Você está na página 1de 10

S;"'I'';.

<;o:

SE,I//OL(JG/A ES/'EClALlZ,IDA C~l'íltllo IV

SElVIIOLOGIA PSIQUIÁTRICA

I'SrCll/;l71?1C

SEM/OLOCI'

Antonio Waldo Zuardi, Sonia Regina Loureiro

Docentes do Dep<1,I<1I1H'I1I0 do NeUloloul<1, P!;iqui<1lri<1 r! f'sfcolo"i:t Ivkdic" d" [':1,'"ld;"I"

d•• M•.dicil1:1do nilJ,,;r;If' P, ••to d:1 Univ(',~id:1'

de de S50 Paulo ConnEsrO"O('K'A: Antonio W<1ldoZuardi - Dcprutruncnlo de! Nell'ologi:1, Psi,!"i<1l,i" e r!"i,:nloC)i;l MetJic<1 dól ['~culcl<1dc de Me diciun de Ribelriio Prelo, C<1l11pUS Unlvcr sltár io ' CEP: 1<1,0-10,900,nill0.i,;io P'0.lo' sr,

___

··0

__

._

••

__

••

-

-_.-

---

-

-

-

-

-

-

ZUARDI AW & LOUREIRO SR.

Semlologln pslquíátrlca.

Medleln;:!. rllbefriio

Prelo, 29: 44,53, [an.zmar. 1996,

RESUMO: O objetivo principal deste artigo é introduzir o estudante de graduação, especialmente de Medicina, na prática da semiologia psiquiátrica, Os autores discutem a entrevista psiquiát: ica corno a maneira essencial de avaliação do paciente pslquiátrico. O artiqo fornece urna visâo geral da história psiquiátrica e das partes componentes do exame do estado mental, incluindo: aparência. fala e pensamento, distúrbios da percepção. afeto e humor. atenção e concentração, memória, orienta-

c
\;

p

e
n

ção. consciência.

inteligência

e julgamento

da realidade,

n
v
01

INTRODUÇÃO
n;j"

t\
l'Illldi~'I)L'S '1"1'
1iL'

iIlICl:lI,':IO

cutr c II l'lllll'\'ist;ldol

e o paciellle, \b<;

re
rn

SL'CllIlSlillli,

l1l'L'L'SS;1I i;1lIIL'IIIL', 1111111;1 tlislonJío de 1."Sel \ ;I\';jll,

s;í
111

Os dados tr ica c
;\(1 F:CIIIlt: C\IIIClltC

Ilt:C~SS;ji

iü:; ;\

llistúria

Clín!";1

Psiqlli;i-

"1I;lllIr;li,"

se l'l11l,ider;lnno<; "1111111 contcx I·III.I\blllL'IIIC' I'1I -,liluiocorre hll'li\'os, -,1.:

do Estado

;j11;1\,(~Sda ;1 in riut: IIC ia

su jellCts
li.ir ou

Mental, <ío ol1lidps, h:lsientrevista pxiqui.itr ica. L'st;lntlll de i mimcrus vari;í ve ix. rL'!;tc iI111:1ao entrevistado

:1 (""ldlll;1 \'íl1l,tlIIlS

1111111:111;1 11L'(lII': Sl"11pll' hlllll;III;I';" 1:.1" L'

ro

L' 1\'I:!';tll'S
I'

n.io

er
ps

1\'-

ill1..1 ,illl:l(,

'!c l'III'L'\ de

iq'IlII;'l,IL

pi

ua~ ;1\1cntrcvistudor,
;lI11hicl1l\' Illl\k

(pacic
CIIIIC
I L':llil.:ulll,

ntc. ek~

fall1ie ;11'

1111111;1 101111;1 1':lIliurl;1I 11'11 1iL- mn c.un]« qllililld"

I1ltll :1(1\1 1'\'1",

lJ""
••

dCII:111-

(b
as gl\ se 1;11

\J11110mforuumtc),

:\ intcrnção

tll'Iilllil:ltlll

"1.'1";

11L'.'(al1ll' l':--1;í sl'ndll

\':II;ICklí"IIL'll'

l'II'IJ1li

IS (1111" ,'o illlL'!!lllllles '1IIL' tle\'l' ,'st;í 11:--:11

l ';lr;lc1crí~lic;ls
CI\'Il\';IS, v;IIII1L's, 11 11 imcnt o tI;1 L'lItle\'isl:1 fcllíinll'11I1S ohsel'\';\do",

d(1 cutrcvistador. L'sl:ltlO

\,1111111 Sl1:IS L'11111Ci'"I:rI 1111 ir nlls

d\'SIL' 1l'!:I\'illll;IIIl!'III<' '-\'IIS ('I '1Iltn'il1 L'l'IHIII

é

111111'1 ld Is,i""1tl, (l 'flll'

SL'II':ihilid;Hk,

\!'II I 11'- p:II:1 \'III(',,,kl tll'\\'I;í ()

;ICOIlIl';1\'OltlO

e I1UII;IS, IHHlL'1I1 illlL'1 kl

l'(l111 I' 1>111111 (' 'fIIL' l'llllJl'Il'L'II,:ill

illll'l:l~1I

li.:
(ll1lnl ti"

é Iormul.ul.t.
gesto.

o

101ll de

1\ [orm.: \'01111111111;1 pn)211l1ta voz uuliz.ulo. 11111 (1111;11, 11111 a
resposta do

L'II111l'sl;1 IllTl'ssiI:IL',

1':1L'l1'111I',IlI'l

l.ulo.

ve!

L'1I1c:\'I;tl, L'Spl'l:1 11l1ll'l ;1tl.vílill dc\'L' cslill1ul;i-lo
li

prlllis"illsobre

ent

poderâo
Y;1l i:íveis dos

orientar
do

paciente.
interferem 1110Ii\':lc;:itl :tjlld;]. 11;1 L'111 es-

nnl.

1I qlll'

;1

l.il.n c

n:lktir iUl

si

lid gUI dn

p;IciL'IlIl', por

Ohll'IH;:iP rL'bl;:io

d.ulo»,

t.unhé m c xc mplo. SU;\
qUL' e IIll1:\

11 Il'SI 11 li , ;lilld;1 IL'l1lJlI' qlll'

que.
int

P;ll'iL'111l' I'siql1i;ill p:\l:'

;10 l11L'SlllO pode

L'sl;í Illllli\,:ttl"

1L'\'l'1:11-'l', Llllll;I lk

ocnl
d:IS

ao e,,(;II11L', Se

o

p:lciellte cxpcrur

proCII1I1II

t.u

Sl'lIli'lIl'lIlns

u no s. PPI

SIl;IS llt:I"t:S;I<;

daI
vai

pnnr.mcnmcutc. prcocupnçüo
m.uor cm z ido CIIIIII.I

podt:-st: COIll seu /\

t cnhn

11111;\ CL'II;)

jl,síqllicl", \,;\1 i;í\'l'is ecln<l" influir

I)L' ljll;t!qlll'l' q\lL' inlluc

1111111:1.;1 illll";Ir,;ltlé

um.:

cxt.ulo
siIU;ll)O

prL'dispo"iç:i1l

uc i.r a llil:--LI \,;1\:,111, I" 11l'xclnplo,;t 1'11-un ip.u ia.

olnbor:».

,tI;1 \'onlade

d.iquc lc que [o i 11':10, sq.!l1r;I1IlL'I\le hrm divl'I,,;I',

til' sl'l1lirl1l'11l11" lI.: sinql;lli:1 1111 Il'SIlI(;ldl' I:" \,\;1111\'

pode

nã:
sell

44

. .História Familiar' '.e: circuustâncias.' t . j a) História Pré-Netsl c) Adolescência. :i I 7.' 6. pnlcura. que lhe permita dirigir a entrevista. : : -)~ .tbuu.Forma do pensamento . pcrmiumlo quc o entrevistado fale o mais livremente possível. 3. é Tabela I .Manutenção .Recente -Imediata Orientação / .u lc de CllllL"lll"ll:illcia entre diferenles entrevist. Exame Físico. Pode-se questionar a pequcna Ilcx rhihdadc desse tipo de entrevista.io: a peqUenil poxxibilul. .Autopslqulca . . pda personalidade l! psicop.ts vezes..uncnt. . Este tipo de cnrrcvista pcrrnit iria um aCl!SSO mais fácil ao muterial inconsciente.i entre diferellles profissionais EIIl razão disxo.J" "l..uolog iu IIl) cntrcvist. 8. Existem diferentes lipos de cntrcvisuis qllc. semi-cstruturadu. a seqüênci.dglll\lil forma.I.. Nas entrevistas ~!!!ilil::i.u l. ':0:.r-: e~ln!lllr.Conteúdo do pensamento' ..· . Apresentação .Equivalentes orgânicos Atenção e Concentração . do amhicutc onde o exume t! conduzido.uvcis elevados de confiabilid.( •.. ':. Oueixa Principal _ • 1\ . das respostas emocionais.Situação da entrevista Linguagem e Pensamento .. Estas entrevistas..TópIcos dos na Anamnese a serem avaliados Psiquiátrica e reglstra- 2.llra vés da nhxcrvuç.s.~ .u ivamcntc. poderia prejudicar a colaboração do paciente. .:.1 qlle ele estimule a comunicação do entrevistado comum mínimo de interferência...izâo ua invesligilÇilo ilssislemática dos sintomas. seguindo algum roteiro.Característica da fala .:\. 1. Antecedentes /Nssclmento.-.• ". m.t~ .:.inos dessi:s e ntrc vixt... longo pilra a obtenção de iuformaçôcs.ulox S.!:-)'~ .l!c-'.Alopslquica . imponunte que o psiquiatra tenha sempre presente uma estrutura de história clínica e exume do estado meutal. o que. A principal v.ldas tem se constituído em irnport.e ·L. a duração. ele. Iuud. 1 .História Médica'e Psiquiátrica. '·.:.História Pessoal:' 'i .v«. ' .u l. a disposição espacial uns participautes e as condições de privacidade.lO prc-tlctct n un. dependendo da entrevista. . I ·:f. '" .uuc mxtrumcnr» para as atividades de pesquisa clínica e estudos cpidemiológicos'. ~~~ . <.:::?~ '. Um roteiro de unamncsc c exame psicológico é apresentado na Tabela I.• .uucntc . Exame Psiquiátrico. Suas principais li111iLlçÕes s. 5. As entrevistas psiqui.~~~:~.ivcis e o prcparo técnico do cntrcvistudor. . Consciéncla Capacidade intelectual Juízo Crítico da Realidade .uu cu: . também interferem com o mesmo. <>: 'to. o tempo imprc vixivcl e. .uln..': .is '. Personalidade Pré-Mórbida.i! se obtém as informaçôcs.ulos quc lhe permiram preencher uma história clínica I! elaborar um exame das funções mentais. poderiam ser aglllpadas em: abertas. ~ . a rUI mil pela qu. t. 10 'c ..' b) Infância .Associação pensamento/afeto .: Lias pugllnLls e os registros dos rcxulr. .Focalização .iuic. 4...Psicomolricidade / .". porque II cnrrc vist.Aparência . muit.ihilidadc .se lipll de entrevista é aumentar a confi.tlmcntc.llIlitgelll dc. ~ . História da Moléstia Atual. Na entrevista aberta. f'lcililandll a coucurdúnci. c u ibor.io da ordem em que os assuntos SJO comunic.J -~. . Assim. em gerid.' . Atetividade e Humor .~ .) IIp:. em r.ulox.ul». -I.io maior ou menor. ..1 é).u ilS pergunras. as cru rcv rxt.ulo. estabelecendo os Iimi le:. SJO Pildronizndus. Vari.Icscrcvcr.1 :~t. de uma maneira bastante ampla. permitindo que o campo da entrevista seja configurado.Capacidade de abstração / Senso-Percepção. •.nl«. obter d. • 'l . Várias entrevistas scmi-csrrutur . das intcrrupçôcs.1 I lc x ihil idade.rs h.I \" :-:_: '.0' .Progressão da tala .. ~ . os Iorrnul. O conhecimento dessas vari. b 45 . cstruturudas c scmi-cstruturudas.•. sem perder a dimensão do !O~!o í\ ser explorado.u.Modulação . l) cntre vixtador não seguc um roteiro rígido e pré-dercrrnin.. por exemplo o local. mesmo que não claramente explicit. As entrevistas scmi-cstrutur adns.ll) de diagnósiicos consistentes. de lal forma que o curso da crurevistu seja por ele dctcrminado '.Tonalidade emocional .' :: ..\. '. 9. em dctcrmiu. tc in um nível de estruturuç.lglI<'>~lic() psiquiátrico.Remota . ua associação entre os meSI1Jl)S. q1le prOcurall) . podem ser conxidcr:«! •. mas permitem sempre um.u r. d) Idade Adulta. . llS lermos empregados.desenvotvimento.r-.i L":1 til Ilcx ibilidude na seqüência c/ou forma de lorruul..•• Antecedentes Antecedentes "1' -".tl .ivci-. contribuem par. d . Geralmente.ulores: a dificuldade pilril fUllllldill\:.ulor.u: .?r. Identificação.u lo».i não padronizadas. liL. ~ .Desatenção seletiva Memória .iriox.'1:(~1ll gl()ss.

) \'a. História da Moléstia Atual: Neste tópico. Loureiro A avaliação psiquiátricu começa untes mesmo do infcio da entrevista.itricu 0\1 o exame do estudo n1l:IIt:11.ica dos xiniom. como evoluiu. o impacto sobre :1 sua viela.~ S.ICllS.nncnto.da entrevista.irio. dos sintomas e a idcntificuçfio dos fatores predispu.l dc psic(l/.nl» 7. Cll Ihcr iuformaçõcx sobre mcdic.. dL' xono.rs e eventos rcInrionndos desde . v.p. Observar o estado . duração c Ilutuuçõcs dos mesmos. deve-se observar a scqüônci» cronológ.. ~_.11a gravidade e o impacto d. conduzindo a entrevista.llllll :IOS .. Quando uecesx. para cobrir todos os aspectos da anarnnese. em ordem cronológ ica. grupo ll'dt'11Ci".uucccdcutcs psiq\li. as Ilnldall\'as recentes de jlL'.. t'" étnico. Antecedentes Psiquiátrica .ílriL'l'S lc vuntar illf(llll1:HJlCS sobre lIS Irat:llllL'11lllS 11Iévi"s.i tpl. as dnl'l1ça.l dllr:I\':ío dl'S 1I1eSIlHIS. de qUC1l! Ioi a iniciativa de buscar ajuda c COI1l que objetivo.I\\les sobre a ~eSla\:ío.História Médica e Descrever. É importante observar quem cnc. VL'liriclr .ilcool.JO atual de ntcndimcuto ps iqui. seus trajes. HISTÓRIA CLíNICA PSIQUIÁTRICA 11l." . lima descrição breve avnii.mrcs. 4. scmpn: COII' o prévio cOllhecilllcnl!~-c'. tu is COI11O. dos tópicos a serem Ç~() ~l hisl('lri.I impressão até aquele momento. cspeciriC:lIldo tipo e dll!':lgClll. permitindo a livre expressão do paciente. oS sisle11las de apoio incluindo aspectos relativos ao desenvolvimento. religi.:I\·:ío dt' (lsicoLírlll:lcos. precipiunues e perpctuuntcs da doença". hubituulmcntc. 46 -------------------------------------------------------------------- ._. \V. -_... dur:H._. consumidos vcrifictuulo dosagem e ql1cm pr cscrcvcu. --_ .. sex o. o esforço inicial do entrevistudor deve ser 110 sentido de estabelecer um contacto que permita ao paciente sentir-se iI vontade para expor suas dificuldades. aos I I n-cupcrnçuo. 2.lllliliI:H. estado civil.uuinhou.r.ír. '!laneira de se apresentar.dl('llico.~.. mas também à forma como se expressa e ao que faz enquanto fala. 3.JIl. É importante salientar que o entrevistador deve adaptar sua entrevista ao paciente e não forçar o paciente a adaptar-se à entrevista". Igualmente importante é a uuto-observução UO entrevistador para suas próprias reações JiallteJ~ paciente. cimruins e inll'r11a~'ões hospitalares. eSJ>lTifil'.llldo h.'.iquezns 17 a seguir. Como a cnlnhornção do paciente é fundamental para a obtenção dos dados.. ainda. o p. deve-xe Inzcr uma breve descrição sobre () problema atual para U qual ele está buscando ajudn profixsional. Verificar . é importante utentar-se não apenas ao que o paciente diz.mox i».~lIêIlCia do paciente.nidc. esclarecer suas dlívidas e.JO (ll-:vi. () lilH' C'.Sll. o entrevistudor deve adotar Ulll papel mais .uicntc frente a SI1:1hislt'ni:1 de doeusiste. Ainda. Antes de [inuliznr a entrevista.}) l Iixtúria .1111. incluindo a descrição dctulh. inforPsiquiátrica objetiva [orneccr elementos para a ("01'mundo xohrc Il lipo de trat. R..l.IS primeiras numifcstnções até a silua~'.lIllll Il'lllJ>ll pelllll'r:llll.lbuu!' sobre r\ História Clínica Psiquiútricu ali Annmncsc a sill1.a sobre a vida da pessoa. com interferência mínima do entrevisiador e apenas com o objetivo de esclarecer pontos obscuros do relato.~n c :1 utilimutação diagnóstica. \ com quc cnntn C:lS cxpcctau .uro e . Id~lltificação: 5. se existiram fatores prccipit._--- .I!' COIIdi\õcs do nnsc imento. ctc.---- '-. disuirhio Illcl. pm- IllrOf1l1. Zu:u IIi .iuico. h. li Ircqüêncin. _--_. No decorrer da entrevista. devem ser conduzidus entrevistas adicionais e consultas a outras foutcx de informnçfio.U. ou para o qual foi trazido por outros para o tratamento. O início da entrevista deve ser pouco dirctiva. o entre vistador deve abrir um espaço para comentários adicionais UO paciente. Queixa principal . em uma caracteriznçílo da pcrxnnnlidndc.. plOriss.rx (e potenciais e Ir.rI. de dro~:ls e .. .I!tilar S~'. 1.!lI1S0 dl' I11L'lliclnlL'lltos.ihitos intestinais e pruhlcmas rucnxtrunis.nlos e registr"dos com relu- Apresentamos. '1\1.um-utos l'1l111S0 C. o eutrcvistudor pode fazer perguntas mais diretas para esclarecer os pontos que faltem para completar a histórin pxiqui.lI~ntes ali conhecidos. Con/ scut imcntos do p. com a observação da expressão facial do paciente.' I~ importante estar ntcnto :10 !'ignilic:1t1o e aos nentes. incluindo: pCSll.História Pessoal: pré-uatnl/nuxcinu-uto l I. Antecedentes . quando ror o clso. com tato.uuul. em seguida.. A. É importante considerar a descrição detalhada dos siutouurs. icrcríci.orlqern e motivo do enca- minhamento Utilizando-se a terminologia do paciente.11 dc x. Na partefinal.1 docllI. Após a exposição inicial do paciente. movimentos. deve-se avaliar COIllO a doença COllICÇOll.. ()lI. Deve-se incluir.io.'. ativo.jo . idade. ~C?.

111"isc sinromus estão associados a condições orgânicas ou psiquiátricas.uncnto» cng lob.. abrangendo idade de início da aprendizagem. mcdox.is . social nas rotinas lIL: vida. li) Idade adulta violação da lei ou dos padrões sociais. rlc viziuh.. A s iruaçâo sócio-econômica deve incluir as condições de moradia. as dificuldades de rc lacionamcnro.. Os rclac iou. o estado de humor habitual.ls ou . prnbl!<l11uII eis. Obxcivur hishíria de adnçiin. ":1lI Iuução de mudanças na psicoparolcg ia do paciente. o nível de satisfação e as dificuldades rel. Com relação aos irmãos. a profissioualização 011 trabalho. em razão do paciente estar medicado. a capacidade de ex press.IS manikst. Antecedentes financeiras e os planos e projetos Compreende o conjunto de atitudes e padrões habituais de comportamento do indivíduo.ll de um esquizofrênico pode deixar de apresentar alucjnaçõcs. exame físico de um paciente Da mesma forma que o com hipertensão arterial. erc.uuc . o exame do estado ment. as aquisições de habilidades. Scnliologja ~ . " ' _•.uuc observar a atitude frente ao crescimento. Com () ( hjct ivo li.il cug loh. Com rcl. Assim. É importante observar as mudanças de person. o ajustamento. especificar a causa da morte e a idade na ocasião.io. Exame físico Deve ser feito de rotina. sexo t! as condições físicas e psicológicas dos filhos. namoro. separações. A vid~i familiar e c onjug. independente da sua situação de doença.: f. Personalidade pré-rnórbida Descrever as situações e as atitudes Frente ao trabalho.tções sobre os relacionamentos anteriores.História Familiar Colher iuformuçôcs sobre os pais c irmãos quanto ~I idade. a descrição deve abarcar o modo de ser habitual do paciente.'1 competência e aos relacionamentos. ele pode variar de um momento par. 8 . Quanto ao trabalho ~ importante observar: o tipll de atividade. pcnsumcuto. -----------------------------~. na sitlla":. coutraccpç. com base nas observações que foram feitas dur. incluindo o desenvolvimento motor. pelo mesmo motivo. no Iazcr. a vida familiar e conjugal..l\! Iamiliar.ilcuol. as fontes de provisão de rccursos.. O ambiente familiar: o nível de interação.I sexualidade. as interações e o relacionamento COIll familiares c colegas.! nutro. observar a ordem cronológica de nascimento. caructerísticus de personalidade. Caso os pais ou irmãos sejam falecidos. Deve englobar os seguintes aspectos: as preocupações excessivas com ordem. ( imporr.uncnto mental do paciente. as dificuldades futuros. a I' relação sexual. senso-percepção. com destaque aos relacionados com à saúde mental.Jcilitar a descrição. til! suicldio c i lc 47 .. EXAME DO ESTADO MENTAL o exame do estudo mental é uma avaliação do Iunciou. a sexualidade incluindo a menarca.u iv. Trata-se de unia tarefa complexa e difícil.ibitos com relação ao SOIlO. da linguagem e o controle esfincteriano. 'sílúde.. atividade profissional. os scruimcntos de isolamento 011 dcprcxsíio c . as mudanças.un in íorm. Il uso de drng. sexo. pode mostrar lima pressão arterial normal.içâo fi sexualidade. alimentação.1 entrevista.•. colher infonnaçôes sobre . o temperamento. .. ufeto. o nível de desconfiança e cornpetitividudc.un " cou vi vênc i. 6. as interrupções.. embora cx ista uma grande inier-relução entre estas diferentes arcas.ex.ilidude com a doença. o rclacionarnento c intcruçâo. Psül. a idade. os padrões de relacionamento dos pais entre si. c) Adolescência Descrever: os interesses. a maneira como se expressa habitualmente. social. a capacidade para executar planos e projetos e a maneira como reage quando se sente pressionado.rr os sentimentos. os relacionamentos e a situação sócio-econômica. constitui-se numa informação importante. visando verificar se os :-. gestações L: abortos.. 7. nível educacional. pontualidade. a evolução. o exame do estudo 1I1él11alé organizado por áreas (p. com os filhos e destes entre si.ilrka.ú. as condições do casamento. as características do cônjuge. . . a sexualidade. a vida escolar.lçi)cs de delinqüência. limpeza. _~ b) Infância c desenvolvimento Descrever: as condições de saúde: os comportamentos e h.IS experiências sexuais.).mça c de uahalho. as aquisições quanto à vida escolar. no momento do exame.

que apesar sicas: c) o modo de vestir-se e os cuidados pessoais. destacando-se: cooperação. 48 'O.Aparência . . sua continuidade e eficácia em atingir um deterrninado objetivo.Deve ser observada a qnnnt idade e a velocidade da verbnlização tio paciente. Algumas alterações possíveis são listadas abaixo: . discorrendo longa mente sobre todos os tópicos.•• fio de_g •. com respostas monossilábicas ou muito sucintas. ..".rgcrnda ou xcm 1110tivo aparente.Pslcomotricidade a) o comportamento e atividade motora.•• nh14hhu (l ~ LINGUAGEM E PENSAMENTO tem um nccsso indireto ao pensa. rouquidão. também. nesta parte do exame. .:!8 orgânicos). durante u entrevista.') " .Deve ser anotado se a fala é espontânea. estupor (lentificação motora..JO..-/:"./ . a linguagem e o pensamento são avaliadas conjuntamente. encontra dificuldade ou não consegue interromper o discurso do paciente 3 . o exumlnndor . envolvendo a velocidade e intensidade da mobilidade geral na marcha. tendência a conduzir a entrevista.:. R. Alguns distúrbios observados neste item são: . ncgarivismo frente ao exame.. segundo os seguintes aspectos: . .cu.~s9.d~o dis.~ . tiques (movimentos involuntúrios e espasmódicos). Assim. de acarisia. 7. . que é devido à lesões ou doenças nos centros cerebrais envolvidos com a linguagem"). O examinador.unuli k S. oposição. durante a entrevista.oe"". quando sentado e na gesticulação: b) a atividade motora. .Deve-se descrever as condições em que a entrevista ocorreu abrangendo: a) o local. deve-se descrever a disponibilidade e interesse frente à entrevista. .UI. da atitude e conduta do paciente na interação com o entrevistador. disartria (incapacidade na articulação das palavras). O paciente afasta-se do tema que está sendo discutido. .. e COIll velocidade aumentada. através da linguagem.Caracterfstlcas da fala . que COIííiiÕcln tto estudô men.i1.Linguagem quantitativamente diminuida . W.~et. ansiedade.o objetivo da fala não chega a ser atingitlo ou não é claramente definido. cluindo ordem. como flexibilidade céren (manutenção de posturas impostas por outros). indiferença. obediência automática.Forma do pensamento . a presença de tremores. . imobilidade) e cataíepsia (manutenção de uma posição imóvel).••.Circunstancialidade .Prolixidade .'\ e' - \ Quanto à intcraçíio. negauvismo (resistência imotivada).GEP ( F\rTl!. tais como: nfusia (prejuízo na compreensão ou transmissão de idéias.o objetivo final de uma determinada fala é longamente adiado. etc. deve ser examinada a organização formal tio pensamento. através da mímica e enquanto sinais sugestivos de doença orgânicu.> -\.. gagueira.I'rogrl'. sem sentenças Oll comentários adicionais.. O paciente fala de forma tão vaga. de forma a reconhecê-to. =r 4 I . alegria cx. se ocorre apenas em resposta à estimulação ou não ocorre (rnutisrno). o volume tia fala e se ocorre algum defeito lia vci balização. Descreve-se.Fluxo acelerado . englobando: n) aparência quanto i\ idade e 1'1 saúde: b) a presença de deformidades e peculiaridades ffin- 1.A descrição deve permitir formar uma imagem sobre o paciente. depressão.l. incluindo a agitação (hiperntividade) ou retardo (hipontividade). b) a presença •.t.o paciente fala muito.ssão da fala .' Trata-se de uma descrição da impressão geral advinda da aparêncin física..- de outros participantes eventuais V" '.1J. . porém ainda dentro dos limites de uma conversação normal.' ' .Sítuaçâo tia entrcvistn/intcração . 2 .Fluxo lento .~ I.. ~ . introduzindo pensamentos aparentemente não relacionados. e c) intcrcorrências .são notadas longas pausas entre as palavras e/au latência para iniciar urna resposta. dificultando lima conclusão. Loureiro llil" ".neste item. maneirismos (movimentos involuntários estereotipados).'tlih'hfflhl lil'''fllqnt. d) a expressão Iacinl.v'. continuamente. c) a presença de sinais característicos de catatonia (anomalias motoras em distúrbios r.Il.iA~ '. geralmente. e \ . 1\. . resistência passiva e ativa. .. esrereotipins.NTAÇ~p.o paciente fala.o paciente restringe sua fala ao mínimo necessário.'. J#l.. asseio e excentricidades.Tangcncialidade .o do P~~JIJe. pela 111corporação de detalhes irrelevantes e tediosos.9 mesmo 4i1t ~PR~!3E.

.desamparo. o que pode conferir :..Conteúdo do pcns.Fóbico .. prejudicado. investigam-se os conceitos cmit ido s pe lo paciente durante a entrevista c sua rel:lção com a realidade.'IS vezes COIll a mesma eutonação e intlexiio de voz. de culpa (acredita ter cometido lima falta 011 pecado imperdoável). de controle (acredita 11"1: fiCII!! 1'1:II!!aIlWllltlli. incomodado. ». associados à depressão 011 mania)? Os delírios podem ser descritos em função de sçu grau de organização.ocorre sempre na presença de um pensamento acelerado e caracteriza-se pelas associações innpropri. ou p.Capacidade de ahstrução . Podem ser acompanhados de comportamentos rcpeutivos. irracional. através 1J1t:1I1t: e leu!. . Alguns tipos de pensamento ilógico são descritos abaixo: . 1'''' JlI~I""'1 f"II.Pensamento incoerente . não são compartilhadas por outros membros do gmpo sócio-cultural do paciente e das quais não pode ser dissuadido.I:lIl08 li "unuruli~u~õl!lI.is ao.Delírios . também. 49 _. em: sistematizados (relacionados a um único tema.unento . a ) )l1". pouca informação transmitida (pobreza do coné teúdo do pensamento).!.crenças que refletem lima avaliação falsa da realidade. u .Neste item.II"l: a produtos de sua prúpria rccorrcutcx.Ecolalia .rses ou ria lavras (salada de palavras).HL!s consigo mescom o futuro. inserção dc pensamento (crê que pensamentos são colocados em sua cabeça). porém sustentada com meé nnn- li~ s).ocorre ullla inrcrrupção súbita da faln. ti:e.!ica entre partes de uma sentença 011entre scntcnçus (ul'rnuxumcntu de associações). observa-se lima seqüência incompreensível de lr.uulo o paciente consegue retomar o discurso. que visam neutralizar algum desceuforro ou suuução temida (Compulsõcs)x.Idéias supervalorizadas de mudar sua resposta :a là se.reflete a capacidade de fQqnul~r I':pn<. . que passam a serem feitas pelo som ou pelo ritmo das palavras (associações rcssouantcs). no meio de lima sentença. como delírio de referência (atribuiçãu de um significado pessoal a observações ou comentários neutros).Obsessivos : pcux. de grundiosidade (o conteúdo envolve poder.1.o puc icnte cria lima palavra nOV. . Numa fOrllla extrema de iucocrência. quando vinculados a outros processos psicológicos] derivados de uma alucinação. que assume uma tonalidade aferiva acentuada.preocupações mo. conhecimento eu importância exagerados). Qu.ulas entre os peusumcutos.Perseveração . . suicida. como irracionais. u faz COI1l outro assunto.1 e ininteligível p:ll'a outras pessoas._--------_. de.o paciente posta à lima variedade uma incapacidade mudança de tópico. com os outros 011 cX:lger.Fuga de idéias . 4 .ocorre lima perda na axsociaçâo hí).uucrior.1\1:í·III~ da consciência. ou o quanto o pensamento pode ser sustentado por dados da realidade do paciente. Deve-se assinalar: A -Tema prudnmiunuf tais COIlIlI:- .1 '1'1. A incapacidade de abstração é referida como pensameuto concreto. [l- c e/ou com cnructerísti- l- cas peculiares. através de argumentação contrária. quando não estão associados a outros processos psicológicos.:~!0!"credibilidade) e não sistematizados (quando envolvem vários temas.Ansiosos .medo ex. . jo repete a mesma resde questões. reconheciúo. perseguido 011 sendo objeto de conspiração).. de ciúmes (acredita na iufidclidudc do parceiro). :e a 1- .o conteúdo do pensamento centraliza-se em torno de lima idéia particular.. Ia 1- . .Logicidude do pensamento. Os dclfrios podem ser primártus. 10 ja ti. ainda que baseada em premissas falsas. geralmente urna condensação de palavras existentes. ti . são mais desorganizados e pouco convincentes). mantendo uma lógica interna.uológico ou siuurçii».Neologismos .mtc iuv ••~i. mostrando a uma .Bloqueio de peu samento .1: "111/ nos intensidade que lima idéia delirante..ulo de algum tipo de estímulo . irradiação de pcnsamcnto (acredita que os próprios pensamentos são audíveis ou captados pelos outros) e secundários. p.uucnu VO\ e ~t:lJl \t:lltidlJ. pcrsecutério (idéia de que está sendo atacado._-------- . lógica e irrefutáve!'. p.. ~ .repetição de palavras ou frases ditas pelo interlocuror.. ito ..ex.a- da fala estar qunntiuuivamentc adequada.! .Depressivos . desesperança.I. ro nno .:!! Hlio 111111.... ideaçâo di. sem conexão com a idcação . Os delírios podem ser descritos. /wlllilllClllwl c !lI/i. nas a. somáticos (o conteúdo envolve uma mudança ali distúrbio no funcionamento corporal). ex.rgcr.11 "dI'''''''" 5 . Este item pode ser avaliado.llIdll1.11(:1.11. pelo seu tema predominante.

associada à labilidade afetiva. W. durante n entrevista (p. hostilidade. ambivalência. e de hipermodulução. estando próximas. . etc. . o emocional . . As alucinações podem ser: auditivas (sons ou vozes: as vozes podem dirigir-se ao paciente ou discutirem entre si sobre ele). que a maioria das pessoas não costumam ter?" "Você j:í ouviu barulhos ou vozes. As alucinações quc ocorrem nu estado de sonolência. rir sem motivo. ou. ou fossem irreais. Para a avaliação desta função considera-se: n) o conteúdo verbalizado: b) o que se observa ou se deduz do tom de voz. vibração. caracteriznda por marcadas oscilações no humor manifesto. depressão. visuais (luzes ou vultos até cenas em movimento. Oll partes dele não lhe pertencessem. As principais alterações da senso-percepção são comentadas abaixo: . pode valer-se de relatos espontâneos de percepções alteradas.Despersonalização: refere-se à sensação de estranheza. ainda.). necessariamente. raiva. p. devendo-se considerar: o nível de associação / dissocinção e :t adequação I inadequação das manifestações. como se "as pessoas ao seu redor estivessem desempenhando papéis". na ausência de estímulos externos (conversar consigo mesmo. ea volição. que precede o despertar (hipnopômpicas) são associadas ao sono normal e não são.A.. ainda. da observação de comportamentos sugestivos de percepções. <1S s p 50 . dor. pode formular perguntas diretas sobre tais alterações (p. como se seu corpu. não conseguiram ouvir?"). da expressão Iacial. tais como idéias Oll planos de suicfdio. voz monótona. táteis (toque. Para isso. para t2i deve-se levar em conta a termitica e o c onte xto na qual ela está inserida. exultuçâo. ou através da solicitação para que o paciente interprete provérbios habituais para sua cultura. desconfiança. euforia. assaciada à rigidez nfetiva.i investindo e a disposição com a qU<11 est:í se envolvendo na realização de seus projetos pessoais. Ilutunções do humor e seus componentes sornáticos. pânico. calor. observar lia avaliação desta a função.cx. na ausência de estímulo aparente). resultante de um estímulo externo real. tristeza.trllll da observnção de ulgumns manifestações espontã- nens. que outras pessoas. ex.Tonalidade emocional: avalia-se a tonalidade predominante durante a entrevista.c. diante da pergunta "como vai" o paciente responde "vou de ônibus"). na avaliação desta função as manifestações relativas a auto-estima. caracterizada pela manutenção de uma certa fixidez no afeto externalizado. nítidas e complexas). envolvendo' <1 intensidnde. tI i I ç g É importante AFETIVIDADE E HUMOR A avaliação do afeto inclui a expressividade. sono e libido.io da relação do conteúdo do pensamento ao afeto marufcxto constitui-se e!1I ponto importante. e ti) o relato de oscilações e variações de humor no curso do dia. indiferença..Ilusão: interpretação perceptunl alterada.Associação pensamento/afeto: A aval iaç.Alucinações: percepção sensorial na ausência de estirnulação externa do órgão sensorial envolvido. . "Você já teve experiências estranhas.. da postura corporal. SENSO-PERCEPÇÃO examinador deverá avaliar se as sensações e percepções do paciente resultam da estimulação esperada dos correspondentes órgãos do scnt ido. . olhar repentinamente em determinada direção..ex. .Modulação: Refere-se ao controle sobre os afetos. face imóvel"). a presença de manifestações Oll risco de auto e heteroagressividade. 011 ainda idéias ou projetos de homicídio ou agressão voltada para o meio. a duração. peso. perplexidade.1I S. c) a maneira como o paciente relata experimentar os próprios sentimentos.Desrealização: o ambiente ao redor parece estranho e irreal. o que pode requerer um qucstionamento específico sobre "como os sentimentes são experimentados". o controle e a adequação das manifestações de sentimentos.I. que precede o SOIlO (hipnngôgicas) e no estado semiconsciente. apatia.Equivalentes orgânicos: Os equivalentes ou concomitantes orgânicos do afeto devem ser avaliados com base lias alterações do apetite. patológicas. enquanto <1 energia que a pessoa est. deve-se observar <1 presença de hipomodulação. 11. Deve-se considerar. observando-se a presença e a intensidade de manifestações de: ansiedade. ZII""II. sem expressão aIetiva.. embotamento efetivo (virtualmente. Considera-se humor a tonalidade de sentimento mantido pelo paciente durante a avaliação. olf'atór ias e gllstativn.. elação.

() ano. o avaliação verificáo paciente viu na prejudicada ocorreram sobre nos últimos eventos terfere. est de envoldurante história. ScmioJogia psiquiáuica. refeições do qlll! () cntre pria situação testes simples da pró- veis dos últimos tais como: das anteriores. Os sentimentos no avaliador ser um recurso e capaz de testes específicos. A inparticularmente. o mês..il~ ~. A complexidade observar o 011 anterior. prejudicada: dificuldade zar a .l os cst í- é ve- iruporumrc. perguntas de sua vida infordo anteriores. de (ardas/ Recente: de eventos pode que avalia a capacidade Para esta o que de recordias. i pilra alguns CUIl\O diagnósticos do meio. A memória go. nâo . sobre trat.uucs du cnrrca temas ORIENTAÇÃO A avaliaçâo envolve .Memória dar-se entrevistador.H. ser restada. avaliação da entrevista. avalia a capacidade podendo paciente. Habitualmente. de recorser avaliada de sua própria tipos: Remota: do feito ATENÇÃO E CONCENTRAÇÃO Na focalizar vendo a nos ali Memória dar-se a capacidade atividade. durante com da vida a obprc- as pessoas do seu meio irnediuro. Imediata: pedindo-se durante etc.uncntns seu primeiro etc.ilorizur memória déficit com de memória.l(cnção vanres mulos Ioculizndn sobre os cxrimulox .io no curso repita além quando ímulos ex terinA requerenIe itus. mória deles numa quando em três também. seja podem para mais útil e que podem na avaliação trevistador os elementos do afeto. o dia da semana. .Manutenção est. de entrevista. - .--~_.Memória dar-se de eventos o relato passado. os nomes de . visrador. as perguntas da observação a proposição que precederam examinador comeu numa noite a avaliação.i usxociad •• ~l atenção que nada a 11m distúrbio do humor três nomes.) minutos. é.: normal. ou seja: tem catastrófica.Alop síquica: Com são avaliados: a) J or ientação no tempo. . quanto rcl.un a) saber pelo o próprio aspectos auto e alopsfquicos. ele Ioc. Ao observar-se uma deficiência de memória diferenciais. simples. ser intro- rante a entrevista. como: e os meses pelo funç. recordações preenche falsas (COIII':l hllI.Autopsíquica: ructcriz.u-xe intervenções do eunos cs- uni" n:açj() ou tenta l.io sobre os cst ímnlox mais do meio. tais como. tal é necessário que () cnde perceber experiente vestigação transferenciais. o período _ .uenç.uivas estudou. . _.ucndcndo :IS intcrvcnçôc-.ris ic lcp.i10). auropsíquicos se CJ- de si envolvendo: h) reconhecer A memória tenção da começa clínica Se recorda onde pessoas ser avaliada do paciente.Focalização a atenção Iocalizudn não v. nega O trevistudor para manter tírnulos princ ip. perguntar dias. frente aos internos. diretamente._.rlirclcv.~. v ist. 51 . mar . social e atra- ~és de Seu nome ou de seu papel história de a vai ficaernprepode c) saber quem é o eurrevist ••JoL . pode Esta v istudor envolver.ux. diante da deficiência. o que TV na do ano em lima e das (a. englobando saber relação aos aspectos alopsiqufcos ção ele como gressa. pelo avaliação e manter é considerada a atenção em uma utenção/distração.1 de manter m. prejudicada: dificuldade atenção a ._------despertados também --------- ----------------duser avaliada. . imporde quadros de etiologiu ordivide-se a avaliação da mepsiquiátrica habitual. a) dizer os dias da semana dada ordem b) realizar rdas paciente proposta do que ocorreu cálculos avaliado. alguns duzidos tante gânica. de situações signific. avalia a capacidade que de recorPode e depois a entrerepita memorize nos minutos ao paciente os precedentes.lr. cs~es dc ve levar em conta o nível sócio-cultural do de (rês objetos solicitando-se não relacionados É importante de ansiedade. irre lcvantes desviando c exigindo rlic. passada.ic uuus de o paciente lida com da. bastante da memória se suspeita entrevista através simples.rcioou (LI quais se retomou o paciente a dificuldade consciência .Desatenção Seletiva: dcsutcuçâo frente Os aspectos reconhecimento nome.

Obnubilação da consciência: diminuição vel de vigília. c) a leitura de textos escritos comentando a comprccnx.pOllca utilidade. por exemplo.io dos mesmos._. Algumas alterações de cousciêncin são descritas abaixo: . .nlo na entrevista a prcscuçu de cia. do nfem fuou COIll- h) a resolução de problemas aritméticos (por exemplo._ . deve ser registrado o nfvel de consciência do paciente. daicils específicos.Sonolência: a obscrvnção complcmcntnda C() I da situação de entrevista. enquanto capacidade de compreensão e intcgrnção de ex periências.. CONSCIÊNCIA Neste item. . do punto por uma avuliuçâo coede vista do funciona- na situação de entrevista. Trata-se de uma funçiio complexa. sua propriedade e nível de complexidade. ou ainda a não aquisição de habilidades.. S2 . ou marcos temporais como Natal! Carnaval! Páscoa.Prejuízo intelectual: Para a uvuliução deste item. sem obnubilaçiio da consciência no caso de dcrnênci« (disfunção ou pscudodcmência (depressão). quando as decisões do paciente são determinadas por delírios 011 alucinações. h) a orientação no espaço envolve saber informar onde se encontra no momento. deve ser solicitada qu. sendo os testes formais I._---- _ dia. quanto receber de troco em uma situação de cumpra e venda).Deterioração: Deve-se estar atento . em função da escolaridade e do nível sóc io-cultural.r. çõcs COIIIO pensamento.concentração. pode ser com a propoxição de atividades que avaliam as informações sobre asquem é o no : :1) perguntas Presidente suntos ou temas gerais (por exemplo.lçiio psicodingnóstica.iiinção das próprias n:alizações. \V.. dentro do contínuo que vai desde o estado de consclêncin plcnn (percebe () que ocorre a sua volta e responde . A. em estados epilépticos.1 avali. ou ainda a estaç-ão do ano. déficits de mcmóri») ou perceptuais . predominantemente.i alterado.I~·iio deve ser Icita durante a obtençii() da histlÍria do paciente. acompanhado de alterações cognitivas (desorientação. e a capacidade de articular conceitos. a cidade e o estado. .urnvés dos testes específicos de inte ligênci«. com prejuízo no funcionamente intelectual. envolve uma estimativa do nível de desempenho intelectual esperado. acompanhado de dificuldade 3 calizar a atenção e manter um pensamento portarnento objetivo. com preservação em IIlUtiSIllO e sem movimcnrelativa da consciêucia. Loureiro ---. ntenção . Juízo CRíTICO DA REALIDADE CAPACIDADE INTELECTUAL A avaliação desta Iunçíio.. podendo manter comportamentos tivamente organizados. da República): lentificnção geral dos processos iclencionais. . R.. pois seu comprometimento pode refletir o prejuízo de outras l un- mento mental e da capacidade adaptntiva. Cons ideru-se que o juízo crítico da realidade cst.. na aUSL:IIcia de estimulação.Oelirium: quadro agudo caracterizado por diminuição do nível de vigflia. de abstrair e gcncruliznr. em função de baixa escolaridade Oll de experiência em um meio sócio-cultural pobre. cerebral orgânica) 4 2 . Esta avaliação decorre do contado com o paciente durante a entrevista. na ausência de consciência plena.io glllbal. ZU:11l11 & S. incluindo o nível realista dos projetos e da av. com predisposição para dormir..uu!o foi obxcrv. . Objetiva verificar se as ações do pac icute s.Estado (ilusões e alucinações).o determinadas rente da realidade.. l~ importante observar o nível súcia-cultural du paciente na seleção das at ividudes e na complcx idade das mesmas. Na situação de entrevista deve ser observado: o vocabulário.Estupor: permanece tos. cstrcitamcuto da consciônmotores relade um estado crepuscular: !\ avali. nomeando o lugar.1 presença de lima dctcrioraç. . Ocorre..\ essa percepção) até o coma (não responde à estimulação em diferentes graus). de Iorma empírica J:st.

3 .SCHEIBER SC The psychlatrlc Intervlew. Temas de psicologia: Entrevista e grupos 7. 1984: Diag· nóstico e psiquiatria: o exame do paciente psiquiátrico. Medicina. 1995: A antrevista psicológica: seu emprego no diagnóstico e na investigação. UNITERMS: Medical History Taking. A entrevista não diretiva 2. 5 . Guanabara Koogan. Arnancan Psychiatric Associanon. especlally of medicine. Martins Fontes. Rio de Janeiro. 8 . ed. 9-41. 2th. p. DRATCU L & LARANJEIRA R ed. O exame do paciente psiquiátrico. Mental Status REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1 . 1994: A situação de entrevista e suas variá~eis especificas.MacKINNON RA & MICHELS R. In: HALES RE. Rev. ABP/APAl. 4 .AMEAICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. 1996. consciousness: inlelligence. 29: 44-53. 1996 7 . 6 . Dlagnostic and statlstlcal manual of mental cJisorders. São Paulo. Psychlatrlc semJology.1994.--------- Scmiologia psj(jui.187-219. in lhe praeUee of psyehialrie semiology. 1986. The article provides an outline of a psyehialrie history and of lhe component parts of lhe mental slatus examlnation. 153-181. Ribeirão Prelo. A entrevista psiquiátrica na prática clínica. YODOESKY SC & TALBOn JA lhe amerlcan psychlatrlc press: Textbook of psychlatry. including: appearanee. Physician . p. Manual de psiquiatria. reimp. Porto Alegre. and montat status examlnaUon. 5-21. In: ALMEIDA OP.BLEGER J. ZUARDI AW & LOUREIRO SR. speech and Ihoughl.DRATCU L. 8 (Supl): 18-24. p. WashillVlún. orienlation. janJmar.MUCCHIELll R. ed. Psyehialry. p. and realily judgment. attenllon and eoncenlralion.DEL PORTO JA.ilrka. sobre os Instrumentos para obtenção ua Informações (entrevistas estruturadas e semi-estruturadas). São Paulo. Washington. i 894 Recebido para publicaçao em 04/03/96 Aprovado para publicaçáo om 14/03/96 53 . Porto Alegre. American Psychlatric Press. Martins Fontes. 4th. The authors diseuss lhe psychlalrie inlerview as lhe essenlial way for assessment of lhe psychialrie patient. ABSTRACT: The main objeclive of Ihls article Is 10 Inlroduee undergraduale sludenls. Artes Médicas. ecJ. Artes Médicas. psychletric history. p.KAPLAN HI & SADOCK BJ Compêndio de psiquiatria dinâmica. alleet and mood. memory. 2 . perceptual dislurbances.Palienl Relalions. p. 15·62. 30-37. 1981: Princípios gerais da entrevista. visão geral.