Você está na página 1de 27

i

ANHANGUERA EDUCACIONAL S.A. Faculdade Anhanguera de Brasília Curso de Biomedicina

Ayalla Santos da Silva Pereira

Diagnóstico da Toxoplasmose Congênita na Triagem Pré-natal e neonatal

Artigo apresentado, como exigência parcial à obtenção do grau de Bacharel em Biomedicina, na Faculdade Anhanguera de Brasília - FAB/DF, sob a orientação do professor Especialista Edgard Joab Duarte Silva.

Taguatinga, DF 2013

Ayalla Santos da Silva Pereira

Diagnóstico da Toxoplasmose Congênita na triagem pré-natal e neonatal

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Biomedicina da Faculdade Anhanguera de Brasília - FAB/DF.

Aprovado em 03 de junho de 2013.
___________________________________________

Prof. Esp. Edgard Joab Duarte da Silva
Faculdade Anhanguera de Brasília Orientador

__________________________________ Prof. Esp. Marcus Alisson Araújo da Cunha
Faculdade Anhanguera de Brasília Avaliador

______________________________________ Prof. Esp. Geraldo Claudino de Freitas
Faculdade Anhanguera de Brasília Avaliador

________________________________ Prof. Esp. Carlos Fernando dos Santos
Faculdade Anhanguera de Brasília - FAB/DF Coordenador do Curso de Biomedicina

Taguatinga, DF 2013

.3 Este trabalho é dedicado a todos os alunos que compreenderam que seus esforços sempre são recompensados.

carinho e compreensão em todos os momentos da minha vida e pela fé em mim depositada. A Deus que é a base de tudo na vida Aos professores. . A todos os meus amigos e família. que direta ou indiretamente contribuíram em minha vida e para a realização deste trabalho. dedicação. pela sabedoria na lida diária com todos nós alunos.AGRADECIMENTOS Agradeço aos meus pais pela força.

mas os seus frutos são doces” Aristóteles .5 “ A educação tem raízes amargas.

prenatal screening where monitoring becomes pregnant women have a fundamental role in the diagnosis precoce. is the etiologic agent obligate intracellular protozoan called Toxoplasma gondii. one of the most aggravating this condition is congenital transmission in which the mother passes to the fetus parasita. This. a triagem pré-natal em que se faz o acompanhamento às gestantes tem papel fundamental no diagnóstico precoce. Toxoplasma gondii.com ABSTRACT Toxoplasmosis is a zoonosis widely distributed that affects mammals. Agrárias e da Saúde Ano 2013 DIAGNÓSTICO DA TOXOPLASMOSE CONGÊNITA NA TRIAGEM PRÉ-NATAL E NEONATAL RESUMO A Toxoplasmose é uma zoonose de ampla distribuição geográfica que acomete mamíferos. triagem prénatal. Palavras-Chave: Toxoplasmose congênita. which aims to inform about the characteristics of the disease among the most susceptible (mom) and acommpanhar strictly through serological tests and pregnant women and newborns. São Paulo CEP 13.IPADE . triagem Ayalla Santos da Silva Pereira Faculdade Anhanguera de Brasília ayallasan@gmail. Da mesma forma a triagem neonatal a qual é realizada com os recém-nascidos apresenta bons resultados quanto ao monitoramento dos fetos infectados.Como alternativas para diminuir o número de casos existentes e suas formas de contaminação.Por be a highly disseminated disease.edu.com Edgar Joab Duarte Silva Faculdade Anhanguera de Brasília edgardbiomedico@gmail. control programs were created. Toxoplasma gondii .278-181 rc.Como alternatives for reducing the number of existing cases and forms contamination.br Coordenação Instituto de Pesquisas Aplicadas e Desenvolvimento Educacional . felídeos e aves que acidentalmente contamina o homem. prenatal screening. 2000 Valinhos.os quais tem como objetivo informar sobre as características da doença no meio mais suscetível(gestantes) e acompanhar rigorosamente através de testes e exames sorológicos as grávidas e os neonatos.Da Similarly neonatal screening which is done with newborns have good results on the monitoring of fetuses infectados.A.ipade@unianhanguera. uma das formas mais agravantes desta patologia é a transmissão congênita na qual a mãe passa para o feto o parasita. birds and cats that accidentally defile the man.foram criados programas de controle. Correspondência/Contato Alameda Maria Tereza. Por ser uma doença altamente disseminada.Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas. Esta tem como agente etiológico o protozoário intracelular obrigatório chamado Toxoplasma gondii . Keywords: Congenital toxoplasmosis. newborn screening. Anhanguera Educacional S.

Ela acomete mamíferos. feto são 2010). mas as comuns são cegueira. sendo que da as clínicas e causadas severas dependentes alterações idade gestacional em que a doença foi contraída e do curso da mesma. entre outras (CAMARGO. A triagem pré-natal que tem como foco acompanhar as gestantes no período gestacional tem papel importante no diagnóstico da Toxoplasmose. a triagem neonatal realizada rotineiramente com os recém-nascidos pode evidenciar as características da Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. ingestão de carnes dos animais contaminados com cistos e também pela forma vertical ou transplacentária na qual o taquizoíto atravessa a placenta e contamina o feto (GARCIA. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. presentes em alimentos. este desenvolve parasitismo intracelular e tende a causar infecções crônicas e na maioria das vezes assintomática. A infecção pelo Toxoplasma gondii é distribuída mundialmente. retinocorroidite. 2010).Ayalla Santos da Silva Pereira. A partir de então esta doença se tornou disseminada e alvo de estudos e pesquisas para que fossem desenvolvidas as terapêuticas necessárias para o seu controle (NEVES. hidrocefalia. A toxoplasmose congênita ou vertical é a forma resultante da transmissão do Toxoplasma gondii da mãe para o feto que pode ser assintomática conseqüências sequelas ou até levar a óbito ao (BRASIL. 2010. A doença foi descrita pela primeira vez em 1908 simultaneamente na Tunísia e no Brasil. água e solo contaminados. INTRODUÇÃO A toxoplasmose é uma doença infecto-parasitária que tem como o seu agente etiológico o protozoário Toxoplasma gondii. são feitos os exames e testes sorológicos que podem diagnosticar a doença. pois neste período. calcificações intracerebrais ou convulsões. neurológicas. 7-20 . (REY. aves e felídeos mais comumente o gato. 2006). DINIZ. sendo que o hospedeiro intermediário é o homem. 1999). 2010). Da mesma forma. Estudos recentes demonstram que o Brasil tem alto índice de casos sendo que a transmissão pode ocorrer pela ingestão de uma das formas evolutivas do parasita que é o oocisto. Edgard Joab Duarte da Silva 1. A descoberta quase concomitante do mesmo parasita em espécies e continentes distintos já antevia que este teria ampla distribuição geográfica.

Ministério da Saúde. METODOLOGIA A metodologia utilizada foi uma revisão bibliográfica dentre os anos 1987 a 2013.8 Diagnóstico da Toxoplasmose Congênita na triagem pré-natal e neonatal doença e posteriormente ser confirmada pelos exames específicos (CARNEIRO. 2. revistas e publicações. A História A Toxoplasmose é uma zoonose causada pelo protozoário intracelular obrigatório Toxoplasma gondii. Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. artigos. A descoberta simultânea do mesmo parasita em espécies de animais diferentes já previa que este seria distribuído mundialmente. através de livros. O primeiro caso de transmissão humana foi citado pela primeira vez por Janku em 1923 na cidade de Praga e em 1927 por Torres no Rio de Janeiro. este tem ampla distribuição geográfica e afeta diversas espécies de animais domésticos e selvagens. Biblioteca da Faculdade Anhanguera de Brasília e da Universidade Católica de Brasília. 2010. GARCIA. 3. a qual possa servir de fonte para novas pesquisas sobre o assunto e ser facilitador da difusão do mesmo entre as diversas áreas da saúde. além das fontes de pesquisa como Scielo. Este trabalho tem como objetivo. O objetivo deste programa é realizar o monitoramento das grávidas e dos neonatos e difundir as informações como a forma de transmissão e a profilaxia da doença neste meio mais suscetível (LOPIS-MORI. 2012). DESENVOLVIMENTO 3. et al . Bireme. realizar uma pesquisa bibliográfica referente à Toxoplasmose Congênita. que tenham como enfoque principal acompanhamento Peri natal das gestantes e neonatos. Logo após em 1937 Wolf e Cohen foram os primeiros a descrever a infecção congênita no homem. O parasita foi descrito pela primeira vez em 1908 por Nicolle e Manceaaux na Tunísia e ao mesmo tempo por Alfonso Splendore no Brasil. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. 8-20 . 2012). 2011). LILACS. Pubmed. Os programas de controle desta infecção já vem sendo adotados em alguns países e em alguns estados do Brasil no intuito de reduzir o número de infecções. et al. (CIMERMAM. além de ser uma forma de contaminação humana. et al.1.

Ciclo Biológico do Toxoplasma gondii (MUNDO EM COLAPSO) Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas.2. Figura 1 . GONÇALVES. são os hospedeiros definitivos do Toxoplasma gondii. A biologia da transmissão da Toxoplasmose está representada na imagem seguinte(CIMERMAM. 2010).Ayalla Santos da Silva Pereira. COSTA. aves e o homem.os intermediários e os definitvos. 3. 1987). 9-20 . enquanto que os mamíferos. Os felídeos em geral e mais comumente o gato doméstico. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. Ciclo Biológico O ciclo de vida deste parasita se define em dois tipos de hospedeiros. Edgard Joab Duarte da Silva a qual atualmente é a causa mais comum de morbidade e mortalidade no período neonatal (BARRETO. são os intermediários.

2004). dentre outros. O diagnóstico da doença pode ser evidenciado por meio de exames sorológicos e também por biopsia para a visualização dos cistos nos tecidos. onde a mãe infectada transmite a doença para o feto.3. os bradizoítos que são liberados a partir dos cistos (Figura 3). olho. quando o gato defeca sobre o solo. Outros animais também podem ser infectados. 3. como o porco e a cabra.10 Diagnóstico da Toxoplasmose Congênita na triagem pré-natal e neonatal Na imagem apresentada. estes oocistos podem demorar de um a cinco dias para se esporularem no meio ambiente e a partir de então que os hospedeiros intermediários podem se contaminar através de água e alimentos contaminados com estes oocistos. LINDSAY. como pela ingestão de carnes crua ou mal cozidas dos animais contaminados com os cistos. sendo que esta última forma é considerada a mais complicada da doença (MONTOYA. 10-20 10-20 . KAWAZAKI. Se tratando das infecções congênitas. Assim que estes intermediários ingerem os oocistos. além de outros. LIESENFELD. Também pode haver a contaminação humana pela transfusão sanguínea ou transplante de órgãos e através da placenta. como as aves e roedores. ou através da ingestão do próprio oocisto esporulado. 1998). através de água e alimentos contaminados com as fezes dos gatos. Os taquizoítos se desenvolvem e formam cistos nos tecidos que contém os bradizoítos. O gato se contamina quando consome os hospedeiros intermediários já infectados. 1998).os oocistos são eliminados. os quais são considerados como a forma de resistência Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. eles se transformam em outra forma chamada taquizoítos (DUBEY. O prognóstico precoce é importante devido ao fato dos parasitas se instalarem normalmente no cérebro. o diagnóstico pode ser alcançado também através da sorologia. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. SPEER. miocárdio e músculos esqueléticos e poderem permanecer por toda a vida no hospedeiro (ELLIS. por meio dos cistos teciduais após ingerirem os oocistos esporulados (LEHMANN. 2004. através de métodos moleculares como o PCR. Formas Evolutivas A espécie que parasita o homem é o Toxoplasma gondii. este possui várias formas evolutivas sendo elas: O taquizoíto (Figura 2) que é forma considerada mais disseminada devido ao seu poder de atravessar a barreira transplacentária e contaminar o feto. et al. 2004) O homem pode ser contaminado por diferentes formas.

Estes possuem um complexo apical onde estão situados diferentes tipos de organelas. corado por Hematoxilina e Eosina (CDC. Edgard Joab Duarte da Silva do parasita e os oocitos (Figura 4) que são liberados nas fezes dos animais contaminados (NETO. 2008).Ayalla Santos da Silva Pereira. CDC 2010 Os taquizoítos (Figura 2) possuem cerca de 6 milímetros de comprimento e 2 milímetros de largura.Taquizoítos de Toxoplasma gondii corados por Giensa. além de atravessar a barreira transplacentária. 2010). Figura 2 . 1996). SIBLEY. tem uma forma arqueada e possuem alto poder de proliferação. Figura 3: Cisto de Toxoplasma gondii no tecido cerebral contendo Bradizoítos. Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. Possuem membrana no núcleo além das internas e externas (DOBROWOLSKI. as quais possibilitam esta forma a penetrar vários tecidos e órgãos. 11-20 11-20 . et al.

2002). é sabido que este. CDC. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. Os oocistos (Figura 4) são característicos do intestino dos felídeos infectados e são eliminados através das fezes. INFECÇÃO CONGÊNITA A gestante tem mais suscetibilidade de se aquirir doenças devido ao fato do seu sistema imunológico ser um pouco modificado no período gestacional. os sinais clínicos Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. estes são parecidos com a forma dos taquizoítos. 4. Os Bradizoítos são considerados como sendo a forma resistência do Toxoplasma nos tecidos por serem encontrados apenas neste local (CARRUTHERS. 12-20 12-20 . visto através de Microscopia de Interferência Diferencial. Eles possuem uma dupla parede que protege contra as agressões do solo e meio ambiente (DUBEY. 2006) Figura 4: Oocisto de Toxoplasma gondii . porém se reproduzem mais lentamente que eles. SPEER.12 Diagnóstico da Toxoplasmose Congênita na triagem pré-natal e neonatal Os cistos (Figura 3) são considerados o abrigo para a outra forma morfológica do Toxoplasma que são os Bradizoítos. 2010. uma vez maturados. entretanto uma vez que os bradizoítos são liberados. eles podem se transformar em taquizoítos os quais invadem a célula do hospedeiro e novamente irão se tornar novos bradizoítos dentro de um novo cisto ( VARGAS. 1998). assim que são eliminados eles são considerados imaturos. se rompe em algum tempo porém não há previsão. LINDSAY. estes irão conter oito esporozoítos e dois esporocistos. Os cistos (Figura 3) podem permanecer por um longo período no tecido sem que haja o rompimento para a liberação dos bradizoítos. as quais são a forma infectante para o homem e para os demais acometidos como os mamíferos e aves. isto faz com que quando houver algum tipo de contaminação.

et al. 2006) Estudos realizados em algumas cidades dos estados do Paraná e Rio Grande do Sul no Brasil indicam que a maioria das gestantes contaminadas cerca de 90% são assintomáticos. 2012. 2007). esplenomegalia. GOULART. a qual tem maiores chances de causar danos severos ao feto (MARGONATO. A toxoplasmose congênita é decorrente da infecção da mãe para o feto e diante da gravidade desta. anemia. e aborda que o déficit auditivo nas crianças nãotratadas ou até mesmo naquelas em que o tratamento foi relativamente curto em relação aos parâmetros recomendados pode chegar a 20% dos casos (ANDRADE. Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. prematuridade além do comprometimento do Sistema Nervoso Central (DINIZ. SPALDING. Estas quatro manifestações citadas quando aparecem associadas é conhecida como Síndrome de Sabin (MORAES. et al. 2011). Os danos causados ao feto são variáveis. entretanto. LEITE. Além destes. pois estes não nascem com o sistema imunológico maduro. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. Edgard Joab Duarte da Silva sejam menos evidentes. 2008).Ayalla Santos da Silva Pereira. diminuição da cabeça em relação à idade do feto (microcefalia). icterícia. além de comprometimento no sistema neuropsicomotor cerca de 40% e também calcificações cerebrais na faixa de 50% das contaminadas (SOARES. sendo que se a infecção ocorrer no primeiro trimestre da gestação na maioria dos casos origina-se natimorto ou crianças com severas complicações como aumento do líquido cefalorraquidiano na cavidade craniana (hidrocefalia). pesquisas mostram que 85% das crianças infectadas desenvolvem seqüelas oculares graves no primeiro ano de vida. Estes também constataram que a prevalência de casos de infecção por Toxoplasma gondii é superior ao da América Latina o que evidencia ainda mais o alto índice de contaminação deste parasita no país (BITTENCOURT. e que destas no mínimo 50% transmitem para o feto o parasita. as manifestações do feto são mais graves. REIS. 2008). retardo mental e calcificações cerebrais. inflamação da retina e da coróide que pode causar cegueira (coriorretinite). 2003). o diagnóstico precoce no início do período gestacional principalmente no primeiro trimestre é de fundamental importância para que consiga identificar a doença na fase aguda. sendo assim ele está mais vulnerável a ter as complicações clínicas causadas pelo parasita.gondii e a perda auditiva já vem sendo relatada na literatura há muito tempo. 13-20 13-20 . (JOBIM e SILVA. et al. Os sinais e sintomas clínicos são: baixo peso ao nascer. 2006. hepatomegalia. A associação entre o T. 2004).

14-20 14-20 . merece atenção especial devido ao alto número de infectados (BRASIL. Segundo Frenkel (2002). São muitos os casos relatados desta doença. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. a incidência de casos de Toxoplasmose é maior na região Norte que na região Centro Oeste. enquanto que nos Estados Unidos é cerca de 20% da população entre 12 e 49 anos (JENUM. estima-se que 75% da população da região Norte estejam contaminados.14 Diagnóstico da Toxoplasmose Congênita na triagem pré-natal e neonatal 5. JONES. No Distrito Federal. 2003). A incidência da Toxoplasmose é alta. tendo em vista que na região Centro-Oeste este valor seja de Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. et al. 2010). No Brasil a soro prevalência dos anticorpos da classe Igg varia de acordo com a região estudada. estima-se que na Europa cerca de mais de 54% da população estão infectados. além do ciclo que ocorre nos felídeos e da forma congênita. 54%. EPIDEMIOLOGIA O ciclo epidemiológico da Toxoplasmose é claro devido à rápida disseminação dos oocitos por meio de alimentos e água contaminados. et al. estima-se que cerca de 70% a 95% da população tenham a doença e apesar desta não ser considerada como doença de notificação compulsória. há um grande número de casos de Toxoplasmose gestacional e congênita. segundo dados dos relatórios da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria do Estado de Saúde do Distrito Federal (DIVEP). 1998. os quais contribuem consideravelmente para a rápida distribuição deste parasita em todas as partes do mundo.

Edgard Joab Duarte da Silva Tabela 1 – Número de casos de Toxoplasmose no Distrito Federal (Adaptado de DIVEP. já entre os anos de 2006 a 2007. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. 2009). Brazlândia e Candagolândia (DIVEP. Os casos de toxoplasmose congênita também tiveram aumento significativo. Cruzeiro e Sobradinho II(DIVEP. Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. em 2007 houve uma diminuição e nos anos seguintes 2008 e 2009 houve mais uma vez aumento no número de casos de Toxoplasmose Congênita no Distrito Federal. sendo que em 2002 e 2003 os relatos foram em números iguais. já entre 2004 a 2006 o aumento foi gradativo. houve uma redução. Neste ano as cidades do Distrito Federal com maior incidência foram às cidades do Recanto das Emas. entretanto nos anos seguintes entre 2008 e 2009. 15-20 15-20 . 2009) Ano Número de Casos em Gestantes 84 46 160 138 99 78 126 163 Número de Casos em Neonatos 8 8 24 35 44 24 27 42 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Entre os anos 2002 a 2005 o número de casos da doença nas gestantes teve um aumento significativo. a incidência desta patologia em gestantes aumentou e atingiu o ápice em 2009 com o maior número de relatos. 2009).Ayalla Santos da Silva Pereira. Neste último ano as cidades com maiores prevalência da doença na forma congênita foram Sobradinho.

durante a fase aguda os níveis de IgM se elevam. Tendo em vista as doenças que devem ser precocemente diagnosticadas. sejam 6 consultas (BRASIL. Quando a puérpera está contaminada. TRIAGEM NEONATAL O precursor da Triagem neonatal foi o Robert Gutrie que na década de 60 demonstrou que quando analisados amostras de sangue seco colhidos em Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. o Ministério da Saúde estabelece que o número mínimo de consultas a serem realizadas durante o pré-natal.gondii. Para melhor diagnóstico da Toxoplasmose aguda o ideal é se realizar o teste de sensibilidade para IgM associado ao teste de avidez de IgG(PETERSEN. et al. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. segundo Lopes. Tabela 2-Interpretação da Sorologia para IgG e IgM(Adaptado de LOPES. 2005). et al. TRIAGEM PRÉ-NATAL A triagem pré-natal é de suma importância para o acompanhamento gestacional. 2007). O pré-natal é feito uma série de exames sorológicos capazes de evidenciar muitas patologias que podem ser transmitidas ao feto. ela tem como objetivo realizar rotineiramente exames para a identificação de diversas doenças que podem acometer as gestantes e também os neonatos.16 Diagnóstico da Toxoplasmose Congênita na triagem pré-natal e neonatal 6. ( 2007). dentre elas a Toxoplasmose. 2007) Gestante IgM IgG Interpretaçã o Gestante Suscetível Possível Infecção Aguda Infecção Inicial ou Falso Positivo Infecção Aguda ou IgM residual Caso 1 Negativo Negativo Caso 2 Negativo Positivo Caso 3 Positivo Negativo Caso 4 Positivo Positivo 7. A seguir são citados casos distintos e a interpretação dos resultados nas gestantes suscetíveis a infecção pelo T. 16-20 16-20 .

2010). Esta portaria ampliou o número de doenças que já eram diagnosticadas através da triagem neonatal além de atingir 100% da população. 8. 8. Avidez de IgG A infecção materna é diagnosticada uma vez que os testes sorológicos reagem para os anticorpos anti. 2011). Homocistinúria. A partir de então o programa começou a ser utilizado em todo o mundo e no Brasil o primeiro estado a usar obrigatoriamente o teste foi o de São Paulo através da lei estadual nº 3914 de 14/11/83. uma vez que o diagnóstico é baseado em exames sorológicos. Fibrose Cistica. deficiência de Glicose -6-Fosfato. a Toxoplasmose.isto ocorre devido a incidência da IgM permanecer na corrente sanguínea por cerca de um ano e Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. o exame parasitológico é pouco utilizado. BRASIL. por meio da visualização do agente em tecidos e líquido corporais. As doenças diagnosticadas inicialmente pela Triagem Neonatal eram a Fenilcetonúria (PKU) e o Hipotireodismo Congênito (HC). conhecida como o teste do pezinho é um método rastreador de diferentes tipos de doenças que devem ser tratadas precocemente para evitar seqüelas graves ao recém-nascido. 2011. gondii.Ayalla Santos da Silva Pereira. Edgard Joab Duarte da Silva papel filtro. 17-20 17-20 . como a Fenilcetonúria. pois ela determina que o teste seja obrigatório e gratuito para toda a população (ABREU. O programa só se tornou obrigatório no país em 1990 pela Lei Federal nº 8069 de 13/07/1990(LEÃO E AGUIAR. DIAGNÓSTICO Esta patologia é absolutamente difícil de ser diagnosticada clinicamente devido ao fato de ser assintomático na maioria dos casos. poderia servir de diagnóstico precoce de diversas doenças.1. 2008). dente outras (SARTORI. houve uma ampliação das doenças diagnosticadas e foram inclusas a Hemoglobinopatias. biopsia. Galactosemia. atualmente através do PNTN. deficiência de Biotinidase. testes biomoleculares ou através de cultivos experimentais em animais (BRASIL. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. Hiperplasia Congênita de Adrenal. 2008). As imunoglobulinas da classe IgM e IgG são as analisadas para verificar se houve ou não a infecção .T. O teste faz parte do Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN) implantado desde 2001 através da Portaria Ministerial do Ministério da Saúde nº 822 de 06/06/2001. A triagem neonatal.

et al. et al. 2010).o que indica se a infecção aconteceu há cerca de três meses ou mais . Atualmente esta. A variação da sensibilidade do PCR na literatura alterna entre 70% a 100% para o diagnóstico da Toxoplasmose Congênita e esta variação pode ser Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. 8.Outra forma de confirmar a contágio materno é através do teste de avidez da IgG .18 Diagnóstico da Toxoplasmose Congênita na triagem pré-natal e neonatal seis meses.4. 2002). o que pode precocemente evidenciar a doença na gestante e prevenir as lesões congênitas. 18-20 18-20 . pois estas podem ocorrer e gerar resultados falso positivo ou falso negativo (JOBIN e SILVA. pois este teste se baseia em uma reação imunoenzimatica e pode ser reagente em cerca de 80 % dos casos. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. possibilitou a realização da Reação de Polimerase em Cadeia (PCR) para a detecção deste protozoário (BASTIEN. 2003). Reação em Cadeia Polimerase (PCR) A literatura mostra que após estudos do DNA do T. 2000). mas pode sofrer interferências assim como o teste de IFI pelo fator reumatóide.A análise de IgM juntamente com o teste de avidez de IgG é benéfico para indicar possíveis casos de transmissão vertical(JUNIOR. por ser econômico e de fácil interpretação. Ele é de suma importância no diagnóstico da fase aguda como também na forma vertical da doença. mas como os outros testes. tem sido bastante utilizada por mostrar alta sensibilidade e especificidade. demonstrou que o teste ELISA por captura de IgM foi mais sensível que a Imunofluorecência Indireta(CANTOS. um estudo realizado no Laboratório do Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina. (2010). o teste ELISA ajuda consideravelmente para a confirmação da Toxoplasmose. 8.2. Elisa (Enzyme-Linked Immunisorbent Assay) Segundo Camargo. 8. Imunofluorescência Indireta (IFI) O teste de Imunofluorecência Indireta (IFI) é um dos mais utilizados. et al. Estas duas técnicas servem como complemento uma da outra.3. 2004). As amostras devem ter cuidados especiais para que não sofra interferências. a PCR também pode gerar resultados falso negativos (SPALDING.gondii. Baseia-se na utilização de antígenos fixados em lâminas para a determinação dos anticorpos específicos. é também considerado como tendo boa sensibilidade e especificidade.

et al. Estudos realizados em suínos na região de Porto Alegre no Rio Grande do Sul demonstraram que esta. 2010). porém se o feto já houver sido contaminado o recomendado é iniciar imediatamente o uso de três fármacos Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. Quando comparado com os métodos de Imunofluorecência Indireta (IFI) e o teste de Captura de IgM realizados em humanos.4% para a classe IgG-WB e 94. TRATAMENTO Uma vez diagnosticada a infecção aguda na gestante. Edgard Joab Duarte da Silva definida por fatores de inibição da Taq DNA polimerase. a recomendação atual para o tratamento da Toxoplasmose no Brasil é feita com base na utilização do medicamento Espiramicina.em contrapartida a especificidade das imunoglobulinas foram parecidas.6. 19-20 19-20 .sendo 97.2002). Este método por não ser invasivo ao feto tem se mostrado muito útil no diagnóstico da Toxoplasmose Congênita (REMINGTON. 2003). Western Blot A técnica Western Blot (WB) conhecida mundialmente por servir de diagnóstico confirmatório da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS). o que se faz deduzir que esta técnica é viável e pode ser utilizada no diagnóstico da doença( FIALHO e ARAÚJO.8%. é uma técnica fácil de ser realizada. 8. de baixo custo e possui alta sensibilidade nestes animais (FIALHO e ARAÚJO. a HAI também se mostrou sensível e específica.constatou que a IgG-WB teve sensibilidade de 73. 2001). o tratamento deverá ser imediato. 9.7% para a classe IgM(MACHADO.Um estudo realizado no estado de Minas Gerais com crianças que participavam do Programa de Triagem Neonatal. et al. tem se mostrado sensível na detecção de IgM e IgG no soro materno e da criança. 8. Gondii.Ayalla Santos da Silva Pereira. Este fármaco tem função bloqueadora impedindo que o parasita atravesse a placenta e caso não consiga impedir ele pode adiar a infecção. pelo número de células ou mesmo pela grande quantidade de DNA humano (CASTRO.5% enquanto a IgM-WB teve sensibilidade de 54. Hemaglutinação Indireta (HAI) A técnica de Hemaglutinação indireta é fundamentada na sensibilização dos eritrócitos pelo contato com os antígenos do T. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. et al. 1994).5.

DISCUSSÃO Estudos realizados referentes à Toxoplasmose evidenciam uma doença silenciosa com ampla distribuição. Avidez de IgG . 2008). 2007). No diagnóstico da infecção fetal. Os programas de controle voltados para as gestantes e o Programa de Triagem Neonatal. demonstram a importância da realização precoce da Triagem Pré-Natal e Neonatal. 20-20 20-20 . et al. a maioria abordam que a Sorologia é a técnica mais utilizada principalmente o método de Elisa. a pirimetamina. prevenir e diagnosticar o mais breve possível as diversas doenças graves dentre elas a Toxoplasmose Gestacional e Congênita (LOPIS-MORI. sulfadiazina. sendo que em alguns casos só foi possível após o nascimento (ANDRADE. Nota-se que as complicações da doença e a sua transmissão. 2005). 10. principalmente a forma congênita. ambos do Ministério da Saúde. et al. esta doença é mais prevalente. Imunofluorescência Indireta. que obrigatoriamente deve ser realizada pela rede pública e privada de saúde (BRASIL. buscam acompanhar.20 Diagnóstico da Toxoplasmose Congênita na triagem pré-natal e neonatal concomitantemente. segundo o Manual de Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância (AIDPI) Neonatal do Ministério da Saúde. No Brasil os casos são distribuídos de acordo com as características regionais estudadas. Além destes medicamentos. a técnica mais utilizada é a PCR. na criança também é recomendado o uso do de corticosteroides em casos de Coriorretinite aguda e em proteinorraquia (BRASIL. estudos mostram que no Brasil este deve ser iniciado em até um ano de vida. No entanto a região Norte Brasileira. 2010)há um determinado consenso entre as técnicas adotadas na gestante. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. 2003). apresentando em algumas situações surtos epidemiológicos. (JÚNIOR. Assim que a infecção congênita for constatada.Nos neonatos também é recomendado o uso de Pirimetamina e Sulfadiazina(PETERSEN e SCHIMIDT. Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. mesmo que na maioria dos casos sejam oligossintomáticos o tratamento deve ser iniciado conforme as diretrizes de cada País. enquanto que na Dinamarca este tratamento deve ser iniciado em até três meses de vida(GUERINA. et al 2011). et al. quando comparada com as demais ( FRENKEL. 2012). e o ácido fólico (ZUGAIB. 1995). 2002). No que se refere ao diagnóstico.

e eficiência comprovada das análises clínicas no complemento de diagnósticos ágeis e precisos de diversas patologias . com o intuito de esclarecer dúvidas e enfocar a profilaxia com o objetivo de reduzir danos. ainda nota-se que muitas pessoas não a conhecem como sendo uma doença grave. Ele atua na realização dos exames laboratoriais. 11. pode realizar todos os exames de imagem. Muitos profissionais da saúde que estão diretamente relacionados com a Triagem Pé- Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. tem participação indispensável no diagnóstico da Toxoplasmose. este se faz relevante por proporcionar uma visão completa da anatomia do feto (COUTO. CONSIDERAÇÕES FINAIS Embora a Toxoplasmose seja uma doença que afeta milhares de pessoas no mundo. 12.Ayalla Santos da Silva Pereira. seja na fase gestacional como na fase congênita. O PAPEL DO BIOMÉDICO O Biomédico como profissional diferenciado. Edgard Joab Duarte da Silva Apesar de não serem muito utilizados rotineiramente no diagnóstico da Toxoplasmose. o exame ultrassonográfico possibilita verificar lesões cerebrais em fetos durante a gestação e embora não seja considerado como um exame de primeira escolha. capaz de causar seqüelas graves além de levar a óbito. dedicação e interpretação dos resultados são necessários uma vez que tratamos de uma doença grave e silenciosa cujo manuseio dos procedimentos a serem realizados como o tratamento são dependentes de um resultado preciso. fica claro o papel do profissional biomédico no cenário multiprofissional que cerca toda a formação de um diagnóstico eficiente e completo. este profissional não se restringe apenas à realização dos exames. podem ser realizados para a complementação para um prognóstico preciso. e minimizar o número de casos desta patologia. Com o acréscimo da especialização na área de Imagenologia. pesquisas. No contexto geral. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. LEITE. 2004). 21-20 21-20 . o método de Western Blot e exames de imagem. Com a evolução constante. e seu conhecimento. mas poderá também atuar na conscientização da população por meio de palestras. reciclagem de profissionais da área interessados no assunto.

diagnóstico e o tratamento merecem ter uma padronização no intuito de prevenir ou minimizar as infecções pelo Toxoplasma gondii. Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. AGRADECIMENTOS Agradeço aos meus pais Anízia Santos e Antonio Pereira pela força. protocolos e normas. ainda se tem muitos questionamentos quanto ao diagnóstico que em alguns casos não ocorre durante as triagens acima citadas e só vem a se desenvolver anos após o nascimento. Revista Cubana Invest Biomed. Diagnóstico de la toxoplasmosis congénita. 2001. visto que diminuiria os agravos não só ao neonato.R. dedicação.A Deus que é a base de tudo na vida. A triagem. não a tratam com a seriedade e os devidos cuidados que esta doença merece. Os programas de controle já instalados em alguns municípios tem se mostrado promissor no precoce diagnóstico e isto torna a população mais esperançosa no sentido se não de evitar. no intuito de compartilhar experiências. carinho e compreensão em todos os momentos da minha vida e pela fé em mim depositada. M. No decorrer da pesquisa. e assistência para com a gestante e o neonato e ter como resultado. a diminuição do número de casos da Toxoplasmose Congênita. que direta ou indiretamente contribuíram em minha vida e para a realização deste trabalho. o qual sem ele não teria tido coragem de lutar pelos meus objetivos. Seria importante integrar todos os profissionais da saúde cuja atribuição direta ou indiretamente lida com o assunto. pela sabedoria na lida diária com todos nós alunos. mas como também a angústia e o impacto causado na família deste. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. evitando agravos maiores ao feto.22 Diagnóstico da Toxoplasmose Congênita na triagem pré-natal e neonatal Natal e Neonatal. REFERÊNCIAS AMENDOEIRA.A todos os meus amigos e família. 22-20 22-20 . percebeu-se que mesmo com muitos estudos acerca desta. para que seja possível a discussão sobre os problemas referentes a doença e assim poder contribuir para um melhor entendimento. que seja no de ter o prognóstico mais cedo possível para tratar o mais brevemente.Aos professores.R.

Med Brasil 2000. C. S. SILVEIRA. 2012 Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas.M. R.Americana da Saúde. Ass.COSTA. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. Regina.N. SIQUEIRA. 205-215. M. S. 2012.Q. BASTIEN.L. Doenças infecciosas e parasitárias : guia de bolso 7. TRAPP. Incidência da Toxoplasmose congênita na cidade de Belém do Pará. 2012. Revista de Saúde Pública. FUGINAKA. ed. Secretaria de Atenção a Saúde. 5. E. PINTO. M. M. F. Edgard Joab Duarte da Silva ANDRADE. amp. PÓVOA.D.S. 2010. Laura Helena França de Barros. Ministério da Saúde. 20:64-70 CANTOS.A.G. MITSUKA-BREGANÓ. São Paulo . A. 2008. 1. Manual AIDPI Neonatal. C. TSUTSUI. Pesquisa de anticorpos para a Sífilis e Toxoplasmose em recém-nascidos em hospital de Ribeirão Preto.M. Guia de Bolso. G. R. Marivone. 3ª edição. M. AMORIM F.J. BRASIL. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia . L. Sci Med 2010.A. N.L. C. G. CANTO. A. Diagnosis. E. Normas e Manuais Técnicos. BRASIL. R. LAGO E. Molecular diagnosis of toxoplasmosis. R. GOULART. 8a edição revista Brasília . 23-20 23-20 . BARRETO. B. Secretaria de Vigilância em Saúde. Roberta Lemos. patológicos e sorológicos da toxoplasmose experimental em cães jovens . BALARIN.V. Simone Benghi. MATOS. ed. E.C. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. J. ABREU. Norte do Brasil.V. SIQUEIRA. Brasília. Estimation of the regional distribution of congenital toxoplasmosis in Brazil from the results of neonatal screening . Transactions of the Royal Society of Tropical Medicine and Hygiene . T. Doenças Infecciosas e Parasitárias.GONÇALVES. Aspectos clínicos. R. V. 22:2(n): 123-130. PRANDO. Organização Pan. SP. Ministério da Saúde.B. W. Brasil1. P. Quadros de Procedimentos . C. NAVARRO I. Pré-natal e puerpéra: atenção qualificada e humanizada.A. M. M. C.M. N. Fabiana Maria Ruiz.M.L. Ministério da Saúde. p. L. M. S. 2002. TOSTES. NAVARRO. PRUDÊNCIO. Brasília: Ministério da Saúde. FREITAS. Revista de Sociedade Brasileira de Medicina Tropical . Departamento de Vigilância Epidemiológica. S. JANUARIO. Secretaria do Ministério da Saúde-Ministério da Saúde. Rev. FREIRE. 46(4): 335-41 CARNEIRO. 2005.2008.M. A. 21(1):55-63. Toxoplasmose: Ocorrência de anticorpos anti. MARANA. G. 96. A. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. determinado por um programa de triagem neonatal: resultados preliminares. 336-337.Ayalla Santos da Silva Pereira. Italmar Teodorico. Ministério da Saúde. VITOR. BRASIL. J. L. Brasília – DF. CAMARGO. n. v. BRASIL.toxoplasma gondii e diagnóstico. E. Soroepidemiologia da toxoplasmose em gestantes a partir de implantação do Programa de Vigilância da Toxoplasmose Adquirida e Congênita em municípios da região do Paraná. M. Semina. TEIXEIRA. 1987. BITTENCOURT. R. J. rev. RESENDE. BRASIL. P. Secretaria de Vigilância em Saúde. BRACARENSE. Série A. 2005. Brasília. LOPIS-MORI. A. VALENTIM-ZABOTT.C.B. Deficiência auditiva na toxoplasmose congênita detectada pela triagem neonatal.

C.gov/dpdx/HTML/ImageLibrary/Toxoplasmosis_il. 2004. 2006. GARCIA. A. 1998. B. A. Panam.ANDRADE.A. NAVARRO. OGAWA.B. CDC-Center for Disease Control and Prevention. Editora Atheneu. G. Salud Publica . VIDOTTO. Santa Maria . CABRAL. C.M. D.A.24 Diagnóstico da Toxoplasmose Congênita na triagem pré-natal e neonatal CARRUTHERS. EWALD. C. L.A. Web http://www. bradyzoites. O diagnóstico da toxoplasmose na gestante e no recémnascido.L.T. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p.br/images/Subsecretarias/SVS/DIVEP/relatorios/notificaca o/2008-9.P.M. J. LEITE. Brasil. Polymerase chain reaction approaches for the detection of Neospora caninum and Toxoplasma gondii. T. A. Structures of Toxoplasma gondii tachyzoites. R. TARODA. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia . Detecção de anticorpos anti. Sinais Ultra-sonográficos em fetos portadores de Toxoplasmose Congênita. C. 2002. V. G. J.. Acta Scientiae Veterinariae. Brasil. L. Soro ocorrência de Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. editor. SPEER. 1996. n 5. 2003. Acta Trop. COUTO.11:267-99. CASTRO. Disponível em: <http://www. 1310-1325. D.T.S.D. Acesso em 18 de maio de 13.G. J. 2002. O. Rev. E. 24-20 24-20 .T. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. F.V. 1998.J.C.A.A. J. E. 1999. FILHO. GARCIA. J. Parasitologia Humana e seus Fundamentos Gerais.L. R. Int J Parasitol 28: 1053-1060.Toxoplasma gondii em soros de suínos criados e abatidos em frigoríficos na região da grande Porto AlegreRS. M.P. p. VITOR. 81:111-2. 2010. I. Editorial.dpd. São Paulo: Atheneu.F. Ciência Rural.V. and sporozoites and biology and development of tissue cysts. CARDIM. J. DIVEP. C.cdc. KOBILKA.Toxoplasma gondii em soro de Suínos.Q.V. set-out. S. Cell 84: 933-939. L.2001 DINIZ. CIMERMAM.htm site in: CIMERMAM. G. Host cell invasion by the opportunistic pathogen Toxoplasma gondii.Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde do Distrito Federal. MARQUES. CUNHA. F.B. J. LINDSAY. v33.M. 30(3): 185-189 2002 FIALHO. Toxoplasma invasion of mammalian cells is powered by the actin cytoskeleton of the parasite.saude. LANA.gov. Soro prevalência epidemiologia e avaliação ocular da toxoplasmose humana na zona rural de Jaguapitã (Paraná).23(5):277-282. 6:157-163. DUBEY. G. ZULPO. 2a ed. J.K. ARAÙJO.C.P.df.C.A.M. Toxoplasmose. ARAÙJO.M.pdf>.C. Comparaçção entre os Testes de Imnunofluorescência Indireta e Hemaglutinação Indireta para a Detecção de anticorpos anti.B. São Paulo. Clin Microbiol Rev.A. Tratado de infectologia. I. M. F. p 893-897. L. FRENKEL. CASTRO. FIALHO.Comparação dos Métodos para Diagnóstico da Toxoplasmose Congênita. SIBLEY. NAVARRO. S. In: Veronesi R. 2009. F.A.P. MARTINS. DOBROWOLSKI. OLIVEIRA. F. ELLIS. I.

VITOR. FREIRE. 1095-1102. E.MEISSNER. SANTOS. 2011. LEHMANN.F. EG. ROMANELLI. Saúde 30(1-2): 51. I.M. F. Toxoplasmose e gestação: resultados perinatais e associação do teste de avidez de IgG com infecção congênita em gestantes com IgM anti. J. PETRIS. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz .G.M.M. J. Toxoplasmosis. 2012 GUERINA. BORGES. L. E.C. REICHE. KAWASAKI. A. Incidence of Toxoplasma gondii infection in 35. 1998. IgG e IgM western blot para o diagnóstico da Toxoplasmose congênita. p. JANUÁRIO. Triagem neonatal: o que os pediatras deveriam saber. MORIMOTO.R. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. R.J. 1999-2000. Emerg Infect Dis 9: 1371-1374. 2007. L.M. JONES. D.T. A. AMARAL. ANDRADE.M.O. KRUSZON-MORAN D.P. set. COELHO.L. K.940 pregnant women in Norway and pregnancy out-come for infected women. CARELHOS.G. R. tratamento e importância de protocolo clinico. G.L. maio/jun.M.H.T. NAVARRO. G.V. H. WILSON. AGUIAR. MITSUKA-BREGANO. GENNARI. Jornal de Pediatria . L. Toxoplasmose. 11(5): 496-506.V. WHITELAW. E. 2010. FILHO.A.W. R. P. 2004. FERNANDES. CARNEIRO. Revista Brasileira de Saúde Materna Infantil .F. LOPES . N. 143-153. BAHIA-OLIVEIRA. MACHADO.M. Toxoplasma gondii infection in pregnancy.N. FREIRE. 2004. BITTENCOURT.HSU.C.A.105 no. E. número 1. F. CAPOBIANGO.G.D.I. MAGUIRE. M. GRAHAM . J. I C. 1994. A. MARGONATO. 2003. p. SILVA.D. B. M. R.Variation in the structure of Toxoplasma gondii and the roles of selfing.LYNFIELD.D. n. MORAES. Revista de Pediatria (São Paulo) 2006. D.M.A.T. Braz J Infect Dis 2007.M. 04h10min-14 LOPIS-MORI. D. 2008. 3.L. DAHL. 2004. 2010. JUNIOR. E. 28 no 4. I. JENUM. L. C. J. C.S.A.D.P.O. DUBEY. K. ESKIL. MONTOYA. V. R. J.B.H.1975.242-250 LEÃO.J. H.Ayalla Santos da Silva Pereira. M. R. MITSUKA-BREGANÓ.R. Cultura Médica 2008. JOBIM.E. INOUE. A. SOARES. R G.R. NAVARRO.Toxoplasma gondii reagente.45-50. drift. STRAY-PEDERSEN.J. J. J Clin Microbiol 36: 29002906. uma doença congênita.C. G. CASELLA. The Lancet 363:1965. A. M. R. Neonatal serologic screening and early treatment for congenital Toxoplasma gondii infection. T.M. Eng J.V. 2008 Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas.B. CARNEIRO. p.Q. M. Londrina.B. Infect Genet Evol. New England Journal of Medicine 26:1858-1863. S. LEITE. vol. D. and 63 epistatic selection in maintaining linkage disequilibria. Guanabara Koogan. KAPPERUD. v. GOULART.R.K. Edgard Joab Duarte da Silva anticorpos contra Toxoplasma gondii e transmissão vertical em vacas de corte ( Bos indicus) abatidas. vol.B.V. Atenção à toxoplasmose durante a gestação em população carente do interior do Estado de São Paulo. Parasitologia e Micologia Humana . 6 Rio de Janeiro. V. LIESENFELD.S. MELBY. Programas de Controle da Toxoplasmose Congênita. Semina: Ciências Agrárias. OLIVEIRA. Toxoplasma gondii infection in the United States. 25-20 25-20 .A. Volume 20. Toxoplasmose na gestação: diagnostico.L. Scientia Medica ( Porto Alegre) . 33. Rio de Janeiro. D. A. SILVA. A. A. Revista de Associação Médica Brasileira.

Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. V. S. <http://mundoemcolapso.CAMILO-COURA. B. Editora Elsevier. Cleuza Alves.S. L. Toxoplasmosis. BRIZOT.M.TESSARO. J.A. GRYSCHEK. Editora Guanabara. CARVALHO. Medicina Fetal. VITOR. M. Achados oculares em crianças com toxoplasmose congênita.A. 4ª ed. TUON. SOARES. V.. R. REMINGTON. NASSER.P. J. Toxoplasmose.R. 26-20 26-20 .S. S.Editora Atheneu.Toxoplasma gondii (NICOLLE & MANCEAUX.html>. J. A.Graduação em Ciências Veterinárias. 2011.R. Ruth. 66 f. 2010.M. 93-8.br/2012/08/contaminacao-por-toxoplasmapode-levar.11º Edição. W. n. Estudo prospectivo de gestantes e seus bebês com risco de transmissão de toxoplasmose congênita em município do Rio Grande do Sul .P.L. MINAMISAVA. Ana Lucia. AVELINO. D. NETO. CALDEIRA. 1908) e de oocistos em fezes de gatos de rua (Felis catus – LINNAEUS. Perfil sorológico para toxoplasmose de um hospita publico de Porto Algere. 2º Edição. MARTINS. 2006. Goiás.blogspot. P. SARTORI. Triagem pré-natal para toxoplasmose e fatores associados à soropositividade de gestantes em Goiânia. São Paulo : Editora Atheneu. Bases da Parasitologia Médica . v. 2008 NEVES.A. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. S. 2011.M. G. Dissertação (Mestrado) – Curso de Pós. REY. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia. SPALDING. Parasitologia Humana. REIS. PEDREIRA. D. SILVEIRA. 2003. A. B. F.F. M. MACLEOD.O. Curitiba-PR ZUGAIB. Ed.C.L. S. A. D. Philadelphia: WB Saunders.383-393. DESMONTS.F. RIBEIRO. Títulos de anticorpo da classe IgG anti . DAZEVEDO. MELO. 2007.26 Diagnóstico da Toxoplasmose Congênita na triagem pré-natal e neonatal MUNDO EM COLAPSO.com. GARCIA. 2003 VARGAS. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Paraná . AMENDOREIRA. SCHMIDT. L.C. R. L. Infectious diseases of the new-fetus and born infant. 33. Acesso em: 18 de maio de 2013.S. p. M. C. G. In: REMINGTON. 2.P.2006.P. Mariza Martins. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical .2010 PETERSEN. J. 2.M. KLEIN. M. 1758) em Curitiba. p. Parasitologia Uma abordagem Clínica. G.A. S. R. Sulfadiazine and pyrimethamine in the postnatal treatment of congenital toxoplasmosis: What are the options? Expert Rev Anti Infect Ther 1: 175-182. BUDUNKI. Setor de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Paraná.A.M.. AMATO. C. 1994. L. E. V. LINARDI. L.

Edgard Joab Duarte da Silva Graduado em Biomedicina pela Faculdade Anhanguera de Brasília (2010).Ayalla Santos da Silva Pereira. Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas. Distrito Federal. Agrárias e da Saúde • Ano 2013 • p. Especialista em Docência do Ensino Superior pelo Centro de Aprendizagem e Aperfeiçoamento Profissional (CAAPS).Docente do curso de Biomedicina na Faculdade Anhanguera de Brasília(FAB-DF). Pós-Graduando em Hematologia e Banco de Sangue pelo Instituto Nacional de Curso(INCURSOS). 27-20 27-20 . Edgard Joab Duarte da Silva Ayalla Santos da Silva Pereira Graduanda em Biomedicina pela Faculdade Anhanguera de Brasília (FAB/DF).