Você está na página 1de 5

Campanha “Projeto de Vida - 2009”

CAMPANHA
PROJETO DE VIDA
2009
(de 12 a 16/01/2009)

Igreja Assembléia de Deus Nova Vida Em Cristo


Setor Central – Goiânia – GO
JANEIRO/2009

Transcrição de Mário Márcio Barros da Silva Página 1 de5


Campanha “Projeto de Vida - 2009”

Campanha “Projeto de Vida 2009”


(de 12 a 16/01/09)

Transcrição de Mário Márcio Barros da Silva

INTRODUÇÃO

Segundo as palavras do Pastor Lívio, presidente da Assembléia de Deus,


Ministério Nova Vida Em Cristo, é muito fácil mobilizar a igreja para a realização de eventos
de confraternização, mas quando se trata de mobilizar os membros para uma campanha de
oração e consagração a Deus, tudo começa a acontecer: acidentes, pessoas contraem
doenças, pecam induzidos pela carne e enredados pelo maligno e toda a espécie de
obstáculo e desculpas aparecem para impedir o comparecimento de todos, em virtude da
grande luta espiritual que se trava nos lugares celestiais. Se estamos presentes e não
conseguimos sentir a presença e a manifestação de Deus, estamos sofrendo de “anorexia”
espiritual e precisamos de socorro do Senhor e renovação na alma.
Para se fazer um projeto de vida é necessário ter bem definidos os nossos
objetivos, não segundo a nossa visão pessoal, mas conforme a vontade de Deus. Muitos
fazem planos, mas nada sai do papel pois é fruto de intenções pessoais sem sintonia com o
que Deus quer. A melhor postura é: quando a realização de uma campanha for anunciada na
igreja, imediatamente, os seus membros devem colocar-se em oração e jejum, pedindo a
orientação para suas vidas; trazer anotadas todas as metas mostradas por Deus para,
durante a campanha, obter a confirmação e a unção para tudo o que se quer e deve ser
feito.
Procuramos transcrever, resumidamente, as mensagens ministradas por vários
preletores convidados, para edificação de todos. Os títulos são de minha lavra.

SAIA DA SITUAÇÃO EM QUE ESTÁ E MANTENHA O FOCO EM JESUS

Texto para leitura: Lucas 24:13 a 35 – Dois discípulos retornam a Emaús.

O significado de um lugar para uma pessoa está relacionado com as marcas que aquele
lugar deixou no seu âmago. Para aqueles dois discípulos que retornavam para Emaús, antes da morte de
Jesus, Jerusalém era o melhor lugar para se estar, pois ali se alegravam, testemunhando os milagres de
Jesus Cristo, porém, depois da sua morte, para eles, tornou-se o pior lugar para ficar, pois, quando
caminhavam pelas ruas da cidade, encontravam todos os que foram abençoados por Cristo: o cego que
agora enxergava, o ex-paralítico carregado por quatro homens agora caminhando, a filha de Jairo
brincando depois de ressurreta, os ex-endemoninhados gerasenos agora felizes e libertos... para eles
tudo aquilo lembrava Jesus e lhes entristecia porque havia morrido. Tornou-se um ambiente de fracasso
para eles e, portanto, tomaram a firme decisão de ir para Emaús recomeçarem suas vidas.
Na viagem, embora sua cegueira espiritual não permitisse que eles reconhecessem a Jesus
ressuscitado indo com eles, o que se ressalta de importante aqui é a atitude. Mas, por sua cegueira
espiritual, ainda que quisessem recomeçar nova vida, não se desligavam do passado. Estavam tão
atordoados, a ponto de Jesus repreendê-los severamente, relembrando-os de todas as profecias acerca
de sua vinda e seu sofrimento, morte e ressurreição. Finalmente, reconheceram a Cristo a tempo de
retornarem a Jerusalém e receberem verdadeira cura interior. Semelhantemente nós, marcados
negativamente por algumas situações vividas, até mudamos de lugar, recebemos cura na alma das

Transcrição de Mário Márcio Barros da Silva Página 2 de5


Campanha “Projeto de Vida - 2009”

feridas feitas, porém elas reabrem porque não nos desligamos das situações e das pessoas. A
manutenção dessa postura acaba fazendo mal a nós mesmos, não à pessoa que nos magoou, portanto,
a prática do perdão envolve total desligamento das situações pregressas para que a cura interior seja
completa. Nos tempos vindouros, a lembrança daqueles fatos ou o eventual encontro com pessoas
nenhuma perturbação produzirá em nós.
Que nossos olhos espirituais fiquem bem abertos para verem Jesus caminhando conosco,
pois é promessa dele estar conosco até a consumação dos séculos.

ADMINISTRE SUA VIDA E ANTEVEJA AS BÊNÇÃOS FUTURAS

Texto para leitura: 2º Samuel 23:11 – O livramento do povo de Israel nas mãos de Samar; Gênesis 41
e 47:13 a 26 – José administra e sustenta o povo egípcio.

Os filisteus, em guerra contra Israel, tomaram um campo de lentilhas, de onde o povo


extraía o seu sustento. Apavorados, todos fugiram, mas um dos valentes de Davi, Samar, anteviu que o
povo morreria de fome se os filisteus destruíssem o campo e, então, pelejou até que os matou a todos,
concedendo grande livramento a todo o povo. De igual modo, José, filho de Jacó, obteve visão dos
tempos de fome vindouros no Egito e Deus lhe concedeu sabedoria e coragem para administrar e, assim,
além de saciar a fome do povo, conquistou todas as terras para o Faraó do Egito.
Não podemos realizar qualquer projeto de qualquer maneira. Oremos a Deus para que nos
dê visão do que deve ser administrado em nossa vida e dos pontos delicados que precisamos defender,
pois é daí que advirão os grandes livramentos e bênçãos de Deus para nós. Algo pequeno ou complicado
em nossa vida pode estar necessitando cuidados e a sua abordagem correta irá nos trazer benefícios
para o resto de nossas vidas. Igualmente, se perdermos a oportunidade que Deus nos dá, resultará em
algo que jamais será conquistado depois com igual facilidade. Peçamos sabedoria para isso e que Deus
nos mostre o que necessita ser cuidado.

COMO REAGIMOS À INDIFERENÇA DE DEUS?

Texto para leitura: Mateus 15:21 a 28 – A mulher cananéia e a filha atormentada por demônios;
Hebreus 11:1 – O conceito de fé.

Como você reagiria à indiferença de Deus aos seus pedidos? A maioria das pessoas que
participam de uma campanha, vêm com a expectativa de serem abençoadas e receber respostas ou
obter milagres, mas somente esperam que tudo aconteça. Não se preparam antes para isso e nada
acontece, porque não houve ação antecedente. A fé, na sua essência não implica em somente confiar e
esperar pelas respostas, mas em agir. Como?
Mateus nos mostra que a mulher cananéia, soube que Jesus estava passando por Sidom e
Tiro. Sua vida era extremamente aborrecida pelo estado deplorável da filha endemoninhada e viu, na
passagem de Jesus, grande oportunidade de ter sua filha liberta dos demônios. Não ficou só nos
anseios. Ela saiu determinada a voltar com a bênção. Incessantemente clamou e expôs o seu problema
aos gritos. Jesus não dava a mínima importância àquilo e até os seus discípulos o pediam para mandá-la
embora. Ela persistiu e, mesmo recebendo uma resposta negativa de Jesus, perseverou., prostrou-se aos
pés de Jesus e creu que não voltaria de mãos vazias. Jesus reconheceu nela a genuina fé que faz
acontecer o milagre e, como ela quis, foi feito.
O que nós normalmente fazemos quando Deus ignora os nossos pedidos? De tanto
pedirmos e não sermos atendidos, tendemos a seguir nosso próprio caminho, a desanimar e desviamo-
nos dele. Quando o Senhor está indiferente a nós, é como se nos pedisse para rever nosso modo de

Transcrição de Mário Márcio Barros da Silva Página 3 de5


Campanha “Projeto de Vida - 2009”

vida. Ele está perguntando: “- Por que devo fazer o que você me pede?” ou “- Que moral você tem para
pedir-me isso?”. Se Deus não nos responde, analisemos nossas atitudes. Humilhemo-nos perante ele e
peçamos que nos mostre o que precisamos melhorar, dando a ele razões para operar o milagre
esperado. Não devemos desistir. Perseveremos em oração, com a fé em ação, conforme apresentada em
seu conceito, em Hebreus 11:1. Coloquemo-nos perante ele com humildade. No momento oportuno,
veremos o milagre realizado.

COMO TOMAR DECISÕES

Texto para leitura: 2ª Coríntios 1:20; Gênesis 12 e 13.

O apóstolo Paulo nos deu uma perspectiva positiva da ação de Deus em nossas vidas,
porque vemos que o Senhor cumpriu, cumpre e cumprirá todas as suas promessas pois já disse sim e
amém para todas elas. Aleluia! Deus é fiel e quer reedificar a Igreja por suas promessas. Deus não é de
vontade passiva e tudo ele pode executar. Ele é poderoso! Mas somos nós, como Igreja, que
atrapalhamos o agir de Deus. Vemos hoje uma Igreja cada vez mais secularizada para fora e
espiritualizada só para dentro, monopolizando todas as bênçãos. Vivemos numa sociedade
predominantemente matriarcal em nossos dias, e, em função disso, a nova geração de jovens cresceu
mimada e protegida pelas mães e, quando precisa tomar decisões, pede opiniões aos pais, ao pastor da
igreja por medo de assumir uma opinião própria. Vão no caminho que os pais ou o pastor indicam.
Depois descobrem que o resultado obtido, muitas vezes, está longe do esperado e se frustram. Deus
quer reedificar a Igreja, mas espera que os jovens cristãos assumam decisões sérias por opiniões
próprias. O pastor não pode decidir por algo que é pessoal de cada um. Que caia por terra, o medo para
que Deus cumpra suas promessas! E que tenhamos coragem de assumir as consequencias de nossas
decisões. O exemplo da tomada consciente de decisões é visto dentro das atividades dos jovens que já
se decidiram. Se no início da formação desta igreja (denominação) não havia ministério de louvor, hoje
se vê um em atividade porque jovens tomaram essa decisão e Deus honrou-a fazendo prosperar o
grupo.
A decisão livra-nos das urgências e das omissões muito frequentes nas situações em que
ela não parte de nós mesmos. É preciso tomar decisões mas há critérios para fazer isso. Vejamos por
que. Deus deu a promessa a Abraão, de levá-lo a uma terra longe de seus parentes e, ali, Abraão
prosperaria e sua descendência seria abençoada e encheria a terra. Ló acompanhou Abraão e, ao
chegarem em Canaã, prosperaram tanto, que Abraão teve problemas com Ló por causa das contendas
entre os pastores de um e de outro, em virtude das misturas dos rebanhos. A situação urgia uma
tomada resoluta de decisão. Ló não poderia continuar vivendo junto de Abraão, de modo que, este
exigiu uma decisão e, qualquer que fosse o rumo tomado por Ló, Abraão iria para o outro lado. Todavia,
vamos ver os critérios para decidir, comparados com a atitude de Ló.
1. Não tome decisões pelo que seus olhos veem (Gênesis 13:10) – Nem tudo
que é bonito, é bom. Ló viu as campinas do Jordão e as escolheu, sem saber que Deus destruiria
tudo aquilo depois. Algo pode ser feio, razoável, mas se Deus estiver no negócio, é melhor do
que tudo;
2. Não devemos tomar decisões por motivo egoísta, visando riquezas ou
interesses afinizados (Gênesis 13:11) – Depois de ir às campinas do Jordão, Ló instalou-se
na parte oriental, que achava mais rica e.... pertinho de Sodoma! Deus pode transformar uma
terra estéril em boa. Foi o que sucedeu com Isaac, quando instalou-se no Neguebe, Apesar do
povo local padecer de fome com a esterilidade da terra, Deus prosperou a vida de Isaac e, onde
ele estava Deus prosperava tudo;
3. Devemos considerar nossa família quando decidir – Ló não consultou sua
família quanto a ir às campinas do Jordão e sua escolha quase lançou a família num abismo.
Além de terem sido raptados na guerra dos quatro reis contra cinco, obrigando Abraão a intervir
para salvá-los e ao seu patrimônio, tiveram de fugir às pressas de Sodoma. Na fuga Ló perdeu

Transcrição de Mário Márcio Barros da Silva Página 4 de5


Campanha “Projeto de Vida - 2009”

sua esposa. Antes de tomar uma decisão, consulte os outros membros de sua família, dando
destaque à opinião das mulheres. Elas são mais sensitivas que os homens – que são racionais –
e Deus prefere falar mais com as mulheres do que com os homens por causa disso;
4. Devemos considerar Deus nas nossas decisões - Pergunte-se: Deus será
glorificado nisso?

Para finalizar, valem aqui as admoestações de Paulo em 1ª Tessalonicenses 4:11 e 12:


“Procurai viver quietos, e tratar dos vossos próprios
negócios, e trabalhar com as vossas próprias mãos,
como já vo-lo temos mandado, para que andeis
honestamente para com os que estão de fora, e não
necessiteis de coisa alguma”.

Transcrição de Mário Márcio Barros da Silva Página 5 de5