Você está na página 1de 36

www.embalagemmarca.com.

br
A realidade é a única verdade
E
m seu trabalho neste início de ano, fazemos No dia-a-dia, não obstante
cotidiano, a equipe neste espaço uma profis- os lamentos a que muitos
de E MBALAGEM - são de fé numa tempora- homens de negócios se dão
MARCA tem o privilégio de da de melhora do desem- quando indagados como
manter contato direto com penho da economia. Não vão as coisas, o que temos
uma parte importante da nos fiamos para isso em visto são projeções de cres-
economia do país, aquela promessas governamentais cimento, investimentos em
Wilson Palhares representada pela cadeia de e muito menos em discur- equipamentos de ponta,
embalagem, que vai desde sos de políticos, pois contra novas fábricas e amplia-
a ponta do fornecimento de esses dois males estamos, ções, mais tecnologia e mais
Projeções de matérias-primas e dos trans- como crescente parcela da treinamento e expansões no
crescimento, formadores até os chamados sociedade, calejadamente varejo. É por tudo isso que
end users e o varejo. Isso vacinados. O fato é que, EMBALAGEMMARCA conti-
investimentos em
oferece à equipe da revista com base no palavrório nua acreditando no Brasil e
equipamentos de
uma visão que, sem pre- oficial e nos grandes indi- se esforçando para, ao longo
ponta, novas tensão de ser “científica”, cadores de desempenho no de 2007, ser, como vem
fábricas, mais funciona como uma espécie Brasil, podemos concluir sendo, vista por seus leito-
tecnologia e mais de radar, ou de radiografia, que o país há tempos foi à res como uma ferramenta
treinamento levam do que de fato se passa em matroca. útil ao crescimento da área
a acreditar diversos setores produtivos. Mas já se disse que a rea- de embalagem e do conjun-
num ano melhor É graças a essa visão que, lidade é a única verdade. to do país. Até fevereiro.
nº 89 • janeiro 2007
Diretor de Redação
Wilson Palhares
palhares@embalagemmarca.com.br

10
Reportagem de capa:
Emballage 24 Vidro
Fábrica da AmBev de garrafas
para cerveja repercute entre
Reportagem
redacao@embalagemmarca.com.br
Salão francês da embalagem vidrarias e tubaineiros Flávio Palhares
se afirma como importante flavio@embalagemmarca.com.br
evento mundial e abriga boa

26 Plásticas Guilherme Kamio


quantidade de inovações guma@embalagemmarca.com.br
Predilecta quer revolucionar
mercado de doces de corte Leandro Haberli Silva
com berços termoformados leandro@embalagemmarca.com.br

Departamento de Arte
arte@embalagemmarca.com.br
Carlos Gustavo Curado
José Hiroshi Taniguti

Administração
Eunice Fruet
Marcos Palhares

28 Mercado
Prateleiras de creme de leite
recebem novos formatos de
Departamento Comercial
comercial@embalagemmarca.com.br
Karin Trojan
embalagens, de vários materiais Wagner Ferreira

Circulação e Assinaturas
Marcella de Freitas Monteiro
Raquel V. Pereira
assinaturas@embalagemmarca.com.br
Assinatura anual: R$ 99,00

Público-Alvo
EMBALAGEMMARCA é dirigida a profissionais
que ocupam cargos de direção, gerência
e supervisão em empresas integrantes da
cadeia de embalagem. São profissionais
envolvidos com o desenvolvimento de
embalagens e com poder de decisão colo-
cados principalmente nas indústrias de bens
de consumo, tais como alimentos, bebidas,
cosméticos e medicamentos.

Filiada ao

32 Índice de Anunciantes
Relação das empresas
que veiculam peças
publicitárias nesta edição
Impressão: Congraf Tel.: (11) 5563-3466

EMBALAGEMMARCA é uma publicação


3 Editorial mensal da Bloco de Comunicação Ltda.
A essência da edição do mês, nas palavras do editor Rua Arcílio Martins, 53 • Chácara Santo
Antonio - CEP 04718-040 • São Paulo, SP
5 Espaço Aberto Tel. (11) 5181-6533 • Fax (11) 5182-9463
Opiniões, críticas e sugestões de nossos leitores
Filiada à
6 Display
Lançamentos e novidades – e seus sistemas de embalagens

22 Panorama www.embalagemmarca.com.br
Movimentação no mundo das embalagens e das marcas O conteúdo editorial de EMBALAGEMMARCA é
resguardado por direitos autorais. Não é per-
FOTO CAPA: DIVULGAÇÃO

30 Conversão e Impressão mitida a reprodução de matérias editoriais


Produtos e processos da área gráfica para a produção de rótulos e embalagens publicadas nesta revista sem autorização
da Bloco de Comunicação Ltda. Opiniões
34 Almanaque expressas em matérias assinadas não refle-
tem necessariamente a opinião da revista.
Fatos e curiosidades do mundo das marcas e das embalagens
Linha Castelo

N a reportagem intitulada “Ousadia de líder”, sobre a reforma


visual dos vinagres e agrins da Castelo, veiculada em EMBALA-
GEMMARCA nº 88, faltou a informação de que a criação do concei-
to gráfico para a linha inteira é de autoria da Projeto Integrado.
Christian Klein, Diretor, Projeto Integrado
São Paulo, SP

N. da R.: O nome da Projeto Integrado foi omitido pelas fontes


da reportagem.

Tendências e perspectivas

P
CA.
arabenizo-os pela edição de dezembro de EMBALAGEMMAR-
Peço a gentileza de enviarem arquivo da reportagem de capa
(Tendências e Perspectivas 2007), que gostaria de divulgar para
alguns contatos.
Cyro Galaso, Gerente
Unidade de Refino e Petroquímica, Innova S/A
São Paulo, SP

V ocês estão de parabéns pela edição de dezembro de 2006.


Caio Gudmon, Diretor presidente, BBL Beverages
Piracicaba, SP
Mercado japonês

N a entrevista com a sra. Luciana Pellegrino, diretora da Asso-


ciação Brasileira de Embalagem, sobre o mercado japonês (EMBA-
LAGEMMARCA nº 87, novembro de 2006), vi muitas informações
que têm tudo a ver com projetos que temos como perspectiva para
os próximos anos, principalmente comentários ligados a seguran-
ça alimentar e embalagem de transporte.
Daniel Santana, Especialista de embalagem
Chocolates Garoto
Vila Velha, ES

Edição em espanhol

Q uero felicitá-los pela revista EMBALAGEMMARCA.


Conheci a publicação há cinco meses e entro em seu site a
cada edição para me informar. Sim, para me informar, por-
que realmente posso afirmar que EMBALAGEMMARCA é efe-
tivamente uma revista de informação para os profissionais
do setor. Excelente a reportagem “Tendências e Perspecti-
vas” (edição 89, dezembro de 2006). Tomara tivéssemos na
Argentina uma revista que nos informasse tão seriamente e
nos pudesse oferecer, como vocês fizeram, as tendências e
perspectivas para o ano que vem. Continuem assim!
Ernestina Ordoñez, Engenheira Industrial
Buenos Aires, Argentina
Vidro destaca novidade funcional
Cores de bebidas ganham realce com transparência das garrafas e dos rótulos auto-adesivos
A Globalbev lança o Whoops!,
Amcor White Cap um repositor de nutrientes com
(11) 5585-0723
sucos naturais de frutas. Em
www.amcorwcb.com.br
seis sabores, o produto é enva-
Owens-Illinois sado em garrafa de vidro de 473
(11) 6542-8000
www.oidobrasil.com.br
mililitros, fornecida pela Owens-
Illinois do Brasil, com detalhes
Prakolar em alto relevo e decorada com
(11) 6291-6033
www.prakolar.com.br rótulo auto-adesivo “no-label-
look”da Prakolar. A tampa,
com botão de segurança, é da
Amcor White Cap. O design
gráfico das embalagens foi ela-
borado na própria Globalbev.

Farofa pronta em
stand-up pouch
Baumgarten
(47) 3321-6666 Hikari adota flexível para novo produto
www.baumgarten.com.br
A Hikari optou por acondicionar sua nova Faro-
Cleplax fa Pronta com Carne Seca em uma embalagem
(11) 3904-9727 plástica flexível, do tipo stand-up pouch, produ-
cleplax@uol.com.br
zida pela Tradbor. “A embalagem conta com um
Olveplast sistema de zíper que facilita a abertura e possi-
(11) 4191-8222 bilita o refechamento, mantendo as proprieda-
www.olveplast.com.br
des da farofa inalteradas”, explica Alan Baum-
Onzze Brasil garten, diretor comercial da Tradbor. A estrutura
Comunicação
do stand-up pouch, formada por um filme de
(11) 5051-4320
www.onzze.com.br poliéster laminado com um filme de polietileno
(PE), garante barreira adequada à umidade e à
Set Print
Cara nova na Castelo (11) 2133-0077
gordura. O produto tem vida de prateleira de
www.setprint.com.br seis meses. O design é da TC3 Comunicação.
Frascos de condimentos redesenhados
A Castelo Alimentos reformulou as emba-
lagens do ketchup e da mostarda, que
ganharam pega ergonômica e cores
vibrantes, com rótulos desenhados pela
Onzze Brasil. Para a mostarda, o frasco
de polietileno de baixa densidade (PEBD)
e a tampa de polipropileno (PP) com lacre
de segurança são fornecidos pela Cle-
TC3 Comunicação
plax. Os rótulos auto-adesivos de papel (11) 4332-2111
couché são da Baumgarten. Os frascos www.tc3.com.br
de PP multicamada e as tampas flip-top
Tradbor
do ketchup são fornecidos pela Olveplast. (11) 3739-4909
Os rótulos auto-adesivos de papel couché www.tradbor.com.br
são produzidos pela Setprint.

6 >>> EmbalagemMarca >>> janeiro 2007


Extra Comunicação
(81) 3463-9094
www.extracom.com.br

Rexam
(81) 2119-6500
www.rexam.com.br

Um brinde com cachaça


Pitú recebe o ano novo com lata comemorativa

A tradicional marca de Comunicação, de Recife,


cachaça Pitu, produzida e fornecidas pela Rexam,
em Pernambuco, coloca as latas de alumínio de
no mercado uma edi- 350 mililitros chegam ao
ção comemorativa de mercado com os dizeres
embalagens celebran- “Feliz 2007” e ilustrações
do a chegada de 2007. comemorativas em toda
Desenvolvidas pela Extra a lata.

Ovo líquido em longa-vida


Produto da Fleischmann é embalado pela SIG Combibloc
A AB Brasil, empresa do produzidas pela SIG Com-
grupo britânico Associated bibloc, com design da Dil
British Foods (ABF), que Brands. As cinco camadas
detém a marca Fleischmann, de revestimento, aliadas ao
Dil Brands apresenta ao mercado de processo de pasteurização,
(11) 4191-9711
www.dilbrands.com panificação e confeitaria proporcionam maior proteção
os Ovos Pasteurizados e durabilidade ao produto. O
SIG Combibloc Fleischeggs. A nova linha lançamento é produzido pela
(11) 2107-6744
www.sig.biz/brasil de produtos, composta Sohovos – empresa nacional
por Ovos Inteiros, Gemas e pioneira na fabricação de
Claras, está disponível em ovos processados – que foi
embalagens cartonadas adquirida pela AB Brasil.
FOTOS: DIVULGAÇÃO

8 >>> EmbalagemMarca >>> janeiro 2007


Edição: Flávio Palhares

Transparente como o cristal


Cânula da válvula de perfume desaparece quando acionada
Aproveitando o charme dos cris- da Espanha, fica transparente
tais, a L´acqua di Fiori lança o quando a válvula é acionada
Lavezzo
(11) 3392-2555 perfume Exception. A fragrância, pela primeira vez, e é pratica-
www.lavezzo.com.br criada pela perfumista francesa mente imperceptível aos olhos.
Sophie Labbé, tem na emba- A L’acqua di Fiori será a primeira
MeadWestvaco
Calmar lagem um pingente Swarovski, empresa nacional a usar essa tec-
(11) 3874-7933 marca austríaca mundialmente nologia. O frasco de 50 mililitros,
www.calmar.com
reconhecida pelos cristais de alta feito na França pela Pochet, tem a
Pochet qualidade. Outra inovação que decoração feita em applied cera-
(11) 4432-1350 diferencia o produto é a utilização mic label (ACL). O cartucho na cor
UV Pack da cânula (pescante da válvula) rosa é produzido pela Lavezzo,
(11) 3838-1855 invisível, tecnologia patenteada com brilho realçado pela lamina-
www.uvpackacaba- pela MeadWestvaco Cal- ção holográfica da UV Pack e
mentos.com.br
mar. A cânula, importada impressão em hot-stamping.

FOTOS: DIVULGAÇÃO

CÂNULA TRANSPARENTE:
tecnologia da MeadWestvaco
Calmar faz com que pescante
(foto acima) desapareça quando
a válvula é acionada (à direita)

Auto-adesivo para vinho


Vinícola gaúcha investe
em novas embalagens

Os produtos da Vinícola
Guaravera, de Flores da
Cunha, na Serra Gaú-
cha, estão de cara nova.
Designo Design Os vinhos da marca
(43) 3341-9809
Gazzi (nome da família
Gráfica Rami proprietária da viníco-
(11) 4587-1100 la) chegam ao mercado
www.ramiprint.com.br
em garrafas de vidro
Saint-Gobain fornecidas pela Saint-
(51) 3598-1422 Gobain, com rótulos
www.sgembalagens.com.br
de papel auto-adesivo
impressos pela Gráfica
Rami. O projeto visual é
da Designo Design, de
Londrina (PR).
Vontade, qualidade
e internacionalidade

10 >>> EmbalagemMarca >>> janeiro 2007


Desejo francês por uma cadeira cativa na avant-garde da embalagem
estimula a realização de uma feira movimentada e cosmopolita
Por Guilherme Kamio, de Paris

O
s perfumes, os vinhos e a alta costura, da Emballage 2006 foram estrangeiros. “Houve
não sem mérito, tendem a eclipsar a um salto de mais de 3% nesse quesito em relação
vocação da França para as feiras de à versão prévia, de 2004”, informa Juana Moreno,
negócios. Paris abriga, cabe lembrar, diretora-geral da Emballage. “É um sinal da interna-
um dos mais antigos salões de embalagem do cionalização da exposição.”
mundo. A Emballage surgiu em 1947 em meio a Num aspecto também favorável à consolidação
diversas outras mostras industriais, tidas então como da Emballage como meca da cadeia do packaging,
um meio de acelerar a recolocação da economia pela segunda vez o simpósio Pack.Vision integrou o
francesa nos trilhos após o interregno da Segunda show. Nele, palestras e mesas debatedoras abordam
Guerra. Sessenta anos depois, a exibição mantém um tendências em embalagem e em hábitos de consumo
objetivo estratégico, mas num outro contexto. O país (o mote do congresso em 2006, o papel das embala-
de Chirac e de Zidane quer se afirmar na vanguarda gens frente às alterações dos canais de distribuição,
do acondicionamento de produtos, embora já tenha será discutido numa edição futura). Outro destaque,
inquestionável savoir-faire na área e seja o terceiro que estreou em 2006 com elogios de todos, foi o
maior exportador de embalagens do planeta. Dentro Espace Tendances. Consistia numa coleção de vitri-
desse espírito, e do cenário da globalização (ou mon- nes com as principais inovações dos expositores,
dialisation, em bom francês), cravar um lugar no agrupadas de acordo com cinco critérios: “de custo
calendário de eventos importantes sobre embalagem mais efetivo”, “mais convenientes”, “mais diferen-
tornou-se uma prioridade para a França. tes”, “mais eco-cidadãs” e “mais seguras”. Algumas
Muito em função dessa espécie de ambição gau- dessas soluções expostas são mostradas nas páginas
lesa à imagem de mulher de César, em que não basta a seguir, que condensam o que de inovadir a reporta-
ser influente, mas também parecer influente – ao gem de EMBALAGEMMARCA captou no salão.
que conta muito, por exemplo, abrigar uma expo- Quanto aos negócios gerados na feira, os orga-
sição que seja considerada imprescindível para o nizadores prometem divulgar em breve um balanço
setor, como fazem os Estados Unidos e a Alemanha oficial, baseado numa alentada pesquisa com os
–, a 37ª edição da Emballage, ocorrida de 20 a 24 expositores. Dá para antecipar que esse relatório não
de novembro último no parque de exposições Nord fará o Brasil espocar champanhe. Conforme definia
Villepinte, em Paris, ganhou qualidade. um informativo da feira, o Brasil ainda é um “merca-
Um ponto considerado positivo por boa parte dos do distante” para a França. O país só se fez represen-
profissionais presentes ao evento, inclusive brasilei- tar no evento por uma caravana de transformadores
ros que já o conheciam de outros carnavais, foi seu plásticos, no estande do programa Export Plastic, e
caráter mais cosmopolita. Segundo alguns relatos, por executivos que visitaram a feira mais para “cap-
em edições antigas a Emballage passava a sensação tar tendências” do que para vender ou tentar costurar
de feira ensimesmada na França, sendo pouco com- parcerias. A julgar pelo barulho feito na exposição
pensadora para forasteiros. O perfil mudou (o que por comitivas e estandes de pares emergentes, como
fica evidente até pelo atual slogan da feira, no inglês a Turquia e a China, vale a pena refletir se o Brasil
World Packaging Exhibition). Contra qualquer remi- não está perdendo grandes oportunidades ou, até,
niscência, a organizadora Exposium faz questão de subestimando o potencial francês – como aliás já o
divulgar que 38,4% do total de 108 054 visitantes fez, com amargas conseqüências, no futebol.
FOTOS: DIVULGAÇÃO

AJUNTAMENTO
Espace Tendances
(à esq.) e simpósio
Pack.Vision (à dir.)
contribuíram para
movimentar
a Emballage janeiro 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 11
evento >>> emballage 2006

Uma a mais na briga


Mistura de bisnaga e garrafa quer conquistar bebidas

M
isto de bisnaga e garrafa para bebi- embalagem suporta envase asséptico.
das, o Cyclero surgiu na edição de Tanto a base, em polipropileno inje-
2005 da feira alemã Interpack como tado, quanto o gargalo, moldado por
uma proposta futurística e enge- compressão, podem incorporar barrei-
nhosa, à maneira dos carros-conceito exibidos ras a gases e à migração de aromas.
em salões automotivos. Mas se os automóveis No caso do gargalo, é aplicada a tec-
geralmente ficam na promessa e não ganham nologia Bacomex, que consiste numa
linhas de montagem, aquela embalagem-concei- construção multicamadas, com EVOH,
to, criada pela finlandesa Huhtamaki, foi refina- criada pela Aisapack para prover bar-
da pela suíça Aisapack, ganhou o nome Aisacan reira às terminações (ombros) dos tubos

FOTOS: DIVULGAÇÃO
e quer se difundir entre as mais diversas bebidas de creme dental. Numa diferença em
– como sucos, águas minerais, leites, isotônicos relação ao Cyclero, o corpo laminado
e até líquidos levemente carbonatados. da Aisacan pode ter o filme de alumínio
Basicamente um laminado de alta barreira substituído por polipropileno.
com gargalo, tampa e base de plástico rígido De modo a estimular a adoção da
acoplados, a solução híbrida pode ser retampada novidade por indústrias de bebidas, a
após aberta e propicia às indústrias usuárias o Aisapack informa ser capaz de ofere-
que a Aisapack define como “produtividade cer operações em regime de turnkey,
racional e higiênica”. Uma formadora de tubos assumindo o gerenciamento de todos
laminados SAESA, da Aisa (empresa irmã da os insumos envolvidos na produção da
Aisapack), é capaz de produzir até 4 800 unida- Aisacan. “Já estabelecemos, por exem-
des da embalagem por hora, num processo de plo, parcerias com formadoras de opi-
três etapas – formação e corte do corpo a partir nião na área de tampas, como a Bericap,
da bobina do laminado, selagem do gargalo a Portola e a BelCap, para oferecermos
por ar quente e energia de alta aos clientes diversas opções de fechamento FLEXIBILIDADE –
freqüência e, por fim, selagem da Aisacan”, explica Jonathan Shaw, gerente Adicionando-se uma base
de desenvolvimento de negócios da Aisapack. rígida, bisnaga ganha
da base (veja gráfico). Forma-
jeito de “garrafa flexível”
da, em volumes que podem Além de tampas convencionais de rosca, podem (veja esquema abaixo)
variar de 80 a 500 mililitros, ser acopladas à Aisacan sport caps do tipo push-
a Aisacan pode ser manipu- pull (como as de águas minerais), flip-tops,
lada em linhas convencio- tampas push on e até películas com aba.
nais de enchimento de gar-
Aisapack
rafas de PET, pelo gargalo +41 (24) 482-0600
com anel-padrão. Detalhe: a www.aisapack.com

Híbrido com sangue azul


Especialmente para produ- balsâmico. De acordo com a
tos com apelo de nobreza, Aisapack, a própria embalagem
a Aisapack oferece uma assume o papel “rótulo de luxo”
variante da Aisacan denomi- para tais produtos, podendo ser
nada Inspiration. Disponível impressa em sistemas como
inicialmente nos volumes de off-set UV, flexografia UV, seri-
187, 250 e 375 mililitros, a grafia rotativa UV e rotogravura
embalagem mira os mercados UV, combinados com hot ou
Inspiration: de vinhos, destilados alcoóli- cold stamping, gravações em
proposta luxuosa cos, azeite de oliva e vinagre relevo e até holografia.

12 >>> EmbalagemMarca >>> janeiro 2007


evento >>> emballage 2006
even

Saúde visível
Acoplados às embalagens,
TTIs monitoram e atestam
a qualidade dos alimentos

C
ada embalagem de alimento fresco
com seu selo de qualidade inteli-
gente, um pequeno certificado ISO
dinâmico que denuncia as condi-
ções sanitárias e organolépticas (textura, sabor,
consistência) do produto. É essa a proposta das
chamadas time-temperature integrators, ou TTIs,
etiquetas ativas que monitoram a distribuição de
perecíveis dependentes da refrigeração, sinalizan-
do se tudo correu ou não dentro das temperaturas
ideais. Algumas das primeiras versões comerciais
desses dispositivos foram efusivamente divulga- CICLO – Etiqueta OnVu e de itens lácteos. São etiquetas calibradas para
das na Emballage 2006. clareia progressivamente trabalhar com uma vida-de-prateleira de cinco a
junto com a diminuição
Projetado pela empresa suíço-israelense de da validade do produto. seis dias sob 5ºC. “Estamos desenvolvendo uma
engenharia de alimentos FreshPoint em parceria Temperaturas impróprias nova geração, para produtos com vida útil de
com a Ciba Specialty Chemicals, o OnVu (cor- aceleram o processo mais de uma semana, como carnes processadas
(escala de baixo)
ruptela do inglês on view, ou “à mostra”, numa e certos matinais”, informa Hermann Angerer,
tradução livre para o português) é uma etiqueta chefe da divisão Coating Effects da Ciba.
auto-adesiva cujo mecanismo inteligente tem a
forma de uma maçã estilizada. Impressa com Dose homeopática
pigmentos reativos da Ciba, a maçã é ativada Outro TTI destacado na Emballage 2006 segue o
mediante a exposição à luz ultravioleta – através Cryolog preceito da homeopatia de que uma dose mínima
de uma lâmpada UV instalada junto à rotulado- + 33 (1) 4124-2500 do que faz mal pode fazer bem. Explica-se. Base-
www.cryolog.com
ra, por exemplo. O núcleo da maçã, a princípio adas na microbiologia, as etiquetas auto-adesivas
incolor, adquire coloração escura. Esse núcleo OnVu Traceo, da francesa Cryolog, possuem comparti-
www.onvu.com
vai “desbotando” ao longo do tempo, ficando mentos estanques com “habitats” propícios para
mais claro que as bordas da maçã quando expira a proliferação de microorganismos similares aos
a validade do produto. A exposição da etiqueta que costumam atacar os alimentos nos quais são
a temperaturas mais altas que a ideal para a acopladas. Se as etiquetas, inicialmente transpa-
conservação do alimento acelera o processo de rentes, estiverem opacas, é sinal de que o conteú-
clareamento. Segundo a Ciba, o OnVu também BARRAÇÃO – Traceo do da embalagem está impróprio para consumo.
impede a leitura de
pode ser impresso diretamente nas embalagens. Além de julgar, as etiquetas executam: ao se
códigos de barras
As primeiras versões do OnVu miram os se o produto estiver tornarem opacas, elas impedem a leitura do códi-
mercados de carnes, aves e pescados in natura estragado go de barras e, conseqüentemente, a venda do
produto. “Etiquetas de validade dinâmica, como
a Traceo, ajudam indústrias a aperfeiçoar sua
logística, monitoram a qualidade da exposição no
varejo e fortalecem a reputação de marcas peran-
te o consumidor”, resume Illan Zemmour, geren-
te de marketing da Cryolog. A empresa também
oferece um TTI mais simples, com o excêntrico
nome (eO). É uma etiqueta auto-adesiva que
muda de cor em duas fases, especialmente volta-
da a sanduíches e refeições prontas.

14 >>> EmbalagemMarca >>> janeiro 2007


Não à fotofobia
Garrafa monocamada com bloqueio à
luz abre mais uma trilha para o PET

A
visita à Emballage 2006 rendeu o contato in loco
com um avanço tecnológico que pode impul-
sionar a garrafa de PET em searas de bebidas
cujas propriedades são afetadas em contato com
a luz – casos de leites, iogurtes líquidos e sucos. Patenteada
pela Tergal Industries, única produtora de resina PET para
embalagens da França, a tecnologia LacPET (Light Active
Compound PET) resulta na produção, através de moldagem
por injeção e sopro com estiramento (ISBM), de garrafas
monocamada de PET com barreira a raios ultravioleta.
Por trás da inovação está a adição de um complexo, forma-
do por dióxido de titânio e outros agentes químicos, à resina
convencional. Foram necessários três anos de pesquisas para
se chegar à composição ideal do aditivo. É possível ajustar o
nível de bloqueio aos raios UV (quanto maior a barreira, mais
opaca a embalagem), de modo a se ter garrafas adaptadas a
qualquer foto-sensibilidade. De início, a LacPET mira as bebi-
das lácteas, mas a Tergal ventila a possibilidade de a tecnologia
se estender a sopas, cosméticos, medicamentos e óleos comes-
tíveis – neste último caso, podendo funcionar como réplica aos
produtores de latas, que afirmam que os óleos em PET con-
têm conservantes deletérios para combater a fotodegradação.
As garrafas LacPET acoplam tampas que dispensam o uso
de selos no bocal, não exigem alterações em máquina ou do
ferramental das garrafas de PET comuns e são recicláveis. A
primeira usuária da LacPET é a espanhola Leche Pascual: gar-
rafas de leites e de iogurtes líquidos, com shelf life de noventa
dias, foram lançados como opções às versões em caixinha. Syl-
vain Hourquebie, gerente da divisão LacPET da Tergal, disse a
EMBALAGEMMARCA que o Brasil “é um dos alvos prioritários
da LacPET na América do Sul.” A Tergal não tem braço para a
região, mas tem intimidade com a indústria local de embalagens
de PET. “Estudamos diferentes meios de implantar a LacPET
no Brasil, e alguns projetos poderão surgir num futuro breve.”
Tergal Industries: +33 (3) 2364-4451 • www.tergal-fibres.com

PROTETOR
Aditivo impede
fotodegradação
de bebidas
como leites

janeiro 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 15


evento >>> emballage 2006
even

DERME – Água exibida


na Emballage possuía
Muletas ajudam
cinta termoencolhível
com toque de couro
Bolsas plásticas ganham maior
apelo vendedor com “saias”
Colocar uma “saia” em bolsas plásti-
cas, de modo a maximizar o potencial
de essas embalagens ficarem em pé.
Desenvolvido há dois anos pelos japone-
ses da Plast Corporation, esse conceito
foi apresentado ao mercado europeu
na Emballage 2006, como vedete do
estande da suíça Altech-Plast, subsidi-
ária da companhia nipônica. O sistema
Edge Stand baseia-se no alongamento
dos painéis laterais das embalagens
flexíveis, dando-lhes maior sustentação
na base. Tudo é feito a partir de um
sistema de dobra e colagem a quente.
Em sistemas form-fill-seal, horizontais
ou verticais, embalagens já com a saia
são originadas a partir de uma única
bobina. O sistema é especialmente indi-
cado para bolsas de quatro soldas, que,
segundo a Altech-Plast, ficam com a
Tato é mais um apelo capacidade de ficar em pé maximizada e
tornam-se mais atraentes que os stand-
Sleever lança rótulos termoencolhíveis com texturas up pouches clássicos (doy packs), de
base oval. Também é possível adquirir
Referência em decoração ros utilizados em artigos de embalagens pré-formadas com as saias,
de embalagens com filmes luxo. Os rótulos Skinsleever para enchimento em sistemas rotativos.
plásticos termoencolhí- são encolhidos por luz
Altech-Plast EXTENSÃO – Exemplo de
veis, a francesa Sleever infravermelha e aplicados +41 (41) 726-4330 bolsa quatro soldas com
International lançou na às embalagens na máquina www.altech-plast.ch prolongamento na base
Emballage 2006 uma linha Powersleeve Evolution 3,
que explora a idéia de que sob cadências de 300 a
rótulos são as peles dos 900 recipientes por minuto.
produtos. Os rótulos podem Dois produtos de luxo com
apresentar acabamentos os novos rótulos foram exi-
que emulam a aparência e bidos na Emballage 2006:
o toque de couros como os edições limitadas dos fras-
de lagartos, cobras e aves- cos do conhaque XO, da
truzes, em grande diversi- Cognac de Luze, e da água
dade de cores. A novidade mineral Icelandic, cuja gar-
é resultado de uma nova rafa de PET é adornada
geração de filmes baseados com um “colete” Skinsleever
em elastômeros. Eles supor- e um laço – este último de
tam a aplicação de efeitos couro verdadeiro. Além das
de relevo ou de padrões bebidas finas, cosméticos
tridimensionais, e podem e perfumes são os alvos da
ser impressos em até nove solução.
FOTOS: DIVULGAÇÃO

cores num processo especial


Sleever International
de heliogravura, ficando bas- No Brasil: (11) 5641-3356
tante parecidos com os cou- www.sleever.com

16 >>> EmbalagemMarca >>> janeiro 2007


Piscinas em vez de colchões
Alvéolos nas embalagens formam uma solução
alternativa aos absorventes em bandejas de carnes
Uma série de vantagens mais atraente, uma vez
é brandida pela CGL Pack que o líquido exsudado é
a favor da Absorpack, escamoteado pela embala-
sua nova linha de bande- gem”, diz Myriam Bozzetto,
jas termoformadas para da área de marketing da
o acondicionamento de CGL Pack. Segundo ela, os
carnes, aves e pescados alvéolos têm funcionalidade
in natura. As bases das equivalente à dos absor-
novas embalagens são ventes, podendo reter 1,2
repletas de pequenos alvé- litro por metro quadrado.
olos que retêm os líquidos A Absorpack pode ser
dos alimentos frescos, construída em poliestire-
dispensando o emprego de no, polipropileno, PET e
almofadas absorventes. até em ácido polilactídeo
“Eliminando o acessório a (PLA, bioresina derivada do
indústria usuária economi- milho).

FOTOS: DIVULGAÇÃO
DIQUES – Espaços
za, se torna mais ambien- para deposição dos
CGL Pack
talmente correta e apre- +33 (04) 5027-3450 líquidos já vem
senta o produto de modo www.cglpack.com construído na Absorpack

janeiro 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 17


evento >>> emballage 2006
even

Ampolas, mas não para fármacos Bolsa mais copo


Cosméticos e bebidas são alvos da Flackpull
para sprays
As embalagens Flackpull to de canudos. Disponível Cosméticos podem se valer
chamaram a atenção na nos volumes de 10, 15 e 30 de embalagem combinada
Emballage. Patenteadas pela mililitros, e nas versões inco- Especialista em alternativas airless
empresa francesa homôni- lor e âmbar, os flaconetes (sem gases propelentes) para o
ma, consistem de ampolas suportam envase asséptico, acondicionamento de cosméticos
de vidro adaptadas para o para o acondicionamento de dispensados na forma de spray, a
acondicionamento de doses produtos sem conservantes francesa Lablabo apresentou na
únicas de bebidas, especial- (as embalagens rodam em Emballage o EasyFoil, um modelo
mente energéticos e suple- linhas de envase de medi- de bolsa cilíndrica envolvida por um
mentos vitamínicos, ou cos- camentos com mínimas copo de plástico rígido. O filme da
méticos. O fechamento dos alterações), e podem ser bolsa é composto de uma camada
tubos de vidro é feito por impressos em serigrafia de externa de PET e de uma camada
selos de alumínio com abas, alta qualidade. interna de polipropileno ou de polie-
TUBO – Flackpull
que proporcionam fácil aber- Flackpull ensaia estréia tileno, que envolvem uma camada
tura e permitem acoplamen- www.flackpull.com em bebidas central de alumínio com espessu-
ra de 12 micra. O exoesqueleto
é de polipropileno. As principais
vantagens da solução, segundo a
Lablabo, são as barreiras a gases
e luz propiciadas pelo alumínio, a
versatilidade do conjunto, que pode,
entre outras funções, dispensar
produtos de cabeça para baixo, e a
facilidade de enchimento da bolsa,
capaz de ser feita
por gravidade, sem
Aparência clonada equipamentos
especiais. O novo
Baldes com rótulos metalizados brilham no evento frasco EasyFoil
é disponibiliza-
Sinal de como os fabrican- de baldes Paintainer. As
do nas linhas
tes de baldes plásticos embalagens agora podem
Sillage (de 15 a
encaram com apetite o incorporar rótulos in-mold
40 mililitros) e
mercado de tintas imobi- (aplicados às embalagens
Select (de 20 a
liárias, a dinamarquesa no interior do molde, duran-
100 mililitros) e
Superfos, que brande a te a transformação) metali-
em breve será
liderança no fornecimento zados de largas dimensões,
apresentado em
de embalagens plásticas simulando o acabamento
formatos de até
injetadas na Europa, desta- das latas. “A indústria usu-
250 mililitros.
cou na feira francesa uma ária ganha um recipiente
nova gama da sua linha com decoração tão boa Lablabo
quanto a litográfica com +33 (0)4 5095-2090
as vantagens de leveza www.lablabo.com

e praticidade do plás-
tico”, resume Martin
CÁPSULA
Malmros, vice-presiden- EasyFoil
te de vendas e marke- combina
bolsa com
ting da Superfos.
corpo rígido
Superfos
SIMULACRO – Rótulo metalizado emula lata www.superfos.com

20 >>> EmbalagemMarca >>> janeiro 2007


Com apreensão, oportunidade Pré-formas:
polêmica
em Manaus
Segurança aérea mais rigorosa inspira ação de marketing
Alerta para ameaças terroristas, luz passageiros, como cortesia, saqui-
para campanha de branding. Com nhos – todos devidamente impressos
recente endurecimento da segurança com a estampa Hefty OneZip, marca
nos vôos internacionais, tornando da Pactiv no ramo de envoltórios
obrigatório o transporte de produtos para uso doméstico. Pegou bem.
de cuidado pessoal em sacos plásti- Após fazer sucesso em novembro, a
cos, quando na bagagem de mão, a iniciativa foi estendida para o período
gigante em embalagens Pactiv teve de Festas de fim de ano. Mais 1,2
uma bela sacada. A empresa fechou milhão de saquinhos foram doados
acordos com os principais aeropor- para a ação, a pedido dos aeropor-
tos americanos para oferecer aos tos e do público.

Coação ou
boa intenção?
Compra obrigatória de
PET nacional tabelado é
Saquinhos: questionada no Norte
mídia nos
aeroportos e Impetrado pela Engepack, tramita
nos aviões
no Superior Tribunal de Justiça
um mandado de segurança con-
tra o Processo Produtivo Básico
(PPB), fruto de uma Portaria Inter-
FOTOS: DIVULGAÇÃO

ministerial (15/2006) que obriga


fabricantes de embalagens de
PET instalados na Zona Franca de
Manaus a comprar 50% da maté-
ria-prima para a produção de pré-

Melhor atendimento ao Tio Sam formas de empresas nacionais. O


PPB ainda tabela os preços das
Com novo certificado, CIV quer ampliar exportações resinas. Obrigada a seguir o PPB,
Mais vendas para o exigente merca- expectativa da CIV é que as exporta- a Engepack alega que em apenas
do americano. É isso o que a per- ções aumentem em 50% já em 2007, um mês teve prejuízo de 227 000
nambucana Companhia Industrial de não só para os Estados Unidos, mas dólares em sua unidade amazô-
Vidro (CIV) pretende após conquistar também para países que não exigem nica, ao comprar, no mercado
o certificado Drug Master File (DMF) o certificado. “Há indústrias america- interno, resina PET cuja tonelada
da Food and Drug Administration nas nesses mercados”, lembra José estava cerca de 150 dólares mais
(FDA) para toda a produção de Albino Pimentel, gerente de exporta- cara do que no mercado externo.
A Engepack entende que a porta-
embalagens da linha farmacêutica. A ção da linha de embalagens da CIV.
ria fere a livre concorrência e viola
um artigo da Lei de Prevenção e
CIV: frascos com Repressão às Infrações contra a
passaporte
Ordem Econômica. Por sua vez, o
Ministério da Ciência e Tecnologia
vê como normais contrapartidas
para a concessão de benefícios
fiscais. O STJ promete deliberar
sobre o caso em breve.

22 >>> EmbalagemMarca >>> janeiro 2007


vidro >>> bebidas carbonatadas

Mais um alarido
Tubaineiros e vidrarias vêem verticalização produtiva da AmBev com ressalvas

N
os últimos meses poucas notícias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas
repercutiram tanto no mercado de (Abir), elaborou comunicado à imprensa mani-
bebidas quanto o anúncio da AmBev festando preocupação com a possibilidade de
de que pretende inaugurar uma fábri- mudança de formato do vasilhame retornável de
ca própria de garrafas de vidro já neste ano. Com 600 mililitros, que a indústria cervejeira compar-
capacidade instalada de 450 milhões de garrafas, tilha a contragosto com pequenos fabricantes de
a nova unidade deverá suprir 57% da demanda refrigerante no Brasil.
de embalagens de vidro para cerveja da empresa, “Tememos que a AmBev substitua o modelo
estimada em 176 000 toneladas por ano. Além de atual por outro, com exclusividade para seus pro-
vasilhames retornáveis de 600 mililitros, a unida- dutos”, diz Fernando Rodrigues de Bairros, pre-
de, em construção em Campo Grande (RJ), com sidente da Afrebras. Por meio de sua assessoria
previsão de entrada em operação no terceiro tri- de comunicação, a AmBev negou tal intenção,
mestre, fabricará garrafas long neck, processando afirmando que a garrafa que pretende fabricar é
em três linhas de embalagem cerca de 100 000 exatamente a de cerveja retornável que está no
toneladas de vidro por ano. Aproximadamente mercado, aquela com a palavra “cerveja” ladeada
160 milhões de reais serão investidos na nova por duas espigas de cevada em alto relevo.
planta, que contará com fornos da alemã Horn
Glass Industries, uma das maiores do setor, que Uso exclusivo
classifica o fornecimento à AmBev como um A capacidade total dessa embalagem é na ver-
de seus principais projetos em 2007. dade de 635 mililitros, pois a garrafa precisa
Divulgada em novembro último, a ver- ter um espaço, a chamada câmara de expan-
ticalização parcial de embalagens da maior são, para a possível expansão do conteúdo
indústria de bebidas do Brasil já era esperada devido a mudanças de temperatura. Até a pri-
pelas vidrarias tradicionais, que vêm bus- meira metade da década de 1990, a capacida-
cando fortalecer suas estratégias em outros de total das garrafas retornáveis de cerveja era
segmentos da indústria de acondicionamen- de 660 mililitros no Brasil. Como a diferença
to, numa forma de se preparar para a futura entre o conteúdo obrigatório e a capacidade
diminuição de pedidos oriundos da AmBev. era muito grande, as cervejarias acabavam
Entre os mercados na mira de fabricantes colocando nas garrafas mais bebida do que os
como a Owens-Illinois do Brasil, uma das 600 mililitros determinados por lei, para que a
maiores fornecedoras de garrafas de vidro câmara de expansão não ficasse muito ampla,
para a AmBev, estão os de alimentos e des- dando ao consumidor a impressão de que
tilados. “Mas também vemos com otimismo teriam ocorrido vazamentos ou de que estaria
a volta do vidro ao mercado de refrigeran- sendo lesado. A nova garrafa foi criada em
tes”, ressalta Rildo Lima, diretor de vendas agosto de 1994 pelo Sindicato Nacional da
e marketing da divisão Glass Container da Indústria da Cerveja (Sindicerv) para comba-
Owens-Illinois do Brasil, informando que a ter o uso dessas embalagens pelos fabricantes
participação do material no mix de emba- regionais de refrigerante. À época o prazo
lagens dos refrigerantes da Coca-Cola deve previsto para substituição das garrafas anti-
subir dos atuais 15% para 30%. gas pelas novas era de aproximadamente dez
Aliás, a verticalização da AmBev também anos. Quase treze anos depois os vasilhames
causou reações na Associação dos Fabricantes de 660 mililitros ainda podem ser vistos no
de Refrigerantes do Brasil (Afrebras). Logo mercado. Nos cálculos da Afrebras, eles acon-
após o anúncio da fábrica de Campo Grande, a dicionam cerca de 10% da produção nacional
A CONTRAGOSTO
entidade, que não tem entre seus sócios a AmBev, Cervejeiros compartilham de refrigerantes regionais. A outra parte do bolo
esta filiada à Associação Brasileira das Indústrias garrafas com tubaineiros é dominada pelas garrafas de PET. (LH)

24 >>> EmbalagemMarca >>> janeiro 2007


plásticas >>> sobremesas

Fichas na termoformada
Pioneira em flow-pack para goiabada, Predilecta agora aposta em berço a vácuo

D
isputas entre diferentes materiais
de embalagem não constituem
grande novidade no mercado de
doces de corte, como são chama-
das sobremesas tradicionais na culinária bra-
sileira, a exemplo de goiabada, marmelada e
marrom-glacê. Num setor que já foi domi-
nado pelas latas de aço, o avanço de potes
plásticos e de filmes flexíveis se notabilizou
nos últimos anos. Agora o embate promete
se diversificar um pouco mais com contri- TECNOLOGIA
ALEMÃ
buição de investimento importante feito pela Bandeja de PE
Predilecta, um dos principais fabricantes termo-resistente
do segmento, com capacidade de processa- selada com BOPP
mento de 35 000 toneladas de goiaba por zida ainda quente na linha de embalagem.
ano. Atuando com flow-packs há mais de Em seguida a máquina faz o fechamento do
dez anos, numa estratégia que restringiu o berço plástico utilizando o filme de BOPP.
uso das latas de aço ao mercado externo, a O conjunto faz lembrar as bandejas termo-
empresa acaba de anunciar a compra, por formadas que vêm sendo usadas no mercado
aproximadamente 500 000 euros, de um de massas frescas. Toda a tecnologia foi
equipamento automático de embalagem que desenvolvida na Alemanha, mas a Predilecta
já estreou em sua linha de goiabada, poden- prefere não divulgar o nome do fornecedor,
do em breve ser usado no restante do mix de limitando-se a informar que a máquina foi
doces de corte e doces cremosos. trazida da Espanha, país de origem do repre-
A nova embalagem consiste de uma ban- sentante que intermediou o negócio.
deja plástica termoformada feita de polietile- “Além do risco zero de contaminação,
no (PE) termorresistente, e lacrada com um essa embalagem oferece ao consumidor faci-
selo de polipropileno biorientado (BOPP). lidade de consumo muito maior que a das
Além de sistema de fechamento, este último latas de aço e dos filmes flexíveis”, compara
acessório funciona como rótulo, dispondo o diretor de marketing da empresa. A facili-
ao consumidor todas as informações do dade de consumo advém de um sistema de
produto. “O processo produtivo é totalmente fácil abertura (“orelhinha”) incorporado ao
automatizado, minimizando riscos de conta- lacre. Ademais, mesmo após a abertura, o
minação”, destaca Rogério Byczyk, diretor selo de BOPP se mantém íntegro, permitindo
de marketing da Predilecta, lembrando que refechamento para consumo posterior. Outra
boa parte do mercado de goiabada é infor- alegada vantagem das novas embalagens é
mal, com predomínio de sistemas manuais econômica. Segundo Byczyk, o custo dos
de embalagem que “nem sempre primam berços termoformados fechados com selos
pela assepsia”. de BOPP é semelhante ao das flow-packs,
e menor que o dos potes de polipropileno
Tecnologia alemã (PP). “Com relação às cartonadas assépticas,
O corpo da nova embalagem é formado que também chegaram a ser usadas no mer-
aquecendo-se um filme de PE especialmente cado brasileiro de doces de corte, a maior
desenvolvido para essa aplicação. A partir vantagem dessa nova tecnologia de embala-
da bobina, o equipamento molda a bandeja gem é a transparência”, conclui o diretor de
a vácuo, após a goiabada ter sido introdu- marketing da Predilecta. (LH)

26 >>> EmbalagemMarca >>> janeiro 2007


mercado >>> laticínios

A guerra dos cremes


Caixinha avança em mercado que já foi monopólio da lata

O
agitado mercado de laticínios se NOVIDADES
movimenta com lançamentos e Piracanjuba e Batavo
têm diferentes
renovação de embalagens de vários opções de caixinhas
fabricantes de creme de leite. Recen-
tes lançamentos na área mostram o avanço das
cartonadas assépticas onde até alguns anos atrás
o domínio das latas de aço era amplo e irrestrito.
As caixinhas ganham mercado principalmente
com a opção de formatos diferenciados ofereci-
dos pela Tetra Pak e em lançamentos de novas
marcas. Mas as latas resistem bravamente no
portfólio de alguns fabricantes.
Atuando há muito tempo no segmento de
queijos e leites em Goiás, o Laticínios Bela Vista
entra nesse segmento ao lançar no mercado sua
linha de creme de leite Piracanjuba, em emba-
lagens longa vida. O produto é acondicionado
em caixinhas Tetra Brik Aseptic de 200 gramas,
para consumo familiar, e em Tetra Classic de 65
gramas, para uso individual, ambas fornecidas
pela Tetra Pak. O design das embalagens é da
Kanaã Marketing, de Goiânia.

Aposta no formato
A Batávia, com a marca Batavo, é outra que TRADIÇÃO – Lata de aço
traz novidades em creme de leite, também em continua no portfolio da
Nestlé, junto com Tetra Pak
cartonadas assépticas. A marca é a primeira
no Brasil a utilizar a caixinha Tetra Wedge,
de 200 gramas – mesma dos sucos Kapo, da
Coca-Cola – com layout desenvolvido pela
Komatsu Design. “A Batávia tem se destacado
pela diversificação de seu portfólio, que inclui
propostas diferenciadas. A nova embalagem é
muito econômica, pois seu formato possibilita
maior controle de dosagem”, ressalta Regina
Boschini, gerente de marketing da Batávia.
A gigante Nestlé também modernizou o
design gráfico das embalagens do seu creme de
leite, e além das caixinhas Tetra Brik Aseptic
mantém a tradicional lata de aço, presente no
mercado brasileiro há mais de oitenta anos.
A embalagem é produzida na própria Nestlé,
FOTOS: DIVULGAÇÃO

com chapas fornecidas pela CSN e rótulos da


Brasilgrafica. “Percebemos que o creme de
leite Nestlé tinha que se diferenciar dos demais
pela sua tradição, estava tudo igual dentro

28 >>> EmbalagemMarca >>> janeiro 2007


da categoria”, afirma Marta Cardoso, diretora
de criação da Pande, agência de design da
multinacional suíça. Na nova embalagem da
Nestlé foram incluídas outras frutas além do
tradicional morango, que já virou padrão da
categoria. O logotipo do creme de leite também
foi modernizado.

Maior visibilidade
Nesse movimentado mercado, mais uma que
renova as embalagens da linha de culinários lác-
teos, incluindo os cremes de leite, é a Parmalat.
Com a nova comunicação visual, criada pela ALTERNATIVAS
a10 Design, as embalagens procuram aumentar Parmalat tem

FOTOS: DIVULGAÇÃO
a visibilidade da marca na categoria: além da várias opções em
caixinha, mas
versão com o morango, as caixinhas também
mantém a lata de aço
estampam pratos salgados. “A categoria de
culinários lácteos vem evoluindo nos últimos
anos, e a Parmalat tem sido precursora em ofe-
recer novas opções em produtos e embalagens”,
explica Othniel Rodrigues Lopes, diretor supe-
rintendente de operações da Parmalat. Pioneira
em acondicionar creme de leite em embalagens
cartonadas, a Parmalat oferece três diferentes
opções ao consumidor: Creme de Leite Tradi-
cional, Creme de Leite para Chantilly e Creme
a10 Design Kanaã Marketing Pande Design Solutions
de Leite Light, em caixinhas de 200 gramas, (11) 3845-3503 (62) 3274-4463 (11) 3849-9099
250 gramas e 1 quilo, além da lata de aço www.a10.com.br www.kanaamarketing.com.br www.pande.com.br
com 290 gramas, produzida internamente na
Brasilgráfica Komatsu Design Tetra Pak
empresa. (11) 4133-7777 (11) 5561-7702 (11) 5501-3342
Na batalha pelo mercado de cremes de leite, www.brasilgrafica.com.br www.komatsudesign.com.br www.tetrapak.com.br
os fabricantes – de laticínios e de embalagens
CSN
– prometem novidades já no primeiro semestre (11) 3049-7162
deste ano. (FP) www.csn.com.br

janeiro 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 29


Dobradinha no Rio Wittmann ataca no mercado de IML
Pelo segundo ano consecutivo a Hei-
delberg recebeu das empresas gráfi-
Com operação no Brasil, fabricante austríaca anunciou
cas fluminenses o prêmio Werner Klatt
aquisição da francesa Regad, e passa a atuar com rotulagem
de Melhor Fornecedor de Equipamen- O processo de rotulagem
MOLDES – Empresa vai oferecer
tos de Impressão. O concurso é rea- de embalagens plásti- ferramentas de ciclo-rápido para
lizado pelo Sindicato das Indústrias cas no momento de sua a indústria do plástico
Gráficas do Rio de Janeiro (Sigraf), e
injeção ou de seu sopro
teve seus vencedores de 2006 anun-
no molde, fixando-se um
ciados em dezembro. Nesta edição
filme impresso na parte
foram inscritas 213 peças, resultado
interna da cavidade, está
40% superior ao de 2005.
em alta no mundo todo
Lauréis... e também atrai cada vez
A RR Etiquetas anunciou a conquis- mais olhares no Brasil.
ta do Prêmio Qualidade Flexo, pro- Conhecida como in-mold
movido pela Abflexo FTA Brasil, na labelling (IML), a tecno-
categoria “Cartões e Cartolinas”. O logia tem crescido em
trabalho escolhido foi a amostra Tag
mercados como o de
impresso, desenvolvida para divulga-
sorvetes e margarinas,
ção do evento Skol Beats 2005.
onde rótulos fundidos

FOTOS: DIVULGAÇÃO
flexográficos... às paredes plásticas
A ALTEC também foi reconhecida das embalagens fruem
pela entidade, amealhando menção a vantagem de resistir à
honrosa na categoria “Periféricos e cadeia refrigerada. Com
Regad, que atua na fabricação de
Auxiliares Flexo, Substratos e Ade- o aumento gradual da
sivos”, por fornecer equipamentos moldes para injeção, e desde 1988
demanda, a indústria de embala-
de automação, inspeção e controle produz ferramentas de ciclo-rápido
gem se movimenta para explorar as
de processos voltados à garantia da para a indústria do plástico. “O
novas oportunidades representadas
qualidade dos trabalhos impressos mercado como um todo só tem a
pelo IML. O caso mais recente é o
em flexografia. se beneficiar com essa união de
da austríaca Wittmann, fabricante
forças”, resumiu o departamento
Fidelizando de periféricos para a indústria de
de comunicação da Wittmann.
A Suzano Papel e Celulose iniciou injeção de plásticos. Com opera-
Wittmann
no final do ano uma série de visitas ção no Brasil, a empresa anunciou
(19) 3234-9464
a convertedores e agências de cria- no final de 2006 sua entrada na
www.wittmann.com.br
ção de São Paulo. O programa visa área de IML ao adquirir a francesa
fidelizar e estreitar o relacionamento
com os end-users de seus produ- O maior prêmio gráfico latino-americano
tos nos segmentos promocional e de
embalagem. Fernando Pini 2006 destaca variados projetos de embalagem
No final de novembro aconteceu a dos fornecedores, houve catorze ven-
Pós-graduação cerimônia de entrega da 16ª edição cedores, além de três prêmios Grand
A Associação Brasileira Técnica de do Prêmio Fernando Pini, considerado Prix – Atributo Técnico do Processo.
Celulose e Papel (ABTCP), em parceria o principal da indústria gráfica latino- No site de EMBALAGEMMARCA é possível
com a Universidade Federal de Viçosa
americana. Promovido pela Associação conferir a lista de vencedores.
(UFV), abriu inscrições para o curso
Brasileira de Tecnologia Gráfica PROFUSÃO – Em sua 16a edição,
de Pós-Graduação em Tecnologia de
(ABTG) e pela Associação Brasileira concurso recebeu 1522 inscrições
Celulose e Papel, em Curitiba (PR).
O curso começa no dia 23 de março
da Indústria Gráfica (Abigraf), o con-
e tem duração de dezoito meses. curso destacou diferentes projetos de
As inscrições vão até 16 de feverei- embalagem. A edição deste ano teve
ro. Informações: (41) 3333-9675 ou 1522 peças inscritas, de 166 empresas,
www.abtcp.org.br. provenientes de catorze Estados bra-
sileiros. Foram distribuídos 74 troféus,
em 57 categorias de produto. No lado

30 >>> EmbalagemMarca >>> janeiro 2007


Edição: Leandro Haberli

Não muito acima da média do PIB


Indústria gráfica cresceu 2,7% de janeiro a outubro de 2006
A Associação Brasileira da Indústria nas do mercado editorial. Para 2007,
Gráfica (Abigraf) divulgou o balanço o setor prevê crescimento entre 4%
do setor em 2006. Num ano de Copa e 5%, com contribuição da área de
do Mundo de Futebol e embalagens, cuja deman-
Setor está
eleições presidenciais, da deve ser beneficiada
a produção gráfica teve confiante em pela elevação da renda
praticamente o mesmo e pela queda da taxa de
índice de elevação do PIB aumento da juros. O setor é formado
brasileiro. Nos dois pri- por mais de 19 000 empre-
demanda de
meiros meses de 2006, sas, a maioria (90,5%)
o setor encolheu, mas se embalagem micro e pequenas, que
recuperou ao longo do respondem por 5% das
ano. De janeiro a outubro o cresci- vendas e 38,6% dos empregos da
mento foi de 2,7%. A expectativa é indústria gráfica nacional.
que a receita de vendas tenha sido
de 16,3 bilhões de reais, contra 15,8
bilhões de reais em 2005. Segundo
a Abigraf, no ano passado o setor
representou 3,71% do total do PIB
da indústria de transformação nacio-
nal, e 0,8% do PIB brasileiro. Rótulos FOTOS: DIVULGAÇÃO

e embalagens constituem o segundo


segmento mais importante para a
indústria gráfica nacional, atrás ape-

Sobre segurança na indústria gráfica


Trabalho do SESI-SP avaliou 63 empresas para evitar acidentes
O SESI-SP lançou o quinto volume com sugestões de correção para a
de uma série de manuais que pre- prevenção de acidentes e doenças
tende atender diversos ramos da ocupacionais, e pode ser solicitado
indústria com orientações relativas pelo telefone (11) 3834-0664, ou no
a prevenção de acidentes e doen- e-mail: sst@sesisp.org.br.
ças relacionadas ao trabalho. A
edição é voltada ao setor gráfico,
com o título Manual de Segurança
e Saúde no Trabalho – Indústria
Gráfica. O trabalho é dirigido a
empresários, gráficos e profis-
sionais de recursos humanos,
segurança e saúde no trabalho.
O setor emprega no país quase
250 000 trabalhadores, em mais
de 19 000 empresas. O manual
foi feito a partir de um estudo de
campo que avaliou 63 empresas
do setor no Estado de São Paulo.
O material retrata os riscos mais
comuns enfrentados pelos tra-
balhadores da indústria gráfica,
Anunciante Página Telefone Site
43 SA Gráfica 17 (47) 3862-1117 www.43sagrafica.com.br
CIV 2ª capa (11) 2172-7400 www.civ.com.br
Colacril 3 (44) 3518-3500 www.colacril.com.br
Congraf 18-19 (11) 5563-3466 www.congraf.com.br
C-Pack 3ª capa (48) 3381-2600 www.c-pack.com.br
Duplik 29 (19) 3542-6667 www.duplik.com.br
ESPM 27 (11) 5081-8225 www.espm.br
Frasquim 9 (11) 6412-8261 www.frasquim.com.br
Gumtac 25 (21) 2450-9707 www.gumtac.com.br
inLab Design 8 (11) 3088-4232 www.inlabdesign.com.br
Limer-Cart 5 (19) 3404-3900 www.limer-cart.com.br
Maddza 31 (35) 3722-4545 www.maddza.com
Moltec 9 (11) 5523-4011 www.moltec.com.br
Neoplástica 4ª capa (41) 3671-3000 www.neoamerica.com
Novelprint 9 (11) 3768-4111 www.novelprint.com.br
Polo Films 13 (11) 3707-8270 www.polofilms.com.br
Poly-Vac 23 (11) 5693-9988 www.poly-vac.com.br
Propack 9 (11) 4785-3700 www.propack.com.br
SetPrint 31 (11) 2133-0007 www.setprint.com.br
Simbios-Pack 8 (11) 5687-1781 www.simbios-pack.com.br
SPL Dessecantes 31 (11) 3472-1430 www.spldessecantes.com.br
STM 31 (11) 6191-6344 www.stm.ind.br
Studio AG 15 (11) 5581-5974 www.studioag.com.br
Technopack 15 (51) 3470-6889 www.technopack.com.br
Tetra Pak 7 (11) 5501-3262 www.tetrapak.com.br
Wheaton 21 (11) 4355-1800 www.wheatonbrasil.com.br

32 >>> EmbalagemMarca >>> janeiro 2007


A Colacril tem vários pontos de identidade com Embala-
gemMarca, e é por isso que anuncia regularmente em suas
páginas. Já ao ser lançada, com a proposta logo concreti-
zada de colaborar para o avanço do setor brasileiro de em-
balagem e o aprimoramento da qualidade de seus produtos
e serviços, a revista colocou-se em sintonia com a Colacril.
Caracterizada por ações editoriais e comerciais inéditas no
Brasil, ao longo do tempo a publicação mais e mais foi se
identificando com nossa empresa, que tem igualmente no
pioneirismo e nos investimentos tecnológicos desbravado-
res no país um de seus principais traços. Tão importante
quanto isso tudo, EmbalagemMarca se destaca na cober-
tura dos assuntos relativos ao segmento de auto-adesivos,
para o qual a Colacril direciona seus produtos. Em suma, a
revista fala, em linguagem clara e apropriada, com o públi-
co que queremos atingir.

Valdir Arjona Gaspar, Presidente

É LIDA PORQUE É BOA. É BOA PORQUE É LIDA.


(44) 3518-3500
www.colacril.com.br www.embalagemmarca.com.br • (11) 5181-6533
Almanaque
Marca polêmica não é nova
A marca H2OH! da AmBev, lançada os envasadores de minerais chamam
no Brasil em parceria com a Pepsi e depreciativamente de “água Denorex”,
que tem motivado protestos dos engar- numa referência a um antigo xampu
rafadores de água mineral pedindo a anticaspa que, nos comerciais de rádio,
retirada do produto do mercado, é bem era apresentado como um produto que
mais antiga do que algumas pessoas “parece remédio, mas não é”.
talvez imaginem. Já no final da década
de 1980 a marca fazia sucesso nos

ARQUIVO NOVA EMBALAGEM


Estados Unidos, onde era vendida pela
Pepsi como água – comum, fornecida
pela rede pública e altamente filtrada.
No Brasil, é vendida com adição de
essência de fruta e gás carbônico, o que
a enquadra como refrigerante. É o que

Uma história Discussão


de baralho superada sobre
pioneirismo
Quando se pensa em jogos de bara-
lho no Brasil imediatamente vem
à lembrança a marca Copag, da
fábrica de mesmo nome. A empre- Na curta porém dinâmica história
sa foi fundada pelo gráfico Albino dos auto-adesivos no Brasil, uma
Gonçalves em 1908, em São Paulo. das muitas primazias que se dis-
Nos primeiros anos atuou como cute é qual empresa – a americana
DIVULGAÇÃO

importadora de cartas. Somente Aver y Dennison ou a alemã Jac


em 1918 passou a produzir seu – teria montado no país a primeira

O monge que próprio baralho, sendo pioneira na


fabricação de cartas para jogos no
fábrica de bases para impressão
desses rótulos que revoluciona-
virou garrafa Brasil. Hoje, a Copag tem amplas ram o varejo. Embora a Aver y
(Fasson) afirme
Um dos licores mais famosos do instalações no complexo industrial
de Manaus (AM) e é uma das princi- ter inaugurado
mundo surgiu há cerca de 300 sua unidade
anos na região de Piemonte, no pais fornecedoras dos maiores cas-
sinos de Las Vegas. As duas letras produtiva em
norte da Itália, produzido por 1976, anúncio
monges cristãos que dominavam a finais da marca são mera coincidên-
cia com as iniciais do nome do fun- veiculado pela
arte de fazer uma saborosa bebida Jac no ano
a partir de avelãs silvestres. A dador da empresa. Na verdade, ela é
um acrônimo formado por letras ini- seguinte em
marca se originaria do nome do jornais brasi-
suposto inventor, um monge ere- ciais da razão social de Companhia
Paulista de Artes Gráficas. leiros alarde-
mita chamado Francisco Angelico. ava a entrada
Apesar da lenda, a bebida só pas- em marcha
sou a ser comercializada em 1978 da “primei-
e é conhecida por sua inconfun- ra fábrica
dível garrafa de vidro âmbar que nacional produ-
ARQUIVO: CARLOS CAPRARA

imita o hábito de um monge fran- zindo completa linha de papéis e


ciscano com uma corda amarrada películas auto-adesivas”. A sutileza
na cintura, em várias versões: 50, estava na palavra “completa”, pois
350, 375, 700 e 750 mililitros, 1 a concorrente produziria apenas
litro e 1,75 litro. O rótulo imita um dos dois componentes, for-
um pergaminho antigo com refe- mando a base com a importação
rências á história da bebida, toda do outro. É uma discussão supe-
ela produzida com os rigores rada: em maio de 2002 a Jac foi
DIVULGAÇÃO

“kosher”, ou seja, aprovada pela comprada em âmbito global pela


lei judaica. Aver y Dennison.

34 >>> EmbalagemMarca >>> janeiro 2007