TRABALHO DE DIREITO AGRÁRIO

1) O QUE É CADASTRO RURAL E QUAIS SÃO AS ESPÉCIES DE CADASTRO RURAL? Essa preocupação com o cadastramento dos imóveis rurais não é recente. Começou com a Lei nº 601/1850, art 13, onde o governo manifesta o interesse em conhecer a situação das terras que ele possui. O Considera-se como justificativa dessas leis a defesa da integridade do território nacional, a segurança do Estado e a distribuição da propriedade. Espécies de Cadastro a) De imóveis rurais b) De propriedade e detentores de imóveis rurais c) De arrendatários e parceiros rurais d) De terras publicas 2) QUAIS SÃO AS FINALIDADES DO CADASTRO RURAL? O cadastramento tem duas finalidades: a) Fiscal: onde tem o objetivo de identificar o imóvel e o tipo de sua exploração para efeito de classificação e lançamento do ITR sobre ele. b) Econômica: com o objetivo de fazer um quadro demonstrativo da situação por municípios, ou por regiões, da exploração agrária no país, com todos os problemas existentes. 3) DESCREVA SOBRE A POLÍTICA AGRÁRIA CONTEMPLADA NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 88? A partir da Constituição Federal de 1988 a reforma agrária adquiriu status constitucional, já que a ele foi dedicado um capítulo específico ( artigo 184 e seguintes). Primeiramente observa-se que compete a União e tão somente a ela, a desapropriação por interesse social para fins de reforma agrária. 4) O QUE É CRÉDITO RURAL E QUAIS AS LINHAS DE CRÉDITO RURAL EXISTENTES? O crédito rural é um financiamento destinado a produtores rurais e cooperativas ou associações de produtores rurais. Seu objetivo é estimular os investimentos e ajudar no custeio da produção e comercialização de produtos agropecuários. As linhas de crédito do Pronaf:

• Pronaf Custeio

agropecuários ou não agropecuários. bem como permitam ao agricultor melhor convívio com o bioma em que sua propriedade está inserida. • Pronaf Mulher Linha para o financiamento de investimentos de propostas de crédito da mulher agricultora. inclusive aquelas relacionadas com projetos de produção e serviços agropecuários e não agropecuários. recuperação ou modernização das demais infraestruturas. inclusive em infraestrutura. ampliação. • Pronaf Floresta Financiamento de investimentos em projetos para sistemas agroflorestais. priorizando infraestrutura hídrica e implantação. incluindo-se os custos relativos à implantação e manutenção do empreendimento. de acordo com a realidade das famílias agricultoras da região Semiárida. que visam o beneficiamento. • Pronaf Mais Alimentos . • Pronaf Eco Linha para o financiamento de investimentos em técnicas que minimizam o impacto da atividade rural ao meio ambiente. recomposição e manutenção de áreas de preservação permanente e reserva legal e recuperação de áreas degradadas. • Pronaf Semiárido Linha para o financiamento de investimentos em projetos de convivência com o semiárido. ou de produtos artesanais e a exploração de turismo rural. de produtos florestais e do extrativismo. • Pronaf Jovem Financiamento de investimentos de propostas de crédito de jovens agricultores e agricultoras. focados na sustentabilidade dos agroecossistemas. exploração extrativista ecologicamente sustentável. o processamento e a comercialização da produção agropecuária e não agropecuária.Destina-se ao financiamento das atividades agropecuárias e de beneficiamento ou industrialização e comercialização de produção própria ou de terceiros agricultores familiares enquadrados no Pronaf. • Pronaf Agroecologia Linha para o financiamento de investimentos dos sistemas de produção agroecológicos ou orgânicos. • Pronaf Agroindústria Linha para o financiamento de investimentos. ampliação ou modernização da infraestrutura de produção e serviços. no estabelecimento rural ou em áreas comunitárias rurais próximas.Investimento Destinado ao financiamento da implantação. plano de manejo florestal. • Pronaf Custeio e Comercialização de Agroindústrias Familiares .

5) O QUE É SEGURO AGRÍCOLA? O Seguro Rural é um dos mais importantes instrumentos de política agrícola. O objetivo maior do Seguro Rural é oferecer coberturas que. à sua família. à geração de garantias a seus financiadores. resultando na divulgação de novo regulamento pela Resolução n. pela combinação dos diversos ramos de seguro. principalmente no que se refere aos métodos de supervisão e controle. seus produtos. o crédito para comercialização desses produtos. • Microcrédito Rural Destinado aos agricultores de mais baixa renda. reduzindo assim a dependência de recursos da União. Créditos para agricultores familiares enquadrados no Grupo B e agricultoras integrantes das unidades familiares de produção enquadradas nos Grupos A ou A/C.Destinada aos agricultores e suas cooperativas ou associações para que financiem as necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção própria e/ou de terceiros. ainda.103/94. • Pronaf Cota-Parte Financiamento de investimentos para a integralização de cotas-partes dos agricultores familiares filiados a cooperativas de produção ou para aplicação em capital de giro.º 175/91. permite o financiamento das atividades agropecuárias e não agropecuárias. Como conseqüência direta pode-se observar a inversão da tendência de formação de resultados já a partir da safra 94/95. por permitir ao produtor proteger-se contra perdas decorrentes principalmente de fenômenos climáticos adversos. o que é um dos objetivos do Decreto n. custeio ou investimento. podendo os créditos cobrirem qualquer demanda que possa gerar renda para a família atendida. é mais abrangente. parceiros de negócios. investidores.º 2. Contudo. todos interessados na maior diluição possível dos riscos. o patrimônio do produtor rural. é intenção da administração do PROAGRO acrescentar. . atendam ao produtor e à sua produção. ao mesmo tempo. 6) COMENTE SOBRE A IMPORTÂNCIA DO PROGRAMA DE GARANTIA DE ATIVIDADE AGROPECUÁRIA – PROAGRO? A percepção dessa realidade levou à adoção de uma postura mais conservadora. cobrindo não só a atividade agrícola. Finalmente. alguns aperfeiçoamentos à sua base normativa. além do seguro de vida dos produtores. de forma a permitir a ampliação de sua abrangência e que a definição dos níveis das alíquotas passe a ser feita em bases essencialmente atuariais. mas também a atividade pecuária.

• Cooperativas de Terceiro Grau: são as cooperativas cujo quadro social é formado por centrais de cooperativas e federações. 3 (três) singulares. in fine. as constituídas de. originárias de setor público ou privado. Classificação das cooperativas brasileiras por ramo de atividade: . 1° Compreende-se como Política Nacional de Cooperativismo a atividade decorrente das iniciativas ligadas ao sistema cooperativo. as constituídas pelo número mínimo de 20 (vinte) pessoas físicas. não possui hierarquia e. Art. § 1º Os associados individuais das cooperativas centrais e federações de cooperativas serão inscritos no Livro de Matrícula da sociedade e classificados em grupos visando à transformação. do caput deste artigo não se aplica às centrais e federações que exerçam atividades de crédito. admitir associados individuais. é hierárquica. sendo excepcionalmente permitida a admissão de pessoas jurídicas que tenham por objeto as mesmas ou correlatas atividades econômicas das pessoas físicas ou. de 3 (três) federações de cooperativas ou cooperativas centrais. por Grau. Já a segunda. Seu quadro social é formado por cooperativas singulares. as constituídas. 6º. DE 16 DE DEZEMBRO DE 1971. A primeira. por segmento de atuação. II . aquelas sem fins lucrativos.singulares. no Brasil. DA LEI 5764/71: As sociedades cooperativas são consideradas: I . 8) DESCREVA A CLASSIFICAÇÃO DAS COOPERATIVAS EM CATEGORIAS? Art. O movimento Cooperativista possui duas classificações para as sociedades cooperativas. isoladas ou coordenadas entre si. possui três classificações e se baseia nos quadros sociais. ainda. em cooperativas singulares que a elas se filiarão.confederações de cooperativas. § 2º A exceção estabelecida no item II. no mínimo. no futuro. III . Classificação por grau: • Cooperativas de Primeiro Grau: têm seu quadro social composto por pessoas físicas. excepcionalmente. desde que reconhecido seu interesse público.7) O QUE É COOPERATIVISMO? LEI Nº 5.764. separa as entidades em 11 ramos.cooperativas centrais ou federações de cooperativas. podendo. • Cooperativas de Segundo Grau: são as centrais de cooperativas e as federações de cooperativas. da mesma ou de diferentes modalidades. pelo menos.

entre eles portadores de necessidades especiais. É neste segmento que a Cooperforte atua. Os contratos atípicos também são erroneamente chamados de contratos inominados. assim como os contratos típicos. não descritas ou especificadas na lei. • Cooperativas de consumo: aquisição e distribuição de bens de consumo. • Cooperativas de crédito: concessão de crédito e prestação de serviços de cunho bancário. • Cooperativas de saúde: prestação de serviços na área de saúde. observadas as normas gerais fixadas neste Código". comercialização e benefícios aos produtos agropecuários. • Cooperativas educacionais: fornecimento de ensino com qualidade ou ensino do cooperativismo. diz: "É lícito às partes estipular contratos atípicos. também são disciplinados pelo Dec. • Cooperativas de mineração: exploração de minério e pedras preciosas. Saraiva. • Cooperativas de produção: produção de bens e produtos para comercialização em ação cooperativa. • Cooperativas de serviço: prestação de serviços específicos. ou sui generis. O novo Código Civil em seu art. Os contratos atípicos. mediante um salário em moeda ou em frutos cultivados ou colhidos pelo locador".• Cooperativas agropecuárias: produção. • Cooperativas habitacionais: compra ou construção da casa própria a preço justo. • Cooperativas especiais: compostas por menores de idade e grupos que necessitem de tutela.566/66. e sua produção. em virtude de os contratos típicos serem chamados de nominados por estarem previstos e . 1992. • Cooperativas de trabalho: promoção da força de trabalho de seus associados. 425. que têm por objeto regular relações negociais menos comuns. definiu da seguinte maneira os Contratos Agrários: "Chama-se de contrato agrário aquele que tem por objeto serviços referentes ao cultivo do solo. 59. Contratos Agrários Atípicos são contratos não regulamentados por lei. 9) O QUE É COLONIZAÇÃO E QUAIS SÃO OS TIPOS EXISTENTES? 10) O QUE É CONTRATO AGRÁRIO? CITE OS CONTRATOS TÍPICOS E ATÍPICOS? Alfredo Vasconcelos em "Dos Contratos Agrícola e Pecuário".

uma vez que o contrato poderá ter seu nome genericamente citado na lei. 11) NA QUESTÃO CONTRATUAL. submetendo-se no mais ao império das normas obrigatórias. sendo assim um contrato atípico. Nos contratos atípicos as partes interessadas aproveitam o grau de flexibilidade existente em normas legais supletivas (também chamadas de permissivas ou facultativas). EXPLIQUE? 12) QUAIS SÃO OS ELEMENTOS NORTEADORES DAS MODALIDADES CONTRATUAIS DA PARCERIA E DO ARRENDAMENTO? 13) DESCREVA SOBRE O DIREITO DE PREFERÊNCIA NA ALIENAÇÃO DO IMÓVEL RURAL CONTRATADO? 14) QUAIS SÃO AS CAUSAS DE EXTINÇÃO CONTRATUAL? 15) É CASO DE INDENIZAÇÃO AO ARRENDATÁRIO OU PARCEIRO OUTORGADO. mas não regulamentado por esta. A EXISTÊNCIA DE UMA PLANTAÇÃO DE SOJA. QUAL A DIVERGENCIA DOUTRINÁRIA COM RELAÇÃO A APLICABILIDADE DO CÓDIGO CIVIL. . OBJETO DO CONTRATO? 16) QUAL A RELAÇÃO DOS BENS PÚBLICOS E O DIREITO AGRÁRIO? EXPLIQUE. porém o fato de ser nominado na lei não o caracteriza como típico. NA ÁREA.regulados na lei.