Você está na página 1de 3

O impacto dos megaeventos na educação básica

De 2013 a 2016 o Brasil receberá quatro megaeventos: Jornada Mundial da Juventude, Copa das Confederações, Copa do Mundo FIFA e Olimpíadas. Tais acontecimentos geram impactos positivos e negativos sobre todos os aspectos da vida das cidades-sede, inclusive sobre a educação. A Copa das Confederações é um torneio de futebol organizado pela FIFA entre as seleções nacionais, a cada quatro anos. Participam deste torneio os seis campeões continentais mais o país- sede e o campeão mundial, perfazendo o total de oito países. Desde 2006, o país-sede da Copa das Confederações passou a ser o mesmo que sediará a próxima Copa do Mundo. A Copa das Confederações de 2013 acontecerá no Brasil, entre 15 e 30 de junho. Participarão: Brasil, Espanha, Japão, México, Uruguai, Taiti, Itália e Nigéria. Os jogos acontecerão em Brasília, Rio de Janeiro, Fortaleza, Recife, Salvador e Belo Horizonte. Também em 2013, de 23 a 28 de julho, acontecerá, no Rio de Janeiro, a Jornada Mundial da Juventude, evento da Igreja Católica que tem como objetivo disseminar a religião cristã entre os jovens. São esperados dois milhões de jovens para este evento. A Copa do Mundo da FIFA acontece a cada quatro anos e é um dos maiores eventos esportivos do planeta. Participam as melhores seleções do mundo, mobilizando pessoas de todos os lugares e de todas as culturas. Em 2014, a competição será no Brasil. As cidades-sede serão: Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Salvador, São Paulo. No site da Copa do Mundo de 2014, há uma página sobre as câmaras temáticas criadas para coordenar os trabalhos sobre cada um dos seguintes assuntos: saúde; meio ambiente e sustentabilidade; desenvolvimento turístico; educação, trabalho e ação social; e transparência. Na parte referente ao tema de educação, trabalho e ação social, há o seguinte texto:

“A Copa de 2014 revela uma grande oportunidade para o Brasil dar um salto no desenvolvimento social a partir da valorização da educação e da capacitação profissional. O Mundial permite que o Brasil apresente ao mundo sua agenda cidadã e a preocupação com a construção de um legado de proteção e promoção dos direitos humanos que envolva acessibilidade, população de rua, direitos dos idosos, combate à exploração da criança e do adolescente e inclusão de pessoas com necessidades especiais.”

Em agosto de 2016, na cidade do Rio de Janeiro, acontecerão as Olimpíadas, oficialmente chamadas "XXXI Jogos Olímpicos de Verão". Serão disputadas 28 modalidades, entre elas basquetebol, handebol, judô, taekwondo, tênis, cicismo de pista, saltos ornamentais, natação, ginástica artística, ginástica rítmica, boxe, hipismo, futebol, atletismo, voleibol e vela. Para garantir a tranquilidade das multidões em todos estes eventos, o governo federal criou a Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. A principal preocupação é uma ação

terrorista seguida por ataque cibernético que provoque um apagão tecnológico durante algum dos eventos, dificultando a ação das forças de segurança e a transmissão das notícias. O governo investiu 1,16 bilhões de reais em equipamentos de segurança para Jornada da Juventude, que terá a presença do Papa. Este investimento também tem como objetivo a proteção para a Copa das Confederações e da Copa do Mundo. Até a Olimpíada, esse gasto poderá chegar a 2 bilhões de reais.

A V Semana de Pedagogia da Universidade Federal do Ceará, que ocorreu entre os dias 21 e 23 de novembro de 2012, teve como tema central: "Educação e Megaeventos: alterações curriculares, programas e políticas educacionais, remoções e impactos sociais". No documento que contém a prévia dos Anais da Semana, há uma síntese dos questionamentos que afloram com a preparação das cidades para os grandes eventos que estão planejados. Tais acontecimentos trazem uma série de modificações que se articulam no intuito de recebê-los, juntamente com o grande número de pessoas, brasileiros e estrangeiros, intensificando o comércio, entre outras consequências. Segundo este documento, tais eventos passam a conferir um sentido contrário quando se referem à classe trabalhadora, comunidades estão sendo removidas por conta das obras de estádios e metrôs que atendam às demandas dos próximos megaeventos. Trabalhadores da construção civil passam a ser superexplorados para que as obras sejam aceleradas, enquanto uma Lei Geral da Copa proíbe vendedores ambulantes de trabalharem no perímetro dos estádios. Esta mesma lei também proíbe greves nos períodos dos jogos, igualando os manifestantes a terroristas. No tocante à educação, através de políticas e programas educacionais ela

"vem se modificando no sentido de formar trabalhadores para os períodos do evento, através

de uma qualificação pragmática, programas como o PRONATEC COPA são postos através de

O trabalho voluntário que terá cerca de 10 horas diárias é posto

como positivo, enquanto as maiores multinacionais irão financiar os eventos.

A cada dia cresce a demanda de cursos profissionalizantes para o trabalho na Copa, e entre as

principais exigências para se incluir nos projetos de qualificações está a participação em programas sociais do governo. Tais questões distanciam os jovens filhos da classe trabalhadora do acesso à universidade, e nos levam a indagar se de fato os megaeventos servirão ao povo."

parcerias público-privadas.(

)

Por um lado, trazer esses eventos para dentro da sala de aula é uma oportunidade para tratar de temas transversais importantes, como a ética, o racismo e a xenofobia. Por outro, é preciso trabalhar também os efeitos negativos que os megaeventos trazem para as cidades-sede, fazer com que os alunos sejam capazes de refletir de forma crítica sobre as notícias que são apresentadas na mídia.

O currículo escolar é afetado pela inclusão de temas como: a importância dos esportes para a

saúde; a tolerância religiosa; o respeito à diversidade cultural; os benefícios do trabalho em equipe;

as discussões de gênero (existe esporte que é de homem, ou de mulher?); a prática de esportes por

deficientes físicos; a difusão da produção cultural brasileira; a violência entre torcidas; as regras dos

jogos e esportes (questões éticas, cálculos matemáticos); a história do surgimento e evolução dos

eventos e as questões políticas envolvidas; os problemas urbanos causados ou agravados com a

preparação e o acontecimento dos eventos; os custos elevados para construção e manutenção das

instalações destinadas aos eventos esportivos e a contrapartida de benefícios para a população.

Além disso, a educação é afetada pela criação de cursos destinados a preparar as pessoas que

irão participar da organização dos eventos, a maioria voluntários. Também são muito procurados os

cursos que preparam profissionais que serão muito solicitados em decorrência do influxo de

milhares de estrangeiros ao país: hotelaria, línguas estrangeiras, segurança patrimonial e pessoal,

entre outros.

REFERÊNCIAS Anais da V Semana de Pedagogia da Universidade Federal do Ceará. Acesso em: 27/04/13. Disponível em: http://vsemanadepedagogiaufc.blogspot.com.br/

França, Ronaldo. Reportagem: Faroeste Olímpico. Revista Veja. Rio de Janeiro, 28/04/2010. Acesso em 28/04/13. Disponível em: http://veja.abril.com.br/280410/faroeste-olimpico-p-134.shtml

Wikipedia.

 

Acesso

 

em:

27/04/2013.

Disponível

em:

 

Site

oficial

da

Copa

do

Mundo

de

2014.

Acesso

em:

27/04/2013.

Disponível

em:

Salvador, A. e Melo, C. O nó da segurança. Reportagem da Revista Veja. Rio de Janeiro, 24 de abril de 2013, p. 88 a 91.

Silvia Z. A. Rocha Aluna de Licenciatura em Pedagogia - UERJ