Você está na página 1de 2

UFPE/CAC/DCI/Biblioteconomia/Multimídia 22/05/2009

Vanessa S. Cavalcante

RESENHA

Multimídia, conforme a definição encontrada no Wikipédia e em citação de Vaughan


(1994, p.3), é qualquer combinação de texto, arte gráfica, som, animação e vídeo transmitida
pelo computador. Está dividida em dois tipos de mídias: estática (texto e fotografia) e
dinâmica (vídeo, áudio e animação). Refere-se às tecnologias com suporte digital para criar,
manipular, armazenar e pesquisar conteúdos.
Tanto Cheng (1999) e Santaella (2003) preocupam-se em conceituar e explicar o que é
multimídia e suas variações: hipertexto e hipermídia, e comentam sobre o primeiro sistema
hipermídia, o Memex, idealizado por Vannevar Bush no seu artigo As we may think, publicado
na revista Atlantic Monthly, em julho de 1945. Santaella é mais abrangente, apresentando-nos,
primeiramente, definições acerca do termo cultura e suas eras culturais: oral, escrita,
imprensa, de massas, das mídias e digital, afirmando que, mesmo com a evolução de cada
uma, nenhuma deixou de existir, ocupando o seu devido lugar. Cheng demonstra-nos as
ferramentas e tecnologias multimídia para cada uma das mídias, sendo que seu texto é mais
técnico e exploratório quanto à utilização, aproveitamento e armazenamento das mídias.
Santaella explana diversas concepções de vários autores para criar seus próprios
argumentos sobre cultura (cap. 1), quando afirma que “a cultura está relacionada com ações,
ideias e artefatos que os indivíduos numa dada tradição aprendem, compartilham e avaliam”
(p. 43). Ao tratar-se de cultura midiática (cap. 2), ela afirma que esta é responsável pela
ampliação dos mercados culturais e criação de novos hábitos no consumo de cultura, e
comenta que estamos vivenciando uma revolução digital. Quando se refere à palavra “mídia”
(cap. 3), fala que surgiu com os meios de comunicação de massa, especialmente aos meios de
transmissão de notícias: jornal, rádio, televisão e revista, e que a mesma está diretamente
vinculada para a cultura de massas. Para destrinchar a generalização da maneira como é
empregada a palavra “mídia”, a autora explica que a mesma também é usada para os
processos de comunicação mediados pelo computador, referindo-se a mídias digitais, assim
como Cheng demonstrou no seu estudo, quando explica sobre os tipos de mídia ótica (CD,
DVD, CD-ROM).
O capítulo 4 de Santaella foi, em minha opinião, o mais interessante, quando ela
aborda a cibernética e o ciberespaço, sendo a primeira direcionada a englobar a mente e o

1
corpo humanos com o mundo das máquinas, isto é, uma simbiose, a qual foi retratada na
trilogia Matrix (1999). Já a segunda foi citada pela primeira vez no livro de ficção científica
Neuromancer (1984) – que deu origem ao roteiro e criação do filme Matrix – em que é o lugar
de encontro das redes digitais com aventuras e conflitos, isto é, uma realidade virtual, muito
bem apresentada em Matrix, ou melhor, uma interação humano-máquina.
Apesar de retratarem o mesmo assunto (multimídia), porém, com abordagens distintas,
tanto a análise extensa e comparativa de estudos de outros autores, realizada por Santaella,
quanto o texto técnico, objetivo e explicativo de Cheng, percebe-se que há interligação entre
ambos, ao definir conceitos sobre as variações da multimídia, há também a diferença das
datas de publicação dos trabalhos (1999 e 2003). No entanto, houve momentos que a
linguagem acadêmica e rebuscada de Santaella tornou a leitura de difícil assimilação. No caso
de Cheng, se o leitor não estiver apto aos termos técnicos empregados, poderá não
compreendê-lo.

PALAVRAS-CHAVE: Cultura – conceito, Multimídia, Multimídia – conceito, Multimídia –


tecnologia, Hipermídia, Hipertexto.

REFERÊNCIAS

CHENG, Ching-Chih. As tecnologias multimídia. In: INSTITUTO BRASILEIRO DE


INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA. A informação: tendências para o novo
milênio. Brasília: IBICT, 1999. p. 26-47.

MULTIMÉDIA. Wikipédia. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Multim%C3%ADdia


Acesso em: 18 maio 2009.

SANTAELLA, Lucia. Culturas e artes pós-humano: da cultura das mídias à cibercultura.


São Paulo: Paulus, 2003. p. 11-113.

VAUGHAN, Tay. Multimídia na prática. São Paulo: Makron Books, 1994. p. 3.