Você está na página 1de 41
Encontro de Conselheiros da PREVI – 2010 PRÉ-SAL CRESCIMENTO & SUSTENTABILIDADE Carlos Henrique Dumortout Castro
Encontro de Conselheiros da PREVI – 2010
PRÉ-SAL CRESCIMENTO & SUSTENTABILIDADE
Carlos Henrique Dumortout Castro
Consultor
Relações com Investidores
17 de junho de 2010
1
AVISOAVISO As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas
AVISOAVISO
As apresentações podem conter previsões
acerca de eventos futuros. Tais previsões
refletem apenas expectativas dos
administradores da Companhia. Os termos
“antecipa", "acredita", "espera", "prevê",
"pretende", "planeja", "projeta", "objetiva",
"deverá", bem como outros termos similares,
visam a identificar tais previsões, as quais,
evidentemente, envolvem riscos ou
incertezas previstos ou não pela
Companhia. Portanto, os resultados futuros
das operações da Companhia podem diferir
das atuais expectativas, e o leitor não deve
se basear exclusivamente nas informações
aqui contidas. A Companhia não se obriga a
atualizar as apresentações e previsões à luz
de novas informações ou de seus
desdobramentos futuros. Os valores
informados para 2009 em diante são
estimativas ou metas.
Aviso
aos
Investidores
Norte-Americanos:
A SEC somente permite que as
companhias de óleo e gás incluam em
seus relatórios arquivados reservas
provadas que a Companhia tenha
comprovado por produção ou testes de
formação conclusivos que sejam viáveis
econômica e legalmente nas condições
econômicas e operacionais vigentes.
Utilizamos alguns termos nesta
apresentação, tais como descobertas,
que as orientações da SEC nos proíbem
de usar em nossos relatórios arquivados.
22
DESAFIOSDESAFIOS DADA OFERTAOFERTA MUNDIALMUNDIAL DEDE PETRPETRÓÓLEOLEO • Em 2008, a produção mundial de petróleo
DESAFIOSDESAFIOS DADA OFERTAOFERTA MUNDIALMUNDIAL DEDE PETRPETRÓÓLEOLEO
• Em 2008, a produção mundial de petróleo foi de 86 milhões de barris por dia.
• Considerando apenas os campos existentes em produção e seu declínio
natural, projeta-se para 2030 produção de 31 milhões de barris por dia.
• Ao mesmo tempo, estima-se que a demanda global por petróleo será, em
2030, de 106 milhões de barris por dia.
• A diferença (aproximadamente 75 milhões) entre a produção esperada com
base nos campos atuais e a elevada demanda deverá ser suprida por:
Incorporação de
novas descobertas
Fontes alternativas
de energia
Maior eficiência
energética
Em qualquer cenário de crescimento da economia mundial serão
necessárias descobertas de grandes volumes de óleo para suprir
a demanda prevista.
3
DEMANDADEMANDA MUNDIALMUNDIAL DEDE PETRPETRÓÓLEOLEO A produção das reservas já descobertas apresentam declínio
DEMANDADEMANDA MUNDIALMUNDIAL DEDE PETRPETRÓÓLEOLEO
A produção das reservas já descobertas apresentam declínio natural visto que nos últimos
anos as novas descobertas não foram suficientes para repor a demanda de combustíveis
fosseis;
Em qualquer cenário de crescimento da economia mundial serão necessários descobertas de
grandes volumes de óleo para suprir a demanda prevista.
120
Adição de
110
Capacidade
100
Requerida
90
43
48
MM
bpd
2020
Desafios da
80
Oferta
2030
65
78
MM
bpd
70
Declínio
projetado na
60
•Incorporação de novas
descobertas
produção
50
•Fontes alternativas de
energia
40
30
•Maior eficiência
energética
20
2000
2005
2010
2015
2020
2025
2030
o A meta de produção da Petrobras, somente no Pré-sal, das áreas já concedidas, em 2020 é de 1.183 mil boe/d
4
(EM MM bpd)
MATRIZMATRIZ ENERGENERGÉÉTICATICA DEMANDA PRIMÁRIA DE ENERGIA POR TIPO DE COMBUSTÍVEL Mundo Mundo 2007 Brasil
MATRIZMATRIZ ENERGENERGÉÉTICATICA
DEMANDA PRIMÁRIA DE ENERGIA POR TIPO DE COMBUSTÍVEL
Mundo
Mundo
2007
Brasil
Brasil
12.013 (MM TEPs)
238 (MM TEPs)
Hidro
Hidro
2 %
15%
B io co mbust í veis
0 %
Outras
renováveis
Out ras
3%
Não
Renováveis
1%
Não
Renováveis
renováveis
Biomassa
13%
renováveis
46%
87%
12%
54%
B io massa
10 %
Produtos da
Cana
16%
Fonte: Empresa de Pesquisa Energética e Agência Internacional de Energia
5
MATRIZMATRIZ ENERGENERGÉÉTICATICA DEMANDA PRIMÁRIA DE ENERGIA POR TIPO DE COMBUSTÍVEL Mundo Brasil 2030 Mundo
MATRIZMATRIZ ENERGENERGÉÉTICATICA
DEMANDA PRIMÁRIA DE ENERGIA POR TIPO DE COMBUSTÍVEL
Mundo
Brasil
2030
Mundo
Mundo
Brasil
Brasil
16.789 (MM TEPs)
558 (MM TEPs)
Hidro
Hidro
2 %
13%
B io co mb ust í veis
1%
Outras
9%
Não
Out ras
Renováveis
Renováveis
renováveis
2 %
Não renováveis
Biomassa
14%
46%
54%
86%
6%
B io massa
Produtos
9 %
da Cana
18%
Fonte: Empresa de Pesquisa Energética e Agência Internacional de Energia
6
DEMANDA VERSUS OFERTA PETROLÍFERA A garantia do suprimento dos grandes consumidores de petróleo depende fortemente
DEMANDA VERSUS OFERTA PETROLÍFERA
A garantia do suprimento dos grandes consumidores de petróleo depende fortemente da
produção concentrada em outros países, principalmente membros da OPEP.
20
DÉFICIT (vermelho) x SUPERÁVIT (azul)
CONSUMO
PRODUÇÃO
15
10
5
0
-5
-10
x
Principais consumidores
Principais produtores
OPEP: exceto Rússia e Noruega
-15
7
(Milhões barris por dia)
EUA
Japão
China
Alemanha
Coréia do Sul
Índia
França
Ar. Saudita
Rússia
Iran
Em. Árabes
Kuwait
Noruega
Nigéria
Venezuela
Iraque
GRANDESGRANDES GRANDES 10 ANOS DESCOBERTASDESCOBERTAS DESCOBERTAS NOSNOS NOS ÚÚLTIMOSLTIMOS ÚLTIMOS 1010 ANOSANOS •
GRANDESGRANDES GRANDES 10 ANOS DESCOBERTASDESCOBERTAS DESCOBERTAS NOSNOS NOS ÚÚLTIMOSLTIMOS ÚLTIMOS 1010 ANOSANOS
• As descobertas no pré-sal brasileiro já conhecidos (Tupi e Iara) encontram-se entre as maiores
descobertas do mundo nos últimos anos.
• O Brasil ganha posição de destaque, contando com as únicas grandes descobertas realizadas no
Ocidente recentemente.
• Tendência de diminuir as grandes descobertas no mundo, devido ao esgotamento de áreas “nobres”,
o que demanda novas tecnologias para explorar novas fronteiras.
• Maior descoberta da última década no ano de 2000, Kashagan – no Casaquistão só iniciará a
produção em 2013. Já Tupi, descoberto em 2007, iniciou produção em maio de 2009 com o TLD.
Levoberezhnoye
Severnyi
Kashagan
Yadavaran
Shah Deniz
Niban
Kish
Longgang
Dhirubhai
Tabnak
Iara
Tupi
Petróleo
Gas Natural
25
20
Grandes
15
descobertas
10
5
(> 3 Bi Boe)
0
1999
1999
2000
2000
2000
2000
2002
2004
2006
2006
2007
2008
8
Bilhões Boe
Shah Deniz
Niban
Kashagan
Tabnak
Severnyi
Yadavaran
Dhirubhai
Levoberezhnoye
Kish
Longgang
Tupi
Iara
PROPRIEDADEPROPRIEDADE DASDAS RESERVASRESERVAS MUNDIAISMUNDIAIS • A propriedade das reservas de petróleo e gás
PROPRIEDADEPROPRIEDADE DASDAS RESERVASRESERVAS MUNDIAISMUNDIAIS
• A propriedade das reservas de petróleo e gás natural hoje é
dominada por empresas estatais controladas pelos governos.
• Atualmente, 77% das reservas mundiais de óleo e 51% das
reservas de gás natural são de acesso limitado a apenas
empresas estatais.
• As empresas privadas possuem acesso livre a somente 7% das
reservas de óleo e 9% das reservas de gás natural.
Assegurar reservas de petróleo é um dos principais
motivos de crises internacionais
9
ACESSOACESSO ÀÀ RESERVARESERVA EE ÀÀ TECNOLOGIATECNOLOGIA Conflito de interesses petrolíferos : Países com muitas
ACESSOACESSO ÀÀ RESERVARESERVA EE ÀÀ TECNOLOGIATECNOLOGIA
Conflito de interesses petrolíferos :
Países com muitas reservas, pouca tecnologia, reduzida base
industrial, conflitos regionais e instabilidade institucional.
X
Países com grandes mercados consumidores com poucas reservas,
alta tecnologia, grande base industrial e estabilidade institucional.
Situação Privilegiada
BRASIL: País com grandes reservas, alta tecnologia em petróleo,
base industrial diversificada, grande mercado consumidor,
estabilidade institucional e jurídica.
10
CRESCIMENTOCRESCIMENTO DADA ECECONOMIAONOMIA BRASILEIRABRASILEIRA COMCOM ESTABILIDADEESTABILIDADE EE
CRESCIMENTOCRESCIMENTO DADA ECECONOMIAONOMIA BRASILEIRABRASILEIRA COMCOM ESTABILIDADEESTABILIDADE EE
RESPONSABILIDADERESPONSABILIDADE FISCALFISCAL
Crescimento do PIB(%)
Balança Comercial (US$ Bilhão)
5.7
5.7
250
Previsão
Exportações
Importções
Pevisão
6
5.1
198
4.7
189
200
187
5
173
4.0
171
161
162
153
4
138
3.2
150
128
119
121
3
97
91
100
74
63
2
1.2
50
1
0.2
0
0
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
Reservas Internacionais (US$ bilhão)
Dívida Brasileira (como % do PIB)
20
60
52.1
300
2009
50.0
47.7
46.6
50
44.2
41.4
250
239
15
39.9
40
207
200
180
10
30
150
86
5.1
20
100
3.3
3.3
49
53 54
5
3.5
2.7
2.6
1.9
10
50
0
0
0
11
11
Fonte: Banco Central
2003
2004
2005
2006
2007
2008
jan
fev
mar
abr
mai
jun
jul
ago
set
out
nov
dez
Déficit Fiscal Nominal/PIB (%)
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
Dívida Líq./PIB (%)
A formação da província do pré-sal Forma atual 164 Milhões 130 108 122 152 Milhões
A formação da província do pré-sal
Forma atual
164 Milhões
130
108
122
152 Milhões
Milhões
Milhões
Milhões
do Planeta Terra
de anos atrás
de anos atrás
de anos atrás
de anos atrás
de anos atrás
SINBPA/Petrobras
Scotese
12
PRÉ-SAL – BACIA DE SANTOS 13
PRÉ-SAL – BACIA DE SANTOS
13
O QUE É O PRÉ-SAL São grandes reservatórios de petróleo e gás natural, situados entre
O QUE É O PRÉ-SAL
São grandes reservatórios de petróleo e gás natural, situados entre
5.000 e 7.000 metros abaixo do nível do mar, com lâminas d'água
que superam 2.000 metros de profundidade, abaixo de uma camada
de sal que, em certas áreas, tem mais de 2 mil metros de espessura.
14
PRPRÉÉ--SALSAL 3-4 bi Blocos Consórcios boer BMS-8 5-8 bi BMS-9 boer 1.1-2 BMS-10 bi boer
PRPRÉÉ--SALSAL
3-4 bi
Blocos
Consórcios
boer
BMS-8
5-8 bi
BMS-9
boer
1.1-2
BMS-10
bi boer
BMS-11
BMS-21
BR (66%), SH (20%) e PTG (14%)
BR (45%), BG (30%) e RPS (25%)
BR (65%), BG (25%) e PAX (10%)
BR (65%), BG (25%) e PTG (10%)
BR (80%), PTG (20%)
BMS-22
Distancia da Terra = 300 km
Área Total = 15.000 km 2
BMS-24
EXX (40%), HES (40%) e BR (20%)
BR (80%), PTG (20%)
15
PRODUPRODUÇÇÃOÃO DEDE ÓÓLEOLEO EE INVESTIMENTOINVESTIMENTO NONO PRPRÉÉ--SALSAL Produção de óleo no Pré-sal
PRODUPRODUÇÇÃOÃO DEDE ÓÓLEOLEO EE INVESTIMENTOINVESTIMENTO NONO PRPRÉÉ--SALSAL
Produção de óleo no Pré-sal (mil b/d)
1.815
1.336
632
582 463
219 160
1.183
873
62
152
422
2013
2015
2017
2020
Pré-Sal Petrobras
Pré-Sal Parceiras
Investimento no Pré-sal até 2020 (US$ bilhões)
2009-2013
2009-2020
Investimento Total da Petrobras no Pré-sal (Desenvolvimento da Produção)
28,9
111,4
18,4
98,8
Pré-sal da Bacia de Santos
10,3
12,6
Pré-Sal da Bacia Espírito Santo (incluindo campos no pós-sal)
16
IMPORTÂNCIAIMPORTÂNCIA ESTRATESTRATÉÉGICAGICA--ECONÔMICAECONÔMICA DODO PETRPETRÓÓLEOLEO DODO PRPRÉÉ––SALSAL
IMPORTÂNCIAIMPORTÂNCIA ESTRATESTRATÉÉGICAGICA--ECONÔMICAECONÔMICA DODO PETRPETRÓÓLEOLEO DODO PRPRÉÉ––SALSAL
Garantia da
Segurança energética
para o país e blindagem
quanto a eventuais
crises energéticas
mundiais
manutenção da auto-
suficiência
petrolífera
Agregação de valor na
cadeia do petróleo e
outros setores
industriais
Relevância
para balança
comercial brasileira
Potencial para
expansão do parque
industrial do país
atendendo à Política
do Desenvolvimento
Produtivo (PDP)
Criação de novos
empregos
17
IMPORTÂNCIAIMPORTÂNCIA ESTRATESTRATÉÉGICAGICA--ECONÔMICAECONÔMICA DODO PETRPETRÓÓLEOLEO DODO PRPRÉÉ––SALSAL
IMPORTÂNCIAIMPORTÂNCIA ESTRATESTRATÉÉGICAGICA--ECONÔMICAECONÔMICA DODO PETRPETRÓÓLEOLEO DODO PRPRÉÉ––SALSAL
Fortalecimento da
economia nacional
Melhoria da percepção
de risco do país
Aumento da
importância
econômica e
geopolítica do Brasil
Expansão dos
recursos para
educação, cultura,
inovação e pesquisa
tecnológica e meio
ambiente
Criação e
desenvolvimento
de tecnologia de
ponta,
consolidando a
liderança off
shore do país
18
PRODUÇÃO NOVIDADESNOVIDADES 2010 VINDASVINDAS DODO PRPRÉÉ--SALSAL o Perfurando 5 poços nos blocos licitados na Bacia
PRODUÇÃO NOVIDADESNOVIDADES 2010 VINDASVINDAS DODO PRPRÉÉ--SALSAL
o Perfurando 5 poços nos blocos licitados na Bacia de Santos.
Sucesso no aperfeiçoamento da caracterização geológica e
redução das incertezas.
o TLD
de
Tupi
com
quase
um
ano
de
produção
confirma
as
expectativas positivas sobre esta área.
Libra
Franco
o Segundo poço estratigráfico sendo perfurado para a ANP (Libra) a
32 km de Franco.
o Carta de intenções para afretamento
e operação do FPSO Piloto de Guará
assinado em 26/01 pela Petrobras,
BG Group e Repsol com o consórcio
Schahin/Modec. Esta é a primeira
unidade afretada de grande porte a
ser convertida com alto conteúdo
nacional.
Macunaíma
Tupi NE
Tupi Alto
Tupi
Guará Norte
Guará
Poços em
perfuração
Poços ANP
19
AUMENTOAUMENTO SIGNIFICATIVOSIGNIFICATIVO DASDAS RESERVASRESERVAS Os volumes recuperáveis, incluindo a cessão onerosa,
AUMENTOAUMENTO SIGNIFICATIVOSIGNIFICATIVO DASDAS RESERVASRESERVAS
Os volumes recuperáveis, incluindo a cessão onerosa, do Pre-
sal da Bacia de Santos poderá dobrar as reservas Brasileiras.
milhões boe
~ 30-35 bl boe
35.000
+5.000
30.000
Maiores Estimativas
+5.400
25.000
20.000
Menores Estimativas
10.600
15.000
10.000
5.000 14.169
0 Reservas
Provadas 2009*
Pré-sal Bacia de Santos e
Campos
(Tupi, Iara, Guará e Parque das
Baleias)**
Reservas Provadas*
Cessão
+
Onerosa
Pre-sal Bacia de Santos e Campos
(Tupi, Iara, Guará e Parque das Baleias)**
+
Cessão Onerosa
*Critéio SPE Criteria
** incluindo Petrobras e Parceiros
20
OO CRESCIMENTOCRESCIMENTO DADA PRODUPRODUÇÇÃOÃO DADA PETROBRASPETROBRAS AJUDARAJUDARÁÁ AA SUPRIRSUPRIR OSOS
OO CRESCIMENTOCRESCIMENTO DADA PRODUPRODUÇÇÃOÃO DADA PETROBRASPETROBRAS AJUDARAJUDARÁÁ AA
SUPRIRSUPRIR OSOS DESAFIOSDESAFIOS DADA DEMANDADEMANDA DEDE PETRPETRÓÓLEOLEO
5.729
223
409
Produção Total da Petrobras
7,7% p.a.
(x 1000 boe/d)
1.177
3.655
131
5,6% p.a.
9,7% p.a.
210
2.525
634
97
2.301 2.400
2.217 2.297
141
2.037 2.020
100
1.810
101
110
96
316
1.635
124
22
85
94
142
126
163
321
24
35
277
273
161
168
274
3.920
44
252
251
265
232
2.680
1.971
1.855
Pré-Sal
1.778
1.792
1.684
1.540
1.500
1.493
1.183
1.335
152
Pré-Sal
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2013
2020
Produção de Óleo - Brasil
Produção de Gás- Brasil
Produção de Óleo - Internacional
Produção de Gás - Internacional
21
INVESTIMENTOSINVESTIMENTOS Plano de Negócios 2009-13 Plano Anual de Negócios 2010 2% 2% 2% 3% US$
INVESTIMENTOSINVESTIMENTOS
Plano de Negócios 2009-13
Plano Anual de Negócios 2010
2%
2%
2%
3%
US$ 174,4 bilhões
R$ 88,547 bilhões
0,9
7%
5,6
3,0
E&P
2,6
2,8
11,8
RTC
6,2
3,2
G&E
8,1
Petroquímica
43,4
104,6 (*)
36,7
Distribuição
25%
Biocombustíveis
59%
Corporativo
E&P
Abastecimento
Gas e Energia
Internacional
Distribuição
Outros
34,0
(*) US$ 17,0 bi em Exploração
NOVONOVO PLANOPLANO DEDE NEGNEGÓÓCIOSCIOS 20102010 –– 20142014 emem revisãorevisão
InvestimentosInvestimentos entreentre USUS$$ 200200 ee 220220 Bilhões:Bilhões:
••
ExpressivoExpressivo investimentoinvestimento nono prpréé--salsal semsem descontinuardescontinuar oo investimentoinvestimento nono ppóóss--sal,sal, incluindoincluindo aa
manutenmanutenççãoão dada autoauto--suficiênciasuficiência emem óóleoleo ee investimentosinvestimentos emem infrainfra--estruturaestrutura parapara oo prpréé--salsal
••
InvestimentosInvestimentos nana AmpliaAmpliaççãoão ee ModernizaModernizaççãoão dodo ParqueParque dede Refino.Refino.
••
DesenvolvimentoDesenvolvimento dede ProjetosProjetos PetroquPetroquíímicosmicos ee Fertilizantes.Fertilizantes.
••
InvestimentosInvestimentos emem AlcooldutosAlcooldutos
•• ExpansãoExpansão dada malhamalha dede gasodutos,gasodutos, InvestimentoInvestimentoss emem GNLGNL ee novosnovos proprojetosjetos emem Energia.Energia.
22
AMPLIAÇÃO DA CAPACIDADE DE REFINO Compromisso da Petrobras em aumentar a capacidade de refino no
AMPLIAÇÃO DA CAPACIDADE DE REFINO
Compromisso da Petrobras em aumentar a capacidade de refino no pais, mantendo
integradas as atividades de produção de óleo e derivados. Para isso a Companhia pretende:
Construir 5 refinarias: Clara Camarão (RN), Refinaria Abreu e Lima (PE), COMPERJ (RJ),
Premium I (MA) e Premium II (CE);
Ampliar a capacidade das Refinarias: REPLAN (SP), REPAR (PR) e REVAP (SP);
Com essa estratégia, a Petrobras, após atender a demanda interna, será uma exportadora de
derivados (ao invés de óleo), agregando valor ao produto produzido, diminuindo a
vulnerabilidade externa nas contas nacionais (maior exportação e menor importação);
Serão realizados importantes investimentos na qualidade dos combustíveis, para atender as
questões ambientais.
3,012
Carga de Petróleo Processada
(mil/bpd)
2,270
1,779
1,791
2008
2009
2010
2011
69%
2012
2013
2020
23
BALANBALANÇÇOO BALANÇO DADA DA PRODUPRODUÇÇÃOÃO PRODUÇÃO XX X CAPACIDADECAPACIDADE CAPACIDADE DEDE REFINOREFINO
BALANBALANÇÇOO BALANÇO DADA DA PRODUPRODUÇÇÃOÃO PRODUÇÃO XX X CAPACIDADECAPACIDADE CAPACIDADE DEDE
REFINOREFINO DE REFINO XX VENDASVENDAS X VENDAS DEDE DERIVADOSDERIVADOS DE DERVADOS
Produção relevante do pré-sal somente a partir de 2017
Óleo leve com maior valor agregado
Construção de 5 novas refinarias adicionando 1.221 mil bpd de capacidade
908 mil bpd de exportação
líquida de óleo
410 mil bpd de exportação
líquida de óleo
136 mil bpd de exportação
líquida de derivados
259 mil bpd de exportação
líquida de óleo
3.920
13 mil bpd de exportação
líquida de derivados
211 mil bpd de importação
líquida de derivados
1.183 mil bpd
Pré-sal
3.012 2.876
2.680
152 mil bpd
Pré-sal
2.270 2.257
2.050
2.002
1.791
Meta Petrobras não
inclui a
Produção dos parceiros no
Meta Petrobras não inclui a
Produção dos parceiros no
Pré-sal:
62 mil bpd de óleo
Pré-sal:
632 mil bpd de óleo
2009
2013
2020
Produção de óleo Brasil
Capacidade Refino
Venda de derivados
24
CONSOLIDACONSOLIDAÇÇÃOÃO DADA INFRAESTRUTURAINFRAESTRUTURA DEDE GGÁÁSS NATURALNATURAL EE PRODUPRODUÇÇÃOÃO DEDE
CONSOLIDACONSOLIDAÇÇÃOÃO DADA INFRAESTRUTURAINFRAESTRUTURA DEDE GGÁÁSS NATURALNATURAL
EE PRODUPRODUÇÇÃOÃO DEDE ENERGIAENERGIA
o
Consolidação da infra-estrutura de
transporte de gás natural e de geração
de energia elétrica. Destaque para:
Gasoduto Urucu-Coari-Manaus e
Gasoduc III – 844 KM de
extensão e capacidade de 44,1
milhões de m3/dia de GN.
o
Terminais de regaseificação de
GNL da Baía de Guanabara e
Pecém - 27 Milhões de m3/dia.
o
Maior flexibilidade na oferta de gás:
o
Novas modalidades da venda
de GN e energia elétrica por
meio de contratos de curto
prazo e acordos comerciais no
mercado secundário de gás
permite venda média de 4,7
Milhões de M3/dia de GM em 9
leilões.
o
Diversificação da sua carteira de
geração concluindo seu primeiro ciclo
de investimentos.
2525
NOVO MARCO REGULATÓRIO, GARANTINDO UMA GESTÃO SUSTENTÁVEL Partilha de • Maior gestão sobre um Produção
NOVO MARCO REGULATÓRIO, GARANTINDO UMA GESTÃO SUSTENTÁVEL
Partilha de
• Maior
gestão
sobre
um
Produção
recurso estratégico.
Resultados da nova
regulamentação
• Diminuir
assimetria
de
informações
entre
a
União
e
as
empresas
de
Petróleo.
Pré-sal S.A.
• Supervisionar a eficiência de custos,
a velocidade de desenvolvimento e a
maximização do conteúdo nacional.
Acesso à
informação
estratégica.
Controle sobre a
produção e custos.
• Aumento
da
capacidade
de
financiamento da Petrobras para a
$ Capitalização e
Cessão Onerosa
realização dos investimentos, em
especial no pré-sal.
Acesso e
desenvolvimento
de tecnologia.
• Possível
aumento
da
participação
da
União
no
capital
e
no
resultado
da
Petrobras.
Desenvolvimento
da indústria
nacional.
• Constituir
poupança
pública
de
longo prazo.
Fundo Social
Gestão dos
recursos do pré-sal
no longo prazo.
• Proporcionar fonte regular de
recursos para o desenvolvimento
social e regional.
26
AUMENTOAUMENTO DODO CONTECONTEÚÚDODO NACIONALNACIONAL FORTALECEFORTALECE OO NEGNEGÓÓCIOCIO DADA PETROBRASPETROBRAS
AUMENTOAUMENTO DODO CONTECONTEÚÚDODO NACIONALNACIONAL FORTALECEFORTALECE OO NEGNEGÓÓCIOCIO DADA
PETROBRASPETROBRAS NONO LONGOLONGO PRAZOPRAZO
Perspectiva empresarial…
Ciclo Virtuoso
Conteúdo
Nacional
Maior
disponibilidade
Aumento da
capacidade
instalada
Mais opções e
flexibilidade
Novos
fornecedores
Menores preços
Perspectiva de sustentabilidade
Fortalecimento da
economia brasileira
Geração de emprego
e renda
Fortalecimento do
mercado interno
27
CONTECONTEÚÚDODO NACIONALNACIONAL O processo de agregação de valor ao petróleo e gás produzidos gera um
CONTECONTEÚÚDODO NACIONALNACIONAL
O processo de agregação de valor ao petróleo e gás produzidos gera um efeito
multiplicador para toda a cadeia produtiva.
Área de Negócio
Investimento
Doméstico
Colocação no
Mercado Nacional
Conteúdo
Nacional
2009-13
2009-13
(%)
E&P
92,0
48,9
53%
Abastecimento
46,9
36,6
78%
Gás e Energia
10,6
7,4
70%
Distribuição
2,1
2,1
100%
Biocombustível
2,1
1,9
83%
Áreas Corporativas
3,5
2,8
80%
Total
157,3
100,1
64%
Dos investimentos relacionados a projetos no País, cerca de 64% serão
colocados junto ao mercado fornecedor local, levando a uma média anual
de colocação de US$ 20 bilhões.
A média anual de colocação no mercado nacional do Plano anterior, era cerca de US$ 12,6 bilhões.
28
US$ Bilhões
INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA AS PRÓXIMAS DÉCADAS Os investimentos em pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias
INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA AS PRÓXIMAS DÉCADAS
Os investimentos em pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias são importantes pilares de
desenvolvimento e sucesso da Petrobras;
A Petrobras possui o maior centro de pesquisa da América Latina e um dos mais importantes do setor
mundial de petróleo.
Parceria com mais de 120 universidades e centros de
pesquisa no Brasil e 70 instituições no exterior.
Investimentos em Tecnologia
2009-2013
Programas Tecnológicos
US$ 4,0 bilhões
1.0
Novas
Modelagem
Óleos
Recuperação
Águas
25%
Fronteiras
Pré-sal
de bacias
Pesados
avançada
Refino
profundas
1.9
Exploratorias
0.2
0.9
47%
5%
Otimização
Meio
Inovação em
Energias
Mudanças
&
Transporte
Gás natural
ambiente
combustíveis
renováveis
Climáticas
confiabilidade
23%
E&P
Abastecimento
G&E
Corp. (Cenpes)
29
DEMANDA PETROBRAS x PRODUÇÃO NACIONAL DE AÇOS PLANOS PREVISÃO DE DEMANDA DE AÇO DE 2010
DEMANDA PETROBRAS x PRODUÇÃO NACIONAL DE AÇOS PLANOS
PREVISÃO DE DEMANDA DE AÇO DE 2010 À 2015
Item
Material
TOTAL (t)
Casco Navios
ASTM A131
656.850
Plataformas
Aço Estrutural
832.000
Sondas
Aço Estrutural
410.000
Barcos de Apoio
Aço Naval
323.938
Tubos de Condução
Aços: Carbono, Inox e Liga
911.943
Tubos de Prod.& Rev.
Aços Diversos
393.634
Equipamentos
Aços: Carbono, Inox e Liga
495.365
TOTAL
4.023.730
ATENÇÃO: CONSIDERAMOS QUE A MAIORIA SIGNIFICATIVA DO AÇO UTILIZADO EM
“PLATAFORMAS, SONDAS E EQUIPAMENTOS” É “PLANO”
o
Produção Brasileira nos últimos 12 meses (Fev.) = 13.169.300 t
o
Data da Informação: Março 2010
30
OPORTUNIDADESOPORTUNIDADES PARAPARA NOVOSNOVOS PARCEIROSPARCEIROS Planejamento de Entrega de Novas Embarcações
OPORTUNIDADESOPORTUNIDADES PARAPARA NOVOSNOVOS PARCEIROSPARCEIROS
Planejamento de Entrega de Novas
Embarcações
Recursos Críticos
de 2009 até
de 2013 até
de 2016 até
2013
2015 2020
Barco de Apoio
Navios de Grande Porte (1)
44
5
0
Barcos de Apoio e Especiais
92
50
53
Plataformas de Produção (2)
15
8
22
Navio de grande porte (VLCC)
Outros (Jaqueta e TLWP)
2
2
3
Total
153
65
78
Plataforma de Produção (FPSO)
SONDAS DE PERFURAÇÃO
30 SONDAS CONTRATADAS, MAIS 28 A SEREM CONTRATADAS ATÉ 2018, TOTALIZANDO 58 SONDAS:
- 23 serão entregues entre 2009 e 2011.
Os investimentos previstos atendem às necessidades da carteira
- 9 serão contratadas através de processos de exploratória licitação e no de desenvolvimento mercado internacional da produção e entregues da Petrobras em 2012 –
Atendendo as necessidades de curto prazo da Petrobras enquanto a indústria nacional se prepara
para responder as demandas adicionais.
- 28 serão construídas no Brasil com entrega prevista no período de 2013 a 2018.
31
(1)
(2)
Promef 1 e Promef 2
FPSO e SS
COMPRACOMPRA DEDE NOVOSNOVOS EQUIPAMENTOSEQUIPAMENTOS EQUIPAMENTOS E MATERIAIS DEMANDADOS 2009-2013* 603 Motores de
COMPRACOMPRA DEDE NOVOSNOVOS EQUIPAMENTOSEQUIPAMENTOS
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS DEMANDADOS 2009-2013*
603
Motores de Combustão
143
23
Separadores de Água e Óleo
7
278
Turbinas
34
410
Torres
34
645
Tanques de Armazenamento
279
106
Reatores
161
89
Guindastes
22
133
Guinchos
40
256
Geradores
24
31
Queimadores (Flares)
3
609
Filtros
470
629
Compressores
48
140
Manifolds
1280
Cabeças de Poço Seca
426
229
Cabeças de Poço Molhada
98
1280
Árvores de Natal Seca
426
417
Árvores de Natal Molhada
75
2009 2010-2013
32
Esta lista não esgota todos os equipamentos e materiais demandados
Esta lista não esgota todos os equipamentos e materiais demandados
PLANO DE NEGÓCIOS 2009-2013 BIOCOMBUSTBIOCOMBUSTÍÍVEISVEIS Estratégia Atuar, globalmente, na produção de
PLANO DE NEGÓCIOS 2009-2013
BIOCOMBUSTBIOCOMBUSTÍÍVEISVEIS
Estratégia
Atuar, globalmente, na produção de Biocombustíveis, com
participação relevante nos negócios de biodiesel e de etanol.
Biodiesel
Agricultores familiares contratados
2009
|
2010
Nova planta de biodiesel no Pará
• Plantio em áreas afetadas pelo
desmatamento:
56.000
|
80.000
Grãos adquiridos (t)
2009
|
2010
46.200
|
152.422
• recuperação das áreas;
• proteção do solo;
• equilíbrio ecológico;
• reintegração econômica.
ETANOL
BIO DIESEL
INVESTIMENTOS EM BIOCOMBUSTÍVEIS
(PN 2009 – 2013)
US$ 2,8 BILHÕES
Etanol
16%
• Parceria com a Mitsui Japão exportação do etanol brasileiro.
• Aquisição de participação na Guarani, 4ª maior processadora de cana-de-açúcar
do país aumento da participação da Petrobras na indústria brasileira de
etanol e bioenergia; investimentos com foco no desenvolvimento de uma nova
geração de biocombustíveis e cogeração de energia.
Etanol
Biodiesel
84%
33
USINA DE BIODIESEL DE CANDEIAS (BAHIA) Inaugurada em agosto de 2008 Capacidade inicial: 50.000 ton
USINA DE BIODIESEL DE CANDEIAS (BAHIA)
Inaugurada em agosto de 2008
Capacidade inicial: 50.000 ton ano
Capacidade atual: 100.000 ton ano
34
USINA DE BIODIESEL DE QUIXADÁ (CE) Inaugurada em agosto de 2008 Capacidade inicial: 50.000 ton
USINA DE BIODIESEL DE QUIXADÁ (CE)
Inaugurada em agosto de 2008
Capacidade inicial: 50.000 ton ano
Capacidade atual: 100.000 ton ano
35
USINA DE BIODIESEL DE MONTES CLAROS (Minas Gerais) Inaugurada em abril de 2009 Capacidade inicial:
USINA DE BIODIESEL DE MONTES CLAROS (Minas Gerais)
Inaugurada em abril de 2009
Capacidade inicial: 50.000 ton ano
Capacidade atual: 100.000 ton ano
36
UNIDADE DE BIODIESEL GUAMARÉ (Rio Grande do Norte) Tecnologia consolidada em 15 de novembro de
UNIDADE DE BIODIESEL GUAMARÉ (Rio Grande do Norte)
Tecnologia consolidada em 15 de novembro de 2009
Biodiesel especificado com 30% de óleo de mamona
Em adaptação para produção industrial (40.000 ton ano)
37
USINA DE BIODIESEL MARIALVA (Paraná) Inauguração: maio 2010 Capacidade inicial: 100.000 ton ano 38
USINA DE BIODIESEL MARIALVA (Paraná)
Inauguração: maio 2010
Capacidade inicial: 100.000 ton ano
38
USINA DE ETANOL TOTAL (BAMBU Í – Minas Gerais) Capacidade: 100.000 m 3 ano 39
USINA DE ETANOL TOTAL (BAMBU Í – Minas Gerais)
Capacidade: 100.000 m 3 ano
39
ETANOL Aquisição de participação na Açucar Guarani S.A. Usina Andrade: Usina Severinia: Usina Cruz Alta:
ETANOL
Aquisição de participação na Açucar Guarani S.A.
Usina Andrade:
Usina Severinia:
Usina Cruz Alta:
3,1 milhões/ton/ano
2,6 milhões/ton/ano
4,4 milhões/ton/ano
Usina São José:
Usina Vertente:
Usina Tanabi:
3,2 milhões/ton/ano
1,7 milhões/ton/ano
1,7 milhões/ton/ano
Usina Sena (Moçambique - África):
0,6 milhões/ton/ano
Petrobras e Tereos investem na
Açucar Guarani S.A
Obs: Aquisição Mandu (31/05/2010)
• 3,4 milhões ton. Cana
• 175.000.000 l etanol
Capacidade de processar:17,4 milhões
de ton/ano de cana-de-açucar
• 200.000 ton. Açúcar
• 12 MW cogeração
40
OBRIGADO Informações: Relações com Investidores (21) 3224-1510 petroinvest@petrobras.com.br 4141
OBRIGADO
Informações:
Relações com Investidores
(21) 3224-1510
petroinvest@petrobras.com.br
4141