PEDOFILIA E PEDERASTIA NO BRASIL ANTIGO Luiz Mott MOTT, Luiz. Pedofilia e Pederastia no Brasil Antigo.

In: DEL PRIORE, Mary et al. (Org.). História da criança no Brasil . Coleção Caminhos da História. São Paulo: Contexto, 1991, p. 44-60. PEDOFILIA E PEDERASTIA NO BRASIL "E o Mestre disse: Deixai vir a mim os pequeninos. . . " (Lucas, 18:16) Dentre os tabus sexuais mais repelidos pela ideologia ocidental contemporânea estão a pedofilia - relação sexual de adulto com criança pré-púbere - e a pederastia - relação sexual de adulto com adolescente - também chamada efebofilia (Dynes, 1985: 109-110).[...] Mais grave ainda, para a opinião pública, são as relações sexuais envolvendo homem adulto com menino ou adolescente, na medida em que dois tabus cruciais são desrespeitados: o erotismo intergeracional e a homossexualidade. Sobretudo nos Estados Unidos, um dos maiores preconceitos contra os gays é a acusação de que representam uma ameaça à integridade física das crianças (children molesters), embora pesquisas repetidamente comprovem que são, sobretudo, os heterossexuais os responsáveis pelo maior índice de violência sexual contra os menores de idade (Hoffman, 1970). [...] Alguns historiadores têm mostrado que a dessexualização da criança é fenômeno recente na história ocidental, e que até meados do século XVII, meninos e meninas - inclusive nos palácios reais viam, falavam, ouviam e agiam com mais soltura em matéria de sexo do que seus sucessores do período vitoriano (Ariès, 1981; Foucault, 1980; Schérer, 1974). Em outras sociedades, como na Grécia antiga, a relação sexual entre adultos e jovens fazia parte do próprio processo pedagógico (Dover, 1978), e contemporaneamente, em dezenas de sociedades tribais da Melanésia, ainda se pratica a pederastia ritual compulsória para todos os adolescentes, através da qual os homens adultos transmitem seu sêmen, quer por via anal, quer oral, acreditando que só assim as novas gerações crescerão fortes e possuirão a semente da vida (Herdt, 1984). O que para muitos é chocante, cruel e considerado como grave desrespeito à inocência infanto-juvenil, noutras sociedades é conduta normal, método pedagógico ou ritual de iniciação no mundo adulto. Um bom exemplo de como em nossa própria tradição ocidental as intimidades físicas entre adulto e criança não causavam espanto, é o celebérrimo milagre de Santo Antonio de Pádua,

pouco mais ou menos. chegando-se à porta do quarto com silêncio e cautela. 46 anos. todo rei na majestade da presença. Viu que Antonio se regalava com aquele menino entre doces e amorosas cancias com ele nos braços. Eis um relato: "segundo a prodigiosa e admirável visão de um seu devoto. "saindo de sua casa um seu filho. pois mesmo quando realizada com violência. Luiz. convenhamos. era demasiada a intimidade.. a pedofilia em si nunca chegou a ser considerada um crime específico por parte da Inquisição.] espreitando acaso o que o santo fazia. foi levado por um moço. vindo o menino para casa todo ensanguentado (Confissões da Bahia. que andava vendendo peixe pela rua. que se entretinha nos braços de Antonio que venturosamente serviam de setas àquele amor. que "uma noite. 1725: 138). 1935: 46-47). 1814)." (Abreu. Ó temporal Ó mores! (Arquivo Nacional da Torre do Tombo. moradora na Vila de Santarém. Pedro. sempre representado com o Menino Jesus no braço. F. In: DEL PRIORE. Mary et al. 192 e ss. A naturalidade com que esse outro pedófilo confessa seus "desvios" é estarrecedora: trata-se de um sacerdote brasileiro. [. não eram conduta das mais condenadas pela Teologia Moral. altas horas da noite. todo Cupido nas nudezas do corpo. embora na época fosse naturalmente aceita. residente em Salvador.. parece que as relações sexuais entre adultos e adolescentes.. Mesmo para um santo. em 1591. a penetrou também pelo traseiro". Pedofilia e Pederastia no Brasil Antigo. São Paulo: Contexto. e todo amor na ternura dos afetos. . de 5 anos. escrava. mulher casada. cuidando que corrompia a dita moça pelo vaso natural. Caderno do Nefando n-° 20. 1591-1592. querendo corromper outra moça. Museu Regional de S. Esperanza. a penetrou pelo vaso traseiro e nele teve penetração sem polução. (MOTT. Inventário de Francisco Moreira de Carvalho. para um porão e usou do menino por trás. 44-60). E outra vez.. toda aurora nos risos da boca. e depois de cear e se encher de vinho. p. criado. Coleção Caminhos da História. fl. Os dois episódios que se seguem exemplificam nossa asserção: Em 1746. de 24 de abril de 1752. o cônego Jácome de Queiroz. chega ao Tribunal do Santo Ofício de Lisboa a seguinte denúncia: Maria Teresa de Jesus. Rio de Janeiro. História da criança no Brasil . (Org. levou à sua casa uma moça mameluca de 6 ou 7 anos. sua escrava de idade de 7 anos. João del Rei. Briguiet. além de frequentes.).nosso santinho casamenteiro natural de Lisboa. Manoel. 1991. Confessou perante o visitador do Santo Ofício. Em nossa tradição luso-brasileira. reparou pelos resquícios das desunidas taboas da porta e viu um belo e formosíssimo infante. Primeira Visitação do Santo Ofício às partes do Brasil.

a cópula anal. não provocou qualquer preocupação ou prurido ao pedófilo: seu medo era unicamente ter cometido "o mais torpe e imundo pecado. MOTT. São Paulo: Contexto. In: DEL PRIORE.teria sido a cópula anal na época referida como "abominável pecado de sodomia".e seu crime . que segundo acusação teria abusado sexualmente de cerca 200 crianças de instituto para deficientes auditivos nos Estados Unidos. principal elaborador da declaração Homossexualidade e Esperança (Homosexuality and Hope). provocou duras criticas e questionamentos sobre a conduta da Igreja Católica. 1991. História da criança no Brasil . Murillo. e não o celibato (FIORE. Mary et al.). defende uma reforma completa nos seminários católicos para incluir no programa ensinamentos sobre a moralidade sexual (Seminar Reform Needed in Wake of Sex Abuse Study 01 Maio 2004. se adiciona a lista a recente e muito polemica declaração do cardeal Tarcisio Bertone. (Org. que a poucos dias disse que a causa por trás dos casos de pedofilia na Igreja seria o homossexualismo.O remorso do cônego . Coleção Caminhos da História. Pacotilha 69. o médico Dr. org. . 2013). p.). da Associação Médica Católica dos EUA. Pedofilia e Pederastia no Brasil Antigo. enquanto o percentual restante se refere ao abuso sexual de crianças pré-púberes. Escândalo pedofilia na Igreja Católica . 44-60. Luiz. O relatório da Universidade John Jay indica que de 80% a 90% dos padres que abusaram sexualmente de menores nos últimos 52 anos envolveram-se na verdade com garotos adolescentes. E se como não bastasse só os casos de pedofilia envolvendo a Igreja. do caso do padre Lawrence Murphy. Rick Fitzgibbons. de 3 de março de 1846). A corrupção de menores não constituía motivo sequer de advertência (Arquivo Público do Estado de Sergipe. em 1985. ambas com sete anos.Esclarecendo os fatos. A infantilidade e pureza dessas duas meninas. Zenit. Em resposta ao relatório. A divulgação. ofício do chefe de Polícia Henrique Jorge Rebello ao presidente da Província.