Você está na página 1de 1

Importância do SOM

O fascínio produzido pelos sons envolve áreas como ciência, psicologia e


filosofia e, como mostra Robert Jourdain nas 425 páginas do livro "Música, cérebro e
êxtase" (Editora Objetiva), captura de maneira diversa a imaginação de cada ser
humano. O sentido do som surge com o homem, mas a música complexa é bem mais
recente.
Além da música, a produção e oitiva dos sons tem outras implicações, pois é
através dos sons que as pessoas em geral se comunicam (além de outras formas como a
mímica e a escrita).
- A música nos tira de nossos hábitos mentais congelados e faz nossas mentes se
movimentarem como habitualmente não são capazes. Quando somos envolvidos por
música bem escrita, temos uma compreensão que supera a da nossa existência mundana
e, em geral, está além da lembrança. Quando o som cessa, voltamos para nossas
cadeiras de rodas mentais - diz o pianista Jordain num trecho que dispensa comentários.
A música tem ainda poder terapêutico, o que prova a importância dos sons na sociedade
atual.
O comportamento humano tem relação com o tipo de música, conforme relata o
livro de Jourdain, em anos recentes donos de lojas descobriram que transmitir música
clássica para a rua afasta traficantes de drogas. E Mozart tem sido tocado em shopping
centers europeus para expulsar adolescentes ociosos.
Como se originam os sons?
Todos os sons resultam de vibrações dos objetos. Por exemplo, o som que se
ouve quando se puxa a corda de uma guitarra é devido à vibração da corda.Contudo, o
Homem só ouve vibrações sonoras se entre a fonte produtora do som e os ouvidos
existir um material que propague essas vibrações (materiais sólidos, líquidos ou
gasosos).Assim, a vibração que se produz (por exemplo, quando se dedilha uma
guitarra) atua sob a forma de impulso nas partículas que constituem o ar que estão mais
próximas da fonte sonora, e que vibram também. Por sua vez, a vibração destas origina
a vibração das partículas do ar que se situam a seguir e o processo vai-se repetindo, à
medida que o som se propaga. Deste modo, as partículas do ar aproximam-se,
afastando-se em seguida: sucedem-se no ar uma série de compressões e rarefacções a
que se chama ondas sonoras.O ar à nossa volta está habitualmente a uma certa pressão
atmosférica: a essa pressão corresponde um certo afastamento das partículas que
constituem o ar. Quando as partículas do ar próximas de, por exemplo, um altifalante
são comprimidas, há um aumento de pressão na zona de compressão. Na zona de
rarefacção do ar ocorre, pelo contrário, uma diminuição da pressão. A propagação das
ondas sonoras no ar corresponde justamente a esta sucessão de variações de pressão de
ar.Em suma, o som é um fenómeno ondulatório e a sua propagação só se pode efectuar
em meios materiais (sólidos, líquidos ou gasosos). Os sons podem ser:
GRAVES - formado por frequências baixas. É normalmente o que dá corpo ao som.
Como exemplo podemos citar o som de um bumbo de uma bateria, o som de um contra-
baixo, etc.; MÉDIOS - são sons situados na faixa média de frequências de áudio. A voz
humana é bom exemplo de som tipicamente formado por frequências médias;
AGUDOS - são sons situados na faixa de frequências altas. Os sons metálicos como o
gerado por um prato de uma bateria é um exemplo de som agudo.