Você está na página 1de 14

SUMÁRIO

1- PROJETO DE PESQUISA: ESTUDO DO BLOG COMO UM GÊNERO DO DISCURSO. ..................2

2- JUSTIFICATIVA .............................................................................................................................
........................3
2.1 - O BLOG E SUAS ORIGENS....................................................................................................................................4
2.2- RETOMANDO OS ANTIGOS DIÁRIOS NA VERSÃO DIGITAL, O BLOG ENQUANTO UM GÊNERO DISCURSIVO.............................5
2.2.1 - O blog e o diário: grau de semelhança e aproximação......................................................................6
2.2.2 - O blog: entre o público e o privado.....................................................................................................6
2.3- PROBLEMA DE ANÁLISE: AVALIAÇÃO E ESTUDO DO BLOG “ERAODITO ” ..................................................................7
2.4 - OBJETIVOS DA PESQUISA....................................................................................................................................7
2.4.1 - Objetivo Geral......................................................................................................................................8
2.4.2 - Objetivos específicos.............................................................................................................................8
3 - METODOLOGIA DE ANÁLISE ............................................................................................................
.............8

4- DESCRIÇÃO DO CORPUS DA PESQUISA..................................................................................................


.....9

5- CRONOGRAMA DE ATIVIDADES ......................................................................................................


............11

6- REFERÊNCIAS............................................................................................................................................
..........12
ANEXOS ...........................................................................................................................................................14
1- PROJETO DE PESQUISA: ESTUDO DO BLOG COMO UM GÊNERO DO DISCURSO.

2
2- JUSTIFICATIVA
2

A idéia de se estudar os blogs no contexto dos gêneros discursivos teve


origem na simples observação das funcionalidades e, principalmente do
imensurável volume de conteúdos que circulam na Internet, em sua dinâmica
própria. Falar em ambiente digital é mentalmente visualizar indivíduos, olhar fixo
em seus computadores ou notebooks, trabalhando ou pesquisando, muitos
deles totalmente isolados em algum lugar remoto do planeta, mas conectados
com o mundo. Dessa forma, o internauta, interage a cada minuto com outras
pessoas, como em uma prática discursiva, que se materializa no texto, nosso
conhecido texto. Sobre esta relação discursiva que se materializa no ambiente
digital torna-se necessário registrar um dado relevante, que pode ser traduzido
como uma justificativa para este projeto de pesquisa. Trata-se dos indicadores
apresentados pelo portal “World Fact Book”, no qual temos o Brasil registrando
em 2007, nada menos que 50 milhões de usuários na Internet. Não existem
muitos indicadores sobre o número de blogs publicados na Internet.O estudo
“Estado da arte da Blogostera1 ” publicado pelo site Technorati aponta um total
2.746. blogs, em junho de 2008. O blog pessoal representa 79 % deste total.
Este número é suficientemente relevante para sinalizar que o ambiente digital
é, entre outras coisas, uma extensão do meio impresso e, portanto, um espaço
onde floresce a produção textual e uma pluralidade de gêneros do discurso.
A produção textual, no entanto, rompe as fronteiras do meio impresso
convencional para juntar-se a outros registros tais como imagens e sons, dando
consistência e materialidade a este ambiente, o meio digital. Na Internet, no
entanto, a palavra, unidade da língua, e um simples endereço digital quase
sempre remete ao nome de um site, um blog, uma comunidade ou um fórum de
discussão. A Internet se materializa em grande parte no texto, criado a partir de
um sujeito do discurso, que ao escreve, vai escolhendo se prosa, verso, relato,
bilhete. Enfim, é a subjetividade e o contexto social onde se veicula determinado
enunciado, que define a tipologia dos gêneros do discurso, conforme postulado
por Bakhtin.

1
Do original “State of the Blogosphere”
3
Em cada campo existem e são empregados gêneros que correspondem às
condições específicas de dado campo; é a esses gêneros que
correspondem determinados estilos. Uma determinada função (científica,
técnica, publicística, oficial, cotidiana) e determinadas condições de
comunicação discursiva, específicas de cada campo, geram determinados
gêneros, isto é, determinados tipo de enunciados estilísticos, temáticos e
composicionais relativamente estáveis.(BAKTHIN, 2003, p.266)

Na Internet deparamos com uma variedade de suportes eletrônicos e, é no


campo de condições específicas das novas tecnologias, que surge o blog como
um novo gênero. O caráter de modernidade dos blogs, nos incita a olhar mais
cuidadoso para este ambiente, que configura essa nova uma modalidade de
interação verbal e abre espaço para o estudo dos gêneros do discurso. É
importante retomar as teorias bakhtinianas, como um referencial de suma
importância na justificativa deste projeto.
Se o gêneros do discurso não existissem e nós não os dominássemos, se
tivéssemos que de criá-los pela primeira vez no processo discursivo, de
construir livremente e pela primeira vez cada enunciado, a comunicação
discursiva seria quase impossível. [...] a diversidade dos gêneros do
discurso é muito grande. Toda uma série de gêneros sumamente
difundidos no cotidiano, é de tal forma padronizada que a vontade
discursiva individual do falante só se manifesta na escolha de determinado
gênero e ainda por cima na sua entonação expressiva. Assim, são por
exemplo, os diversos gêneros cotidianos breves de saudações, despedida,
felicitações, votos de toda a espécie, informação sobre a saúde, as
crianças, etc [BAKTHIN, 2003, p.283].

2.1 - O blog e suas origens

A Internet tornou possível o estabelecimento de novas práticas discursivas,


pressupondo um enunciatário empírico. A tela do computador surge como um
vidro opaco através do qual as pessoas podem trocar idéias e opiniões, de forma
anônima. Do outro lado dela, existe um público que pode “ouvir” o que o autor
tem a dizer, e tudo isso sem o constrangimento da relação face a face.
Os blogs surgiram por volta de 1999, com o suporte de alguns softwares
especializados. A concepção de funcionamento do blog era bastante simplista,
ou seja, apenas uma alternativa popular para a publicação de textos,
dispensando um conhecimento prévio de computação. O entendimento do blog,
produzido no meio digital, como pertencente às tipologias dos gêneros discurso,
foi objeto de discussão e ponderação por parte de alguns autores, dentre os
quais citamos Marcushi.

4
Os blogs tem uma história própria, uma função específica e uma estrutura
que os caracteriza como um gênero, embora extremamente variados nas
peças textuais que albergam. Hoje são praticados em grande escala e
estão fadados a se tornarem cada vez mais populares pelo enorme apelo
pessoal. [MARCUSHI,2004, p.61].

2.2- Retomando os antigos diários na versão digital, o blog enquanto um


gênero discursivo.

Existe hoje muita indagação acerca do aspecto de ser ele próprio, o blog, um
gênero do discurso, no qual circulam vários outros gêneros. Alguns ressaltam a
sua semelhança com os antigos diários de papel, repositórios de informações
acerca da vida de um determinado sujeito, mantido em lugar secreto. Isso
porque o blog apresenta como peculiaridade o fato de ser um site de caráter
pessoal, no qual o sujeito, também conhecido por blogueiro, posta diariamente
mensagens, informações e textos, normalmente de sua autoria. Por outro lado, é
comum que o blogueiro estabeleça dentro do blog a sua rede de relacionamento,
constando de links remissivos, que direcionam para outros blogs ou sites, o que
o afasta da privacidade do diário tradicional. Mesmo assim, algumas
características dos antigos diários podem ser reconhecidas nos blogs, enquanto
modernos diários virtuais.
Blog e diário compartilham entre si o aspecto fundamental que é a subjetividade
do autor, pois o indivíduo que cria e mantem o blog é o seu único dono e,
portanto tem total liberdade de expressão, comprovada pela frequência diária
das postagens.
A condição da identidade própria e da subjetividade são aspectos relevantes a
serem considerados no enquadramento do blog enquanto um gênero do
discurso, até pela característica da escrita, que Marcushi chamou de escrita
eletrônica.
Resumidamente, os blogs funcionam como um diário pessoal na ordem
cronológica de anotações diárias ou em tempos regulares que permanecem
acessíveis a qualquer um da rede. Muitas vezes, são verdadeiros diários
sobre a pessoa, sua família ou seus gostos e sues gatos e cães, atividades,
sentimentos, crenças e tudo o que for conversável. [MARCUSHI,2004,
p.61].

5
2.2.1 - O blog e o diário: grau de semelhança e aproximação.

A literatura e a observação prática de alguns blogs nos mostra que o blog e o


antigo diário de papel, guardam entre si grandes semelhanças.

O blog e o diário se aproximam:

- pelo caráter da intimidade e exposição da vida privada, em maior ou menor


grau;
- pelas barreiras que limitam o acesso ao conteúdo, pois ainda que no meio digital,
o blogueiro tem total autonomia para dar consentimento ou restringir o acesso
aos posts e comentários;
- pela frequência, bastante regular das postagens escritas, realizadas
diariamente.

2.2.2 - O blog: entre o público e o privado

No que tange ao aspecto da antiga perspectiva dos diários de papel, tidos como
íntimo e confidencial, é importante ressaltar que as mudanças de paradigmas no
âmbito da sociedade impactaram decisivamente essa condição, haja vista a
influência dos meios de comunicação no que diz respeito à chamada
privacidade.
A mídia atribui hoje um novo status ao culto e à exposição do privado,
adotando inclusive o vocábulo “exibicionismo”. O blog transita entre o privado e
o público pois, no meio virtual, o enunciador fala para seus enunciatários e
eventualmente pode permitir a entrada de pessoas estranhas.
Para Schittine, as páginas de um blog possibilitam a cumplicidade com pessoas
reais, entretanto, o blogueiro tem a segurança de que não vai conhecê-los em
“carne e osso”.
O blog é adaptação virtual de um refúgio que o indivíduo já havia criado
anteriormente para aumentar o seu espaço privado: o “diário íntimo”. O
mais interessante é que, apesar de todos os avanços técnicos, continua
sendo um diário baseado na linguagem escrita. Se inclui a imagem, ainda é
com uma padronização técnica e uma criatividade inferiores, e muito, à
bricolage que caracteriza o diário no papel. Cabe então ao texto, e

6
principalmente a ele, a criação do ambiente e da personalidade virtuais.
[SCHITTTINE, 2004, p.60-61).

Para retomar uma análise dos antigos diários em paralelo ao blog é preciso,
antes de mais nada, considerar esta nova realidade, na qual a tecnologia é fator
determinante nas transformações que ocorrem na sociedade e no
comportamento dos indivíduos. Não é meramente por acaso que, na língua do
“Internetês, o “blog” é um tipo de “midia social”, a qual se associa idéia da
mudança na maneira como as pessoas descobrem, lêem e compartilham
informações, notícias e conteúdos no ambiente Web. Sobre o processo de
comunicação, socialização e ideologia é oportuno nos reportarmos às teorias
postuladas por Marilena Chauí.

É portanto, das relações sociais que precisamos partir para compreender o


que , como e por que os homens agem e pensam de maneiras
determinadas, sendo capazes de atribuir sentido a tais relações, de
conservá-las ou de transformá-las. [...]. a história é o real e o real é o
movimento incessante pelo qual os homens, em condições que nem sempre
foram escolhidas por eles, instauram um modo de sociabilidade e procuram
fixá-lo em instituições determinadas (família, condições de trabalho,
relações políticas, língua, etc). [CHAUÍ, 2008, p.283]

2.3- Problema de Análise: Avaliação e estudo do Blog “eraOdito ”

Para o estudo do problema de análise e outros aspectos práticos a serem


averiguados, tomaremos como referência o blog eraOdito, mantido pelo autor
Marcelino Freire, por ser uma boa referência neste universo, e na sociedade em
geral, como um escritor reconhecido. Em seu blog constam produções textuais e
outros conteúdos, que serão amostrados e analisados, conforme especificado
no item (4) Descrição do Corpus da Psquisa.

2.4 - Objetivos da pesquisa

Segundo Bakthin, os gêneros são determinados a partir do uso da língua e da


interação verbal. Para ele cada enunciado particular é individual, mas cada
campo de utilização da língua elabora seus tipos relativamente estáveis de
enunciados, os quais denominamos gêneros dos discursos. À luz das teorias

7
bakthinianas pretende-se estudar os blogs, enquanto um gênero textual, onde aí
circulam vários outros gêneros.

2.4.1 - Objetivo Geral

- Estudar o blog enquanto um gênero textual, que não obedece a uma forma
rigorosamente fixa, ao mesmo tempo em que é também espaço no qual
circulam vários outros gêneros.

2.4.2 - Objetivos específicos

- Fazer uma leitura horizontal, observando sua arquitetura, a estruturação lógica,


a disposição dos conteúdos, as ilustrações, as postagens e
atualização/freqüência com que novas inserções são aí realizadas;

- Identificar quais são as características marcantes, que permitem a comparação


do blog com os antigos diários;

- Avaliar o processo de interlocução, ou seja, como ocorre a interação entre o


blogueiro Marcelino Freire e seus enunciatários, os valores ideológicos e a
subjetividade do sujeito blogueiro e escritor;

- Analisar uma amostra de conteúdos retirados do blog, privilegiando as


produções textuais, com vistas a identificar o tipo de gênero e destacar suas
principais características.

3 - METODOLOGIA DE ANÁLISE

Quanto à escolha da metodologia, por se tratar de um projeto no âmbito dos


gêneros textuais, optou-se pela seleção de amostras de textos disponibilizados
no próprio blog, eraOdito. Para realizar tal análise vamos nos valer dos
conceitos teóricos postulados por Mikail Bakhtin sobre os gêneros do discurso,
pré-requisito para o desenvolvimento deste projeto.
O conceito de gênero discursivo, tal como apresentado por Bakhtin, ajuda-nos a
compreender e lidar com novas textualidades mediadas por suportes eletrônicos digitais,
presentes em nossas manifestações culturais. No mundo das comunicações interativas da
vida cotidiana, mundo em permanente devir, os gêneros discursivos vão adquirindo um
contorno mais preciso. Vale ressaltar, entretanto que em nenhum momento as diferentes
8
visões de mundo refletidas ou refratadas nos gêneros discursivos se anulam, mas
coexistem, criando novas possibilidades de sentidos adquados ao tempo presente. [SOUZA
& GAMBA Jr., 2002, p.104].

O Corpus se constituirá de conteúdos publicados e recortes de peças da


arquitetura visual do blog:

a) Página de abertura do blog – Composição longitudinal da tela. Apresentação


de um panorama do suporte no qual o gênero está inserido, as
características, o leiaute de apresentação e as condições de funcionamento
(freqüência, cronologia e atualização);

b) Recorte na composição do blog – Páginas internas (profundidade) do blog.


Nesta etapa serão tomadas algumas amostras de conteúdos publicados no
blog, considerando os gêneros que aí circulam (artigos, comentários, links
para outros blogs, etc);

c) Análise das amostras de elementos que compõem as “produções textuais”


do blog, considerando o formato/gênero, o estilo, as estratégias textuais,
vozes que circulam nos textos amostrados, intertextualidade etc.

4- DESCRIÇÃO DO CORPUS DA PESQUISA

Para finalidade de estabelecimento do Corpus, tomaremos como referência o


Blog “eraodito”. Marcelino Freire no seu blog, posta textos e mensagens com
bastante regularidade. Uma primeira avaliação espacial nos permite identificar a
publicação de textos, que se enquadram em diferentes gêneros, tais como
poesias, contos, síntese de livros, e até mesmo um perfil, que se assemelha a
uma biografia. A partir dessas observações optou-se pelo estabelecimento de
um corpus, compreendendo as seguintes amostras de conteúdos:
1- Página de abertura do blog (Anexo A);

2- Perfil e Ideologia de Marcelino Freire. O blogueiro e o autor: sua construção


como sujeito ideológico. Entrevista, publicada no Portal Literal: O autor
Marcelino Freire e sua relação com o Blog; (Anexo B):

3- Postagens – avaliação do formato, apresentação e cronologia de 03 “Posts”;

4- Textos selecionados no blog para análise (Anexo C):

a) Microcontos para uma sexta-feira 13

b) 35 rapidinhas

9
c) Conto:Caderno de Turismo

5- Menu/barra lateral: Comentários genéricos acerca do tópico “Outros DitOs”


e detalhamento de outros sites/blogs postados pelo blogueiro Marcelino Freitas.

10
5- CRONOGRAMA DE ATIVIDADES

A execução deste projeto contemplará as etapas, atividades e as datas


das entregas, conforme consta no cronograma abaixo.

2009

ETAPAS Março Abril Maio Junho

Definição do tema X

Elaboração de minuta inicial do Pré X


Projeto

Discussão e validação de minuta X X


do texto

Montagem do Corpus da Pesquisa X

Entrega do Projeto X

Análise do Corpus de Pesquisa X

Consolidação e entrega da X
Monografia

11
6- REFERÊNCIAS

BAKHTIN, Mikail. Gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. São Paulo:
Martins Fontes, 2001, p 261-306.

Blog eraOdito – blog de Marcelino Freire.


http://www.eraOdito.blogspot.com/ (Acessado em 19/03/2009)

CHAUÍ, Marilena. O que é ideologia. 1980, 47p.


http://www.scribd.com/doc/7177965/Marilena-Chaui-O-Que-e-Ideologia
(visitada em 04 de junho de 2009).

O estado da arte da blogosfera, 2008.


http://technorati.com/blogging/state-of-the-blogosphere/who-are-the-
bloggers/ . (visitada em 01 de junho de 2009).

Marcelino Freire: sedução tentacular do escritor que queria ser ator


http://www.literal.com.br/artigos/marcelino-freire-seducao-tentacular-do-escritor-que-
queria-ser-ator (visitada em março/abril de 2009).

MARCUSHI, Luiz Antônio & Xavier, Antônio Carlos. Hipertextos e gêneros digitais;
novas formas de construção do sentido. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004. 196 p.

MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles. Práticas discursivas, gêneros do discurso


e textualização. Revista Estudos lingüísticos, v, p. 136-145.
http://www.gel.org.br/estudoslinguisticos/edicoesanteriores/4publica-estudos-
2006/sistema06/mdlmm.pdf (visitada em 21 de abril de 2009).

MURANO, Edgar. A maturidade do internetês. A grafia popularizada pela internet


consolida estilo informal e afetivo da comunicação escrita.
http://revistalingua.uol.com.br/textos.asp?codigo=11684 (visitada em 05 de
Junho de 2009).

Olhar ao revés de Marcelino Freire. Flávia Merighi Valenciano


http://www.fflch.usp.br/dlcv/revistas/crioula/edicao/02/Resenhas/ResenhasContosNe
greiros.pdf (visitada em 26 de abril de 2009).

RIBEIRO, Tiago da Silva. E-mail e Blog: “gêneros textuais” ou veículos de


comunicação? Hipertextus Revista Digital. N.2, janeiro de 2009.
http://www.hipertextus.net/volume2/Tiago-Silva-RIBEIRO.pdf (visitada em 21 de
abril de 2009).

SCHITTINE, Denise. Blog: comunicação e escrita íntima na Internet. São Paulo,


Civilização Brasileira, 2004. 235p.

12
SOUZA, Solange Jobin & GAMBA Jr. Nilton. Novos suportes, antigos temores:
tecnologia e confronto de gerações nas práticas de leitura e escrita. In:Revista
Brasileira de Educação, n.21, p.104-113.
http://www.anped.org.br/rbe/rbedigital/RBDE21/RBDE21_10_SOLANGE_JOBIM_E_S
OUZA_E_NILTON_GAMBA_JR.pdf (visitada em 05 de Junho de 2009).

WORLD Fact Book. Indicadores de acessos à Internet, por país.


https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/fields/2153.html

13
ANEXOS

ANEXO A – PÁGINA DE ABERTURA DO BLOG

ANEXO B – O AUTOR MARCELINO FREIRE E SUA RELAÇÃO COM O BLOG.


(ENTREVISTA)

ANEXO C - TEXTOS SELECIONADOS NO BLOG

- 13 Microcontos para uma sexta-feira 13

- 35 RAPIDINHAS

- Conto: Caderno de Turismo

14