Você está na página 1de 25

LAUDO DE PERÍCIA CONTÁBIL

AÇÃO ORDINÁRIA

3ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública Municipal de Belo Horizonte/MG

Processo n.º 0024.08.234.915-0.

Autor: Meire do Rosario Ferreira Viggiano Réu: Município de Belo Horizonte

Maria Elisa Brasil Vieira dos Santos, abaixo assinada, legalmente habilitada a realizar perícias judiciais, honrosamente nomeada para o encargo de realizar a prova pericial técnica nos autos do processo em referência, vem observados os termos dos artigos 421 a 430 do Código do Processo Civil e as Normas Brasileiras de Perícia e do Perito Contábil, apresentar o resultado do trabalho, consubstanciado no seguinte:

SUMÁRIO

1 – OBJETO DA PERÍCIA

2 – METODOLOGIA APLICADA

3 – CONSIDERAÇÕES INICIAIS

4 – RESPOSTA AOS QUESITOS

5 – CONSIDERAÇÕES FINAIS

6 – TERMO DE ENCERRAMENTO

1- OBJETO DA PERÍCIA

É objetivo da perícia além de responder aos quesitos formulados pelas partes e fornecer informações esclarecedoras dos pontos controvertidos e/ou essenciais encontrados nos autos, procurando isentar-se do entendimento da aplicabilidade das normas legais, por se tratar de mérito a ser apreciado pelo Juízo, verificar como foi realizada a conversão dos salários de cruzeiro real para URV, pelo Município de Belo Horizonte, assim como apurar possíveis perdas salariais devido a não aplicação da Lei Federal 8.880/94.

2 – METODOLOGIA APLICADA

Para início da perícia, examinou-se, do ponto de vista estritamente técnico, o conteúdo de diversas peças dos autos, notadamente a documentação anexada, constatando-se, desse exame, que, para bem cumprir o encargo a si confiado, seria necessário vistoriar outros documentos além dos apresentados.

Desta forma, foi solicitado ao Município de Belo Horizonte os vencimentos de todos os cargos/níveis existentes na administração direta do Município, no período de 11/1993 até 06/1994.

Após a apresentação da documentação, análise e estudo da matéria, passou-se às respostas dos quesitos formulados pelas partes.

3 – CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Foi solicitado pelo Exmo. Senhor Juiz da 3ª Vara da Fazenda Municipal de Belo Horizonte, Dr. Alyrio Ramos, a elaboração de um laudo pericial para demonstrar como os vencimentos dos servidores municipais foram convertidos de Cruzeiro Real para URV, em fevereiro de 1994, e, após apurado o resultado, confrontá-lo com resultados obtidos com outras metodologias de cálculo.

O Município de Belo Horizonte apresentou como vencimentos base dos servidores, as tabelas constantes no anexo 3 deste laudo pericial.

Desta forma, foram elaborados os diversos cálculos, constantes do anexo 1, da seguinte forma:

Item 01 -> Apuração da média em URV do vencimento base dos servidores aplicando-se a metodologia de cálculo prevista na Lei 8.880/94 – art. 22.

Item 02 -> Apuração da média em URV do vencimento base dos servidores aplicando-se a metodologia de cálculo prevista na Lei Federal 8.880/94 – art. 19.

Item 03 -> Apuração da média em URV do vencimento base dos servidores aplicando-se a metodologia de cálculo prevista na Lei 8.880/94 – art. 22, acrescido de abono.

4 - RESPOSTAS AOS QUESITOS

QUESITOS DO JUÍZO

a) Qual o valor nominal, discriminadamente, da remuneração do(s) autor(es) em

novembro e dezembro de 1993 e em janeiro e fevereiro de 1994? Qual era o valor

da URV no último dia de cada um desses meses?

Resposta: Encontram-se discriminados no anexo 1 (item 01) deste laudo pericial, os valores base da remuneração dos servidores municipais, no período de novembro e dezembro de 1993 e janeiro e fevereiro de 1994.

Os valores da URV do último dia dos referidos meses são:

Novembro 1993 =

CR$238,32

Dezembro 1993 =

CR$327,90

Janeiro de 1994 =

CR$458,16

Fevereiro de 1994 = CR$637,64

b) Quais os resultados das divisões determinadas pelo art. 22, I, da Lei 8.880/94,

no caso do(s) autor(es)? E qual é a média aritmética desses resultados?

Resposta: Encontram-se discriminados no anexo 1 (item 01) deste laudo pericial, o número de URV`s correspondentes à divisão dos vencimentos base dos servidores municipais (administração direta) nos meses de novembro de 1993 a fevereiro de 1994, pelo valor da URV do último dia de cada mês respectivo, assim como a média aritmética apurada.

c) Observada a proibição de redução contida no § 2º do citado art. 22, da Lei

8.880/94, qual seria a remuneração do(s) autor(es) no dia 1.3.94? Qual foi o resultado da conversão procedida pelo Município de Belo Horizonte em 1.3.94? Houve prejuízo para o(s) autor(es)?

Resposta: Aplicando a metodologia de cálculo prevista no artigo 22 da Lei Federal 8.880/94, confrontando os valores encontrados com os efetivamente pagos pelo Município, foram apuradas perdas e ganhos.

Os resultados encontram-se discriminados no anexo 1 (item 01) e no quadro resumo constante das considerações finais deste laudo pericial.

d) Caso tenha havido prejuízo quando da conversão em pauta, especificá-la e

quantificá-la, observando a eventual ocorrência de qualquer reajustamento posterior (especialmente opção e enquadramento em plano de carreira) que possa tê-lo absorvido. O cálculo não poderá incluir quaisquer valores devidos há mais de cinco anos antes da data do ajuizamento da ação.

Resposta: Aplicando a metodologia de cálculo prevista no artigo 22 da Lei Federal 8.880/94, confrontando os valores encontrados com os efetivamente pagos pelo Município, foram apuradas perdas e ganhos.

A Lei 7.012/95 concedeu um reajuste de 15% para os servidores municipais da administração direta, a partir de 01 de novembro de 1994. O percentual de reajuste foi superior aos percentuais de perdas apuradas pela perícia.

Observando a reestruturação de cargos e salários ocorrida na PBH, pode-se afirmar, também, que, os percentuais de aumento concedidos foram superiores as perdas apuradas no presente laudo.

As

Leis

relacionadas:

que

dispõem

sobre

a

reestruturação

são

as

abaixo

Lei

Categoria

Lei 7235 de 27.12.1996

PCS dos Servidores da Educação

Lei 7238 de 30.12.1996

PCS dos Servidores da Saúde

Lei 7645 de 12.02.1999

PCS dos Servidores da área de Tributação da SMFA

Lei 7960 de 22.03.2000

PCS dos Servidores ocupantes do cargo efetivo de Fiscal Municipal de Atividades em Vias Urbanas

Lei 7971 de 31.03.2000

PCS dos Servidores da área de Engenharia e Arquitetura

Lei 8690 de 19.11.2003

PCS dos Servidores da área da Administração Geral

Lei 8691 de 19.11.2003

PCS dos Servidores da área de Fiscalização da PBH

Lei 8788 de 02.04.2004

Dos Servidores da Vigilância Sanitária da PBH

Lei 9240 de 28.07.2006

PCS dos Servidores da área de Atividades Jurídicas da PBH

QUESITOS DO RÉU

1. Queira a Sra. Perita descrever a metodologia adotada pelo Município de Belo

Horizonte quando da conversão dos salários para a URV em março de 1994, elaborando planilhas com os referidos valores. Favor realizar os cálculos referentes

a todos os cargos existentes no Município nesta data.

Resposta: Conforme documentos e informações prestadas pela Prefeitura de Belo Horizonte, a conversão teria sido realizada observando a data do efetivo pagamento, de acordo com a Lei Federal 8.880/94, artigo 19.

Entretanto, realizando o cálculo aplicando a metodologia indicada, observa-se que a mesma não foi utilizada para converter os salários da autora.

Encontram-se discriminadas no anexo 1 (item 02) deste laudo pericial, metodologia de cálculo indicada pelo Município, como tendo sido utilizada para a conversão dos vencimentos de Cruzeiro Real para URV.

2. Queira a Sra. Perita descrever a metodologia descrita no artigo 22 da Lei

Federal 8880/94, quando da conversão dos salários para URV em março de 1994,

elaborando planilhas com os referidos valores. Favor realizar os cálculos referentes

a todos os cargos existentes no município nesta data.

Resposta: Encontram-se discriminados no anexo 1 (item 01) deste laudo pericial, o número de URV`s correspondentes à divisão dos vencimentos base dos servidores municipais (administração direta) nos meses de novembro de 1993 a fevereiro de 1994, pelo valor da URV do último dia de cada mês respectivo, assim como a média aritmética apurada.

3. Queira a Sra. Perita descrever a metodologia descrita no artigo 22 da Lei

8.880/94, quando da conversão dos salários para URV em março de 1994, considerando os valores pagos a título de abono descritos na Lei 6.832/95, elaborando planilhas com os referidos valores. Favor realizar os cálculos referentes a todos os cargos existentes no Município nesta data.

Resposta: Encontram-se discriminados no anexo 1 (item 03) deste laudo pericial, o número de URV`s correspondentes à divisão dos vencimentos base dos servidores municipais (administração direta) nos meses de novembro de 1993 a fevereiro de 1994, pelo valor da URV do último dia de cada mês respectivo, assim como a média aritmética apurada.

4. Informe a Sra. Perita se, considerando o pagamentos dos abonos salariais, a

remuneração dos servidores municipais ficou superior a que estes fariam jus considerando a legislação federal que determinou a conversão em URV, inclusive observando a fórmula de cálculo pleiteada pelos autores, apontando, se houver, alguma exceção.

Resposta: Aplicando a metodologia de cálculo prevista no artigo 22 da Lei Federal 8.880/94 acrescida do abono descrito na Lei 6.832/95, confrontando os valores encontrados com os efetivamente pagos pelo Município, foram apuradas perdas e ganhos.

Os resultados encontram-se discriminados no anexo 1 (item 03) e no quadro resumo constante das considerações finais deste laudo pericial.

5. Esclareça a Sra. Perita se foi a Lei Municipal 6.832/1995 que estipulou, no âmbito municipal, os salários em real dos servidores municipais. Esclareça o I. Perito, se a mencionada Lei determinou os salários em real de forma retroativa a julho de 1993.

Resposta: A resposta é positiva.

Lei 6.382/1995:

“DISPÕE SOBRE O REAJUSTE DOS VENCIMENTOS, SALÁRIOS E PISOS DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA, DA BENEFICÊNCIA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE - BEPREM -, DO HOSPITAL MUNICIPAL ODILON BEHRENS E DA FUNDAÇÃO ZOO-BOTÂNICA DE BELO HORIZONTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1° - A partir de 1°de março de 1994, os vencimentos, salários e pisos de remuneração dos servidores e empregados da Administração Direta, da Beneficência da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte - BEPREM -, do Hospital Municipal Odilon Behrens e da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte, vigentes em 1°de junho de 1993, ficam reajustados em 1.068,88% (hum mil e sessenta e oito vírgula oitenta e oito por cento), compensados os reajustes concedidos nesse período nos termos de que dispõe o art. 12 da Lei n°6.364, de 30 de julho de 1993.”

6. Queira a Sra. Perita informar se houve pagamento de abono salarial nos meses de março, abril, maio e junho de 1994.

“Art. 4° - Fica concedido, nos meses de abril, maio e junho de 1994, abono

aos servidores ocupantes dos cargos ou empregos da área de ensino do

Município, adiante relacionados, nos seguintes valores:

I - Professor Municipal I (nível médio) - 33,84 URVs (trinta e três vírgula oitenta e quatro Unidades Reais de Valor);

II - Professor Municipal I (licenciatura curta) - 41,73 URVs (quarenta e uma vírgula setenta e três Unidades Reais de Valor);

III - Professor Municipal I (nível superior) - 52,16 URVs (cinqüenta e duas

vírgula dezesseis Unidades Reais de Valor);

IV - Professor Municipal II - 77,39 URVs (setenta e sete vírgula trinta e

nove Unidades Reais de Valor);

V - Auxiliar de Escola - 11,16 URVs (onze vírgula dezesseis Unidades

Reais de Valor);

VI - Técnico Superior de Ensino - 46,94 URVs (quarenta e seis vírgula

noventa e quatro Unidades Reais de Valor);

VII - Secretário de Estabelecimento de Ensino - 45,11 URVs (quarenta e cinco vírgula onze Unidades Reais de Valor);

VIII - Diretores e Vice-Diretores de Escola - 22,00 URVs (vinte e duas

Unidades Reais de Valor);

IX - Supervisor de Alimentação Escolar - 84,00 URVs (oitenta e quatro

Unidades Reais de Valor).

Parágrafo único - O abono será estendido, nos mesmos meses e nos mesmos valores, aos aposentados e pensionistas cujos benefícios sejam derivados dos cargos relacionados no caput.

Art. 5° - Fica concedido, nos meses de março, abril, maio e junho de 1994, abono no valor de 64,79 URVs (sessenta e quatro vírgula setenta e nove Unidades Reais de Valor) aos servidores da área de saúde do Município

ocupantes dos cargos ou empregos dos níveis I a VII da tabela constante do Anexo II da Lei n° 6.206, de 22 de julho de 1992.

Parágrafo único - O abono será estendido, nos mesmos meses e nos mesmos valores, aos aposentados e pensionistas cujos benefícios sejam derivados dos cargos relacionados no caput.

Art. 6° - Fica concedido, nos meses de maio e junho de 1994, abono aos servidores e empregados da área de saúde do Município ocupantes dos cargos ou empregos dos níveis VIII a XII da tabela constante do Anexo II da Lei n°6.206, de 22 de julho de 1992, conforme o seguinte quadro:”

7. Esclareça o I. Perito se, segundo o artigo 12 da Lei 6.832/95 os abonos pagos no mês de junho de 1994 passaram a integrar a remuneração dos servidores.

Resposta: Sim. A Lei 6.832/95 determinou que os abonos pagos no mês de junho de 1994 passariam a integrar a remuneração dos servidores da Administração Direta.

Lei 6.832/95:

Artigo 12 -> “A parir de 1º de julho de 1994, as tabelas de pisos de remuneração dos servidores da Administração Direta, da Beneficência da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte – BEPREM, do Hospital Municipal Odilon Behrens e da Fundação Zoo Botânica de Belo Horizonte ficam acrescidas do valor do abono pago no mês de junho de

1994.”

8. Informe o I. Perito se a lei 6.832/95 determinou que o índice de reajuste a se

aplicar sobre os vencimentos dos servidores teria como base os vencimentos de

junho de 1993?

Resposta: A resposta é positiva.

Lei 6.382/95:

Art. 1° - A partir de 1° de março de 1994, os vencimentos, salários e pisos de remuneração dos servidores e empregados da Administração Direta, da Beneficência da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte - BEPREM -, do Hospital Municipal Odilon Behrens e da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte, vigentes em 1° de junho de 1993, ficam reajustados em 1.068,88% (hum mil e sessenta e oito vírgula oitenta e oito por cento), compensados os reajustes concedidos nesse período nos termos de que dispõe o art. 12 da Lei n°6.364, de 30 de julho de 1993.

9. Caso a resposta acima seja positiva informar que, se considerarmos a aplicação

do índice de reajuste indicado no artigo 1º, sobre o vencimento de junho de 1993, todas as demais alterações salariais, inclusive a conversão da URV, estariam compreendidas nesta alteração?

Resposta: Não consta expressamente informado na Lei 6.832/95 que no reajuste concedido em 01º de março de 1994, estariam incluídas as alterações salariais relativas à conversão da URV. Desta forma, encontra-se o quesito prejudicado.

10. Queira a Sra. Perita formular demonstrativo apontando todos os cargos existentes no Município de Belo Horizonte em março de 1994 e seu cargo correlato atual. Queira classificá-lo de acordo com o plano de carreira em que os mesmos estejam posicionados atualmente.

Resposta: Os cargos existentes no Município de Belo Horizonte em março de 1994 e seu cargo correlato atual, de acordo com as Lei de Plano de Carreira, são os abaixo relacionados:

ANEXO V - LEI 7.235 DE 27 DE DEZEMBRO DE 1996 POSICIONAMENTO DOS CARGOS DA ÁREA DA EDUCAÇÃO DA PMBH PREVISTO NO ART. 6º CARGO DE PROVIMENTO CARGO EFETIVO ATUAL CARGO PROPOSTO

CARGO ANTES DO PLANO

CARGOS APÓS O PLANO

Professor Municpal I letra E em estágio probatório

Professor Municipal nível 1

Professor Municpal I letra E já estável

Professor Municipal nível 2

Professor Municpal I letra F

Professor Municipal nível 3

Professor Municipal I letra G

Professor Municipal nível 4

Professor I Licenciatura Curta Letra E em estágio probatório

Professor Municipal nível 6

Professor I Licenciatura Curta Letra E já estável

Professor Municipal nível 7

Professor Municipal I letra F

Professor Municipal nível 8

Professor Municipal I letra G

Professor Municipal nível 9

Prof. Mun. I Habilitado e Prof. Mun. II letra E em estágio probatório

Professor Municipal nível 10

Prof. Mun. I Habilitado e Professor Municipal II letra E já estáveis

Professor Municipal nível 11

Professor Municipal I Habilitado e Professor Municipal II letra F

Professor Municipal nível 12

Professor Municipal I Habilitado e Professor Municipa II letra G

Professor Municipal nível 13

Técnico Superior de Ensino Letra E

Téc. Superior de Educação nível 1

Técnico Superior de Ensino Letra E já estável

Téc. Superior de Educação nível 2

Técnico Superior de Ensino Letra F

Téc. Superior de Educação nível 3

Técnico Superior de Ensino Letra G

Téc. Superior de Educação nível 4

Auxiliar de Escola Letra G

Auxiliar de Escola nível 2

CARGO ANTES DO PLANO

CARGOS APÓS O PLANO

Diretor de Escola II

Diretor de Escola C

Diretor de Escola I

Diretor de Escola B

Vice-Diretor de Escola II

Vice-Diretor de Escola C

Vice-Diretor de Escola I

Vice-Diretor de Escola B

Coordenador de Ensino

em extinção

POSICIONAMENTO DOS CARGOS DA ÁREA DA SAÚDE LEI 7.238/96 CARGO DE PROVIMENTO CARGO E POSICIONAMENTO EFETIVO ATUAL PROPOSTO

CARGO ANTES DO PLANO

CARGOS APÓS O PLANO

 

AUXILIAR SANITÁRIO

AGENTE SANITÁRIO NÍVEL 1

AGENTE SERVIÇO SAÚDE I

AGENTE SERVIÇO SAÚDE NÍVEL 1

AGENTE SERVIÇO SAÚDE II

AGENTE SERVIÇO SAÚDE NÍVEL 1

AGENTE SERVIÇO SAÚDE III

AGENTE SERVIÇO SAÚDE NÍVEL 1

TÉCNICO DE SERVIÇO DE SAUDE I

TÉCNICO DE SERVIÇO DE SAUDE NÍVEL 1

TÉCNICO DE SERVIÇO DE SAUDE II

TÉCNICO DE SERVIÇO DE SAUDE NÍVEL 1

TÉCNICO DE SERVIÇO DE SAUDE III

TÉCNICO DE SERVIÇO DE SAUDE NÍVEL 2

TÉCNICO SUPERIOR DE SAUDE I

TÉCNICO SUPERIOR DE SAUDE NÍVEL 1

TÉCNICO SUPERIOR DE SAUDE II

TÉCNICO SUPERIOR DE SAUDE NÍVEL 3

TÉCNICO SUPERIOR DE SAUDE III

TÉCNICO SUPERIOR DE SAUDE NÍVEL 5

CIRURGIAO DENTISTA I

CIRURGIAO DENTISTA NÍVEL 1

CIRURGIAO DENTISTA II

CIRURGIAO DENTISTA NÍVEL 3

CIRURGIAO DENTISTA III

CIRURGIAO DENTISTA NÍVEL 6

MÉDICO I

MÉDICO NÍVEL 1

MÉDICO II

MÉDICO NÍVEL 4

MÉDICO III

MÉDICO NÍVEL 7

ANEXO V - LEI 7.645 DE 12 DE FEVEREIRO DE 1999 POSICIONAMENTO DOS CARGOS DE PROVIMENTO EFETIVO DA ÁREA DA TRIBUTAÇÃO CARGO DE PROVIMENTO CARGO EFETIVO ATUAL CARGO PROPOSTO

CARGO ANTES DO PLANO

CARGOS APÓS O PLANO

 

Agente Fazendário I em estágio probatório

Agente Fazendário Nível 1

Agente Fazendário I estável

Agente Fazendário Nível 2

Agente Fazendário II

Agente Fazendário Nível 3

Técnico Nível Médio I

Técnico Nível Médio 1

Técnico Nível Médio II

Técnico Nível Médio 2

Técnico Nível Médio III

Técnico Nível Médio 3

Analista Fazendário I,II e III

Analista Fazendário 1

Fiscal Municipal de Tributação I

Auditor Fiscal de Tributos Municipais Nível 1

Fiscal Municipal de Tributação II

Auditor Fiscal de Tributos Municipais Nível 2

Fiscal Municipal de Tributação III

Auditor Fiscal de Tributos Municipais Nível 3

Técnico Municipal de Tributação I

Auditor Técnico de Tributos Municipais Nível 2

Técnico Municipal de Tributação II

Auditor Técnico de Tributos Municipais Nível 3

Técnico Municipal de Tributação III

Auditor Técnico de Tributos Municipais Nível 4

Tesoureiro I,II e III

Tes. Nível 1 (em extinção, conforme Lei nº 6.915/95)

CARGO DE PROVIMENTO EFETIVO DE FISCAL MUNICIPAL DE ATIVIDADES EM VIAS URBANAS DE BELO HORIZONTE LEI 7.960/00

Fiscal Municipal de Atividades em Vias Urbanas

CARGOS DE PROVIMENTO EFETIVO DA ÁREA DE ATIVIDADES DE ENGENHARIA E ARQUITETURA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIOZNTE LEI 7.971/00

Arquiteto

Engenheiro

ANEXO IV - LEI 8.690 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2003 POSICIONAMENTO DOS CARGOS DA ÁREA DA ADM. GERAL DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

CARGO ANTES DO PLANO

CARGOS APÓS O PLANO

Ajudante de Serviço Público

Ajudante de Serviço Operacional Nível I

Auxiliar de Serviço Administrativo

Auxiliar Administrativo Nível I

Auxiliar de Administração

Auxiliar Administrativo Nível I

Oficial de Gráfica

Oficial de Serviço Público Nível I

Oficial de Serviço Púbico

Oficial de Serviço Público Nível I

Telefonista

Telefonista Nível I

Motorista

Motorista Nível I

Datilografo

Assistente Administrativo Nível I

Agente de Administração

Assistente Administrativo Nível I

Tecnico de Nivel Médio

Tecnico de Serviço Público Nível I

Técnico de Serviço Público

Tecnico de Serviço Público Nível I

Educador Social I

Educador Social Nível I

Educador Social Ii

Analista de Políticas Públicas Nível I

Analista Orçamentário

Analista de Políticas Públicas Nível I

Analista de Sistema Administrativo

Analista de Políticas Públicas Nível I

Técnico de Recursos Humanos

Analista de Políticas Públicas Nível I

Técnico Superior de Serviço Público

Analista de Políticas Públicas Nível I

Auditor

Auditor Nível I

CARGOS DE PROVIMENTO EFETIVO DA ÁREA DE ATIV. DE FISCALIZAÇÃO DA P.B.H. - LEI

8.691/03.

Fiscal Municipal de Obras

Fiscal Municipal de Posturas

Fiscal Municipal de Controle Ambiental

CARGOS DE PROV. EFETIVO DA CARR. DOS SERV. DA VIGILANCIA SANITARIA DA PBH - LEI 8.788/04

Fiscal Sanitário Municipal de Nível Superior

Fiscal Sanitário Municipal

CARGO DE PROVIMENTO EFETIVO DA ÁREA DE ATIVIDADES JURÍDICAS DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE LEI 9.240/06

Procurador Municipal

Assistente de Procuradoria

11. Informe a Sra. Perita a data de implantação de cada plano de carreira, relacionando os cargos que o integram e apontando em que data teria ocorrido o transcurso do prazo prescricional de 5 (cinco) anos contados a partir da edição de cada plano de carreira.

Resposta: As datas de implantação de cada plano de carreira, referentes aos cargos analisados pela perícia, são as abaixo relacionadas:

Lei

 

Categoria

Prescrição

Lei 7235 de 27.12.1996

PCS dos Servidores da Educação

 

27/12/2001

Lei 7238 de 30.12.1996

PCS dos Servidores da Saúde

 

30/12/2001

Lei 7645 de 12.02.1999

PCS dos Servidores da área de Tributação da SMFA

12/02/2004

Lei 7960 de 22.03.2000

PCS dos Servidores ocupantes do cargo efetivo de Fiscal Municipal de Atividades em Vias Urbanas

22/03/2005

Lei 7971 de 31.03.2000

PCS dos Servidores da área de Engenharia e Arquitetura

31/03/2005

Lei 8690 de 19.11.2003

PCS

dos

Servidores

da

área

da

19/11/2008

Administração Geral

 

Lei 8691 de 19.11.2003

PCS dos Servidores da área de Fiscalização da PBH

19/11/2008

Lei 8788 de 02.04.2004

dos Servidores da Vigilância Sanitária da PBH

02/04/2009

Lei 9240 de 28.07.2006

PCS dos Servidores da área de Atividades Jurídicas da PBH

Prescrição parcial

QUESITOS DO AUTOR

1. Queira o i. Expert esclarecer se existem diferenças a favor da Autora decorrentes de erro do Réu ao fazer os cálculos da URV tal como afirmado pela Inicial.

Resposta: Foram elaboradas diversas metodologias de cálculo (Anexo 1), conforme solicitação das partes, onde foram apuradas variações salariais mediante confronto com o que foi efetivamente pago aos servidores municipais, em URV.

Dentre as metodologias de cálculo, foram apuradas perdas e ganhos.

Portanto,

caberá

ao

Nobre

Julgador

definir

se

a metodologia de

cálculo, na qual foi apurada perda salarial, é a que deverá prevalecer.

2. Queira também a i. Expert informar se estão corretos os cálculos de diferenças integradas a Inicial, informando o percentual devido a Autora, ainda que a maior ou a menor.

Resposta: Os valores informados na Inicial estão corretos, entretanto, caberá ao Nobre Julgador definir se a metodologia de cálculo, na qual foi apurada perda salarial, é a que deverá prevalecer.

3. Queira o i. Expert informar se o erro repercutiu sucessivamente no trato dos

valores da cadeia de vencimentos da Autora.

Resposta: A resposta é positiva até o momento em que ocorreu a reestruturação de cargos e salários dos servidores. A partir da reestruturação, a repercussão nos novos cargos deverá ser definida pelo Nobre Julgador.

4. Queira o i. Expert esclarecer ao juízo sobre a razão e natureza do erro cometido

pelo Réu.

Resposta: Não se trata de erro cometido pelo réu. A razão das diferenças apuradas pela perícia, se deu em função da metodologia de cálculo utilizada para conversão dos vencimentos de cruzeiro real para URV.

5. Queira o i. Expert informar se este erro se deu especificamente no caso da

Autora ou se ocorreu genericamente sobre o vencimento dos demais trabalhadores

do ensino da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte.

Resposta: Foram elaboradas diversas metodologias de cálculo (Anexo 1), conforme solicitação das partes, onde foram apuradas variações salariais mediante confronto com o que foi efetivamente pago aos servidores municipais, em URV.

Dentre as metodologias de cálculo, foram apuradas perdas e ganhos, que se encontram discriminados no quadro resumo constante da consideração final deste laudo pericial.

5 – CONSIDERAÇÕES FINAIS

A Lei Federal 8.880/94 instituiu a URV

– Unidade Real de Valor

determinando a conversão dos vencimentos da seguinte forma:

“Art. 19 - Os salários dos trabalhadores em geral são convertidos em URV no dia 1º de março de 1994, observado o seguinte:

I - dividindo-se o valor nominal, vigente nos meses de novembro e dezembro de 1993 e janeiro e fevereiro de 1994, pelo valor em cruzeiros reais do equivalente em URV na data do efetivo pagamento, de acordo com o Anexo I desta Lei; e

II

anterior.”

-

extraindo-se

a

média

aritmética

dos

valores

resultantes

do

inciso

“Art. 22 - Os valores das tabelas de vencimentos, soldos e salários e das

tabelas de funções de confiança e gratificadas dos servidores públicos civis e militares, são convertidos em URV em 1º de março de 1994, considerando o que determinam os arts. 37, XII, e 39, § 1º, da Constituição, observado o

seguinte:

I - dividindo-se o valor nominal, vigente nos meses de novembro e dezembro

de 1993 e janeiro e fevereiro de 1994, pelo valor em cruzeiros reais do equivalente em URV do último dia desses meses, respectivamente, de acordo

com o Anexo I desta Lei, independentemente da data do pagamento;

I - extraindo-se a média aritmética dos valores resultantes do inciso anterior.”

O Município de Belo Horizonte, aplicou, em alguns casos, para a conversão dos vencimentos, a Lei Federal 8880/94 artigo 19.

Tal procedimento aplicativo gerou uma diferença percentual, que, dependendo dos reajustes salariais concedidos, no período de novembro de 1993 a fevereiro de 1994, será de perda ou ganho para o servidor.

O Município de Belo Horizonte informa, ainda, que foi pago abono aos servidores municipais, entre os meses de abril a junho de 1994, e, em julho de 1994, este abono teria sido incorporado ao vencimento. Desta forma, possíveis perdas restariam compensadas por esse abono.

Analisando o quadro resumo constante do anexo 2 deste laudo pericial, constata-se, que, em alguns cargos, mesmo com a incorporação do abono ao vencimento, continuou havendo perda nos vencimentos.

Os percentuais de perda apurados pela perícia são inferiores ao percentual de 15% de reajuste concedido pela Lei 7.012/95, a partir de 01 de novembro de 1994 e inferiores, também, aos percentuais de aumento concedidos quando da reestruturação de cargos e salários ocorrida na PBH.

As

Leis

relacionadas:

que

dispõem

sobre

a

reestruturação

são

as

abaixo

Lei

Categoria

Lei 7235 de 27.12.1996

PCS dos Servidores da Educação

Lei 7238 de 30.12.1996

PCS dos Servidores da Saúde

Lei 7645 de 12.02.1999

PCS dos Servidores da área de Tributação da SMFA

Lei 7960 de 22.03.2000

PCS dos Servidores ocupantes do cargo efetivo de Fiscal Municipal de Atividades em Vias Urbanas

Lei 7971 de 31.03.2000

PCS dos Servidores da área de Engenharia e Arquitetura

Lei 8690 de 19.11.2003

PCS dos Servidores da área da Administração Geral

Lei 8691 de 19.11.2003

PCS dos Servidores da área de Fiscalização da PBH

Lei 8788 de 02.04.2004

Dos Servidores da Vigilância Sanitária da PBH

Lei 9240 de 28.07.2006

PCS dos Servidores da área de Atividades Jurídicas da PBH

6 - TERMO DE ENCERRAMENTO

Nada mais havendo a considerar, é dado como encerrado o presente trabalho, constituído de 22 (vinte e duas) laudas e 03 (três) anexos.

Esperando ter cumprido fielmente o determinado por V. Exa, coloco-me à disposição para quaisquer esclarecimentos que se fizerem necessários, subscrevendo-me, atenciosamente.

Belo Horizonte, 06 de outubro de 2009.

MARIA ELISA BRASIL VIEIRA DOS SANTOS

CRC/MG 062.174/0-1 - ASPEJUDI 289

A

N

E

X

O

1

PLANILHAS DE CÁLCULOS

QUADRO RESUMO

A

N

E

X

O

2

DOCUMENTOS

PERÍCIA

ENCAMINHADOS

A

N

E

X

O

3

PARA