Você está na página 1de 99

S e

Eu

omeçasee m ini&tário

eu e Novo

J o h n

M.

Dre&cher

Recém-Ordenado ^

Se Eu Começasse Meu M inistério De Novo

Se Eu Começasse Meu Ministério De Novo

*

John M. Drescher

Editora Cristã Unida

Rua Taquaritinga, 118 13.036-530 Campinas - SP

Se Eu Começasse Meu Ministério de Novo

Traduzido do original em inglês:

I f l Were Starting My Ministério de Novo Abingdon Press

Copyright © 1995 Abingdon Press

Copyright © 1997 Editora Cristã Unida

Publicado no Brasil com a devida autorização. EDITORA CRISTÃ UNIDA Rua Taquaritinga, 118 Jardim Nova Europa 13.036-530, Campinas, São Paulo Fone/Fax (019) 234-5194

Impresso nos Estados Unidos da América

Tradução: Rubens Castilho Capa: Valdir Ribeiro Guerra Desenhos: Jaziel Botelho

Ia Edição - 1997

CONTEÚDO

1.

Eu procuraria ser mais disciplinado no cultivo da minha própria vida espiritual. Página 13

2.

Eu procuraria dedicar muito mais tempo ao estudo e pregação da Escritura. Página 25

3.

Eu procuraria tomar meu ministério mais centralizado em Cristo. Página 31

4.

Eu procuraria lembrar que não é minha eloqüência, e sim a habilitação do Espírito Santo, que cumpre o propósito de Cristo em meu ministério. Página 39

5.

Eu procuraria ter em mente que, a despeito de todas as suas falhas,

a igreja é o Corpo de Cristo realizando a obra de Deus no mundo. Página 45

6.

Eu me empenharia em orientar e equipar cada membro para a obra do ministério. Página 53

7.

Eu procuraria e incentivaria a formação de centros criativos.

Página 56

8 .

Eu daria uma ênfase preponderante à oração. Página 59

9.

Eu procuraria sempre lembrar-me de que meu chamado não é para controlar a fé das pessoas, mas para

amá-las dentro do reino de Deus. Página 65

10.

Eu procuraria estar sempre cônscio de que Deus está operando, geralmente em pessoas, lugares e programas, nos quais eu menos espero que Ele esteja agindo. Página 71

11.

Eu procuraria sempre lembrar que estou ministrando somente fora do transbordamento, e que o fruto é produzido somente com base num novo crescimento. Página 77

12.

Eu seria fortemente atraído para a plantação de igreja, e não para uma congregação estabelecida. Página 83

13.

Eu procuraria ser mais disciplinado na prática do

contato pessoal através da visitação ao rebanho. Página 87

14.

Eu tomaria cuidado com certas armadilhas do ministério.

Página 96

Mais Sabedoria

Página 97

Notas

Página 107

Prefácio

p JL or vários anos, especialmente os pastores mais jovens, e

também aqueles que se preparam para o ministério, me incentivaram a escrever Se Eu Começasse Meu Ministério de Novo. Não há dúvida de que este título foi sugerido pelos meus dois livros anteriores, Se Eu Começasse Minha Família de Novo (Editora Cristã Unida) e Se Nós Começássemos Nosso Casamento de Novo (edição brasileira tem o título Começar de Novo, Editora Mundo Cristão).

O que se segue resultou também de minha própria busca e necessidade. Aqui estão apontamentos sobre o que me parece importante quando me ponho a considerar onde deveria colocar a ênfase, se tivesse de começar meu ministério de novo. Eles também abordam pontos que eu teria desejado que alguém compartilhasse comigo quando iniciei meu ministério. Talvez eles tenham sido compartilhados numa extensão maior do que imagino agora. Muitas coisas não são aplicáveis até que se chegue a situações relevantes na vida. Tenho servido como pastor em três congregações, como bispo

10 SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

ou supervisor de congregações em três diferentes jurisdições, e como professor de seminário durante uma década. Atuei também como editor de uma revista semanal de uma denominação por aproximadamente doze anos. Além disso, tem sido para mim um

privilégio falar a centenas de congregações e grupos de ministros que ultrapassam as linhas denominacionais— católicas e protestantes—e em tais contatos os ministros têm perguntado:

“O que você faria se estivesse começando de novo?” Por experiência, sei que há fases desfavoráveis no ministério. Depois de vários anos, um ministro pode experimentar uma depressão que chega a pôr à prova seu chamado e compromisso.

O entusiasmo de entrar no ministério pode dissipar-se quando

não vemos concretizar-se o grande crescimento que esperávamos

ou porque não alcançamos nossas metas. Na meia-idade, quando

a família deslancha e outras responsabilidades se tomam pesado ônus, o ministro tende a ficar desanimado ou pensa em pastos mais verdes. A meia-idade é uma crise em que buscamos

novamente nossa identidade e fazemos perguntas sobre o restante

da nossa vida. É um grande momento para tomar um rumo mais

reanimador e retomar aos fundamentos. William Nelson, em Ministry Formationfor Effective Leader- ship (Formação Ministerial para Liderança Eficaz), leva-nos a retomar a alguns desses fundamentos. “Que impulso motivou sua vocação cristã? Qual é a meta que orienta sua formação para o

ministério neste momento? É uma dedicação ao estudo da Bíblia,

da história da igreja, ou da teologia cristã, para que se tome um

professor mais eficiente? É uma paixão pela reforma da estrutura que controla nossa sociedade, de modo a tomá-la possível para

que todas as pessoas se tomem verdadeiramente humanas? E um desejo de edificar o Corpo de Cristo como uma comunidade reconciliadora da fé, objetivando a evangelização do mundo? A

PREFÁCIO

11

capacidade crítica para a auto-reflexão o ajudará a articular as metas que pretende estabelecer para tomar-se um líder pastoral eficaz.” 1 As oportunidades e alegrias a mim proporcionadas no ministério cristão foram além das minhas expectativas. É certo que, no curso de todo o trabalho, houve tempos difíceis. Porém o ministério cristão, para mim, foi entremeado de desafios e altamente satisfatório. Nenhum outro ofício abrange todos os níveis da existência, do nascimento até à morte. Nenhum outro trabalho absorve com mais intensidade os profundos sofrimentos

e as supremas alegrias da vida. Nenhum outro serviço compartilha mais plenamente os tropeços e os sucessos das pessoas.

Apesar das fraquezas e falhas da igreja, ela ainda se constitui num grupo que demonstra neste mundo o maior amor, sacrifício

e abnegação. E mesmo aqueles que não reconhecem a pessoa de

Cristo usufruem as bênçãos e benefícios do espírito e impacto da ação cristã. Em face disto, como alguém que já se encontra na quinta década de seu ministério, permito-me expor algumas coisas que resultaram em grandes bênçãos, falar de alguns pontos que deveriam ser fortalecidos, bem como comentar sobre alguns atos ministeriais que eu faria de modo diferente, caso me fosse possível realizá-los de novo.

O que pretendo apresentar não se propõe a ser uma resposta para cada ministro. Cada um deles deve buscar e apreender o que Deus lhe está dizendo, onde se situa sua própria vocação, como ela ocorreu. Uma pessoa não pode fazer todas as coisas, por isso cada um deve, sob a direção divina, ser e fazer o que o chamado de Deus lhe impõe, e descobrir os pontos fortes e fracos, procurando, em ambos os casos, a bênção de Deus.

.eu procuraria ser mais disciplinado no cultivo da minha própria vida espiritual

- D L / epois [Jesus] subiu ao monte e chamou os que ele mesmo quis, e vieram para junto dele. Então designou doze— [os quais constituiu apóstolos]—para estarem com ele e para os enviar a pregar, e a exercer a autoridade de expelir demônios” (Marcos

3.13-15).

Esta experiência de estar “com Cristo” e praticar sua presença para o desenvolvimento de minha vida interior não foi suficientemente ressaltada durante minha preparação teológica. Apenas um ou dois professores me deram a impressão de que tinham uma vida devocional profunda, uma intimidade com Cristo que me deixaram a sensação de terem vindo da presença do Senhor, ou de terem uma vida de oração tão vibrante e vital que a traziam para dentro da sala de aula. Decidi-me pelo ministério com um claro sentido de vocação e excitação para ser ministro de Cristo e da igreja. Entretanto, levei algum tempo para aprender que o fruto é produzido somente com

14 SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

base num novo crescimento e que a Palavra que tenho de comunicar deve primeiro tomar-se came em mim. Ficou claro para mim que Deus precisava produzir seu trabalho por meu intermédio. Não passou muito tempo de pastorado para que eu compreendesse que precisava alimentar minha própria vida espiritual. Precisava nutrir minh’alma e conhecer o poder que deriva do ato de estar na presença de Cristo e de sua Palavra, em solidão, meditação, jejum e orações, se tivesse de realizar um trabalho espiritual e etemo, e se tivesse de satisfazer às profundas carências e clamores de pessoas que encontrava diariamente. James N. McCutcheon afirma que um olhar de relance na vida pessoal de Jesus “proporciona pelo menos três impressões da prática habitual de nosso Senhor que fala diretamente à vida devocional do ministro. Ele escolhia um momento e um lugar onde possivelmente não fosse interrompido. Ele não permitia que mesmo os que estavam mais próximos dele o importunassem no momento de oração. Não obstante, sua vida devocional estava sempre ameaçada e invadida pelas necessidades que o cercavam.”2 À medida que aprofundamos nosso relacionamento com Deus, nosso relacionamento com os outros também se aprofundam. David J. Bosch resume a diferenciação apresentada por Lesslie Newbigin a respeito do “Modelo ‘Peregrino” e do “Modelo ‘Jonas” na vida espiritual. O peregrino sentiu a necessidade de fugir da “cidade pecaminosa”. Jonas teve de entrar na cidade, com todo o pecado e corrupção que nela havia. Bosch conclui:

“Os dois eram absolutamente indivisíveis. O envolvimento neste mundo deve conduzir a um aprofundamento de nossa relação com Deus e nossa dependência dele, e o aprofundamento de nossa relação com Ele leva-nos ao crescente envolvimento com o

mundo.”3

VIDA ESPIRITUAL 15

Na realidade, precisamos ser chamados, separados do mundo, '

UmJovem pastor escreveu-me dizendo que tinha se perturbado

antes de ser enviados a

e que me criticou publicamente alguns anos antes numa reunião

de ministros pelo fato de eu enfatizar em demasia o cultivo e a disciplina da vida interior. Ele achava que deveríamos nos ocupar

mais do trabalho da igreja. Eu não me recordava do incidente. Agora, confessou ele, após alguns anos no ministério, percebeu seu vazio interior e quão essencial é recorrer à fonte do poder e do serviço espiritual. Ao

cultivar sua própria vida espiritual, todo um novo mundo espiritual

e um novo trabalho começaram a desenrolar-se diante dele. Embora os recursos verbais, as aptidões para a boa administração, uma pregação atraente, e um método de visitação agradável possam sustentar um ministro por algum tempo, logo sua integridade moral estará em jogo, se ele estiver falando ou procurando ministrar além de sua própria profundidade ou desempenho espiritual.

A Vida Fermaneeente

Em João 15 Jesus nos diz, por duas vezes, que, se não permanecermos nele e Ele não permanecer em nós, nenhum fruto espiritual de valor eterno produziremos. Nenhum? A carne, no entanto, sente que podemos, através de exercícios, educação, dons, trabalho extenuante, e outras qualidades pessoais, realizar uma obra espiritual. Jesus afirma que não. A menos que nos entreguemos franca e diariamente à Escritura,

à meditação e à oração, em pouco tempo estaremos procurando

nossa própria identidade espiritual. Teremos menos fé e confiança,

e teremos um discernimento decrescente da realidade espiritual. Sem a permanência diária em Cristo, estaremos sujeitos à

16 SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

influência paralisante do secular e do material, e dedicaremos nosso tempo a coisas secundárias—o mecanismo da organização,

os ofícios da igreja, o corre-corre da comunidade, fazendo em suma coisas que podem ser todas explanadas em termos naturais.

A menos que creiamos, de todo o nosso coração, no que Jesus

disse:—“sem mim nada podeis fazer”—continuaremos a funcionar no nível natural, obtendo somente o que um ser natural, inteligente

e educado pode realizar. Participamos de seminários atrás de seminários com o propósito de aprimorar nossas aptidões, mas dedicamos pouco tempo ao recolhimento e à oração para que Deus modele as nossas inclinações.

O tempo a sós com Deus ajusta o enfoque de nossas prioridades

e alarga nossa percepção para recebermos sua presença e seu poder. A intimidade da nossa vida com Cristo proporciona a medida de nosso poder espiritual para com Deus. G. Byron Deshler escreve em For Preachers Only (Somente para Pregadores): “Encerrado o culto da manhã de domingo em meu primeiro pastorado, um jovem leigo me disse: ‘Byron, você deve ter dedicado muito mais tempo com Deus durante a semana.’ Sua observação me sacudiu. Eu tinha, realmente, consagrado mais tempo na semana anterior à oração e meditação do que fazia habitualmente. Não me ocorreu que meus ouvintes pudessem perceber se eu havia ou não passado mais tempo com Deus. Se alguma qualidade em minha prédica denunciou que o sermão se desenvolveu em comunhão com Deus, segue-se que a ausência dessa comunhão indicaria também algo a respeito de minha vida de oração.”4 “Aquietai-vos e sabei”, diz a Escritura— que há um conhecimento de Deus e da obra de Deus que vem unicamente pela comunhão com Ele, até o ponto de sentirmos o próprio sopro de Deus em nossa vida e em nosso trabalho.

VIDA ESPIRITUAL

17

O que exponho não é meramente um ofício técnico ou religioso. Ele deve ser resultado da comunhão com Cristo. Deus é o “que trabalha para aquele que nele espera” (Isaías 64.4).

Prioridades Pessoais

Com o objetivo de autodisciplinar-me, encontrei um grande auxílio ao decidir estabelecer certas prioridades específicas. Primeira Prioridade: Comprometi-me a ler a Palavra dé Deus diariamente, antes de ler qualquer outra coisa. Antes de tomar o alimento natural, é agradável receber o alimento para a alma e satisfazer minha fome de Deus e da vontade de Deus. Esta prioridade levou-me a levantar cedo, dividir o Novo Testamento em trinta partes, de modo que ele possa ser lido no período de um mês. Faço isto em meses alternados, e no mês intermediário leio uma boa parte do Velho Testamento. Preciso desta disciplina, que tem sido uma prática tão necessária à minha vida como apropriar- me do alimento natural de cada dia. Segunda Prioridade: Assumi o compromisso de falar com Deus a cada manhã, antes de falar com qualquer outra pessoa. Além de ser um momento de louvor e ações de graças, em que procuro meditar sobre o caráter de Deus e seus dons, percebo que uma lista de orações é muito útil para mim. Algumas orações, petições e nomes de pessoas na lista são ocasionais ou por algum tempo, enquanto outras figuram na lista por muito tempo. Há pessoas por quem oro diariamente há muitos anos. Há outras que são mencionadas nas orações por um tempo mais curto ou mesmo por um período predeterminado. Algumas pessoas têm-me perguntado o que acontece se, por alguma razão, eu preciso atender a uma chamada telefônica ou falar com alguém antes de minha leitura ou oração matinal. Minha resposta tem sido que de modo algum isso quebra meu

18 SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

compromisso. Um trabalhador tem o compromisso de estar no emprego todos os dias úteis até uma certa hora. Quando surge uma emergência, ele não diz: “O compromisso foi quebrado, portanto creio que não preciso mais chegar ao trabalho regularmente no horário fixado.” Tampouco uma emergência ou interrupção, que aliás tem ocorrido muito raramente durante anos, vai desobrigar-me do compromisso de ler a Escritura e orar. Intimamente ligado a estas duas primeiras prioridades está o diário pessoal. Embora não seja necessariamente um exercício

diário, registrar minhas reflexões, preces, idéias e aspirações é de importância vital para mim. Terceira Prioridade: Tenho o compromisso de jejuar pelo menos uma refeição por semana e, periodicamente, por tempo mais longo. Jesus usa as expressões “quando vocês orarem” e “quando vocês derem esmola”, admitindo que seus seguidores orem e dêem esmola. Ele não modifica sua recomendação para “se vocês jejuarem”. Ele diz “quando vocês jejuarem”, admitindo que seus seguidores jejuem. João Wesley não ordenava um ministro que não jejuasse pelo menos duas vezes por semana, e declarava que todos os metodistas deviam jejuar cada semana. Toda a ocasião de reavivamento espiritual envolve também o reavivamento na prática do jejum. Jejuar com propósito espiritual dá-me um sentido maior de dependência de Deus em tudo o que diz respeito à vida e ao ministério, uma sensibilidade maior para com o Espírito Santo e a Palavra, e uma conscientização maior da presença e da bênção de Deus em tudo na vida. É também um grande auxílio para enfrentar as tentações da carne e do espírito.

Espírito das

Disciplinas), Dallas Willard escreve: “A disciplina nos ensina rapidamente muito sobre nós mesmos. Ela certamente prova ser

Em seu livro The Spirit o f the Disciplines (O

VIDA ESPIRITUAL 19

humilhante para nós a revelação do quanto nossa paz depende dos prazeres da comida. Ela pode também trazer-nos à mente o modo como usamos o prazer do alimento para amenizar os desconfortos causados em nosso corpo pela forma de vida e atitudes infiéis e insensatas—falta de autovalorização, trabalho inexpressivo, existência sem propósito, ou falta de descanso ou exercício. Se nada mais houver, entretanto, ela por certo demonstra quão poderoso e engenhoso é o nosso corpo em prover seus próprios meios contra nossas decisões mais fortes.”5 Quarta Prioridade: Procuro ler todos os dias um capítulo de algum livro valioso, além de me dedicar a leituras requeridas

usualmente para a preparação de sermões e outros trabalhos da igreja. Procuro livros variados, entre os velhos clássicos e os mais recentes. Raramente leio um best-seller no primeiro ano, mas, se o livro for best-seller no segundo e no terceiro ano, ele provavelmente valerá meu tempo. “Fazer escolhas inteligentes a respeito do que ler é um ato de mordomia responsável”, afirma Thomas R. Swears. “Uma norma de procedimento para a tomada de decisões é manter um programa de leitura equilibrado. Esse equilíbrio ajuda a evitar que o pastor tenha um enfoque muito estreito no uso de idéias para o aconselhamento, ensino ou pregação. As idéias ou imagens que suprem o pensamento e a linguagem de um pastor devem ter bastante diversidade para capacitá-lo a manifestar-se apropriadamente diante de uma ampla variedade de necessidades

humanas.”6

Sim, se eu estivesse começando meu ministério de novo,

começaria aqui— o aprofundamento da

espiritual, tendo como prioridades básicas as disciplinas acima.

Gostaria que alguém me tivesse sugerido tal enfoque no início do meu ministério.

minha própria vida

20

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

“Quem Dizem as Pessoas Que Eu Sou?”

O inglês Leslie Weatherhead estava certa vez escalado para

falar a um grupo de ministros de Manhattan, Nova Iorque. Seu navio atrasou-se por causa da neblina e os ministros tiveram de esperar algumas horas. Quando o Dr. Weatherhead chegou, foi

logo dizendo: “Vocês esperaram tanto tempo e eu vim de tão longe para fazer-lhes uma simples pergunta: Vocês conhecem Jesus Cristo?” Num primeiro impacto, esta parece uma pergunta estranha dirigida a um grupo de ministros. No entanto, é por aqui que temos de começar, se pretendemos ministrar em nome de Cristo. Eis aqui o que as pessoas estão esperando conhecer. E aqueles a quem ministramos são capazes de perceber se conhecemos Jesus pessoalmente e se viemos de sua presença.

A primeira das sete declarações feitas aos pastores no livro de

Jeremias é uma queixa: “Os sacerdotes não disseram: ‘Onde está o Senhor?’ e os que tratavam da lei não me conheceram” (Jeremias

2.8). O resultado foi que o povo cometeu dois males: deixaram o Senhor, “o manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm as águas” (Jeremias. 2.13).

As Primeiras Coisas Primeiro

Antes de se atribuir uma incumbência, deve haver o companheirismo. Devemos aprender a conhecer Cristo antes de podermos anunciá- lo. Devemos ter comunhão para que possamos comunicar. Devemos ser ministrados antes de podermos ministrar. Devemos ser disciplinados para que possamos disciplinar. Devemos amar nosso Senhor antes de podermos trabalhar para Ele.

VIDA ESPIRITUAL 21

Devemos adorar Cristo antes que possamos adornar sua doutrina. Devemos ver a glória de Deus antes de podermos falar dela. Devemos esperar pela visão antes que possamos compartilhá-la. Devemos aguardar para podermos ensinar. Devemos adorar antes que possamos realizar um trabalho espiritual. Devemos buscar a Cristo antes de podermos falar sobre Ele. Devemos permanecer em Cristo antes de podermos produzir frutos que permanecem. Devemos praticar a presença de Cristo antes que possamos pregar sobre sua pessoa. Devemos meditar antes de podermos mediar. O segredo do serviço eficaz é buscar Cristo em segredo. Então ouviremos seu sussurro acima das palavras do mundo. Então ouviremos seu chamado acima dos clamores da multidão. Então sentiremos seu contato acima do contato da crítica. Então conheceremos o amor de Deus acima do amor do eu e das coisas. Então conheceremos o poder de Deus acima do poder do Maligno. Então ouviremos a mensagem de Deus acima dos murmúrios da mensagem do mundo. Então veremos o senhorio de Cristo acima de nossa posição, prestígio ou prazer. Então viveremos uma vida que não pode ser descrita em termos comuns.

A Disciplina para Renovação

Finalmente, nas palavras de Suzanne Johnson, “a questão de se entregar a qualquer prática de disciplina espiritual é a questão da adequabilidade. As disciplinas espirituais autenticam a vida cristã quando implantam em nós a compaixão, sensibilizam-nos

22

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

para aquilo que Deus está fazendo no mundo, impelem-nos a abraçar o estranho, inspira em nós a sincera afeição por Deus e pelo próximo, cria em nós a capacidade de nos doarmos em amor e leva-nos ao autêntico amor próprio. Se a disciplina espiritual não nos tornar abertos às qualidades de caráter, estaremos provavelmente praticando uma falsa espiritualidade.”7 Estou certo de que muitas frustrações que atingem os pastores decorrem da falta de disciplina. Não somente podem a vida devocional costum eira e o estudo sério da Bíblia ser marginalizados, mas os dias podem ser malbaratados, desfazendo- se em insignificâncias. Sem um padrão e disciplina de meditação e oração, estudo, preparação de sermão, visitação e relaxamento físico e mental o ministro pouco realiza e toma-se superficial e moroso. Procuro lembrar-me continuamente de que, quando a Escritura fala sobre a vocação do ministro, compara sua disciplina à inflexível preparação de um atleta (1 Timóteo 4.6-10), ao livre compromisso assumido por um soldado (2 Timóteo 2.1-7), e ao servo de Cristo desenvergonhado e fiel (2 Timóteo 2.14-19). “Deus tem favoritos?” perguntou um ministro frustrado a um bispo idoso. “Não!” respondeu o bispo. “Mas Ele tem amigos íntimos.”

eu

procuraria dedicar muito mais

tempo ao estudo e pregação da Escritura

jtÈÊÊÊMMSÊÊÊÊ

A l segunda declaração sobre o desejo de Deus para os pastores

do povo de Deus em Jeremias é que Deus deseja dar-lhe pastores segundo o seu coração, que os “apascentem com conhecimento e com inteligência” (Jeremias 3.15). A ordem da Escritura para o ministro é pregar a Palavra (2 Timóteo 4.2). Os primeiros discípulos entregaram-se à “oração e ao ministério da palavra” (Atos 6.4). Deveria ser óbvio que, para pregar a Palavra, o estudo da Escritura é fundamental. Eu trataria de realizar um intenso treinamento em estudos bíblicos. Dwight L. Grubbs escreve em Beginnings—Spiritual Formation fo r Leaders (Inícios— Formação Espiritual para Líderes): “A dignidade de uma vocação deve ser medida sempre pela seriedade da preparação que se faz para ela.”8

i

Eu escolheria cuidadosamente uma escola em que houvesse um alentado programa de estudos bíblicos, com ênfase na espiritualidade e na pregação da Escritura, bem como um

26

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

inequívoco fervor evangelístico prático. Os professores que demonstraram uma profunda reverência pela Escritura, uma vida espiritual contagiante e uma mensagem centralizada em Cristo, exerceram um poderoso impacto em minha vida. Quando Alexander Maclaren foi convidado para pastorear a igreja de Manchester, Inglaterra, ele perguntou: “Vocês querem meus pés ou minha cabeça? Não posso dar ambos a vocês.” Se quisessem seus pés para todas as pequenas tarefas, e transmissão de todos os avisos, e participação em todos os comitês, não deveriam esperar que ele pregasse os sermões ou ensinasse a Bíblia com a devida profundidade. A congregação disse a Maclaren que desejava que ele fosse fiel ao chamado de Deus para “pregar a Palavra”. E ele fez isso.

Fugas Comuns

Um dos meios de escapar do estudo sério da Escritura é envolver-se em juntas, comissões, encontros e organizações da igreja e da comunidade. A incumbência de “pregar a Palavra” é negligenciada, e o ministro ordenado acaba se devotando à grande quantidade e variedade de mecanismos da igreja e da comunidade, em detrimento do seu próprio crescimento espiritual, do ministério espiritual e da vida da igreja. A tarefa de ministrar não consiste em construir um império organizacional, mas exaltar a Cristo. E provar plenamente o ministério do Evangelho. Não é dirigir um escritório, mas alcançar pessoas com o oferecimento da graça e da salvação. Quer isto dizer que devo dedicar uma grande parcela de tempo ensinando a meu povo as grandes verdades cardinais da Escritura. Somente quando firmadas na Escritura as pessoas podem crescer na fé, pois “a fé vem por ouvir a mensagem, e a mensagem vem pela pregação” (Romanos 10.17, BLH). Não somos instados a

26

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

inequívoco fervor evangelístico prático. Os professores que demonstraram uma profunda reverência pela Escritura, uma vida espiritual contagiante e uma mensagem centralizada em Cristo, exerceram um poderoso impacto em minha vida. Quando Alexander Maclaren foi convidado para pastorear a igreja de Manchester, Inglaterra, ele perguntou: “Vocês querem meus pés ou minha cabeça? Não posso dar ambos a vocês.” Se

/ quisessem seus pés para todas as pequenas tarefas, e transmissão

\ de todos os avisos, e participação em todos os comitês, não ? deveriam esperar que ele pregasse os sermões ou ensinasse a v' Bíblia com a devida profundidade. A congregação disse a Maclaren que desejava que ele fosse fiel ao chamado de Deus para “pregar a Palavra”. E ele fez isso.

Fugas Comuns

Um dos meios de escapar do estudo sério da Escritura é envolver-se em juntas, comissões, encontros e organizações da igreja e da comunidade. A incumbência de “pregar a Palavra” é negligenciada, e o ministro ordenado acaba se devotando à grande quantidade e variedade de mecanismos da igreja e da comunidade, em detrimento do seu próprio crescimento espiritual, do ministério espiritual e da vida da igreja. A tarefa de ministrar não consiste em construir um império organizacional, mas exaltar a Cristo. E provar plenamente o ministério do Evangelho. Não é dirigir um escritório, mas alcançar pessoas com o oferecimento da graça e da salvação. Quer isto dizer que devo dedicar uma grande parcela de tempo ensinando a meu povo as grandes verdades cardinais da Escritura. Somente quando firmadas na Escritura as pessoas podem crescer na fé, pois “a fé vem por ouvir a mensagem, e a mensagem vem pela pregação” (Romanos 10.17, BLH). Não somos instados a

ESTUDO E PREGAÇÃO 27

orar para ter fé. Não podemos ter mais fé em Deus e em Cristo do que sabemos a respeito deles. Portanto, procuro ampliar em meu povo a compreensão de Deus, de Cristo, do Espírito Santo e de todas as doutrinas básicas da fé. Eu pregaria mais mensagens expositivas, guiando meu povo através de cada livro da Bíblia. A tentação é escolher um texto e pregar sobre ele e, algumas vezes, um pouco além dele. O Senhor não prometeu abençoar minha palavra, mas prometeu abençoar a Palavra de Deus. E preciso tempo para estudar a Bíblia. Isto significa que devo evitar os comitês como se fossem praga. Eu deixaria que os que possuem o dom da administração cuidassem o mais possível dessas tarefas. Talvez mais do que por outra coisa qualquer, os ministros ficam emperrados e são censurados por todas as espécies de falha, pelo fato de se descuidarem da pregação e do ensino da Palavra para se ocuparem da organização. Nos dias em que o tempo limitava drasticamente as viagens, os pastores “invemavam” com um assunto, autor ou um livro da Bíblia. Isto significava que o ministro separava horas em cada dia, durante seis meses ou mais, para fazer um estudo específico de um livro da Bíblia ou de uma doutrina ou assunto bíblico. Se eu estivesse começando meu ministério de novo, eu invemaria cada ano com um livro da Bíblia, ou uma série de livros pequenos, como as três epístolas de João, lendo, ouvindo o Espírito através da meditação e oração, e aprendendo o que outros disseram e tudo o que eu pudesse sobre o livro ou livros. Desta forma, em vinte anos ou menos, eu poderia tomar-me profunda­ mente versado em todos os livros do Novo Testamento, e nos demais livros da Escritura. Eu também invemaria com grandes escritores. Um meio fantástico de aprender a conhecer intimamente os grandes personagens de todos os tempos é ler o que eles escreveram e

c o

eu

procuraria tornar meu

ministério mais centralizado em Cristo

/

- E / muito fácil tomar-se o centro da discussão ou o centro do problema. E igualmente fácil ser envolvido por todos os tipos de pergunta, sem jamais chegar a Cristo, que é a resposta. A Escritura deve levar-nos a Cristo. Precisamos esforçar-nos, em toda a nossa pregação, para fazer o mesmo. “Ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto, o qual é Jesus Cristo” (1 Coríntios 3.11). Paulo escreve também: “Longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu para o mundo” (Gálatas 6.14). Precisamos fazer tudo o que estiver em nossa capacidade para ajudar as pessoas a verem, ouvirem e responderem a Jesus Cristo na conversão, na consagração e no serviço. Não seremos seus discípulos enquanto não o seguirmos completamente e enquanto não ajudarmos outros a se tomarem seus discípulos. Isto significa preliminarmente reconciliação com Deus através da encarnação, da cmz e da ressurreição de Cristo. Significa conduzir as pessoas à graça salvadora de Cristo e viver para Ele

32

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

e testemunhá-lo em todos os lugares e situações. Significa levar

as pessoas em submissão ao Espírito Santo, que anela revelar- nos Cristo, revelá-lo em nós e revelá-lo por nosso intermédio. Há muitos anos um missionário confidenciou-me ter descoberto que, toda vez que a morte e a ressurreição de Cristo eram pregadas, o Espírito de Deus se punha ativo para trazer salvação às pessoas. O Evangelho é “o poder de Deus para todo aquele que crê”. Não nos surpreende que Paulo tenha escrito:

“Longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor

Jesus Cristo” (Gálatas 6.14). Quando pregamos Cristo, em sua obra de salvação consumada, a energia do Espírito Santo é liberada

e vidas se transformam, libertadas da antiga vida, dos hábitos

pecaminosos e das algemas do pecado. Há sermões interessantes.

Porém o poder de transformar vidas está ausente quando Cristo e sua cruz estão ausentes. Uma parte considerável do problema é que pregamos e ensinamos os efeitos do Evangelho e não o próprio Evangelho. Por isso, o Espírito Santo não pode usar nossa mensagem para convencer e converter as pessoas. Tomar alguém a cruz e seguir

a Cristo é claramente entendido somente depois que esse alguém

foi salvo pela cruz. Nels Ferre tomou-se um teólogo muito conhecido nos Estados Unidos. Ferrer nasceu na Suécia e, com treze anos de idade, deixou seu lar e veio para a América. Sua partida foi inesquecível. Naquela manhã a família tinha orado. Cada um dos oito filhos orou. Quando terminaram, dirigiram-se juntos até à estação de trem. Ferre narrou a despedida: “Pude ver minha mãe com sua boca formando palavras, mas sem emitir qualquer som. Finalmente, o condutor acionou o apito e o trem começou a mover- se. Mamãe correu alguns metros ao longo da plataforma e, finalmente, dominando sua emoção pelo trauma daquele difícil

momento, as últimas palavras que a ouvi dizer foram: “Nels,

CENTRALIZADO EM CRISTO

33

lembre-se de Jesus.” Escrevendo ao pregador Timóteo Paulo diz: “Lembra-te de Jesus Cristo” (2 Timóteo 2.8).

O Cristianismo é Cristo

Pregação cristã é pregar Cristo. Muita pregação é sobre Cristo. Se eu estivesse começando meu ministério de novo, tomaria a decisão de pregar Cristo em todos os sermões. Pregar Cristo deve incluir pelo menos cinco áreas específicas. Primeiro, eu o apresentaria como uma presença viva, como alguém distinto da figura histórica do passado. Jesus está vivo. Ele ergueu- se dentre os mortos como Salvador e Senhor glorificado. Esta é a razão por que a ressurreição de Cristo é tão central. Assim, eu lembraria aos meus ouvintes que Cristo está presente na assembléia dos crentes. “Ide e pregai”, disse Jesus, “e eu estarei convosco sempre” (Mateus 28.20). Pregar Cristo significa também que eu procuraria apresentar- me como embaixador dele, trazendo a mensagem do Senhor vivo. Eu transmito suas idéias, suas palavras e sua mensagem, não as minhas próprias. Quer isto dizer que eu apresentaria a reivindicação de Cristo sobre meus ouvintes: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (João 1.29). Pregar Cristo também significa apresentá-lo como Aquele que nos liberta agora do poder do pecado. Um libertador que precisa ser crido, como escreveu Oswald Chambers: “A submissão a Je­ sus rompe qualquer forma de cativeiro em qualquer vida humana.” É até mesmo possível testificar a obra de Cristo em nossa vida de tal maneira que nos seja possível apontar para nós mesmos, em vez de para Cristo. Pregar Cristo significa pregar seus ensinos. Se Jesus é Senhor e Mestre, então a mensagem do mestre é para nós. É a mensagem

34

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

que devemos também proclamar. E essa mensagem, encontrada nos Evangelhos, não fala apenas de nossas crenças, mas também de nossa conduta.

E. Stanley Jones, em The Christ o f the Mount (O Cristo do

Monte), escreve palavras dolorosas, mas poderosas e muito necessárias. Como o Credo dos Apóstolos se encontra agora, você pode aceitar cada uma de suas palavras e deixar o eu essencial

Mantemos guardado a chave este ideal de Cristo [o

Sermão do Monte] em altas torres, com reverência e respeito. Saímos para lutar a batalha da vida de nossa própria maneira, com nossos próprios princípios, ou sem eles—para nosso próprio

desastre.”9

Mas, para sermos fiéis, ousamos não trancar os ensinos de Jesus em alguma torre de marfim ou relegá-los a uma época futura, quando os inimigos ou outros adversários, com os quais temos de nos haver por meios cristãos, estiverem ausentes. Pregar Cristo é pregar e ensinar as verdades centrais e eternas que Ele deu especificamente aos seus discípulos.

intocável

Cuidado com Culto da Sua Personalidade

Para pregar Cristo ainda mais, eu procuraria convidar e atrair as pessoas a Ele, não a mim, não a certa herança, ou outra doutrina unificadora, ou a uma “verdade única”. Em Signs o f Hope (Sinais de Esperança), Eldon Trueblood discute o surgimento dos cultos da personalidade. Ele aponta para certos perigos e nos adverte particularmente do maior de todos os perigos. “Este é o perigo que ocorre tão facilmente em relação com indivíduos de personalidade forte e atraente. Alguns dos que poderiam tomar-se esplêndidos movimentos no mundo moderno são seriamente arruinados pela presunção dos líderes e

CENTRALIZADO EM CRISTO 35

organizadores de receber adulação dos seus seguidores. O culto da personalidade é sempre ruim. Um teste infalível de que um movimento se transforma em culto está na presença ou ausência de discípulos do líder do grupo. Se um homem estimula ou mesmo permite a presença de discípulos, ele é sempre suspeito. Apenas Um que aqui viveu foi suficientemente bom para ter discípulos. Mais líderes religiosos são prejudicados pela bajulação de admiradores do que por outro fator isolado. A cura real exige

duplo cuidado: uma devoção tão genuína a Cristo que o líder se veja em sua própria dimensão, e um prazenteiro senso de humor.”10 O que acima foi exposto poderia ser escrito a respeito de qualquer líder religioso, como professor ou pregador. O perigo é ainda mais pronunciado numa época em que a propaganda é voltada para as celebridades do mercado, de tal modo que os fãs podem ser convencidos a continuar preferindo ainda mais a mercadoria. Quando alguém procura unir as pessoas em tomo de si mesmo, em vez de em tomo de Cristo, estamos diante de um culto. A tendência pode também aplicar-se a denominações. Quando o esforço é unir as pessoas em tomo de uma herança comum ou uma doutrina peculiar, em lugar de fazê-lo em tomo de Cristo, temos também um culto. Eu pregaria e ensinaria com toda a franqueza a singularidade e exclusividade de Cristo para a salvação e consagração a Ele como Senhor de tudo na vida. Isto significa crer que não há outro nome dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.

/ Se aprendi uma coisa de um estudo cuidadoso dos grandes

Vavivamentos espirituais do passado, é que Cristo é apresentado e /) a unidade em tomo dele ofusca toda outra diferença ou doutrina l!e prática peculiares.

Ou cremos na única mensagem do Evangelho de Cristo ou não cremos. De minha parte quero dizer: “Estou firmado em

36

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

Cristo, a sólida rocha—qualquer outro terreno é areia movediça.” Se eu estivesse começando meu ministério de novo, procuraria afirmar a centralidade de Jesus Cristo para salvação e seu senhorio em tudo na vida. Sem isto não há Boas Novas a proclamar.

eu

procuraria lembrar que não é

minha eloqüência, e sim a habilitação do Espírito Santo, que cumpre o propósito de Cristo em meu ministério

T X odas as bênçãos que Deus tem para nós tomam-se realidade pelo Espírito Santo. “E sua força se revela em minha fraqueza.” Muitos de nós são muito fortes para que Deus os utilize. Sempre que sentimos que podemos realizar um trabalho espiritual ou etemo por nós mesmos, o Senhor nos permite tentar. Mas o resultado será apenas humano. Isto significa que a menor das sementes plantada e regada pelo Espírito pode produzir uma colheita abundante, ao passo que a ação ou palavra motivada pelo eu permanece estagnada e inútil

no que se refere à obra espiritual. Deus não exige sucesso, mas j

fidelidade. John Milton, frustrado por sua cegueira, chegou a crer que:

ú7~

Deus não precisa Nem dos trabalhos do homem nem de seus próprios talentos.

40

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

São os que melhor Carregam seu suavejugo os que o servem melhor.

Significa isto também que não devemos achar que somos um

sucesso ou um fracasso simplesmente por acharmos o quão habilidoso ou inadequado um serviço ou sermão parece ter sido. Aprendi que não foram os sermões que me pareceram melhores

os que Deus usou. Foram freqüentemente os sermões e os serviços que considerei inadequados ou mesmo fracassos que Deus

escolheu e usou como bênçãos. Isto, naturalmente, não quer dizer que não devamos fazer o melhor possível na preparação e apresentação de nossa mensagem.

O que isto quer dizer é que não fazemos o trabalho de Deus apenas

com recursos humanos, mas quando reconhecemos que “tudo é vão, exceto o Espírito”, isto é, a menos que o Espírito Santo transmita energia à nossa mensagem ou serviço com poder e

convicção.

O Evangelho Tem Poder

Prestamos mais atenção à voz interior que emana da oração e da solidão. Concordo com Henri Nouwen, em Making Ali Things New (Fazendo Novas Todas as Coisas): “Quanto mais nos exercitamos dedicando tempo a Deus e a sós, mais descobrimos que Deus está conosco em todos os momentos e em todos os lugares.”11 Embora alguns possam achar que isto não é verdade, para mim, obedecer à voz interior para visitar alguém, para dizer uma palavra de conforto ou admoestação, para fazer um contato tem provado ser a direção do Espírito Santo. Recordo-me bem de um impulso que tive de visitar um homem

a uma boa distância da igreja. Eu não o conhecia muito bem.

A HABILITAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO 41

Fiquei hesitante. Mas, obedecendo à voz interior, encontrei-o já de volta do trabalho e mexendo no seu pequeno jardim. Encontrei-

o pronto também para aceitar Cristo. Ele instou comigo para que

falasse com sua esposa e, mais tarde, ela também conheceu Je­ sus, sendo ambos batizados juntos. Ouvir a voz interior para mudar uma ilustração num sermão ou até mesmo uma mensagem inteira, tem provado a direção do Espírito Santo, Aquele que conhece a necessidade de cada pessoa presente. E embora alguma palavra ou ilustração tenha sido usada pelo Senhor num lugar, não quer dizer automaticamente que Ele

a use em outro lugar. Isto requer completa e constante dependência da orientação do Espírito Santo.

Não Meramente Intelectual

Cometemos um grande equívoco quando imaginamos que a verdade espiritual pode ser compreendida por meios intelectuais ou racionais. É um engano acreditar que o estudo da Bíblia por si pode remover o véu que impede a nossa percepção espiritual. A Escritura não diz: “Ninguém conhece as coisas de Deus, exceto aquele que estuda a Bíblia.” Ela diz que “as coisas de Deus

ninguém as conhece, senão o Espírito de Deus” (1 Coríntios 2.11). É possível crescer na igreja, conhecer toda a doutrina, ser fanaticamente fiel e, mesmo assim, não conhecer absolutamente Deus ou compreender a verdade espiritual. Admitamos que somos espiritualmente cegos para as coisas de Deus sem a iluminação do Espírito Santo. “Quem não tem o Espírito de Deus não pode receber os dons que vêm do próprio Espírito de Deus, e de fato

porque o seu sentido só pode ser

nem pode

entendido de modo espiritual” (1 Coríntios 2.14, BLH). Grandes pessoas, fortes em poder intelectual, emocional e volitivo, são sempre atuais. Mas não é a correta psicologia,

42

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

oratória, lógica superior, personalidade dinâmica ou força de vontade que converte pessoas à verdade. “O mundo não o conheceu [Deus] por sua própria sabedoria” (1 Coríntios 1.21). Paulo diz: “A minha palavra e a minha pregação não consistiram em linguagem persuasiva de sabedoria, mas em demonstração do Espírito e de poder” (1 Coríntios 2.4). A cultura da alma ou o poder intelectual não podem abrir os olhos espirituais. “Se você pretende racionalizar o Cristianismo, algum indivíduo instruído pode contra-argumentar e confundi-lo! Porém, quando o Espírito Santo lhe traz a iluminação interior, ninguém poderá confundi-lo” (A. W. Tozer).

A Causa do Vazio

A causa capital do vazio em muito sermão, aula da escola dominical ou estudo bíblico não é a ausência de fatos ou verdades corretas. É porque não há mais do que uma discussão intelectual de um ponto de vista racional. Daí o vazio, ou seja, a falta de iluminação espiritual. Naturalmente, deve haver conhecimento dos fatos. É por isso que a Bíblia ressalta nossa necessidade de conhecer. Porém, enquanto não houver a iluminação do Espírito Santo, nada acontece. Muitos podem testificar que, depois de anos na igreja ouvindo muitos sermões e assistindo a aulas bíblicas, de repente são tocados pelo amor, por um anseio e uma compreensão de Cristo e de sua Palavra que não podem ser apreendidos sem a ação do Espírito Santo. Sou contra a disciplina da mente? Não, mas, antes de progredirmos espiritualmente, temos necessidade de admitir que não podemos, por nosso próprio intelecto, entender as coisas espirituais. Nenhuma quantidade de raciocínio intelectual poderia ter persuadido Paulo de que Cristo era o Salvador do mundo. Nenhuma quantidade de persuasão intelectual teria levado Pedro

A HABILITAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO 43

à convicção de toda a realidade: “A este Jesus que vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo” (Atos 2.36). Ele conheceu isto somente pelo Espírito de Deus. E sem o Espírito podemos continuar repetindo as histórias e fatos do Evangelho, mesmo de forma dramática e erudita, e no entanto deixar os corações vazios de refrigério, discernimento e força espirituais. Tem-se a forte sensação de que muito do que é chamado hoje de irrelevante na pregação e no ensino não é a pobreza da pregação e do ensino. O que faz a mensagem oca é a ausência do Espírito Santo para dar-lhe vida e significado. Por quê?_Porque pensamos que, de alguma maneira, podemos fazer por nós mesmos um trabalho espiritual, porque não oramos pedindo a iluminação do Espírito Santo, porque não reconhecemos nossa necessidade do Espírito Santo nem ambicionamos sua obra. Assim sendo, Deus está impossibilitado de conceder-nos dons e uma bênção de iluminação espiritual. Deus não pode guiar-nos em toda a verdade porque não desejamos e não procuramos a direção do Espírito. Deus seja louvado porque pessoas de todas as idades estão ficando cansadas do que a carne pode fazer, e porque não estão satisfeitas com a superficialidade do raciocínio e intelecto humanos! E, com a graça de Deus, muitos, confessando sua própria inadequação e abrindo-se para o Espírito Santo, têm encontrado nova liberdade e poder de vida e testemunho. Quando isto acontece, Cristo toma-se precioso e seu poder se manifesta. São muito mais significativas algumas poucas e simples palavras de um crente que conhece o toque do Espírito do que palavras majestosas daquele que sente que sua própria sabedoria ou poder pode realizar a obra espiritual. Cremos realmente no ditado que diz que “tudo é vão, exceto o Espírito” que realiza a obra e dá testemunho de Deus?

eu

procuraria ter em mente que,

a despeito de todas as suas falhas,

a igreja é o Corpo de Cristo realizando

a obra de Deus no mundo

ÊÊÈIm

Jesus disse que as fortalezas do inferno não conseguiriam detê- la. Esta persuasão afasta o pessimismo tão freqüente em nossos púlpitos. Ela também acaba com a pressuposição de que o sucesso:

da igreja depende unicamente de nós. Tal como em todas as melhores relações, há na igreja tempos de amor e ódio. Por nos inquietarmos profundamente, estamos muitas vezes profundamente desapontados, e até mesmo envergonhados, de pertencer a um grupo que professa tanto e pratica tão pouco. É bom então lembrar-me de minhas próprias fragilidades e infidelidades, e que jamais desejaria ser julgado por meus piores momentosi^fampouco déVõ julgar a igreja~õu

jq iaK p èx ^

seus piores integrantes.

‘X ü H ^ ^ 'm m te s ^ é z ê s, que tenho me sentido como Cario Carretto.

Quão instável és, ó igreja, e, no entanto, quanto te amo!

46

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

Quanto me tens feito sofrer, e, apesar disto, quanto te sou devedor! Gostaria de vê-la destruída; entretanto,

preciso da tua presença. Tu me tens proporcionado tanto escândalonão obstante, tens-mefeito compreender a santidade. Nada tenho visto no mundo mais devotado à obscuridade,

mais

nada maispuro tenho tocado, nada mais generoso e mais belo.

comprometido, mais falso, mas, por outro lado,

Quantas vezes desejeifechar as portas de minha alma em tuaface, e quantas vezes tenho suplicado para morrer na segurança de teus braços. Não, não posso libertar-me de ti, porque eu sou você, embora não completamente. Epara onde eu iria?12

Deus é Fiel

Procuraria lembrar-me de que Cristo está sempre levantando seus fiéis. E, se em alguma região do mundo a igreja falha em

responder ao Espírito Santo e na obediência à sua palavra, Ele encontra seus fiéis noutra parte. Por isso, preciso evitar uma visão estreita da igreja e observar que Cristo está em atividade no mundo inteiro, para que sua causa não falhe nem se desencoraje. Lembrar-me-ia, especialmente quando me sentisse isolado em minha tarefa e posição, de que Deus tem um povo fiel. Lembrar- me-ia da palavra de Deus a Elias quando ele disse ao Senhor:

“Eu fiquei só, e procuram tirar-me a vida.” Então o Senhor lhe

disse: ‘“Vai, volta ao teu caminho

conservei em Israel sete mil:

todos os joelhos que não se dobraram a Baal, e toda boca que o não beijou.”’ Elizabeth OíConnor escreveu: “Não somos chamados

A IGREJA 47

basicamente para criar novas estruturas para a igreja nesta época, não somos chamados basicamente para um programa de serviço, ou para sonhar sonhos ou visões. Somos chamados antes de tudo para pertencermos a Jesus Cristo como Salvador e Senhor, e para mantermos nossa vida aquecida na fornalha de sua vida. Está ali o fogo ardente que cria novas estruturas e programas de serviço que atraem outros para a igreja, a fim de discernirem e terem visao. 13

eu

me empenharia em orientar e equipar

cada membro para a obra do ministério

responsabilidades e tarefas essenciais de

um pastor é equipar e capacitar cada membro para o ministério. Cada cristão recebeu um dom. Cada um deve ser estimulado por todos os meios a usar esse dom no trabalho do reino. Um pastor que não esteja capacitando os membros para o ministério toma- se finalmente um fracasso, não importando quão grande ele possa ser como pregador, organizador ou empreendedor de programas da igreja. Efésios 4.12-16 é uma passagem que realça esta função básica de um líder espiritual. Ela visa o “aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo, para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro, e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro. Mas, seguindo a verdade em

T _T ma das maiores

50

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

amor, cresçamos em tudo naquele que é o cabeça, Cristo, de quem todo o corpo, bem ajustado e consolidado, pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para a edificação de si mesmo em amor.” Esta bonita passagem dá uma clara orientação com vistas ao objetivo final de toda nossa pregação, ensino e serviço. Todo nosso trabalho é equipar cada membro para não somente crescer conforme a semelhança de Cristo e ter discernimento espiritual, mas para preencher o lugar de cada pessoa na edificação da unidade, crescimento e amor no Corpo de Cristo. Nossa tarefa é incentivar, edificar e capacitar cada membro do Corpo de Cristo, de sorte que cada um sinta a significação do chamado de Cristo e assuma a responsabilidade de utilizar seu dom para a edificação do seu Corpo.

O Teste Final

Eis aqui uma espécie de teste final da efetividade de um ministério. Alguns formaram muitos adeptos por meio da sua eloqüência e personalidade dinâmica ou habilidade de se expresssar. Grandes congregações cresceram durante uma geração em tomo desses líderes. Contudo, o teste ocorre quando essas fortes personalidades saem de cena. O teste consiste em saber se eles foram os equipadores de outrem para o ministério. Muitas vezes tais líderes tiveram apenas um cortejo de admiradores, mas não formaram um corpo de crentes que ministram realizando o trabalho de Cristo no mundo. Lembro-me de um destacado pregador de uma prestigiosa congregação que lamentava precisamente este fato. Ele afirmou que a congregação fora edificada em tomo de um bem conhecido pregador. Após o falecimento desse pregador, a congregação procurou outro ministro que pudesse comandar o mesmo tipo de

EQUIPAR CADA MEMBRO 51

ouvintes. Agora ele era um nessa sucessão de ministros. Seu desapontamento era que a congregação, através dos anos, foi um ajuntamento de sentadores e não de servidores. O povo gostava de ouvir, mas nunca aprendeu a trabalhar para o Senhor. A congregação era um grupo de indivíduos que se divertiam num teatro, e não um corpo, bem estruturado, equipado e trabalhando junto para sua própria edificação em amor. Como muitos ministros, comecei supondo que o trabalho da igreja era minha responsabilidade. Mas, que desafio e alívio tive quando percebi que meu chamado era para equipar cada crente a viver a vida de Cristo e a fazer o trabalho de Cristo no mundo, exatamente onde cada um vivia! Hoje eu preferiria ser o pastor de uma dúzia de pessoas que estão sendo equipadas e ativas em todos os tipos de serviço do que ser o pastor de mil pessoas que enchem os bancos da igreja, mas que têm pouca idéia do que significa funcionar como Corpo de Cristo. Pelo menos Cristo deve ter pensado que este era o meio de realizar esse trabalho. Ele é nosso exemplo e mostra o meio de disciplinar pessoas para o ministério.

A Grande Comissão

Na Grande Comissão (Mateus 28.18-20), a ordem é fazer discípulos. Os outros três verbos “ir”, “batizar” e “ensinar” são para o treinamento do ministério. Alguns observadores disseram que o declínio da igreja na Europa Ocidental era devido à falta de treinamento através dos anos. A igreja norte-americana está indo atualmente na mesma direção. Em The Disciple-Making Pastor (O Pastor Fazedor de Discípulos), o melhor livro recente sobre o discipulado de pessoas de que estou informado, Bill Hull afirma que não muita coisa mudará para melhor na igreja até que os pastores comecem a

52

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

treinar discípulos, como Jesus fazia. Enquanto as congregações permitirem que os pastores dediquem seu tempo treinando a

minoria espiritualmente bem, em lugar de se preocupar com a maioria de desmotivados e desobedientes, as pessoas não viverão

e servirão como Cristo espera.14 Se eu estivesse começando meu ministério de novo, eu dedicaria preparação, tempo e atenção individualizada para discipular pessoas que, por sua vez, discipulassem outras. Um inadequado ministério de discipulado é evidente quando

é difícil encontrar pessoas que ocupem posições para ensinar e

servir na congregação, quando os grupos de estudos bíblicos e de oração param de crescer, quando as contribuições declinam, quando não há séria preocupação com os não freqüentadores da igreja e as missões mundiais, e quando uma congregação não produz ministros e líderes espirituais equivalentes à sua própria necessidade, e além dela. No centro da liderança pastoral está um discipulado leigo com dons espirituais discernidos, desenvolvidos e estendidos. Se este tipo de discipulado não está acontecendo, eu consideraria o

recomeço de meu ministério. A certa altura de meu ministério, planejei um curso de discipulado e convidei toda e qualquer pessoa a juntar-se a mim num prolongado período de estudo e experiência prática. Eu queria iniciar somente com aqueles que tivessem o real anseio de participar dessa espécie de curso. Entretanto, somente umas poucas pessoas manifestaram interesse. Diante disto, a idéia foi descartada. Percebo agora que Jesus selecionou e chamou certas pessoas para integrarem um programa de treinamento, após oração ejejum. Portanto, se eu estivesse começando meu ministério de novo, eu proporia um curso e escolheria e chamaria dez ou doze pessoas

EQUIPAR CADA MEMBRO 53

da congregação, convidando-as a associar-se a mim neste extenso

e sério curso de discipulado. Um dos objetivos de tal estudo seria

o de que, uma vez terminado o curso, os novos discípulos de Jesus se tomassem professores de outro grupo. Desta forma, o discipulado poderia expandir-se grandemente no Corpo de Cristo. Aparentemente, a escola dominical, a pregação e outros programas congregacionais não estão realizando o trabalho de discipular as pessoas. Um caminho melhor deve ser encontrado.

É impossível melhorar o método de Jesus, e se eu estivesse

começando meu ministério de novo, faria desse modelo de discipulado a principal responsabilidade de meu ministério.

eu

procuraria e incentivaria

a formação de centros criativos

r* erto dia, numa viagem, comecei a ler uma revista de negócios. Um artigo chamou minha atenção. O autor dizia que qualquer negócio que encontra seu centro criativo e se fixa nele prospera. Imediatamente, numerosos centros criativos na congregação vieram à minha mente. Em todas as congregações há pessoas que têm interesse específico por oração ejejum. Cada congregação tem outros que têm interesse particular pelo estudo da Escritura, administração, ensino, hospitalidade, diferentes tipos de serviço e missão, atividade assistencial, música, orientação familiar e aconselhamento aos jovens, idosos, solteiros, viúvos, problemas de saúde, além de outras áreas de interesse cristão. O líder que estimular os interesses de pessoas e habilitá-las nessas áreas terá uma generosa recompensa. Esperar que todos ou uma grande parte dos membros tenham a visão antes de ,f estimular as pessoas com vistas a tais interesses e s p e c í f i c o s ^ significa que muitas idéias e projetos serão sufocados ou jamais iniciados.

56

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

Por isso, se eu tivesse de fazer tudo outra vez, dispensaria uma atenção peculiar a esses centros criativos, e faria tudo o que pudesse para incentivar pessoas que manifestam interesse ou mostram preocupação ou visão particular numa ou noutra área. Creio que Deus concede esses dons à igreja para o benefício de todo o Corpo, e freqüentemente as melhores coisas que acontecem

são aquelas que começam com o interesse ou visão de uma ou duas pessoas. Se eu encontrasse tal centro criativo, eu o apoiaria certo de que a igreja prosperaria. /' Boa parte de meu tempo no ministério tem sido consagrado a

j pessoas que não querem crescer, ministrar ou ser assistidas. Penso

\ que eu teria avançado muito mais, se tivesse incentivado aqueles \ que tinham interesse em crescer e servir, dando-lhes então

j oportunidades de compartilhar o que Deus estava fazendo em suas vidas. Uma pessoa jovem inflamada por Cristo pode agitar

| todo um grupo j ovem. Um pai ou mãe fiel a Cristo pode estimular

/ toda a família. Uma pessoa de oração pode ser usada por Deus

/ para reverter a corrente da letargia espiritual. Tais pessoas

■ precisam de uma palavra de encorajamento para fazerem

| provavelmente mais pela renovação da vida espiritual do que

\ muitos e muitos sermões.

eu

daria uma ênfase

preponderante à oração

a terceira declaração de Deus aos pastores, em Jeremias, Deus diz que os resultados da falta de oração da parte dos líderes são a estupidez e a preguiça. Eles não têm mensagem, não prosperam, e as ovelhas estão dispersas (Jeremias 10.21). Antes de Deus realizar um trabalho no meio de seu povo, esse trabalho é sempre precedido de uma oração da parte do povo. Todo reavivamento espiritual começa como um movimento unido de oração. Sabedor de que isto é verdade, e como uma pessoa que tem estudado e demonstrado grande interesse na história dos avivamentos espirituais através dos séculos, eu procuraria guiar minha congregação para que ela se tomasse um povo de oração,,-/ A oração tinha um lugar preponderante na vida de nosso Senhor. Ele era um exemplo de oração e impelia seus discípulos a orar sempre. A igreja primitiva prosperou com oração e jejum.

Um Chamado Pessoal à Oração

Uma vida de oração persistente e eficaz é uma prova

60

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

consistente de que uma pessoa é chamada por Deus para o ministério. A oração confirma o direito de uma pessoa à liderança espiritual. Um líder ou professor que não tenha uma vida essencialmente de oração não pode merecer confiança nas coisas de Deus, porque a verdade espiritual é corretamente compreendida somente em comunhão de amor com Deus por intermédio do Espírito Santo. Cario Carreto, em seu livro The God Who Comes (O Deus Que Vem), discorre como a vontade de Deus se toma real para nós na prática da oração e da contemplação. Ele enfatiza o quão essencial é a oração para o entendimento da verdade espiritual. A percepção espiritual diante da verdadeira natureza e obras de Deus não é concedida a nível humano. Ninguém conhece as coisas de Deus, a não ser pelo Espírito de Deus. Deus e a verdade espiritual não podem ser conhecidos por meio do intelecto, ou somente através de graus ou doutrinas ou teologia, mas somente quando associado à oração. “Esta é a razão por que”, diz Carretto, “não acredito em teólogos que não oram, que não estão em humilde comunhão de amor com Deus.” Enquanto não aprendermos a orar, a fé e o poder espiritual— sim, a vida religiosa como tal é um livro fechado. Onde não houver uma vida de oração eficaz, o próprio coração da vida espiritual pára de bater, e nossa vida religiosa toma-se entorpecida na forma, no comportamento e no dogma. E. Stanley Jones escreveu: “Se eu tivesse um dom e um único dom para servir à igreja cristã, eu ofereceria o dom da oração, pois todas as coisas resultam da oração. “A oração fortalece a vida total. Descobri que, pela efetiva experiência, sou melhor ou pior à medida que oro mais ou menos. Se minha vida de oração se enfraquece, toda minha vida se enfraquece com ela. Se minha vida de oração se eleva, minha vida como um todo se eleva com ela. Falhar aqui é falhar em toda

A ORAÇÃO 61

a linha; ser bem-sucedido aqui é ser bem-sucedido em toda parte. “Na verdadeira oração a batalha da vida espiritual é perdida ou vencida.”15 Pregadores ou professores ou demais líderes espirituais que não oram não podem ser confiáveis para transmitir a verdade de Deus. Sem a oração, as pessoas tomam-se estúpidas em coisas espirituais. Existe qualquer outra coisa que comprove nossa obediência à Escritura mais do que a oração? Existe qualquer coisa que comprove nossa fé em Deus? Existe alguma coisa mais recomendada e ordenada do que a oração? Especialmente os líderes do povo de Deus devem ser pessoas de oração. A grande declaração apostólica é: “quanto a nós, nos consagraremos à oração e ao ministério da palavra” (Atos 6.4). Líderes sem oração são líderes sem poder, que produzem seguidores sem oração e sem poder. Até que aprendamos a orar e conhecer a revelação à verdade espiritual que a oração proporciona, permanecemos descrentes no coração, independentemente de quantas doutrinas declaramos ou quanta teologia ensinamos. Nosso trabalho deixará de prosperar e nosso povo se desviará.

y Toda vez que há uma crise na igreja, ela é sempre,

(j fundamentalmente, uma crise de oração. Particularmente em relação aos líderes, pode-se questionar se eles têm um chamado para o ministério, considerando que não são pessoas de oração. Pode ser dito com certeza que um líder espiritual que não é uma pessoa de oração é um líder que vive em desobediência às reiteradas ordens da Escritura para devotar-se à oração. Nossa influência em favor de Deus depende finalmente de nosso conhecimento direto do mundo invisível e de nossa experiência na oração. O amor, a percepção, o tato nascem da oração e da contemplação. A inflexibilidade, a cegueira espiritual

e o conflito com outros resultam da falta de comunhão com Deus.

62

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

Durante os grande reavivamentos de Gales, um pregador era maravilhosamente bem-sucedido. Ele tinha apenas um sermão,

mas, por meio dele, centenas foram levadas a Cristo. Até bem distante do isolado vale onde vivia o fiel pregador as notícias do seu esplêndido sucesso foram divulgadas e chegaram

a outro pregador. Este ficou ansioso por descobrir o segredo

daquele ministro. Então partiu seguindo por uma longa e cansativa estrada, até alcançar finalmente a humilde cabana onde morava o

bom ministro. “Amigo”, perguntou o visitante, “de onde você tirou esse sermão?” Ele foi levado pelo hospedeiro a uma sala pobremente

mobiliada, e o pregador mostrou-lhe um lugar onde o tapete estava gasto, perto de umajanela que dava para as montanhas majestosas.

O velho ministro disse: “Amigo, é daqui que eu tiro meu sermão.

Meu coração estava pesado durante semanas. Uma noite ajoelhei- me ali e pedi a Deus poder para pregar como nunca tinha pregado antes. As horas passaram até que o relógio assinalou meia-noite,

e as estrelas olhavam o vale adormecido e as montanhas silentes;

mas a resposta não vinha. Então orei até que vi um pálido ponto cinzento no alto da montanha a leste. Logo o ponto ficou prata, e

eu olhei e orei até que a prata se tomasse púrpura e ouro, e por toda a franja da montanha acendeu-se o altar de fogo de um novo dia. Então o sermão veio, e veio o poder, e me deitei e dormi, e levantei-me e preguei. E um grande número de pessoas caiu diante do fogo de Deus. Foi dali que tirei meu sermão!”

A Prática da Oração

Eu também procuraria levar minha congregação a tomar-se uma congregação de oração. Jesus disse: “A minha casa será chamada casa de oração” (Mateus 21.13). Estou persuadido de que qualquer congregação, com um décimo de seus membros em intercessão diária pelo trabalho de Deus, prosperará

A ORAÇÃO 63

espiritualmente e de todas as formas. Assim, pois, eu procuraria levar meu povo à prática da oração no quarto, da oração em grupo, da oração pactuada, e da oração constante. Jesus falou sobre o quarto para orar: “Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto, e, fechada a porta, orarás a teu Pai

que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará” (Mateus 6.6).

A recom endação de Deus para orar em grupo, ou

coletivamente, espalha-se por toda a Escritura, sendo ilustrada repetidas vezes através da história. Deus se manifesta de modo poderoso sempre que seu povo se une em oração.

A oração pactuada contém uma grande promessa: “Se dois

dentre vós, sobre a terra, concordarem a respeito de qualquer coisa que porventura pedirem, ser-lhes-á concedida” (Mateus 18.19).

O privilégio e poder da oração pactuada, seja de marido e mulher ou de um crente com outro, tem sido muito negligenciado. Mas, quando é assumido e os crentes pactuam juntos, as promessas de Deus se cumprem.

A oração constante é o privilégio de cada crente, onde quer

que ele se encontre. Então podemos orar literalmente centenas de vezes por dia ao elevarmos nossas vozes em ações de graças, louvor, intercessão e petição. A oração constante é uma prática maravilhosa a ser seguida. E o ministro que ensina o povo a orar colherá abundantes recompensas, não somente em orações respondidas, mas em vidas e relações transformadas. É verdade que “a oração muda as coisas” e “a oração muda as pessoas”. Nenhuma congregação dará testemunho sem a oração unida, e nenhuma congregação dará suporte a pessoas que são levadas a Cristo, a menos que seja uma congregação de oração. A oração prepara o povo, instilando nele compaixão pelos outros. A oração prepara os corações daqueles que necessitam de Cristo.

eu

procuraria sempre lembrar-me

de que meu chamado não é para controlar a fé das pessoas, mas para amá-las dentro do reino de Deus

- tC m Jeremias 12.10,11 Deus se queixa dos pastores que não

têm compaixão. Sem compaixão eles se tomam destruidores das vinhas de Deus. É muito fácil perder um coração compassivo. Compaixão é a palavra mais usada no Novo Testamento para descrever os sentimentos de Jesus. As pessoas devem sentir nosso amor por elas, se tiverem de reagir ao nosso ministério. Elas precisam sentir

a expressão de nossa compaixão nas crises, mágoas e anseios. Há um surpreendente alívio em acreditar que Deus opera mudança em vidas. Meu trabalho não é mudar as pessoas. Devo amar as pessoas e aceitá-las. É trabalho do Espírito Santo convencer, condenar e converter. Oswald Chambers escreveu:

“Tenha cuidado para não fazer o papel de hipócrita despendendo todo o seu tempo tentando fazer dos outros justos antes de você mesmo adorar a Deus.” Um crente espiritual não requer que as pessoas creiam nesta ou naquela doutrina, mas que elas tenham suas vidas conformadas à vontade e semelhança de Cristo.

66

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

É um alívio quando um servo de Cristo se compenetra de que o serviço não é para mudar as pessoas ou controlá-las, mas para prover um relacionamento que liberta as pessoas para que compreendam que a liberdade em Cristo é que as livra de toda prisão e sujeição. No início, o ministro se inclina a pregar a verdade, como a compreende, sem importar-se a quem e onde ele fere ou magoa. Com alguma pessoas, a maturidade espiritual, paciência, compaixão e misericórdia se tomam mais importantes. Tenho orado muitas vezes: “Senhor, permite-me falar a verdade em amor. Se não puder dizê-la em amor, ajuda-me a não dizê-la.” As saudações de Paulo nas Epístolas são “graça e paz”. Quando escreve aos pregadores, ele escreve: “graça, misericórdia e paz.”

Amado no Reino

Se cometo enganos, oro para que eles sejam do lado da misericórdia e do amor. Finalmente as pessoas são amadas no Reino e alcançaremos tantas quantas tenhamos a capacidade de amar. “O amor nunca falha.” Andrew Blackwood, em seu livro The Voicefrom de Cross (A Voz da Cruz), conta uma história aprazível de como o amor de um pregador mudou uma comunidade inteira. Duas comunidades rurais situam-se cerca de oito quilômetros distantes uma da outra, sob o mesmo sol e nuvens. Os fazendeiros de cada distrito cultivam as mesmas espécies de plantações. Eles enfrentam os mesmos problemas ano após ano. Metade das pessoas de uma comunidade têm parentesco com metade das pessoas da outra. As duas vizinhanças são tão parecidas como podem ser as vizinhanças, em tudo, exceto num importante aspecto. Numa comunidade há contenda. O corpo de bombeiros, o

O AMOR 67

conselho da escola e os sitiantes estão sempre se desentendendo. Na outra comunidade há harmonia, carregando cada um o fardo do outro, fazendo cada um o que é possível. A diferença entre as duas comunidades pode ser determinada pela influência de um homem, um ministro que viveu na comunidade das boas relações por muitos anos. Ele não era nenhum gênio do púlpito, nem era um organizador de igreja. Mas uma coisa ele fazia constantemente e bem. Ele refletia o amor de Cristo. Ele amava as pessoas. Quando chegou à pequena igreja, ele encontrou uma congregação dilacerada pela dissensão, numa vizinhança permeada pelo ódio. Embora não deixasse de condenar, ele amava ambas as partes em cada disputa e procurava guiá-las a uma solução temente a Deus. Ele amava as pessoas quando eram detestáveis, e algumas vezes elas o eram de forma surpreendente. Procurava o lado bom nas mais desprezíveis delas, e incentivava as pessoas boas a serem melhores. Ele viveu para ver uma comunidade transformada. De uma igreja isolada no topo da colina, onde ele labutava com amor, uma contínua corrente de homens e mulheres jovens abraçava as vocações cristãs. Os que decidiam ficar em casa viviam como cristãos.16 Talvez tudo isto pareça uma pequena façanha, mas consideremos o que acontece sem amor. Há alguns anos um jovem líder brilhante e talentoso foi enviado ao campo missionário. Ele era crítico e autoritário. Era facilmente irritável e impaciente. Criava atritos por agir de forma errada e provocava as pessoas. Por fim, as pessoas escreveram à junta de missões pedindo que ele fosse chamado de volta, uma vez que era mais um estorvo do que uma ajuda.

68

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

Depois que ajunta se reuniu e discutiu o que deveria ser feito,

o secretário escreveu uma carta ao jovem missionário: “Você

permanecerá com uma condição. A condição é que você leia 1 Coríntios 13 cada dia durante o próximo ano.” Antes que o ano chegasse à metade, ocorreu uma transformação. As mesmas pessoas que escreveram pedindo sua demissão agora escreveram pedindo sua continuação. Passados alguns anos, as mesmas pessoas escreveram àjunta pedindo que ele fosse designado bispo.

E ele serviu por mais de cinqüenta anos como um líder eficiente

da igreja de Cristo.

Transbordamento

O verdadeiro trabalho pastoral é o fluxo do amor espontâneo. Sem amor, nenhuma habilidade do mundo ajudará; com amor, nenhuma quantidade de erros levará a pessoa a falhar. “O amor nunca falha.” Um jovem pastor começou num local difícil de uma grande cidade. Parei ali para vê-lo. Quando conversávamos no parque da cidade, ele disse: “Tenho um pacto com Deus de amar cada pessoa que Ele enviar para minha igreja.” Não surpreende que Deus esteja fazendo milagres de regeneração, e que pessoas estejam vindo ouvir sua mensagem e receber sua ajuda. Numa gande conferência interdenominacional, um pequeno grupo reuniu-se para orar entre as sessões. No último dia um pas­ tor confessou que tinha ido à conferência em busca de ajuda. Se

ele não encontrasse ajuda, deixaria o ministério. “E Deus mostrou- me aqui”, disse ele, “que eu não amo meu rebanho. Fico agitado

e irado com seu comportamento. Deus mostrou-me que devo,

com o amor de Cristo, voltar e amar meu povo.” Juntamo-nos em oração, impondo as mãos sobre esse pastor, pedindo a Deus que o enchesse do amor divino. Alguns meses

O AMOR 69

mais tarde recebi uma carta. “As coisas estão florescendo por aqui”, disse ele. “Deus tem-me dado um grande amor por meu rebanho.” Malcolm Muggeridge informa que a maior doença hoje não é a lepra ou a tuberculose, mas sim o sentimento de ser indesejado, desprotegido e abandonado por todo mundo. E o maior mal é a falta de amor, a terrível indiferença para com os que vivem em necessidade à beira da estrada. Para esses precisamos permitir que o amor de Cristo flua por nosso intermédio.

eu

procuraria estar sempre cônscio

de que Deus está operando, geralm ente em pessoas, lugares e programas, nos quais eu menos espero que Ele esteja agindo

T A. enho aprendido mais e mais a temer colocar Deus numa caixa. Os líderes religiosos do tempo de Jesus imaginavam Deus de tal modo que não podiam ver ou compreender sua obra desenrolada bem diante deles. Deus é tão revigoradamente novo que raramente faz— se alguma vez o faz—a mesma coisa duas vezes do mesmo modo. Pessoalmente, quando penso que tenho Deus todo estereotipado, Ele está operando em algum outro lugar e fazendo a coisa de um modo diferente do que eu havia planejado ou esperado. Isto é cada vez mais excitante. Oswald Chambers disse em My Utmost fo r His Highest (O Máximo de Mim para o Altíssimo): “Quando estamos certos do modo como Deus vai agir, Ele nunca mais volta a agir do mesmo modo.” O teólogo italiano Cario Carretto disse em The God Who Comes (op. cit.): “Se você me perguntar como Deus se revela a

mim, respondo: ‘Ele se revela com inovação.’

Deus é

72

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

eternamente novo. Ele nunca se repete.” Um dos testes da sensibilidade espiritual é a capacidade de ver Cristo em ação, ouvir seu sussurro acima das palavras do mundo e sentir sua presença em toda parte. A natureza humana espera e anela pelo método dramático e instantâneo pelo qual Cristo opera. A natureza divina discerne sua presença e trabalho na solidão e no silêncio, nos mínimos acontecimentos de cada dia, na serena e pequenina voz. Devemos perceber que Deus já está agindo antes de chegarmos lá. t" Em seu livro Overhearing the Gospel (Ouvindo o Evangelho . Por Acaso), Fred B. Craddock diz que não é nossa função decidir I antecipadamente qual é o solo bom e reter a semente destinada a 1todos os outros solos. O Evangelho^jjuandp anunciado, cria “determina seus próprios ouvintes. Craddock fala de uma lição aprendidanuma experiência lembrada de sua adolescência tímida e assustada. “Uma bonita jovem tinha mudado para nossa cidade e para nossa escola. Ela se tornou imediatamente popular. Admirando-a à distância, pedi-lhe, na privacidade de minha mente, que fosse comigo ao cinema. Olhei para ela, depois olhei para mim mesmo, e, na privacidade de minha mente, ela disse não. Nos dias que se seguiram fiquei magoado e irado porque ela me rejeitou—uma decisão que não se permitiu que ela tomasse.” Assim, diz Craddock, “pode dar-se o caso de que, quando falamos a muitos, somente uns poucos ouvem; entretanto, não fomos chamados para falar a poucos e depois queixar-nos de que não há muitos.”17 Temos de orar sempre e chegar até as pessoas com o pensamento de que Deus já está operando em suas mentes e corações. Cristo morreu por cada pessoa, e, sabendo disto, temos Deus já trabalhando em nosso favor. O Espírito Santo está ansioso por tomar a Boa Nova real a cada pessoa. Assim, temos essa

DEUS ESTÁ AGINDO 73

ansiosidade a nosso favor e sentimos que a Palavra de Deus não voltará vazia. Temos também esta segurança para nos impulsionar à fidelidade. Tampouco podemos alegar que estamos preocupados com o mundo perdido, se não estamos preocupados com aqueles que encontramos dia após dia. Se eu estivesse começando meu ministério de novo, eu me lembraria de que Deus está no meio de seu povo. No poema “O Equívoco do Pregador”, Brewer Mat- tocks (médico, escritor e filho de um ministro presbiteriano) nos derruba de nosso campanário.

O sacerdote da Paróquia da Austeridade subiu ao alto campanário da igreja

Para ficar mais perto de Deus, deforma que pudesse transmitir Sua palavra a seu povo.

Quando o sol estava alto,

quando o sol estava baixo,

O bom homem sentado distraído

coisas sublunares Da transcendência estava ele lendo continuamente.

E de vez em quando

ouvindo ele o ranger do cata-vento girando, Fechava seus olhos e dizia: “Na verdade, de Deus estou agora aprendendo. ”

74 SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

E

no manuscrito do sermão ele escrevia diariamente o que pensava tinha vindo do céu.

E

ele deixava cair isto sobre as cabeças de seu povo duas vezes num dia da semana.

Em sua hora disse Deus

“Desça daí e morra! ”

E

E

ele gritou do campanário:

“Onde estás, Senhor? ”

o Senhor respondeu:

“Aqui embaixo no meio do meu povo. ”18

eu

procuraria sempre

estou ministrando somei transbordamento, e que somente com base num

ibrar que fora do Fruto é produ >vo cresci me

Q

U

e estou eu mesmo precariamente fazendo isso, estou dando

pouco valor a qualquer outro.

Em sua primeira epístola, o apóstolo João diz que a Palavra foi audível primeiro em Cristo: “Nós ouvimos.” Depois ela foi visível— “Nós vimos.” A palavra tomou-se came. Finalmente

ela se tomou tangível—“Nós o tocamos com nossas mãos.”

Portanto, em nosso ministério, não é suficiente simplesmente dizer, falar ou pregar a Palavra, por mais importante que isto seja. As pessoas devem também ver essa palavra na vida daquele que fala. “A palavra deve novamente tomar-se came.” Além disto, essa palavra deve também comprovar que é verdadeira na prova

tangível, na qual nós mesmos dizemos e outros podem dizer: “A verdade foi testada no crisol da experiência e da vida, e provou

que é verdadeira.”

78

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

Amor, perdão e todas as verdades do Evangelho devem não somente ser proclamadas do púlpito, mas devem ser proclamadas

e retratadas nas relações terrenas da vida de cada dia. E aqui onde

a verdade é testada. Para isto, deve haver o desenvolvimento da

vida interior ou, do contrário, o que é dito e feito toma-se oco e

hipócrita. O ministério eficaz surge daquelas áreas em que tenho permitido que o Senhor me toque. Enquanto Deus não realiza sua obra em mim, serei provavelmente mais um empecilho do que uma ajuda a outros em meu ministério. Isto não quer dizer que Deus não abençoe além da minha fraca fé e insuficiente esforço. O que isto quer dizer é que serei mais eficaz nas áreas para as quais Deus me chamou para mostrar maior fidelidade, e nas quais tenho respondido com obediência. Não devo esperar que as pessoas orem, se não sou uma pessoa de oração. Não devo esperar que as pessoas sejam contribuintes com sacrifício, se não contribuo com sacrifício. Não devo esperar que as pessoas assumam um novo compromisso, se não sou um exemplo. Em tudo isto a Escritura diz que um líder deve ser “um exemplo para os que crêem”. O ministro deve ser a primeira testemunha do que ele prega e ensina. A mensagem que pregamos deve ser modelada. Somente qüando somos libertados por Cristo podemos conduzir outras pessoas à liberdade em Cristo. Somente quando estamos crescendo podemos levar pessoas a um novo crescimento. Não devemos esperar que nossa mensagem seja eficaz, se o que pregamos não

é verdadeiro em nossas vidas. Henri Nouwen escreve: “A grande

/ ilusão da liderança é pensar que uma pessoa pode ser tirada do

deserto por alguém que nunca esteve lá.”

u

um simples pedaço de barbante. Ele o colocou sobre uma mesa e

O Presidente Eisenhower demonstrou a arte da liderança c

O FRUTO 79

disse: “Puxe-o e ele irá aonde você quiser. Empurre-o e ele não irá a lugar algum. É exatamente este o caminho quando se trata de liderar pessoas.” Se eu estivesse começando de novo, procuraria ser não somente alguém que conhece e mostra o caminho, mas também alguém que anda no caminho. O pastor vai adiante das ovelhas.

Marcas dos Falsos lideres

Em suas últimas palavras dentro das paredes do templo, Jesus nos deu três claras características dos falsos líderes. Ele os chamou de hipócritas, guias cegos, insensatos e serpentes. Esta é a forte linguagem em Mateus 23, usada para nos inculcar o critério de avaliação de Jesus para diferenciar os líderes falsos dos verdadeiramente espirituais. 1) Falsos líderes são aqueles que “não praticam o que pregam”. Pedir ao povo que seja ou faça o que nós mesmos não queremos ser nem fazer é hipocrisia. É uma marca de um falso líder. Jesus diz que tais são também os que colocam fardos sobre os outros, que eles mesmos não carregam. Cuidado com esses que pregam ou ensinam o que não praticam. Os líderes espirituais primeiro praticam, e em segundo lugar pregam e ensinam. Os verdadeiros líderes dizem: “Sigam-me como eu sigo a Cristo.” Os verdadeiros líderes são aqueles que não somente conhecem e mostram o caminho, mas são também os que andam no caminho. 2) Os falsos líderes são ostentadores. Jesus diz: “Todas as coisas que fazem é para serem vistos pelas pessoas.” Tais líderes adoram um show. Eles fazem o que deixa uma impressão no eu, chama a atenção e edifica o próprio status e reputação. Essas pessoas podem fazer compridas orações em público, mas curtas na privacidade. Eles contribuem somente se estão sendo notados. Em primeiro lugar está o desejo de serem vistos. Esta prática está

80

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

longe de ser a postura do ministério daqueles que dizem sinceramente: “Não nós, mas Cristo seja honrado, louvado e exaltado.” 3) Os falsos líderes amam a preeminência. Jesus diz que ele “amam os lugares de honra nos banquetes e os assentos mais importantes na igreja”. Eles amam ser saudados em lugares públicos e de ser chamados de professor, doutor, presidente, reverendo e bispo. Os falsos líderes estarão presentes quando ficarem no centro do palco ou na direção, mas raramente se apresentam quando uma outra pessoa ministra ou lidera. Os falsos líderes gostam de ser honrados, elogiados e reconhecidos por sua posição e feitos. “Em honra preferindo uns aos outros” é um lema ausente de suas vidas. Em contraste, Jesus menciona dois testes dos verdadeiros líderes espirituais e que continuam vigentes e claros. São eles a humildade e o espírito de serviço. Estes atributos estão em tão completo contraste com as marcas dos falsos líderes que podem ser facilmente discernidos. Eles sempre caracterizarão aqueles que procuram servir e seguir a Cristo. Cristo humilhou-se e tomou-se servo. Os líderes espirituais verdadeiros serão sempre conhecidos por um espírito que desvia os olhos das pessoas deles para Cristo. Os verdadeiros líderes procuram o privilégio de servir e não uma posição para serem servidos. O fruto é produzido com o novo crescimento, e todo fruto do Espírito Santo é produzido em relação a outras pessoas. Podemos, por exemplo, crescer somente pela resignação, quando alguém testa o quanto podemos sofrer; assim também para todo fruto. E parece que Deus tem sempre permitido que as pessoas que nos cercam testem nosso amor, paciência, alegria e outros frutos. No correr dos anos, em muitas congregações por onde passei,

O FRUTO 81

aprendi que cada congregação tem “uma situação”. Depois de

estar numa congregação por vários dias, o pastor habitualmente

“Temos uma ‘situação’ nesta congregação.” E essa

“situação” é geralmente uma pessoa que está se tomando difícil para o pastor e para outros. O teste é se posso continuar a tratar essas pessoas, que me confrontam e desafiam, combenignidade, amor e respeito. Outros

estão esperando ver como um representante de Cristo lida com pessoas difíceis. Eles sabem que amo meus amigos, mas eles querem saber se posso amar os que se opõem a mim—até mesmo meus inimigos—na congregação. É aqui que Deus me ensina o sentido do amor não correspondido ou não retribuído.

confidencia:

eu

seria fortemefite atr;

a plantação de igreja, e ní

congregação estabelecidc

ido p<

para uma

E u ponderaria e oraria muito mais tempo antes de decidir

tomar-me pastor de uma congregação que tem ouvido o Evangelho durante anos, que tem muitas pessoas capazes para ensinar a Escritura, e a qual já está bem provida de muitos dons e pessoas que às vezes disputam responsabilidade e posição. Por que não ir aonde há maior necessidade? Enquanto a congregação estabelecida é um desafio, e há ali muita necessidade, ela é exatamente isto: “estabelecida”. Geralmente, sem levar em conta a denominação, ela é anticrescimento e exclusiva, a despeito de se expressar de modo contrário. E raramente séria acerca do evangelismo. Em seus melhores dias, ela está ali para acolher osjustos e não para amar os pecadores. Tenho aprendido que a expressão mais comum numa congregação estabelecida é: “Você jamais reconheceria esta congregação.” Ou: “Esta congregação costumava ser uma encantadora pequena congregação sem quaisquer problemas.”A

84

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

implicação destas declarações são grandes. E essas implicações são logo percebidas pelo recém-chegado. A congregação estabelecida pode receber uma pequena porcentagem de recém- chegados—uns poucos que se casam dentro da família certa ou que se mantêm absolutamente reticentes quanto à decisão a tomar. A congregação estabelecida, grande ou pequena, também não produz o equivalente à sua própria liderança pastoral. Muitas vezes ela tem de sair à procura de seus líderes. Embora, sem dúvida, o Senhor chame pastores para as congregações estabelecidas, se eu estivesse começando meu ministério de novo, eu sentiria um forte impulso em direção à plantação de igreja, onde haveria liberdade e a excitação de alcançar pessoas que não tiveram repetidamente de ouvir o Evangelho ou, por alguma razão, se afastaram da igreja estabelecida. Eu procuraria ter em mente que a congregação manterá provavelmente seu propósito original. Se uma congregação começou para satisfazer às necessidade dos membros denominacionais que se mudam para a área, ela continuará com esse propósito básico e, provavelmente, nunca será uma igreja que atenda a comunidade. Se uma congregação foi iniciada com o propósito fundamental de ir ao encontro das necessidades e das famílias da comunidade, ela continuará a perseguir essa perspectiva. Portanto, se eu estivesse começando meu ministério de novo, eu consideraria mais cuidadosamente a necessidade, antes de decidir onde servir. Se dez pessoas estivessem carregando uma pesada tora e nove estivessem numa ponta e uma na outra, qual das pontas precisaria de minha ajuda? Se meio hectare tivesse apenas umas poucas espigas de milho, enquanto ao lado cinqüenta hectares estivessem maduros para a colheita, onde deveria eu trabalhar?

eu

procuraria ser mais disciplinado

na prática do contato pessoal através da visitação ao rebanho

as visitas aos lares os corações se abrem e o Evangelho de Cristo pode ser ministrado por meios mais pessoais. E aí que o ministro tem o privilégio peculiar de orar com e em favor das ovelhas, de forma muito pessoal, sobre todos os tipos de preocupações e necessidades. Éverdade: um pastor que visita os lares tem a igreja cheia de fiéis. Porém, mais que isto, um programa de visitação centralizado em Cristo estabelece relações com Cristo e abre os corações das pessoas mais do que qualquer outra coisa que um ministro possa fazer. A visitação também cria um laço entre o púlpito e a família. Uma pessoa não terá anseio de se apropriar de qualquer coisa que é pregada no púlpito, mas não consolidada no lar. Um pastor que ama suas ovelhas tem de estar com as ovelhas.// Henry B. Williams testemunha: “Posso conhecer mais da importância prática a respeito dos membros de um dado lar por meio de uma visita pastoral do que posso obter em dez anos de encontros casuais e apressados com esses mesmos membros no

.

88

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

saguão da saída, após o culto da manhã de domingo.” Numa visita aprende-se mais do que numa dúzia de seminários. Na visita estou em contato com as perguntas que as pessoas estão fazendo. “O sermão parece sempre melhor no domingo de manhã, quando recebo um aperto de mão do pastor durante a semana.” Talvez poucos podem ter a habilidade do pastor que conhecia pelo nome cada um dos cinco mil membros da sua igreja, mas a maioria pode ser muito enriquecida através de um programa de visitação. Precisei chegar ao meu último pastorado para ter as boas sensações da minha prática de visitação, e então percebi que um trabalho muito melhor podia ser feito. Gostaria de poder começar de novo.

Um Flano Definido

Pelo fato de fazer muito poucas visitas sem um itinerário definido, considero útil preparar um plano para visitar um certo grupo de pessoas toda semana, outro grupo a cada duas semanas,

e alguns uma vez por mês. Essas categorias não representam um

grande número dos congregados, mas incluem os que estão internados, os idosos e aqueles que têm necessidades específicas. Todos os membros devem figurar numa lista ocasional para serem visitados pelo menos uma vez por ano. Isto é ministrar o Evangelho “de casa em casa” (Atos 20.20). Uma experiência significativa, que procuro realizar até com

mais fidelidade, é fazer algum contato no refeitório da escola, ou em outro ambiente, com todos os adolescentes da congregação. Toda vez que fiz isto, senti que foi altamente compensador e abriu

a porta para os jovens me procurarem mais tarde quando surgiu

uma necessidade de uma ou outra natureza. Sempre oro com minhas ovelhas e por elas quando as visito no hospital ou em sua casa. Embora possa haver ocasionalmente

O CONTATO PESSOAL 89

uma circunstância ou situação em que não seja apropriado fazer uma oração, isto ocorre muito raramente. As pessoas esperam que um ministro seja uma pessoa de oração e esperam as orações de seu líder espiritual. Freqüentemente tenho ouvido pessoas lamentando que o pastor as visitou mas não houve oração. Chaucer, em The Canterbury Tales (As Histórias de Canter- bury), oferece um belo quadro de um pastor amoroso e visitador.

A

Palavra de Cristo com fidelidade ele pregou,

E

a seus paroquianos devotamente ensinou.

Benigno era ele, nos labores diligente, Como provou muitas vezes Ampla era sua paróquia, espalhada por grande distância, Contudo a ninguém negligenciou, sob chuva ou trovão. Tristeza e doença recebiam seus cuidados bondosos; Com o bordão à mão viajava a toda parte. Este bom exemplo a suas ovelhas ele trouxe:

Que primeiro forjava e depois ensinava. Esta parábola elejuntou à Palavra“Se o ouro enferrujar, que será doferro? ” Porque se um sacerdote, em quem confiamos, é corrupto, Não admira que o homem comum enferruje! Embora santo em si mesmo e virtuoso, Ele com o homem pecador era implacável, Não poupando, em sua prédica, a vã presunção, Mas em seu ensino era amável e discreto. Ele atraiu seu rebanho ao céu com nobre arte, Pelo bom exemplo era sua santa arte. Não menos ele censurava o obstinado, Fosse ele de alta ou baixa posição. Pela pompa e espetáculo mundano não se interessava;

90

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

Nenhuma consciência doentiafez sua regra severa. O saber de Cristo e dos doze apóstolos Ele ensinava, mas primeiramente o seguia.19

Especialmente Novas Pessoas

Sim, se eu estivesse começando meu ministério de novo, eu procuraria ajudar-me e a minhas ovelhas a dispensar atenção às novas pessoas que se transferissem para nossas comunidades. Se aproximadamente um quarto da população muda de local cada ano, especialmente nas áreas mais urbanizadas, segue-se que uma vasta oportunidade de novos contatos estaria sempre presente. Meu trabalho mais bem-sucedido em alcançar novas pessoas nos quarenta anos de meu ministério era entre aqueles, indivíduos e famílias, que se mudavam para a área de minha atividade. Quando diziam que faziam parte de outra denominação, eu telefonava ao pastor daquela denominação naquela área e indicava-lhe a pessoa ou família a ser contatada. Quando elas não pertenciam a nenhuma denominação, eu retomava ao meu escritório, escrevia uma carta de boas-vindas da comunidade e da congregação com informações sobre a congregação, sua história, atividades e oportunidades. Eu também punha as famílias de minha congregação cientes de tais pessoas novas e incentivava contatos entre elas. As famílias precisam ter a visão deste evento e algum treinamento sobre como encontrar-se com os recém- chegados. Sim, se eu estivesse começando meu ministério de novo, procuraria ajudar-me e aos membros de minha congregação a dar atenção às pessoas novas que se mudassem para nossa comunidade. Como já assinalei, se aproximadamente um quarto da população muda de local a cada ano, especialmente em áreas mais urbanizadas, então uma ampla oportunidade de novos contatos estaria sempre ocorrendo.

eu

tomaria cuidado com

certas armadilhas do ministério

si

u a n d o jovem pastor, fui grandemente auxiliado por um

ministro idoso, o qual me explicou que, quando há um desastre espiritual, a causa geralmente está numa de três áreas. Estas três

áreas são citadas em Hebreus 12.15-17. Aqui estão três barreiras à bem-aventurança, utilidade e felicidade. A compreensão delas protegerá nosso ministério e também nos capacitará a ajudar outros.

A primeira é a barreira da amargura. “Que ninguém seja

faltoso, separando-se da graça de Deus; nem haja alguma raiz de

amargura que, brotando, vos perturbe e, por meio dela, muitos sejam contaminados” (Hebreus 12.15).

A amargura é uma atitude para com outra pessoa, que começa

no coração. É uma raiz enterrada sob a superfície, de modo que

não pode ser notada em princípio. Mas ela impede a corrente da bem-aventurança espiritual. Ela obstrui a oração. Ela sufoca nossa

mensagem. Ela aflige o Espírito Santo. A amargura, finalmente, contamina muitos outros.

Q

94

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

Vemos aqui a seriedade de permitir que mesmo uma pequena raiz de amargura se infiltre em nós. Ela não somente despoja a pessoa amarga da bênção espiritual e toma Deus distante, como também destrói as relações na família, na igreja e além. Portanto, o apelo da Escritura é para que não deixemos de receber a graça de Deus, que é o amor não merecido dele por nós. De nossa parte, devemos tratar os outros como Deus nos trata, e não sejamos amargos com qualquer pessoa. Tomemos cuidado com a raiz da amargura. A segunda é a barreira do comportamento. Cuidemos para que não haja “algum impuro ou profano” (Hebreus 12.16). Devemos estar sempre em guarda contra qualquer espécie de imoralidade, primeiro em pensamento e também em ato. Ninguém é um fracasso moral de repente. A lascívia, como a

amargura, tem a faculdade de ir-se alojando no coração e na mente.

A imoralidade é uma barreira que nos impossibilita contemplar a

face de Deus. “O puro de coração vê a Deus.” O impuro também desenvolve conceitos errôneos sobre Deus, sobre o pecado e sobre

outras pessoas. Tenho notado que, quando há um pecado moral oculto, as

pessoas são inclinadas a mudar para uma de duas direções. Uma

é se tomarem muito libertinas e passarem a ter uma visão

complacente do pecado. A outra é se tomarem muito legalistas, rígidas e inclementes diante do pecado, assumindo uma atitude

de juízo férreo sobre os outros. Satanás é sutil e procura destruir os mais eficientes servos de

Cristo, conduzindo-os pouco a pouco aos pensamentos lascivos

e, em seguida, ao comportamento lascivo. E não podemos ser

apenas muito cuidadosos em nossos conceitos de vida e relacionamento. Precisamos recorrer à cerca de proteção de Deus para que não caiamos nos engodos e seduções que certamente

ARMADILHAS 95

surgirão em nosso ministério. Através de artifícios lascivos, o Diabo tem destruído a eficácia de muitos ministros. Através da imoralidade, o Diabo tem matado muitos servos de Deus. Eu respeito os ministros que querem uma janela em seu gabinete e que não dão conselhos a pessoa do sexo oposto a sós num edifício. E creio que, como ministro, devo continuamente estar lembrado do padrão de pureza e fidelidade de Deus, porque a impureza é uma das grandes armadilhas do pastor.

A terceira armadilha é a barreira dos pertences. Estejamos

alertas para não ser “como foi Esaú, o qual, por um repasto, vendeu

o seu direito de primogenitura. Pois sabeis também que, posteriormente, querendo herdar a bênção, foi rejeitado, pois não achou lugar de arrependimento, embora, com lágrimas, o tivesse

buscado” (Hebreus 12.16,17). Esaú tomou-se o exemplo para todas as épocas daquele que vende o espiritual em troca do material, que valoriza seu estômago acima da sua alma, e que preza as propriedades e não as relações. Sim, nós, como ministros, precisamos da grande advertência e grande promessa de Hebreus 13.5: “Contentai-vos com as coisas que tendes; porque Deus julgará os impuros e adúlteros; porque ele tem dito: ‘De maneira alguma te deixarei e nunca jamais te abandonarei.’” Tenho conhecido ministros através dos anos que nunca deram atenção a este ponto e que foram para sempre infelizes. Seus serviços foram ineficazes. Eles se tomaram invejosos dos outros e reclamavam de seu próprio salário e situação.

A inveja e a ganância são as tentações não somente dos ricos,

mas também dos pobres. Estes pecados, contra os quais a Escritura adverte com tanta freqüência, podem ser uma barreira à bênção

de Deus em nossas vidas e uma barreira para os outros no ministério de um pastor.

96

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

Se eu estivesse começando meu ministério de novo, eu me comprometeria a não permitir que essas atitudes jamais ocorressem em minha vida. Estas três são armadilhas específicas para as pessoas num ministério espiritual.

Mais sabedoria.

E u me comprometo a nunca dizer qualquer coisa do púlpito que não estou disposto a dizer diretamente a uma pessoa. Em outras palavras, o púlpito não é lugar para um ataque pessoal. No começo do meu ministério, uma pessoa me censurou pelo que ela julgava ser um ataque pessoal em minha pregação. Assegurei-lhe que não tive ela ou qualquer outra pessoa em mente. Citei o compromisso acima e perguntei-lhe se ele achava que eu o havia cumprido. Ele respondeu que achava que eu tinha agido assim, e o mal-entendido se desfez.

*

Eu procuraria sempre manter a confiança. Muitos ministros têm perdido sua efetividade não por causa de falta de capacidade,

98

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

mas por terem traído uma confiança.

*

Eu procuria lembrar-me de não sair do trem quando estivesse passando pelo túnel. Há muitos momentos de desânimo no ministério, mas não é bom tomar uma decisão importante du­ rante os tempos de desânimo. Geralmente, nos três primeiros anos de ministério, como no casamento, temos um período de desilusão. Este não é o momento de fazer uma mudança repentina. É particularmente sábio tomar conselho com algumas pessoas espirituais e de discernimento em tais ocasiões, e não ouvir um ou dois que tenham a tendência de ver somente o lado negativo das coisas.

*

Eu procuraria lembrar-me que o líder mais bem-sucedido não é aquele que sabe e faz todas as coisas, mas aquele que conhece suas forças e fraquezas e que tem a capacidade de encontrar os que são fortes em áreas em que ele é fraco e os autoriza a agir.

*

Eu oraria por somente bastante ânimo para continuar sendo forte para com Deus. Deus permite raramente— se é que o faz— que seus servos vejam quão grande bênção eles são. Ele permite somente bastante ânimo para nos tomar férteis, mas o fruto mesmo não é para o benefício do pregador, mas para o reffigério de outros. Eu tomaria cuidado em permitir que cumprimentos servissem para ensejar autoconfiança em coisas espirituais. Os

MAIS SABEDORIA 99

cumprimentos de outrem podem ser usados para o mal, se não estivermos determinados a dar toda a glória a Deus. Quanto mais aquinhoado, maior é a tentação e sede por louvor. À medida que envelhecemos, o anelo por louvor leva a frustrações e amarguras, seguidas de esforços planejados para obter atenção e afirmação.

*

Eu procuraria lembrar que, a despeito de quão difícil uma pessoa pareça, cada um de nós tem uma abertura ou um ponto de receptividade. Se eu tentar o bastante, encontrarei essa abertura para levar a pessoa a Cristo, que morreu por essa pessoa tanto quanto por qualquer outra.

*

Eu me lembraria de que Jesus mudou as pessoas por amor, aceitação e perdão. Os fariseus procuraram mudar as pessoas por meio de crítica, julgamento e condenação.

*

Eu procuraria lembrar que Jesus não dedicou tempo ou esforço justificando-se ou defendendo-se. Agostinho orou: “O Senhor, livra-me da luxúria de defender-me.” Uma grande armadilha de muitos líderes é procurar defender-se, explicar-se, excusar-se de falhas e colocar-se em boa posição. Jesus não fez nada disso. A luxúria por defender-se é a luxúria por aprovação. Oswald Chambers escreveu: “Nossa insistência em provar que estamos certos é sempre, de certa forma, uma indicação de que tem havido algum ponto de desobediência.”

100

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

Portanto, eu procuraria deixar que o Senhor combatesse minhas batalhas por mim, como Ele prometeu. Quando procuro com­ bater minhas próprias batalhas, o Senhor fica de lado e me deixa

lutando sozinho. Quando me ponho de lado, Ele faz a justificação

e opera todas as coisas para sua glória e meu bem. Foi dito de um pregador: “Se você quer sentir seu amor, magoe- o.” Ele tinha tal amor divino que transbordava especialmente em face da oposição, inimizade e ofensa pessoal.

*

Eu procuraria manter-me livre do amor e da luxúria pelas coisas materiais. Alguns ministros que conheci tomaram-se infelizes e até deixaram o ministério completamente porque ficaram

descontentes com sua renda, deixando o espírito de sacrifício e serviço de fora pelo interesse pelas coisas materiais. Um ministro será infeliz para sempre e espiritualmente improdutivo, se consentir que o espírito do descontentamento ou ganância comece

a crescer.

*

Eu buscaria diversos conselheiros espirituais, sábios e sólidos que tivessem em seus corações preocupação pela igreja e por meu bem-estar, a quem eu pudesse recorrer para conselho e perspectiva. Isto pode evitar muitas armadilhas e perspectivas equivocadas ou distorcidas que um ministro pode facilmente desenvolver ou que podem desenvolver-se através de aplausos ou críticas de uma ou duas outras pessoas. Isto significa também que eu não tomaria a reação adversa de uma pessoa muito seriamente sem avaliar tal crítica com outros

MAIS SABEDORIA 101

líderes confiáveis que podem aconselhar-me com sinceridade e amor. Sofri muito no ministério por admitir crítica ampla e radi­ cal de uma pessoa que alegava estar falando em nome de muitos, somente para descobrir depois que se tratava de uma reação pessoal, apoiada tão-somente em alguma prevenção pessoal, e não na opinião de outras pessoas.

*

Eu reuniria em volta de mim umas poucas pessoas profundamente comprometidas a orar diariamente e jejuar pela igreja e pelo seu ministério. Orar é juntar-se aos santos de todas as épocas e juntar-se a Cristo, o grande Sumo Sacerdote e inter- cessor, em sua preocupação pelo mundo inteiro. O ministério do Espírito Santo está associado à oração mais do que a qualquer outro aspecto do ministério do Espírito. Vim a crer que um ministro não deve procurar ministrar sem um grupo de parceiros que irão apoiar o ministério diante do trono da graça para a preservação, proclamação e autoridade divinas.

*

Eu evitaria a inveja como se fosse praga. Inveja é ficar triste quando outro está alegre. Ela levanta sua hedionda cabeça quando alguém é bem-sucedido na área em que eu trabalho ou na área em que procuro obter sucesso. A inveja toma amargas as pessoas e coloca um em competição com outro. A inveja deriva do mal básico do orgulho. Oscar Wilde, numa de suas histórias, conta que o Diabo estava atravessando o deserto da Líbia quando encontrou um grupo de seus associados tentando um santo eremita. Eles procuravam

102

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

tentar o santo homem com os pecados da carne, fazendo-o de todos os modos que conheciam, mas sem êxito. O santo estava firme e rechaçava todas as insinuações. Finalmente, depois de constatar seu fracasso, desgostoso, o Diabo sussurrou aos tentadores: “O que vocês fazem é muito grosseiro. Permitam-me um momento.” Então o Diabo cochichou ao ouvido do santo •homem: “Seu irmão acaba de ser nomeado bispo em Alexan­ dria.” Uma carranca de ciúme cruzou a face serena do eremita. “Este”, disse Satanás a seus subordinados, “é o tipo de coisa que recomendo.”

*

Uma das sutilezas da liderança e da pregação é pensar que, ao preparar uma palavra do Senhor para meu rebanho, eu mesmo estou fiel e obediente a ela. Eu me poria em guarda especial, de sorte que a verdade que prego e ensino seja aquela à qual eu mesmo de antemão me submeti e que experimentei.

*

Eu me lembraria de que meu amor por Cristo e pela igreja revela-se genuíno quando posso sinceramente regozijar-me pelo sucesso e realizações de meu sucessor e pelo sucesso de outros ministros nas congregações.

*

Eu procuraria ter em mente que, ao encerrar meu ministério, teria provavelmente influenciado os outros mais como pessoa do que como pregador. O teste final não é o quanto sou dotado por

MAIS SABEDORIA 103

Deus, mas como tenho vivido minha religião. Will Garrison escreveu: “No único julgamento que importa seremos avaliados não tanto pelo que fizemos, mas pelo que nos tomamos.”

*

Eu pediria a Deus que acabasse com o orgulho de qualquer espécie e me desse um espírito de genuína humildade cristã. C.

S. Lewis adverte que o mal extremo é o orgulho. Todos os pecados da came são como picadas de pulga comparados a ele. “O orgulho

é

essencialmente competivo.” Lewis sugere: “Se você quiser saber

o

quanto é orgulhoso, o meio mais fácil é perguntar a si mesmo:

‘Quanto me repugna quando outra pessoa me despreza, ou se recusa a tomar conhecimento de mim, ou me trata mal, ou me protege, ou fica se exibindo?’ ” Lewis afirma também que o orgulho ou amor próprio é o pecado mais evidente nos outros e que não enxergamos em nós mesmos. Quanto mais orgulho temos mais nos desagrada o orgulho alheio. A virtude oposta é a humildade. O orgulho deleita- se em brilhar ou corrigir os outros. É por orgulho que criticamos e julgamos os outros. A humildade é mais consciente do próprio fracasso e precisa da contínua graça de Deus.

*

Eu procuraria dar a minha família o lugar próprio. A ordem de prioridade é Deus, família e trabalho. E isto inclui a família do pregador. Se qualquer uma dessas prioridades sair desta ordem, significa que os três relacionamentos sofrerão. Certamente há os momentos em que, na experiência de qualquer um, a família deve ficar no banco de trás. Porém, no melhor dos casos, minha família

104

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

deve ter o mesmo direito em meu tempo do que os membros de minha congregação têm. É de se esperar que minha família deva ter uma parte especial em meu tempo, amor, atenção, paciência e cuidado. É aqui também que preciso praticar aquilo que prego. Que proveito haverá para mim em realizar um grande pastorado e perder minha própria família? “Se alguém não sabe governar a própria casa, como cuidará da igreja de Deus?” (1 Timóteo 3.5).

*

Eu procuraria aceitar os limites da minha humanidade. Eu nunca seria capaz de fazer tudo o que precisa ser feito. Não posso medir a necessidade de cada pessoa. Não posso estar no auge do meu desempenho em cada reunião da junta, em cada sermão e em cada reunião, e ainda ir ao encontro das necessidades que se apresentam. Algumas coisas não poderão ser feitas. Minha preocupação não deve ser minha fragilidade humana, -e^sim evitar o espírito de preguiça, indiferença, negligência ou postergação. Deus me ajudará na frouxidão de minha fragilidade, mas devo desenvolver a disciplina da fidelidade e da diligência.

*

Eu me lembraria de que algumas das áreas da vida em que tenho sido mais auxiliado como pessoa e como pastor foram aquelas em que os leigos questionaram meu modo de pensar e minha maneira de ser. Sem este desafio, esquecemo-nos de nossa falibilidade. Dar atenção às dúvidas ou perguntas do leigo livra- me, no final, de fazer o papel de Deus ou pontificar. Eu dedicaria mais atenção aos humildes, porque Deus dá uma intuição e uma sabedoria especial a tais indivíduos.

MAIS SABEDORIA 105

*

Se eu fosse um ministro de novo, faria tudo o que pudesse para promover famílias fortemente centralizadas em Cristo, iniciando com um cuidadoso programa de aconselhamento pré- nupcial e contínua orientação aos recém-casados, jovens pais, pessoas da meia-idade, idosos e solteiros. Em outras palavras, eu procuraria prover contínua ajuda a toda a família. Uma congregação não pode ser mais espiritual do que suas famílias, e se as famílias não estão sendo espirituais, toma-se difícil ouvir o que Deus está dizendo em outras áreas da vida.

*

Eu procuraria lembrar-me de que qualquer grupo de líderes precisa tanto do otimista como do pessimista. O Primeiro-Ministro Lord Asquith disse: “É uma coisa excelente ter um otimista na frente, contanto que haja um pessimista na retaguarda.” Jesus tinha um Pedro que avançava rapidamente nas coisas e um Tomé que questionava. Os pastores precisam ser otimistas com esporas. Jamais conheci • um pastor de sucesso que fosse um pessimista. No entanto, devcí admitir, os pessimistas de minhas congregações eram uma verdadeira irritação até que me dei conta de que tais pessoas muitas vezes me livraram de uma ação prematura. Eu posso ter usado as esporas, mas aqueles que seguravam as rédeas me fizeram pensar uma segunda vez a respeito de uma idéia.

106

SE EU COMEÇASSE MEU MINISTÉRIO DE NOVO

Eu faria mais leituras. Nunca conheci um pastor ou professor eficiente que não fosse também um grande amante de livros. Para aqueles que ministram, deve haver uma constante leitura das inexauríveis Escrituras. João Wesley insistia em que seus

J^-pregadores e assistentes fossem leitores. “Com firmeza consumam

7 toda a manhã nesta ocupação”, escreve ele, “ou pelo menos cinco horas em vinte e quatro.” Um historiador metodista atribui a Wesley a publicação de 371 trabalhos—isto de um pregador que viajava mais quilômetros

e pregava mais sermões do que qualquer outro homem jamais fez.

*

Eu procuraria espalhar a alegria do Senhor. A palavra do Evangelho é “Boas Novas” e ela proporciona “eterna esperança

e bom ânimo. A alegria do Senhor é a tua força”. Os ministros vivem tanto tempo com os problemas das pessoas, com câncer e ataques cardíacos, com alcoolismo e depressão, nos funerais em casas e hospitais, que é possível começar a viver na escuridão e na melancolia. Os ministros são atraídos pelas pessoas aflitas. Como a mensagem e a missão cristã não ousam encobrir ou evitar a mágoa, o sofrimento e a melancolia, elas também não

ousam focalizá-los aqui. A luz de Cristo e a ressurreição penetram

a escuridão e trazem a gloriosa esperança e alegria a todos os que colocam sua fé em Jesus Cristo.

NOTAS

1. William Nelson. Ministry Formationfor Effective Leadership (Abingdon, 1988), p. 23.

2. James N. McCutcheon. The Pastoral Ministry (Abingdon, 1978), p. 12.

3. David J. Bosch. A Spirituality o f the Road (Herald Press, 1979), p. 13.

4. G. Byron Deshler. For Preachers Only (Zondervan, 1973), não paginado.

5. Dallas Willard. The Spirit o f the Disciplines (Harper & Row, 1988), p.

166.

6. Thomas R. Swears. The Approaching Sabbath (Abingdon, 1991), p. 86.

7. Suzanne Johnson. The Christian Spiritual Formation in the Church and Classroom (Abingdon, 1991), p. 69.

8. Dwight L. Grubbs. BeginningsSpiritual Formation forLeaders (Fair- way Press), p. 56.

9. E. Stanley Jones. The Christ o f the Mount (Abingdon, 1931), pp. 13,14.

10. Eldon Trueblood. Signs ofH ope (Harper & Row, 1950), p. 122.

11. Henri Nouwen. Making Ali Things New (Harper & Row, 1981), pp. 79,80.

12. Cario Carretto. The God Who Comes (Orbis Books, 1974), pp. 183,184.

13. Elizabeth 0'Connor. Called to Commitment (Harper & Row, 1963), p.

94.

14. BillHull. The Disciple-MakingPastor (Fleming H. Revell, 1988), p. 15.

15. E. Stanley Jones. How to Pray (Abingdon, 1943), p. 3.

16. Andrew Blackwood. The Voicefrom the Cross (Baker House, 1955), pp.

63,64.

17. Fred B. Craddock. Overhearing the Gospel (Abingdon, 1978), p. 39.

18. William A. Armstrong. Minister, Fleal Thyself(Pilgrim Press, 1985), pp.

21,22.

19. Chaucer. The Canterbury Tales, “Prologue” (tr. H. C. Leonard).

Embarque numa viagem introspectiva através de dezesseis verdades sempitemas que o ajudarão a revitalizar seu ministé­ rio. John M. Drescher oferece disciplinas espirituais que farão com que seu ministério seja mais centralizado em Cristo e mais capacitado pelo Espírito Santo.

O autor identifica erros do passado e, a partir daí, mostra como renovar um ministério eficaz. Ao oferecer estas pérolas de sabe­ doria, o autor se dirige a todos os pastores que conhecem as pressões diárias para refletir sobre seu relacionamento com sua igreja e com o povo de Deus.

JOHN M. DRESCHER é um pastor menonita com mais de quarenta anos de experiência. Ele é um Pregador radiofônico, autor de Se Eu Começasse Minha Família d è Novo (Editora Cristã Unida), Quando Seu Filho Tem Entre 6 e 12 Anos, As Sete Necessidades Básicas da Criança (Editora Cristã Unida), entre outras obras.