L I Ç ÃO 2 - S é r i e d e E x e r c í c i o s " Ad e u s à C u l p a " A ESCOLHA DO AMOR OFERECE-ME A LIBERTAÇÃO DO MEDO Nós podemos escolher a liberdade ou a escuridão.

Podemos escolher o amor ou o medo e a culpa. Nossa mente-ego ou personalidade não quer que acreditemos que temos estas escolhas. Ela nos diz que vivemos em um mundo onde a liberdade do mundo é impossível. Ela nos encoraja a acreditar que o medo é não somente real, mas também justificável, normal e saudável. Ela insiste que as situações externas em nossas vidas estão além do nosso controle e que, quando estamos envolvidos nestas situações, não temos nenhuma escolha a não ser experimentar o medo. De acordo com nosso ego, o medo não é uma escolha, mas sim uma parte inevitável da nossa experiência. Com muita frequência vivemos nossas vidas escolhendo o medo e permitindo que o ego a controle, apesar de todas as nossas boas intenções em estar num caminho espiritual. Quando isso acontece comigo é como se o mundo gastasse uma parte do dia me esmagando, causando-me uma grande inquietação e me deixando com um sentimento apreensivo de medo em meu estômago e ossos. Se alguém ousasse me dizer que o sentimento que eu estava experimentando era uma escolha e não o resultado das coisas terríveis que estavam me acontecendo, que estavam além do meu controle, eu certamente iria pensar que esta pessoa não entendia realmente do que se tratava a vida. Nossa mente-ego é tão ilusória que nos quer convencer que nossas respostas emocionais são o resultado do que fazem outras pessoas e eventos externos a nós, que estas respostas que damos a estas pessoas e eventos não tem nada a ver com os nossos pensamentos internos. ESCOLHENDO OUTRO CAMINHO

que é muito útil para resistir à tentação de interpretar. LÍDERES ESPIRITUAIS Muitos líderes espirituais que se destacaram na história da humanidade sempre compartilharam uma mesma característica: um comprometimento total com Deus e com o perdão do mundo e de todas as pessoas. Ao invés disso. Apesar disso.algo que eu imaginava ser a minha função. Minha mente-ego . amor ou medo. Durante estes momentos eu sou capaz de experimentar mais e mais paz em minha vida. que estou unido com todas as outras pessoas como um só Ser não separado. agir ou fazer. julgar ou ficar com medo: "O que não é amor é sempre medo. Quando eu rezo e faço o meu melhor para ouvir as palavras de Deus. Para fazer isso devemos nos lembrar sempre que nosso sistema de crenças é o responsável pelo o que vemos e não as situações externas. São os nossos próprios pensamentos sobre estas situações que irão determinar se experimentaremos paz ou conflito. nada mais.Uma outra forma de olhar para o mundo é manter-se consciente de que tanto o amor quanto o medo são escolhas. que está brilhando em direção a todo universo e sendo refletida de volta. que podemos treinar nossas mentes para escolher um ou o outro. a minha voz interior me pede para "acordar" e reconhecer a presença da luz de Deus dentro de mim. Eu encontrei a seguinte citação no Um Curso em Milagres. existem momentos onde eu abro o meu coração para o presente que é o amor de Deus e ouço somente a Sua voz me dizendo o que pensar. nunca me foi dito para tentar mudar outra pessoa ou dizer o que ela tem que fazer . Minha voz interior têm também me pedido para reconhecer que sou uma criança de Deus." Este conceito é tão maravilhosamente simples que minha mente-ego continua resistindo a ele.

a voz de Deus. mas com certeza não irá funcionar para mim".apenas as suas formas são diferentes. Acredito que os problemas de hoje em dia são exatamente os mesmos daqueles enfrentados pelas pessoas há milhares de anos atrás . Isto parece uma linda retórica. mas naqueles momentos em que eu me comprometo comigo mesmo. mas o que nós realmente acreditamos é: "Bem. não posso sentir a voz do amor. A tentação de julgar e condenar os outros. que diz que nós podemos fazer o que ele fez em sua vida e muito mais. mas os problemas que nós temos de lidar hoje em dia são muito mais complexos e difíceis do que no passado". Eu sinto que eu preciso ser constantemente lembrado de que a raiva . Então racionalizamos o nosso ceticismo dizendo: "As coisas ficaram diferentes quando aquelas pessoas incomuns estiveram por aqui. Quando eu me sinto com raiva. de agir como ovelhas e seguir a maioria ao invés de seu próprio mestre interior. Gostaríamos de aceitar a possibilidade de que podemos perdoar e não julgar como Jesus. Como eu poderia ter sucesso em perdoar e não julgar tão completamente como Jesus? RACIONALIZAÇÃO Eu compreendo que quase todos sentem desta forma. COMPROMISSO Meu compromisso com Deus certamente não tem sido tão estável como eu gostaria.costuma argumentar com uma afirmação muito frequente de Jesus. talvez para alguém que não tenha sido tão famoso.nunca traz a paz da mente que . mas eu não sentia em meu coração que isto poderia ser aplicado a mim mesmo. de avaliar e separar nós mesmos e os outros em "inocentes" ou "culpados" são as mesmas questões que a humanidade têm se deparado por milênios.não importa o quanto possa ser justificada . Minha mente sente que está unida às outras com o propósito de estender o amor e a alegria. isto pode ter funcionado para estes poucos e aclamados líderes espirituais. tenho experimentado um glorioso sentimento de totalidade e de unidade.

compreendemos que devemos aceitar a responsabilidade pela nossa liberdade e alegria porque a única coisa que pode nos ferir são os nossos próprios pensamentos. "O que é importante é a nossa intenção de devotar as nossas vidas a Deus .ao invés de tomar e culpar. A escolha do amor me oferece a libertação do medo Na maior parte de minha vida eu tenho respondido automaticamente ao que as outras pessoas dizem ou fazem.ou se estarão vivendo em um mundo de separação onde estamos constantemente vulneráveis ao ataque. Recentemente eu estava falando com Madre Teresa e dizendo a ela sobre o meu desejo de aprender como me comprometer e me entregar totalmente a Deus. São os nossos próprios pensamentos que determinam se nossas mentes estarão unidas no amor com as outras mentes . Passos para integrar a lição de hoje na nossa vida diária . Fazendo isto.mas vivendo no mundo não é possível dar a nossa atenção a Deus todo o tempo. Ela foi muito gentil e disse que eu estava sendo muito cruel comigo mesmo. É a nossa intenção que conta".eu quero. Ela começou a explicar. Esta percepção de nossa vulnerabilidade ao ataque é na verdade uma defesa contra a experiência da paz de Deus. nós podemos então ver porque é importante abandonar o nosso investimento na censura. DAR E RECEBER Nós podemos sentir a presença cheia de paz de Deus quando paramos um instante no tempo e fazemos que este instante seja apenas para dar e perdoar . À medida em que aprendemos a doar mais e mais e descobrimos que dar é receber. Eu peço a minha liberdade exercitando o meu poder de decisão de ver as pessoas e eventos com amor ao invés do medo. na condenação e na culpa. Agora eu reconheço que as minhas respostas podem ser determinadas somente pelas decisões que eu tomo.

Quando eu pensar que as coisas estão ruins na minha vida hoje. 5.• • • • • 1. eu resistirei hoje a tentação de culpar os outros." . 3." 4. "A mente sem culpa não pode sofrer. depressão.) . Repita o título desta lição pelo menos duas vezes durante o dia . uma vez a cada hora. Eu posso escolher manter na minha mente apenas os pensamentos que eu quero. Sabendo que posso apenas ser ferido pelos meus próprios pensamentos. vou parar por um momento e dizer a mim mesmo: "Não são as outras pessoas ou eventos que me fazem infelizes. Eu posso escolher a paz ao invés disso.são determinados pelos pensamentos que eu coloco na minha mente. etc. Vou reconhecer que quaisquer sentimentos que eu experimente hoje .paz ou amor. 2. Ao invés disso eu reinvindicarei a oportunidade de ver a mim mesmo e todos os outros como livres da culpa e do medo. que a escolha do amor oferece a libertação do medo. Serei determinado em reinvindicar a minha liberdade e deixar os pensamentos de amor substituir todos os nossos medos. ou alguma forma de medo (raiva. Vou me lembrar hoje.A escolha do amor me oferece a libertação do medo.