Você está na página 1de 2

Parte 2 Termologia

Aula 09. Dilatao Trmica (II) 1. Dilatao Volumtrica


Para nosso estudo, consideraremos aqui um slido metlico cbico de volume inicial V0 na temperatura inicial T0 .

c) 1 003 cm3 d) 1 002 cm3 e) 1 001 cm3 Dado: coeficiente de dilatao linear do cobre = 16 106 C1 Resoluo

Resposta: B 03. Qual o coeficiente de dilatao volumtrica de uma barra metlica que experimenta um aumento de 0,1% em seu comprimento para uma variao de temperatura de 100 C? Resoluo

Seja V0 o volume na temperatura T0 e, V, o volume na temperatura T. Sendo em que V a variao de volume. V diretamente proporcional ao volume

e diretamente proporcional variao de temperatura temos: Em que uma constante de proporcionalidade denominada coeficiente de dilatao volumtrica. A unidade usual de : Da expresso matemtica temos: Para variaes de temperatura no muito elevadas, o coeficiente de dilatao volumtrica praticamente igual ao triplo do coeficiente de dilatao linear.

como

Leitura Complementar
Temos um grande nmero de fatos que esto relacionados com o fenmeno da dilatao, o que pode ser til em determinados casos, mas pode trazer conseqncias graves em outros. Analisaremos, a seguir, alguns fatos. Com a variao da temperatura, pontes e viadutos podem sofrer variaes nas suas dimenses em razo do fenmeno da dilatao. Para evitar danos na estrutura de concreto, deixa-se uma pequena abertura entre as partes da ponte no caso de ela ser extensa; mas, se a ponte for pequena, deixa-se uma das suas extremidades livre e apoiada em rolos para absorver o fenmeno da dilatao.

Resumo

Exerccios Resolvidos
01.Uma estatueta de ouro foi aquecida de 25C a 75C, observando-se um aumento de 2,1 cm3 em seu volume. Sendo 14 10 6 C1 o coeficiente de dilatao linear do ouro, qual era o volume inicial dessa estatueta? Resoluo

02. Um recipiente de cobre tem 1 000 cm3 de capacidade a 0 C. Sua capacidade, a 100 C, vale: a) 1 017 cm3 b) 1 005 cm3
Paulo Victor Araujo Lopes 1

Parte 2 Termologia

Durante a dilatao ou contrao de um corpo, se houver impedimento, aparecem foras de tenso que podem levar o corpo a romper-se ou deformar-se. No caso da ferrovia, deve-se deixar, durante o assentamento, uma pequena abertura entre as barras de trilho para permitir a dilatao no caso de variao da temperatura. Atualmente, quase todas as linhas de metr do mundo so construdas com trilhos longos, soldados continuamente, sem folgas. Antigamente, o espao era necessrio para permitir a dilatao do metal sob o calor. O que eliminou essa necessidade foram as modernas molas de ao capazes de absorver a dilatao e a tenso provocadas pelo peso e pela acelerao do trem. Os trilhos com folgas para a dilatao exigem muito trabalho de manuteno e provocam desconforto para os passageiros, porque causam mais rudo e trepidao, explica o engenheiro Kyioshi Hiraoka, da Companhia Metropolitana de So Paulo. Por isso, tambm as ferrovias esto deixando de usar esse sistema.

Fonte: Revista Superinteressante.

Paulo Victor Araujo Lopes

Você também pode gostar