Você está na página 1de 59

Observações Meteorológicas de Superfície:

Estações Meteorológicas:

2

Meteorologia

Ramo da ciência que estuda os fenômenos meteorológicos através das observações;

A observação meteorológica é uma avaliação ou

uma medida de um ou vários parâmetros meteorológicos;

3

Desde os tempos mais remotos, o

homem tem se

preocupado em observar os

diferentes elementos

do clima, como a precipitação,

temperatura e

umidade, entre

outros.

se preocupado em observar os diferentes elementos do clima, como a precipitação, temperatura e umidade, entre

4

Para a atividade agrícola, o conhecimento do comportamento do clima de uma região e

fundamental, contribuindo para uma maior e

melhor produção.

o conhecimento do comportamento do clima de uma região e fundamental, contribuindo para uma maior e

5

E também ferramenta indispensável na

pesquisa, tanto para definir como interpretar os

resultados dos experimentos, bem como para

aplicar os resultados.

A confiabilidade dos dados meteorológicos depende do interesse e da preparação do

observador, da continuidade da coleta dos dados

e o cuidado na manutenção dos equipamentos.

6

Como são feitas as medições dos

fatores climáticos?

São realizadas observações das variáveis

climáticas utilizando as Estações Meteorológicas

de Superfície, sendo:

Estação Meteorológica Convencional

Estação Meteorológica Automática

7

Sistema Global de Observações Meteorológicas:

A ONU (Organização das Nações Unidas) mantém um Órgão especializado denominado OMM (Organização Meteorológica Mundial) criado em 1950;

A OMM desenvolve o programa Vigilância

Meteorológica Mundial (VMM), com o objetivo de manter o intercâmbio de informações

meteorológicas entre os países e o estímulo ao

desenvolvimento da previsão do tempo.

8

Brasil:

O Ministério da Agricultura, através do Instituto

Nacional de Meteorologia (INMET)

responsáveis pelo estabelecimento, coordenação e operação das redes de observações meteorológicas e de transmissão de dados

meteorológicos.

O Brasil participa do programa VMM (Vigilância

Meteorológica Mundial) operando cerca de 20

estações de radiossondagem e cerca de 180 estações de superfície, numero insuficiente em

vista da extensão territorial do país.

9

Cuiabá

Rio de

Janeiro

Belém

Recife

Goiás

INMET

(MAPA)

Brasília/DF

Belo

Horizonte

OMM Salvador (ONU) São Paulo
OMM
Salvador
(ONU)
São Paulo

Porto

Alegre

Manaus

10

As Estações Meteorológicas

As observações de superfície são procedimentos

sistemáticos e padronizados pela OMM, no que diz respeito:

ao tipo de equipamento; as técnicas de calibração;

a aferição, aos ajustes, ao manuseio;

a procedimentos observacionais;

aos horários de observação;

ao tratamento dos dados, as correções,

as estimativas, a transmissão e ao uso operacional.

Tais medidas visam a obtenção de informações

qualitativas e quantitativas referentes aos parâmetros meteorológicos

11

Estações Meteorológicas de Superfície:

Convencional

11 Estações Meteorológicas de Superfície: Convencional Automática

Automática

11 Estações Meteorológicas de Superfície: Convencional Automática

12

Redes de Estações: Convencionais

WWW.INMET.GOV.BR

12 Redes de Estações: Convencionais WWW.INMET.GOV.BR

13

Redes de Estações: Automáticas

Operante13 Redes de Estações: Automáticas Sem Dados

Sem Dados13 Redes de Estações: Automáticas Operante

13 Redes de Estações: Automáticas Operante Sem Dados

14

Goiás

14 Goiás

15

15

16

Estação Meteorológica Convencional

(EMC):

16 Estação Meteorológica Convencional (EMC):

17

Exige a presença diária do observador

meteorológico para a coleta dos dados (leitura direta).

17 • Exige a presença diária do observador meteorológico para a coleta dos dados (leitura direta).

18

De acordo com o número de elementos

observados as Estações são divididas

em Classes:

1 a classe: medem todos os elementos do clima;

2 a classe:

não

medem

pressão

atmosférica,

radiação solar e vento;

3 a classe: medem temperatura máxima, mínima e a chuva (conhecidas como termo-

pluviométricas)

19

Classificação pela finalidade:

Sinópticas: ligadas ao sistema nacional e mundial de previsão do tempo, com horários de observação

(leituras) convencionados (0:00, 6:00, 12:00,

18:00 GTM), com envio rápido dos dados para os

órgãos responsáveis pela previsão.

Podem se localizar sobre o continente (superfície ou ar superior, estas últimas denominadas de Estações de Sondagem instrumentos: balão-piloto, radiossonda, radiovento e radioventossonda) ou sobre o Oceano (em navios).

20

Climatológicas - As instalações são rigorosamente padronizadas (espessura do arame, malha da tela e orientação do cercado, cor da pintura, dimensões, piso, etc). Dividem-se em:

Estações Climatológicas Principais: são as que medem todos os elementos meteorológicos necessários aos estudos climatológicos, são constituídas de uma área instrumental e de um escritório e,

Estações Climatológicas Ordinárias: aquelas que não nos fornecem todas estas informações e são

constituídas apenas de uma área instrumental com um

abrigo termométrico e um pluviômetro.

21

Aeronáuticas: destinadas à coleta de informações necessárias à segurança do transporte aeronáutico. Normalmente instaladas

em aeroportos.

Agrometeorológicas: destinadas à realização

de observações meteorológicas de interesse às

atividades agrícolas e por isso realizam observações não encontradas em outros tipos de

estação, como: temperatura do solo e evaporação.

Postos Pluviométricos: destinados à coleta de

chuvas para manejo de recursos hídricos.

22

Padrão de Leitura:

A

as observações

meteorológicas sejam realizadas em pelo menos três dos seguintes horários: 6:00, 12:00, 18:00,

OMM

preconiza

que

24:00 horas (TMG).

O objetivo e de que em cada horário sejam feitas leituras simultâneas em toda a superfície do

globo terrestre.

simultâneas em toda a superfície do globo terrestre. • Brasil: 3:00, 9:00, 15:00, 21:00 • Os

Brasil: 3:00, 9:00, 15:00, 21:00

Os dados coletados são anotados em caderneta própria e repassados para o Distrito Goiânia.

23

Esquema:

Estação Convencional

24 100m N Geotermômetros Tanque Classe A Heliógrafo Actinógrafo 42,5m Abrigo 42,5m Pluviômetro Pluviógrafo
24
100m
N
Geotermômetros
Tanque Classe A
Heliógrafo
Actinógrafo
42,5m
Abrigo
42,5m
Pluviômetro
Pluviógrafo
Aspergígrafo
Termômetro
de relva
Pára-raios
Catavento
Barógrafo
Anemógrafo
Barômetro
100m

25

Abrigo Termométrico

Ripas de madeira: branca

Altura: 1,5 m do chão

Equipamentos:

Termômetros de máxima

e Mínima

Bulbo seco e úmido

Termohigrógrafo

Evaporímetro de Piche

Barógrafo

de máxima e Mínima • Bulbo seco e úmido • Termohigrógrafo • Evaporímetro de Piche •

26

27

Termômetros: Máxima e de Mínima ( o C)

27 Termômetros: Máxima e de Mínima ( o C)

28

Máxima

28 Máxima Mínima

Mínima

28 Máxima Mínima

29

Psicrômetro

Termômetro de bulbo seco (ºC)

Termômetro de bulbo úmido (ºC)

de bulbo seco (ºC) • Termômetro de bulbo úmido (ºC) • Mede umidade relativa do ar
de bulbo seco (ºC) • Termômetro de bulbo úmido (ºC) • Mede umidade relativa do ar

Mede umidade relativa do ar (%)

de modo indireto

30

Psicrômetro

Bulbo

Seco

Umidade

30 Psicrômetro Bulbo Seco Umidade Bulbo Úmido Água

Bulbo Úmido

Água

30 Psicrômetro Bulbo Seco Umidade Bulbo Úmido Água

31

Exemplo:

t s = 20 0 C

e t u = 17 0 C

t s =temperatura do termômetro seco. t u = temperatura do termômetro úmido.

Umidade Relativa do Ar (Δt = t s - t u ) Δt = (20 - 17) o C = 3 o C

Buscamos na coluna t s , 20 o C, e na linha Δt, 3 o C; na interseção de ambas, achamos 74; a umidade relativa será = 74%.

32

Cálculo:

A partir da diferença de leitura entre os dois termômetros, e com a ajuda de

uma tabela, pode

ser encontrado o valor da umidade relativa.

de leitura entre os dois termômetros, e com a ajuda de uma tabela, pode ser encontrado

33

Equações:

UR = ea/es *100 (%)

ea = esu - A * Patm * (Ts - Tu)

esu = 0,6108 * 10 (7,5*Tu)/(237,3 + Tu)

es = 0,6108 * 10 (7,5*Tar)/(237,3 + Tar)

Onde:

UR = umidade relativa (%)

ea = pressão atual de vapor (kPa)

es = pressão de saturação (kPa)

esu = pressão de saturação, calculada pela T úmida

Ts = temperatura de bulbo seco (ºC)

Tu = temperatura de bulbo úmido (ºC)

A = constante do psicrômetro não ventilado (0,0008 ºC -1 )

Patm = pressão atmosférica do local (95 kPA)

34

Termohigrógrafo:

Registra:

Temperatura (ºC)

Umidade (%)

34 Termohigrógrafo: • Registra: • Temperatura (ºC) • Umidade (%)

35

Umidade

(%)

Temperatura

(ºC)

Feixe de cabelos
Feixe de cabelos

36

Barógrafo (kgf/m 2 )

Pressão Atmosférica

É a pressão

exercida pela atmosfera sobre os “objetos” (unidade de área)

2 ) • Pressão Atmosférica • É a pressão exercida pela atmosfera sobre os “objetos” (unidade

37

Termômetros de solo - ºC

Solo gramado

37 Termômetros de solo - ºC Solo gramado Solo c/ cobertura morta Solo nú - Sem

Solo c/

cobertura

morta

37 Termômetros de solo - ºC Solo gramado Solo c/ cobertura morta Solo nú - Sem

Solo nú - Sem cobertura

37 Termômetros de solo - ºC Solo gramado Solo c/ cobertura morta Solo nú - Sem

38

38 Geotermômetros

Geotermômetros

39

Termômetro de Relva (ºC)

39 Termômetro de Relva (ºC)

40

Evaporação (Tanque Classe A)

40 Evaporação (Tanque Classe A) Poço Tranquilizador Parafuso Micrométrico
40 Evaporação (Tanque Classe A) Poço Tranquilizador Parafuso Micrométrico

Poço

Tranquilizador

40 Evaporação (Tanque Classe A) Poço Tranquilizador Parafuso Micrométrico

Parafuso

Micrométrico

41

Evaporímetro de Piche

Evaporação

41 Evaporímetro de Piche • Evaporação
41 Evaporímetro de Piche • Evaporação

42

Radiação Solar/Brilho Solar

Actinógrafo

42 Radiação Solar/Brilho Solar Actinógrafo Heliógrafo

Heliógrafo

42 Radiação Solar/Brilho Solar Actinógrafo Heliógrafo

43

Fitas utilizadas no Heliógrafo

43 Fitas utilizadas no Heliógrafo Verão Outono – Primavera Inverno

Verão

43 Fitas utilizadas no Heliógrafo Verão Outono – Primavera Inverno

Outono Primavera

43 Fitas utilizadas no Heliógrafo Verão Outono – Primavera Inverno

Inverno

43 Fitas utilizadas no Heliógrafo Verão Outono – Primavera Inverno

44

Pluviógrafo (mm)

44 Pluviógrafo (mm)
44 Pluviógrafo (mm)
44 Pluviógrafo (mm)

45

Velocidade e Direção do Vento (m/s)

Anemômetro

45 Velocidade e Direção do Vento (m/s) A n e m ô m e t r
45 Velocidade e Direção do Vento (m/s) A n e m ô m e t r

Anemômetro

Digital

45 Velocidade e Direção do Vento (m/s) A n e m ô m e t r

46

Estação Meteorológica Automática:

47

Esquema:

Anemômetro – velocidade do vento Direção do vento Pluviômetro - precipitação

Anemômetro velocidade do vento Direção do vento

Pluviômetro -

precipitação

Anemômetro – velocidade do vento Direção do vento Pluviômetro - precipitação

49

Piranômetro sensor de Radiação

49 Piranômetro – sensor de Radiação
49 Piranômetro – sensor de Radiação

50

Abrigo meteorológico

Sensores de temperatura e umidade

50 Abrigo meteorológico Sensores de temperatura e umidade
50 Abrigo meteorológico Sensores de temperatura e umidade

51

Antena

e

Painel Solar

51 Antena e Painel Solar

52

52 Datalloger

Datalloger

52 Datalloger

53

Painel de conexão dos sensores

53 Painel de conexão dos sensores

54

Descarregando

os dados com o uso

de um computador

54 Descarregando os dados com o uso de um computador

55

Estação

Meteorológica

Automática

55 Estação Meteorológica Automática

56

56

57

57

58

58

59

Estação Meteorológica Vantage Pro2

Composta dos seguintes sensores:

1 sensor de temperatura e umidade.

1 sensor de direção e velocidade do vento.

1 sensor de chuva.

1 sensor de pressão barométrica.