Você está na página 1de 38

Proteção de SEP

Clever Pereira

PROTEÇÃO DE DISTÂNCIA

1. INTRODUÇÃO

(a) HISTÓRICO

? CRESCIMENTO DOS SEE Þ COMPLEXIDADE

? EXIGÊNCIAS DE SELETIVIDADE E RAPIDEZ

? RELÉS DE SOBRECORRENTE Þ NÃO INDICADOS

? RELÉS DE DISTÂNCIA

ALTAS VELOCIDADES

BOA COORDENAÇÃO

TELEPROTEÇÃO, RELIGAMENTOS, ETC

(b) PLANO DAS IMPEDÂNCIAS VISTAS POR UM RELÉ

Im(Z R ) = X Z R q 1 Re(Z R ) = R
Im(Z R ) = X
Z R
q
1
Re(Z R ) = R

R

V

I R

Z

=

R

(1)

Proteção de SEP

Clever Pereira

2. CARACTERÍSTICAS NO PLANO Z

2.1. CARACTERÍSTICA DE OPERAÇÃO DOS RELÉS

 

Ï S

=

IZ

-

V

 

Ì

1

N

Ó

S

2

=

V

=

 

r

q

 

I Z

N

-

V

I / Z

N

-

V

 

I

=

I /

I

V

V

I

I

-

90

<

q

<

90

 

ˆ

 

(

r

)

=

Ê Z

arg Á

Á

N

-

 

Z

R

˜

˜

¯

 

Ë

Z

R

=

COF (cos)

Definindo

S 1

S 2

= r

então

I Z

N

-

V

r =

V

Ï COF (cos):

Ô

Ì

Ô

Ó

= arg

q

A solução gráfica da equação (5) acima está ao lado. Verifica-se que para valores de Z R dentro do círculo o ângulo q entre Z N – Z R e Z R é agudo, caracterizando a operação do relé. No círculo, este ângulo é reto, caracterizando uma condição limite e, fora do círculo, obtuso, caracterizando um ponto de não operação.

r =

Z

R

Z N

- Z

R

(2)

(3)

(4)

fi OPERA (5) X q Z N - Z R Z N Z N -
OPERA
(5)
X
q
Z N - Z R
Z N
Z N - Z R
Z R
q
Z N - Z R
q
Z R
Z R
R

Proteção de SEP

Clever Pereira

2.2. CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA ELÉTRICO

(a) CARACTERÍSTICA DE FALTA

l x I I’ F Z L (W/km) I R F V R V
l
x
I
I’
F
Z L (W/km)
I
R
F
V
R
V

(

)

V

x

Z

L

I

+

R

F

I

+

I ¢

 

Ê

I ¢

ˆ

     

=

x

Z

L

+

R

 

Á

1

+

˜

(6)

 

F

 
 

I

Ë

I

¯

   

R F = 0

 
 

Z

R

= x Z

L

 

I’ = 0 ou em fase com I

 
 

Z

R

=

x Z

L

+

R

F

(1 + a )

 

; a 0(real)

     

I¹ 0 e fora de fase com I

 
 

R

 

Z

R

=

x Z

L

+

R

F

(1 + b )

 

; b complexo

Z

=

=

R I

X Z L
X
Z L

Proteção de SEP

Clever Pereira

(b) CARACTERÍSTICA DE OPERAÇÃO NORMAL

TENSÃO DE OPERAÇÃO : V OPERAÇÃO (FF)

POTÊNCIA DE OPERAÇÃO : (0 - S MÁXIMA(3F) )

FATOR DE POTÊNCIA: cosq 1(ind) a cosq 2(cap)

Linha de Transmissão

X q 1 |Z min | q 2 |Z min | R
X
q 1
|Z min |
q 2
|Z min |
R

Z MIN

=

V

2

OPERAÇÃO

S MÁXIMA

(c) CARACTERÍSTICA DE OSCILAÇÕES ELÉTRICAS

A B Z L Z S1 Z S2 E 1 d 1 I E 2
A
B
Z L
Z S1
Z S2
E 1
d 1
I
E 2
d 2
R
A
V
S MÁXIMA (c) CARACTERÍSTICA DE OSCILAÇÕES ELÉTRICAS A B Z L Z S1 Z S2 E

Proteção de SEP

Clever Pereira

3. SELEÇÃO DAS GRANDEZAS DE OPERAÇÃO

3.1. HIPÓTESES BÁSICAS

DAS GRANDEZAS DE OPERAÇÃO 3.1. HIPÓTESES BÁSICAS Z ' x Z (1 - x ) Z
Z ' x Z (1 - x ) Z Z S1 S1 L1 L F
Z
'
x Z
(1
-
x
)
Z
Z
S1
S1
L1
L
F
1
I
'
I
+
a1
a1
+
E
'
E’
V
V
a1
_
a1
_
Z ' x Z (1 - x ) Z Z S 2 S 2 L1
Z
'
x Z
(1
-
x
)
Z
Z
S
2
S
2
L1
L 1
F
2
'
I
I a2
a2
'
V a2
V a2
Z ' x Z (1 - x ) Z Z S 0 S 0 L0
Z
'
x Z
(1
- x
)
Z
Z
S
0
S
0
L0
L 0
F
0
'
I a0
I a0
'
V a0
V a0

V¢ =V

a1

a1

-x Z

L1

I

a1

V¢

a2

V¢

a0

= V

a2

= V

a0

- x Z

L1

I

a2

- x Z

L0

I

a0

(7)

(8)

(9)

Proteção de SEP

Clever Pereira

3.2. SELEÇÃO DAS GRANDEZAS DE ENTRADA

(a) ANÁLISE PARA FALTA FASE-TERRA (AT)

Para esta falta

V ¢ = 0

a

ou seja

¢ =

V

a

¢

V

a

0

+

¢

V

a

1

' Z x Z Z (1 - x ) Z S1 L1 S1 L 1
'
Z
x
Z
Z
(1
-
x
)
Z
S1
L1
S1
L
1
F
1
I
'
I
+
a1
a1
+
E’
V
E _
a1
_
'
Z
x
Z
(1
-
x
)
Z
Z
S
2
L1
L
1
S2
F
2
I
'
I
a2
a2
'
V
V
a2
a2
'
Z
x Z
Z
(1
- x
)
Z
S
0
L0
S0
L 0
F
0
I
'
I
a0
a0
'
V
V
a0
a0
 

(10)

= 0

(11)

+

V ¢

a

2

A tensão V a no ponto onde se

encontra o relé é dada por

V

a

=

=

V

a

0

+

Z

Z I

Z

I

V

a

I

1

+

V

a

2

=

+

x

+ x

+

x

+

+

+

V ¢

a

0

V

¢

a

1

V ¢

a

2

+

L

L

L

0 0

a

1 1

a

1 2

a

 

(12)

(13)

)

(14)

Rearranjando os termos vem que

V

a

= x Z

L1

(

I

a1

+ I

a2

)

+ x Z

L0

I

a0

+

(

+V¢ +V¢

a1

a2

)

V¢

a0

Somando e subtraindo x Z L1 I ao vem que

V

a

= x Z

L1

(

I

a0

+ I

a1

+ I

a2

)

+ x

(

Z

L0

- Z

L1

)

I

a0

(

V¢

a0

+

+V¢ +V¢

a1

a2

Utilizando a equação (11) acima, nota-se que a soma das tensões de seqüência no ponto de falta é nula. Além disto, a soma das três correntes de seqüência é I a . Então

V

a

= x Z

L1

I

a

+ x

(

Z

L0

- Z

L1

)

I

a0

(15)

Colocando x Z L1 em evidência vem que

V

a

= x Z

L1

(

I

a

+ k I

a0

)

(16)

Proteção de SEP

Clever Pereira

onde

k =

Z

L

0

-

Z

L

1

Z

L 1

(17)

é denominado fator de compensação de seqüência zero.

CONCLUSÕES

A equação (16) pode ser reescrita como

x

Z

L 1

=

V

a

I

a

+

k I

a 0

(18)

ou seja, se um determinado relé for alimentado com uma tensão

V

R

= V

a

e uma corrente

I

R

= I

a

+ k I

a0

(19)

(20)

então, no caso de uma falta fase A para terra, ele vai “enxergar” uma impedância igual à impedância de seqüência positiva do trecho em falta da linha de transmissão, ou seja.

Z

R

=

V

R

=

V

a

I

R

I

a

+

k I

a 0

= x

Z

L

1

(21)

São necessárias três unidades de faltas terra, uma para cada tipo de falta (AT, BT e CT) como mostra a tabela a seguir.

Unidade

Tensão

Corrente

AT

V

a

I

a

+ k I

a0

BT

V

b

I

b

+ k I

a0

CT

V

c

I

c

+ k I

a0

Proteção de SEP

Clever Pereira

(b) ANÁLISE PARA FALTA FASE-FASE (BC)

'

V a1

F

2

'

V a2

Para esta falta

V¢

a1

=V¢

a2

F

0

'

V a0

(22)

A tensão V b no ponto onde se encontra o relé é dada por

V

b

= V

a

=

( x

0 +

Z

L

a

2

V

a

1

0

I

a

0

+

a V

+

V

a ¢

0

)

a

+

2

a

=

2 (

x

Z

L

1

I

a

1

+

a ¢

V

1

)

+

a

(

x

Z

L

1

I

a

2

+

V ¢

a

2

)

(23)

A tensão V c no ponto onde se encontra o relé é dada por

V

c

= +

0

V

a

=

( x

Z

a V

a

1

L

0

I

a

0

+

+

2

a

a ¢

V

0

V

a 2

)

+

=

a

(

x

Z

L

1

I

a

1

+

a ¢

V

1

)

+

a

2 (

x

Z

L

1

I

a

2

+

V ¢

a

2

)

(24)

Subtraindo uma da outra, os termos de seqüência zero vão cortar, resultando então que

V

b

-

V

c

=

-

a

2

a

(

(

x

x

Z

L

Z

L

1 I

1 I

a

a

1

1

+

+

a ¢

a ¢

V

1

V

1

)

)

+

-

x

x

a

(

a

2

(

x

Z

L

1

Z

Z

L

I

a

I

1

2

a

2

+

V ¢

a

2

)

+

V ¢

a

2

-

)

Rearranjando os termos vem que

V

b

- V

c

=

(

a

2

- a

)(

x Z

L

1

I

a

1

+V¢

a

1

)

-

(

2

a

- a

)(

x Z

L

1

I

a

2

Rearranjando novamente os termos

V

b

- V

c

=

(

2

a

- a

)(

V¢ -V¢

a

1

a

2

)

+

(

a

2

- a

)(

x Z

L

1

I

a

1

-x Z

 

(25)

a

2

)

(26)

a

2

)

(27)

+V¢

L

1

I

Proteção de SEP

Clever Pereira

Conforme (22), as tensões de seqüência positiva e negativa no ponto de falta são iguais, então

V

b

- V

c

=

(

a

2

- a

)(

x Z

L

1

I

a

1

- x Z

L

1

I

a

2

)

(28)

Efetuando-se a multiplicação e rearranjando os termos resulta em

V

b

- V

c

= x Z

L1

[(

2

a

I

a

1

+ a I

a

2

)

-

(

a I

a

1

2

+ a I

a 2

)]

Somando e subtraindo

V

b

- V

c

= x Z

L1

[(

I

a0

x Z L1 I ao vem que

+ a

2

I

a

1

+ a I

a

2

)

-

(

I

a

0

+ a I

a

ou seja

V b

- V

c

=

x

Z

L

1

(

I

b

- I

c

)

CONCLUSÕES

1

+ a

2 I

a 2

)]

(29)

(30)

(31)

A equação (31) pode ser reescrita como

x

Z

L

1

=

V

b

-

V

c

I

b

-

I

c

(32)

ou seja, se um determinado relé for alimentado com uma tensão

V

R

= V -V

b

c

e uma corrente

I

R

= I

b

- I

c

(33)

(34)

então, no caso de uma falta entre as fases B e C, ele vai “enxergar” uma impedância igual à impedância de seqüência positiva do trecho em falta da linha de transmissão, ou seja.

Z

R

=

V

R

V

b

-

V

c

=

I

R

I

b

-

I

c

= x

Z L1

(35)

Proteção de SEP

Clever Pereira

São necessárias então mais três unidades de faltas de fase, uma para cada tipo de falta (AB, BC e CA), como mostra a tabela a seguir.

Unidade

Tensão

Corrente

AB

V

a

-V

b

I a - I

b

BC

V

b

-V

c

I

b

- I

c

CA

V

c

-V

a

I

c

- I

a

(c) ANÁLISE PARA FALTA FASE-FASE-TERRA (BCT)

F

1

'

V a1

F

2

'

V a2

F

0

'

V a0

Para esta falta

V¢

a1

=V¢ =V¢

a2

a0

(36)

A tensão V b no ponto onde se encontra o relé é dada por

V

b

=

=

V

a

( x

0 +

Z

L

a

2 V

a

1

0

I

a

0

+

+

V

a

¢ 0

a V

a

)

+

2

a

=

2 (

x

Z

L

1

I

a

1

+

a ¢

V

1

)

+

a

(

x

Z

L

1

I

a

2

+

V ¢

a

2

)

(37)

A tensão V c no ponto onde se encontra o relé é dada por

V

c

= +

0

V

a

=

( x

Z

a V

a

1

L

0

I

a

0

+

+

2

a

a ¢

V

0

V

a 2

)

+

=

a

(

x

Z

L

1

I

a

1

+

a ¢

V

1

)

+

a

2 (

x

Z

L

1

I

a

2

+

V ¢

a

2

)

(38)

Subtraindo uma da outra, os termos de seqüência zero vão cortar, resultando então que

V

b

-

V

c

=

-

a

2

a

(

(

x

x

Z

L

Z

L

1 I

1 I

a

a

1

1

+

+

a ¢

a ¢

V

1

V

1

)

)

+

-

x

x

a

(

a

2

(

x

Z

L

Z

1

L

I

a

1

I

2

a

2

+

V ¢

a

2

)

+

V ¢

a

2

-

)

(39)

Proteção de SEP

Clever Pereira

Rearranjando os termos vem que

V

b

- V

c

=

(

a

2

- a

)(

x Z

L

I

1 1

a

+V¢

a

1

)

-

(

2

a

- a

Rearranjando novamente os termos

V

b

- V

c

=

(

2

a

- a

)(

V¢ -V¢

a

1

a

2

)

+

(

a

2

- a

)(

x Z

)(

L

1

x Z

L

1

I

a

2

I

a

1

-x Z

a

2

)

(40)

a

2

)

(41)

+V¢

L

1

I

Conforme (36), as tensões de seqüência positiva e negativa no ponto de falta são iguais, então

V

b

- V

c

=

( )(

a

2

- a

x Z

L

I

1 1

a

- x Z

L

1

I

a

2

)

(42)

Efetuando-se a multiplicação e rearranjando os termos resulta em

V

b

- V

c

= x Z

L1

[(

2

a

I

a

1

+ a I

a

2

)

-

(

a I

a

1

2

+ a I

a 2

)]

Somando e subtraindo

V

b

- V

c

= x Z

L1

[(

I

a0

x Z L1 I ao vem que

+ a

2

I

a

1

+ a I

a

2

)

-

(

I

a

0

+ a I

a

ou seja

V

b

- V

c

=

x

Z

L

1

(

I

b

- I

c

)

CONCLUSÕES

1

+ a

2

I

a 2

)]

(43)

(44)

(45)

Uma falta BCT é vista pela unidade de falta de fase BC da mesma maneira que uma falta BC é vista. Isto era de se esperar uma vez que uma falta BCT é formada pela união das faltas BC com BT e CT.

Sendo assim, é de se esperar que as unidades de falta de terra BT e CT também enxerguem esta falta.

Desta

forma,

não

são

necessárias

mais

nenhum

tipo

adicional

de

unidade

de

falta

para

as

faltas

do

tipo

fase-fase-terra.

Proteção de SEP

Clever Pereira

A prova que a unidade BT enxerga uma falta BCT é feita a

partir da constatação que, para este tipo de falta, a tensão da fase b no ponto de falta é nula, ou seja

V ¢ = 0

b

(46)

A equação (46) pode ser reescrita como

¢ =

V

b

¢ 0

V a

+

a

2

¢

V

a

1

+

aV ¢

a

2

= 0

(47)

A tensão V b no ponto onde se encontra o relé é dada por

V

b

=

+

V a

a

2

2 V

a

1

I

a

1

+

0

(

x

a

Z

L

1 +

+

a V

a

a ¢

V

1

)

2

+

=

a

(

x Z

L

0

I

a

0

(

x

Z

L

1

I

a

2

+

+

V ¢

a

0

V ¢

a

2

)

)

+

Rearranjando os termos vem que

(48)

(

2

)

(

+ x Z

L

0

I

Conforme a equação (47), o primeiro termo da equação (49) é nulo. Desta forma, rearranjando os termos desta equação vem

que

V¢ + a V¢ + aV¢

a0

a

1

a

2

a

0

+ x Z

L

1

2

a

I

a

1

+ x Z

L

1

a I

a

2

)

V

b

=

(49)

V

b

=

x Z

L1

(

a

2 I

a

1 + a I

a

2

)

+ x Z

L

0

I

a

0

(50)

Como antes, somando e subtraindo x Z L1 I ao vem que

V

b

=

x Z

L1

(

I

a0

+ a

2

I

a

1

+ a I

a

2

)

(

+ x Z

L

0

- x Z

L

1

)

I

a

0

(51)

Colocando x Z L1 em evidência vem que

V

b

= x

Ou seja

x

Z

L

1

Z

L

1

Ê

Á

Á

Ë

I

b

+

Z

L

0

-

Z

L

1

Z

L

1

=

V

b

I

b

+

k I

a 0

I

a

0

ˆ

˜

˜

¯

=

x

Z

L

1

(

I

b

+

k I

a

0

)

(52)

(53)

A prova que a unidade CT também enxerga uma falta BCT é

feita de maneira análoga e não será mostrada neste texto.

Proteção de SEP

Clever Pereira

(d) ANÁLISE PARA FALTA TRIFÁSICA (ABC) OU TRIFÁSICA-TERRA (ABCT)

Considerando o sistema equilibrado com tensões e correntes simétricas antes da falta, a ligação dos diagramas de seqüência que representa estes dois tipos de falta é

F 1 ' V a1
F
1
'
V
a1

Para esta falta

F 2 ' V a2
F
2
'
V a2

Ï V

Ì

Ó

¢

1

=

V

2

¢

a a

I

=

I

a a

2

0

=

= 0

V ¢

a

0

= 0

F 0 ' V a0
F
0
'
V
a0

(54)

A tensão V b no ponto onde se encontra o relé é dada por

V

b

= V

a0

+ a

2

V

a

1

+ a V

a

2

= a

2 V

a 1

(55)

A tensão V c no ponto onde se encontra o relé é dada por

V

c

=V

a0

+ a

V

a1

+ a

2 V

a

2

= a V

a

1

(56)

Subtraindo uma da outra resulta em

V

b

-

V

c

=

=

(
(

2

2

a

a -

-

)

)

a V

a

a

x

1

=

Z

L

1

(

a

I

a

2

1

-

=

a

x

)(

x

Z

L

Z

Z

1

L

1

(

a

2

I

a

I

1

a

+

1

-

V ¢

a

1

)

a I

=

a

1

)

(57)

Conforme a equação (54), I a2 = I a0 = 0. Então

V

b

- V

c

= x Z

ou seja

V

b

- V

c

=

x

L1

[(

I

Z

L

1

a0

(

I

+ a

2

b

- I

I

a

c

)

1

+ a I

a

2

)

-

(

I

a

0

+ a I

a

1

+ a

2

I

a 2

)]

(58)

(59)

Proteção de SEP

Clever Pereira

Por outro lado, a tensão na fase “a” é dada por

V a

=

V

a0

+V

a1

+V

a2

= V

a1

Pela equação (7) tem-se que

V

a1

=V¢

a1

+

x Z

L1

I

a1

= x Z

L1

I

a1

(60)

(61)

uma vez que

também são nulos, vem que

V¢

a1

é nula. Como V a0 e V a2 são nulos e I a0 e I a2

Ï

Ì

Ó

V

I

a

a

1

1

=

=

V

I

a

a

(62)

Então

V

a

= x

Z

L

1

I

a

CONCLUSÕES

(63)

As equações (59) e (63) mostram que as unidades BC e AT

vão enxergar faltas trifásicas (com ou sem terra). As provas de que todas as unidades vão enxergar faltas

trifásicas (com ou sem terra) são análogas ficam a cargo do leitor. Desta forma as seis unidades antes descritas, três de fase e três de terra, são suficientes para enxergar todos os onze tipos de faltas possíveis.

(e) ANÁLISE PARA FALTA FASE-TERRA (AT) NA EXISTÊNCIA DE LINHA DE TRANSMISSÃO EM CIRCUITO DUPLO

Quando a linha de transmissão protegida está compartilhando uma mesma torre com outra linha de transmissão (circuito duplo) as equações (10) a (16) sofrem pequena modificação, uma vez que não é possível, mesmo na condição de transposição perfeita das linhas, a eliminação da componente de impedância mútua que vai aparecer no circuito de seqüência zero entre as linhas de transmissão. Isto pode ser

Proteção de SEP

Clever Pereira

mostrado considerando as equações de variação das tensões das duas linhas de transmissão no domínio das fases, ou seja

Ï V

Ô Ô Ì x

Ô V

Ô

Ó

x

F (1)

-

F (2)

-

=

Z ~

F

(11)

=

Z ~

F

(21)

I

F

(1)

I

F

(1)

+

+

Z ~

F

(12)

Z ~

F

(22)

I

F

I

F

(2)

(2)

(64)

onde os subscritos (1) e (2) se referem a cada uma das linhas que estão compartilhando uma mesma torre em um circuito duplo. De uma forma condensada a equação (64) anterior pode ser escrita como

-

onde

V

F

x

=

~

Z

F

I

F

V ˘ È [ F (1) V = Í = V ˙ F a (1)
V
˘
È [
F (1)
V
=
Í = V
˙
F
a
(1)
V
Î (2)
F
˚
I
˘
Í È (1)
F
[
I
=
˙
=
I
F
a
(1)
I
Î (2)
F
˚
È Z
Z
p
(1)
m
(1)
Í
Z
Z
Í
m
(1)
1
p
(1)
~
Í Z
Z
m
(1)
m
(1)
Z
= Í
F
Z
Z
Í
m
(12)
m
(12)
Í
Z
Z
m
(12)
m
(12)
Í
Z
Z
Í Î m
(12)
m
(12)

V

b

(1)

V

c

(1)

V

a

(2)