tecnologias digitais da rede Digitando o Futuro foi instalada nos Faróis do
informação. Entre as principais áreas de atuação Saber (bibliotecas comunitárias), Ruas da
do ICI, estão: Consultoria e Diagnóstico para Cidadania (Administrações Regionais) e Rua 24
Tecnologia da Informação com Foco no Negócio do horas2. Ao final da implantação pretendia-se colocar
Cliente; Soluções de Call Center; Infra-estrutura de em operação mais de 500 computadores em 56
Tecnologia da Informação; Smart Card - Cartão pontos públicos na cidade de Curitiba, tornando-a
Qualidade; Internet Gratuita - Digitando o Futuro; a primeira cidade brasileira a ter pontos de acesso
Geoprocessamento; Networking; Sistema de Gestão; gratuito à Internet em todos os seus bairros3.
Solução Integrada de Messaging; Desenvolvimento
de Aplicações; Treinamento à Distância; e Soluções
nas Áreas de Saúde, Finanças, Administração e
3 DIGITANDO O FUTURO – PIONEIRISMO E

Tributária (DIGITANDO..., 2004). VANGUARDA


A concepção do Projeto pretendeu reduzir o
O projeto Digitando o Futuro foi a primeira
tempo da implantação dos laboratórios de
rede pública de Internet do Brasil, lançada em 09/
informática nas escolas municipais, garantindo a
06/2000, visando “dar oportunidade para que as
qualidade de produtos e serviços, bem como dando
a liberdade de escolha dos fornecedores pelas
próprias instituições. A equipe responsável realizou
2
Em 2007 a Rua 24 Horas foi interditada para reformas.
uma pesquisa junto a fornecedores potenciais 3
Modificações gerais no Projeto resultaram na inserção deste no contexto do
buscando informações sobre o que estava sendo Portal Cidade do Conhecimento (http://www.cidadedoconhecimento.org.br/).

150 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.18, n.1, p.147-157, jan./abr. 2008
A visão de vanguarda do projeto “digitando o futuro”

pessoas possam ter acesso à Internet e, módulos: editor de texto; correio eletrônico e
principalmente, à informação e à navegação pela Internet, com duração de duas horas
cidadania.”(PRÊMIO..., 2004). Procurou atingir cada um(DIGITANDO..., 2004). O Projeto trazia a
desde estudantes, donas de casa, até profissionais novidade de uma plataforma móvel de acesso à
liberais, conforme o depoimento da professora e internet (ônibus adaptado) chamada “Inter Clique”
atendente do Farol Machado de Assis, Lenira que nos dias de semana atendia as Ruas da
Pacheco Novicki, que declarou à época: “Pela Cidadania e praças centrais e, nos finais de semana,
manhã e à tarde os computadores são usados por parques e eventos. Pioneiro também na inclusão
estudantes. Na hora do almoço e à noite por digital para pessoas portadoras de necessidades
dentistas, jornalistas, médicos, psicólogos e especiais o portal do Projeto foi eleito pelo júri
comerciantes” (DIGITANDO..., 2004). popular como o melhor na categoria municipal no
Entre seu lançamento, no ano de 2000, e 2004, “3º Prêmio Cidadania na Internet” em 2001,
os números impressionavam4 enquanto que no júri oficial, ficou em segundo lugar
 1.935.784 horas agendadas. entre os 37 candidatos (DIGITANDO..., 2004).
 3.719 usuários cadastrados por mês em média. Devido ao pioneirismo da iniciativa, um
 178.543 e-mails cadastrados. professor-pesquisador da Universidade Federal do
 40.328 horas agendadas por mês (média). Paraná (UFPR), sua equipe de alunos e um
 430 computadores. profissional do ICI optaram por examinar o projeto
 48 scanners. Digitando o Futuro, envolvendo-o em uma pesquisa
 48 impressoras. mais ampla encabeçada pela Escola de
 48 Faróis informatizados. Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo
 Quanto aos usuários: (ECA/USP)5. As indicações metodológicas foram
 43% usam serviço de e-mail. definidas para todos os participantes da pesquisa
 74% dos acessos são feitos por estudantes. guarda-chuva e baseavam-se na descrição do
 50% dos usuários são mulheres. Programa escolhido e na aplicação da técnica de
 24% dos usuários possuem primeiro grau Grupo de Foco. Um Grupo de foco (que também
incompleto. pode ser chamado de Grupo Focal ou Focus Group
o 49% têm idade entre 11 e 20 anos. em inglês) é um método de coleta de dados
o O turno mais concorrido é o da manhã, com qualitativa constituído basicamente de uma “[...]
37% dos acessos. entrevista realizada, de maneira não estruturada e
o Os bairros com mais acessos são Cidade natural, por um moderador treinado, junto a um
Industrial, Centro e Pinheirinho. pequeno grupo de respondentes” (MALHOTRA,
o Os locais com mais acessos são a Rua 24 Horas 2001, p. 156). A vantagem deste método repousa na
e o Farol do Saber Antonio Vieira. obtenção de dados inesperados que aparecem em
 8.645 páginas são visualizadas, em média, a uma discussão livre. Segundo o autor, os
cada mês. participantes devem ter tido uma experiência
adequada com o objeto ou o problema em questão,
As condições de acesso à época do estudo buscando-se um grupo homogêneo em termos de
(2004) eram: a) cada usuário tem direito de usar o características demográficas e sócio-econômicas.
computador por uma hora e imprimir três páginas; Uma sessão de Grupo Focal normalmente dura de
b) horários agendados de um dia para o outro e, em uma a duas horas, tempo considerado suficiente
alguns locais, com até dois dias de antecedência; c) para que o moderador explore, em profundidade,
os computadores podem ser utilizados durante o as crenças, sensações, idéias, atitudes e introspecção
horário de funcionamento das unidades (Faróis do sobre os tópicos de interesse apresentados ao grupo
Saber e Ruas da Cidadania). de entrevistados. As sessões são invariavelmente
Em 2004 o Projeto já contava com mais de gravadas para posterior reapresentação,
10.000 horas de treinamentos gratuitos para a
comunidade. Tais cursos eram ministrados pelos
estagiários treinados no ICI, abrangendo três 5
Esta pesquisa intitulou-se: “The informational literacy for the citizenship in Latin
America: the final user’ view of the national programs about information and digital
inclusion”. Os resultados foram apresentados na: IFLA SATELLITE PRE-
4
Medido entre 10 de junho de 2000 e 03 de maio de 2004 e disponível em http:/ CONFERENCE. São Paulo (Brasil) 18/20 de agosto de 2004. Resumo disponível
/www.curitiba.org.br/ (sítio web já desativado) em: http://www.eca.usp.br/iflamkt/Trabalhos/PDF/trabalho1.pdf

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.18, n.1, p.147-157, jan./abr. 2008 151
Patrícia Zeni Marchiori

transcrição e análise, em que se observa – além do pesquisa. Por meio desta Gerência, o grupo de
que foi dito – as expressões faciais e os movimentos pesquisadores foi oficialmente apresentado ao
do corpo dos participantes. Contudo, por mais que coordenador do Programa no ICI.
incentivos materiais sejam oferecidos e se assegure Realizar uma entrevista de grupo focal exige,
o máximo de conforto na sala onde a dinâmica terá idealmente, o uso de uma sala que comporte dois
lugar, é o moderador que desempenha um papel ambientes (divididos com o uso de um espelho
fundamental para o sucesso deste tipo de entrevista. transparente) onde, no primeiro ambiente estão os
Para MALHOTRA (2001, p.158), o moderador deve participantes e no outro (de certa forma
trabalhar com um misto de disciplina com empatia, “invisíveis”), os pesquisadores e observadores.
gerando a necessária interação, ao mesmo tempo Infelizmente, o aluguel de uma sala deste tipo
em que está atento a sinais de desintegração na inviabilizaria a pesquisa e, portanto, decidiu-se que
cordialidade ou na finalidade do grupo. Deve – considerados os riscos de certo constrangimento
estimular o envolvimento pessoal de cada membro – os observadores/pesquisadores estariam
do grupo de forma a obter o máximo de compreensão presentes na mesma sala que os participantes. Esta
e especificidade das respostas. condição foi esclarecida aos voluntários,
Uma das propostas deste tipo de pesquisa ressaltando-se que o que se buscava na dinâmica
qualitativa é, entre outras, “[...] gerar hipóteses que era uma conversa tranqüila, relaxada e informal
servirão como base para realização de pesquisa sobre os pontos a serem colocados em discussão,
quantitativa [...]” (MALHOTRA, 2001, p.160). Para os quais não mediam habilidades nem nível de
tal, o moderador deve, em conjunto com o conhecimento. Esclareceu-se também que a sessão
pesquisador (e o cliente, no caso de uma pesquisa seria filmada, solicitando-se a permissão dos
de marketing), estabelecer requisitos de informação presentes para tal, igualmente garantindo-se que a
que se apóiam na teoria da atitude. O autor lista fita não teria qualquer outro uso que não fosse o de
dezoito destes requisitos que foram adaptados e embasar o grupo de pesquisadores na análise dos
transformados em variáveis pela equipe da ECA/ depoimentos e discussões.
USP. Tais variáveis, desdobradas na forma de O planejamento da dinâmica deve incluir
perguntas no APÊNDICE 1, foram: motivação; algum incentivo aos participantes, normalmente de
compreensão; dificuldades, gaps ou limitações; uso caráter financeiro. Contudo, dadas às condições que
das informações e conhecimentos obtidos; projeção a pesquisa foi realizada, os convidados receberam
e impacto no dia-a-dia e; valorização e duas passagens de ônibus e um CD-ROM contendo
recomendação do projeto ou programa de inclusão um conjunto de software livre, gentilmente doados
digital. pela CELEPAR e, durante a dinâmica foram
Os encaminhamentos particularizados da oferecidos sucos e lanche. Estes últimos gastos
aplicação da entrevista no contexto da inclusão foram absorvidos pelo grupo de pesquisadores. O
digital são descritos a seguir. moderador do grupo (acadêmico do curso de
Gestão da Informação já formado em Psicologia),
4 COM A PALAVRA, OS USUÁRIOS... não cobrou honorários, geralmente pagos em
grupos de foco profissionais.
Em reunião preliminar, o grupo responsável Ainda que a composição ideal do grupo seja
pela pesquisa recortou, no âmbito do projeto de oito a doze pessoas, fatores como o caráter
Digitando o Futuro, o universo a ser contatado para voluntário da participação dos convidados,
participar da dinâmica: jovens com idade entre 15 problemas com um dos pesquisadores que não
e 25 anos, freqüentadores dos Faróis do Saber. pode trazer o grupo de um dos Faróis, além do não
Foram escolhidos Faróis do Saber de diferentes comparecimento de alguns convidados já
bairros procurando evitar, de todas as maneiras confirmados, o número de participantes reduziu-
possíveis, a participação concomitante de amigos se para cinco. Considerando que estes provinham
(ou mesmo inimigos), pois um dos requisitos para de Faróis do Saber distintos, não se conheciam,
o sucesso de um grupo focal é que os participantes estavam na faixa etária pretendida (entre 15-25
não se conheçam e não tenham relações de amizade. anos), utilizando o Programa há mais de três meses
Paralelamente, estabeleceram-se contatos com a e, ainda, com um equilíbrio de representação de
Gerência de Tecnologias da PMC, na busca de gênero, a equipe considerou que a dinâmica deveria
informações e subsídios que pudessem embasar a ser levada a cabo. A dinâmica foi realizada em duas

152 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.18, n.1, p.147-157, jan./abr. 2008
A visão de vanguarda do projeto “digitando o futuro”

horas, atendendo outra característica definida para enquanto biblioteca), mas que, a partir do momento
a atividade, ocorrendo em um clima informal e que perguntaram aos estagiários, obtiveram
produtivo. Algumas notas foram tomadas durante respostas mais completas. Neste sentido, o grupo
a dinâmica e a fita foi assistida pelos pesquisadores. sugeriu que o governo (no caso, a Prefeitura) fizesse
Ainda que a lista de questões tenha sido utilizada uma propaganda mais agressiva sobre o acesso aos
como guia geral para a atividade, o moderador computadores. Igualmente, foi destacado que os
precisou (como acontece neste tipo de dinâmica), atendentes/estagiários são muito amáveis,
ser flexível, alterando por algumas vezes o esboço procurando flexibilizar o uso do equipamento
planejado em função dos direcionamentos dados sempre que possível, ainda que não possam estar
pelos elementos do grupo para algumas questões. dedicados a auxiliar os usuários de forma
Considerando, ainda, que devido ao pequeno individual (situações relacionadas à carência de
número de participantes de um grupo de foco habilidades de digitação e pesquisa em Internet,
(agravado pelas dificuldades em compor este grupo por exemplo). Contudo, foi ressaltado que se ofertam
em particular), não se apresentam resultados cursos regulares, nestas áreas, oferecidos pelo ICI.
definidos em freqüências e porcentagens, mas sim Quando questionados sobre suas
os graus de concordância e discordância das expectativas, novamente os participantes
opiniões, sensações, crenças, idéias e atitudes dos destacaram a existência do acesso gratuito à
participantes frente às questões colocadas pelo Internet, mas indicaram situações de frustração. A
moderador. primeira delas é com a impossibilidade de gravar
Quanto às motivações que levaram os programas de computador ou informações que
participantes a “descobrirem” ou procurarem o considera importante (normalmente resultado de
Programa, a notícia de que os Faróis ofereciam uma pesquisa). Este mesmo participante reviu seu
“Internet grátis!” foi comentada pelos participantes comentário, comentando que – ao menos no Farol
como um dos pontos incentivadores, inclusive para que freqüenta – esta situação se deve a um problema
um deles, que declarou não saber de antemão para de manutenção das máquinas, muitas vezes com
o que era aquele prédio em forma de farol perto de problemas nos drivers de disco flexível. Com base
onde costuma se reunir com amigos. Neste caso nesta queixa, os demais participantes se
específico, o participante precisava “imprimir um manifestaram, apontando a lentidão das máquinas
trabalho urgente” e um amigo indicou que naquele como causa de frustração, mas consideraram que
local (Farol) seria possível não só imprimir como “desde que dê para usar, tudo bem que demore”.
não haveria custo algum. Outros participantes Um dos convidados relatou que perde muito tempo
disseram que freqüentavam o Farol e ficaram porque fica “catando milho”. Neste ponto da
curiosos sobre o que o pessoal fazia “lá em cima”6, conversa, foi levantada uma situação que, sob o
sendo então convidado pelo estagiário a se ponto de vista dos participantes, irá acarretar
cadastrar para utilizar os serviços de computadores problemas aos usuários, que é a troca do sistema
e Internet. Perguntados sobre a relação do Windows pelo sistema Linux. É de opinião dos
oferecimento gratuito das condições para acesso aos convidados que todos irão “perder” com a mudança
computadores e Internet como sendo parte de um de sistema operacional porque “já não dominam
“programa de inclusão digital”, os participantes nem o Windows direito, o que dirá outro programa
se entreolharam e um deles se manifestou dizendo que é bem diferente?”. Destacaram que isto não é
não ter “a menor noção de que “isto” existia”. Os um problema tão grave se a pessoa quiser usar só o
demais participantes se manifestaram da mesma browser de conexão à Internet, mas como muitos
forma destacando que consideravam importante o usam outros programas (editor de texto, em
fato do governo disponibilizar computadores e especial), e ferramentas do Windows, ter que – de
Internet gratuita a toda a população da cidade. uma hora para outra – mudar de sistema, vai
Houve também uma concordância sobre o fato de acarretar muitas dificuldades. Além disto, segundo
que receberam poucas informações sobre a os participantes, o programa Linux está em inglês e,
existência do Programa (em especial para aqueles como destaca um dos convidados “Se a pessoa não
que não eram usuários “tradicionais” do Farol, sabe nem português...”. Todos concordaram que os
freqüentadores e estagiários dos Faróis deveriam
ser amplamente informados sobre tais mudanças e
6
As instalações dos Faróis do Saber têm dois andares. não, como vem ocorrendo – segundo os

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.18, n.1, p.147-157, jan./abr. 2008 153
Patrícia Zeni Marchiori

testemunhos – o fato dos computadores serem vice-versa, os participantes consideraram que cada
retirados do Farol e retornarem já com novo um destes vetores tem procedimentos diferentes para
software. Outra solicitação concentrou-se no o acesso e apreensão da informação. Foi destacado
oferecimento de mais cursos e apostilas para tentar por um participante que a Internet não tem tanta
ajudar nesta mudança. credibilidade porque tem muita informação
Ainda que tenham declarado utilizar os “desnecessária” e “errada”. Os demais concordaram
equipamentos para enviar/receber e-mail e navegar silenciosamente. Neste sentido, quando perguntados
na Internet, participantes do grupo usam a sobre quantas vezes vão ao Farol para usar também
oportunidade para cadastrar currículos, procurar a biblioteca, as informações foram díspares. Um dos
emprego, considerando que a “Internet é uma participantes declarou que quando vai ao Farol
comunicação aberta e rápida para chegar às conectar a Internet, também consulta/empresta
empresas, cursos, concursos....”. Um dos convidados livros. Outro convidado esclareceu que somente vai
considerou que foi um “tempo perdido” aquele em ao Farol para usar a Internet ou, caso alguém em sua
que não usou a Internet (via os Faróis) por não saber casa lhe pede um livro, ele o empresta. Porém, o
da novidade antes. Neste ponto, quando indagados participante finaliza: além do jornal que lê “de vez
da mudança em suas vidas com o acesso à Rede, os em quando”, não empresta livros para si mesmo.
participantes concordaram com a fala de um de eles Neste ponto, a conversa derivou para a constatação
que disse “muda tudo, ou quase tudo”, pois se tem de que as pessoas lêem cada vez menos no Brasil e
acesso ao que nunca se pensou ter. Porque antes a que isto, na opinião de elementos do grupo, estava
Internet era algo “que só o carinha da novela mexia, relacionado com a falta de exemplo e incentivo dos
mas que agora eu posso mexer também”, e que é pais. Num dado momento, um dos integrantes
“muito bacana chegar para meus amigos e dizer que comentou que no Farol que freqüenta, um colega
eu recebi um mail, entrei no site de fulano...” e que emprestava vários livros (e os lia superficialmente)
isto me “dá um lugar no mundo”. Este comentário para “impressionar a estagiária”.
foi resgatado quase ao final da discussão, quando Os entrevistados também consideram que o
um dos membros do grupo declarou que “algumas acesso à Internet pode melhorar a sociedade, pois
pessoas ficam prepotentes” com o uso da informática as pessoas que tem acesso à informação deixam de
e da Internet, porque o seu discurso muda. Neste ser “ignorantes” e podem usar a informação para
particular, todos concordaram que passaram a ter melhorar suas vidas. Na fala de um dos convidados,
um vocabulário diferenciado das outras pessoas de um “bom” cidadão “é uma pessoa culta, que além
seu grupo familiar e de amigos depois de passar a de participar, se destaca por ter mais
ter acesso à Rede. Sendo assim, quando o moderador conhecimento”. Outro participante disse que o
solicitou que completassem a frase “quem está na cidadão é aquele que “tem consciência de seus
Internet é...” e “quem não está na Internet é...”, as direitos e deveres na sociedade e que esta
respostas foram: Quem está na Internet é mais culto, consciência vem do acesso à informação”. Para ele,
mais atualizado, mais envolvido com o que passa existe um ciclo de que envolve conhecimento e
no mundo. Por outro lado, quem não está na Internet, atitudes e que a informação obriga a pessoa a ter
é mais alienado, desatualizado, parado... Neste uma ética, pois quando alguém sabe de algo é
particular, um participante amenizou as falas, também responsável. Colocados frente a uma
dizendo que as pessoas “mais velhas” têm questão maniqueísta pelo moderador (a escolha
dificuldades de usar os computadores e a Internet e frente informação/conhecimento, dinheiro e poder),
que isto é uma questão cultural que deve ser os participantes responderam quase em uníssono
compreendida. Todavia, houve uma concordância que o mais importante é o conhecimento porque
do grupo quando questionados a esclarecer a fala “ninguém tira da gente”, enquanto o restante é
de um deles, que disse que se “vê” a Internet e se “lê” efêmero e pode ser conseguido por meio do
um livro. Neste ponto, para os participantes, “ver” a conhecimento.
Internet está relacionado com o tipo de informação
que se obtém por este meio (“mais rápida e 5 A LONGA ESTRADA DA INCLUSÃO
atualizada”; “tudo que está acontecendo no mundo
na hora em que acontece”). Quando se “lê” um livro No decorrer do “bate-papo” informal com os
é “para aprender”, porque ler exige concentração. usuários, foi possível observar as dificuldades em
Ainda que o conteúdo do livro esteja na Internet e relacionar a existência do Projeto e sua interface

154 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.18, n.1, p.147-157, jan./abr. 2008
A visão de vanguarda do projeto “digitando o futuro”

com o nível governamental que o promove. Ainda inviável para o momento de vida em que os usuários
que de forma tímida e sem muita segurança, todos se encontram. Da mesma forma, os convidados
demonstram saber que é um Programa oferecido destacaram as barreiras (de infra-estrutura, de
pelo Governo, porém, parecem ter dificuldades na habilidades e mesmo de atitudes) que desestimulam
identificação de que o Projeto Digitando o Futuro e/ou obstaculizam o uso do Programa.
foi estabelecido junto à sociedade pelo Município, Portanto, por oferecer igualdade de
através da Prefeitura. Por outro lado, é também oportunidades, o Digitando o Futuro – enquanto
perceptível a satisfação dos usuários em relação ao esteve ativo em sua concepção original - favoreceu
Programa em si e em relação também ao e estimulou, não só a inserção do cidadão curitibano
atendimento oferecido pelos recursos humanos na Rede, como procurou promover a justiça social
disponibilizados nos pontos de acesso. Entretanto, no acesso à informação via Internet e o manuseio
a gratuidade do Projeto Digitando o Futuro é o ponto das novas tecnologias. Ao se acessar o atual Portal
mais valorizado por estes usuários e, talvez, o Cidade do Conhecimento (http://
sustentáculo para todo o Projeto, crucial para o www.cidadedoconhecimento.org.br/) estão em
sucesso da democratização do uso da Internet e das destaque vários programas da PMC voltados para
novas tecnologias como recursos de captação de ações cidadãs especialmente de jovens na idade
informações, cultura e lazer. escolar. É possível acessar os catálogos das
A amostragem revela basicamente uma bibliotecas e dos Faróis do Saber assim como
unanimidade em relação ao uso das informações inscrever-se em cursos de informática. Ao longo de
adquiridas pela pesquisa na Rede Mundial de sua trajetória, o Digitando o Futuro parece ter
Computadores. Os usuários buscam por consolidado e estimulado o uso do “espaço da rede”
informações que possam auxiliar a busca de entre jovens, adultos, terceira idade e pessoas
oportunidades profissionais e/ou aperfeiçoamento portadoras de necessidades especiais.
profissional. Neste ponto da análise, é oportuno Porém, há de se levar em consideração, que a
resgatar os fatores levantados por Savolainen (2000, Internet apresenta certa “ambigüidade
p.189), confirmados neste estudo: primeiramente, a democrática” nos processos de comunicação em,
existência de um projeto governamental estruturado pelo menos duas vertentes. A primeira, já citada
no Município de Curitiba, permitindo que o fator de anteriormente, é a questão do acesso, pois as
novidade e/ou “charme” da Internet como “a mídia estatísticas ainda são desfavoráveis. Por outro lado,
do momento” possa ser explorada para satisfazer e mais preocupante, é o uso da rede e de seus
os interesses dos indivíduos que, por diferentes conteúdos para práticas sociais duvidosas. No
caminhos, se sentem motivados a utilizar a Rede. Os ambiente escolar, pode-se citar o que se chama de
depoimentos indicam as pressões sociais, de estudo “Cultura do Ctrl C - Ctrl V”. Neste caso, a pesquisa
e ou de mercado de trabalho que impulsionam o uso na Internet é efetuada de forma desorientada e sem
da Internet, e desvelam a noção de inserção social. condições de comprovação da real apreensão do
Esta não só se justifica pelas competências conhecimento por parte do pesquisador/usuário,
necessárias ao uso dos computadores e à navegação uma vez que a informação (de origem duvidosa) é
na Internet, mas também pela necessidade de acesso “copiada” e “colada” para posterior impressão no
aos conteúdos que os usuários consideram papel ou envio como anexo de correio eletrônico.
importantes, que os situam como elementos já Tal prática dificulta que o professor identifique o
incluídos na nova sociedade. Percebe-se que os grau de envolvimento cognitivo do aluno. A Internet
participantes interpretam o acesso aos computadores então, pode mostrar o seu outro lado (típico de uma
e à Internet como uma condição crucial para a “ferramenta”), pois, ao favorecer o plágio, revela
obtenção de melhores oportunidades de trabalho, um espaço antipedagógico para a população,
de melhoria de status sócio-cultural, em desviando ou mesmo substituindo processos
contraposição a um estado de “alienação” no qual educativos. Outros exemplos de práticas anti-
se encontram aqueles que não possuem este acesso. sociais e de crimes praticados por meio de
A gratuidade, que representa o fator de custo/ computadores e redes alimentam diariamente os
benefício embutido na proposta do Projeto, foi meios de comunicação, exigindo ações voltadas
ressaltada nos depoimentos, principalmente quanto para o correto comportamento do uso das
ao fato de que a compra de um computador e, tecnologias, especialmente aquelas subsidiadas
mesmo, o acesso à Rede, torna-se praticamente pelo Estado.

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.18, n.1, p.147-157, jan./abr. 2008 155
Patrícia Zeni Marchiori

Por outro lado, oportunizar a inclusão compartilhadas tanto para a produção e captação
digital e o acesso a conteúdos de informação de de informação e de conhecimento, como para a
qualidade é estabelecer um meio democrático de sensibilização quanto ao compromisso social e as
comunicação que potencializa formas interativas e diversas formas de participação cidadã.

FORESEEING DIGITAL INCLUSION:


the “digitando o futuro” project and the voice of the included

ABSTRACT It Describes the “Digitando o Futuro” Project, a pioneer iniciative about digital inclusion at
Paraná State (Brazil), now running under “Cidade do Conhecimento” Portal. The article presents
some definitions concerning Internet individual usage as a condition to social visibility, as well as
the problems to deal with the digital technology available. It also reports a Focus Group session
in which young adults (ages between 15 to 25 years old) narrate their experiences and motivations
about the overall access conditions offered by the Project. Some opinions about library usage,
free access to Internet resources and citizenship were also collected and discussed.

Keywords DIGITAL INCLUSION


DIGITANDO O FUTURO PROJECT

Artigo recebido em 19.12.2007 e aceito para publicação em 05.03.2008

REFERÊNCIAS ht t p: //w ww. es t ad ao . c om . br /e d uc an d o/


noticias/2003/dez/16/130.htm. Acesso em: 12
BOZ. Jr, G. Reinventando o Digitando o Futuro, 1997. maio 2004.
3 p. (Relatório apresentado à Prefeitura Municipal
MALHOTRA, K. Naresh. Pesquisa de Marketing:
de Curitiba).
Uma orientação aplicada. 3. ed. Porto Alegre:
CELEPAR fortalece inclusão digital na Operação Bookman, 2001.
Viva o Verão. Disponível em: http://
PRÊMIO E-Gov. Disponível em: http://
www.telecentros.pr.gov.br/modules/noticias/
www.premio-e.gov.br/egov2002/index.html.
article.php?storyid=44. Acesso em: 12 fev. 2008.
Acesso em: 04 maio 2004.
COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL. TIC
SAVOLAINEN, Reijo. Embarking on the Internet:
domicílios: TIC domicílios e usuários 2006.
what motivates people? Aslib Proceedings, v. 52,
Disponível em: http://www.cetic.br/usuarios/tic/
n.5, May 2000, p. 185-93.
2006/index.htm. Acesso em: 12 fev. 2008.
SCHULLER, Márcia. Levando cidadania à
DIEGUES, Flávio. Às portas da era digital.
população por intermédio da informática.
Educação, v. 7, n.79, nov. 2003. DIGITANDO o
Entrevista concedida a Diogo Drever. Disponível
Futuro. Disponível em: http://
em: <ht tp://w ww .e duca cional.c om .br/
www.curitiba.org.br/. Acesso em: 9 maio 2004.
entrevistas/entrevista0107.asp>. Acesso em: 13
DIGITANDO o Futuro faz de Curitiba a Capital da maio 2004.
inclusão digital. Disponível em: http://
TAKAHASHI, Tadao. Sociedade da Informação no
www.maxpressnet.com.br/NS/noticia.asp?.
Brasil: livro verde. Disponível em: http://
Acesso em: 12 maio 2004.
www.mct.gov.br/index.php/content/view/
MACHADO, Denise Chella. Tecnologias na Rede 18940.html. Acesso em: 12 fev. 2008.
Municipal de Ensino de Curitiba. Disponível em:

156 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.18, n.1, p.147-157, jan./abr. 2008
A visão de vanguarda do projeto “digitando o futuro”

APÊNDICE A - QUESTÕES ELABORADAS PARA A ATIVIDADE DE GRUPO DE FOCO


(enviadas pela equipe coordenadora do projeto guarda-chuva – ECA/USP)

MOTIVAÇÃO

(1) O que te levou a procurar este programa?


(2) Como você descobriu este programa?
(3) O que você esperava encontrar aqui?

(questões complementares)
(A) O que você veio buscar neste programa?

COMPREENSÃO

(4) O que você encontrou era o que esperava?Por quê?


(5) O que você mais gostou?
(6) O que você gostou menos?

(questão complementar)
(B) Você encontrou novidades? Quais?

DIFICULDADES, GAPS E LIMITAÇÕES


(7) Você teve dificuldades em utilizar o programa assim que chegou?
(8) O que foi difícil, o uso do sistema, a forma como as pessoas falavam, ou o que?

(questões complementares)
(C) Foram dificuldades em relação ao uso dos equipamentos ou em relação ao
atendimento?
(D) Cada equipe deve formular questões específicas para explorar os problemas
(técnicos ou administrativos do sistema) e dificuldades técnicas e/ou cognitivas do
próprio usuário.

USO
(9) Como você está utilizando tudo o que pode obter aqui neste programa?
(10) O que mudou na sua vida?

(questões complementares)
(E) O que foi realmente útil para você?
(F) Onde está efetivamente utilizando/ aplicando o que obteve aqui?

PROJEÇÃO
(11) E agora, o que você quer mais?
(12) Como este programa pode te beneficiar daqui para frente?

(questões complementares)
(G) Você agora está em busca do que mais?
(H) O que você pretende fazer daqui pra frente?

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.18, n.1, p.147-157, jan./abr. 2008 157