Você está na página 1de 5

0.1.

Fun¸c˜oes Cont´ınuas em Intervalos Fechados

´

GOVERNO DO ESTADO DO PAR A

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PAR A

´

ˆ

˜

CENTRO DE CI ENCIAS SOCIAIS E EDUCAC¸ AO Docente: Osmar Tharlles Borges de Oliveira RESUMO

0.1 Fun¸c˜oes Cont´ınuas em Intervalos Fechados

A importˆancia de uma fun¸c˜ao ser cont´ınua ou n˜ao para a matem´atica ´e fundamen- tal. Na pr´atica (numericamente), uma fun¸c˜ao ser cont´ınua significa que erros pequenos na vari´avel independente nos d´a, tamb´em, pequenos erros na vari´avel dependente. Por exemplo, seja f (x) = x 2 e que queremos calcular f (π); se f for cont´ınua ent˜ao podemos ter uma boa aproxima¸c˜ao de f (π) com π = 3, 14, mais ainda, que quanto mais casas decimais considerarmos `a π, obteremos aproxima¸c˜oes de f (π) ainda melhores. Neste texto estudaremos alguns dos resultados fundamentais das fun¸c˜oes cont´ınuas em intervalos fechados. S˜ao eles os teoremas da Limita¸c˜ao, do Valor Extremo (ou de Wei- erstrass) e do Valor Intermedi´ario. Primeiramente recordemos que:

Defini¸c˜ao: Dado um ponto a , dizemos que f ´e cont´ınua num ponto a quando as seguintes condi¸c˜oes s˜ao satisfeitas:

1. f (a) est´a definida;

2. O limite lim

xa f (x) existe e

3. xa f(x) = f(a)

lim

Dizemos ainda que, f : A R ´e cont´ınua em A, quando ´e cont´ınua em todos os pontos de seu dom´ınio. Em rela¸c˜ao aos intervalos fechados, uma fun¸c˜ao f ´e cont´ınua sobre um intervalo fechado [a, b] se ´e cont´ınua em cada ponto do intervalo.

Teorema 0.1 (da Limita¸c˜ao). Seja f uma fun¸c˜ao cont´ınua sobre um intervalo fechado [a, b]. Ent˜ao f ´e limitada sobre o intervalo [a, b], isto ´e, existe um n´umero M tal que |f (x)| ≤ M , x [a, b].

Por exemplo, a fun¸c˜ao f (x) =

1

x definida em todo x real, com x

= 0, ´e evidentemente

(como mostra a figura abaixo) cont´ınua no intervalo fechado [1, 2].

0.1.

Fun¸c˜oes Cont´ınuas em Intervalos Fechados

0.1. Fun¸c˜oes Cont´ınuas em Intervalos Fechados De acordo com o Teorema 0.1 f deve ser limitada

De acordo com o Teorema 0.1 f deve ser limitada sobre o intervalo [1, 2]. De fato,

´e poss´ıvel encontrar M tal que |f (x)| ≤ M. Observe que para todo ponto em [1, 2] tem-se

1

que |f (x)| ≤ 1; mais ainda, f ´e cont´ınua em [ n , 2], com n Z e, evidentemente, temos

1

que x [ n , 2] temos |f (x)| ≤ n.

Se uma fun¸c˜ao f ´e limitada sobre um intervalo [a, b], ent˜ao sua imagem tem um limite superior e um inferior. Se M e m s˜ao, respectivamente, o supremo e o ´ınfimo da imagem tem-se que m f (x) M, x [a, b]. Para fun¸c˜oes limitadas em geral, m e M n˜ao precisam pertencer `a imagem, no entanto o pr´oximo resultado nos garante que, se f for cont´ınua sobre um intervalo fechado [a, b], ent˜ao m e M assumem valores da fun¸c˜ao.

Teorema 0.2 (do Valor Extremo ou de Weierstrass). Se f ´e uma fun¸c˜ao cont´ınua sobre um intervalo fechado [a, b], ent˜ao f assume valores de m´aximo e m´ınimo, ou seja, existem pontos x 1 , x 2 [a, b] tais que f (x 1 ) f(x) f(x 2 ).

´

E indispens´avel o fato de a hip´otese de f ser cont´ınua sobre um intervalo fechado.

´e cont´ınua neste intervalo mas n˜ao

1

x ,

Pois, por exemplo, sendo f (x) =

x

(0, 1],

f

assume valor m´aximo nele. A fun¸c˜ao g definida por g(x) = x, 0,

seus pontos x [0, 2], tamb´em n˜ao assume valor m´aximo, pois g ´e descont´ınua em x = 1.

se 0 x < 1

se 1 x 2

, embora

0.1.

Fun¸c˜oes Cont´ınuas em Intervalos Fechados

0.1. Fun¸c˜oes Cont´ınuas em Intervalos Fechados O Teorema de Weierstrass diz que uma fun¸c˜ao f cont´ınua
0.1. Fun¸c˜oes Cont´ınuas em Intervalos Fechados O Teorema de Weierstrass diz que uma fun¸c˜ao f cont´ınua

O Teorema de Weierstrass diz que uma fun¸c˜ao f cont´ınua sobre um intervalo fechado

[ a, b ] realmente assume valores de m´aximo e m´ınimo sobre o intervalo. Um outro teorema afirma que tal fun¸c˜ao assume todos os valores entre o m´aximo e o m´ınimo (al´em deles ´e claro), ou seja, a imagem de um intervalo fechado ´e tamb´em um intervalo fechado.

Teorema 0.3 (Valor Intermedi´ario).

i) (do anulamento ou de Bolzano) - Seja f uma fun¸c˜ao cont´ınua sobre um intervalo fechado [a, b]. Se f (a) e f (b) tˆem sinais contr´arios (f (a) < 0 < f (b) ou f (a) > 0 > f (b)), ent˜ao existe um ponto c [a, b] tal que f (c) = 0.

ii) (do valor intermedi´ario) - Seja f uma fun¸c˜ao cont´ınua sobre um intervalo fechado [a, b]. Se M e m s˜ao os valores de m´aximo e m´ınimo, respectivamente de f sobre [a, b] e se P ´e qualquer n´umero de modo que m < P < M , ent˜ao existe um ponto c [a, b] tal que f (c) = P .

´

E

importante observar que o item i) do teorema ´e, na verdade, um caso particular

de ii), no entanto ´e mais cˆomodo provar i) primeiro e deduzir ii) como uma consequˆencia (ou uma generaliza¸c˜ao) do particular.

Podemos interpretar o teorema como “uma fun¸c˜ao cont´ınua que n˜ao tem quaisquer ‘pulos’ em seu gr´afico”. Uma das aplica¸c˜oes deste resultado consiste no trabalho de ga- rantair que, em um determinado intervalo, existe uma ra´ız de uma dada equa¸c˜ao. Por exemplo, seja f (x) = x 3 x 1 e queremos saber se em determinado intervalo (cont´ınuo) existe uma ra´ız que zera a nossa f (x). Ent˜ao, pelo teorema, basta que f seja cont´ınua no intervalo e que f (a) · f (b) < 0, assim podemos garantir a existˆencia de tal ra´ız que pode ser exata ou n˜ao. Com efeito, temos que f (1) = 1 e que f (3) = 5, logo existe uma ra´ız neste intervalo.

0.1.

Fun¸c˜oes Cont´ınuas em Intervalos Fechados

0.1. Fun¸c˜oes Cont´ınuas em Intervalos Fechados O que o teorema n˜ao pode garantir ´e a exatid˜ao

O que o teorema n˜ao pode garantir ´e a exatid˜ao de tal n´umero que pode ser encontrado (ou aproximado na maioria das vezes) por m´etodos num´ericos como, por exemplo, os m´etodos iterativos.

Referˆencias Bibliogr´aficas

[1]

´

AVILA, Geraldo, An´alise Matem´atica Para Licenciatura, Editora Edgard Blucher, 3 a

Ed., 2006.

[2] GUIDORIZZI, Hamilton Luiz, Um curso de c´alculo, vol. 1. Editora LTC, 5 a Ed., 2005.

[3] HUGHES-HALLETT, Deborah, GLEASON, Andrew M., C´alculo Aplicado, Editora LTC, 4 a Ed., 2012.

[4] SIMMONS, George F., C´alculo com geometria anal´ıtica, vol. 1. Makron Books, 1 a Ed., 1987.

5