Você está na página 1de 29
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline

-ColeÁ„o £gua e Cidadania- Vol. 2

Anal˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt Planchez de Carvalho

-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 Anal ˙cia Bueno dos Reis Giometti Aline Vogt
-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 unesp U NIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FHDSS- CAMPUS

-ColeÁ„o £gua e Cidadania- Vol. 2

unesp

-Cole Á„o £gua e Cidadania - Vol. 2 unesp U NIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FHDSS- CAMPUS DE

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FHDSS- CAMPUS DE FRANCA

N˙cleo de Ensino

Franca

2006

2
2

APRESENTA«AO

A cartilha £gua e Cidadania È fruto do projeto £gua e Cidadania: aÁ„o local, e-

feito global que foi elaborado para ser integrado ao sistema de educaÁ„o cidad„

promovido pelo N˙cleo de Ensino da Unesp no Campus de Franca.

Este projeto de educaÁ„o ambiental para alunos do Ensino Fundamental, com en-

foque no elemento ·gua foi desenvolvido e implantado no municÌpio de Franca

com vistas a reduzir e controlar os problemas ambientais e de sa˙de p˙blica rela-

cionados ao mau uso e desperdÌcio dos recursos hÌdricos.

cionados ao mau uso e desperd Ìcio dos recursos hÌdricos. Dados do Projeto: ì £gua e

Dados do Projeto:

ì£gua e Cidadania: aÁ„o local, efeito globalî.

Coordenadora do Projeto: Prof.a. Dra. Anal˙cia Bueno dos Reis Giometti.

Aluna integrante do Projeto: Aline Vogt Planchez de Carva- lho, graduanda em RelaÁıes Internacionais da Unesp.

Pesquisa , elaboraÁ„o e autoria: Prof.a. Dra Anal˙cia Gio- metti, Aline Vogt P. de Carvalho.

Franca

2006

3
3

Sum·rio

 

IntroduÁ„o: DeclaraÁ„o Universal da £gua

5

1.

O que È ·gua ?

6

2.

O ciclo da ·gua

7

3.

Como a ·gua que eu bebo chega na minha casa?

9

4.

A ·gua no planeta Terra

11

4.1

A distribuiÁ„o da ·gua entre as regiıes do globo

11

5.

A ·gua no Brasil

13

5.1

Disponibilidade de ·gua no Brasil

15

6.

A ·gua no Estado de S„o Paulo

16

6.1

Bacia do Rio SapucaÌ-Mirim

17

7

A £gua em Franca

18

7.1

Um pouco de HistÛria e de Geografia

18

7.2

Hidrografia de Franca

21

8.

£gua na Escola

22

9.

£gua e Sa˙de

23

10.

A Luta da £gua

24

11.

Vamos salvar a vida! Cuide da ·gua

26

12.

Bibliografia

29

4
4

DeclaraÁ„o Universal dos Direitos da £gua

1. A ·gua faz parte do patrimÙnio do planeta. Cada continente, cada povo, cada regi„o, cada cidade, cada cidad„o È plenamente respons·vel aos olhos de todos.

2. A ·gua È a seiva do nosso planeta. Ela È a condiÁ„o essencial de vida e de todo

ser vegetal, animal ou humano. Sem ela n„o poderÌamos conceder como s„o a at- mosfera, o clima, a vegetaÁ„o, a cultura ou a agricultura. O direito ‡ ·gua È um dos direitos fundamentais do ser humano: o direito ‡ vida, tal qual È estipulado no Art. 30 de DeclaraÁ„o Universal dos Direitos Humanos.

Art. 30 de Declara Á„o Universal dos Direitos Humanos. 3 . geis e muito limitados. Assim

3.

geis e muito limitados. Assim sendo a ·gua deve ser manipulada com racionalida-

Os recursos naturais de transformaÁ„o da ·gua em ·gua pot·vel s„o lentos, fr·-

de, preocupaÁ„o e parcimÙnia.

4.

dos seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente, para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilÌbrio depende, em

O equilÌbrio e o futuro de nosso planeta dependem da preservaÁ„o da ·gua e

particular, da preservaÁ„o dos mares e oceanos por onde os ciclos comeÁam.

5.

um emprÈstimo aos nossos sucessores. Sua proteÁ„o constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigaÁ„o moral do Homem para as geraÁıes presentes e futuras.

A ·gua n„o È somente uma heranÁa dos nossos predecessores, ela È sobretudo

6.

preciso saber que ela È, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer regi„o do mundo.

A ·gua n„o È uma doaÁ„o gratuita da natureza, ela tem um valor econÙmico: È

7.

geral, sua utilizaÁ„o deve ser feita com consciÍncia e discernimento, para que n„o

A ·gua n„o deve ser desperdiÁada, nem poluÌda, nem envenenada. De maneira

se chegue a uma situaÁ„o de esgotamento ou de deterioraÁ„o de qualidade das reservas atualmente disponÌveis.

A utilizaÁ„o da ·gua implica o respeito ‡ lei. Sua proteÁ„o constitui uma obriga-

Á„o jurÌdica para todo o homem ou grupo social que a utiliza. Esta quest„o n„o de-

ve ser ignorada nem pelo Homem nem pelo Estado.

8.

9. A gest„o da ·gua impıe um equilÌbrio entre os imperativos de sua proteÁ„o e as

necessidades de ordem econÙmica, sanit·ria e social.

10. O planejamento da gest„o da ·gua deve levar em conta a solidariedade e o consenso em raz„o de sua distribuiÁ„o desigual sobre a Terra.

Fonte: ONU (OrganizaÁ„o das NaÁıes Unidas)

Fonte Imagem: Almanaque d £gua - Sabesp, 2006ócapa.

5
5

1. O que È ·gua?

1. O que È ·gua? A ·gua n„o È apenas um lÌquido formado por duas mol

A ·gua n„o È apenas um lÌquido formado por duas molÈculas de hidrogÍnio e uma de oxigÍnio (H 2 O), ela È uma riqueza natural indispens·vel ‡ vida na Terra. A ·gua est· presente em todos os lugares, na atmosfera, no solo, nos alimentos e nos organismos. O nosso cor- po, por exemplo, È formado por cerca de 70% de ·gua.

cor- po, por exemplo, È formado por cerca de 70% de ·gua. Por muito tempo a

Por muito tempo a ·gua foi considerada como um recurso infi- nito que poderia ser usado sem qualquer preocupaÁ„o para lavar louÁas, tomar banhos longos ou pa- ra matar a nossa se- de e de todos os ani- mais. Mas hoje sabe- mos que a ·gua doce pode se tornar imprÛpria para o nosso consumo devido ‡ poluiÁ„o e atÈ mesmo acabar por causa do desperdÌcio.

Fonte: Almanaque da £guañ Sabesp, 2006 p. 21

Tabela sobre a distribuiÁ„o do uso da ·gua no Brasil

23% … usado para a produÁ„o de bens industrializados

30% … usado nas cidades para limpar a casa, cozinhar, beber e tomar banho.

47% … usado para produzir os nossos alimentos

Fique Esperto! Razıes para cuidar da £gua

1)Temos pouca ·gua pot·vel (boa

para beber) disponÌvel no mundo, cerca de 1%, sendo que o restante est· nos pÛlos na forma de

e

nos mares e o c e a n o s (97%) como

pÛlos na forma de e nos mares e o c e a n o s (97%)

gelo

(2%),

·gua salgada.

mares e o c e a n o s (97%) como gelo (2%), ·gua salgada. 2)

2)Nem sempre os luga-

res onde moram mais pes- soas s„o os que tÍm mai- or disponibilidade de ·- gua. No Brasil, por exemplo, 80% da ·gua est· na AmazÙnia onde mora apenas 5% da populaÁ„o, enquanto que

em S„o Paulo, que concen- tra 30% da populaÁ„o nacio- nal, existe apenas 1,6% de ·gua disponÌvel.

6
6

3)A populaÁ„o da Ter-

ra n„o p·ra de crescer enquanto que a quanti- dade de ·gua para a- bastecer toda essa gente continua a mes- ma.

·gua para a- bastecer toda essa gente continua a mes- ma. 5) Com o crescimento das
·gua para a- bastecer toda essa gente continua a mes- ma. 5) Com o crescimento das

5)Com o crescimento das

cidades e da populaÁ„o os rios tÍm sido cada vez mais poluÌdos pelo lixo e esgoto das casas, resÌduos das in- d˙strias e produtos quÌmicos usados indevidamente nas plantaÁıes.

4)Pra agravar a situa-

Á„o, o consumo de ·gua tem crescido mais do que a populaÁ„o, isto porque o desenvolvimento das cida- des proporcionou o apare- cimento de mais ind˙s- trias, de mais plantaÁıes irrigadas e um maior n˙- mero de residÍncias com ·gua encanada.

e um maior n ˙- mero de resid Íncias com ·gua encanada. Atividade - a £gua
e um maior n ˙- mero de resid Íncias com ·gua encanada. Atividade - a £gua

Atividade - a £gua e vocÍ : FaÁa um desenho criativo que mostre a import‚ncia da ·gua na sua vida e, em seguida, faÁa uma pequena redaÁ„o sobre a nossa amiga gota dí·gua.

2. O Ciclo da £gua

Como j· foi dito, a quantidade de ·gua no planeta È finita, ou seja, n„o h· a produÁ„o de mais ·gua, o que acontece È a transiÁ„o dessa mesma quantidade de ·gua de um estado para o outro. Na

natureza, a ·gua

se apresenta em trÍs estados fÌsi- cos: sÛlido (gelo), lÌquido (mares, rios

e lagos) e gasoso (vapor dí·gua e nuvens) e o pro-

cesso que ela faz para mudar de um estado para o ou- tro È chamado de ciclo da ·gua.

O Ciclo da £gua 3 4 1 2
O Ciclo da £gua
3
4
1
2

Fonte: AssociaÁ„o Brasileira de EducaÁ„o AgrÌcola Superior ñ O Caminho das £guas, 1998

7
7
1- 2- 3- 4- - a MudanÁa da £gua : De acordo com a explica

1-

2-

3-

4-

- a MudanÁa da £gua: De acordo com a explicaÁ„o

da professora sobre o ciclo da ·gua, descreva o que acontece em cada setinha.

Atividade

Teste seus Conhecimentos!

Fonte:Almanaque da £gua - Sabesp, 2006. P.14 8
Fonte:Almanaque da £gua - Sabesp, 2006. P.14
8

3. Como a ·gua que eu bebo chega na minha casa?

)

e
e

7. A ·gua j· est· limpa. Todos os mi- crÛbios que causam doenÁas foram mortos e agora a ·gua pode ir para os ReservatÛrios. Do ReservatÛrio saem canos que levam a ·gua atÈ as casas.

1. Uma bomba de ·gua tira a ·gua do manancial (represa,

rio, lago

4. Em seguida a- contece a Decanta- Á„o, em que as su- jeiras agregadas se depositam no fundo do tanque.

2.

È levada por ca- nos ‡s estaÁıes de tratamento on- de ela È desinfec- tada com cloro e as partÌculas que nela est„o em suspens„o s„o coaguladas pelo sulfato de alumÌ- nio.

A ·gua impura

5. Os canos le- vam a ·gua para o local da Filtra- gem, no qual a ·gua passa por filtros de carv„o, areia e cascalho, para retirar as impurezas.

3.

da, a ·gua passa pe- la floculaÁ„o que È a movimentaÁ„o da ·gua para que as im- purezas se juntem ainda mais.

ApÛs ser coagula-

6. Depois de filtrada, a ·gua recebe cal, cloro

fl˙or. A cal faz a ·- gua perder a acidez que ganhou no pro- cesso de tratamento,

o cloro elimina os mi-

croorganismos que ainda permanecem na ·gua e o fl˙or tem o objetivo de proteger os dentes dos usu·- rios, reduzindo a inci- dÍncia de c·ries.

9
9

Fonte: Almanaque da ·gua ñSabesp, 2006 p. 50 e 51.

Matando a Curiosidade

Matando a Curiosidade Fonte: Almanaque da £gua - Sabesp, 2006 p.27 10

Fonte: Almanaque da £gua - Sabesp, 2006 p.27

10
10

4. A ·gua no planeta Terra

Fonteî; Almanaque da £gua - Sabesp, 2006 p.11
Fonteî; Almanaque da £gua - Sabesp, 2006 p.11

Nosso planeta deveria chamar-se ·gua, pois esta ocupa 70% da superfÌcie da

Terra, o que significa o volume aproximado de 1,35 milhıes de quilÙmetros c˙bicos de ·gua. Desse total, 97,22% est· concentrada nos oceanos e È salgada, somente 2,78% È doce. Desta fraÁ„o, a maior parte desta est· sob a forma de gelo e neve (1,979%) ou abaixo da superfÌcie (·gua sub-

terr‚neaó0,514%). SÛ uma fraÁ„o muito pe- quena (cerca de 1%) de toda a ·gua terrestre est· diretamente disponÌvel ao homem e aos outros organismos, sob a forma de lagos e rios (0,006%), como umidade presente no solo e na atmosfera (0,001%) e como compo- nente dos mais diversos organismos.

Que uma medusa È composta por 90% de ·gua?

VocÍ Sabia?: Que o homem e a maioria dos animais possuem cerca de 65% de ·gua.?

Que 60% do peso de uma ·rvore È ·gua?

4.1 A distribuiÁ„o da ·gua pelas regiıes do globo

A ·gua est· mal repartida pelo mundo, existem lugares que tÍm ·gua em abund‚n-

cia e outros em escassez. Os recursos hÌdricos s„o conseq¸Íncia direta da desi- gual distribuiÁ„o de chuvas e dos nÌveis de escoa-

mento. A maior parte do Continente Africano, o Ori- ente MÈdio, as regiıes a Oeste dos Estados Uni- dos, Noroeste do MÈxico, certas zonas do Chile e

Argentina e quase toda a Austr·lia enfrentam o pro- blema da falta de ·gua. Atualmente, para garantir o abastecimento de ·gua ‡s populaÁıes mais caren- tes, tÍm se feito uma partilha de ·gua entre regiıes

e mesmo entre Estados, muitas vezes a partir de

bacias hidrogr·ficas internacionais e transnacionais (que se localizam entre regiıes ou paÌses diferen- tes).

11
11

Recursos HÌdricos na Terra

Recursos H Ìdricos na Terra Fonte: ONU, 1997 PA ÕSES COM M AIS £GUA (em m

Fonte: ONU, 1997

PAÕSES COM M AIS £GUA (em m 3 /habitantes)

1. Guiana Francesa

812.121

2. Isl‚ndia

609.319

3. Suriname

292.566

4. Congo

275.679

25. Brasil

48.314

PAÕSES COM M ENOS £GUA (em m 3 /habitantes)

Kuwait

10

Faixa de Gaza (TerritÛrio Palestino)

52

Emirados £rabes Unidos

58

Ilhas Bahamas

66

Fonte: TUNDISI, 2003, p. 17

58 Ilhas Bahamas 66 Fonte: TUNDISI, 2003, p. 17 Atividade - Onde È ·gua e onde
58 Ilhas Bahamas 66 Fonte: TUNDISI, 2003, p. 17 Atividade - Onde È ·gua e onde

Atividade

- Onde È ·gua e onde È terra? Pinte o mapa abaixo de

acordo com as seguintes instruÁıes: de azul os mares e oceanos; de laranja os continentes e de verde o Brasil. Depois nomeie os oceanos e os continentes e apÛs observar o mapa j· pintado responda oralmente para o professor a seguinte quest„o: vocÍ concorda com o nome que foi dado ao nosso planeta de Terra? Por quÍ?

12
12
Brasil S„o Paulo
Brasil
S„o Paulo

5. £gua no Brasil

O Brasil detÈm 11,6% da ·-

gua doce superficial do mun- do. Os 70 % da ·gua dispo- nÌveis para uso est„o locali- zados na regi„o AmazÙnica e os 30% restantes distribu- em-se desigualmente pelo paÌs para atender a 93% da populaÁ„o.

O Brasil tem uma grande

quantidade de ·gua doce e a maior parte dessa ·gua est·

na AmazÙnia brasileira, que

È a maior superfÌcie drenada

do

mundo. Cerca de 11,6%

de

toda a ·gua doce existen-

te

no globo est· no Brasil.

SÛ

a Bacia AmazÙnica guar-

da, em seus rios, furos, la- gos e igarapÈs, um sexto de toda esta ·gua.

em seus rios, furos, la- gos e igarap Ès, um sexto de toda esta ·gua. fonte

fonte Almanaque da £gua - Sabesp, 2006.

13
13

O Brasil possui 8 principais baci- as hidrogr·ficas:

O Brasil possui 8 principais baci- as hidrogr ·ficas: ï Bacia do Amazonas Bacia do Atl‚ntico
O Brasil possui 8 principais baci- as hidrogr ·ficas: ï Bacia do Amazonas Bacia do Atl‚ntico
O Brasil possui 8 principais baci- as hidrogr ·ficas: ï Bacia do Amazonas Bacia do Atl‚ntico

ï Bacia do Amazonas

Bacia do Atl‚ntico Norte/ Nordeste

Bacia dos Rios Tocantins/ Araguaia

ï

ï

Norte/ Nordeste Bacia dos Rios Tocantins/ Araguaia ï ï Bacia do Rio S„o Francis- co ï
Norte/ Nordeste Bacia dos Rios Tocantins/ Araguaia ï ï Bacia do Rio S„o Francis- co ï
Norte/ Nordeste Bacia dos Rios Tocantins/ Araguaia ï ï Bacia do Rio S„o Francis- co ï
Norte/ Nordeste Bacia dos Rios Tocantins/ Araguaia ï ï Bacia do Rio S„o Francis- co ï
Norte/ Nordeste Bacia dos Rios Tocantins/ Araguaia ï ï Bacia do Rio S„o Francis- co ï

Bacia do Rio S„o Francis- co

ï

Bacia dos Rios Paran·/ Paraguai

ï

ïBacia do Atl‚ntico Leste

ï Bacia do Rio Uruguai

ï Bacia do Atl‚ntico Sul/ Sudeste.

Bacia do Rio Uruguai ï Bacia do Atl‚ntico Sul/ Sudeste. Fonte: £gua: Fonte de Vida, 2005

Fonte: £gua: Fonte de Vida, 2005 p.12.

- 30 milhıes de habitantes dos 150 milhıes do Brasil n„o rece- bem ·gua tratada.

- 92 % do esgoto produzido no paÌs È lanÁado nos rios e no mar sem qualquer tratamento.

- Os rios s„o respons·veis por 51 % do consumo de ·gua no paÌs.\

No Brasil todos os dias s„o lanÁados 10 Bilhıes de litros de esgoto nos rios e no mar.

Fonte: IBGE

Essa riqueza se deve pelo fato de grande parte do territÛrio brasileiro estar localizado em uma zo- na clim·tica com grande ocorrÍncia de chuvas. Essa caracterÌstica tambÈm È favor·vel para o desenvolvimento de uma grande diversidade de animais, plantas e paisagens.

Apesar de ser privilegiado em recursos hÌdricos, o Brasil tem sÈrios problemas como gerenciamento desses recursos, como pode ser observado no quadro ao lado.

desses recursos, como pode ser observado no quadro ao lado. - A ·gua e a paisagem?

- A ·gua e a paisagem? Recorte de jornais ou revis-

tas duas figuras: uma que mostre uma paisagem brasileira com ·gua em abund‚ncia e outra que mostre uma regi„o que sofre com a seca.

Atividade

14
14
5.1 Disponibilidade de ·gua no Brasil Franca SP
5.1 Disponibilidade de ·gua no Brasil
Franca
SP

A Bacia AmazÙnica apresenta a maior disponibilidade de ·gua por habitante, e por

sua vez, a regi„o de Franca est· inserida na classificaÁ„o normal, ou seja, seus habitantes tem disponÌvel de 2.000 a 10.000 m3 de ·gua por ano, como mostrar o

mapa acima.

15
15

6. A £gua no Estado de S„o Paulo

O Estado de S„o Paulo tem 1,6% da ·gua doce brasileira e est· situado na regi- „o compreendida pela Bacia do Paran·/Paraguai. O mais famoso rio que atra- vessa o Estado È o TietÍ

Bacia do Rio Paran·

Dados TÈcnicos: £rea: 1.350 km2 Volume de ·gua: 29 bilhıes de m3 Extens„o: 170 km
Dados TÈcnicos:
£rea: 1.350 km2
Volume de ·gua: 29 bilhıes de m3
Extens„o: 170 km
Largura m·xima: 12 km
Largura mÈdia: 7 km
Profundidade: mÈdia - 22,5m
M·xima 170m (prÛximo ‡ barragem)
16
16

6.1. Bacia do Rio SapucaÌ Mirim

Nasce em Minas Gerais, entra em S„o Paulo,leste para oeste,na regi„o da Mogia- na, percorre a zona fÈrtil entre Batatais e Franca e desemboca no Rio Pardo. Re- cebeu este nome porque suas margens eram repletas de Sapucaias, ·rvores que produzem frutos oleosos e comestÌveis, semelhantes ‡ castanha-do-par·. Durante os sÈculos XVII e XVIII, serviu de rota para os bandeirantes, que partiam das capi- tanias do Rio de Janeiro e S„o Paulo em busca de ouro. O agrupamento das v·- rias nascentes que d„o conformaÁ„o ao rio SapucaÌ Mirim, s„o consideradas as mais altas da bacia do rio da Prata. Sua bacia hidrogr·fica tem 200 km, banhando a cidade de SapucaÌ Mirim e percorrendo mais 45 municÌpios dos estados de S„o Paulo e Minas Gerais.

Em em 1998 foi criada no SapucaÌ Mirim uma £rea de ProteÁ„o Ambiental (APA), para preservar a manutenÁ„o da qualidade das ·guas do rio SapucaÌ, que abaste- ce outros 45 municÌpios nos estados de S„o Paulo e Minas Gerais.

45 munic Ìpios nos estados de S „o Paulo e Minas Gerais. VocÍ Sabia? No Estado

VocÍ Sabia? No Estado de SP o consumo È de 354 mil litros por segundo, o mesmo consumo de 1 famÌlia de 4 pessoas durante um ano e meio. 55,68 % È gasto em irrigaÁ„o de lavouras, 21,60 % nas Ind˙strias e 22,72 % no consumo domÈstico urbano. A cidade de S„o Paulo com 9,5 milhıes de habitantes consome 210 mi- lhıes de litros de ·gua por hora, o equivalente a 116 piscinas olÌmpicas. 60 % des- sa ·gua È captado a mais de 80 Km de dist‚ncia da capital. No final todo o esgoto (1.100 toneladas por dia) acabam no Rio TietÍ. `

(Fonte:http://www.ate.com.br/agua/noticias/_agua_no_brasil.php4)

(1.100 toneladas por dia) acabam no Rio Tiet Í. ` ( Fonte:http://www.ate.com.br/agua/noticias/_agua_no_brasil.php4 )

7. A £gua em Franca 7.1 Um pouco de histÛria e de geografia

A regi„o compreendida

entre os rios Pardo e Grande, embora desbra- vada no sÈculo XVI, foi povoada somente a partir das descobertas das mi- nas de Goi·s por Anha-

guera II no inÌcio do sÈcu- lo XVIII. Devido a desen- tendimentos entre paulis-

tas e Ìndios emboabas, foi

necess·ria a criaÁ„o de uma nova rota para con- duzir os rebanhos entre o

Litoral e a regi„o central

do Brasil, assim surgiu a

Estrada do Sal.

Com a abertura desta no- va via de comunicaÁ„o, o comÈrcio do gado deslocou seu centro econÙmico para o Estado de S„o Paulo. A beira deste caminho, devido ao fluxo do rebanho e o co- mÈrcio de gado, surgiu o Arraial Bonito do Capim Mimoso que cresceu com a vinda de pessoas de Minas Gerais que se deslocavam das zonas de garimpo e de cria- Á„o e ali se instalavam devido ‡s condiÁıes ideais para a criaÁ„o de gado vacum. Assim, em torno da rota do Sal, se desenvolveram v·rios povoados dentre eles, Franca que foi elevada ‡ condiÁ„o de cidade em 1856.

do Sal, se desenvolveram v ·rios povoados dentre eles, Franca que foi elevada ‡ condiÁ„o de
18
18

A cidade de Franca est· situada sobre um relevo colinoso conhecido como a ìterra das trÍs colinasî, denominadas localmente como Colina da EstaÁ„o, Colina do Centro e Colina da Santa Rita, localizadas na Serra de Franca, que integra a regi- „o da ProvÌncia GeomorfolÛgica do Planalto Ocidental Paulista.

Estas colinas s„o separadas entre si pela rede hidrogr·fica, formada pelos cursos dí·gua do CÛrrego dos Bagres, CÛrrego do Cubat„o formadores do Ribeir„o do Coqueiro ou Espraiado, que v„o desaguar no Ribeir„o dos Bagres, que por sua vez È afluente do Rio SapucaÌ-Mirim, que faz parte da bacia hidrogr·fica do Rio Grande.

que faz parte da bacia hidrogr ·fica do Rio Grande. Mapas da Zona Urbana de Franca

Mapas da Zona Urbana de Franca

·fica do Rio Grande. Mapas da Zona Urbana de Franca Fonte: Prefeitura Municipal de Franca ó

Fonte: Prefeitura Municipal de Franca ó Caixas de AprovaÁ„o de LoteamentosóProf.a. Anal˙cia Bueno dos Reis Gio- metti

19
19

A representaÁ„o da planta urbana desta ·rea em 2000 mostra estes cÛrregos ca- nalizados por grandes avenidas. Assim, por sobre o CÛrrego Cubat„o passa a Ave- nida Dr. Ismael Alonso y Alonso; pelo CÛrrego dos Bagres a Avenida Antonio Bar- bosa Filho atÈ o bairro da EstaÁ„o, para daÌ em diante se chamar Avenida Dr. Heli- o Palermo; no Espraiado foi construÌda a Avenida Ismael Alonso em seu trecho de confluÍncia com o Ribeir„o dos Bagres atÈ o bairro Jardim Santana, para deste ponto atÈ suas nascentes passar a se chamar Avenida Adhemar Pollo Filho e por fim Avenida Marginal. Esta rede hidrogr·fica, na ·rea das trÍs colinas, est· situada em ·rea muito povoada.

Esta regi„o era coberta pela mata tropical, que foi sendo desmatada em decorrÍn- cia da intensa ocupaÁ„o do solo para dar lugar as pastagens e ·reas cultivadas, restando pequenas manchas de vegetaÁ„o natural, nos dias de hoje.

pequenas manchas de vegeta Á„o natural, nos dias de hoje. Atividade ó Observando a minha cidade:
pequenas manchas de vegeta Á„o natural, nos dias de hoje. Atividade ó Observando a minha cidade:

AtividadeóObservando a minha cidade: Analise o mapa aci-

ma e escreva uma redaÁ„o de dez linhas sobre o tema:îo pontinho verde da minha cidadeî. Tente abordar no seu texto as razıes que levaram ao grande nÌvel de degradaÁ„o da vegetaÁ„o nativa em Franca e fale sobre a import‚ncia de se preservar o verde na sua cidade!

20
20

7.2 Hidrografia da Franca

De onde vem a ·gua que eu bebo? Franca È abastecida pelos mananciais do Rio Canoas e o Rio Pouso Alegre que pertencem ‡ Bacia Hidrogr·fica SapucaÌ/ Grande. O Rio SapucaÌ tem sua confluÍncia com o Rio Grande a noroeste.

O CÛrrego dos Bagres, aquele que podemos encontrar quando percorremos a av.

HÈlio Palermo encontra-se ao Sul com o Rio SapucaÌ, indo depois para o noroeste,

atÈ chegar ao Rio Grande. As ·guas do Rio Grande, por sua vez, caminham a o-

.

Juntando-se com o Rio ParanaÌba, o Rio Grande forma o Rio Paran·, que toma a direÁ„o do sul, recebendo ·gua de outros rios atÈ chegar no Rio da Prata, entre a Argentina e o Uruguai, onde joga suas ·guas no Oceano Atl‚ntico.

e s t e

a

t

È

e

n

c o

n

t

r a

r

o

R i o

P

a

r a

n

a

Ì b

a

e s t e a t È e n c o n t r a r

Portanto as ·guas dos cÛrregos dos Bagres (HÈlio Palermo), Cubat„o (Av. Alonso y Alonso), Espraiado e Coqueiros, que cortam Franca e se unem na saÌda da cida- de , v„o ser despejadas no Oceano Atl‚ntico, depois de atravessar v·rios estados e PaÌses.

depois de atravessar v·rios estados e Pa Ìses. Atividade - A linha azul de minha cidade

Atividade

- A linha azul de minha cidade : VocÍ j· parou pra

prestar atenÁ„o naqueles cursos dí·gua que acompanham algumas a- venidas da cidade de Franca?

Agora chegou a hora de vocÍ os conhecer!! Para isso, pinte no mapa que ser· entregue pela professora, os seguintes cursos dí·gua: CÛrrego dos Ba- gres, Queda do Cubat„o e CÛrrego do Espraiado.

21
21
Brincando de RepÛrter: Numa folha de papel, anote o que voc Í pode observar sobre

Brincando de RepÛrter: Numa folha de papel, anote o que vocÍ pode observar sobre como o meio ambiente È tratado na sua ca- sa e no seu bairro. Veja se h· lixo jogado em lugar errado, se h· vazamentos na sua casa, se os seus familiares e amigos desper- diÁam ·gua. Se houver algum curso dí·gua por perto de seu lar, anote se h· mata ciliar ao seu redor e se alguÈm anda despejan- do esgoto ou lixo nele .

8. A ·gua na Escola

despejan- do esgoto ou lixo nele . 8. A ·gua na Escola M „os ‡ obra!!

M„os ‡ obra!! Agora que j· sabemos de onde vem a ·gua que bebemos na cidade de Franca, vamos fazer um mapeamento de como a ·gua est· distribuÌda na escola. Primeiro, levan- taremos onde fica a caixa dí·gua e depois contaremos o n˙mero de tor- neiras e descargas. Depois disso, que tal analisarmos a qualidade da ·gua que bebemos e como ela tem sido cuidada na nossa escola? Para isso, vamos verificar se h· algum va- zamento em algum cano ou torneira, se a a caixa dí·gua tem sido limpa regular- mente e se h· algum desperdÌcio na hora da preparaÁ„o da merenda, nos banhei- ros e nas tarefas de limpeza.

da merenda, nos banhei- ros e nas tarefas de limpeza. Fonte Figura: http://www.aguasdoamazonas.com.br/img/

aguavoce/caixa0.gif

FA«A EM CASA! Repita a tarefa que fizemos na escola em sua casa. Assim vocÍ
FA«A EM CASA!
Repita a tarefa que
fizemos na escola em
sua casa. Assim vocÍ
poder· saber como a
·gua est· sendo cui-
dada e poder ajudar
nessa tarefa mundial
de preservaÁ„o ambi-
ental.
22

9. £gua e Sa˙de

VocÍ j· parou para pensar que a ·gua est· diretamente relacionada com a sua sa˙de? Isto porque ela È o elemento vital para o ho- mem, pois rega os nossos alimentos, nos ser- ve para matar a sede e usamos para cozi- nhar, limpar e para realizar a higiene pessoal.

O ambiente em que vivemos precisa estar em equilÌbrio para que a ·gua que nos abastece seja de qualidade. O saneamento b·sico tem o papel de cuidar do abastecimento de ·gua e da disposiÁ„o de esgotos, bem como do lixo para que as cidades n„o se tornem aglomera- dos de sujeiras e doenÁas.

n „o se tornem aglomera- dos de sujeiras e doen Áas. V ·rias doenÁas perigosas s„o

V·rias doenÁas perigosas s„o transmitidas pela ·gua, como mostra o quadro abai- xo:

transmitidas pela ·gua, como mostra o quadro abai- xo: Fonte: Aprendendo coma Natureza - Fundacentro, 2001

Fonte: Aprendendo coma Natureza - Fundacentro, 2001 p. 51.

Fonte: Aprendendo coma Natureza - Fundacentro, 2001 p. 51. Atividade - Brincando de Detetive? Pergunte para

Atividade

- Brincando de Detetive? Pergunte para as pessoas

de sua comunidade se j· houve algum caso de uma destas doenÁas e anote as respostas. Oriente ‡queles que relataram estarem doentes a procurar um posto de sa˙de para tratar o mais rapidamente da enfermi- dade.

Para que vocÍ n„o contraia nenhuma destas doenÁas, È preciso estar sempre a- tento ‡ qualidade da ·gua que consome, devendo esta ser pot·vel. AlÈm do que È preciso praticar alguns h·bitos de higiene como:

23
23
Fonte: Aprendendo com a natureza
Fonte: Aprendendo com a natureza

1. Lavar as m„os antes das refeiÁıes e apÛs utilizar o banheiro;

2. N„o jogar lixo nos cursos dí·gua

3. N„o jogar lanÁar esgoto nos rios, cÛrregos e lago;

4. N„o despejar Ûleo de cozinha na pia da cozinha;

5. Lavar bem as frutas, verduras e legumes antes de os ingerir.

6. Filtrar, ferver ou clorar a ·gua antes de beber.

7. N„o construir fossas prÛximas a poÁos dí·gua.

10. A luta da ·gua

fossas prÛximas a poÁos d í ·gua. 10. A luta da ·gua A ·gua È um

A ·gua È um bem muito precioso para as

cidades, as ind˙strias, as plantaÁıes e pa-

ra a vida. AtÈ o oxigÍnio que respiramos

precisa da ·gua. Nada menos do que 70%

do oxigÍnio da terra vem de microscÛpicas

algas que habitam rios, lagos e oceanos.

A aÁ„o do homem sobre a natureza acaba alterando o ciclo natural da ·gua, pois o desmatamento provoca a impermeabiliza- Á„o do solo, o que diminui a infiltraÁ„o da ·gua e o represamento da ·gua dos rios

provoca o desequilÌbrio da vida aqu·tica. AlÈm disso, os grandes nÌveis de poluiÁ„o atingem os reservatÛrios de ·gua locali- zados na superfÌcie, matando rios e lagos.

Fonte: Almanaque da £guaó Sabesp, 2006 p. 36

A natureza funciona como um Bumerangue, pois todo mal que fazemos a ela com a intenÁ„o de tirarmos proveitos individuais volta para gente.

24
24
Contamina Á„o de ·gua subterr‚nea com agrotÛxicos Represamento de £gua Desmatamento Como a ·gua È

ContaminaÁ„o de ·gua subterr‚nea com agrotÛxicos

Contamina Á„o de ·gua subterr‚nea com agrotÛxicos Represamento de £gua Desmatamento Como a ·gua È poluÌda?

Represamento de £gua

·gua subterr‚nea com agrotÛxicos Represamento de £gua Desmatamento Como a ·gua È poluÌda? Despejo de Esgoto

Desmatamento

Como a ·gua È poluÌda?

de £gua Desmatamento Como a ·gua È poluÌda? Despejo de Esgoto no Rio/Mar Dep Ûsito de
de £gua Desmatamento Como a ·gua È poluÌda? Despejo de Esgoto no Rio/Mar Dep Ûsito de

Despejo de Esgoto no Rio/Mar

Como a ·gua È poluÌda? Despejo de Esgoto no Rio/Mar Dep Ûsito de Lixo SÛlido na

DepÛsito de Lixo SÛlido na £gua

Como conseq¸Íncia do uso incorreto da ·gua, nos ˙ltimos 40 anos, a quantidade de ·gua de qualida- de disponÌvel para cada habitante do mundo caiu mais de 35%, e hoje, cerca de 1,4 bilh„o de pesso- as n„o tÍm acesso a ·gua limpa.

Alguns cientistas dizem que se for mantida a atual ocupaÁ„o desordenada e os atuais nÌveis de polui- Á„o, j· em torno do ano de 2050 n„o haver· mais ·gua suficiente para proporcionar a vida no plane- ta.

Assim, mudar esta situaÁ„o requer, n„o apenas atitudes dos governos, mas que cada ser humano tenha sua participaÁ„o na luta pela preservaÁ„o do mais valioso bem que temos: a ·gua.

pela preserva Á„o do mais valioso bem que temos: a ·gua. Fonte das imagens e texto

Fonte das imagens e texto desta p·gina: £gua: Fonte de Vida, 2005 p.9 e 10.

25
25

11. Vamos salvar a vida! Cuide da ·gua!

11. Vamos salvar a vida! Cuide da ·gua! Cuidado na hora do banho. Ba- nhos demorados
11. Vamos salvar a vida! Cuide da ·gua! Cuidado na hora do banho. Ba- nhos demorados

Cuidado na hora do banho. Ba- nhos demorados desperdiÁam de 95 a 180 litros de ·gua lim- pa. Com um banho de 5 a 15 minutos vocÍ fica limpo e ainda economiza ·gua.

5 a 15 minutos voc Í fica limpo e ainda economiza ·gua. Escovar os dentes com

Escovar os dentes com a torneira aberta significa um gasto de aproxi- madamente 25 litros. Primeiro, escove os den- tes e depois en- cha um copo de ·gua para fazer o enx·g¸e.

Fique de olho nas torneiras. Quando vocÍ deixa u- ma torneira com um filete de ·gua vazando, gasta de 12 a 20 litros de ·gua por minuto. Se deixar pin- gando, s„o 46 litros por dia.

por minuto. Se deixar pin- gando, s „o 46 litros por dia. Verifique se o rel

Verifique se o relÛgio que mede o consumo de ·gua de sua casa est· em perfeito es-

tado. Caso n„o esteja, solicite

a

substituiÁ„o ‡ companhia

de

·gua de sua cidade.

Á„o ‡ companhia de ·gua de sua cidade. Verifique sempre se em sua casa existem torneiras,

Verifique sempre se em sua casa existem torneiras, chuveiros, descar- gas ou mangueiras vazando e provi- dencie logo a solu- Á„o para o vaza- mento, se houver.

o vaza- m e n t o , s e h o u v e r

Nunca jogue lixo em rios, riachos, lagoas ou no mar. Quando for ‡ praia, recolha todo seu lixo. Lembre que a marÈ leva para o mar o que È deixado na areia.

que a mar È leva para o mar o que È deixado na areia. Atividade -

Atividade

- FaÁa parte desta turma!! FaÁa uma pesquisa das

principais causas da poluiÁ„o e desperdÌcio de ·gua no Brasil e em seu municÌpio. Elabore um desenho com um ambiente saud·vel e limpo e outro de uma paisagem degradada.

26
26
Sempre que poss Ìvel, reutilize a ·gua em sua casa. Por exemplo, se voc Í
Sempre que poss Ìvel, reutilize a ·gua em sua casa. Por exemplo, se voc Í
Sempre que poss Ìvel, reutilize a ·gua em sua casa. Por exemplo, se voc Í

Sempre que possÌvel, reutilize a ·gua em sua casa. Por exemplo, se vocÍ tem um aqu·rio, no momento da limpeza guarde a ·gua - que es- tar· enriquecida com nitrogÍnio e fÛsforo - e use para regar as plan- tas.

nitrog Ínio e fÛsforo - e use para regar as plan- tas. Tenha cuidado com a

Tenha cuidado com a descarga. Aperte-a ape- nas o necess·rio para a limpeza do sanit·rio. Se possÌvel, troque o vaso. J· existem vasos sanit·- rios com duas opÁıes de descargas, cada uma com vaz„o de ·gua a- dequada para o tipo de limpeza a ser feita.

Se consumir ·gua mine- ral em sua casa, opte pelos garrafıes. As gar- rafas pequenas, pl·sti- cas e descart·veis, aca- bam poluindo o ambien- te nos lixıes.

N„o deixe a torneira a- berta quando lavar a lou- Áa, pois vocÍ estar· des- perdiÁando mais de 100 litros de ·gua. Ensaboe primeiro os utensÌlios e depois enx·g¸e tudo de uma sÛ vez. SÛ use a m·quina de lavar-louÁas quando houver louÁa su- ficiente para enchÍ-la.

Quando lavar a calÁa- da ou a garagem mo- lhe o ch„o, esfregue e,

ao final, jogue um bal- de d'·gua. Nunca use mangueira aberta o tempo todo pois vocÍ vai desperdiÁar atÈ

300 litros de ·gua.

Se for lavar o carro, deixe a mangueira de lado. Com ela vo- cÍ vai gastar 560 li- tros em 30 minutos. Use um balde sÛ quando realmente preciso e economize pelo menos 500 li- tros de ·gua.

preciso e economize pelo menos 500 li- tros de ·gua. Se voc Í tem plantas em
preciso e economize pelo menos 500 li- tros de ·gua. Se voc Í tem plantas em
preciso e economize pelo menos 500 li- tros de ·gua. Se voc Í tem plantas em

Se vocÍ tem plantas em casa, procure armazenar

·gua da chuva para reg·-las. Regue sempre de ma- nh„ cedo ou no final da arde, evitando que a ·gua evapore com o calor do dia, e use um esguicho tipo "revÛlver" que sÛ libera ·gua quando acionado.

27
27

Fonte imagens e texto do :capÌtulo 12: £gua, gota a gota, 2003 p. 14 a 19

Cantando e Aprendendo! PLANETA £GUA (Guilherme Arantes) £gua que nasce na fonte serena do mundo

Cantando e Aprendendo!

PLANETA £GUA

(Guilherme Arantes)

Cantando e Aprendendo! PLANETA £GUA (Guilherme Arantes) £gua que nasce na fonte serena do mundo E

£gua que nasce na fonte serena do mundo E que abre um profundo grot„o £gua que faz inocente riacho e des·gua na corrente do ribeir„o £guas escuras dos rios que levam a fertilidade ao sert„o £guas que banham aldeias e matam a sede da populaÁ„o £guas que caem das pedras no vÈu das cascatas, ronco de trov„o E depois dormem tranq¸ilas no leito dos lagos, no leito dos lagos £gua dos igarapÈs, onde Iara, a m„e d'·gua È misteriosa canÁ„o £gua que o sol evapora, pro cÈu vai embora, virar nuvens de algod„o

sol evapora, pro cÈu vai embora, virar nuvens de algod„o Gotas de ·gua da chuva, alegre

Gotas de ·gua da chuva, alegre arco-Ìris sobre a plantaÁ„o Gotas de ·gua da chuva, t„o tristes, s„o l·grimas na inundaÁ„o

£guas que movem moinhos s„o as mesmas ·guas que encharcam o ch„o

E
E

sempre voltam humildes pro fundo da terra, pro fundo da terra

Terra, planeta ·gua

Terra, planeta ·gua

Terra, planeta ·gua

£gua que nasce na fonte serena do mundo E que abre um profundo grot„o £gua que faz inocente riacho e des·gua na corrente do ribeir„o £guas escuras dos rios que levam a fertilidade ao sert„o £guas que banham aldeias e matam a sede da populaÁ„o

£guas que banham aldeias e matam a sede da populaÁ„o sempre voltam humildes pro fundo da

sempre voltam humildes pro fundo da terra, pro fundo da terra

£guas que movem moinhos s„o as mesmas ·guas que encharcam o ch„o

E

Terra, planeta ·gua Terra, planeta ·gua

Terra, planeta ·gua

Terra, planeta ·gua

Terra, planeta ·gua

Terra, planeta ·gua

28
28

Bibliografia Consultada



£gua: Fonte de Vida / Secretaria Executiva de CiÍncia, Tecnologia e Meio Ambiente.BelÈm: SECTAM, 2005. 22p.



Almanaque da £gua. Sabesp,/ProtagonistÈs, 2006.



Aprendendo com a natureza/Programa SeguranÁa e Sa˙de do Trabalhador Rural. S„o Paulo: ConvÍnio Fundacentro/Governo do Estado de S„o Paulo, Secretaria de Agricultura e Abastecimento, 2001.



AssociaÁ„o Brasileira de EducaÁ„o AgrÌcola Superior ñ O Caminho das £- guas ñ A&A&A Autores & Agentes & Associados ñ BrasÌlia/DF, 1998



BRAGA, Elisabete et al, Joca descobre o CPRH, 1999, 27p.

Meio Ambiente. 5 ed. Ver. Recife:



Como cuidar da nossa ·gua. 2.a EdiÁ„o. S„o Paulo: BEI ComunicaÁ„o, 2004óColeÁ„o Entenda e Aprenda.



LE O, Ana L˙cia Carneiro, SILVA, L˙cia Maria Alves. Fazendo EducaÁ„o Ambiental, 4™ ed. rev. atual. Recife:CPRH, 1999, 32p.



Prefeitura Municipal de Franca ó Caixas de AprovaÁ„o de Loteamentosó Prof.a. Anal˙cia Bueno dos Reis Giometti



Secretaria de Estado do Meio Ambiente - £gua, gota a gota. S„o Pau-

lo:2003.19p.



TEIXEIRA, TOLEDO, FAIRCHILD e TAIOLI.Decifrando a Terra. S„o Paulo:

Oficina dos Textos, 2001.



TUNDISI, JosÈ Galiza. £gua no sÈculo XXI: enfrentando a escassez. S„o Paulo: RiMa.IIE, 2003. 248p.



Vasconcelos, Regina; Alves Filho, Ailton P mentado. S„o Paulo: FTD, 1999.

Atlas geogr·fico ilustrado e co-

Imagens

As imagens utilizadas que n„o apresentam a referÍncia da fonte foram extraÌdas do arquivo do Clip-art do Windows 2000.

Home Pages

29
29