Você está na página 1de 1

DHM AUTOMAO

http://www.dhmautomacao.com.br

FLUXO CRITICO & VAZO BLOQUEADA

FLUXO CRITICO. O fluxo passa a ser critico, quando a velocidade chega a MACH 1 na sada da vlvula (para vapor de gua a velocidade de propagao do som varia de acordo com a presso do vapor e costuma ficar em torno de 450 a 500 m/s). VAZO BLOQUEADA. (choked flow) Ao atingir a velocidade do som (MACH 1) na sada da vlvula, a vazo fica bloqueada no aumentando. Mesmo se aumentarmos a abertura da vlvula ou reduzirmos a presso a jusante. Nessa situao, apenas o rudo aumenta. A vazo s aumenta, se aumentarmos a presso a montante. DIMETRO SNICO. o dimetro equivalente a rea de passagem entre o obturador e a sede no momento de fluxo critico e vazo bloqueada. VELOCIDADE SNICA. E a velocidade de propagao do som em um meio fsico. CHOKE. Dispositivo normalmente usado na cabea de poo de petrleo, com orifcio reduzido limitador de vazo gs . Com seu uso, mesmo que a presso a jusante diminua a vazo no aumenta, pois o orifcio e calibrado para atingir o fluxo critico e vazo bloqueada. A vazo s e sensvel a variao da presso a montante do dispositivo. NOTAS. 1- A velocidade usual de escoamento para fluido gasoso em tubulao industrial costuma variar de 20 a 80 m/s, dependendo do comprimento da tubulao e do numero de curvas e vlvulas. O fator limitante e a mxima perda de carga admissvel para o trecho. 2- Fluido gasoso ao passar por uma vlvula redutora de presso tem a velocidade na sada aumentada pela descompresso e consequente aumento do volume. A velocidade mxima recomendada na sada para vlvulas tipo globo convencional e de 0,7 MACH. Para vlvulas globo gaiola a velocidade mxima e de 0,3 MACH. Deve-se limitar a abertura de uma vlvula de controle para que a velocidade na sada no ultrapasse os valores acima recomendados, pois caso contrario ira danificar os internos da vlvula. 3- Ao dimensionar uma vlvula de controle para fluido gasoso deve-se tomar cuidado e verificar se o fluxo e critico. Neste caso, existem procedimentos a serem tomados.

Bibliografia: -BARALLOBRE, Roberto. Manual de Treinamento - Vlvulas de Controle, 1979. -PERY, Handbook Chemical Mc Graw-Hill,1984.

Autor: Eng. Fernando Sampaio E-mail: Fernando@dhmautomacao.com.br

Pgina de 1