Você está na página 1de 13

A guerra de guerrilhas de Che Guevara:

entre rupturas e continuidades com o stalinismo

Carlos Batista Prado *

Resumo: O estudo do pensamento de Guevara é essencial para o entendimento da política latino-americana. No entanto, é preciso investigar seus avanços teóricos, suas contribuições, mas sem perder de vista, os erros e limites de suas teses. Para tanto, confrontaremos a teoria a teoria da guerra de guerrilhas de Guevara com as teses desenvolvidas por Stalin, representadas pela III Internacional. Nosso objetivo é perceber em que medida as teorias de Guevara romperam e em que medida suas teorias representam uma continuidade das teses de Stalin.

Palavras-chave: Guerrilha; revolução; stalinismo; América.

The war of guerrilhas oh Che Guevara: between breaks and continuities with the stalinism

Abstract: The study of the thought of Guevara is essential to understanding the Latin American policy. However, we must investigate its theoretical advances, their contributions, but without losing sight of the mistakes and limits of their theses. To do so, face the theory of the theory of warfare, Guevara with the theories developed by Stalin, represented by the International III. Our objectives are to see to what extent the theories of Guevara disrupted and to what extent his theories represent a continuity of theories of Stalin.

Key words: Warfare; revolution; stalinism; America.

A teoria da guerra de guerrilhas

Logo após o triunfo da revolução em Cuba, pela via guerrilheira, Che Guevara

se preocupou em sistematizar e teorizar para generalizar essa experiência. Dedicou-se a

analisar e a escrever acerca do processo revolucionário cubano, enfatizando a estratégia

da guerra de guerrilhas. 1 Das reflexões de Che surgiu à chamada teoria do “foco

guerrilheiro”, denominada também de “guevarismo” ou até mesmo de “castrismo”.

A guerrilha como estratégia de luta causou um grande impacto nos movimentos

da esquerda mundial, mas seus efeitos imediatos foram mais sensíveis principalmente

na América Latina. Segundo Debray (1980, p. 11): “Historicamente, Cuba deu a

arrancada para a revolução armada na América Latina”. Boa parte das autoridades

cubanas e líderes de movimentos políticos de todo o continente latino-americano

* Mestrando em Filosofia pela Unioeste/Toledo. End. eletrônico: carlosfloyd@terra.com.br 1 “Apenas Fidel, o Che, Raúl e Camilo tinham autoridade moral para escrever a história oficial da guerra. Ao primeiro faltava tempo, paciência, e ambição literária ou teórica. Seu irmão aquilatou desde muito cedo as vastas virtudes do silêncio: seria por quase quarenta anos o homem das sombras. Camilo carecia de vocação, e também não teve tempo: morreu em novembro. Por eliminação, sobrava o Che, que além do mais tinha aptidão inata para a tarefa” (CASTAÑEDA, 2006, p. 183).

também passaram a optar pela via armada guerrilheira para alcançar o poder e construir

o socialismo. Diante desse contexto, Guevara apareceu como o mentor intelectual da guerra de guerrilhas, como o seu principal teórico e sistematizador. Os objetivos de Guevara eram evidentes. Em seus escritos deixava claro que a revolução cubana havia sido apenas o prelúdio de uma onda revolucionária que varreria o continente latino-americano. Portanto, sua principal preocupação era “Encontrar as bases em que se apóia este tipo de

luta, as regras a seguir pelos povos que buscam sua libertação; teorizar o fato, estruturar

e generalizar esta experiência para o aproveitamento de outros” (GUEVARA, 1982, p.

15).

É no livro A Guerra de Guerrilhas que se encontra a principal contribuição de Che Guevara à sistematização dessa forma de luta. Trata-se, pois, de um manual político-militar de orientação prática para os homens que se decidissem pela via guerrilheira. Essa obra se destacou porque relatava minuciosamente detalhes da organização interna de uma guerrilha. Logo nas primeiras linhas do livro, Che Guevara aponta as três principais contribuições que a experiência guerrilheira cubana legou aos movimentos revolucionários latino-americanos: São elas: “1) As forças populares podem ganhar uma guerra contra o exército. 2) Nem sempre há que se esperar que se dêem todas as condições para a revolução; o foco insurrecional pode criá-las. 3) Na América subdesenvolvida, o terreno da luta armada deve ser fundamentalmente o campo”. ( GUEVARA, 1982, p. 13). Essa passagem expressa em síntese os elementos centrais da teoria da guerra de guerrilhas. Segundo Guevara a primeira lição da revolução cubana é um fator subjetivo, pois, ela demonstrou que mesmo em condições adversas a vitória é possível. 2 Trata-se da tomada de consciência de que a vitória do povo em armas contra um exército bem treinado e armado não é simplesmente tentativa de suicídio ou ilusão. A segunda tese de Che Guevara, diretamente relacionada à primeira, aparece claramente como uma critica a inoperância dos Partidos Comunistas. Rompendo com os dogmas da III Internacional stalinista, a guerra de guerrilhas declara que as condições

agora se sabe perfeitamente a capacidade de coroar com êxito

uma empresa como aquela, acometida por aquele grupo de iludidos expedicionários do Granma em sua luta de dois anos em Sierra Maestra. Isso indica imediatamente que se pode fazer um movimento revolucionário que atue a partir do campo, que se ligue às massas camponesas, que cresça, que destrua o

2 Guevara (2005, p. 107) salienta que: “(

)

exército em luta frontal, que tome as cidades a partir do campo, que vá incrementado com sua luta, as condições subjetivas necessárias para tomar o poder”.

objetivas para o processo revolucionário deveriam ser criadas e desenvolvidas. Assim, os fatores como: consciência, determinação política, organização, mobilização, conhecimento teórico, etc., emergiriam naturalmente mediante a atuação dos guerrilheiros junto às populações camponesas. Por fim, a terceira tese parece ser a mais problemática e discutível de todas. Guevara a aponta a América Latina como “subdesenvolvida” e diante dessas condições indica que o campo seria o terreno no qual a luta revolucionária se desenvolveria e, portanto, o camponês seria o agente revolucionário. Vejamos então, o princípio, desenvolvimento e fim da guerra de guerrilhas:

Guevara (1982, p. 66) observou que: “No início, há um grupo mais ou menos armado, mais ou menos homogêneo, que se dedica quase exclusivamente a esconder-se nos lugares mais agrestes, mantendo raros contatos com os camponeses”. Portanto, o primeiro momento da guerra de guerrilhas se caracteriza pelo isolamento de um grupo pequeno de homens embrenhados na mata. No entanto, a luta não pode avançar sem o apoio dos camponeses, os

guerrilheiros não podem alcançar o triunfo se permanecerem apenas se escondendo nas montanhas sem estabelecer contato com a população local. Por isso, é necessário um constante trabalho político com os camponeses. Seria a partir desse contato que Guevara pensava o desenvolvimento do fator subjetivo. É preciso um “trabalho popular intensivo, explicando os motivos da revolução, os fins desta mesma revolução, disseminando a verdade inconteste de que não se poder vencer o povo de maneira definitiva”. (GUEVARA, 1982, p. 20). É necessário um trabalho que consiga promover

a identificação entre camponeses e guerrilheiros: “É importante destacar que a luta

guerrilheira é uma luta de massas, é uma luta popular; a guerrilha como núcleo armado,

é a vanguarda combatente do mesmo, sua grande força reside na massa da população.”

(GUEVARA, 1982, p.15). Por que razão os camponeses deveriam aderir à luta de alguns barbudos embrenhados nas montanhas? Nesse sentido, os guerrilheiros deveriam agir como um catalisador político, pois, só conseguiriam êxito se fossem capazes de incorporar à luta guerrilheira o fator social dos trabalhadores rurais. Guevara (1982, p. 16) argumentava que “o guerrilheiro é um reformador social que empunha as armas respondendo ao protesto irado do povo contar seus opressores e que luta para mudar o regime social que mantém todos seus irmãos desarmados na ignonímia e na miséria”.

Segundo Che Guevara na América Latina subdesenvolvida, com economia predominantemente agrária, a maior parte da população se encontrava no campo e também as maiores contradições. De um lado, o trabalhador desprovido das condições objetivas para realizar seu trabalho e do outro lado os grandes latifundiários, concentrando a propriedade da terra nas mãos de uma minoria privilegiada e exploradora. Os escritos de Guevara apontam que diante dessas contradições latentes, a principal aspiração do camponês latino-americano é a propriedade da terra. Os guerrilheiros, portanto, devem atuar para demonstrar claramente está relação baseada em antagonismos inconciliáveis. Para Guevara (1982, p.16): “O guerrilheiro é antes de tudo um revolucionário agrário. Interpretam os desejos da grande massa camponesa de ser dona da terra, dona de seus meios de produção e de seus animais, de tudo aquilo que desejou durante anos ( A base econômica da luta guerrilheira está dada pela aspiração do camponês pela posse da terra. Portanto, a reforma agrária é a principal bandeira que os guerrilheiros deveriam levantar, pois, essa seria a reivindicação capaz mobilizar as massas oprimidas e desenvolver a luta. Em outras palavras, seria a condição necessária para o desenvolvimento dos fatores subjetivos; a tomada de consciência dos camponeses e a opção pela luta armada. Com o apoio dos camponeses a guerrilha cresce e se expande até alcançar proporções nacionais. Nesse momento da guerra, instaura-se uma dualidade de poder, que é fundamental para a desmoralização do Estado burguês e para que a luta avance e alcance maior magnitude. Pode-se compreender que a guerrilha é apenas o primeiro momento da guerra, ela precisa expandir-se, fundir-se com outros grupos, para assim, romper o isolamento político e então, o grupo reduzido de guerrilheiros se torna um exército regular, a guerra de guerrilhas se torna uma guerra regular, ou seja, uma guerra civil e, só nessas condições se é capaz de derrotar o exército e tomar o poder. Portanto, o objetivo último da guerrilha é a sua própria superação. Estes são os fundamentos gerais da guerra de guerrilhas de Che Guevara. Vejamos agora, em quais aspectos essa teoria estabeleceu um rompimento com as teses stalinistas da III Internacional e em quais aspectos Che cooptou com essas teses.

Rupturas com o stalinismo Crítica aos partidos comunistas burocratizados

Os partidos comunistas orientados pela burocracia soviética, principalmente a partir do Congresso da III Internacional Comunista de 1928, adotaram as teses stalinistas e passaram a atuar de maneira geral, a partir dos seguintes princípios:

a) Os países latino-americanos são países de economia “atrasada”, “subdesenvolvida”, “semicolonial”, “dependentes” e dominados pelo imperialismo norte-americano. b) A contradição fundamental não reside na luta de classes entre burguesia e proletariado, mas sim, na contradição entre capital nacional e capital estrangeiro. Os partidos comunistas deveriam atuar na luta pela revolução democrática (burguesa); construir uma frente nacional-democrática baseada na aliança eleitoral entre os partidos comunistas e os partidos burgueses progressistas, para assim, estabelecer um governo nacionalista apoiado nas massas. c) As principais tarefas dessa etapa da revolução (etapa burguês-democrática) eram a reforma agrária e a expropriação das indústrias estrangeiras, enfatizando a luta antiimperialista. d) Devido à ausência de uma classe operária significativa e ao “atraso” econômico, o socialismo só poderia ser pensado como tarefa futura; dever-se-ia primeiro, desenvolver o capitalismo em toda sua plenitude.

Como se vê, os partidos comunistas “stalinistas” atuavam na realidade como uma força contra-revolucionária. Na contra mão dessas teses, Che Guevara rompeu com a “via pacífica” e colocou a revolução socialista na ordem do dia, como necessidade imediata. 3 Esse rompimento apareceu claramente em sua segunda tese, acerca das guerrilhas na América Latina. Em primeiro lugar, porque segundo Che não se tratava de esperar as condições objetivas para iniciar a luta pelo socialismo, não se tratava de esperar que as forças produtivas se desenvolvam. A guerra de guerrilha aparece como uma crítica a

3 “Contra o atentismo “neokautskiano” de certos partidos da esquerda tradicional, que se recusavam a agir sob o pretexto da “imaturidade das condições”, Che salienta que os partidos marxistas não podem “aguardar de braços cruzados” o aparecimento de todas as condições objetivas para que o “poder caia como um fruto maduro nas mãos do povo”. Partindo da experiência da guerrilha em Cuba – que, pela sua própria ação, criara uma das condições subjetivas da revolução: a certeza da possibilidade de uma mudança – formula este princípio geral de toda a teoria da práxis revolucionária: o papel dos partidos de vanguarda é contribuir para a criação das condições necessárias para a tomada do poder, “e não se tornarem novos espectadores da onda revolucionária que nasce no seio do povo”. É a partir dessas premissas que se torna necessário aprender a teoria castro-guevarista do núcleo da guerrilha como catalisador.” (LÖWY, 2003, p. 35).

imobilidade dos partidos comunistas e, ao contrário deles Guevara deixou claro que as condições para o desenvolvimento de um processo revolucionário deveriam ser forjadas pela própria luta. Em segundo lugar, Che Guevara salientou que não se tratava de uma revolução burguesa, presa aos limites da ordem capitalista, mas sim de uma revolução socialista. Guevara rompe com as posições da revolução em duas etapas e coloca o socialismo como possibilidade imediata.

Crítica a aliança com a Burguesia reacionária Ao contrário dos partidos comunistas que buscavam formar alianças eleitoreiras com os setores progressistas das burguesias nacionais, Guevara percebeu que as burguesias nacionais eram na verdade, forças conservadoras e que temiam mais uma revolução social que as relações contraditórias com o capital estrangeiro. As burguesias nacionais latino-americanas, apesar de entrarem em contradição direta com o imperialismo não se transformaram em uma força revolucionária. Pelo contrário, estavam temerosas frente uma revolução, pois, diante de um clímax revolucionário, da organização e pressão do operariado poderiam perder o controle sobre as transformações. A burguesia nacional desejava uma revolução de libertação nacional para que pudesse com maior liberdade comandar a extração de mais- valia das classes trabalhadoras. No entanto, temia que essa revolução fugisse de seu controle e se transformasse em uma revolução social. Os partidos comunistas buscavam alianças com as burguesias nacionais por a considerarem “setores progressistas”, acreditavam que por estarem em contradição com o imperialismo estariam de mãos dadas e caminhando junto com as classes exploradas. E, portanto, era uma força revolucionária pronta para realizar a revolução. Rompendo com essas teses, Che Guevara destacava que as burguesias nacionais eram uma força reacionária e, que aliada aos latifúndios e ao capital estrangeiro, buscavam a todo custo frear qualquer processo revolucionário para manter a ordem estabelecida e seus privilégios, enquanto classe dominante.

Crítica à via eleitoral Dentro dessa perspectiva, Guevara criticava veementemente as lutas que se travavam nos limites da legalidade burguesa. Ele deixa claro que a luta no interior da democracia burguesa, ou seja, a luta eleitoral, a disputa dentro do parlamento por cargos no executivo e no legislativo ou até mesmo manifestações públicas, passeatas ou greves

são facilmente reprimidas pelo braço armado do Estado e não tem condições reais de avançar para a tomada do poder ou para a transformação da sociedade pelo socialismo. Para Guevara as lutas dentro da legalidade não passam de uma fórmula limitada, que só traz pequenos avanços e satisfazem apenas as necessidades imediatas da população e a mantém na condição de classe explorada. Segundo Che (1982, p. 14): “é necessário demonstrar claramente para o povo a impossibilidade de manter a luta por reivindicações sociais dentro do plano da luta cívica.”. Suas teses batem de frente com as teorias contra-revolucionárias do stalinismo que optavam pela luta eleitoral em aliança com as burguesias nacionais. Ora, uma revolução não é feita por decreto, por leis ou por reformas. Uma revolução é o desenvolvimento inconciliável da luta de classes e, justamente por esse caráter inconciliável desemboca na luta armada.

Internacionalismo Outro importante ponto de ruptura entre o pensamento de Che Guevara e as teses stalinistas é a questão do internacionalismo. Vários textos de Guevara afirmam o caráter internacional da revolução clamam pela união dos povos oprimidos de todo o mundo contra o imperialismo. Mostrando uma clara compreensão da totalidade histórica, do desenvolvimento universal das forças produtivas, do intercambio universal entre os homens, da atuação sem fronteiras do mercado mundial e da opressão imperialista em escala global. A teoria da generalização da guerra de guerrilhas pela América Latina apareceu como um programa revolucionário internacionalista que rompeu diretamente com a tese forjada por Stálin em 1924, a famosa teoria do socialismo em um país só. Tese que entra em contradição direta com todos os princípios básicos do marxismo, negando a totalidade histórica, o caráter internacional da luta de classes e direcionando a III Internacional comunista ao fracasso, expresso nas atuações burocratizadas e contra- revolucionárias dos partidos comunistas. Rompendo com as teses de Stálin e com o fracassado projeto da III Internacional, Guevara percebeu claramente que o socialismo não pode ser construído somente na esfera nacional, isolado por fronteiras bem estabelecidas. “Realmente é preciso levar em conta que imperialismo é um sistema mundial, última etapa do capitalismo, e que é preciso derrotá-lo em uma grande confrontação mundial.” (GUEVARA, 1989, p. 103).

Che tinha plena consciência que a revolução cubana não poderia permanecer isolada e, portanto, era necessário que outras revoluções se realizassem em curto prazo, principalmente na América Latina. O desencadeamento de outras revoluções era uma questão de sobrevivência para a revolução cubana. Afinal, se o socialismo em um só país estava fadado ao fracasso o que se poderia esperar do socialismo apenas em uma ilha?

Ora, o caráter internacional da revolução é dado pelo caráter internacional das relações capitalistas. Guevara compreendeu bem as relações globais do mercado capitalista, a divisão internacional do trabalho e o imperialismo. Portanto, em seus textos evidencia que a revolução deve ser mundial e o internacionalismo, o dever mais sagrado de todo revolucionário. Pois o proletário não tem pátria e não deve se prender as fronteiras nacionais.

Presença de Stálin O dogma da América subdesenvolvida, atrasada e dependente A guerra de guerrilhas sistematizada por Guevara manteve intocado o dogma de que os países latino-americanos são “atrasados” ou “subdesenvolvidos”. O VI Congresso da III Internacional Comunista, realizado em 1928, consolidou as teses stalinistas. Este congresso foi o responsável pela criação do dogma do “atraso” da América Latina. Logo, essa dogmática foi reproduzida pelos partidos comunistas burocratizados, orientados pela Internacional. As teses desse congresso estabeleceram que “os países da América latina são países atrasados, coloniais e semicoloniais, portanto, as tarefas dos comunistas são aquelas da libertação nacional e não (ainda) as tarefas socialistas” (BENOIT, 2004). Os escritos de Guevara reproduzem esse dogma do “atraso” latino-americano. E segundo Che esse “subdesenvolvimento” se determina pela relação entre os grandes latifúndios e a burguesia nacional associados ao imperialismo norte-americano. E por sua vez, essa relação resulta em uma economia dependente e fundamentalmente agro- exportadora, baseada muitas vezes na monocultura. Essa concepção é bem desenvolvida por Guevara no texto; Cuba: exceção histórica ou vanguarda da luta anticolonialista? Eis uma interessante passagem, na qual ele defende a tese do “subdesenvolvimento” latino-americano:

Um anão de cabeça enorme e tórax potente é “subdesenvolvido” na medida em que suas pernas fracas e seus braços curtos não combinam com o resto de sua anatomia. Ele é o resultado de uma malformação que impediu seu desenvolvimento. É o que somos nós, na realidade chamados suavemente de “subdesenvolvidos”, países coloniais, semi-coloniais ou dependentes. Somos países cujo desenvolvimento foi distorcido pela ação imperialista, que desenvolveu normalmente os setores industriais ou agrícolas em função das necessidades de completar suas próprias economias complexas. O subdesenvolvimento ou desenvolvimento distorcido provém da excessiva especialização em matérias-primas, que permite manter nossos povos sob a ameaça constante da fome. Nós, os subdesenvolvidos, somos os países da monocultura, do monoproduto e do monomercado. Um produto único cuja venda incerta depende de um único mercado que impõe e decide das condições eis a grande fórmula de dominação econômica imperialista que se apóia no velho e eternamente jovem lema romano: “dividir para reinar” (2005, p. 98).

O que se percebe nessa passagem é uma grande confusão de conceitos. Surge

uma pergunta fundamental. O que caracteriza um país “atrasado” ou “subdesenvolvido”? A América Latina se enquadra nessa caracterização? Para Benoit (2004): “Um país atrasado do ponto de vista marxista é um país que conserva relações de um modo de produção anterior, isto é, relações pré-capitalistas de produção”. O ponto de partida para a caracterização do desenvolvimento não deve ser o aspecto

técnico-material, mas, sim, o aspecto social, ou seja, o ponto de partida devem ser as relações sociais estabelecidas.

E na América Latina desde a colonização predominam relações de produção

capitalistas. Mas, e quanto ao trabalho escravo que perdurou nos países latino-

americanos mesmo após a conquista da independência? Não se trataria de relações pré-

capitalistas? Para Benoit (2004): “(

o trabalho escravo, e mesmo todo o sistema colonial que vigorou até fins do século

as relações aparentemente pré-capitalistas, como

)

XVIII, eram relações capitalistas de produção “encobertas” e, assim fortes mecanismos

de acumulação primitiva que, integrados ao mercado mundial, preparavam o capitalismo industrial”. Em O Capital, essencialmente nos capítulos XXIV e XXV, Marx deixou bem claro a estreita relação entre o processo de acumulação primitiva e a colonização

européia na América. Eis uma importante passagem: “A descoberta das terras do ouro e da prata, na América, o extermínio, a escravidão e o enfurnamento da população nativa

nas minas (

Esses processos idílicos são momentos fundamentais da acumulação

primitiva” (MARX, 1984, p. 285). E mais adiante acrescenta que: “A Inglaterra obteve

o direito de fornecer à América espanhola, até 1743, 4.800 negros por ano. Isso

).

proporcionava, ao mesmo tempo, um manto oficial para o contrabando britânico. Liverpool teve grande crescimento com base no comércio de escravos. Ele constitui seu método de acumulação primitiva” (MARX, 1984, p. 291). A questão da utilização do trabalho escravo é posta da seguinte forma por Marx (1984, p. 291): “De maneira geral, a escravidão encoberta dos trabalhadores assalariados na Europa precisava, como pedestal da escravidão sans phrase, no Novo Mundo”. Ora, como se vê, a escravidão na América foi necessária para o desenvolvimento do próprio modo de produção capitalista. Portanto, desde a chegada dos Europeus no continente americano, a América já está inserida no processo de produção capitalista, seja na exploração de matérias-primas, na exploração do ouro, da prata ou na utilização do trabalho escravo. Outro problema das teses de Guevara é que ele elucida o caráter dependente das economias latino-americanas, frente ao imperialismo norte-americano. Mas o que significa esse caráter de dependência? A dependência e a especialização na produção de certos produtos estão diretamente relacionadas à “lei do desenvolvimento desigual e combinado”. Segundo Trotsky (1979, p.6): “a originalidade nacional representa o produto sumário e mais geral da desigualdade do desenvolvimento histórico”. As originalidades e particularidades do tipo nacional e social aparecem como resultado da desigualdade em suas formações e do seu passado pré-capitalista. O desenvolvimento das relações de produção capitalista e de suas forças produtivas não se deu em todo o extenso continente americano de maneira mecânica e linear, pelo contrário, a América do Norte desenvolveu suas forças produtivas, qualitativamente e quantitativamente a um nível superior se comparada à América Latina. Portanto, foi esse caráter de desenvolvimento desigual na evolução histórica que estabeleceu diferentes posições para a América do Norte e América Latina no interior do mercado mundial. Esse desenvolvimento desigual que obedece as características da formação histórica de cada país não cria uma relação de dependência no mercado mundial, ou melhor, cria uma relação de interdependência. Guevara confunde desenvolvimento desigual e interdependência com “atraso”, “subdesenvolvimento” e “dependência”. Portanto, o país exportador de matérias-primas, produtos agrícolas ou primários, não significa que ainda apresenta características de relações pré-capitalistas de produção, mas sim a manifestação do desenvolvimento desigual do capitalismo.

Por considerar a América Latina atrasada, Guevara afirmava que a classe operária não estaria plenamente preparada para dirigir um processo revolucionário. Portanto, a transformação revolucionária da sociedade se forjaria pelas mãos dos camponeses. Para ele as contradições do capitalismo “subdesenvolvido” eram mais latentes no campo e o camponês o verdadeiro sujeito da revolução socialista latino- americana. Essa questão merece uma análise atenta. Ao compartilhar do dogma do “subdesenvolvimento” latino-americano e deslocar a luta e as contradições da sociedade para o campo, Guevara negou ou se esqueceu de uma premissa fundamental da revolução socialista mundial, expressa claramente por Marx, em O Manifesto do Partido Comunista: “De todas as classes que hoje se opõem a burguesia, apenas o proletariado é uma classe verdadeiramente revolucionária. As demais classes vão se arruinando e por fim desaparecem com a grande indústria; o proletariado é o seu produto mais autêntico”. (1998, p. 18). Em contra posição a está tese central exposta por Marx, a guerra de guerrilhas de Guevara, apresentou o camponês como o verdadeiro agente revolucionário, enquanto que para Marx, o camponês constitui uma “massa de produtores não envolvidos diretamente na luta entre capital e trabalho.” (2003, p. 43). Por conseguinte, Guevara menosprezava as lutas dos operários urbanos. Todavia, reconheceu algumas diferenças entre as condições históricas cubanas e a dos outros países latino-americanos. Reconhecia, por exemplo, que vários países já concentravam uma grande massa populacional em grandes centros urbanos, como era o caso do Brasil, Argentina, Chile e Uruguai. Portanto, segundo Che Guevara, essas condições históricas diferentes deveriam ser acompanhadas por uma nova estratégia de luta? A resposta de Guevara é negativa. Segundo ele, independentemente do grau de desenvolvimento do país, da concentração populacional nas grandes cidades, do número de fábricas e operários concentrados na zona urbana, a guerra de guerrilhas no campo permanecia como o alfa e o ômega do processo revolucionário. Guevara (1981, p. 51) salienta que: “A nosso ver, tratando-se dos centros urbanos, até mesmo nos casos de atraso econômico, é aconselhável desenvolver a luta fora dos limites da cidade e com características de longo prazo”. As condições sociais, políticas e econômicas desses países com uma grande concentração urbana e indústrias com uma grande massa de trabalhadores assalariados indicavam que o centro dos conflitos da luta de classes não se travaria no campo, mas sim, nas cidades metropolitanas.

No entanto, Guevara percebeu que a realidade das grandes cidades latino-

americanas representava um problema para as suas teses, pois, entravam em contradição

com a teoria da guerra de guerrilhas. Mesmo reconhecendo a existência desses grandes

centros urbanos, com elevadas taxas de concentração de trabalhadores industriais

assalariados e dificuldades objetivas para a organização de uma guerra de guerrilhas

seguindo o modelo cubano, Guevara não abandona a idéia da guerrilha. Para ele o maior

problema da luta nas cidades era que: “A influência ideológica dos centros urbanos

inibe a luta guerrilheira e incentiva as lutas de massas organizadas pacificamente”

(GUEVARA, 1981, p. 50).

A preocupação de Guevara era que a luta no marco das cidades se resumissem as

lutas pacíficas, institucionalizadas, ou seja, a luta por reformas parlamentares, ao

próprio processo eleitoral ou as reivindicações dos sindicatos burocratizados. Portanto,

Guevara não acreditava que essa luta pacífica no marco da legalidade burguesa poderia

avançar. Pois, para ele somente a luta por meio das armas e imposição da força poderia

levar a tomada do poder. Por isso, sua constante afirmação de que o terreno mais

favorável para a luta armada era o campo.

A teoria da guerra de guerrilhas criticou a burocracia dos partidos comunistas

por subestimar a luta no campo, por esquecer e anular a questão agrária e a luta fora dos

limites da cidade. No entanto, Guevara criticou essa unilateralidade, mas, devido a uma

reflexão equivocada, a substituiu por outra. Assim, ele acaba por cometer no mesmo

erro, só que no sentido inverso. Pois, a guerra de guerrilhas centraliza a luta no campo e

esquece ou anula a luta dos operários urbanos.

Referências:

BENOIT, Hector. O programa de transição de Trotsky e a América. Crítica Marxista, São Paulo, n° 18, 2004. CASTAÑEDA, Jorge. Che Guevara: a vida em vermelho. São Paulo: Cia das Letras,

2006.

(Org.)

Revolução Cubana: histórias e problemas atuais. São Paulo: Xamã, 1998. DEBRAY, Regis. Revolução na revolução? São Paulo: Centro editorial latino americano, 1980. FENANDES, Florestan. Da guerrilha ao socialismo: a revolução cubana. São Paulo:

Tao, 1979. FURIATI, Claudia. Fidel Castro: Uma biografia consentida. Rio de Janeiro: Revan, 2002. (4ª ed.). GUEVARA, Che. A guerra de guerrilhas. vol. 3. São Paulo: Edições Populares, 1982. (2ª ed.). GUEVARA, Che. O socialismo humanista. Petrópolis: Vozes. 1989.

COGGIOLA, Osvaldo. A imagem de Che Guevara na atualidade. In:

GUEVARA, Che. Sierra Maestra: da guerrilha ao poder. São Paulo: Edições Populares,

1982. (2ª. ed.).

GUEVARA, Che. Socialismo e juventude. São Paulo: Anita Garibaldi, 2005.

GUEVARA, Che. Textos políticos e sociais. Vol. 6. São Paulo: Edições Populares,

1981. (10ª ed.).

HEREDIA, Fernando Martinez. Ché, el socialismo y el comunismo. Casa de las Américas: Habana, 1989. LÖWY, Michael. O pensamento de Che Guevara. São Paulo: Expressão Popular, 2003. (5ª ed.). LÖWY, Michael. Teoria do desenvolvimento desigual e combinado. Revista Outubro, São Paulo, nº 01, pp. 73-80, 1998. MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do partido comunista. São Paulo: Martin Claret, 2002. MARX, Karl. O Capital. Vol. I, Tomo 1. São Paulo: Abril Cultural, 1983. MARX, Karl. O Capital. Vol. I, Tomo 2. São Paulo: Abril Cultural, 1984. PERICÁS, Luiz Bernardo. Che Guevara e o debate econômico em Cuba. São Paulo:

Xamã, 2004. PERICÁS, Luiz Bernardo. Che Guevara e o trotskismo na América Latina. Revista Outubro, nº 06, São Paulo, p. 91-104, 2002. SADER, Eder (Org.): Che Guevara: Política. São Paulo: Ática, 1981. SARTRE, Jean-Paul. Furacão sobre Cuba. Rio de Janeiro: Editora do autor, 1986. (5 ed.). TROTSKY, Leon. A revolução permanente. São Paulo: Ciências Humanas, 1979. TROTSKY, Leon. O programa de transição. São Paulo: Informação, 1989.