Você está na página 1de 16

11/01/2012

MEMÓRIAS

Introdução aspectos do Desenvolvimento com enfoque na comunicação / linguagem / aprendizagem

Mirella Liberatore Prando
Fonoaudióloga Clínica Doutoranda em Psicologia - PUCRS Mestre em Psicologia - Ênfase em Cognição Humana / PUCRS Coordenadora da Subequipe de Avaliação Neuropsicológica Infantil - Grupo de Pesquisa Neuropsicologia Clínica e Experimental - GNCE - PUCRS Especialização em Neuropsicologia - MEC/UFRGS

LINGUAGEM

Aulas 28/10; 25/11 e 09/12,

Mirella L. Prando - Fonoaudióloga

Áreas que contribuíram

Influências
Lingüística Sociolingüística

estrutura da linguagem

Neurolingüística

relação

relação comportamento social e linguagem

cérebrocérebro -linguagem
Bear, Connors e Paradiso, 2002
11/01/2012

Mirella L. Prando - Fonoaudióloga

NEUROPSICOLOGIA
• Confluência entre áreas da NEUROCIÊNCIAS: neurologia, neuroanatomia, neurofisiologia, neuroquímica e ciências do comportamento (Andrade, Santos e Bueno, 2004). • Estudo das relações entre o cérebro e as manifestações do comportamento (Luria, 1973). • Ciência voltada para a expressão do comportamento por meio das disfunções cerebrais; • Ampara-se na avaliação de determinadas manifestações do indivíduo para a investigação do funcionamento cerebral (Lezak, 2004).
Mirella L. Prando - Fonoaudióloga

NEUROPSICOLOGIA DA LINGUAGEM

LINGUAGEM SOB O OLHAR DA NEUROPSICOLOGIA

1

11/01/2012 Especialização hemisférica da linguagem? ESTRUTURAIS FUNCIONAIS HD HE Correlatos neurofuncionais da linguagem Conexões entre as áreas da linguagem Zonas de linguagem: atualização • • • • • • • • • Área de Broca Área de Wernicke Fascículo arqueado Córtex associativo Núcleos da base Tálamo posterior Hemisfério direito Cerebelo . 2 ...

• Morangolango era um morango silvestre - nasceu num matagal distante e criou-se sozinho. Parrish. não sabia falar língua alguma. Gilchrist. 2009. transmitiam o que ele estava sentindo. -Mais domínios cognitivos são necessários para o adequado e eficiente processamento lingüístico (Baddeley. Montgomery. 2001. 2008.11/01/2012 Repetição de palavras = Linguagem Expressiva Leitura em voz alta = Linguagem Expressiva LINGUAGEM . Magimairaj. 2010. Cowan. ANTENÇÃO MEMÓRIA Mcauley & White. 2008. FUNÇÕES EXECUTIVAS INTERAÇÃO COM A LINGUAGEM NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL Era uma vez. sem nunca ter conversado com ninguém. Ao sair andando mundo afora encontrou uma comunidade de morangos. Por isso. Foi recebido como um rei. & O’Malley. 2006. 2008).... Virtue. Dodwell & Bavin. Inventou.. Conta a história que. que para ele. alguns sons. 2008. 2008. & Naveh-Benjamin. Andersson.. Van Dijk. 3 . Kail & Hall. & Jung-Beeman. 2011. 2003. Giangiacomo & Navas. então. mas quando tentou falar não conseguiu expressar-se em nenhuma língua.Envolve uma complexa interatividade de funções. 2009. Davidson et al.

intencionalmente. • São todas as condutas que o indivíduo realiza. É a capacidade de falar do modo como o fazemos que singulariza o homem” (Callou e Leite. inventa.sua língua não era a mesma das de seus semelhantes. 1990). • A comunicação é o ato de expressar sentimentos. ou seja. como são o olfato. Lá pelas tantas. O homem manifesta O homem cria.” Para refletir: • Quando uma criança ingressa na escola falando a mesma língua de seus pares. para afetar a conduta de outra pessoa. encontrou um tomate que. Competência comunicativa (quando o emissor consegue que a comunicação seja efetiva e apropriada). com a finalidade de que esta receba a informação e. • Fala e linguagem fazem parte de um amplo processo . como conseqüência. que sentimentos podem ser desencadeados? • Como auxiliá-la a estabelecer laços afetivos e comunicativos? Fala • “Falar é tão natural para os seres humanos. 2007). Morangolango não encontrou em seus pares um lugar acolhedor. mas somente os homens possuem um código tão complexo como é a linguagem “(Puyuelo. Correlações Comunicação Língua Fala Linguagem O homem partilha.. Comunicação • “É a troca de informação. Lembrar sempre que. Lentamente. • É um ato motor complexo. desejos e experiências. 4 . gentilmente. já conseguia expressar-se oralmente. mais um pouquinho ali. sendo a comunicação a primeira função da linguagem. peculiar a cada sujeito. que requer regulação neurológica sintonizada. a visão e o paladar. por isso não foi compreendido. já conseguia comunicar-se com todos os seres. um fato social. O homem aprende. Todos os animais se comunicam.. Em um curto período de tempo. porém apresentando uma fala peculiar seja por variação linguística ou por algum distúrbio.ofereceu-se para ensiná-lo a falar. Morangolango fala de uma forma diferente da dos seus pares. atue. morangolango foi aprendendo um pouquinho aqui.11/01/2012 O que aconteceu com ele? • Acabou expulso .

nem trocou informações. Não foi exposto a língua alguma e a qualquer interação. Sua história familiar conta que ele não viveu em um ambiente encorajador e estimulante. O que aconteceu com nosso personagem? • Morangolango não aparentava problema orgânico que justificasse uma fala diferente. . . Para refletir… • Existe linguagem sem comunicação? Relações . . Nunca ouviu ninguém falando. A finalidade última da linguagem é a comunicação..11/01/2012 A comunicação pode não ser eficaz quando há uma dificuldade: . Prando .. A diferença foi motivo de EXCLUSÃO.em quem recebe a mensagem.na organização da mensagem.no meio. não sabia o significado dos olhares.Fonoaudióloga 5 .. sorrisos.em quem fala. COMUNICAÇÃO • Existe comunicação sem linguagem? LINGUAGEM FALA / VOZ Mirella L.. vozes... Morangolango foi expulso da comunidade. Por não falar da mesma maneira que seus pares.

SENTENÇAS . (Puyuelo. pensar sobre os processos mais abstratos e trocar tais pensamentos entre interlocutores (Puyuello. as sensações e os sentimentos. 2007). 31 Expressar o conhecimento. (Ferreira. assim. como palavras. a linguagem tem por função estabelecer a comunicação por meios organizados para combinar palavras em sentenças e estas em discurso. LINGUAGEM Em todas as suas formas de expressão. Possibilita. sentenças. (Starr e Rayner.11/01/2012 NEUROPLASTICIDADE INTERAÇÃO DESENVOLVIMENTO FÍSICO COGNITIVO LINGUAGEM ORAL LINGUAGEM ESCRITA EMOCIONAL SOCIAL ENTRADAS SENSORIAIS recepção auditiva FAVORECE A FORMAÇÃO DE NOVAS CONEXÕES NEURONAIS AUMENTO DE ATIVIDADES SINÁPTICAS RESULTA EM MUDANÇAS ESTRUTURAIS MELHORA PROGRESSIVA NAS HABILIDADES COGNITIVAS QUE OCORRE PARALELAMENTE A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM.PALAVRAS . 2007) “ É uma forma de comunicação que transmite informação de uma pessoa para a outra. os sinais ou a escrita. Níveis de processamento da Linguagem • COMPREENSÃO X PRODUÇÃO • Compreensão verbal capacidade receptiva de compreender inputs lingüísticos falados ou escritos. 2003) 6 . LINGUAGEM (Compreensiva / Expressiva) MEIOS ORGANIZADOS PARA COMBINAR: SONS .DISCURSO Os componentes e diferentes níveis de complexidade da linguagem integram-se e interagem para expressar ideias e pensamentos. Constituem-se a partir das mesmas bases de conhecimento e das mesmas habilidades de planejamento. discurso. 1998) Objetivo da linguagem: comunicação consigo e com os outros. parágrafos. facilitando os processos de pensamento”. recepção visual emissão oral emissão motora COMUNICAÇÃO LINGUAGEM “É um código por meio do qual os usuários transmitem idéias e desejos de um para o outro”. como a fala articulada. • Produção verbal transformação de pensamentos em uma forma que pode ser expressada como output lingüístico.

mente etc • Estudo da combinação de fonemas e morfemas em orações e frases. combinação de morfemas vocabulário. nas histórias narrativas e/ou descritivas. menor unidade que denota significado em uma determinada língua. Importante papel na compreensão da língua. os objetos e os eventos por elas representados • Vocabulário • Estudo dos sons da fala ou dos fonemas da língua e da sua estruturação na aquisição da linguagem.Fonoaudióloga Componentes da Linguagem Componentes da Linguagem SEMÂNTICA FONOLOGIA • Estudo do significado • Relação entre as palavras. todo o conjunto de morfemas em uma determinada língua ou no repertório lingüístico de uma pessoa. • Conjunto total de morfemas numa dada língua constituem o LÉXICO. 2001) Mirella L. LÉXICO • Exemplos: in. • Fonética acústica: análise das características físicas dos sons da fala. • Sintaxe USO PRAGMÁTICA • • DISCURSO O nível final de análise é o do discurso inclui o uso da linguagem no nível além da sentença. Componentes da Linguagem Componentes da Linguagem MORFOLOGIA SINTAXE • Estudo da menor unidade com significado de uma língua (morfema). • Estudos complexidade voz ativa e voz passiva. (Harley. na conversação. Sintaxe x semântica o estudo do significado em uma língua. • É a combinação de palavras para a formação de frases e orações com significados. nos parágrafos. • Fonética auditiva: de que maneira a fala é percebida. forma como os usuários de uma determinada língua juntam palavras para formar sentenças. • Fonética articulatória: produção dos sons. em obras inteiras da literatura. 7 . Prando .11/01/2012 COMPONENTES DA LINGUAGEM E NÍVEIS DE COMPLEXIDADE PALAVRA SENTENÇA CONTEÚDO FORMA MORFOLOGIA SINTAXE • Fonema • Morfema • Léxico • Níveis de complexidade • Desmembrada em unidades menores menor unidade de som de fala.

INFERÊNCIAS • Representações mentais construídas na compreensão de textos ou discursos.11/01/2012 Componentes da Linguagem Componentes da Linguagem PRAGMÁTICA PROSÓDIA • Aspecto funcional da linguagem. • Lingüística e emocional. através do qual o discurso vai adquirindo continuidade semântica e pragmática. que pode realizar-se em condições tanto monológicas como dialógicas. inflexões vocais. • Forma como um falante usa pausas. • Estudo do modo como selecionamos e usamos palavras e frases e sua relação com a intenção e os contextos comunicativos. e que pode adotar modalidades perceptivas igualmente diversas (oral ou escrita). sem alterar unidades formais. acentuações para modificar significado. Discurso • Forma de atividade que implica a produção de linguagem em situações de interação ou conversação. a partir da aplicação de conhecimentos prévios às indicações explícitas da mensagem (Gutiérrez-Calvo. Diálogo • Estrutura seqüencial que implica intercâmbio de turnos (alternância no exercício do falante por parte dos participantes da conversação). • Relações sócio-psicossociais. 1999) • Entendimento não-literal • Onde aparecem? – Metáforas – Provérbios – Humor – Conversação – Narrativas – Atos de fala indiretos • Informações explícitas implícitas informações 8 .

a linguagem surge através da interação entre maturação e aprendizado préprogramado. Prando . a criança já tem condições de dominar sua língua padrão. Para tanto é importante que seja/esteja inserida no meio lingüístico de sua comunidade. porém a plasticidade diminui com a idade. estratégia de escuta. Essa capacidade está disponível por um certo período.Fonoaudióloga 49 Aquisição da linguagem Toda criança nasce com uma capacidade para desenvolver linguagem. estratégia de compreensão. 2007). Dos três anos até a puberdade a aquisição da linguagem continua. 1998): Desenvolvimento da Linguagem A linguagem aparece em todas as crianças. Período crítico (Lenneberg. os fatos lingüísticos devem ser comparados com o contexto geral do desenvolvimento cognitivo. COMO DESENVOLVEMOS A LINGUAGEM? Mirella L. Nestes anos iniciais existe uma plasticidade considerável na representação neurológica da linguagem. Aos quatro anos. mas a velocidade dos progressos varia muito. estratégia de imitação. Estratégias da criança para construir a linguagem (Aimard. em marcos cronológicos muito semelhantes. cada indivíduo progride conforme o seu ritmo.11/01/2012 Produção de uma mensagem requer um monitoramento baseado na capacidade de compreender a própria mensagem à medida que esta vai tomando forma e compará-la com o que se havia projetado (Rondal et al. afetivo e motor da criança. estratégia de produção. as aquisições seguem a mesma ordem. 9 . 1967) Entre dois e três anos de idade.

percepção e memória • dificuldades para processar informações. [t]. . [k]. Enunciados de uma palavra Enunciados de duas palavras e fala telegráfica Estruturas de sentenças adultas básicas (presente aos 4 anos). -Estimulação lingüística A aquisição da linguagem NÃO depende da inteligência 10 .A freqüência de determinada estrutura da língua. inclusive captar duplo sentido • dificuldades para adquirir novas informação. [d]. As primeiras consoantes aparecem primeiro no balbucio. • como processo de comunicação . Balbucio articulado inclui apenas os distintos fonemas que caracterizam a língua na qual o bebê está inserido. Preferência marcante pela produção das consoantes oclusivas / plosivas [b].interação • como processo cognitivo e • seus componentes. Base fisiológica mais sólida e mais frequentes.11/01/2012 A aprendizagem e o desenvolvimento da linguagem • estão fortemente influenciados pelos aspectos CONTEXTUAIS ao longo da vida: • social • das necessidades e interesses pessoais • cognitivo O estudo da linguagem. [p]. antes de serem integradas as palavras (Vihman et al. 1986). tanto normal quanto patológica • deve levar em conta a linguagem unida ao contexto familiar.2007) Fases Aquisição Linguagem Progressão por meio de etapas no desenvolvimento Balbucio inarticulado inclui todos os fones possíveis • Dificuldades de atenção.O tipo (a qualidade) de input recebido e a sua percepção. . além de [m]. • alterações na velocidade do pensamento e processamento da informação. Aspectos cognitivos que podem afetar ou que refletem a interação: Linguagem/ Cognição (Puyuelo. Fases Aquisição Linguagem Progressão por meio de etapas no desenvolvimento O QUE INFLUENCIA A AQUISIÇÃO? . [g].O estágio do desenvolvimento cognitivo.

Fonoaudióloga Componente Sensorial Componente Condutivo 64 “O ato de ouvir não termina quando ocorre a mera detecção de um estímulo acústico (sensação) pelo ouvido interno.org/members/deskref-journals/deskref/default. interpretam e representam as informações recebidas.youtube. Mirella L.asha.Fonoaudióloga 11 . A eficiência sináptica das fibras do anos. • O cérebro não está totalmente desenvolvido ao nascimento.” (Bellis.com/watch?v=tkPj4IGbmQQ&feature=related http://www. Prando . organizam. PA(C) refere-se ao processamento perceptual da informação auditiva no SNAC e a atividade neurobiológica subjacente ao processamento.youtube.11/01/2012 DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM • A PERCEPÇÃO AUDITIVA CONTRIBUI DE FORMA SIGNIFICATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DA FALA. Por essa razão dizemos que a criança precisa “aprender a ouvir”. tronco cerebral continua a melhorar até por volta dos 3 anos de idade seguindo pelo decorrer dos PROCESSAMENTO AUDITIVO (CENTRAL) http://www. DA LINGUAGEM E INDIRETAMENTE NOS PROCESSOS COGNITIVOS EM GERAL. Prando . que permite os potenciais auditivos eletrofisiológicos. (Central) Auditory Processing Disorders. American Speech-Language-Hearing Association. • As vias auditivas do tronco cerebral estão completas estruturalmente por volta da 30a semana de gestação. 2003) Mirella L. diversos mecanismos e PA(C) Processamento auditivo (central) [PA(C)] refere-se à eficiência e à efetividade com que o SNAC utiliza a informação auditiva. Available at. para que aconteça a decodificação correta do estímulo auditivo. Pelo contrário.(2005) processos neurofisiológicos e cognitivos são necessários. http: //www. processam.com/watch?v=7yQ4xiQusIE&feature=share Informações sensoriais auditivas envolvem: • Sistema auditivo periférico • Vias auditivas do SN e cérebro Juntos.

Prando .).Fonoaudióloga http://www. Prando . Componente Neural audição -Apesar dos estudos não são totalmente consistentes sobre o efeito da privação sensorial causada por períodos de otites no desenvolvimento linguístico da criança. Mirella L. -A discriminação acurada de outros sons falados como “l” e “r” também pode demonstrar estar comprometida levando a aquisição mais tardia destas consoantes. fonológica (pronúncia e padrão do som).com/watch?v=cfAyPbFYGJw Derivação contextual Construção de Inferências Estoque mental de informações sobre as palavras. ênfase e altura da voz e nos aspectos prosódicos de modo geral. Prando .youtube. Prando . apontam para prejuízos na representação fonológica de determinados fonemas como os fricativos surdos (sons do “s”. “x e ch”. sintática. -Além de comprometer segmentos da fala. inclui informações semântica. DESENVOLVIMENTO COGNITIVO Acesso ao léxico Forte preditor vocabulário expressivo Compreensão oral e escrita Mirella L. o aporte auditivo inconstante pode afetar a compreensão da fala em relação a percepção dos contornos de entonação.Fonoaudióloga PRESSUPOSTOS DA AVALIAÇÃO DA LINGUAGEM 12 .11/01/2012 Audição em nível central = Percepção auditiva / Processamento Auditivo Impacto das otites médias na primeira infância -Os sons falados – FONOLOGIA = tijolos para a construção palavras e frases.Fonoaudióloga MEDIDAS DIAGNÓSTICAS TESTES FORMAIS X TAREFAS ECOLÓGICAS PALAVRA SENTENÇA DISCURSO Mirella L. “f”.Fonoaudióloga Interferência “vizinhança auditiva” Mirella L.

Publicação: 2009 –Editora Vetor NEUPSILIN: Linguagem oral •Nomeação: objetos e figuras Fonseca.P. A. P. & Parente. • Mesmo instrumentos de screening de linguagem existentes tem limitações. Salles. 2001 – Determinar a presença de afasia e do tipo – Inferências sobre localização cerebral e processos lingüísticos – Mensurar nível de desempenho – Contribuir para planejamento terapêutico – 1 – 5 horas: 27 subtestes • Boston Naming Test (Kaplan. de Salles e Maria Alice de Mattos Pimenta Parente. 13 . • Escalas neurológicas globais detectam com dificuldades sinais de afasia (NIH). Language Screening Test) Instrumento de Avaliação Neuropsicológica Breve NEUPSILIN Autores: Rochele Paz Fonseca. • Soluções: desenvolver ferramentas de avaliação da linguagem no leito (ex. 2011). M. 2001) • Token Test – De Renzi e Vignolo (1962) – Avaliação da compreensão verbal de comandos com complexidade gradativa • • • • • Mostre-me um círculo Mostre-me um círculo amarelo Mostre-me um círculo azul grande Pegue o círculo vermelho e quadrado verde Pegue o círculo branco grande e o quadrado verde pequeno • Coloque o círculo vermelho sobre o quadrado verde. Jerusa F.F. Instrumento de Avaliação Neuropsicológica Breve NEUPSILIN. (2009). J. R. 1972: terceira edição.11/01/2012 Instrumentos mais utilizados • Boston Diagnostic Aphasia Examination – Goodglass e Kaplan. • Instrumentos tradicionais de exame da afasia nem sempre são apropriados para avaliação de quadros agudos (Flamand-Rose et al.. São Paulo: Vetor. M. Goodglass &Weintraub .

Ska & Joanette (2003. fonêmica.11/01/2012 Linguagem oral • Repetição • Linguagem automática • Processamento de inferências Linguagem oral • Compreensão Linguagem escrita • • • • • Compreensão escrita Escrita espontânea Escrita copiada Escrita ditada Leitura oral Fluência verbal: livre. semântica • Importância clínica cada vez mais valorizada • Necessidade de explorar melhor escores de discrepância entre modalidades para diagnóstico diferencial • Período bastante breve de aplicação Processamento comunicativo Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Psicologia Programa de Pós-Graduação em Psicologia BATERIA MAC PROCESSAMENTO COMUNICATIVO PROCESSAMENTO DISCURSIVO -DISCURSO CONVERSACIONAL -DISCURSO NARRATIVO PROCESSAMENTO PRAGMÁTICO-INFERENCIAL -INTERPRETAÇÃO DE METÁFORAS -INTERPRETAÇÃO DE ATOS DE FALA INDIRETOS PROCESSAMENTO LÉXICO-SEMÂNTICO -EVOCAÇÃO LEXICAL -JULGAMENTO SEMÂNTICO PROCESSAMENTO PROSÓDICO -PROSÓDIA LINGÜÍSTICA -PROSÓDIA EMOCIONAL Bateria Montreal de Avaliação da Comunicação Breve – MAC BREVE: Estudos de Adaptação – Dissertação de Mestrado de Fabíola Schwengber Casarin Projetos Futuros – Doutorado: Doutorado: Bateria Montreal de Avaliação da Comunicação Breve – MAC BREVE: Estudos Normatização – previsão 2013 Joanette. 2006) 14 . Parente. Ska & Côté (2004) Fonseca. Côté.

Dra. no prelo) Teste Decodificação de palavras e pseudopalavras (Moojen et al. Parente. Rochele Paz Fonseca Orientadora Dissertação de Mestrado / jan 2011 Teste de Decodificação de sílabas complexas (Moojen et al. Ska. FV Ort. Drª. FV Sem) Teste dos Sinos Geração aleatória de números (GAN) Teste de Decisão ortográfica (Moojen et al. 2008 FUNÇÕES EXECUTIVAS NA SEGUNDA INFÂNCIA: COMPARAÇÃO QUANTO À IDADE E CORRELAÇÃO ENTRE DIFERENTES MEDIDAS Janice da Rosa Pureza Orientadora: Profa. Côté. no prelo) Introdução Discurso Narrativo Complexa integração processos mentais em situações comunicativas. Baddeley.. Rochele Paz Fonseca Dissertação de Mestrado – jan 2011 89 15 . 2008) Introdução Linguagem e Memória de Trabalho Avaliação do Discurso Narrativo na infância Importância estímulos discursivos narrativos em instrumentos de avaliação da linguagem sob a ótica da neuropsicologia cognitiva para crianças Adaptado de Baddeley (2003). no prelo) PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE PSICOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA (COGNIÇÃO HUMANA) AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA DE COMPONENTES DA LINGUAGEM E DA MEMÓRIA DE TRABALHO NA INFÂNCIA: ADAPTAÇÃO DE TAREFA DISCURSIVA E ESTUDO CORRELACIONAL Mirella Liberatore Prando Profª.11/01/2012 Instrumentos em normatização – GNCE Subequipe Neuropsicologia da Infância e da Adolescência Discurso narrativo infantil Fluência verbal – 3 modalidades (FV Livre. Eisenck & Anderson (2009) Diferentes metodologias e abordagens empregadas nas pesquisas Poucos instrumentos específicos em nível nacional e internacional 87 ADAPTAÇÃO DE UMA TAREFA DE NARRATIVO INFANTIL E ESTUDO DISCURSO 1 DADOS QUANTO AO TIPO DE ESCOLA Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Psicologia Programa de PósPós-Graduação em Psicologia (Cogniçao (Cogniçao Humana) DISCURSIVO Pragmático-inferencial Léxico-semântico Prosódico Fonseca. & Joanette. ultrapassa análise da participação mecanismos semânticos (van Dijk.

L.Tradução dos instrumentos existentes. Ska e Joanette. 2002). DISCURSO NARRATIVO (ESCRITO) em construção e adaptação prevista em 2012 Adaptado de: Prando.Partes A e B. .10 estímulos e 2 frases treinos para cada parte (Hayling Junior – Shallice et al.Côté.71 frases sintaticamente equilibradas. Avaliação neuropsicológica de componentes da linguagem e da memória de trabalho na infância: adaptação de tarefa discursiva e estudo correlacional (Dissertação de Mestrado. ∗ PILOTO – Individual e coletivo (para estimar compreensão das sentenças e respostas para as mesmas): . (2010). Porto Alegre). .11/01/2012 TESTE HAYLING • Publicações: TESTE HAYLING em Normatização • Construção: . 2008) para uma versão infantil” Nova história já produzida Análise autores e adaptações necessárias realizadas Análise de juízes especialistas (em andamento) Estudo Piloto Normatização 16 .Qualidade psicolingüística através de equivalências sintática e de amplitudes de respostas (análise de juízes especialistas) VERSÃO FINAL: . Parente. . Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. M.Elaboração das sentenças com equilíbrio sintático e julgadas com os critérios psicolingüísticos dos instrumentos traduzidos. DISCURSO NARRATIVO – versão para crianças de 7 à 12 anos de idade Adaptação da Bateria MAC (para adultos) (Fonseca.