Você está na página 1de 8

REZERNEIDE GUIMARÃES MELO

MARIA DE JESUS QUEIROZ MAGALHÃES


KÁTIA MARIA DA SILVA MATOS
ROSÁLIA DE OLIVEIRA SOARES

O FEIO PODE SER BELO


“Proposta educacional que faz da reciclagem de papel mais um
instrumento para a formação integral do jovem.”

Proposta pedagógica extra-classe que preza


pela preservação do meio ambiente através
da reciclagem de papel, voltada para o
reforço da aprendizagem escolar, terapia
ocupacional, descoberta e valorização
artística e opção em geração de renda.

BRAGANÇA
2007
2

1-IDENTIFICAÇÃO
ESCOLA: E.E.E.Fundamental e Médio “Profº Bolívar Bordallo da Silva”.
CMPJ: 01.926.846/0001-10
CEP: 68.600-000
END.: Trav João Paulo Ribeiro, S/N, Padre Luiz, Bragança-Pa
FONE/FAX: (091) 3425 1516
GESTORA: Clara Orminda da Silva Matos
E-MAIL: bbordalo.est@seduc.pa.gov.br

2- TÍTULO
O FEIO PODE SER BELO: Proposta educacional que faz da reciclagem de papel
mais um instrumento para a formação integral do jovem.
Este projeto é uma proposta educacional que abrange as disciplinas de Artes,
Matemática, Língua Portuguesa, Educação Ambiental, Ciências, Sociologia e Biologia.

3-INTRODUÇÃO
A idéia de reaproveitar e reciclar deveria estar presente em todos os lares a começar
pela separação daquilo que se chama de “lixo”, pois os rejeitos de alguns podem render o
pão de cada dia a outros.
A natureza está repreendendo a ação humana da pior maneira possível: desastres
ambientais afetam muito mais aos humanos que as próprias populações da fauna e da flora.
É preciso entender que necessitamos do planeta Terra mais do que ele necessita de nós e
garantir essa biodiversidade para futuras gerações é uma questão de cidadania.
A busca constante de progresso, inerente da atividade humana, tem deixado de lado,
na grande maioria das vezes, as questões ambientais. O homem pensa em usar apenas o que
tem hoje sem se preocupar como vai ser no futuro.
Por isso, novas consciências devem ser formadas para que progresso siga sem
agredir a natureza, o que é mais natural ocorrer com o jovem visando os novos meios de
sobrevivência ecológica e sustentável e, uma dessas soluções é certamente a reciclagem.
No que diz respeito à reciclagem de papel, no Brasil, o consumo anual (por
habitantes) manteve-se instável em 1998, situando-se em 38,4kg, ainda distante dos níveis
observados em países mais desenvolvidos, como os USA (336,5kg por habitante). No
entanto estima-se que 35% do papel produzido no país nos últimos dez anos são originados
de matéria prima reciclada. Nos Estados Unidos, esse número 27,6%, caindo para 10,8% no
3

Canadá. (www.ecofuturo.org.br).
A Escola costuma descartar grande quantidade de papel, vindo dos trabalhos dos
alunos, secretaria, jornais, revistas, cartazes e outros que podem ser reutilizados na
fabricação do papel artesanal proporcionando, primeiro a sensibilização no cuidado com o
meio ambiente e em seguida a criatividade, a valorização artística, o conceito de que quase
tudo pode ser reaproveitado e, ainda possibilidade de geração de renda.
Pensando nesses indicadores e sabendo que muita coisa pode ser confeccionada com
o reaproveitamento de papel e outros materiais, propõe-se “O FEIO PODE SER BELO”
que visa à integração de alunos, pais e professores no contexto do reaproveitamento daquilo
que seria lixo, ensinando-os que, com dedicação e criatividade, muito pode ser feito.
E por que não aproveitar as práticas de produção e comercialização para
ensinar/aperfeiçoar conceitos como proporcionalidade, operações com juros e lucros, regras
de três simples e composta, frações, operações com números reais, gráficos estatísticos,
transformação da matéria, soluções, cálculos estequiométricos, misturas, produção textual,
ampliação de vocabulário, análise de texto não-verbal e a criatividade artística com o
desenvolvimento da imaginação. Com isso, pretende-se ampliar o universo do aluno para a
observação, pesquisa, coleta, criação e produtividade.

3- JUSTIFICATIVA

Diante das problemáticas ambientais tão evidentes e urgentes, é necessário criar


alternativas para a melhoria da qualidade de vida do ser humano e do planeta. Ações
práticas, como a reciclagem, mostram-se viáveis ecológica e economicamente.

4- OBJETIVOS
• Trabalhar o papel descartado no ambiente escolar como um instrumento pedagógico
para o reforço da aprendizagem, descoberta e valorização artística, terapia
ocupacional e opção de geração;
• Garantir a constante discursão sobre os impactos ambientais;
• Expandir a proposta para fora da escola, através de oficinas e mini-cursos, formando
multiplicadores;
• Conscientizar o aluno para ser agente transformador, atuante e participativo;
• Formar parcerias com Instituições e Ong’s para enriquecimento e divulgação;
• Fomentar a coleta seletiva dentro do âmbito escolar.
4

5- METODOLOGIA

Primeiramente acontece a sensibilização ambiental através de textos e palestras


seguido da seleção e inscrição no projeto. Esse processo envolve alunos do ensino
fundamental e médio, que, como pré-requisito, deverão estar regularmente matriculados em
uma unidade de ensino aluno (não necessariamente na escola situante). Envolve também
membros da comunidade, que deverão ter disponibilidade de tempo e concordar com as
práticas do voluntariado. Para a permanência no projeto é observada a assiduidade e o
compromisso com as atividades. Quanto ao aluno, observa-se ainda o comportamento e
desenvoltura escolar, este deverá ter 100% de aprovação.
As aulas extra-classe são regulares e acontecem no Laboratório de Reciclagem
localizado nas dependências da escola com quatro horas semanais para cada grupo atuante
(manhã, tarde e noite), onde são desenvolvidas atividades de confecção de placas de papel
machê1 (prensado e com textura), fazendo as abordagens pedagógicas junto aos conteúdos
de diversas disciplinas, realizando pesquisa bibliográfica, viabilizando materiais
necessários, para então fazer a confecção de peças (agendas, cartões, caixas, etc.),
posteriormente organizam-se as exposições periódicas. Após 80h de curso, é feita a
certificação de monitores/multiplicadores aptos. Além disso, os alunos da Escola Bolívar
Bordallo este têm direito a crédito extra em uma disciplina de sua escolha, não podendo
ultrapassar 2 (dois) pontos a cada semestre.
Para a extensão e disseminação da idéia de reciclar como meio de proteção ao
ambiente, instrumentação pedagógica e garantia de opção de renda, o projeto se dispõe à
prática de mini-cursos, tendo como público alvo as escolas (Municipais e Estaduais) e
Ong’s interessadas nesse propósito. Para isso, o projeto vai aonde é chamado, e, com
apenas oito horas de mini-curso, uma semente é plantada.

1
Papel machê (palavra originada do francês papier mâché, que significa papel picado, amassado e esmagado)
é uma massa feita com papel picado, água, coado e depois misturado com cola . Com esta massa é possível
moldar objetos em diferentes formatos, utilitários ou decorativos. Na consistência exata pode ser modelada e
pintada. Depois de seca torna-se dura, leve e resistente. O processo de confecção é um tanto quanto lento,
porém simples e econômico. No projeto, a modelagem dessa massa é feita com o auxílio de telas, que dão a
forma de placas, que depois de secas podem ser recortadas, perfuradas, pintadas e coladas durante a
confecção das peças.
5

6- METAS
• Espaço físico climatizado adequado para no mínimo 20 alunos;
• Aquisição de utensílios (baquetas, bacias, baldes, telas, pias e outros);
• Aquisição de equipamentos (liquidificador industrial, pirógrafo, prensa, estufa,
micro computador ligado à internet, fotocopiadora, etc.);
• Aquisição de equipamentos gráficos e decorativos (perfuradores, tesoura de picotar,
alicates, tesoura, estiletes, réguas, canetas apropriadas, cola, verniz, etc.);
• Construção de recipientes para a coleta seletiva em toda a Escola;
• Divulgação do projeto em periódicos como a Nova Escola;
• Elaboração de catálogo colorido expositivo de peças para encomendas;
• Garantir participação em feiras municipais de meio ambiente e manifestações
culturais;
• Conquista de parcerias para a maior extensão do projeto;
• Página virtual;
• Disponibilidade de carga horária para os professores atuantes.

7- CONOGRAMA DAS ATIVIDADES

Períodos e Etapas FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO


1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª
Reunião para
planejamento e
Organização do espaço
físico
Sensibilização
Seleção e inscrição
Pesquisa bibliográfica
Aulas regulares
Coleta Seletiva
Mini-cursos
Exposições
Certificação de
concluintes

Intercâmbio
Reuniões avaliativas
Períodos e Etapas AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO
1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª
Reunião para
planejamento e
Organização do espaço
físico
Sensibilização
6

Seleção e inscrição
Pesquisa bibliográfica
Aulas regulares
Coleta Seletiva
Mini-cursos
Exposições
Certificação de
concluintes

Intercâmbio
Reuniões avaliativas

8- RECURSOS FINACEIROS

Nº DESCRIMINAÇÃO QUANTIDADE PREÇO (R$)


1-UTENSÍLIOS Unitário Total
1 Bacia plástica média 05 8,00 40,00
2 Bacia plástica grande 05 10,00 50,00
3 Balde plástico médio 05 3,00 15,00
4 Balde plástico grande 05 4,00 20,00
5 Caneca plástica de 200 ml 10 0,80 8,00
6 Caneca plástica de 500 ml 10 1,00 10,00
7 Colher inox c/ 3 unidades 6 4,00 24,00
8 Tela plástica tamanho A4 25 7,00 155,00
9 Tela plástica tamanho A3 30 10,00 300,00
10 Régua 30 cm 10 0,40 4,00
11 Régua 50 cm 10 1,00 10,00
12 Estilete grande 20 2,00 40,00
13 Alicate ponta fina 01 29,60 29,60
14 Tesoura pequena 20 2,60 52,00
15 Tesoura grande 10 8,26 82,60
16 Tesoura de picotar 03 35,28 105,84
17 Perfurador decorativo 20 9,46 189,20
18 Perfurador de furo unitário 03 8,50 25,50
19 Grampeador de mesa metal 03 10,44 31,32
20 Pirógrafo 03 16,00 48,00
TOTAL ----- 1.240,06
2- MATERIAL DE REPOSIÇÃO
1 Cola branca litro/caixa 12 93,60 1.123,20
2 Cola para isopor 500ml/caixa 12 96,00 1.152,00
3 Cola de auto relevo 10 2,80 28,00
4 Cola glitter cor diversificada 30 2,50 75,00
5 Corante para tinta a base d’água 60 2,00 120,00
6 Lápis preto nº 02 caixa 02 7,20 14,40
7 Borracha branca caixa 02 4,00 8,00
8 Lápis de cor 05 2,50 12,50
9 Giz de cera 05 2,50 12,50
10 Caneta hidrocor 05 3,00 15,00
7

11 Marcador para retroprojetor nº 01 10 2,50 25,00


12 Caneta com glitter cores diversas 20 2,00 40,00
13 Espirais tamanhos diversos 200 0,80 160,00
14 Fitilhos (peças) 10 6,00 60,00
15 Renda (peças) 10 6,00 60,00
16 Miçangas 100g 10 3,00 30,00
17 Fitas plásticas decorativas (peças) 07 2,00 14,00
18 Linha de crochê 500m 20 6,00 120,00
19 Lã 10 3,00 30,00
20 Barbante cru 30 2,80 84,00
21 Barbante colorido 20 5,00 100,00
22 Sisal 03 4,50 13,50
23 EVA 05 1,00 5,00
24 Papel A4 75g resma para encadernação 10 11,90 119,00
25 Plástico transparente metro 20 3,50 70,00
26 TNT metro 20 1,00 20,00
27 Tinta para tecido (pequena) 50 2,00 100,00
28 Tinta guache 250 ml 50 2,50 125,00
TOTAL ---- 3.736,10

9-RECURSOS HUMANOS
Professores, alunos do Ensino Fundamental e Médio, gestores, pais e demais
integrantes da comunidade escolar. Conforme quadro abaixo, integram o projeto 2007:

01 Alessandro Augusto Magalhães 5ª série 109 17 Juliene dos Santos Melo 7ª série 115
02 Ana Clara Matos da Costa MC* 18 Kátia Maria da Silva Matos Professora
03 Ana Cláudia Fernandes Moraes Ens. Médio 19 Kelly Adriane Melo da Silva 6ª série 112
04 Carlos Gabriel Sousa de Jesus 8ªsérie 118 20 Mª de Jesus Q. Magalhães Professora
05 César Wesley de S. Teixeira 6ª série 212 21 Marcelo Almeida de Oliveira 6ªsérie 212
06 Cláudia Calixto Silva Mãe e MC 22 Marcos Vinicius R. dos Reis MC
07 Edicélia Silva Filho 6ª série 212 23 Maria Raimunda Sampaio MC
08 Elineuza Mª S. Moura Garcia Mãe e MC 24 Marienny Ferreira da Silva 6ª série 112
09 Fabiane Ribeiro da Silva 6ª série 112 25 Narcisio Alex dos Santos 7ª série
10 Geórgia Baltazar Cunha 6ªsérie 212 26 Raynara Ohana F. Gonçalves 7ª série 114
11 Gleyson Jorge de Lima Reis Ens. Médio 27 Rezerneide Guimarães Melo Professora
12 Ingryd Karoline G. Quadro 6ªsérie 212 28 Rosália de Oliveira Soares Professora
13 Íris Fernanda S. da Silva Ens. Médio 29 Romeu Figueiró Junior 6ª série 212
14 Ionete Silva Professora 30 Tais Ramos do Nascimento 6ª série 112
15 Joelma Gomes da Silva Professora 31 Valdir Assis dos Reis Filho 8ª série 118
16 Jorge Luis Reis do Rosário E. M. EJA 32 Vanessa de N. R. dos Reis MC
* MC – Membro da Comunidade

10-ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÕES

Tudo é registrado e tabulado, seja por meio de fotos, gráficos ou relatórios. A


avaliação se dá continua e progressivamente. É realizada pela comissão organizadora e uma
8

representação de todas as categorias da escola, com o intuito de subsidiar a melhoria das


próximas atividades.

Bragança –Pa, 12 de julho de 2007.

_______________________________ ________________________________
REZERNEIDE GUIMARÃES MELO Mª DE JESUS QUEIROZ MAGALHÃES
RG: 2501449 Mat.: 54182458-1 RG: 1491753 Mat.: 5062543-1

__________________________________
ROSÁLIA DE OLIVEIRA SOARES
RG: 1792746
Mat.: 5434874-3