Você está na página 1de 4
SEGURANÇA TURÍSTICA: ANÁLISE DA IMAGEM DE RECIFE E OLINDA ATRAVÉS DA ÓTICA DOS VISITANTES Luís

SEGURANÇA TURÍSTICA: ANÁLISE DA IMAGEM DE RECIFE E OLINDA ATRAVÉS DA ÓTICA DOS VISITANTES

Luís Otávio Cysneiros Vieira Bastos 1 ; Sônia Cristina Amorim da Silva 2

1 Estudante do Curso de Administração – CCSA – UFPE; E-mail: otavio_bastos@hotmail.com 2 Docente do Depto Acadêmico de Formação Geral e Turismo – DAFG – IFPE. E-mail:

soniamorim19@gmail.com

Sumário: Assim como outros setores, o turismo é uma atividade econômica que necessita de uma infra-estrutura básica e de apoio integrada para que possa se desenvolver e gerar divisas. Logo, o nível de qualidade presente na prestação de serviços em equipamentos turísticos é um aspecto intrínseco ao crescimento e visibilidade de um destino. Neste sentido, o setor público deve subsidiar o correto exercício da atividade através da disponibilização de eficientes serviços de educação, saúde, saneamento básico, abastecimento de água, energia e segurança. Tangenciando a gestão pública do turismo, junto à imagem dos equipamentos e atrativos turísticos de um destino na temática de segurança pública e privada, observa-se que as expectativas e satisfação dos visitantes podem promover a solidificação ou declínio da imagem de uma localidade. Deste modo,

este trabalho busca analisar os processos de serviços estabelecidos na segurança pública e privada dos atrativos turísticos de Recife e Olinda, e, mais além, gerar uma reflexão sobre

a qualidade destes serviços nos referidos locais. Para tanto, apresenta indicadores relativos

à percepção do visitante (turista e excursionista) quanto à prestação destes serviços. Por conseguinte, empreenderam-se pesquisas bibliográficas e documentais, entrevistas e aplicação de questionários semi-estruturados. A averiguação possibilitou uma visão sistêmica sobre o padrão de segurança em empreendimentos turísticos em Recife e Olinda,

e, assim, afirma-se que este necessita ser reestruturado para atender de maneira mais eficaz

e com nível de excelência seus visitantes.

Palavras–chave: Gestão Pública; Turismo; Segurança Turística de Recife e Olinda.

INTRODUÇÃO

A atividade turística constitui-se como importante diferenciador competitivo na

diversificação da oferta dos meios produtivos da economia, tangenciando competitividade

em um âmbito local/regional e nacional, quiçá internacional. É sabido e notório que a

qualidade dos produtos turísticos está intrinsecamente associada à qualificação dos

serviços prestados (BRASIL. MINISTÉRIO DO TURISMO, 2007). Diante deste cenário competitivo, requer-se que às condições de qualificações profissionais estejam em níveis

de excelência, para que possa induzir o fortalecimento do mercado interno. Segundo

Catramby e Costa (2004), entende-se que o turismo apresenta grandes possibilidades de competir em mercados internacionais, mas, para isso, deve-se estabelecer como estratégia à qualificação profissional. Desta maneira, enfatizam-se os processos estabelecidos na prestação dos serviços de segurança pública e privada junto aos turistas e excursionistas que utilizam os múltiplos e distintos meios de hospedagem nos municípios de Recife e Olinda. A proposta deste estudo visa, portanto, analisar os processos de serviços estabelecidos na segurança pública e privada dos atrativos turísticos de Recife e Olinda e gerar uma reflexão sobre a qualidade destes serviços nas referidas localidades, tomando

como base, entre outras variáveis, os meios de hospedagem e os pontos turísticos desses locais.

como base, entre outras variáveis, os meios de hospedagem e os pontos turísticos desses locais.

MATERIAIS E MÉTODOS Adotou-se, para este trabalho, a visão sistêmica, na qual a análise da gestão do turismo como um sistema permite observar particularidades do todo e, ao mesmo tempo, afeta o meio em que se situa (REJOWSKI, 1996). O proceder metodológico, no tocante a investigação dos meios para concretização do mesmo, foi conduzido através de pesquisas documentais, bibliográficas, meios eletrônicos e pesquisas de campo. Na presente análise foi utilizado o método dedutivo em que a racionalização ou combinação de idéias em sentido interpretativo têm mais valor que a experimentação caso a caso, ou seja, utiliza-se a dedução, na qual o raciocínio caminha do geral para o particular (LOPES, 2006). Buscou- se o estudo da temática através de materiais que versam sobre administração, gestão pública, segurança pública e privada, turismo e hotelaria. Tornou-se relevante a necessidade de conhecer a percepção do consumidor dos serviços turísticos quanto à observância dos aspectos de segurança dos meios de hospedagem. Nesta, particularizaram- se as cidades de Recife e Olinda, visto que boa parte da oferta de meios de hospedagem concentra-se nestas localidades. Foram realizadas entrevistas, através da aplicação de 100 (cem) questionários semi-estruturados, com objetivo de identificar conhecimentos, percepções e expectativas dos visitantes (turistas e excursionistas) quanto à temática. Para tanto, o universo pesquisado baseou-se em uma amostragem de população finita, na abordagem aleatória, em pontos turísticos dos municípios de Olinda (Sítio Histórico e Alto da Sé) e Recife (Recife Antigo e Praia de Boa Viagem), de turistas e excursionistas que estavam a utilizar ou utilizaram os meios de hospedagem das cidades de Recife (Recife Plaza Hotel e Mar Hotel) e Olinda (Hotel Sete Colinas e Pousada do Amparo) no período compreendido entre junho e agosto do ano de 2010. Quanto aos fins, a pesquisa possui caráter exploratório, cuja investigação foi realizada em área que há pouco conhecimento acumulado e sistematizado (VERGARA, 2009). Em tal análise, houve inferência e interpretação do material coletado, na qual a inferência dos dados estatísticos envolveu a formulação de certos julgamentos sobre um todo, após examinar apenas uma parte ou amostra deste, cujos dados qualitativos estão apresentados no diagnóstico.

RESULTADOS E DISCUSSÃO A qualificação dos profissionais de segurança é fator fundamental na discussão que se faz junto aos distintos e diversos órgãos que compõem a cadeia produtiva do turismo, desde aqueles que são de origem pública aos da iniciativa privada. A segurança é de fundamental relevância na dinâmica da cadeia produtiva do turismo, cuja contribuição é determinante na construção de uma imagem positiva dos destinos turísticos. Atualmente, conforme se percebeu na pesquisa bibliográfica e documental, a imagem de Recife e Olinda é fortemente associada à violência urbana, característica, entre outras questões, da profunda desigualdade sócio-econômica que vigora nestes municípios, fazendo com que a atividade turística seja paralelamente afetada. Na prestação de serviços destas empresas de segurança privada, constata-se que estas possuem profissionais capacitados para lidarem com diversas situações adversas que ocasionalmente possam surgir nos mais distintos meios laborais da sociedade. Entretanto, a diversificação da oferta de trabalho, em que os profissionais de segurança trabalham em diferentes segmentos da dinâmica social, faz com que não se tenha profissionais desta modalidade com conhecimentos necessários para lidar com o público turístico. É importante destacar que apesar destes profissionais trabalharem de forma correta, os mesmos não possui a qualificação necessária para uma boa e completa

prestação de serviços turísticos. Caracterizam-se, portanto, como necessidades a suprir, conhecimentos técnicos da

prestação de serviços turísticos. Caracterizam-se, portanto, como necessidades a suprir, conhecimentos técnicos da atividade turística e suas interdisciplinaridades, que são de substancial importância para o bom atendimento ao turista em suas múltiplas complexidades. Em pesquisa de campo realizada constatou-se que 45,2% dos visitantes consideram como “bom” a segurança pública nas cidades de Recife e Olinda e 64,5% consideram como “bom” a segurança pública nos atrativos turísticos das respectivas cidades (Tabela 1). Um dado singular identificado na pesquisa de campo foi que 45,1% dos visitantes das cidades de Recife e Olinda consideram como “ruins ou péssimas” as informações sobre segurança que receberam destas cidades antes de vir visitar estes municípios.

Tabela 1. Percepção dos visitantes quanto aos serviços de segurança nas cidades de Recife e Olinda.

Variáveis

Ótimo

Bom

Regular

Ruim

Péssimo

Sensação de segurança do visitante na cidade de Recife e Olinda Sensação de segurança nos atrativos turísticos de Recife e Olinda Sensação de segurança nos meios de hospedagem das cidades de Recife e Olinda Informações sobre a segurança da cidade antes chegar à cidade de Recife/Olinda Informações sobre segurança durante/ após sua estada à cidade de Recife/Olinda

16,1%

45,2%

25,8%

12,9%

0%

19,4%

64,5%

9,7%

3,2%

3,2%

29%

64,5%

3,2%

1,2%

1,1%

6,5%

16,1%

32,3%

17,7%

27,4%

24,5%

34,3%

24,5%

11,6%

5,1%

Fonte: Construção própria.

Entretanto, 58,8% dos visitantes ao chegarem nestas cidades e terem a oportunidade de vivenciar a dinâmica da sociedade, os atrativos turísticos dos respectivos municípios, estes alteraram suas percepções sobre a segurança das cidades (Tabela 2). Isto é compreensível na medida em que se tem contato com a população e os demais atores envolvidos na dinâmica do turismo (profissionais de segurança pública e privada capacitados, por exemplo) e, por conseguinte, têm-se a oportunidade ímpar de modificar este cenário de imagem negativa que as respectivas cidades são categorizadas. Constatou-se também que 64,5% dos visitantes sentem-se seguros nos respectivos meios de hospedagem que utilizam nas cidades de Recife e Olinda.

Tabela 2. Comparação das informações de segurança recebidas e percebidas antes, durante e após a estada em Recife e Olinda.

antes, durante e após a estada em Recife e Olinda. Fonte: Construção própria. Por fim, identificou-se
se desconfortáveis ao passo que alguns destes profissionais não possuíam conhecimento básico de línguas estrangeiras.

se desconfortáveis ao passo que alguns destes profissionais não possuíam conhecimento básico de línguas estrangeiras. Portanto, conclui-se que para maximizar e oportunizar ganhos qualitativos para o turismo torna-se relevante um programa de qualificação que objetive capacitar estes profissionais (tanto do segmento público como privado), munindo- os de conhecimentos técnicos básicos para atuação junto aos visitantes (turistas e excursionistas).

CONCLUSÕES Os resultados desta iniciativa são imensuráveis diante da complexidade de ganhos que cerca o esforço de se enfrentar os problemas advindos da forma errônea que se dão alguns procedimentos da cadeia produtiva do turismo. A relevância deste trabalho, por conseguinte, deve-se ao processo de inovação que vem merecendo atenção especial do trade turístico, na expectativa de contribuir qualitativamente para o turismo. Nessa envolvente dinâmica, uma gama de serviços se insere como fatores que podem incrementar a qualidade de um destino turístico. Dentre a diversidade de serviços que compreendem a atividade turística, os serviços de segurança atuam como incremento de qualidade da estada de um visitante, seja turista ou excursionista. Desta forma, considera- se que o profissional de segurança privada dos meios de hospedagem deve possuir qualificações que o capacite para que possa transmitir uma imagem positiva do destino turístico, bem como os profissionais da segurança pública. Do ponto de vista técnico, o planejamento, a análise crítica e a execução destas avaliações são passos importantes para o pleno e correto exercício da atividade turística nas localidades de Recife e Olinda. Neste sentido, os resultados desta pesquisa podem ser utilizados para um entendimento da complexidade e ineficiência atual dos serviços de segurança turística, que causam impactos na cadeia produtiva do turismo.

AGRADECIMENTOS A UFPE pela oportunidade de cursar a graduação em Administração e a Professora Sônia Cristina Amorim da Silva, docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco – IFPE, pelas contribuições para a realização desta pesquisa e para meu crescimento intelectual.

REFERÊNCIAS

BRASIL. MINISTÉRIO DO TURISMO. Plano nacional de turismo 2007/2010: uma viagem de inclusão. Brasília, 2007. 83p.

CATRAMBY, Teresa C. V.; COSTA, Stella R.R. Qualificação profissional em turismo como fator de competitividade do setor. Caderno Virtual de Turismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, 2004.

LOPES, Jorge. O fazer do trabalho científico em ciências sociais aplicadas. Recife:

Editora Universitária da UFPE, 2006.

REJOWSKI, Mirian. Turismo e pesquisa científica: pensamento internacional x situação brasileira. Campinas, SP: Papirus, 1996.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2009.