Você está na página 1de 7

ASPECTOS DA CULTURA BRASILEIRA

Do ponto de vista técnico, os mercados estão repletos de profissionais bem formados, que sabem resolver de forma competente os conceitos das áreas nas quais atuam. Esse desenvolvimento técnico é essencial. Você só terá receptividade no mercado se conhecer, e muito bem, as nuances da profissão que escolheu e abraçou. Por outro lado, o nível cultural com o qual você fomentará a formação acadêmica e pessoal é um grande diferencial que você levará por toda a vida. Conviver e trabalhar com pessoas cultas enriquece tanto do ponto de vista pessoal quanto profissional. Quão maior for a bagagem cultural que você formar, mais embasado e criativo você poderá ficar. Pensando nisso, nossa última aula abordará alguns aspectos da Cultura Brasileira. Vamos conversar sobre o assunto? Brasil: o país da diversidade musical A Música Popular Brasileira é admirada em todas as partes do mundo. Bossa Nova, forró, samba, Tropicalismo, maracatu, Jovem Guarda, chorinho, entre outros estilos e movimentos fizeram do Brasil um dos mais expressivos celeiros musicais. Da Europa à África, da Oceania às Américas, sem esquecer os apaixonados japoneses, a Música Popular Brasileira consegue ser ouvida e admirada em todo o mundo. A MPB surgiu, assim como nossa formação humana, das três matrizes culturais do país: dos índios, africanos e europeus, com maior intensidade para os dois últimos. Até meados do século XIX, as influências musicais que chegavam ao Brasil eram introduzidas pelos colonizadores portugueses, com predominância para a música erudita, as modinhas, valsas, polcas e tangos. Um momento histórico do nascimento da MPB aconteceu na virada do século XIX para o XX, quando os negros africanos, recém libertos da escravidão, passaram a frequentar socialmente as grandes cidades e difundir seus ideais e raízes culturais. Aliado a esse fato, surgiu uma incipiente classe média, com negociantes, caixeiros viajantes e essa nova burguesia ansiava por uma manifestação genuinamente nacional.

" . uma diva da Era do Rádio. Uma característica técnica era preponderante entre os grandes cantores do rádio até a década de 1950. A genialidade do cantor e violonista baiano foi selada quando criou um novo estilo musical que reinventou o ritmo sincopado da percussão do samba de uma maneira. A partir da década de 1930. o primeiro samba gravado no Brasil. e Nora Ney. como Carmem Miranda. Francisco Alves. aconteceu a “Era de Ouro do Rádio”. Meses depois. surgiram os grandes cantores e cantoras do rádio. o disco intitulado “Canção do Amor Demais” foi arranjado pelo baiano João Gilberto. João Gilberto é um perfeccionista. Um baiano de Juazeiro iria mudar esse padrão e transformar a música brasileira. João Gilberto Prado Pereira de Oliveira lançaria um disco compacto (pequeno disco de vinil que. Cantar bem no Brasil daquela época era sinônimo de possuir um “vozeirão”. O veículo de comunicação mais popular do Brasil foi também o maior propagador da música do país. Chega de Saudade e Bim Bom eram as duas músicas do compacto. marcada por uma singularidade no jeito de cantar. Uma frase de João Gilberto ficou famosa e sintetiza de alguma forma a sua obra musical: “Não se pode machucar o silêncio. que é sagrado. Um gênio cria a Bossa Nova No Rio de Janeiro. da mesma forma que “Pelo Telefone”. Segundo Caetano Veloso. Todos possuíam uma voz potente. a música brasileira deve ser dividida em duas fases: antes e depois de João Gilberto. quase falado. simples e sofisticada. por um músico chamado Donga. O disco possuía músicas da dupla de compositores que haviam acabado de se unir: Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim e Vinícius de Moraes. continha apenas duas músicas) que é considerado o marco definitivo da criação da Bossa Nova. Sem sombra de dúvidas. o samba é o gênero brasileiro que mais influenciou a nossa música desde o início do século XX. a gravação de um disco de Elizeth Cardoso. o ritmo caiu “nas graças do povo” por apresentar um teor satírico aos costumes vigentes e criar paródias de canções famosas. Porém.A gravação da marcha “Ô abre alas” de Chiquinha Gonzaga é um dos marcos da formação da MPB. entre outros. Desde o surgimento. o samba já tinha descido o morro e caído nas graças da classe média. em agosto. de origem africana e era considerada uma música para as classes mais pobres. Vicente Celestino. geralmente. moldada por um jeito de cantar completamente inovador para a época. mudaria a música brasileira. ao mesmo tempo. Em maio de 1958. Apesar do temperamento difícil. Dessa época. O nascimento do Samba O samba nasceu de uma manifestação musical chamada “umbigada”.

Xote. xaxado. Entre os principais nomes da Tropicália destacaram-se Tom Zé. Gal Costa. Nomes como Roberto Carlos e seu eterno amigo e parceiro Erasmo Carlos. que teve sua fase mais produtiva na década de 1980. passando a influenciar a música norte-americana. Titãs. como Corcovado. A MPB estava revalorizando antigos sambistas. 2. No interior do Nordeste. Na década seguinte. nasceu a Tropicália. Skank. a poesia concreta e até mesmo as artes plásticas. Ultraje a Rigor. Samba do Avião e a própria Chega de Saudade (o título da canção que simboliza a Bossa Nova é uma referência à ruptura com a música que até então fazia sucesso). também conhecida como Movimento Tropicalista. baião são estilos musicais derivados do forró. a Bossa Nova atravessou as fronteiras e inverteu o processo. Os Mutantes. Maria Bethânia. surgiram novas bandas como Chico Science e Nação Zumbi. As letras das músicas da Bossa Nova também possuíam um diferencial na música brasileira. Celly Campelo e Ronnie Von praticamente fizeram nascer o rock brasileiro. Jota Quest e mundo livre S/A. 3. Wanderléa. o Brasil entrou no regime ditatorial em março de 1964. o forró sempre dominou as tradições. Em plena ascensão da Bossa Nova. Jorge Ben e Gilberto Gil. que provocou uma ruptura com as manifestações artísticas exclusivamente nacionais e incorporou influências de correntes artísticas vanguardistas. Legião Urbana. A Tropicália misturou tudo Durante o final da década de 1960. Outra vertente musical brasileira que merece destaque é o rock nacional.Estava criada a Bossa Nova. . Imagens fotográficas. Que tal aprender um pouco sobre a técnica do Cinema? Cinema é basicamente: 1. Ira!. o “Rei do Baião”. Criando a impressão de movimento. Saíam de cena as letras polêmicas e satíricas ou excessivamente amorosas e melodramáticas e criava-se um estilo no qual se debatiam temas mais leves e sem maiores compromissos. O forró reina durante as festas juninas em todo o Nordeste. Pato Fu. até hoje o gênero musical brasileiro que fez mais sucesso em todo o mundo. Você gosta de dançar um forrozinho? Prefere o tradicional pé de serra ou o eletrônico? O grande ícone desse gênero musical foi Luiz Gonzaga. Projetadas em uma tela. nesse momento político conturbado. Meditação. como Cartola e Nelson Cavaquinho. Caetano Veloso. com o nascimento da Jovem Guarda e do Iê-IêIê. Outrora influenciada pelo jazz. como o rock. Os Paralamas do Sucesso e Capital Inicial foram as principais estrelas do rock dos anos 80. que teve início na década de 1960.

aos seguintes fatores: • Os inventores (como os pensadores formularam as primeiras teorias sobre ótica). O desenvolvimento do cinema deve-se. só conseguiríamos captar uma série de manchas. entre eles os clássicos Aitaré da Praia e A Filha do Advogado. Em cada fotograma.Por se tratar de uma arte baseada em imagens. • E os investidores (produtoras. um poderia viver sem o outro. • Os artistas (roteiristas. . principalmente no som. que chamamos de fotogramas. basicamente. quando o italiano Alfonso Segreto registrou imagens de fortalezas e navios de guerra ancorados no porto da Baía da Guanabara. se compararmos com as demais cadeias produtoras da época. O mais produtivo de todos foi o pernambucano. distribuidores. Recife teve uma intensa produção cinematográfica durante o Ciclo do Recife. a imagem ou o objeto filmado está numa posição ligeiramente diferente da anterior. o de Cataguazes (MG) e o de Porto Alegre. Dificilmente. 24 fotogramas são projetados numa tela. que produziu treze filmes de ficção entre os anos de 1923 a 1931. O filme não pode simplesmente passar em frente às lentes. produzindo a sensação de movimento das imagens. diretores. exibidores). entre os quais se destacaram o Ciclo do Recife. Filme e câmera Um filme é composto por milhares de fotografias. O cinema no Brasil O cinema mudo aportou no Brasil em 19 de junho de 1898. Se fizéssemos assim. o cinema apóia-se tecnicamente em outros elementos. equipe técnica e atores). Segreto chegava ao Brasil vindo da Europa – num barco chamado Brèsil. Surgiram. Todas essas classes dependem de um conjunto de pessoas que se unem para ver os filmes: o público. A principal característica do cinema nacional dos primeiros tempos foi a regionalização da produção. para sua principal característica que é a necessidade de mostrar visualmente todo o contexto dramático da história. houve uma considerável produção de “naturaes” (como os documentários eram chamados à época). as câmeras de cinema executam uma série de movimentos. os ciclos regionais. especialmente na década de 1920. Nossa visão não é capaz de distinguir cada imagem separadamente devido a uma particularidade chamada visão persistente. Além dos filmes de ficção. A cada segundo de imagem. Para conseguir capturar as imagens em velocidade. Só conseguimos ver em movimento contínuo.

em especial a TV. investiram em equipamentos de projeção e som nas salas de cinemas. empresa produtora cinematográfica brasileira que tentava se contrapor aos grandes estúdios de Hollywood. a crise econômica abalou o cinema nacional. no Rio de Janeiro. Aos poucos o cinema brasileiro foi recuperando certo prestígio internacional com a produção de Central do Brasil (1998 – também concorreu ao Oscar de . Em 1949. Como já havia acontecido com os ciclos regionais. Influenciado pelo neo-realismo italiano (pela forma de produção e pelos temas politizados) e pela nouvelle vague francesa (linguagem cinematográfica inovadora). a distribuição foi o grande empecilho para o sucesso da Vera Cruz. de Carla Camuratti e “O Quatrilho” de Fábio Barreto.No que concerne às influências. foi criada a Globo Filmes. pois produziu filmes até 1962. Os filmes das chanchadas serviriam de influência para as películas produzidas a partir da década de 1970 por Renato Aragão e Os Trapalhões. Macunaíma (Joaquim Pedro de Andrade) e Vidas Secas (Nelson Pereira dos Santos) foram os filmes mais representativos do Cinema Novo. de grande conotação política. num curto espaço de quatro anos de atividades. esse último tendo concorrido ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. que fechou as portas após produzir 22 filmes. Glauber Rocha foi o grande protagonista desse movimento cinematográfico. que sofria para conseguir ser exibido no país. Na década de 1980. como Oscarito e Grande Othelo. surge o Cinema Novo. comédias de baixo custo que conseguiram atrair a atenção do público e promover grandes astros no cinema brasileiro. Outra grande empresa cinematográfica dos primeiros tempos do cinema brasileiro foi a Atlântida. As produtoras norte-americanas vendiam os filmes em lotes para conseguir a hegemonia dos mercados mundo afora. quando o então recém-empossado presidente Fernando Collor de Mello extinguiu a Embrafilme (empresa do governo que financiava praticamente toda a produção brasileira). que num curto espaço de tempo conseguiu dar novo impulso à cinematografia nacional apoiada no poder econômico e de divulgação das Organizações Globo. a empresa Cinédia já produzia musicais estrelados por Carmem Miranda. além da verba destinada à publicidade. Em 1997. surgiu a Vera Cruz. de alguma forma. Deus e o Diabo na Terra do Sol e Terra em Transe (Glauber Rocha). que seria contratada para estrelar filmes norte-americanos em 1939. fundada em 1941. Na década de 1930. nas produções hollywoodianas. houve a retomada do cinema nacional quando foram exibidos os filmes “Carlota Joaquina”. A Atlântida é considerada uma das produtoras de cinema de maior sucesso no país. dono da maior cadeia exibidora do Brasil. na década de 1950. Um fator que facilitou o sucesso da Atlântida foi a associação com o empresário Severiano Ribeiro. inclusive o de Recife. O grande sucesso da Atlântida foram os filmes de chanchada. o cinema brasileiro sempre se espelhou. O momento mais crítico aconteceu em março de 1990. Além disso. Somente a partir de 1994.

Algumas emissoras criaram sites e passaram a disponibilizar sua programação na Internet de modo a permitir que o internauta ouvisse a emissora em tempo real ou também acessasse arquivos sonoros disponíveis no site. dando origem a sucessos no jornalismo com o Repórter Esso (1941-1968) e na dramaturgia com algumas radionovelas. A Rádio Nacional passou a criar programas inéditos em parceria com agências de publicidade. com Fernanda Montenegro). na década de 1950.Fernando Meirelles) e Tropa de Elite I e II (2007/2010). primeira emissora de televisão do Brasil. a Rádio Nacional se firma como a maior e mais importante emissora do país. pode ser transmitido “ao vivo”. a estatização. O novo meio levou cerca de 10 anos para se consolidar no país. Graças ao apoio governamental. como o futebol e as notícias policiais. pois o custo do aparelho receptor era alto. Lavoura Arcaica (2001). Rádio Um veículo que existe há mais de 100 anos em terras brasileiras e que permeia o imaginário de todo o nosso povo. a mostrar seu potencial de convergência com a Internet. Roteiro Adaptado. meio no qual é mais fácil se transmitir áudio do que vídeo. na década de 90. limpeza e alimentos) passaram a ter no rádio um aliado para sua entrada no mercado brasileiro. Ele começou. é mais barato que a maioria dos outros meios de comunicação e é de grande alcance social. Quando a televisão se popularizou. Tropa de Elite II bateu o recorde histórico de Dona Flor e seus Dois Maridos ao levar mais de 11 milhões de brasileiros às salas de cinema. Cidade de Deus (2002 – concorreu a quatro Oscars: Melhor Montagem. Novas tecnologias e início da convergência O rádio continua sendo um dos principais meios de comunicação de massa do Brasil. Abril Despedaçado (2001). Mais sessenta anos se passaram e o rádio está mais diversificado e continua forte. da Rádio Nacional do Rio de Janeiro (que havia sido criada por uma empresa em 1936). especialmente entre as classes menos abastadas e em gêneros segmentados. Empresas multinacionais (principalmente dos setores de higiene. . O início da “fase de ouro” do rádio brasileiro é marcado por uma ação governamental. criando um padrão de estética radiofônica. Fotografia e Diretor . apesar da concorrência com a TV e outras mídias. pois tanto as classes mais abastadas quanto os mais pobres o utilizam como um instrumento de comunicação social. foi fundada em 1950. em 1940. funcionários e anunciantes e as primeiras programações e comerciais televisivos eram praticamente um “rádio com imagem”.Melhor Filme Estrangeiro e de Melhor Atriz. profetizaram a morte do rádio. é de fácil manuseio tanto para o ouvinte (receptor) quanto para o emissor. A TV Tupi. O rádio é um veículo de comunicação social único: é capaz de atingir grandes distâncias. Bicho de Sete Cabeças (2000). Os empresários do veículo tiraram do rádio muitos artistas.

A convergência das mídias é um caminho sem volta. ou seja. Hoje em dia.Outros grupos aproveitaram o potencial da Internet para criar rádio web. uma emissora de rádio que existe apenas no espaço virtual e não depende de concessões do governo nem de espaço eletromagnético para uso de frequências no dial. agregando a instantaneidade e grande quantidade de informações da web ao alto padrão de resolução da TV digital. mas vem sofrendo constantes quedas de audiência principalmente devido à massiva popularização da internet. que tem o poder de agregar todas as mídias numa só. a televisão continua sendo o principal meio de comunicação de massa em todo o mundo.0 e a TV Digital em pouco tempo se fundirão. A internet 2. .