Você está na página 1de 28
Wellington do Prado 1
Wellington do Prado 1
Wellington do Prado 1
Wellington do Prado 1
Wellington do Prado 1

Wellington do Prado

OBJETIVO GERAL Apresentar recursos que possibilitem otimizar projetos de sistema de aterramento, com base em

OBJETIVO GERAL

Apresentar recursos que possibilitem otimizar projetos de sistema de aterramento, com base em estudo do solo em que se deseja implementar o sistema, de posse deste estudo é possível definir uma malha de aterramento de menor custo e que ofereça o escoamento necessário de corrente para garantir a segurança tanto do patrimônio quanto pessoal.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

a) Conhecer como o sistema de aterramento age para proteger as instalações da edificação em que foi implantada;

b) Analisar as características do solo para obter parâmetros que possibilitem

dimensionar a malha de aterramento e o tipo;

c) Sugerir práticas de aterramento, adequadas para as condições da nossa região;

d) Confrontar os valores obtidos por meio de modelos matemáticos teóricos e

valores obtidos por medição em campo.

IMPORTÂNCIA DA RESISTIVIDADE DO SOLO NA CONCEPÇÃO DO PROJETO DE ATERRAMENTO

Um dos fatores que influenciam na elaboração do projeto de aterramento é o valor da resistividade do solo, as equações matemáticas para cálculo da resistência equivalente de qualquer sistema de aterramento necessitam desta informação e o seu valor depende de várias características deste solo, tais como:

tipo de solo, estratificação em camadas de materiais diferentes, umidade do solo, compactação, composição química do solo, granulometria do solo, porosidade, temperatura dentre outros.

PRINCIPAIS MODELOS DE SISTEMAS DE ATERRAMENTO

Os principais modelos de aterramento são:

a) Eletrodo vertical único cravado ao solo;

b) Eletrodos verticais dispostos em linha reta;

c) Eletrodos verticais dispostos nos vértices de um triangulo eqüilátero;

d) Eletrodos verticais dispostos uniformemente na área de um quadrado;

e) Eletrodos verticais dispostos em círculo;

f)Placas de material condutor enterrado no solo;

g) Fios ou cabos enterrados no solo, formando diversas configurações, tais como:

cruz, estrela etc.

A definição de qual destes sistemas empregar depende do espaço disponível, o tipo de solo, do sistema de energia a que se pretende proteger e do custo da obra.

PRINCIPAIS COMPONENTES PRESENTES NO SISTEMA DE ATERRAMENTO Os componentes normalmente empregados no sistema de aterramento

PRINCIPAIS COMPONENTES PRESENTES NO SISTEMA DE ATERRAMENTO

Os componentes normalmente empregados no sistema de aterramento estão descritos a seguir:

a) Hastes – São eletrodos verticais

profundas do solo;

utilizados

para atingir

camadas mais

b) Condutor Horizontal – Utilizado para interligação das hastes verticais e quando o solo tem resistividade proporcional a profundidade, é utilizado como meio de dispersão horizontal da corrente;

c) Anéis – Condutor nu em forma de circulo, muito utilizado em sistema de aterramento para rádio e televisão.

TÉCNICAS UTILIZADAS PARA REDUZIR ATERRAMENTO

A RESISTÊNCIA DO

Quando os procedimentos ditos comuns não foram suficiente para atingir o valor esperado de resistência da malha, pode ser utilizada uma das seguintes técnicas para reduzir a resistência do aterramento:

a) Tratamento químico do solo – Emprego de sais de sódio, sulfato de cobre ou

betonita, devido ter baixa resistividade e características higroscópicas;

b) Aprofundamento dos eletrodos de aterramento – Eficiente quando a resistividade das camadas mais profundas é inferior a das camadas superiores.

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE ATERRAMENTO A concepção empregada em projetos de aterramento sofreu várias alterações

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE ATERRAMENTO

A concepção empregada em projetos de aterramento sofreu várias alterações nas últimas décadas, a razão disto se deve ao aumento da utilização de equipamentos eletrônicos e as interferências que os equipamentos de força geravam nestes. Em ordem cronológica, verificam-se as seguintes etapas do desenvolvimento do sistema de aterramento:

a) Emprego de uma único sistema de aterramento tanto para o sistema de força

quanto de equipamentos sensíveis;

b)

sensíveis;

Emprego de sistemas independentes “isolados” de força e equipamentos

c) Emprego do sistema de aterramento radial de “ponto único”;

d) Emprego de malha de referencia.

O mais recente sistema de aterramento empregado para equipamentos sensíveis é a Malha de Aterramento de Referência (MTR), este modelo superou os inconvenientes encontrados em todos os demais sistemas com relação a incapacidade de equalizar as barras de terra dos diversos equipamentos eletrônicos para altas freqüências, ocasionando ruídos nestes equipamentos.

EXEMPLO DE SISTEMA DE ATERRAMENTO Na figura 3.1 é apresentado um exemplo de sistema de

EXEMPLO DE SISTEMA DE ATERRAMENTO

Na figura 3.1 é apresentado um exemplo de sistema de proteção a descarga atmosférica com sistema de aterramento, nota-se que existe interação entre o sistema MTR e o sistema de ponto único.

Legenda da Figura 3.1

1 – Subsistema de captação (por cima);

2 – Subsistema de captação (na lateral);

3 – Subsistema de descida;

4 – Subsistema de anéis intermediários horizontais;

5 – Subsistema de malha de aterramento;

6 – Subsistema de equalização de potencial.

aterramento; 6 – Subsistema de equalização de potencial. Figura 3.1 - Sistema de Proteção a Descargas

Figura 3.1 - Sistema de Proteção a Descargas Atmosféricas e Sistema de Aterramento

ESTUDO DE CASO Cálculo Da Resistência De Uma Haste O primeiro passo para obtenção da

ESTUDO DE CASO

Cálculo Da Resistência De Uma Haste

O primeiro passo para obtenção da resistência equivalente da malha é obter a resistência de uma única haste, para isso utiliza-se a Eq. Abaixo. Sendo a resistividade do solo (ρ) igual a 370 Ωm, o comprimento (L) da haste 3m e diâmetro (D) de 1/2”

a resistividade do solo (ρ) igual a 370 Ωm, o comprimento (L) da haste 3m e

R1cond=134.47Ω

Cálculo Do Valor Da Resistência De Aterramento De Uma Malha Com Hastes Posicionadas Em Linha

Cálculo Do Valor Da Resistência De Aterramento De Uma Malha Com Hastes Posicionadas Em Linha Reta E Igualmente Espaçadas.

Conforme exposto na Equação para a situação que se pretende estudar a resistência de uma haste é de 134.47Ω, a malha é composta por quatro destas hastes fixadas em linha com distância entre elas de 5m. Para determinar a resistência equivalente da malha é necessário obter, além da resistência de uma haste, o índice de aproveitamento (K), logo;

Req= K* R1cond

O índice K é obtido segundo a tabela Abaixo, para a situação acima o K é igual a

0,2994.

(K), logo; Req= K* R1cond O índice K é obtido segundo a tabela Abaixo, para a
9
9
9
10
10
10
11
11
11
Utilizando-se da Equação tem-se: Req= K* R1cond Req= 0,2994 * 134.47 Req= 40,260Ω Portanto a

Utilizando-se da Equação tem-se:

Req= K* R1cond

Req= 0,2994 * 134.47

Req= 40,260Ω

Portanto a resistência equivalente calculada para a configuração apresentada acima é de 40,260Ω

Cálculo Do Valor Da Resistência De Aterramento Da Malha Com Configuração Em Triângulo Para 3 Haste.

A haste utilizada neste caso é a mesma empregada em malha em linha reta,

desta forma a resistência de uma haste já foi calculada, necessita-se obter o

índice de aproveitamento da configuração em triângulo (K∆). A resistência equivalente é dada por;

Req. ∆= K∆ * R1cond

O índice de aproveitamento é obtido através da Equação

equivalente é dada por; Req. ∆= K∆ * R1cond O índice de aproveitamento é obtido através
Sendo α uma constante que depende do espaçamento entre hastes (a), comprimento (L) e diâmetro

Sendo α uma constante que depende do espaçamento entre hastes (a), comprimento (L) e diâmetro das hastes (d) e é obtido pela Tabela abaixo.

e diâmetro das hastes (d) e é obtido pela Tabela abaixo. Pela Tabela Encontramos o valor

Pela Tabela Encontramos o valor de α é de 0,0917, substituindo na Equação

o valor de α é de 0,0917, substituindo na Equação K∆ = 0,3944 Então retornando na

K∆ = 0,3944

Então retornando na Equação Req. ∆= K∆ * R1cond

Req. ∆= 53,04Ω

Portanto a resistência equivalente calculada do conjunto com formação em triângulo com 3 hastes espaçadas 5m com diâmetro de 1/2” e comprimento de 3m é de 53,04Ω.

Cálculo Para Obtenção Do Valor Da Resistência De Aterramento De Um Conjunto Em Quadrado Vazio

Cálculo Para Obtenção Do Valor Da Resistência De Aterramento De

Um Conjunto Em Quadrado Vazio

A resistência equivalente da configuração do quadrado vazio é;

Re q.◊ = K◊ R1cond

O índice de aproveitamento (K◊) é obtido por meio da Equação que se segue:

K◊

=

1+αβ

n

Sendo

n = número de hastes

β = fator relacionado com o número de hastes

α= esta constante já foi encontrada e é igual a de 0,0917

O valor de β é obtido da Tabela em função do número de hastes. Tabela–

Obtenção do índice β

Número de Hastes (n)

Valor de β

4

2,7071

8

4,2583

12

5,3939

16

6,0072

20

6,4633

Sendo β igual a 4,2583 então substituindo na Equação tem-se:

K◊ =1+ α β

n

K◊ =0,1738

Substituindo na Equação equivalente. Req.◊ =23,29Ω Req.◊ = K◊ ∗ R1cond encontra-se a resistência Portanto

Substituindo na Equação

equivalente.

Req.◊ =23,29Ω

Req.◊ = K◊ R1cond encontra-se a resistência

Portanto a resistência equivalente calculada do conjunto com configuração em

quadrado vazio constituído de 8 hastes igualmente espaçadas de 5m e com

diâmetro de 1/2” e 3m de comprimento, é de 23,29Ω

Cálculo Para Obtenção Do Valor Da Resistência De Aterramento De

Um Conjunto Em Quadrado Cheio.

A resistência equivalente da configuração do quadrado vazio é;

Re q.◊ = K◊ R1cond

O índice de aproveitamento (K◊) é obtido por meio da Equação que se segue:

K◊ = 1+γα

n

Sendo

n = número de hastes

γ = fator relacionado com o número de hastes

α= esta constante já foi encontrada e é igual a de 0,0917

O valor de γ é obtido da Tabela em função do número de hastes. Sendo

O valor de γ é obtido da Tabela em função do número de hastes.

de γ é obtido da Tabela em função do número de hastes. Sendo γ igual a

Sendo γ igual a 5,8971 então substituindo na Equação tem-se

K◊ =1+ γ α

n

K◊ =0.1711

Substituindo na Equação

equivalente

Req.◊ =23,025Ω

Req.◊ = K◊ R1cond encontra-se a resistência

Tratamento Químico Do Solo 17

Tratamento Químico Do Solo

Tratamento Químico Do Solo 17
Tratamento Químico Do Solo 17
Tratamento Químico Do Solo 17
Tratamento Químico Do Solo 17
Tratamento Químico Do Solo 17
Tratamento Químico Do Solo 17
Teste de tratamento do solo em Vargem Grande do Sul Teste de tratamento do solo

Teste de tratamento do solo em Vargem Grande do Sul

Teste de tratamento do solo em Vargem Grande do Sul Teste de tratamento do solo em

Teste de tratamento do solo em Peruíbe

Teste de tratamento do solo em Vargem Grande do Sul Teste de tratamento do solo em
19
19
19
19
20
20
Manual de uso Terrômetro digital microprocessado EM-4055 21

Manual de uso Terrômetro digital

microprocessadoEM-4055

Manual de uso Terrômetro digital microprocessado EM-4055 21
22
22
23
23
Medição da resistência de aterramento Ao ligar o EM 4055 , o display mostrará a

Medição da resistência de aterramento

Ao ligar o EM 4055, o display mostrará a mensagem de abertura, e em seguida exibirá os parâmetros Earth Resistance / 3-Pole / 270 Hz. Estas são as funções e a freqüência padrão; para operar na freqüência de 1470 Hz, pressione a tecla 1470 Hz 17.

Insira as estacas auxiliares (a estaca de corrente E3 e a estaca de voltagem do terreno E2) no terreno. Usando os cabos fornecidos com o equipamento, conecte-as aos bornes H(Ec) 04 e S(Et) 03, respectivamente. O sistema de aterramento a ser testado deve ser conectado a E(Exc) ! usando o cabo de 5 metros.

Aperte a tecla START 7 para iniciar a medição. O número do ensaio será exibido,

seguido da mensagem “WAIT valor da resistência.

e após alguns momentos o display indicará o

”,

será exibido, seguido da mensagem “ WAIT valor da resistência. e após alguns momentos o display
Para obter uma medição válida quando medindo uma tomada de terra, alguns pré- requisitos adicionais

Para obter uma medição válida quando medindo uma tomada de terra, alguns pré- requisitos adicionais devem ser observados: é necessário que o eletrodo de corrente esteja longe o suficiente da tomada de terra para que as áreas de influência não se sobreponham.

A verificação apropriada destas condições deve ser feita realizando-se três medições

sucessivas (L, M e N no gráfico abaixo), mantendo o eletrodo de corrente no mesmo local e movendo a sonda 2 metros a cada medição. Se as três medições tiverem o mesmo resultado, podem ser consideradas corretas. Se houver diferenças superiores

à margem de erro relacionada às correntes parasitas, o eletrodo de corrente deve ser afastado consideravelmente da tomada de terra, e uma nova série de medições deve ser realizada.

de corrente deve ser afastado consideravelmente da tomada de terra, e uma nova série de medições
26
26
27
27
Medição da resistividade do solo NOTA: nesta função, o equipamento opera apenas na freqüência de

Medição da resistividade do solo

NOTA: nesta função, o equipamento opera apenas na freqüência de 270 Hz.

Para selecionar a função de medição da resistividade, pressione a tecla r (.). Insira quatro estacas no solo, em linha reta e espaçadas igualmente. Conecte-as aos bornes usando os cabos fornecidos.

Lembre-se que quando executando este tipo de medição, a distância entre as estacas é muito importante, já que este valor é parte do cálculo da resistividade. Defina a distância entre as estacas (representada pela letra a, tanto na figura abaixo quanto no display) usando as teclas 3 e 4 (5 e 6 para aumentar ou diminuir apenas um metro)

Pressione a tecla START 7. O EM-4055 aplicará automaticamente a fórmula de Wenner a partir dos dados coletados

Pressione a tecla START 7. O EM-4055 aplicará automaticamente a fórmula de Wenner a partir dos
Pressione a tecla START 7. O EM-4055 aplicará automaticamente a fórmula de Wenner a partir dos