Você está na página 1de 76

www.embalagemmarca.com.

br
Confraternização e negócios
Q
uando os leitores nível um tanto inusitado apoio que o setor sempre
receberem esta edi- de solicitações de infor- deu à revista se reflita na
ção da revista, pro- mação no preenchimento presença de seus represen-
vavelmente terá se encer- das fichas. Cabe ressaltar, tantes no evento, de forma
rado o prazo de inscrições porém, que os critérios maciça. Acreditamos que
para o PRÊMIO EMBALAGEM- estabelecidos destinaram- seja uma oportunidade de
MARCA – GRANDES CASES se a concretizar uma pre- confraternização e um ver-
Wilson Palhares DE EMBALAGEM, mas no miação seletiva e estimu- dadeiro encontro de negó-
momento em que esta men- lante à integração do setor. cios para todos. Afinal,
Nada impede sagem é escrita elas ainda No momento em que esta nada impede que uma festa
que uma festa estão em andamento. É hora mensagem é escrita ainda seja alegre, não entre em
seja alegre, de registrar nossos agrade- não se iniciou a importan- delongas desnecessárias e
cimentos às pessoas e às tíssima etapa do julgamen- se constitua numa chan-
não entre em
empresas que nos apoiaram to dos cases inscritos. ce de aproximar possíveis
delongas
com patrocínios, inscrições Enquanto isso, empenha- clientes e fornecedores.
desnecessárias e palavras de incentivo. mo-nos na organização Como ninguém é de ferro,
e se constitua Enaltecemos de maneira da não menos importante a idéia é que tudo isso
numa chance especial a compreensão e a etapa final, a dos prepara- ocorra em local agradável
de aproximar paciência dos interessados tivos para a cerimônia de e clima descontraído, com
clientes e em inscrever seus cases de premiação. boa comida e boa bebida.
fornecedores embalagem mesmo ante o Nossa expectativa é que o Até setembro.
nº 96 • agosto 2007
Diretor de Redação
Wilson Palhares
palhares@embalagemmarca.com.br

22 Reportagem de capa:
caixas-display
Embalagens prontas
Reportagem
redacao@embalagemmarca.com.br
Flávio Palhares
para gôndola começam flavio@embalagemmarca.com.br
a ganhar espaço nos Guilherme Kamio
supermercados brasileiros guma@embalagemmarca.com.br
Leandro Haberli Silva

12 Margarinas
Perdigão compra marcas
da Unilever após Doriana e
46 Plásticas
Sadia lança linha de sanduí-
ches prontos em envoltórios
leandro@embalagemmarca.com.br
Marcella de Freitas Monteiro
marcella@embalagemmarca.com.br
Becel estrearem novo visual plásticos microwavable
Departamento de Arte

16 Making Of arte@embalagemmarca.com.br
Em estratégia de marca, Carlos Gustavo Curado
laboratório EMS José Hiroshi Taniguti
renova embalagens
Administração

32 Mercado
Pipocam lançamentos de
águas com embalagens
48 Farináceos
Apesar da adesão de grandes
moinhos a embalagens de PE,
Eunice Fruet
Marcos Palhares

semelhantes à da H2OH! sacos de papel seguem fortes Departamento Comercial

52
comercial@embalagemmarca.com.br

34 Sondagem GNPD Fechamentos Karin Trojan


Painel da Mintel apresenta Álter lança tampa com trava Wagner Ferreira
novidades internacionais diferenciada para bebidas
em águas com sabor gasosas. Alcoa amplia mix Circulação e Assinaturas
assinaturas@embalagemmarca.com.br

36 Prêmio
EMBALAGEMMARCA
Na cerimônia
Assinatura anual: R$ 99,00

Público-Alvo
de entrega dos EMBALAGEMMARCA é dirigida a profissionais
troféus, cases que ocupam cargos de direção, gerência
vencedores e supervisão em empresas integrantes da

54
e uma viagem cadeia de embalagem. São profissionais
Iogurtes
a Paris envolvidos com o desenvolvimento de
Activia elimina rótulos em
embalagens e com poder de decisão colo-
versão popular e Polipaper quer
cados principalmente nas indústrias de bens

40 Entrevista: substituir selos de alumínio


de consumo, tais como alimentos, bebidas,
Luiz Rogério Wittman
56 Artigo cosméticos e medicamentos.
Um estudo sobre a A embalagem sob o ponto
importância do ecodesign de vista do consumidor,
em projetos de embalagens por Victor Basso Filiada ao

3 Editorial
A essência da edição do mês, nas palavras do editor

6 Espaço aberto
Impressão: Margraf Tel.: (11) 4689-7100
Opiniões, críticas e sugestões de nossos leitores
EMBALAGEMMARCA é uma publicação
8 Display mensal da Bloco de Comunicação Ltda.
Lançamentos e novidades – e seus sistemas de embalagens Rua Arcílio Martins, 53 • Chácara Santo
Antonio • CEP 04718-040 • São Paulo, SP
20 Internacional Tel. (11) 5181-6533 • Fax (11) 5182-9463
CAPA: FOTOMONTAGEM DE CARLOS GUSTAVO CURADO

Destaques e idéias de mercados estrangeiros


Filiada à
28 Panorama
Movimentação no mundo das embalagens e das marcas

58 Conversão e Impressão www.embalagemmarca.com.br


Produtos e processos da área gráfica para a produção de rótulos e embalagens
O conteúdo editorial de EMBALAGEMMARCA é
72 Índice de Anunciantes resguardado por direitos autorais. Não é per-
mitida a reprodução de matérias editoriais
Relação das empresas que veiculam peças publicitárias nesta edição
publicadas nesta revista sem autorização
74 Almanaque da Bloco de Comunicação Ltda. Opiniões
expressas em matérias assinadas não refle-
Fatos e curiosidades do mundo das marcas e das embalagens tem necessariamente a opinião da revista.
cadeia importante de supermercados e Color como fabricante dos rótulos
posso dizer que analisar o consumidor auto-adesivos.
como se fosse um ente diferente de sua Marilis Marrão Ferreira
individualidade como pessoa não é um Departamento de Marketing
caso típico do Brasil, mas ocorre tam- Mack Color Etiquetas Adesivas
bém aqui na Argentina. Felicitações São Paulo, SP
pela revista, que se supera a cada mês.
Todo seu conteúdo é muito interessan- A redação responde
te e educativo.
Ricardo Blanco Ao inaugurar no segmento de revis-
Buenos Aires, Argentina tas especializadas em embalagem o
critério depois copiado pela concor-
Canguru é flexo digital rência de citar todos os fornecedores

F icamos muito felizes por termos


sido mencionados na seção Display
envolvidos na criação e na produção
das embalagens abordadas, bem como
seus telefones e endereços eletrônicos,
dessa importante revista (“Absorven- EMBALAGEMMARCA apenas deu mais
PRÊMIO EMBALAGEMMARCA tes de cara nova”, EMBALAGEMMARCA um passo em seu dever de fornecer

É com grande apreço que venho


agradecer a atenção disponibilizada
nº 95, julho de 2007). Mas registramos
a ocorrência de um erro ao informarem
que a Canguru imprimiu a embalagem
informação realmente útil aos leitores.
O procedimento padrão da redação é
buscar e divulgar o maior número pos-
por vocês e mais uma vez dar os para- para a empresa Mili em processo de sível de informações, mas nem sempre
béns pela iniciativa de instituir o PRÊ- rotogravura, já que somos 100% fle- as consegue. Muitas empresas não
MIO EMBALAGEMMARCA – GRANDES xo digital. Aliás, somos verticalizados revelam quem são seus fornecedores, e
CASES DE EMBALAGEM. em flexo digital, desde o processo quando se trata de matérias-primas a
Everton Visentini de entrada das imagens na empresa, identificação às vezes é particularmen-
Designer/Projetista acompanhamento, clichês digitais e a te difícil. No caso do produto Assolan,
Injeta Acessórios/Novapack novíssima máquina digital de impres- a matéria abordou especificamente a
Bento Gonçalves, RS são (sem engrenagens) recentemente questão do design das embalagens,

P arabéns pela decisão de instituir


um prêmio que nasce com a credibi-
adquirida e já em operação.
Gostaríamos de ver essa informação
difundida corretamente, pois o alcance
sem ater-se a fornecedores. EMBALA-
GEMMARCA reitera que as portas da
redação estão abertas para receber
lidade de EMBALAGEMMARCA, num da revista é muito grande. informações relacionadas à cadeia
mercado tão confuso e competitivo Mauro Albuquerque produtiva de embalagem, divulgando-
como o das embalagens. É muito Departamento Comercial as com sempre que entender serem de
gratificante ver surgir uma premia- Canguru Embalagens interesse dos leitores da revista.
ção em que se poderá comprovar
quem são os verdadeiros destaques Quem faz o quê
e as inovações do setor, avaliadas de
forma séria por pessoas sérias. Isso
posso garantir, e assino em baixo por
N a edição de EMBALAGEMMARCA nº
95, de julho último, foi publicada uma
Mensagens para
EMBALAGEMMARCA
essa revista. nota na seção Display sobre as emba- Redação: Rua Arcílio Martins, 53
Marco Antonio Dias de Oliveira lagens multipack da cerveja Itaipava, CEP 04718-040 • São Paulo, SP
Diretor comercial feitas de cartão laminado. O cartão Tel (11) 5181-6533
Marpac Soluções laminado utilizado, no caso, foi o nos- Fax (11) 5182-9463

Integradas para Indústria so, mas não foi dado crédito. redacao@embalagemmarca.com.br
São Paulo, SP Ana Paula Martins
As mensagens recebidas por carta,
Departamento de marketing
e-mail ou fax poderão ter trechos não
Na Argentina como aqui Brasilcote Indústria de Papéis
essenciais eliminados, em função do

E xcelente a entrevista com o publici-


tário Dennis Giacometti, intitulada “O N
Diadema, SP

a edição nº 95 de EMBALAGEM-
espaço disponível, de modo a dar o
maior número possível de oportunida-
des aos leitores. As mensagens poderão
indivíduo, não o consumidor” (EMBA- MARCA, sob o título “Cadê a ousa-
também ser inseridas no site da revista
LAGEMMARCA nº 95, julho de 2007). dia?”, sobre o produto Assim, da Asso- (www.embalagemmarca.com.br).
Trabalho como gerente geral de uma lan, não foi indicado o nome da Mack

6 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


Edição: Flávio Palhares

Mais personalidade B+G Designers Família Fondor


Garrafa arredondada, relevo e novo
(11) 5051-1446
www.bmaisg.com.br em expansão
símbolo modernizam o Dreher
Gráfica 43 Rótulos auto-adesivos
CIV enfeitam embalagens
(81) 3272-4484
Líder do mercado brasileiro de conha- (47) 3221-1200
ques, o Dreher estréia nova embalagem, www.43sagrafica.com.br
www.civ.com.br
A linha de tem-
remodelada com o auxílio de pesquisas. Mondicap
DPZ peros prontos
(11) 3048-4000 As garrafas de vidro de 900 (15) 3225-1650
www.mondicap.com.br Fondor, da
www.dpz.com.br mililitros são produzidas pela
Maggi, é amplia-
Owens-Illinois do Brasil, pela Owens-Illinois
Gesa da com o sabor
CIV e pela Saint-Gobain. A gar- (11) 6542-8000
(54) 3332-4005 Limão. O pro-
www.oidobrasil.com.br
gesa@graficagesa.com.br rafa ganhou forma mais arre-
duto é acon-
dondado e gravações em relevo
Gráfica 43 dicionado em
(47) 3221-1200 do ícone da marca, o cavaleiro
frascos de vidro
www.43sagrafica.com.br medieval encilhado (que foi
fornecidos pela
redesenhado pela DPZ).
Indeplast Owens-Illinois,
(11) 6806-5000 O ícone agora aparece
com tampas
www.indeplast.com.br com mais destaque no
de polipropi-
Owens Illinois
rótulo e na gargalheira
leno supridas
(11) 6542-8000 de papel auto-adesivo,
www.oidobrasil.com.br
pela Mondicap.
fornecidos pela Gesa
Os rótulos
Plastamp e pela Gráfica 43. A
auto-adesivos
(11) 4584-2020 tampa plástica, produ-
www.plastamp.com.br de papel são
zida pela Indeplast e
impressos em
pela Plastamp, também
off-set pela
traz novidade, passan-
Gráfica 43. O
do a ostentar o logotipo
layout é da
de Dreher gravado em
B+G Designers.
dourado.

Passado resgatado nas embalagens


Kellogg's utiliza ilustrações de 1910 nas caixas de Corn Flakes

A Kellogg’s aposta em uma volta leite, a Kellogg’s propõe outras no verso das embalagens. A FOTOS: DIVULGAÇÃO

ao passado com as embalagens formas de consumo. Para isso, agência que assina o layout das
do floco de milho Corn Flakes, a equipe de nutrição da empresa embalagens é a espanhola Alda-
primeiro cereal comercializado preparou nove receitas delicio- ba Diseño & Publicidad.
pela empresa. As caixas de sas que são impressas
papel cartão rece-
beram ilustrações
Aldaba Diseño & que fizeram sucesso
Publicidad nas embalagens na
+ 34 9 4824-8344
www.aldabadis.com década de 1910 nos
Estados Unidos. São
Brasilgrafica quatro gravuras que
(11) 4133-7777
www.brasilgrafica.com.br decoram os cartu-
chos impressos pela
Brasilgrafica. Além
da degustação com

8 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


Batata frita em

FOTOS: DIVULGAÇÃO
óleo de Palma
Produto é lançamento da Oris Alimentos
A Oris Alimentos, que estréia no mercado de sna-
cks, lança sua linha Lambisk, composta por seis A10 Design
tipos de batatas fritas: lisa natural, lisa chilli pimenta, (11) 3845-3503
www.a10.com.br
lisa costela grelhada, lisa queijo, ondulada original
teen e palha. O diferencial é que o tubérculo é frito
em óleo de palma, extraído do dendê. A a10 Design
assina a criação da logomarca e das embalagens,
que são produzidas em BOPP transparente + BOPP
metalizado pela própria Oris.

Aposta no
vermelho
Chega ao mercado a
CIV
(11) 2172-7400
Ypióca Red Fruits
www.civ.com.br
Em garrafas de vidro
Contrátil da CIV de 960 mililitros
(11) 6842-1199
www.contratil.com.br
chega às gôndolas a Ypi-
óca Red Fruits, bebida
Íntegra que mistura a cachaça
(85) 3248-4488
Ypióca Prata e as frutas
Isa Plásticos morango, cereja e fram-
(19) 3582-9500 boesa. As tampas de
www.isaembalagens.com.br
polipropileno, acrílico e
NewGraf alumínio são fornecidas
(85) 3224-0471 pela Isa Plásticos e pela
Plastamp Plastamp. O rótulo de
(11) 4584-2020 papel é impresso pela
www.plastamp.com.br
NewGraf. A embalagem é
completada por um lacre
dourado na tampa con-
feccionado em PVC pela
Contrátil. O design das
embalagens, que prioriza
as cores vermelha e dou-
rada, é da Íntegra.
Anador de cara nova Acqua Hidrat em
Baumgarten
(47) 3321-6666
Embalagem do analgésico é reformulada frascos de PE Embaclass
www.baumgarten.com.br O analgésico Anador, da Boehringer Inge- (11) 6875-2100
Auto-adesivos decoram embalagens www.embaclass.com.br
Gráfica Gonçalves lheim, presente há 51 anos no Brasil,
A Doctor Hair coloca no mercado
(11) 4689-4700 moderniza sua identidade visual, com Gráfica Supremax
www.goncalves.com.br o xampu e o condicionador da (12) 3681-4065
mudança de cores e de logomarca e a
linha Acqua Hidrat Elements. Os
Interbrand introdução de um ícone que remete à indi- Technolabel
produtos são comercializa-
(11) 3707-8500 cação do produto: combate a dores em (11) 6954-2242
www.interbrand.com dos em frascos de polie- www.technolabel.com.br
geral. A embalagem ganhou a cor laranja
tileno da Embaclass
mais viva e detalhes em amarelo, além do Vector
e contam com a
contorno de um corpo huma- (12) 3022-0739
decoração de rótu- www.vector.com.br
no envolvido em uma espiral.
los auto-adesivos
Os cartuchos de papel cartão
de BOPP impres-
são impressos pela Gráfica
sos pela Techno-
Gonçalves e pela Baumgar-
label e pela Gráfi-
ten. O layout ficou a cargo
ca Supremax. Os
da Interbrand.
frascos dos dois
produtos têm
tampas de poli-
propileno produ-
zidas pela Emba-

FOTOS: DIVULGAÇÃO
class. O design
das embalagens é
da agência Vector.

Formatos diferentes para agradar a garotada


Sukest amplia família de chicles
Celocorte
A Sukest aumenta seu portfólio Embalado em papel parafinado
(11) 4156-3011
www.celocorteembalagens.com.br de gomas de mascar. A linha coberto com papel cromopel,
Festball chega com chicletes fornecidos pela Embalagens
Embalagens Flexíveis
em formato de doce e conta Flexíveis Diadema, o chicle
Diadema
(11) 4066-9000 com as variantes brigadeiro traz tatuagens de cicatrizes.
www.embalagensdiadema.com.br e tutti-frutti. As embalagens O layout das embalagens foi
flexíveis de BOPP são produ- desenvolvido pelo departamen-
zidas pela Celocorte. A linha to de arte da Sukest.
Splow, que ganhou as
versões sun-
dae de cho-
colate e sundae
de amora, tem
embalagens de
BOPP também for-
necidas pela Celo-
corte. Outra novida-
de é o Chicle Tatoo,
da linha Cicatriz.

10 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


Dona Benta brilha
Papel cartão com verniz UV embala produtos
A marca Dona Benta, da J. Macêdo, apresenta sua nova
Seragini Farné
linha Chocolatíssimo de misturas para bolo, que tem as (11) 2101-4300
variantes Brownie, Chocolate Tipo Suíço e Chocolate www.seraginifarne.com
Cremoso. Os produtos são acondicionados em caixas
de papel cartão, que recebem aplicação de verniz UV

FOTOS: DIVULGAÇÃO
alto brilho e são impressas pela própria J. Macêdo. O
layout das embalagens é assinado pela Seragini Farné.

Niely em estojos de cartão


Empresa lança kit de relaxamento capilar
Chega ao mercado o loção ativadora) de polie-
RelaxHair Guanidina, tileno de alta densidade
novo conjunto de produ- com tampas de polipro-
tos da Niely para amaciar pileno, produzidos pela
e relaxar os cabelos. O Indubrascom (Niely) com
kit, composto por cinco rótulos auto-adesivos
itens, é acondicionado impressos pela Printek.
Indubrascom
em caixas de papel car- O balde de polipropileno (21) 2667-2800
tão duplex impressas pela de 200 gramas do creme
Jorgon. O design dos relaxante é fornecido pela Jorgon
(21) 3151-9416
cartuchos é da própria PJ Plastika. O sachê de www.graficajorgon.com.br
Niely. No interior da caixa 5 gramas do protetor de
há frascos de 50 mililitros fios e peles tem impres- PJ Plastika
(21) 2676-3407
(xampu, condicionador e são da Viva Embalagens. www.pjplastika.com.br

Printek
(27) 3245-4566
www.printek.com.br

Viva Embalagens
(21) 3515-6161
www.vivaembalagens.com.br
plásticas >>> margarinas

Sinuosos e multicolores
Potes com formato de “onda” e mais de dez pigmentos diferentes para cada tipo
de tampa destacam marcas Doriana e Becel nas gôndolas de cremes vegetais

FOTOS: DIVULGAÇÃO
C
onsolidada como o principal mer- CRIADORES E CRIATURAS de marketing da Dixie Toga. A escolha recaiu
Embalagens são sobre o formato “onda”, como vem sendo
cado de potes termoformados do produzidas pela Dixie
país, a categoria de margarinas Toga com tecnologia de chamada a silhueta sinuosa das tampas e
abriga desde maio último um case pigmentação da Cromex potes. A despeito do shape inovador, a boca
de embalagem interessante dos pontos de do pote segue o design das antigas emba-
vista da diferenciação frente à concorrência e lagens, que também eram fornecidas pela
do destaque nas gôndolas. Trata-se das novas Dixie Toga. “Isso evitou maiores mudanças
apresentações das marcas Becel e Doriana, nos equipamentos de embalagem”, explica
que estrearam no país após terem surgido no Sá. Ademais, por compartilharem o mesmo
mercado chileno no início deste ano. Feito em formato, o fundo do pote e a parte superior da
polipropileno (PP), o novo conjunto de pote e tampa são encaixáveis, não comprometendo
sobretampa plástica transparente chama aten- o empilhamento do produto. Tal detalhe foi
ção pela diversidade de cores e pelo uso de pensado para facilitar o transporte, o armaze-
um formato inédito na categoria. Resultado namento e a exposição no ponto-de-venda.
de três anos de desenvolvimento, o projeto A tecnologia de pigmentação das tampas
foi encabeçado pela Dixie Toga, que fornece também exigiu análise laboriosa. A criação
as tampas e os potes termoformados usados e as adequações das diferentes tonalidades
tanto aqui como no Chile. No total, a empresa levaram cerca de um ano. Os aditivos utili-
fabrica cerca de 8 milhões de unidades das zados são fornecidos pela Cromex, empresa
novas embalagens por mês. Toda a produção especializada em pigmentos especiais usados
ocorre na fábrica de Votorantim (SP). pela indústria de transformação plástica. No
“O cliente buscava formatos diferencia- total foram criadas mais de dez tonalidades
dos, e nós apresentamos quatro opções dentro diferentes, uma para cada tipo de produto. As
desse espírito”, lembra Regis Sá, supervisor segmentações da linha Doriana, por exem-

12 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


plo, incluem as versões iogurte
e azeite de oliva, cujas embala-
gens têm predomínio das cores
azul e verde, respectivamente.
A decoração das novas embala-
gens ocorre no tradicional sistema
dry offset, em que a impressão
é feita diretamente na parede da
embalagem. Mas, a julgar pelo
que se vê lá fora, mudanças podem
ocorrer. No Chile, onde a marca
Doriana é chamada de Dorina, as
novas embalagens vestem rótulos
termoencolhíveis aplicados pela
própria Dixie Toga. É difícil saber ÇÃ
O
GA
se a tecnologia será adotada por DI
VUL
S:
aqui. Mas muitos apontam os heat FO
TO

shrink sleeves, já vistos nos potes


das margarinas Leco, da Vigor, entre VERTICALIZANDO
outras, como forte tendência de decoração do Shape da parte superior acertaram ainda a criação de uma joint ventu-
mercado brasileiro de margarinas. das tampas encaixa no re que passará a administrar a produção, dis-
fundo dos potes para
facilitar o empilhamento tribuição e venda das marcas Becel e Becel
Perdigão avança ProActiv. A Unilever continuará responsável
Sistemas de decoração e formatos de embala- pelo desenvolvimento de produtos da linha.
gem à parte, nos últimos meses o mercado de Já a Perdigão cuidará das áreas de distribui-
margarinas também atraiu holofotes graças a ção e venda.
uma negociação inédita. Enquanto a onda da Cromex O negócio começou a ser aventado no
(11) 3856-1000
Dixie Toga causava impacto nas gôndolas, a www.cromex.com.br início do ano. No lado da Perdigão, o objetivo
Unilever, cliente da empresa nesse projeto, é ganhar força num segmento dominado pela
Dixie Toga rival Sadia. No ano passado, o mercado de
anunciou um acordo com a Perdigão. Esta
(11) 5516-2000
pagou 77 milhões de reais pelas marcas www.dixietoga.com.br margarinas movimentou cerca de 1,5 bilhão
Doriana, Delicata e Claybom, e por ativos de reais no país. Deste total, cerca de 30%
(máquinas e equipamentos) de uma fábrica da foram embolsados pela Sadia, e 20% pela
Unilever em Valinhos (SP). As duas empresas Unilever, com destaque para a fatia de 12%
de Doriana. As duas empresas anunciaram
ainda a disposição de identificar novas opor-
tunidades de sinergia em outros segmentos.
A joint venture terá um conselho executivo,
que vai administrar a transição inicial de pro-
dução da Becel e avaliar outros produtos que
podem ter acordo semelhante.
A produção de margarinas da Unilever
está concentrada hoje na fábrica de Valinhos.
Pelo acordo, a Perdigão comprou apenas
os equipamentos, mas terá prazo
de até 15 anos para utilizar
o espaço físico da fábrica
que pertence à Unilever.
RADICAL MAS NEM TANTO Os funcionários (cerca de
A boca do pote segue o
mesmo design da embalagem 300) também continuarão
anterior: menos mudanças ligados à multinacional,
nas linhas de produção
mas vão passar a trabalhar
para a Perdigão. (LH)

14 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


making of >>> medicamentos

Uma injeção de marca


EMS investe em branding e em novas embalagens para seus medicamentos éticos
Por Marcella Freitas

FOTOS: DIVULGAÇÃO
TUDO AZUL

V
igiadas por questões normativas, Novas embalagens dos prateleiras, as curvas se encaixam e criam com-
medicamentos vendidos
encabrestadas pelas indefectíveis sob prescrição da EMS
posições harmoniosas, ou wall displays.
tarjas pretas, vermelhas ou amare- incorporam o novo A idéia dos desenhos em encaixe partiu
las e “expostas” atrás dos balcões logotipo do laboratório e da consultoria Gad’ Branding & Design, con-
“ondas” em tons de azul
das farmácias, as embalagens dos medicamen- tratada para injetar personalidade na EMS.
tos éticos, aqueles vendidos sob prescrição, não Para reformular as embalagens, trabalho auxi-
são muito afáveis a carismáticas estratégias de liado por uma equipe interna do laboratório,
marca. Querendo, mesmo assim, dar perso- a Gad’ iniciou no primeiro semestre do ano
nalidade aos seus produtos, tornando-os mais passado uma pesquisa com o próprio cliente,
familiares ao consumidor, o laboratório EMS com pontos-de-venda e com consumidores. O
recentemente decidiu investir em branding, para estudo abrangeu questões como compreensão
modernizar sua identidade visual e sua apresen- dos valores e atributos da farmacêutica, análise
tação nas drogarias. do segmento e visitas a drogarias, para enten-
Produzidos em papel cartão triplex TP Hi- der a forma com que os medicamentos eram
Bulky, da Suzano, e impressos em offset (pelas expostos. “A marca não tinha um padrão, e essa
gráficas Box Print, Sarapuí, São Luiz Gonzaga ausência enfraquecia a percepção da marca e
e Paulusgraf), os cartuchos utilizados pela EMS dos produtos”, conta Hugo Kocadloff, diretor
como embalagens secundárias dos seus medica- de criação da Gad’.
mentos ganharam novos layouts. Agora osten- O ponto de partida do projeto foi a reno-
tam tons de azul e, na parte superior, traços cur- vação do logotipo da EMS. A figura ganhou
vilíneos que transmitem a idéia de uma onda. um elemento cheio de curvas que alude a uma
Quando as caixas são dispostas lado a lado, nas molécula, importante componente das pesqui-

16 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


sas feitas pelo setor farmacêutico. Esse formato
orgânico, segundo Kocadloff, associa a marca
ao produto ou ao serviço oferecido por sua
RETOQUES
portadora. “Como um dos principais valores da Consagradas, embalagens
empresa é a simplicidade”, explica o profissio- dos medicamentos de
venda livre sofreram
nal, “procuramos utilizar formas mais simples, apenas adequações à
redondas, letras mais claras.” nova identidade visual

Sob qualquer ângulo


No segundo semestre do ano passado come-
çaram os estudos para a padronização das
embalagens, partindo-se do princípio de que
elas deveriam conter aspectos gráficos curvi- Finalizado, o novo projeto visual já pode
Box Print
líneos para acompanhar o novo logotipo. O ser visto nas farmácias, esperando a resposta do
(11) 5505-2370
time criativo criou um elemento gráfico, uma www.boxprint.com.br público. Como a EMS entendeu que seus medi-
onda, para promover reconhecimento à linha de camentos isentos de prescrição (MIP, também
Gad’ Branding & Design
embalagens. Com todo o trabalho respeitando (11) 3040-2222
conhecidos como OTC – sigla em inglês que
as normas estabelecidas pela Anvisa (Agência www.gad.com.br significa over the counter, ou “fora do balcão”)
Nacional de Vigilância Sanitária), o lettering já contavam com identidades consolidadas,
Gráfica São Luiz Gonzaga
das informações contidas nas embalagens tam- (11) 4181-5655
reconhecidas pelos consumidores, as embala-
bém foi uniformizado. www.graficaslg.com.br gens dessa linha não foram radicalmente altera-
O redesign buscou trabalhar todas as faces das. Mesmo assim, elas receberam adaptações
Gráfica Sarapuí
dos cartuchos, de modo que, mesmo que o con- (11) 6115-3400 e contam agora com o novo logotipo e com os
sumidor os visualize pelas laterais, por cima ou www.graficasarapui.com.br traços curvilíneos em sua parte superior.
pela parte traseira, a onda e o logotipo da EMS
Paulusgraf
sejam imediatamente percebidos. “Nós procu- (11) 4056-8011
ramos projetar as embalagens com elementos www.paulusgraf.com.br
que pudéssemos aplicar em qualquer formato”,
Suzano
detalha Kocadloff, que não deixa de discorrer 0800 055 5100
a respeito de um aspecto dos medicamentos www.suzano.com.br
éticos que interfere no layout das embalagens e
dificulta o trabalho do designer. “As tarjas ver- 
melhas, amarelas ou pretas ocupam, às vezes, 
até 50% da face principal e não têm um cuidado
gráfico muito grande, são bastante agressivas na
sua comunicação”, diz o profissional. 

Helvetica Neue 75 bold


FOTOS: DIVULGAÇÃO

Helvetica Neue 55 Roman


Helvetica Neue 75 bold
Helvetica Neue 46 Light Italic
Helvetica Neue 55 Roman
COMPOSIÇÃO – Ondulação é visível em todas as faces dos cartuchos e cria um N°: Helvetica Neue 75 bold
desenho contínuo nas prateleiras. À dir., o novo lettering das embalagens da EMS

18 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


Engarrafado na lata
Simples, porém original, lata de aço de três peças com formato de garrafa é
aposta de metalúrgica italiana para combater o vidro no mercado de azeites

R
eza a lenda que, em certa de não quebrar, e, portanto, sem oca-
ocasião, ao ser questiona- sionar paradas de produção”, comenta
do por um cortesão se a Francesco Amati, gerente de P&D do
descoberta da América não Gruppo ASA. Topo e base da embala-
ocorreria de qualquer jeito, à revelia gem preservam a construção tubular,
de seus esforços, Cristóvão Colombo “pois ela agiliza e garante economia
lhe teria respondido com um desafio: na montagem da embalagem”, explica
colocar um ovo de galinha em pé. Amati, acrescentando ser viável traba-
Após tentativas malogradas do desa- lhar com formatos diferentes do padrão
fiado, Colombo “matou” a tarefa que- já oferecido. A Colombo estará inicial-
brando um extremo do ovo, solução mente disponível nos volumes de 500
tratada com desdém pelo cortesão. mililitros, 750 mililitros e 1 litro, com
Popularizada para ilustrar a coisa que variadas possibilidades de decoração
não se soube fazer e que se acha fácil litográfica no corpo.
depois de vê-la realizada pelos outros, No cotejo com a garrafa de vidro,
a expressão “ovo de Colombo” cai bem a Colombo é propagandeada como
a uma nova embalagem: a garrafa de mais segura, por não quebrar, e mais
aço para óleos. Diante da renhida dis- protetora, pelo fato de sua opacidade
puta entre a lata e a garrafa de vidro no evitar a oxidação provocada nos óleos
mercado de azeites extra-virgens e de comestíveis pela exposição aos raios
alta nobreza, o lançamento, à primeira ultravioleta. De acordo com o Gruppo
vista uma idéia simples, demonstra ASA, a barreira à fotodegradação pro-
originalidade e inovação. longa a vida-de-prateleira e preserva as

DIVULGAÇÃO
Não à toa, a embalagem foi batizada propriedades organolépticas do azeite,
de Colombo por seu criador, o Gruppo fator especialmente crucial para as ver-
ASA – maior fabricante independente sões do produto com apelo premium.
de embalagens metálicas da Itália, com Como a Colombo é cerca de 75%
seis fábricas espalhadas pela “bota”. O mais leve que garrafas de vidro para
nome também vem a ser uma sigla para mesmo volume, o Gruppo ASA bate
Customized OLive Oil Metallic BOttle na tecla de que a garrafa de aço é uma
(“garrafa metálica personalizada para alternativa vantajosa para os expor-
óleo de azeite”, vertendo-se do inglês). tadores de azeite. Assim, os princi-
pais focos de prospecção da Colombo
Rival emulada serão Espanha, Itália e Grécia, respec-
Basicamente, a Colombo consiste tivamente os três maiores produtores
numa lata de aço de três peças – base, mundiais de oliveiras. Como o con-
corpo e gargalo. Inicialmente produ- sumo de azeite no Brasil é largamente
zido com perfil cilíndrico, o corpo abastecido por esses países, não será
da embalagem é expandido a fim de surpresa se a Colombo der o ar de sua
ganhar linhas retas e permitir que a lata graça por aqui em breve, na prateleira
emule o formato Marasca, aquele mais de algum entreposto. (GK)
utilizado pelas garrafas de vidro para
azeite. “Com isso, a Colombo torna-se SEM MUDANÇA – Colombo pode ser
Gruppo ASA
compatível com as linhas de envase (+378) 0549 94 08 11 envasada com azeite nas mesmas linhas
de azeite em vidro, com a vantagem www.gruppoasa.com dedicadas às garrafas de vidro

20 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


“Shots” em flexíveis
Empresa americana investe em miniaturas de
pouches para uísque, rum, vodca, tequila e gim

G
arrafinhas de vidro fundador e presidente da Pocket
dominaram por muito Shot. Os destilados em flexíveis
tempo o acondiciona- são comercializados em displays
mento de destilados de papel cartão para doze unidades,
alcoólicos (spirits) em miniatura, desenhados e impressos em offset
geralmente oferecidos em hotéis, cinco cores pela PackagingARTS.
aviões, serviços de catering e lojas A mesma empresa desenvolveu o
de conveniência. Alguns anos atrás, design dos pouches.
as garrafinhas de PET entraram na
parada. Agora, uma empresa cali- Camada tripla
forniana, a Pocket Shot, quer popu- Para evitar furtos nas lojas, um
larizar nesse mercado o que se pode problema devido às pequenas
definir como “flaconetes flexíveis”: dimensões das novas embalagens,
pequenas bolsas plásticas que ficam a Pocket Shot sugere que os dis-
em pé (stand-up pouches), dotadas plays sejam posicionados próximos
de um “gargalo” com sistema de dos caixas. Cada unidade da linha
fácil abertura por rasgo e que facili- Pocket Shot é vendida por cerca de
ta o derramamento das bebidas em 1,79 dólar.
copos. As embalagens, com volume Na fabricação das embalagens,
de 50 mililitros, já podem ser vis- uma estrutura de PET/PET revestido
tas em alguns Estados americanos, com óxido de alumínio/polietileno é
acondicionando uísque, rum, vodca, produzida e convertida em bolsinhas
tequila e gim. pré-formadas pela Amcor Flexibles
“A intenção foi desenvolver Europe, em plantas industriais na
uma maneira divertida e funcional Suíça e na Dinamarca. A decora-
de consumir destilados, uma cisão ção é em rotogravura três cores. O
com as garrafas que combina com envasamento dos destilados é feito
um estilo de vida moderno, ativo e pela americana Frank-Lin Distillers
oportuno para o consumo em movi- Products, numa enchedora/seladora
mento”, diz Jarrold Bachmann, alemã Laudenberg. (GK)
DIVULGAÇÃO

DOSES – Flaconetes
flexíveis da Pocket
Shot ficam em
pé e carregam
50 mililitros
de destilados

Amcor Flexibles
+41 (62) 209-0111
www.amcor.com

Laudenberg
+49 2267-6990
www.laudenberg.com

PackagingARTS
+1 (707) 562-2787
www.packagingarts.com
reportagem de capa >>> embalagens prontas para gôndola

Elas vieram para ficar


Já disseminadas lá fora, caixas-display começam a ganhar espaço no Brasil
Por Leandro Haberli

U
m conceito simples, mas capaz gens primárias durante as operações de despa-
de aperfeiçoar os modelos de cho e armazenamento, caixas de transporte do
abastecimento do varejo. Assim tipo shelf-ready ajudam a padronizar a disposi-
podem ser definidas as caixas-dis- ção das mercadorias nos supermercados. Num
play, embalagens de transporte especialmente modelo de reposição baseado na retirada dos
desenvolvidas para exposição nos pontos-de- produtos das caixas de papelão para posterior
venda. Tendência mundial, essa idéia já está acomodação nas gôndolas, as SRPs têm entre
disseminada nos supermercados americanos e seus apelos a facilitação desse quebra-cabeça.
europeus, onde é conhecida como shelf-ready Os ganhos não se limitam aos proporciona-
package (SRP), ou embalagem pronta para a dos à cadeia de abastecimento e aos repositores
gôndola. Uma de suas características é a utili- do varejo. Na crescente disputa por espaço de
zação de sistemas de fácil abertura, como ser- exposição, as caixas-display também trazem
MUTAÇÂO
rilhados, picotes ou fitas plásticas. Com eles, EM SEGUNDOS benefícios às marcas, funcionando como uma
em poucos segundos as SRPs deixam de ser Sistemas de fácil espécie de escudo de proteção, demarcando
abertura (foto menor)
caixas de despacho comuns, transformando-se transformam caixas de e mantendo a área de gôndola. “Dificilmente
em módulos de exposição no ponto-de-venda. despacho aparentemente um produto concorrente é colocado no dis-
convencionais em
Assim, além de proteger e unitizar as embala- módulos de exposição play de outra marca quando ele está vazio ou
no ponto-de-venda incompleto”, salienta Paulo Berbel, gerente
de engenharia de embalagem da 3M, empresa
que usa caixas-display em diversas linhas de
produtos, incluindo esponjas para lavar louça
e fitas adesivas.

22 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


Quem também vem dando votos de con- nio e sobretampa plástica, que causou grande
fiança nas SRPs é a Unilever, que adotou impacto no mercado de embalagens de aço.
embalagens-display desenvolvidas Também impressa em flexografia cinco cores
pela Rigesa, grande fomentadora de mais verniz, a SRP da Gomes da Costa se
projetos do gênero no Brasil. Com destaca pela boa qualidade de impressão e por
impressão flexográfica em cinco encaixes internos que mantêm os produtos
cores combinada com uso de papel alinhados nas gôndolas. “A possibilidade de
branco do tipo coating com grama- empilhamento e a profundidade das caixas oti-
tura de 190 g/m² e acabamento com mizam a utilização dos espaços nas gôndolas”,
verniz, as embalagens foram feitas acrescenta o especialista de produto da Rigesa.
para a linha de capilares das marcas
Dove e Seda. As tintas e o verniz são
aplicados diretamente sobre a chapa
de papelão. “Conseguimos cortes e
vincos sem variação dimensional,
característica imprescindível nesse
tipo de embalagem”, ressalta Fernando
Maria, especialista de produto da
Rigesa.
A própria empresa desenvolveu
no mercado de pescados industriali-
zados uma embalagem-display para ESCUDO DE PROTEÇÃO
a nova linha de patês de atum da Gomes da Na visão da 3M, caixas
de papelão do tipo
Costa. Os produtos são vendidos em latinhas shelf-ready demarcam
dotadas de abertura formada por selo de alumí- área de gôndola

agosto 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 23


Para Luis Manglano, diretor de marketing da SOFISTICAÇÃO frutas caixas de papelão ondulado do tipo SRP
Gomes da Costa, além de valorizar a exposição Impressão flexográfica
em cinco cores ajuda a
sendo descartadas sem cumprir sua função de
do produto, que fica com a tampa virada para destacar caixas-diplay exposição no ponto-de-venda. “É algo a se
o consumidor, esse tipo de embalagem oferece desenvolvidas pela pensar, especialmente quando consideramos
Rigesa para a Unilever
um “grande diferencial aos supermercadistas”. que as perdas geradas pelas pirâmides de frutas
A menção aos apelos das SRPs na ponta da em supermercados chegam a 17%”, informa o
cadeia torna necessário um parêntese. Acontece presidente da ABPO.
que, ao contrário do que se dá lá fora, o custo Esse tipo de postura do varejo explica em
da mão-de-obra dos repositores de mercadorias parte a participação ainda tímida das embala-
nos supermercados brasileiros é baixo. Talvez gens prontas para gôndola no varejo nacional.
por isso as redes varejistas daqui nem sempre Mas os motivos dessa baixa adesão não se
explorem as caixas-display em sua plenitude. restringem aos supermercadistas. Mais eficien-
Na apuração desta reportagem, por exemplo, a tes para o modelo logístico, as SRPs também
equipe de EMBALAGEMMARCA se deparou com são mais sofisticadas, e, portanto, apresentam
repositores descartando embalagens prontas custo unitário superior. Enquanto as caixas de
para gôndola como se fossem embalagens de papelão ondulado convencionais são normal-
despacho comuns, isto é, antes de sua devida mente impressas em uma só cor sobre papel
exposição no ponto-de-venda. kraft comum, as caixas-display costumam ser
“Somente investimentos isolados em emba- produzidas com várias cores. Além disso, a
lagens não bastam”, alerta Paulo Sérgio Peres, impressão pode ser feita sobre materiais de
presidente da Associação Brasileira do Papelão maior nobreza, que normalmente são acopla-
Ondulado (ABPO). Para ele, para uma maior dos ao papelão ondulado.
OTIMIZADO
difusão das caixas-display, o conjunto logístico Possibilidade de “A simples comparação entre os custos de
como um todo precisa ser readequado. “É pre- empilhamento e uma e outra continua sendo uma equação não
profundidade das SRPs
ciso haver uma mudança de postura principal- adotadas pela Gomes resolvida no Brasil”, comenta Ailton Pupo,
mente na ponta da cadeia, no varejo”, ele diz, da Costa melhoram gerente de novos negócios da Rigesa. O execu-
aproveitamento do
acrescentando que já presenciou em seções de espaço de gôndola tivo defende que a análise de custos das caixas
de papelão do tipo shelf-ready deve contemplar
toda a cadeia de abastecimento, e não apenas
o preço unitário da embalagem. “Há reduções
de custo e de tempo em diferentes etapas, mas
elas ainda não foram totalmente mensuradas”,
aponta o gerente da Rigesa.
No campo da comunicação de ponto-de-
venda, por exemplo, as caixas-display podem
reduzir investimentos em materiais de mer-
chandising, como painéis, frentes de gôndola
e cartazes. Ademais, seu uso costuma ser
positivo do ponto de vista da comunicação

24 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


MODELO A SER COMBATIDO
Na foto de celular feita em supermercado de São
Paulo, amostra do que ausência de SRPs pode causar

da marca, que pode ser colocada em tamanho


maior, potencializando sua visualização e faci-
litando a localização do produto em meio às
marcas concorrentes. Por fim, mas não menos
importante, é preciso considerar que, na ausên-
cia de embalagens de transporte prontas para
as gôndolas, muitas vezes os repositores dos
supermercados improvisam, e acabam cortan-
do os frontais das caixas de papelão ondulado
convencionais com facas e estiletes. Além de
produzir caixas-display capengas ou mal-ajam-
bradas, tal procedimento pode causar danos
aos produtos. Avariados, estes acabam inclusos
nos cálculos de perdas dos fabricantes.
“Apenas apontar esse tipo de embalagem

FECHANDO O RALO
Caixas prontas para
PDV podem estancar
perdas de até 17%
provocadas por
pirâmides de frutas
em supermercados

agosto 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 25


Bem-vinda m
como mais caro não é justo”, sublinha Robson
Alberoni, gerente de novos desenvolvimentos
da Klabin, importante nome do mercado de
papelão ondulado que também tem investido
em projetos de SRP. A empresa, aliás, aprimo-
rou no ano passado sua linha de caixas-display Tradicionais nos balcões de padarias e
dotando-as de fitas de fácil abertura, que pro-
metem agilizar ainda mais as reposições de
papel cartão se consolidam no grande
ponto-de-venda. No plano das vantagens das Abpo

O
(11) 3831-9844
SRPs, Alberoni ressalta que, somados à demar- conceito de embalagens prontas
www.abpo.org.br
cação da área de exposição, essencial quando para gôndolas (SRPs, na sigla em
o giro é alto ou quando ocorre falha ou falta Box Print inglês) é normalmente associa-
(11) 5505 2370
de reposição, os benefícios podem resultar em www.boxprint.com.br
do a caixas de papelão ondulado.
aumento de vendas. “Nessa conta, a caixa-dis- No entanto, embalagens-display podem ser
play começa a ficar mais barata e vantajosa”, Igel feitas de diferentes materiais, inclusive de
(51) 3041-8300
concorda Paulo Berbel, da 3M. www.igel.com.br
plásticos rígidos. Estes são muito usados, por
Assim como o aspecto das perdas, cabe exemplo, no mercado de doces, principal-
lembrar que, ainda que ínfimos, os recursos Irani mente sob a forma de berços e bandejas, que
(11) 4154-8200
economizados com repositores poderiam ser www.irani.com.br servem como base de fixação das embalagens
alocados em atividades de promoção e estímu- primárias de diferentes guloseimas. Mas as
lo de vendas. Também vale como argumento Klabin grandes oportunidades do mercado de SRPs
(11) 3046-5800
o fato de que, segundo pesquisas, em média www.klabin.com.br parecem mesmo reservadas à
as frotas de veículos de carga trafegam no cadeia de celulósicas. É o que
Brasil com apenas dois terços da capacidade Rigesa mostra a força desse conceito
(19) 3869-9330
permitida. Com os vários formatos de caixas www.rigesa.com.br no mercado de cartuchos de
de papelão existentes, uma vez que na maioria papel cartão.
das vezes essas embalagens são fabricadas sem Tradicionais fornecedores
padrões e sob medida para cada produto, nem de caixas-display vistas nos
sempre é possível aproveitar todo o espaço útil balcões de padarias e mer-
do caminhão. Estaria aí outra vantagem das cearias, nos últimos anos os
SRPs, que podem diminuir a falta de padrão convertedores de estojos de
prejudicial a toda a logística dos produtos papel cartão assistiram à difu-
Com origens que remontam ao hard dis- são desse tipo de embalagem
count, como são chamados lá fora os super- no grande varejo. “As embala-
mercados baseados em operações e preços gens-display se tornaram uma
enxutos, as caixas-display também podem ser ferramenta indispensável em dife-
muito úteis no pequeno varejo. “Nas lojas de rentes perfis de varejo, inclusive nos
vizinhança, os espaços são reduzidos, e o uso
desse tipo de embalagem pode ajudar na dispo- FORÇA EM GULOSEIMAS
sição dos produtos”, lembra Eduardo Baltazar, Associados a berços plásticos,
estojos cartonados do tipo SRD
responsável pelo setor de display da Celulose foram incorporados à categoria de
Irani. Vale observar também que os atacadistas candies nos supermercados
e distribuidores que atendem esse canal cos-
tumam prestar serviços de desmontagem das
embalagens de despacho, montando paletes e
até caixas de entrega com sortimento misto.
Com SRPs, esse trabalho poderia ser evitado.
No cômputo geral, a viabilidade das emba-
lagens-display não se justifica apenas pela
redução de custos operacionais, mas por um
conjunto de fatores que inclui preservação dos
produtos, estancamento de perdas e otimização
do gerenciamento logístico.

26 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


igração
mercearias, caixas-display feitas de
varejo e movimentam cartonagens

grandes supermercados”, fala Léo Mussulini


Machado, coordenador de marketing da Igel.
Grande convertedora de cartuchos cartonados
do Sul do país, no ramo de caixas-display
a empresa tem explorado mercados como o
de barras de cereal, medicamentos e candies.
“Temos notado uma crescente demanda por
SRPs para a venda de pequenas porções de
alimentos em estruturas flexíveis”, aponta
Machado.
A força das caixas-display feitas de papel
cartão também pode ser observada na estra-
tégia da Box Print, outro grande nome do
mercado brasileiro de embalagens cartonadas.
Segundo Sergio Damião, administrador de
contas da empresa, a unidade de microondula-
dos vem se dedicando mais e mais a esse tipo
de produto. “Formamos uma equipe especia-
lizada no desenvolvimento de layouts e nas
configurações de facas, travas e outros
acessórios que fazem grande diferença no
desempenho das caixas-display”, conta
Damião, acrescentando que a Box Print
tem a “maior planta de microondulado da
América Latina”. (LH)

agosto 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 27


Edição: Guilherme Kamio

Latinhas em ebulição
Fabricantes de embalagens de alumínio para bebidas investem diante de bom cenário
O negócio de latinhas de ciou que irá construir uma aumentarem. A empre-
alumínio para bebidas está nova fábrica de latinhas no sa espera totalizar 400
aquecido, com o primeiro Nordeste, em local ainda milhões de tampas para
semestre tendo batido um não revelado. A expecta- latinhas exportadas para a
recorde histórico na venda tiva é que a nova planta Europa ao fim deste ano.
de latinhas (5,5 bilhões de industrial, com investi- Em maio, a empresa foi
unidades, 13,3% a mais mentos previstos de 48 certificada como forne-
que no mesmo período do milhões de dólares, entre cedora “world class” pela
ano passado). Com isso, em operação no quarto tri- cervejaria sueca Carlsberg,
os três fabricantes de lati- mestre de 2008, com uma abastecida com tampas
nhas instalados no Brasil capacidade inicial de 700 da unidade de Recife da
– Rexam, Crown e Lata- milhões de latinhas/ano. Rexam.
pack-Ball – iniciaram um A Rexam, que recente- Por sua vez, a Latapack-
programa de aceleração mente inaugurou uma Ball também pretende
para o setor. nova linha em Jacareí (SP), produzir latinhas diferen-
A Crown já começou a apta à produção de latas ciadas a partir de 2008.
produzir tampas na nova de volumes diferentes Para tanto, sua fábrica de Latinha de alumínio:
unidade de Manaus, ainda dos tradicionais 350 mili- Jacareí (SP) já está sendo programa de aceleração
não inaugurada, e anun- litros, vê as exportações reformulada.

Adesivo retort feito aqui mesmo


Coim Brasil nacionaliza insumo para embalagens plásticas flexíveis avançadas
A multinacional italiana Coim acaba de promessa do setor de flexíveis. José Na verdade já existe demanda local
lançar um adesivo para laminação de Paulo Victorio, gerente geral de negó- pelo produto. Uma das barreiras para a
embalagens plásticas flexíveis do tipo cios da Coim Brasil, conversou com difusão do retortable na América Latina
retortable, brandindo ser a primeira a EMBALAGEMMARCA sobre o lançamento. é custo. Com a produção local do ade-
fabricar tal produto no Brasil. Capazes sivo, destravaremos essa barreira.
de suportar esterilização em autoclave Embalagens retortable são aponta-
sob temperaturas acima dos 130º C, das como grande promessa para o Em linhas básicas, quais as especifi-
disputando o acondicionamento de Brasil há alguns anos, mas ainda não cidades do adesivo para o processo
alimentos sensíveis e de alta acidez deslancharam. Dito isso, o lançamento retort?
com vidro, latas e outras embalagens, do adesivo Retortable pode ser definido Basicamente, elevada resistência tér-
as embalagens retortable são uma como uma aposta? mica e química, além de formulação
especial para que atenda ao FDA (certi-
Algumas das possíveis
aplicações do adesivo ficação do órgão americano de vigilân-
retortable cia sanitária) especifico para migração
de aminas aromáticas após o processo
retortable. A Coim é a única a produzir
esse tipo de adesivo no Brasil. Nacio-
nalizamos tecnologia européia.

O alvo da novidade será exclusivamen-


te o mercado nacional?
Os focos serão o mercado local e o
latino-americano em geral.

28 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


No rastro de Suape
O grupo italiano M&G (Mossi & Ghisol- Uma sacola de polêmicas
fi) anunciou que construirá uma nova
planta industrial de PET de nova gera-
Embalagens de boca-de-caixa geram discussões aqui e lá fora
ção nos Estados Unidos, em local a ser Em julho, o prefeito de São Paulo, Um debate sobre alternativas mais
confirmado. Com inauguração prevista Gilberto Kassab, vetou na íntegra o ecológicas para as sacolas plásticas
para 2009, a linha terá capacidade para Projeto de Lei 159/07, que visava utilizadas no varejo também mobiliza
produzir 800 000 toneladas/ano da re-
obrigar estabelecimentos comerciais os Estados Unidos. Segundo o The
sina e empregará a mesma tecnologia
do município a adotar New York Times, há
utilizada na unidade de Suape (PE), Sacola
sacolas plásticas de plástica:
uma pressão crescen-
inaugurada neste ano.
biodegradabilidade oposição te para o uso de sacos
acelerada (oxi-biode- ferrenha de papel reciclado nas
Projetos especiais
Tendo gerenciado os negócios da área gradáveis) em suas lojas americanas. Em
de Plásticos Especiais da química East- saídas de caixa. De abril, um projeto de lei
man para o Mercosul, Peru e Chile nos autoria dos verea- a favor das sacolas de
últimos sete anos, Gabriel Crosta foi dores Arselino Tatto papel foi sancionado
designado para tocar projetos espe- e Lenice Lemos, o em São Francisco, e
ciais da empresa na América do Sul. projeto havia sido medidas semelhantes
Em seu lugar entra Roberto Ribeiro, preliminarmente apro- já são aventadas em
ex-SPP Resinas. vado em maio pela Boston, Baltimore,
Câmara Municipal. Oakland, Portland,
Sob nova direção Kassab defendeu Santa Monica e em
Produtora de embalagens plásticas e uma posição pruden- Annapolis, entre outras
de papel com quarenta anos de merca-
te a respeito, alegando falta de con- cidades americanas. Em meio
do, a Vetorpel foi adquirida pela Buffalo
clusões científicas sobre os efeitos ao fogo cruzado, entre críticos e
Investimentos. A negociação envolveu
da utilização dos materiais oxi-bio- defensores das sacolas plásticas, o
45 milhões de reais, incluindo dívidas,
e foi concretizada em 45 dias. Com degradáveis nas embalagens e nos uso de sacolas reutilizáveis – como
uma carteira de 250 clientes ativos, produtos acondicionados, posição aquelas populares nas feiras livres
a Vetorpel atende a rede de fast food apoiada pelo Plastivida – Instituto brasileiras – começa a ganhar res-
McDonald’s (embalagens para viagem Sócio-Ambiental dos Plásticos. paldo de autoridades e de varejistas.
e saquinhos de batatas fritas) e a Coca-
Cola (rótulos), entre outros.

Bini na Imaje
Egresso da área comercial do braço lo-
Mudanças internas e de controle
cal da fabricante francesa de máquinas Suzano Petroquímica é vendida à Petrobras e mexe em organograma
de embalagem Sidel, Américo Bini foi
Líder nacional na produção de polipro- sujeita ao processo de due diligence, à
contratado para a gerência nacional de
pileno, resina cada vez mais utilizada conclusão de procedimentos e a ratifica-
vendas da fabricante de codificadoras
e marcadoras Imaje. Bini coordenará na fabricação de embalagens plásticas ções pelos sócios e credores.
uma equipe de onze colaboradores, rígidas e flexíveis, a Suzano A Suzano Petroquímica
buscando criar ferramentas para efeti- Petroquímica teve a totalida- também passou por reor-
var inovações comerciais. de de suas ações adquiridas ganização em julho. Com
pela Petrobras, em contrato vinte anos na empresa,
Jackpot assinado no início de agos- Aparecido Luiz Camacho
O Packaging Machinery Manufacturers to. O acordo prevê o paga- foi guindado do departa-
Institute (PMMI), organizador da Pack mento de 2,7 bilhões de mento de Marketing para
Expo Las Vegas 2007, sorteará 40 car- reais pela Petrobras, sendo o setor de Exportação.
tões-presente da Visa, no valor de 250 2,1 bilhões de reais para os Egresso da área comercial
dólares, entre as inscrições antecipa- controladores e 600 milhões da petroquímica, Gustavo
das, feitas pela internet. A Pack Expo de reais de oferta pública de ações para Sampaio de Souza será o novo coorde-
Las Vegas 2007 será realizada de 15 a
os sócios minoritários. A operação está nador de Marketing.
17 de outubro.

30 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


mercado >>> águas

Multiplicação das águas


Sucesso da H2OH! faz brotarem lançamentos análogos ao produto da AmBev

A
explosão causada pela AmBev/
Pepsi no mercado de bebidas não
alcoólicas com o lançamento da
água saborizadas, ou “preparado
líquido aromatizado” com gás, a H2OH!
– segmento do qual, a propósito, se tornou
líder absoluta –, não chegou a surpreender
o fenômeno do mercado entrando de cabeça
nesse que é um dos filões de maior cresci-
mento no Brasil e no mundo. O fato é que,
na esteira dessa marca que lembra a fórmula
do mais natural dos líquidos, não pararam
mais de pipocar lançamentos de águas
saborizadas, aromatizadas, flavorizadas e
funcionais (adicionadas de sais, fibras ou
outros ingredientes que fazem bem ao
organismo). Nada mais natural. É uma
acomodação do mercado, que aproveita
as oportunidades abertas pela concorrên-
cia, levando outras empresas a explorar
o segmento. Segundo a AmBev, desde
que a bebida foi lançada, em setembro
de 2006, todas as expectativas foram
superadas. Tanto que, em oito meses, a
produção que era feita em uma unidade,
passou a ser tocada em seis fábricas.
Ocorreu então uma espécie de multi-
plicação dos pães, ou melhor, das águas
saborizadas. Na esteira da H2OH!, surgiu
uma série de bebidas que se aproveitaram
do sucesso da marca da AmBev para entrar
no mercado com embalagens, rótulos e até
nomes muito parecidos, ou praticamente
iguais, na visão mais rigorosa da líder do
segmento. O maior exemplo é a H2X, da
refrigerantes Xereta, de Tietê (SP). Além da
cor da garrafa, de PET como a da H2OH!,
o rótulo também lembra o do produto da FILHOTES
Fabricantes
AmBev/Pepsi. “Eles criaram um conceito menores
novo, e vimos uma chance de entrar nesse aproveitam o
caminho aberto
mercado”, diz Cid Gallo, diretor comercial pela AmBev para
da Xereta. matar a sede
A Pepsi recorreu à justiça contra a empre- do mercado

sa do interior paulista. O caso não entrou nas


costumeiras delongas dos litígios brasilei-

32 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


ros porque as duas companhias chegaram saborizadas mais um exemplo de como os
a um acordo: a Xereta vai mudar o nome fabricantes de tubaínas se transformaram
do refrigerante para HX, e as embalagens num renitente incômodo para as grandes
(basicamente os rótulos) serão reformuladas. indústrias do ramo de refrigerantes. A empre-
Não foi possível apurar se as alterações que sa se baseia numa operação enxuta, o que
vierem a ser feitas implicarão em colocar o facilita rápidas tomadas de decisão, e é auto-
HX num patamar de diferença suficiente para suficiente em embalagens, possuindo linhas
que o consumidor o veja como outro produ- modernas e totalmente automatizadas de
to que não a H2OH!, ainda que na mesma produção e envasamento de garrafas de PET.
categoria. Desse modo, pode replicar com rapidez as
tendências de mercado – basicamente aque-
Águas agitadas las lançadas pelas gigantes do setor. É o caso
A propósito, como observa um dos profissio- da linha Cachoeira Limão, comercializada
nais do segmento, que não autoriza revelar em garrafas de PET de 350 mililitros, 600
seu nome, enquanto as águas continuam mililitros e 2 litros, com rótulos muito pare-
agitadas (ou tranqüilas, dependendo do ponto cidos com os da H2OH!.
de vista do fabricante de cada marca), uma A AmBev recorreu novamente à justiça
questão que se coloca é a da semelhança comum, pedindo liminar que impedisse a
das embalagens em categorias de produtos. venda da Cachoeira, mas sofreu um revés.
Um ponto básico a definir é em que medida O pedido foi negado, a cervejaria recor-
a apresentação de uma marca numa emba- reu e agora aguarda nova decisão judicial.
lagem com as mesmas cores, o mesmo Enquanto isso, as vendas do produto da
formato porém com uma curva ou um traço Refriso vão de vento em popa. De acordo com
levemente diferentes – enfim, a mesmice que Fábio Pleins, diretor comercial da empresa, a
caracteriza gôndolas e prateleiras nos pon- receptividade à linha Cachoeira Limão, que
tos-de-venda – é própria de uma categoria tem o preço um pouco mais baixo que a líder
de produto. Outro é: em que medida é cópia de mercado, “foi um sucesso”.
da embalagem – e do conteúdo – do produto Outras tantas entraram no vácuo da
líder do segmento. H2OH!, como a Refrigerantes Piracaia, base-
Enquanto isso não se resolve, surgem ada na cidade de mesmo nome, no interior
outras pedras no caminho da Ambev/Pepsi. paulista. Além do líquido, da embalagem
A Refriso, de Rio das Pedras, no interior de e do rótulo, o nome também é baseado no
São Paulo, dona da marca de refrigerantes da bebida da Pepsi: PiraH!Zero. E assim as
Vedete, deu no campo específico das águas águas vão rolando. (FP)
Sondagem GNPD*: águas aromatizadas
Todos os meses, EMBALAGEMMARCA seleciona alguns cases internacionais de um dos mercados analisados por
nossa reportagem, para que os leitores possam compará-los com o que se produz no Brasil

Strawberry Herdez Aroma Blueberry &


Melon Sparkling Equilibrio Rose Water Pomegranate
Water Fresa + País: Taiwan Sparkling
País: Malásia Kiwi Embalagem: Water
Embalagem: País: México Garrafa de PET País: Reino
Garrafa de Embalagem: de 500 Unido
vidro de 414 Garrafa de PET mililitros Embalagem:
mililitros de 420 mililitros Garrafa de
A Itoen PET de 1 litro
A Clearly Canadian O Herdez lançou
redesenhou em Equilibrio em julho Romã e
julho a emba- Fresa + uma nova arando estão
lagem de sua Kiwi Agua água com na extensão
água gaseificada Strawberry & aroma de de linha das
Strawberry Kiwi Flavored rosas em águas gasei-
Melon Sparkling Water é uma Taiwan. ficadas com
Water, com água antio- sabores da
sabores de xidante enri- varejista britâ-
morango e quecida com nica Marks &
melão. O produto aloe vera, Spencer.
não contém con- chá branco
servantes. e fibras.

Ramlösa Jana Eper Jostabeere Vital Calm Vitamin


Persimon/Grape Guava Light Josta Berry Enhanced Water
País: Suécia País: Hungria Flavoured with Guava
Embalagem: Embalagem: Water País: Canadá
Garrafa de Garrafa de PET Embalagem: Garrafa
País: Áustria
vidro de 500 de 500 mililitros de PET de 591 mililitros
Embalagem:
mililitros
Garrafa de PET
A Jana Eper de 500 mililitros O Vital Calm Vitamin
A sueca
Guava Light Enhanced Water in
Ramlösa
é uma água O Jostabeere Calm, com leve sabor
ampliou
mineral natural Josta Berry de goiaba, é uma
sua linha
da Jamnica Flavoured Water bebida natural com
de águas
que combina é a nova água propriedades relaxan-
com sabor
os sabores saborizada da tes da Vital Lifestyle
com a
de morango e Römerquelle Water. Contém camo-
introdução
de goiaba. A Emotion. A josta mila, bálsamo de
das varian-
garrafa possui berry é um limão e valeriana em
tes Caqui
tampa espor- híbrido de gro- sua fórmula. Há uma
& Uva e
tiva, para con- selha e frambo- versão do produto
Cacto.
sumo direto. esa silvestre. com sabor de açaí.

As informações apresentadas nesta seção são provenientes de levantamentos e análises da Mintel e são protegidas por direitos autorais.
EMBALAGEMMARCA não se responsabiliza pelo conteúdo.
FOTOS: DIVULGAÇÃO

O GLOBAL NEW PRODUCTS DATABASE (GNPD) DA MINTEL ACOMPANHA, INTERNACIONALMENTE,


NOVOS LANÇAMENTOS DE PRODUTOS, TENDÊNCIAS E INOVAÇÕES. PARA INFORMAÇÕES ADICIONAIS
SOBRE O GNPD, VISITE WWW.GNPD.COM OU LIGUE PARA A MINTEL INTERNACIONAL (+ 1 312 932-0600)

34 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


incentivo >>> premiação

O melhor da festa é ela


Para quem esperou o dia do PRÊMIO EMBALAGEMMARCA valeu a pena. Nele,
terá boa companhia, boa bebida e boa comida. E poderá ir de graça a Paris

P
rosseguem dentro do cronograma os prepa-
rativos para que a cerimônia de entrega dos
troféus do PRÊMIO EMBALAGEMMARCA – GRAN-
DES CASES DE EMBALAGEM, a mais seletiva
premiação do setor no Brasil, fique à altura da qualidade
dos cases inscritos e do rigor do julgamento pelos jurados.
Como estão empenhados em que a festa seja agradável e ao
mesmo tempo proveitosa para quem dela participar, a Bloco
de Comunicação e a SPR International, empresas organiza-
doras do evento, julgam conveniente destacar alguns pontos
para que os profissionais do setor anotem em suas agendas a
data do evento – 12 de setembro – e façam desde já a reserva
de seus convites.
Entre outros bons motivos para comparecer, sobressai a
iniciativa de um dos patrocinadores master do Prêmio: trata-
se do salão Emballage, feira internacional especializada em
embalagens que se realiza a cada dois anos em Paris e que
decidiu oferecer um pacote completo (passagem, cinco dias
de estadia e ingressos) a ser sorteado entre os presentes ao
jantar de premiação, para a edição de 2008 daquele evento
na capital francesa. Na premiação do próximo ano, que
ocorrerá antes da realização do Emballage 2008, será sorte-
ado mais um pacote.
Outro motivo de satisfação para os organizadores é

FOTO: BLOCO DE COMUNICAÇÃO


informar que já estão sendo produzidos pela Wheaton do
Brasil os troféus destinados a homenagear materialmente
todas as empresas integrantes dos cases escolhidos pelo júri
SÍNTESE
como ganhadores. Vale dizer que serão entregues troféus
Os componentes
e diplomas a todas aquelas que forem citadas nas fichas do troféu do Prêmio
de inscrição que vierem a ser vencedoras – desde as simbolizam as formas
agências de design aos fornecedores das embalagens e básicas das embalagens

de seus complementos até e principalmente as empresas


usuárias. Cabe lembrar que o troféu do PRÊMIO EMBALA-
GEMMARCA – GRANDES CASES DE EMBALAGEM é concei- BONNE CHANCE
Um pacote completo,
tual, sintetizando em seus contornos as formas conside- com passagem aérea
radas básicas em embalagens. E cabe ainda destacar que São Paulo-Paris-São
a premiação de todos os integrantes de um case vencedor Paulo, hospedagem
por cinco noites e
não significa distribuição indiscriminada de peças. A orien- ingressos para o
tação do júri é no sentido de rigidez na escolha. salão Emballage
2008, em Paris,
será sorteado
NETWORKING – Um dos destaques da premiação será entre os
a cerimônia em si. Os organizadores estão elaborando uma presentes
programação que, sem deixar de dar o devido realce aos ao jantar
cases premiados, se caracterizará pela objetividade e pela

36 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


Patrocínio Master

Patrocínio Especial

brevidade. Afinal, num encontro entre os principais nomes


do setor, entende-se que um bom espaço de tempo deve ser
destinado à troca de informações e experiências. De prefe-
rência, esse networking de alta qualidade deve ocorrer em
ambiente de bom gosto e em clima descontraído, aspectos
em que seguramente não haverá motivos para reparos,
como pode ser visto mais adiante.

AMBIENTE AGRADÁVEL – O local contratado fica


na região central da capital paulista (ao lado da Fundação
Getúlio Vargas), de fácil acesso, arquitetura moderna e
acabamento requintado, ideal para a realização de grandes
eventos. O coquetel e o jantar ficarão a cargo da Renovação
da Gula, conhecido como “o buffet dos gourmets”, fornece-
dor habitual de grandes corporações do país. Fotos do local,
a programação completa e os cardápios podem ser vistos no
site www.embalagemmarca.com.br

Cobertura especial
em edição didática
A festa de premiação e os cases finalis-
tas (não apenas os vencedores) do PRÊMIO
EMBALAGEMMARCA – GRANDES CASES DE
EMBALAGEM serão apresentados em cobertu-
ra especial da revista EMBALAGEMMARCA em
outubro, mês seguinte ao evento, quando a
tiragem será ampliada. O objetivo é estender
da área do merecido reconhecimento para o
campo do didatismo a história e o contexto
em que embalagens transformam verdadeiros
cases de sucesso os produtos nelas contidos.
A edição contará por que e como isso aconte-
ce e quem foram os profissionais e as empre-
sas responsáveis pelo êxito alcançado.

agosto 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 37


o grande encon
12 de setembro

reserve agor
(11) 5181-6533 •
Está se aproximando a data da cerimônia de entrega do PRÊMIO EMBALAGEMMARCA – GRANDES CASES DE EM-
BALAGEM. Será um momento de confraternização e, acima de tudo, de muito relacionamento. Sabendo que
estarão presentes ao evento alguns dos mais importantes profissionais da cadeia de embalagem, cuida-
mos de fazer uma festa à altura, com comida e bebida de boa qualidade, num espaço agradável, moderno
e bem localizado. Você só fica de fora se não gostar nem de bons contatos, nem de boa comida.
• Convites individuais: R$ 200,00 (R$ 170,00 para empresas com cases inscritos*)
• Mesas (8 lugares): R$ 1.200,00
Mais informações: prêmio@embalagemmarca.com.br • (11) 5181-6533 • (11) 5521-4325

* Vale, para este fim, a empresa responsável pela inscrição e a empresa usuária
ntro do setor.
o, em são paulo.
SOR
T
PAC EIO 1 DE
O
EMB TE 2 PAR UM
ALLA AO
EM P GE’2008
ARIS

ra seu lugar
• (11) 5521-4325 SORTEIO A SER FEITO ENTRE OS PRESENTES;

Patrocínio Especial Patrocínio Master


PASSAGEM, HOSPEDAGEM POR 5 NOITES E
INGRESSOS PARA A FEIRA

Organização Apoio Operacional


1

2
entrevista >>> Luiz Rogério Wittmann

O dilema da embalagem

O
público single, termo inglês largamente utili- Embora de grande interesse do ponto de vista acadêmico,
zado para definir consumidores urbanos que o foco do trabalho sem dúvida é útil aos leitores de uma
vivem sozinhos, trabalham fora e têm pouco revista de negócios como EMBALAGEMMARCA, por buscar
tempo ou falta de disposição para preparar aplicar a embalagens a metodologia de projeto do ecodesign
suas refeições, contaria no Brasil com cerca (ou design for environment, como é também conhecido).
de 4 milhões de pessoas, crescendo em média 6% ao ano, Sinteticamente, esta se destina a otimizar o desempenho dos
segundo medição do Instituto Brasileiro de Geografia e produtos e, dessa forma, diminuir seu impacto no ambiente.
Estatística (IBGE), de 2000. Atualizado por aquele índice, o Nos escassos trabalhos existentes sobre o tema, o foco não
total deve estar hoje próximo a 6 milhões, na maioria situ- são as embalagens mas, em geral, bens duráveis.
ados nas faixas de bom poder de consumo. Do que conso- Na dissertação de Wittmann, a metodologia tem por eixo o
mem, destaca-se a alimentação em porções individuais, em chamado “dilema da embalagem”, cuja indagação básica é
especial alimentos congelados, a lasanha na liderança. definir qual a melhor alternativa: embalagens menores, com
As estatísticas do IBGE abrangem, no caso específico, ape- quantidades adequadas para o público single, com risco de
nas pessoas que declaram viver sozinhas. Não são contadas aumentar o impacto ambiental, ou embalagens maiores,
as que, embora convivendo na mesma habitação com outras, com maior peso líquido, com risco de aumentar o desperdí-
não compartilham seus hábitos alimentares. Cada um conso- cio de alimentos. Ele comparou, nesse dilema, o desempe-
me o que lhe apetece, na hora que lhe convém. Daí pode-se nho ambiental das embalagens de lasanha congelada de 350
supor que o universo single pode ser muito maior, não sendo gramas e de 650 gramas, de um fabricante brasileiro.
apenas aqueles que vivem sozinhos os responsáveis pelo
consumo brasileiro de estimadas 200 mil toneladas anuais Por favor, defina ecodesign e indique sua importância em
de pratos prontos congelados. projetos de embalagem dentro de uma indústria.
O impacto ambiental causado pelo descarte das embalagens O ecodesign consiste em projetar produtos considerando
de tanta comida inspirou a dissertação de mestrado de Luiz seus aspectos ambientais ao longo do ciclo de vida. Estes
Rogério Wittmann, mestre em engenharia de processos aspectos deixam de ser secundários e ganham a mesma
químicos e bioquímicos na área de pesquisa de embala- importância de fatores como custo e qualidade. Em projetos
gem, pelo Instituto Mauá de Tecnologia, defendida em de embalagens pode contribuir para melhorar a qualidade,
junho último, naquela instituição. Com orientação do prof. estimular a inovação e desenvolver o senso de responsabili-
Antonio Carlos Dantas Cabral, doutor em engenharia de dade ambiental na empresa.
produção pela Escola Politécnica da Universidade de São
Paulo e bacharel em engenharia de alimentos pela Unicamp, Ou seja, ele deixa de ser um mero componente, ou um enfei-
Wittmann dissertou sobre a Avaliação Crítica do Ecodesign te mercadológico, como ocorre em alguns casos?
Aplicado no Projeto de Embalagem de Lasanha Congelada Exatamente. Muitas vezes as empresas projetam um produ-
para Consumidores Single. to, uma embalagem, sem nenhuma preocupação ambiental,

Em dissertação no Instituto Mauá de Tecnologia, o


mestrando Luiz Rogério Wittmann sugere passos para a
implantação de metodologia para uso de ecodesign em
DIVULGAÇÃO

embalagens nas empresas – inclusive nas pequenas

40 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


entrevista >>> Luiz Rogério Wittmann

mas no final encontram um pretexto para fazer o chamado prazo, são as barreiras comerciais não-tarifárias a que produ-
“marketing verde”. Já o ecodesign como metodologia de tos brasileiros podem estar sujeitos.
projeto resulta em benefícios verdadeiros. Ele considera as
implicações ambientais tanto na extração de matéria-prima, Há casos concretos de empresas no Brasil que utilizem o
na transformação daquele material, na logística, durante ecodesign como premissa no projeto de embalagem?
o uso e também no final da vida útil, quando a embala- A Natura é um exemplo. Seus produtos são projetados
gem perde sua função. Dentro dessa visão, o destino final com base na responsabilidade ambiental e social. Ela ofe-
da embalagem deve ser previsto no rece várias opções de refil e usa
início do projeto. Exemplo: quando “O ecodesign pode ingredientes menos agressivos ao
surgiram no mercado, as garrafas ambiente e à comunidade de onde
de PET possuíam um base-cup de são extraídos.
material diferente, para dar susten-
otimizar a embalagem,
tação. Isso, além de encarecer o pro- Se tivesse que destacar um único
duto, adicionava um material que levando a empresa a aspecto da importância do ecode-
deveria ser separado, dificultando a sign, qual seria?
reciclagem. Com o aprimoramen- gastar menos material, A oportunidade de se repensar o pro-
to do projeto das garrafas, a base jeto de produtos e embalagens, de
foi eliminada. Isso reduziu custos, menos energia e, com forma a se considerar todo seu ciclo
o peso das embalagens e a emissão de vida, suas implicações ambien-
de resíduos sólidos no pós-consumo,
facilitando a reciclagem.
menos recursos, obter tais, seu relacionamento com o con-
sumidor. O mais importante é mudar
o paradigma de projeto.
Há outros exemplos? um produto com a mesma
Podemos citar dois casos de estraté- Qual o método adequado para a
gias para diminuir o peso das emba- qualidade, ou até melhor. aplicação do ecodesign?
lagens. A primeira é a de Nescafé, Baseei-me principalmente na meto-
da Nestlé, que oferece o produto Tem também ganhos em dologia de Brezet e Hemel, que por
em vidro e embalagem flexível refil. sua vez influenciou vários manuais de
Outra, as latas de alumínio para bebi-
das, que tiveram o peso reduzido de
imagem, pois a educação ecodesign. No meu trabalho, adaptei
especificamente a metodologia para
18g para 13,5g nos últimos trinta o desenvolvimento de embalagens,
anos. Nos dois casos foram otimi-
ambiental das pessoas sobretudo de alimentos.
zados os materiais e reduzidos os
resíduos pós-consumo, mantendo a vem aumentando” Quais os passos da metodologia?
integridade dos produtos. São seis. Primeiro, formar uma equipe multidisciplinar den-
tro da empresa para trabalhar no projeto. Segundo, definir
Empresas têm como objetivo principal o lucro. Como o eco- qual o item dentro do mix da empresa que oferece a maior
design pode auxiliá-las na busca desse objetivo? oportunidade de redução do impacto ambiental. O passo
É a mesma questão do desenvolvimento sustentável. Há seguinte é levantar seu perfil ambiental, isto é, conhecer os
algum tempo, os investimentos em melhoria ambiental impactos ambientais inerentes a ele, ao longo do ciclo de
eram mal vistos nas empresas, pois aumentavam os custos vida. A quarta etapa é selecionar as estratégias mais adequa-
de capital para investir na melhoria dos processos. Hoje as das para diminuir esses impactos, como utilizar materiais
empresas percebem que, ao caminhar na direção do desen- reciclados, reduzir o peso dos materiais, eliminar acessórios
volvimento sustentável, com práticas ecoeficientes, ganham desnecessários, projetar embalagens reutilizáveis etc. A
mais dinheiro, porque em vez de remediar os problemas elas metodologia do ecodesign organiza essas estratégias e torna
os previnem. O ecodesign pode, de certa forma, otimizar possível a escolha de qual ou quais são as mais adequadas
a embalagem, levando a empresa a gastar menos material, ao projeto. O quinto passo é a especificação do produto, ou
menos energia e, com menos recursos financeiros, obter um seja, a transformação daquelas estratégias num conjunto de
produto com a mesma qualidade, ou até melhor. Isso sem ações detalhadas tecnicamente. Por último vem o bench-
contar os ganhos em imagem, pois cada vez mais aumenta a mark, ou uma comparação do produto novo com o projeto
educação ambiental das pessoas. Outro fator, este de longo anterior e até com concorrentes no mercado para verificar o

42 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


Desde a sua fundação, em

1984, a Colacril se orgulha

de ter contribuído para a


100% pontualidade
brasileira
consolidação e o
na entrega
crescimento do mercado de

auto-adesivos no Brasil.

Com investimentos

constantes em tecnologia,

seja em equipamentos,

seja em capital intelectual,


investimento
a Colacril sempre esteve à constante
frente das evoluções

do segmento.

Fincada em parcerias com


visão
de futuro
fornecedores de primeira

linha, a empresa, nascida


respeito ao

em Ribeirão Preto (SP), hoje


ambiente
produz em sua moderna
amplo leque de
fábrica de 50.000m² na cidade
produtos
de Campo Mourão (PR)

mais de 100 itens

dirigidos às mais diversas

aplicações, e exporta

para mais de vinte países

espalhados pelos quatro


regularidade
cantos do mundo. no fornecimento

www.colacril.com.br • colacril@colacril.com.br • + 55 (44) 3518-3500


entrevista >>> Luiz Rogério Wittmann

sucesso desse produto, para ver se ele cumpriu a função de organizadas têm condições de adotar o ecodesign.
causar menos impacto no meio ambiente. Espera-se que a A metodologia é simples e pode ser aplicada por pequenas
metodologia torne-se padrão na empresa. e médias empresas sem recursos para pesquisas. Para ter
sucesso, o primeiro passo é se comprometer com a questão
Aparentemente, não é fácil implantar isso numa empresa. ambiental. É uma mudança na cultura, na forma de se ver os
Antes de tudo é necessário o apoio da alta gerência da empre- produtos e processos internos. Isso independe do tamanho
sa. A empresa precisa mudar a maneira de enxergar seus da empresa. Até acredito que empresas pequenas e médias
produtos e seus projetos. O segun- tenham mais flexibilidade para
do desafio é promover o trabalho “Dentro do seu implementar essas medidas, desde
integrado, porque parece corriqueiro que haja comprometimento da alta
falar “vamos trabalhar juntos”, mas direção. Para as empresas que não
na prática, em grandes empresas, isso
contexto de consumo, têm sistema de gestão ambiental, a
não é tão simples. Superadas essas adoção dessa metodologia pode ser
dificuldades, talvez o maior desafio a embalagem single um primeiro passo para se prepara-
seja medir o impacto ambiental dos rem para futuramente reproduzirem
produtos sem ser tendencioso. Para pode evitar desperdício esses conceitos ambientais em todos
isso, seria de grande auxílio a utiliza- os aspectos da empresa.
ção da análise de ciclo de vida, para de produto, reduzindo
o que já existe a norma ISO 14040, Em geral, a legislação não atenta
publicada em português pela ABNT
(Associação Brasileira de Normas
o impacto no para tais minúcias, que são funda-
mentais. Projetos surgidos sobretu-
Técnicas). do em diferentes instâncias do Poder
ambiente. E, através Legislativo, costumam generalizar
Existem outras ferramentas? nas restrições à embalagem, pois
Entre outras, tem a chamada Matriz de da metodologia do isso “dá ibope”, como se diz. . .
Inventário, ou Metmatrix – Material, Atribui-se injustamente impacto
Energy and Toxic Emission, onde os ecodesign, pode-se exagerado à embalagem. Considere-
estágios do ciclo de vida são dividi- se que ela contribui para evitar o
dos em etapas principais. Depois são
contabilizados os gastos mais signi-
criar uma embalagem desperdício, a quebra num sistema
de abastecimento. Na fabricação de
ficativos de material e energia, e as um produto há uma série de proces-
emissões do produto de cada etapa.
single que cause sos produtivos além da embalagem.
No meu trabalho, fiz uma adaptação Quando ela é mal dimensionada,
dessa matriz para ser utilizada em impacto ainda menor” pode comprometer o conteúdo, joga-
sistemas de embalagem. se fora muito trabalho. A embalagem é importante para evi-
tar o impacto ambiental, mas é o que sobra na mão do con-
Uma das conclusões do seu trabalho é que a embalagem sumidor. É ela que vai para o lixo, para o aterro. É o “mal
single pode ser ambientalmente melhor. Como se explica? visível”, daí a grande atenção sobre ela. É a grande vilã.
No caso, a função é atender a necessidade de um consumi-
dor individual. Se não existisse a embalagem single, o con- O ecodesign seria suficiente para resolver essa questão?
sumidor compraria a embalagem maior. Descartaria quan- Seria preciso um sistema de responsabilidade comparti-
tidade maior de embalagem e poderia desperdiçar produto, lhada, para minimizar o problema. O consumidor deve ser
jogando no lixo o excedente, gerando aumento dos resíduos responsável pela separação das embalagens; o governo,
orgânicos. Para cada perfil de consumidor tem de existir um pela coleta; e as indústrias devem investir na reciclagem,
tipo de embalagem. Dentro do seu contexto de consumo, a no reaproveitamento. Com o ecodesign já se projetariam as
embalagem single pode evitar desperdício de produto, redu- embalagens pensando nesse dilema.
zindo o impacto no ambiente. E, através da metodologia do
ecodesign, pode-se criar uma embalagem single que cause A dissertação completa de L. R. Wittmann estará disponível
impacto ainda menor. em breve no site do Instituto Mauá de Tecnologia (www.
maua.br). Os interessados podem também contatar o autor no
A impressão que se tem é de que só empresas altamente email: wittmann@ig.com.br

44 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


plásticas >>> alimentos

X-conveniência
Embalagem flexível especial, para ir
ao microondas, tempera estréia de
sanduíches congelados da Sadia

F
uncionais e conve- nologia empregada nos sandu-
nientes, os recipien- íches Hot Pocket. Procurada
tes e envoltórios que por EMBALAGEMMARCA, a
possibilitam o preparo empresa alegou “questões
direto de alimentos resfriados ou estratégicas” para não
congelados em fornos de microon- divulgar a informação.
das se popularizam cada vez mais, Os sanduíches
mostrando como embalagens inte- Hot Pocket são envol-
ligentes podem modernizar o perfil vidos por mais duas emba-
de produtos. Uma novidade, nesse lagens para serem comercializados. A flow
campo, acaba de ser bancada pela LANCHEIRAS pack inteligente é envolvida por uma embala-
Sanduíches Hot Pocket
Sadia. A poderosa agroindustrial são expostos no varejo gem intermediária do tipo concha (clamshell),
ampliou sua linha Hot Pocket com em flow packs de BOPP. feita com papel cartão triplex da Suzano e
X-Calabresa é edição
sanduíches prontos congelados, cujo aqueci- comemorativa ao Pan impressa em offset pela Brasilgrafica. Por
mento no microondas ocorre no interior de fim, outra flow-pack, confeccionada em poli-
embalagens flexíveis (flow packs) – e não com propileno biorientado (BOPP) pela Celocorte,
o envolvimento por cartuchos especiais de recobre a concha semi-rígida, protetora – e é
papel cartão, utilizados nos snacks da mesma a embalagem que se apresenta ao consumidor
marca, lançados há cerca de dois anos. A exten- nos pontos-de-venda. O design gráfico das
são de linha conta com X-Burguer e X-Frango, flow packs externas do X-Burguer e do X-
além da edição limitada X-Calabresa, lançada Frango são dominadas pelo amarelo, seguindo
para os Jogos Pan-americanos do Rio. a identidade visual da Sadia. Já o X-Calabresa
Brasilgrafica
Para aquecer os sanduíches não é preciso destaca o laranja em sua embalagem. Os
(11) 4133-7777
abrir a embalagem plástica. A flow pack, trans- www.brasilgrafica.com.br layouts foram projetados pela Team Créatif
parente, permite a “respiração” do alimento Find, braço brasileiro da agência de design
Celocorte
acondicionado, não retendo o vapor liberado (11) 4156-8822 francesa Team Créatif, parceira de longa data
com a ação das microondas. “O preparo con- www.celocorteembalagens.com.br da Sadia. (MF)
tinua muito fácil: em cerca de 1 minuto e 30
Suzano
segundos, você prepara no microondas um 0800 055 5100
sanduíche com pão macio, delicioso queijo www.suzano.com.br
derretido e com o tradicional hambúrguer
Team Créatif Find
Sadia”, resume a fabricante em materiais de (11) 3704-6248
promoção do lançamento. www.find.com.br

Segredo guardado
Flexíveis adequadas para suportar o ambiente
do forno de microondas, do tipo self-venting
(“auto-ventiladoras”), vêm se popularizando
PRIMÁRIA
FOTOS: DIVULGAÇÃO

em todo o mundo, a reboque de pesquisas e Flow pack transparente,


desenvolvimentos de fornecedores de emba- revelada com a abertura
da concha cartonada, é
lagens americanos, europeus e asiáticos. A a embalagem que vai ao
Sadia, no entanto, não divulga a origem da tec- forno de microondas

46 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


celulósicas >>> farináceos

Os SOS não pedem socorro


A despeito do crescente
avanço dos filmes de PE,
sacos de papel do tipo sack
open square mostram força
nas gôndolas de farinhas

U
m tradicional sistema de acondi-
cionamento não cede a mudanças
nos hábitos de consumo nem ao
avanço de competidores conside-
rados mais modernos e práticos. Assim pode-
ria ser resumida a situação dos sacos de papel
conhecidos no mercado brasileiro de farinhas
FOTOS: DIVULGAÇÃO

pela sigla SOS (do inglês sack open square,


ou saco aberto quadrado, numa tradução ao
pé da letra). Apesar do gradual avanço dos
filmes de polietileno (PE) no setor, essa clás-
sica embalagem celulósica continua dando
demonstrações de força.
Segundo o Sindicato da Indústria do
Trigo (Sindustrigo), entre os sacos de fari-
nha de trigo de 5 quilos as embalagens de
papel acondicionam dois terços das mais de
100 milhões de unidades vendidas por ano
no Brasil. No caso das farinhas de trigo de
1 quilo, que movimentam 250 milhões de
unidades por ano no país, os sacos de papel
estão em desvantagem, acondicionando por
volta de 35% da produção. Mesmo assim,
não dão sinais de intimidação frente à adesão
de grandes moinhos aos filmes plásticos.
Essa idéia de resistência ganha nitidez
no mercado de fubás e farinhas derivadas de
FORÇA DA milho. Embora sacos de PE também tenham
TRADIÇÃO
No segmento avançado na área, fabricantes de papéis espe-
de embalagens ciais estimam que nesse setor as embalagens
de um quilo
de farinhas de
celulósicas respondam por cerca de 70% da
trigo, celulósicas produção voltada ao consumo doméstico.
acondicionam Enraizada nos hábitos alimentares de dife-
35% das
250 milhões rentes regiões do país, farinha de milho é
de unidades especialmente consumida no Nordeste, onde
vendidas por
ano no Brasil é comum sua distribuição em cestas básicas.
“O fubá é um produto barato, que nem
sempre comporta uma embalagem de alto

48 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


valor agregado”, diz Robertson Nóbrega, “É um produto resistente, com pouco
supervisor de compras da Felinto, grande for- peso por metro quadrado e que apresenta
necedora de sacos SOS de Campina Grande ótimo desempenho em rotogravura,”, descre-
(PB). Apesar do eminente apelo popular, ele ve Rubens Bambini Jr., diretor de negócios
diz que o patamar de qualidade das embala- da MD Papéis, que lista ainda outras vanta-
gens celulósicas para farinhas derivadas de gens dos sacos SOS. Uma delas seria a base
milho evoluiu muito nos últimos anos. “Hoje retangular, que permite exposição dos pro-
os sacos de fubá são impressos em moder- dutos em pé, propiciando maior visibilidade
nas máquinas de rotogravura, apresentando nos pontos-de-venda. “Além disso, o papel
excelente qualidade gráfica”, fala Nóbrega. tem poros, ajudando o alimento a respirar”,
No acabamento, o profissional da Felinto diz Bambini. Ele lembra que esse tipo de
chama atenção para laminações externas com embalagem é forte também no mercado de
BOPP, que aumentam a proteção e melhoram erva mate.
o visual das marcas.
Na parte estrutural, o destaque dos sacos Símbolo da marca
SOS de farináceos fica por conta do uso No lado dos fabricantes de farinhas, os sacos
de modernos materiais mono ou bifoliados, SOS começam também a representar muito
além de forros internos que, no Nordeste, mais do que mera opção de primeiro preço.
muitas vezes são reaproveitados como papel “Temos consciência de que na cozinha esse
de cigarro pelos consumidores. Uma das nem sempre é o material de embalagem mais
principais fabricantes desse tipo de produto é prático”, sublinha Graciela Ortiz, respon-
a MD Papéis, que destaca o desenvolvimento sável pela área de marketing do Pastifício
de linhas como a Cromopack, bem dissemi- Selmi. “Mas o papel está diretamente ligado
nada em sacos SOS de derivados de milho. à imagem de tradição de nosso produto”, ela

julho 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 49


FOTOS: DIVULGAÇÃO
NONONONON
Nonononononononononon
onononononononononono
nonononononon
diz, em referência à farinha de trigo Renata. AVANÇOS alimentos. “Papéis especiais de alta barreira
Novos substratos e
Com quase cinqüenta anos de história, a laminação externa de
e seláveis a quente já são capazes de substi-
marca voltou a apostar em sacos SOS após BOPP enobrecem sacos tuir materiais como poliéster e até alumínio”,
uma experiência com filmes plásticos anos SOS no mercado de explica o supervisor da convertedora nordes-
farinhas de milho
atrás. “Retornamos ao papel em função de tina, com esperança de que esse movimento
apelos dos próprios consumidores”, relem- Felinto também se consolide no Brasil.
bra Graciela Ortiz. Atualmente, os sacos (83) 3315-1515 “Lá fora, o mercado de farinhas de trigo de
SOS utilizados na embalagem de 1 quilo da www.felinto.com.br fato é dominado por sacos de papel”, reforça
farinha de trigo Renata são fornecidos pela MD Papéis Vicente Genícola, consultor do Sindustrigo.
convertedora Romiti. (11) 4441 7800 Para ele, o avanço dos filmes plásticos no
www.mdpapeis.com.br cenário brasileiro pode ser explicado por três
Barreiras à migração Romiti fatores. Em primeiro lugar, a praticidade e
Entre indústrias de farinha de menor porte, (11) 6165-1514 a resistência desse tipo de material, que se
Robertson Nóbrega, da Felinto, lembra ser adapta melhor ao armazenamento em ambien-
PUXANDO A FILA
comum o empacotamento manual dos pro- Dona Benta iniciou tes úmidos como a geladeira. “Em segundo
dutos. Estaria aí outro fator favorável aos movimento rumo a filmes lugar, a máquina de empacotar com embala-
plásticos no nicho das
sacos SOS, já que migrações para embala- farinhas de trigo gem de PE custa bem mais barato do que o
gens plásticas exigem investimentos mesmo equipamento que trabalha com
em automação distantes da realidade papel”, compara Genícola. Por fim,
dos pequenos fabricantes. “Em função mas não menos importante, o consultor
da consolidação do papel na catego- do Sindustrigo lembra que a J. Macêdo,
ria, uma eventual mudança para plás- controladora da marca Dona Benta,
tico também exigiria investimento em líder da categoria, decidiu migrar para
marketing para explicar aos consumi- embalagens plásticas há mais de uma
dores que se trata do mesmo produto”, década, influenciando todo o setor.
acredita Nóbrega. Em última análise, lances como o
Sobre a disputa com os filmes de protagonizado pela marca Dona Benta
PE, as empresas envolvidas no mercado mostram que há no mercado de farinhas
de sacos SOS ressaltam que em outros espaço e oportunidades para diferentes
países, em especial na Europa, está se sistemas de embalagem. A tradição e a
dando o contrário do que aqui, com as força mostradas pelos sacos SOS frente
embalagens de papel substituindo o ao avanço das embalagens plásticas
plástico em diferentes aplicações para constituem outra prova disso. (LH)

50 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


fechamentos >>> bebidas

Segurança
e gás total
Nova tampa slim de
polipropileno promete
impedir a exploração de
brecha na vedação de FIRMEZA
Nova K.27 da Álter
refrigerantes e de outras é dotada de rosca
desenhada com travas
(tampa à esquerda).
bebidas carbonatadas À direita, a tampa 28
convencional da empresa,
que também estréia na
emgarrafadas em PET distribuição de pré-formas

G
erente de comércio exterior e galos menores para garrafas de PET, com

FOTOS: DIVULGAÇÃO
marketing da Álter Embalagens, 27 milímetros de diâmetro, proporcionando
divisão de tampas para bebidas uma economia de 2 gramas de PET por pré-
do grupo Védat, Paulo de Castro forma em relação ao popular padrão PCO
afirma que uma discreta rotação nas tampas 28. A novidade é moldada em polipropileno
Alcoa CSI
convencionais de refrigerantes, mesmo sem (11) 4134-2500 e acopla vedante de EVA, como as tampas
o rompimento do lacre que a elas é tradicio- www.alcoa.com.br do mesmo gênero.A tampa está começando
nalmente conjugado, já é capaz de liberar o a ser adotada por um grande fabricante de
Álter Embalagens
gás da bebida – o que pode ser comprovado (11) 2133-1212 refrigerantes, que prefere não alardear a
pelo som característico de vazamento que www.alterbr.com.br ação.
o ato produz. Explorada com má-intenção,
Sacmi
essa folga pode comprometer a integridade (19) 3806-2557 Pré-formas também
do produto. De modo a debelar essa brecha, www.sacmidobrasil.com Embora o sistema de travas mire as bebidas
a Álter desenvolveu um sistema de trava carbonatadas, Castro garante que a K.27 tem
inviolável para a sua nova tampa de rosca preço competitivo também para bebidas sem
K.27, para garrafas de PET. “É uma inova- gás, como águas minerais.
ção sem igual no mundo”, diz Castro. DÉBUT – K.27 já Além da K.27, a Álter tem outra novida-
Projetada com um desenho de rosca dife- começa a ser utilizada de. Estimulada, segundo Castro, por pedidos
por uma grande
renciado, de duas entradas, que segundo a indústria de bebidas
de clientes, a empresa estreou no negócio
fabricante garante uma abertura mais de pré-formas para garrafas de PET.
fácil e rápida, a K.27 é dotada de Para isso investiu um valor não-reve-
um sistema de lombadas próximo à lado numa nova linha de injeção, da
borda que elimina a folga na tampa. italiana Sacmi, e passa a oferecer ao
“Assim, a degasagem só ocorre após mercado pré-formas standard para o
o rompimento do lacre”, explica o sopro de garrafas de 2 litros e de 600
executivo da Álter. mililitros (com gargalo PCO 28), e
Como seu nome denuncia, a K.27 de 2 litros com os gargalos de 28 e
se enquadra na tendência de gar- de 27 milímetros. (GK)

52 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


Mini a mil
Alcoa CSI amplia família de tampas short
height com versões para grandes volumes

Uma das líderes do movimento de tam-


pas de altura reduzida, para garrafas
de PET com gargalo mais curto, a
Alcoa CSI amplia sua linha de tampas
mini. As novas Xtra-Lok mini e MB-Lok
mini são anunciadas como as primeiras
tampas short height capazes de tra-
balhar com embalagens de PET para
volumes de até 2,5 litros. Ambos os
modelos são moldados por compressão
em polipropileno, têm diâmetro de 28
milímetros e são adequados ao gargalo
1873, que propicia economia de quase
2 gramas de resina PET por garrafa. A
Xtra-Lok mini é voltada a refrigerantes,
enquanto a MB-Lok mini é especialmen-
te formulada para cervejas em PET.
“As tampas possuem vedante especial,
capaz de absorver oxigênio, evitando
assim a degradação do produto”, diz
Rodolfo Haenni, gerente de marketing
da Alcoa CSI na América do Sul. Haenni
explica que os dois novos modelos são
lançamentos mundiais, disponíveis para
clientes nacionais. Ainda não existem
empresas brasileiras utilizando-as.
MAIORES
Xtra-Lok mini (à esq.)
agora pode fechar
garrafas de até 2,5 litros.
MB-Lok mini (à dir.) foi
formulada para cervejas

julho 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 53


estratégia >>> lácteos

Custos em queda
Novidades de embalagem prometem jogar para baixo preços de iogurtes

V
êm do mercado de iogurtes duas
demonstrações de como novas
idéias e tecnologias de embalagem
podem tornar empresas e produtos
mais competitivos. No primeiro caso, a multi-
nacional francesa Danone promoveu o que se
poderia chamar de mudança radical nas embala-
gens da sua linha de iogurtes funcionais Activia,
que promete estimular o intestino e o combate à
prisão de ventre. A empresa decidiu lançar uma VERSÃO ESPARTANA
Activia eliminou
versão do produto sem rótulos, transferindo rótulos nos potes: em
todas as informações nutricionais exigidas por versão individual ou
lei para o selo de alumínio. A estratégia integra em bandejas de seis
unidades, esperança é
o esforço de ampliação do alcance da marca conquistar classes C e D
Activia entre consumidoras das classes C e D.
Em setembro de 2006, os frascos desnudos
começaram a ser oferecidos em bandejas de
seis unidades, com preço sugerido de 4,74 reais
impresso no selo de alumínio. A economia é de
cerca de 20% em relação ao Activia tradicional,
encontrado em bandejas de quatro unidades
(com rótulos), ao preço médio de 3,95 reais.

FOTOS: DIVULGAÇÃO
Com a retirada dos rótulos, a Danone afirma
ter economizado aproximadamente 10 centavos
por quilo de produto acondicionado. Além de
suprimir o acessório, a empresa decidiu apostar
em embalagens individuais, com preço sugeri-
do de 79 centavos cada. A idéia é disseminar
essa apresentação no pequeno varejo.
“Queremos que cada vez mais pessoas com
problema de intestino pre-
guiçoso possam consumi-lo de forma regular”,
Alcan Packaging conta Leonardo Lima, gerente de marketing de
(11) 4512-7000
www.alcan.com.br Activia. Ele diz que no nicho das padarias, mer-
cearias e mercados de bairro, a opção de compra
Mikrobiológiko
dos consumidores é por unidades fracionadas, e
(11) 4521-6589
www.mikrobiologiko.com.br o tíquete médio, menor. “As compras ocorrem
com freqüência semanal”, completa Lima.
Polipaper
(11) 6412-3550
Na estimativa da ACNielsen, 32% das bra-
www.polipaper.com.br sileiras sofrem de intestino preguiçoso. Para o
gerente de Activia, a oportunidade é grande,
SUBSTITUIÇÂO pois “a penetração da marca é de apenas 4,8%
Com selo plástico,
Polipaper quer por mês”. Os potes usados na versão popular da
desbancar películas linha de iogurtes funcionais são termoformados
de alumínio, prometendo
redução de 33% no
pela própria Danone. A tampa de alumínio é
custo do acessório fornecida pela Alcan.

54 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


Uma alternativa ao alumínio
Aliás, os selos metálicos das embalagens de
iogurte estão na mira da outra estratégia de
embalagem citada no início desta reportagem.
Trata-se de uma tentativa de substituir o alumí-
nio usado nas tampas de iogurte por uma estru-
tura plástica que diminua o custo desse acessó-
rio. Quem está por trás da ação é a Polipaper.
Especializada em sistemas de selagem e veda-
ção de embalagens, a empresa desenvolveu a
tecnologia Foil Less Sealing, que dispensa a
selagem com película de alumínio. Trata-se
de uma tampa para potes de iogurte impressa
sobre uma resina especial e recoberta com uma
camada de PET.
O projeto começou em 2002, quando a
Polipaper desenvolveu um sistema em que
a impressão era feita sobre filme de PET e
recoberta com o mesmo material. Apesar da
boa qualidade gráfica e do custo menor em
relação aos selos de alumínio, durante testes
o produto apresentou dificuldades de corte,
levando à busca por novas alternativas. Em
2005 foi desenvolvida uma estrutura com uma
camada de poliéster e uma de PE aditivado. O
surgimento de sujidades na linha do envasador
acabou levando à reprovação dessa alternativa
também. Partiu-se então para a estrutura atual,
cuja impressão é feita sobre uma resina desen-
volvida e patenteada pela própria Polipaper.
A empresa prefere manter suas características
técnicas em sigilo, mas informa que a tecnolo-
gia permite reduzir o custo dos selos de potes
de iogurte em até 33%.
Considerando que o acessório representa
entre 15% e 25% do custo total de uma bande-
ja de iogurte, a substituição do alumínio pela
estrutura plástica acarretaria para o envasador
redução de cerca de 5% no valor total do produ-
to. Segundo a Polipaper, a tecnologia Foil Less
Sealing foi aprovada em exames de odor, blo-
cagem e resistência a furo. O produto também
foi avaliado numa linha experimental da Frutap,
fabricante paulista de iogurtes e bebidas lácteas.
A Polipaper afirma ter produzido 200 quilos
de filme para uso em produtos da marca. O
material teria servido para acondicionar aproxi-
madamente 5 toneladas de produto. “Nenhuma
irregularidade foi observada”, assinala Edélcio
Foratori, diretor da Mikrobiológiko, empresa
contratada para fazer a análise microbiológica
dos produtos. (LH)

agosto 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 55


artigo >>> série temas estruturais

A embalagem vista sob


a ótica do consumidor
Em países avançados, a funcionalidade é atualmente o atributo mais
presente nos recipientes para estimular a percepção de valor dos
produtos e aumentar a diferenciação iniciada a partir da função estética
Por Victor Basso (*)

O
objetivo deste artigo e de outros que se segui- em um esquema lógico. Na ilustração abaixo pode ser
rão é criar algumas estruturas de pensamento observado um esquema de como é articulado o conceito
para, posteriormente, aprofundar a reflexão da embalagem segundo a enxerga o consumidor. O prin-
sobre alguns conceitos relacionados aos sis- cipal valor, sem dúvida nenhuma, é a capacidade estética
temas de embalagem. Não nos interessa comentar neste de comunicar e de gerar um vínculo que desenvolva uma
espaço o cotidiano isoladamente. Este somente será alvo sedução, incitando à compra. O valor que suplementa essa
de atenção quando puder contribuir com novos enfoques percepção é a funcionalidade, entendida como o valor de
para facilitar a compreensão da ontologia (natureza essen- uso de uma embalagem e que representa todos os atribu-
cial) dos conceitos de que tratamos. Tradicionalmente, os tos funcionais que ela deve ter. O fator que equilibra e
designers abordaram a embalagem como elemento estéti- complementa os anteriores é a higiene, ou conservação.
co, enquanto outros viam o packaging (1) como ciência Este se refere à capacidade da embalagem de conservar
da engenharia. Hoje, podemos integrar visões muito dife- ou manter os atributos do produto com o passar do tempo,
rentes que preocuparam muitos especialistas e integrá-las independentemente da distância a que é transportado. São
incluídos aqui tanto conceitos de integridade da embala-
COPYRIGHT VICTOR BASSO CONSULTORIA LTDA.

gem quanto de barreira e de processos de conservação.


É interessante ressaltar que a função estética é a que
utiliza elementos subliminares e de metalinguagem que
não podem ser explicitados ao consumidor. Por outro
lado, a funcionalidade é a parte racional ou de engenharia
da função. O aspecto higiene é o que mais evoluiu nos
últimos cinqüenta anos, até um ponto em que já é certo
que a embalagem deva cobrir os requisitos dessa função.
Assim, a funcionalidade é atualmente um tema em cresci-
mento, pois ainda devemos fazer muito por ela em nossas
embalagens. Trata-se da função mais presente hoje em
países avançados para estimular a percepção de valor pelos
consumidores e aumentar a diferenciação iniciada a partir
da função estética.
Os três conceitos principais da embalagem vista pela
óptica do consumidor não funcionam como uma soma,
mas obedecem às leis de uma lógica mais elaborada.
Obviamente, existem outras visões da embalagem.
Uma delas é a visão da empresa, que pode estar vendo a
possibilidade de aumento de mercado através do domí-
nio de uma nova tecnologia que se apóia em seu plano
de negócios. Há também a visão da sociedade em geral,
ATRAÇÃO E PERSUASÃO – O design “agarra” o consumidor, e as
funções protetoras e a funcionalidade da embalagem o levam a decidir
por intermédio de suas organizações não governamentais

56 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


(ONGs) e das agências governamentais de controle, onde cada ponto, e não basear-se em opiniões, especialmente de
é estudada mais a fundo a responsabilidade da embalagem quem fala só com base na experiência; ter muito claro e
com o público, com o meio ambiente e, em geral, com o provado qual é a estrutura do problema a resolver.
cumprimento de todas as leis ou normas existentes. Em suma, é essencial entender que a embalagem pode
Como vemos, a embalagem pode ser vista de diver- ser avaliada a partir de perspectivas muito diferentes e que
sos ângulos, todos eles válidos e justapostos, pois os o pesquisador forma parte do grupo de opinião que está
consumidores também fazem parte da sociedade. E aqui sendo pesquisado. Em sintéticas palavras, sua objetividade
entramos num tipo de problema que, por sua natureza, é não pode ser completa.
denominado: “problema complexo”, ou seja, aquele no
qual as relações causais não são diretas, mas múltiplas, (1) O termo “packaging” é aqui utilizado pois seu uso
às vezes não proporcionais, outras vezes realimentadas. é generalizado, tanto como “marketing”, e será aplicado
Para a abordagem deste tipo de problema, são necessárias para expressar conhecimentos ou ciência das embalagens.
técnicas especiais e incomuns, como é demonstrado pelo Quando a referência for à embalagem de um produto será
fato de que 50% ou mais dos lançamentos de novos produ- utilizado o termo “embalagem”.
tos, depois de anos de estudo nos países mais avançados,
redundam em retumbantes fracassos.
Para a abordagem de problemas complexos recomen-
damos, entre outras sugestões em que deve preponderar a *) Victor E. Basso, diretor da EasyPack Ltda. e de
flexibilidade de raciocínio: sair da lógica das engenharias Victor Basso & Associados Consultoria Ltda, e ex-presi-
ou ciências duras; formar realmente grupos com disci- dente da Emzo S/A, é engenheiro mecânico formado pela
plinas muitos diferentes (por exemplo, engenheiros com Universidad del Sur, da Argentina. Atua há 36 anos no
biólogos, antropólogos, psicólogos etc).; aceitar todas as mercado de embalagens. Mora no Brasil desde 2002. Para
visões e integrá-las, pois todas são válidas; fundamentar saber mais, acesse www.victorbasso.com

agosto 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 57


Um promissor papel
Consagrado pela qualidade de impressão sobre materiais porosos, como estas
páginas, offset agora assedia o mercado de rótulos plásticos termoencolhíveis

FOTOS: DIVULGAÇÃO
C
om dez anos de experiência na ADESÃO pré-impressão e insumos, que lhe permitiram
Produzidos numa
impressão de documentos e for- máquina antes
avançar sobre a chamada impressão em banda
mulários, a Metroprint, de Osasco voltada à impressão estreita (largura reduzida), o offset prenuncia
(SP), lançou-se em meados de feve- de documentos um redesenho do negócio de heat shrink labels,
e formulários,
reiro no comércio de rótulos termoencolhíveis termoencolhíveis da ou sleeves, como os rótulos termoencolhíveis
– aqueles que, na forma de tubos (mangas) de Metroprint começam a são também conhecidos.
conquistar adeptos, como
filmes plásticos impressos, se contraem quando os limpadores Casa & “O velho paradigma do offset, o de não
submetidos ao calor, ajustando-se aos corpos de Perfume, da KM Casa conseguir imprimir com boa performance sobre
frascos, potes e garrafas. A empreitada da gráfi- substratos não-porosos, acabou”, explica Eudes
ca osasquense poderia ser mais uma entre tantas Scarpeta, especialista em impressão, gerente de
outras, estimuladas pela recente e expressiva tecnologia e projetos estratégicos da converte-
difusão desse método de decoração de embala- dora de embalagens flexíveis Zaraplast e autor
gens entre os mais variados produtos nacionais, do livro Flexografia – Manual Prático, recen-
de alimentos e bebidas a cosméticos e itens de temente lançado pela Bloco de Comunicação.
limpeza doméstica. Não é. Boa parte do mérito, nessa quebra de limitação,
Em vez de utilizar flexografia ou rotogra- coube às tintas UV (ultravioleta), cuja secagem
vura, sistemas dominantes nas reproduções é instantânea, se dá por cura, e não lenta e con-
em materiais plásticos flexíveis, a Metroprint dicionada à penetração no material impresso,
imprime seus rótulos em offset, um método como ocorre com as tintas offset convencionais.
mais complexo de transferência da tinta para De acordo com Scarpeta, “essas tintas, que já
o substrato, consagrado para a impressão de foram caríssimas, vêm barateando gradual e
qualidade em materiais porosos, como as pági- significativamente”.
nas desta revista. Por um conjunto de progres- Tudo isso, na prática, como mostra a
sos tecnológicos em máquinas impressoras, Metroprint – que para mergulhar no novo

58 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


negócio simplesmente separou uma das oito OLHAR 43 – Para 43 SA Gráfica, alta definição propiciada pelo
máquinas já instaladas em seu parque gráfico offset “satisfaz as expectativas” da clientela. Em destaque,
para a impressão de documentos (uma avançada a capacidade da reprodução de imagens do sistema

Rotatek RK-Perfect NT, capaz de imprimir em


até dez cores) –, sugere que fornecedores de
rótulos termoencolhíveis já consolidados pode-
rão se ver às voltas com a emergente concor-
rência de gráficas de offset egressas de outros
segmentos de atuação.
Tal projeção é reforçada pela 43 SA Gráfica,

FOTO: BLOCO DE COMUNICAÇÃO


de Blumenau (SC). Renomada na área de
embalagens premium de papel cartão, impres-
sas em offset, a empresa também resolveu
entrar no jogo dos rótulos plásticos contrá-
teis. Aproveitando um aparelhamento prévio
em pré-impressão, a empresa investiu 5
milhões de euros na montagem da ope- lhíveis. Tendo estreado em sleeves há mais
ração que batizou como “Sleeve 43 ou menos três anos, com flexografia (rótu-
High Print System”, estrelada por uma los auto-adesivos já eram produzidos), a
impressora zero-quilômetro da ger- empresa decidiu investir em offset para
mano-holandesa Drent Goebel (repre- o negócio após estudar o tema por quase
sentada no Brasil pela Comprint). A 18 meses. De acordo com Hercílio Celso
máquina, do modelo VSOP, é capaz Baumgarten, presidente da Baumgarten, a
de imprimir rótulos em até sete cores tecnologia “casa” com o perfil de atuação
mais verniz. “Já fornecemos rótulos da gráfica catarinense. “O offset propicia
para alimentos, cosméticos, medicamentos impressões com resolução significativamente
e outros produtos”, conta Paulo Blandino, maior, e o aumento de definição resulta em
gerente de produto da 43 SA Gráfica. imagens mais realistas”, afirma. “O resultado é
um rótulo com alto valor agregado.”
Definição, o apelo número um Sem rodeios, Baumgarten, 43 SA Gráfica e
Obviamente, o offset não é só uma oportunidade Metroprint concordam que a alta e reconhecida
para novos players. Provando estar em sintonia qualidade de reprodução é o principal trunfo
com as inclinações de sua atividade, a catari- do offset. “É uma garantia da satisfação das
nense Baumgarten, posicionada como uma das PROPAGAÇÃO
expectativas dos clientes”, entende Blandino,
principais fornecedoras nacionais de rótulos de Para a Metroprint, lembrando da maior familiaridade do mercado
sleeve em offset poderá em geral, inclusive dos projetistas de embala-
alta qualidade para cosméticos e produtos de deslanchar em mercados
higiene pessoal, também adquiriu uma impres- importantes, como o de gens, com o processo offset.
sora Drent Goebel para imprimir termoenco- iogurtes líquidos Num forçoso cotejo com flexografia, o sis-
tema de impressão mais arraigado na produção
nacional de termoencolhíveis, vale destacar que
o offset proporciona setups (configurações de
máquina) mais rápidos, por não exigir trocas
completas de cassetes. “Têm-se trocas de tra-
balho com uma rapidez que não temos com a
flexo”, lembra Baumgarten, traçando compara-
ções de uma posição insuspeita, pois sua gráfica
continuará oferecendo simultaneamente rótulos
em offset e em flexo.
DIVULGAÇÃO

Jorge Luiz Salvador, diretor comercial da


Metroprint, acrescenta que o offset assegura a
manutenção da qualidade nas reimpressões de
lotes, por consumir tintas pastosas. “As tintas
líquidas e baseadas em solventes, como as

60 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


da flexo, têm desempenho muito suscetível a do offset no mercado nacional de rótulos termo-
fatores climáticos, como variações de tempera- encolhíveis. “Em alguns casos o capital aplica-
tura e de umidade”, argumenta. “Além disso”, do pode implicar numa hora em máquina mais
prossegue Salvador, “a pré-impressão de offset cara no offset, o que pode favorecer a flexo em
sai muito mais em conta que a de flexografia”. produtos menos exigentes”, aventa Blandino.
Segundo o diretor da Metroprint, apesar de a Porém, o próprio executivo da 43 e demais fon-
matriz para offset (chapa) ter durabilidade rela- 43 SA Gráfica tes consultadas por EMBALAGEMMARCA enten-
(47) 3221-1200
tivamente menor que a de flexo, ela é gravada vendas@43sagrafica.com.br
dem ser prematuro vaticinar uma segregação de
por um custo cerca de dez vezes menor que o competências, com o offset dominando produ-
de um clichê (chapa flexível de fotopolímero Baumgarten Label tos de apelo mais nobre.
(47) 3321-6666
que serve de forma na impressão flexográfica). www.baumgarten.com.br O fato é que a flexografia também tem
“Isso não inibe modificações e retoques nas evoluído em níveis fantásticos, ainda apresenta
artes dos rótulos, um requisito cada vez mais Bonset vantagens técnicas (como a cobertura de tinta no
www.bonset.com
apreciado pelos departamentos de marketing”, filme plástico) e conta com um parque instalado
sublinha Blandino, da 43. Comprint trabalhando a pleno vapor, com seus termoen-
(11) 3371-3371 colhíveis gerando resultados positivos para as
www.comprint.com.br
ROI equilibra preços indústrias usuárias. Na verdade, movimenta-
Na ponta do lápis, contudo, a pré-impressão Ineos Films ções atuais da indústria gráfica apontam que o
www.ineosfilms.com
mais econômica e flexível do offset não deriva futuro, nesse campo, tende a ser dominado pela
em rótulos mais baratos que os habituais. Uma Klöckner Pentaplast combinação dos dois (e de outros) sistemas
das razões é o ROI, ou retorno de investimento. (11) 4613-9999 de impressão, que mais e mais conviverão em
www.kpfilms.com
Os preços tendem a emparelhar, uma vez que impressoras de banda estreita híbridas*. O tipo
as impressoras offset UV chegam a custar até Metroprint de trabalho a ser realizado e as necessidades do
quatro vezes mais que uma flexográfica. (11) 3603-2323 cliente serão os fatores que definirão pelo pre-
www.metroprint.com.br
Jorge Luiz Salvador acrescenta que os fil- domínio de uma ou outra tecnologia. “É como
mes utilizados também são caros (veja quadro) Rotatek num canivete suíço, em que cada ferramenta
e julga que, apesar de os clientes prospectados (11) 3215-9999 desempenha uma função específica, diferente,
www.rotatek.com.br
perceberem a alta qualidade do offset, seria mas integra um apetrecho que resolve uma série
inviável oferecê-lo sob precificação diferen- de problemas”, diz Andy Thomas, editor da
ciada. “Os preços já estão estipulados no mer- revista Labels and Labeling. (GK)
cado”, diz o dirigente da Metroprint. “Seria
contraproducente tentar defini-los.” * NA INTERNET: leia mais sobre impressoras híbri-
Embora seja um componente novo e promis- das para rótulos termoencolhíveis em www.embalagem-
sor, ainda é cedo para definir qual será o papel marca.com.br/upm96rotulos

Material não pode queimar o filme SUPORTE


Filmes planos não
comprometem visual
De nada adianta falar mil mara- para o offset que os filmes obti- do offset
vilhas sobre a impressão offset dos por extrusão balão (blown)”,
para rótulos termoencolhíveis se, diz Jorge Luiz Salvador, diretor
na hora da aplicação nas emba- comercial da Metroprint – que
lagens, os filmes apresentarem utiliza filmes de PVC, de PET ou
distorções e problemas de contra- de OPS (poliestireno orientado),
ção. Por isso, as três empresas capazes de atingir graus de enco-
à frente da oferta do offset para lhimento de até 70%, das alemãs
heat shrink labels – Baumgarten, Ineos Films e Klöckner Pentaplast
43 SA Gráfica e Metroprint e da nipo-americana Bonset. A
– optaram pelo consumo exclusivo Baumgarten só utiliza filmes da
de filmes importados, tidos como Klöckner Pentaplast. Por sua vez,
topo de linha. “São filmes mais a 43 SA Gráfica confirma o uso
caros, produzidos por extrusão singular de filmes importados,
plana, porém mais apropriados mas não informa suas marcas.

62 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


Inclusão digital
Com moderna impressora, fornecedora campinense oferece baixas tiragens
de rótulos plásticos termoencolhíveis, sem exigências de pedidos mínimos

B
aixos – ou baixíssimos – volu-
mes de produção já não ficam
marginalizados da adoção
de rótulos plásticos ter-
moencolhíveis. Buscando um nicho
diferenciado no mercado dos cha-
mados heat shrink labels, a Vilac,
de Campinas (SP), desenvolveu
um sistema interno de impres-
são e selagem desses rótulos
numa impressora digital HP
Indigo ws4050. Baseada em
impressão rotativa (a partir
de bobinas) e com qualidade
offset, a impressora digi-
tal vêm permitindo à Vilac
atender ao mercado que

GAÇÃO
Luciane Matiotti, da área

FOTOS: DIVUL
de vendas da convertedora,
define como “segmento do
um ao um milhão de rótulos
termoencolhíveis.”
Mais conhecida pelo for-
necimento de etiquetas e rótulos auto-ade-
sivos, a Vilac já coleciona clientes na nova CONTEMPLADOS zado no interior paulista num frasco plástico
vocação entre indústrias de cosméticos, lati- Usuários dos “sleeves diminuto, para 50 gramas. “Como o produto
digitais” da Vilac. À
cínios, produtores de inseticidas e na área de frente, o rótulo do creme é formulado com chocolate, o rótulo destaca
suprimentos alimentares. No rol de rótulos capilar com o acerto do o ‘marrom chocolate’, difícil de reproduzir
“marrom chocolate”
já fornecidos pela empresa, Luciane pinça o em flexografia”, comenta Luciane.
de um creme de pentear da Somara Cosmetic Além de atender a tiragens baixas (a
(KSK Somara), de Jundiaí (SP), comerciali- HP Somara, por exemplo, adquiriu no período de
(11) 5502-5521
www.hp.com
quatro meses quatro lotes totalizando cerca
de 3 000 unidades), a Vilac aponta a ws4050
FERRAMENTA Furnax
HP Indigo também para o atendimento de tiragens maio-
(11) 3277-5658
ws4050 é a
www.furnax.com.br res com alta qualidade de impressão, inclusi-
impressora por
trás da ação
ve com a inserção de dados variáveis – um
Vilac trunfo da impressão digital. “A impressora
(19) 3741-3340
www.vilac.com.br digital também nos possibilita rodar mock-
ups de rótulos, para o cliente poder visualizar
produtos antes de seus lançamentos”, destaca
Luciane. A Vilac tem utilizado exclusivamen-
te filmes planos importados para a impressão
digital de sleeves, a maioria deles distribuídos
no Brasil pela Furnax. (GK)

64 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


Mais uma nacionalização
Nilpeter lança FBR-2500, sua primeira impressora produzida no Brasil

FICHA COMERCIAL – Modelo custa cerca de 650 000 reais, e será produzido numa linha
de montagem que fica dentro da fábrica da A. Ulderigo Rossi, em Ribeirão Preto (SP)

D
epois da italiana Gidue anun- dez unidades já haviam sido vendidas, sendo
ciar a nacionalização produtiva que a oitava será entregue em fevereiro de
da impressora S-Combat de oito 2008. Do total, oito foram compradas por
cores, num projeto que envolveu indústrias gráficas brasileiras, todas com
a distribuidora Comprint e a fabricante flu- unidades de verniz UV. “Esses resultados
minense Raeder, outro importante nome do justificam a decisão de dedicar quatro anos
mercado de equipamentos flexográficos de ao desenvolvimento de fornecedores locais
banda estreita iniciou estratégia de produção de partes e componentes”, assinala Rubens
local desse tipo de máquina. Trata-se da Wilmers, informando que a capacidade atual
dinamarquesa Nilpeter, que acaba de lançar de produção do modelo é de quinze máqui-
oficialmente sua primeira impressora produ- nas por ano.
zida no país, a FBR-2500. O projeto da FBR-2500 é baseado num
Modular e com largura máxima de 273mm, modelo americano, que sofreu adaptações
o equipamento tem como base oito unida- do sistema em polegadas para o sistema
des de impressão flexo. Segundo Rubens métrico decimal, além de ajustes de recursos,
Wilmers, diretor da Nilpeter do Brasil, a entre eles as unidades UV. A empresa infor-
impressora será fabricada em Ribeirão Preto ma que apenas o mecanismo de precisão e os
(SP), numa linha de montagem que fica den- cilindros são importados. O índice de nacio-
tro da fábrica da A. Ulderigo Rossi, indústria VANTAGEM INTACTA nalização seria de 87%.
gráfica com tradição na produção de dobra- Para Wilmers, diretor A unidade produtiva da Nilpeter no Brasil
deiras e guilhotinas. da Nilpeter do Brasil, conta com 35 pessoas. A empresa calcula que
compra de equipamento
A FBR-2500 pode combinar unidades de nacional compensa terá 55 funcionários até o final do ano. “Hoje
serigrafia rotativa e aplicação de hot e cold apesar do dólar em baixa a Nilpeter é uma linha de montagem dentro
stamping, tudo em linha. “Essa máquina tem da A. Ulderigo Rossi”, explica Wilmers.
tecnologia de ponta, com um padrão idêntico Sobre o atual momento cambial, o execu-
ao que a Nilpeter utiliza em suas fábricas na tivo avalia que, para o convertedor de rótulos
Dinamarca e nos Estados Unidos”, ressalta Nilpeter do Brasil e embalagens, a compra de um equipamento
Wilmers. Com velocidade máxima nominal (11) 5071-7721 nacional é vantajosa mesmo diante da des-
www.nilpeter.com.br
de 228 metros por minuto, a FBR-2500 é, valorização do dólar. “Não há imposto de
FOTOS: DIVULGAÇÃO

segundo a Nilpeter, a mais rápida impressora A. Ulderigo Rossi importação, e os pagamentos são feitos em
no segmento de banda estreita. (11) 3338-1600 reais, com possibilidade de financiamento do
O projeto de nacionalização foi iniciado www.aurossi.com.br BNDES, já que é um produto fabricado no
há quatro anos. Antes do lançamento oficial, Brasil”, sublinha Wilmers. (LH e WP)

66 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


Destaque para RFID
Mark Andy e Torres esmiuçaram
identificação por radiofreqüência
durante Label Latinoamerica

N
o que depender dos avanços
na área de equipamentos de
conversão de etiquetas, a tec-

FOTOS: DIVULGAÇÃO
nologia de identificação por
radiofreqüência em breve ganhará mais visi-
bilidade no mercado brasileiro. Com boas
chances de se concretizar no ambiente logís-
tico, essa previsão é respaldada por novidades
apresentadas durante a terceira edição da Label PIONEIRISMO - Renato
Torres (detalhe)
Latinoamerica, que aconteceu em São Paulo, em
aproveitou terceira
julho. Ao destacar duas importantes estratégias edição da feira para
envolvendo equipamentos de inserção de chips divulgar primeira impressoras flexográficas que foi licenciada
e antenas em rótulos auto-adesivos, o evento máquina de conversão pela Torres para produzi-la em série.
de etiquetas RFID
corroborou as previsões de que a RFID irá revo- totalmente brasileira. “Acompanhamos a evolução da tecnologia
lucionar nos próximo anos o gerenciamento das Modelo aplica a antena RFID desde 1998, quando desenvolvemos
operações de distribuição e abastecimento. e faz teste da etiqueta e patenteamos a primeira geração da nossa
Fabricante de etiquetas auto-adesivas espe- máquina”, lembra Renato Torres, diretor da
cializada na área de automação comercial, a empresa. O colega Miyazato acrescenta que,
Torres, por exemplo, destacou durante o evento quando começou o monitoramento do merca-
o desenvolvimento da primeira máquina de do de RFID, as freqüências eram de 134 Khz.
RFID totalmente brasileira. O modelo foi bati- “Com o advento do sistema EPC, a freqüência
zado de T-RFID, e é fruto de quase 10 anos de chegou a 915 Mhz.”, salienta, em referência ao
investimentos em pesquisa e desenvolvimento. modelo de padronização mundial para tecnolo-
Segundo a empresa, a máquina oferece o melhor gias de código eletrônico de produtos.
custo-benefício em equipamentos de conversão Quem também aproveitou a Label
de etiquetas RFID disponíveis no Brasil. Além Latinoamerica para falar sobre RFID foi a
de inserir a antena, a T-RFID grava e testa a Mark Andy. Fabricante de impressoras de banda
etiqueta. estreita, a empresa destacou a tecnologia de
“O equipamento trabalha com antenas flexí- inserção de sistemas de RFID em linha, graças
veis em rolo, sendo compatível com a maioria Etirama a módulos que podem ser acoplados aos seus
(15) 3223-3332
dos protocolos RFID utilizados atualmente”, www.etirama.com.br equipamentos. Após a produção dos rótulos, tais
destaca Douglas Miyazato, gerente de tecnolo- módulos podem fazer a aplicação da antena e
gia da Torres. Entre outros mercados, a empresa PTC o processo de delaminação, para, em seguida,
vislumbra negócios com etiquetas antifurto e de (11) 6194-4220
colocar o chip, gravar as informações e fazer o
info@ptcgs.com.br
vigilância eletrônica de produtos (EAS, na sigla teste da etiqueta. Após todas essas etapas, o rótu-
em inglês). Torres lo, já dotado da tecnologia RFID, é relaminado.
Na parte operacional, o equipamento permi- (11) 3346-6900 “A aplicação da antena e do chip em linha,
www.torres.ind.br
te programação através de comandos de toque com altas velocidade e precisão, constitui uma
na tela (touch screen). O sistema de controle de forte tendência do mercado de RFID nos Estados
descarga eletrostática, por sua vez, evita poten- Unidos”, disse Miguel Troccoli, diretor da PTC,
ciais danos ao chip. Durante a feira, a T-RFID empresa que representa a fabricante Mark Andy
foi exposta no estande da Etirama, fabricante de no Brasil. (LH)

68 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


Celulose em alta
Restrições na oferta, aquecimento da
demanda e baixos estoques mundiais
levaram a aumentos no preço da
celulose no mercado internacional
durante o segundo trimestre de 2007.
A tonelada da celulose de eucalipto
foi reajustada para 735 dólares na
América do Norte, 700 dólares a
tonelada na Europa e 650 dólares a
tonelada na Ásia. Trata-se das maio-
res cotações desde fevereiro de 2001.
DIVULGAÇÃO – Peças
Papel cartão
Esquentando os publicitárias destacam

A Gallus/BHS, unidade da fabricante cilindros para a Drupa relação da empresa


com mundo da alta
suíça de impressoras banda estreita tecnologia
voltada ao mercado de cartonadas, Heidelberg lança campanha de marketing
está organizando um evento dirigi- global para a edição 2008 da feira
do a fabricantes de embalagens de
papel cartão das Américas do Sul e A Heidelberg iniciou os preparati- tempo uma promessa e uma men-
do Norte. O encontro está previsto vos para a Drupa 2008, que acon- sagem”, diz Adriana Nuneva, vice-
para acontecer na Filadélfia, Estados
Unidos, no dia 1° de novembro próxi- tece entre os dias 28 de maio e presidente de marketing global da
mo. Os temas centrais serão a adição 11 de junho próximos. A empresa Heidelberg. “Ele comunica os valo-
de valor e o aumento da eficiência lançou mundialmente a campanha res da empresa e a nossa paixão
desse tipo de embalagem. Mais infor-
“HEI TECH”, na qual busca desta- pelo impresso”, completa Adriana,
mações em www.gallus-packaging.
com. car sua relação com o mundo da informando que a próxima fase da
alta tecnologia (high technology campanha terá temas especiais da
Balança comercial I em inglês). Nas peças publicitá- Drupa.
Depois de alcançar crescimento
recorde em 2006, a balança comer- rias, o “high” virou “HEI”, escrito Heidelberg
cial de produtos gráficos registrou com a tipologia do logotipo da (11) 5525-4500
queda no primeiro semestre de 2007. Heidelberg. “O slogan é ao mesmo www.br.heidelberg.com
Segundo o Departamento de Estudos
Econômicos (Decon) da Associação
Brasileira da Indústria Gráfica
(Abigraf), o principal motivo foi o Especial para auto-adesivos
aumento de 41% nas importações
brasileiras, que passaram de 89,64 UPM Raflatac lança papel não revestido de alta resistência
milhões de dólares no período ante-
rior, para 126,39 milhões de dólares Fabricante de papéis e mate- duto também pode ser usado em
no semestre analisado. Com isso, o riais para a indústria de rótulos identificadores de peso de produ-
saldo da balança comercial do setor auto-adesivos, a UPM Raflatac tos frescos como carnes e queijos,
caiu de 55,96 milhões de dólares para
22,59 milhões de dólares. anunciou o lançamento do Direct oferecendo “performance excep-
Thermal Premium Eco. Trata-se de cional a um custo econômico”. “É
Balança comercial II um papel indicado para etiquetas um produto que alia aumento da
A valorização da taxa de câmbio, o
de marcação de preços e outras resistência e preço competitivo”,
aumento dos preços do papel e a
crescente exportação de cadernos aplicações no varejo que exijam sintetiza Stacey MacNeil, gerente
chineses ao mercado norte america- resistência superior à oferecida por de produto da empresa.
no também influenciaram o resulta-
FOTOS: DIVULGAÇÃO

papéis não revestidos convencio- UPM Raflatac


do. Nas exportações, o desempenho
foi parecido com o do ano anterior, nais. À prova de manchas e resis- No Brasil: (11) 3167-2341
com as remessas ao mercado tente a óleo e água, o pro- www.upmraflatac.com
estrangeiro somando 148,98 milhões
DADOS VARIÁVEIS
de dólares, frente a 145,60 milhões
Identificadores
em igual período de 2006. Os seg- de peso de
mentos que tiveram melhor desem- alimentos estão na
penho foram os de cadernos, com mira do Thermal
exportações de 50,93 milhões de Premium Eco
dólares, e de embalagens, que ven-
deu lá fora 42,68 milhões de dólares.

70 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


RECONHECIMENTO – Ao todo, 16 trabalhos serão
premiados. Inscrições são gratuitas

Max Feffer
em sexta edição
Inscrições para prêmio de design
gráfico da Suzano Papel e
Celulose vão até 31 de outubro
Foram abertas no primeiros colo-
dia 16 de julho últi- cados de cada
mo as inscrições uma das quatro
para a sexta edição categorias tradicio-
do Prêmio Max nais (Embalagens,
Feffer de Design Promocional,
Gráfico. Promovido Editorial e
pela Suzano Papel Miscelânea) rece-
e Celulose, o con- berão prêmios em
curso passou a dinheiro, enquanto
incluir a categoria os estudantes con-
Estudante. Gratuitas, correm a “ferramen-
as inscrições podem tas que vão permitir
ser feitas até 31 de o desenvolvimento
outubro no site www. deles como profis-
suzano.com.br/pre- sionais”. O autor da
miomaxfeffer. Podem “Peça Destaque”
concorrer trabalhos ganhará uma viagem
desenvolvidos com internacional. Ao
os seguintes pro- todo, serão premia-
dutos da Suzano: dos 16 trabalhos.
Reciclato, papel Suzano Papel e
cartão Supremo Duo Celulose
Design e Supremo (11) 0800-0555100
Alta Alvura. Os três www.suzano.com.br

agosto 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 71


Anunciante Página Telefone Site
Abeaço 3 (11) 3842-9512 www.saudenalata.com.br
Activas 15 (11) 3525-5000 www.activas.com.br
Alcoa 35 (11) 4134-2500 www.alcoacsi.com
Alphaprint 49 (11) 2164-1900 www.alphaprint.com.br
Ápice 33 (11) 4221-7000 www.apice.ind.br
Arco Convert 65 (11) 6161-8099 www.arco.ind.br
Avery Dennison 51 (19) 3876-7600 www.fasson.com.br
Bauch Campos 67 (11) 4785-2500 www.bauchcampos.com.br
Baumgarten 57 (47) 3321-6666 www.baumgarten.com.br
Bic Label 31 0800 260 434 www.biclabel.com.br
Braskem 13 (11) 3443-9999 www.braskem.com.br
Catuaí Print 71 (43) 3552-1186 www.catuaiprint.com.br
Cobrirel 11 (11)6291-3155 www.cobrirel.com.br
Coim 29 (19) 3876-9600 www.coimbrasil.com.br
Colacril 43 (44) 3518-3500 www.colacril.com.br
Comprint 59 (11) 3371-3371 www.comprint.com.br
Easy Pack 21 (11) 4582-9188 www.easypack-brasil.com.br
Embala 69 (11) 3567-1890 www.embalaweb.com.br
Frasquim 9 (11) 6412-8261 www.frasquim.com.br
Gumtac 45 0800 260 434 www.gumtac.com.br
Heidelberg 3ª capa (11) 5525-4500 www.heidelberg.com
Henkel 65 (11) 3205-8892 www.henkel.com.br
Indexflex 7 (11) 3618-7100 www.indexflex.com.br
Innovia Films 71 (11) 5053-9948 www.innoviafilms.com
Limer-Cart 37 (19) 3404-3900 www.limer-cart.com.br
Markem 27 (11) 5641-8949 www.markem.ind.br
Moltec 9 (11) 5523-4011 www.moltec.com.br
Müller Martini 23 (11) 3613-1000 www.mullermartini.com.br
Norvinco 27 (82) 2121-2300 www.norvinco.com.br
Novelprint 11 (11) 3768-4111 www.novelprint.com.br
Petroquímica Triunfo 19 0800 015 4888 www.ptriunfo.com.br
Prêmio Max Feffer 5 (11) 3848-1736 www.suzano.com.br/premiomaxfeffer
Qualy Print 9 (11) 4071-1782 www.qualyprint.com.br
Rigesa 61 e 63 (19) 3881-8800 www.rigesa.com.br
Rio Polímeros 47 (21) 2157-7777 www.riopol.com.br
Seaquist Closures 2ªcapa (11) 4143-8900 www.seaquistclosures.com
Set Print 9 (11) 2133-0007 www.setprint.com.br
SIG Beverages 25 (11) 2107-6744 www.valueaddedpetsolutions.com
Simbios-Pack 9 (11) 5687-1781 www.simbios-pack.com.br
SPL Dessecantes 55 (11) 2119-1230 www.spldessecantes.com.br
Suzano Papel e Celulose 41 0800 722 7008 www.suzano.com.br
TD Color 11 (19) 3271-7146 www.tdcolor.com.br
Technopack 55 (51) 3470-6889 www.technopack.com.br
Tetra Pak 4ª capa (11) 5501-3205 www.tetrapak.com.br
Vitopel 53 (11) 3089-5333 www.vitopel.com
Wheaton 17 (11) 4355-1800 www.wheatonbrasil.com.br

72 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007


EmbalagemMarca, apesar de sua pouca idade, preencheu uma
importante lacuna no cenário brasileiro de embalagens. Muito
mais que uma revista especializada, EmbalagemMarca é uma
revista conceitual, com um público leitor seleto e com qualidade
editorial nos melhores moldes de publicações internacionais na
área. Além disso, as abordagens deste veículo são sérias, atu-
ais e extremamente práticas, complementando um campo fértil
de pesquisa muito adequado a toda cadeia de embalagem. A
Technopack, pelos seus princípios e objetivos estratégicos, não
poderia deixar de estar ao lado de uma publicação com tamanha
qualidade e responsabilidade.

Geraldo Sant’anna Nunes, Diretor

(51) 3470-6889 É LIDA PORQUE É BOA. É BOA PORQUE É LIDA.


www.technopack.com www.embalagemmarca.com.br • (11) 5181-6533
Almanaque
Cada vez mais bonito Canhão contra
Para os japoneses mais ortodoxos,
o verdadeiro missô-shiru, a popular
em 1982, pelas mãos da Ajinomoto.
De 1991 para cá a embalagem flexível
a pilhagem
sopa de pasta de soja, tem que conter do produto sofreu sucessivas remode- “O mundo dos negócios tem seus
o Hondashi, milenar tempero à base lações, sendo a mais recente de mea- piratas, tão inescrupulosos quanto
de peixe Bonito desidratado. O pro- dos de 2007. Tudo -- com o perdão do os salteadores do mar. Eles são
duto industrializado chegou ao Brasil trocadilho -- em nome do bonito. os fabricantes de imitações e de
substitutos para os produtos origi-
nais. Eles imitaram a aparência
de Coca-Cola, mas falharam em
imitar sua delícia. Eles imitaram
a publicidade de Coca-Cola, mas a
imitação não soa verdadeira. Eles
imitaram a garrafa e o rótulo de
Coca-Cola – até os níveis em que
a lei permite. Mas eles não podem
imitar a nova garrafa de Coca-Cola
– ela é patenteada. Note o formato
1991 1994 1998 distintivo – as estrias – o nome de
2007
Coca-Cola marcado na garrafa.
Grave a imagem em sua mente.

Dos tempos bíblicos


Ela é a sua proteção contra imita-
ções e substitutos. No futuro, não
aceite bebida engarrafada como
A embalagem do melado de cana-de- mais precisamente desde 1885. O
genuína Coca-Cola a menos que ela
açúcar inglês Lyle’s Golden Syrup foi logotipo da marca – um leão rodeado
venha nessa garrafa”.
reconhecida pelo livro de recordes de abelhas – remete à passagem
Como evidenciam os dizeres desse
Guinness como a mais bíblica em que Sansão mata um
anúncio da década de 1940, a
antiga que ainda se man- leão, em cuja carcaça se forma
preocupação da Coca-Cola com os
tém no mercado sem uma colméia de abelhas repleta
clones é antiga. Mostram também
sofrer alterações em seu de mel. Um dos fundadores da
por que a embalagem original,
design. O layout verde Tate&Lyle, fabricante do produ-
carismática, se transformou num
e dourado da lata de aço to, era extremamente religioso.
dos ativos mais preciosos da
é o mesmo desde a Era
marca, protetora contra as pilha-
Vitoriana, no século 19,
gens como um canhão.

TRADIÇÃO
Embalagens criadas
em 1885 (à esquerda
e em cartaz do
início do século
20) permanecem
inalteradas até hoje

Barras revolucionárias
Às 8h01m da manhã do dia 26 foi um pacote de 10 unidades da
de junho de 1974 foi feita a pri- goma de mascar Wrigley’s em um
meira leitura comercial de um supermercado da rede Marsh, na
código de barras, fato que logo cidade norte americana de Troy,
revolucionaria o varejo em Ohio. A embalagem histórica está
âmbito mundial. O primeiro em exposição no Museu Nacional
produto vendido com o novo de História Americana do Instituto
sistema de leitura de dados Smithsonian, em Washington.

74 >>> EmbalagemMarca >>> agosto 2007