Você está na página 1de 381
(versão 1.0) ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL DE MINAS GERAIS Belo Horizonte-MG 2012
(versão 1.0)
(versão 1.0)

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL DE MINAS GERAIS

Belo Horizonte-MG

2012

APRESENTAÇÃO

APRESENTAÇÃO A reforma constitucional, materializada pela Emenda Constitucional nº 45/2004, responsável por alçar a

A reforma constitucional, materializada pela Emenda Constitucional nº 45/2004, responsável por alçar a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação ao status de garantia fundamental, consagrou a aclamada necessidade de um Judiciário eficiente.

A publicação da Medida Provisória nº 2.200-2/2001, que criou a Infraestrutura de Chave Pública Brasileira (ICP-Brasil), e da Lei 11.419/2006, que dispõe sobre a informatização dos processos judiciais, vieram ao encontro das atuais ânsias de dinamismo e celeridade há muito clamadas, sobretudo no trâmite processual. E, sem dúvida, a aplicação crescente da tecnologia no mundo jurídico torna viável o exercício cada vez mais ágil e enérgico da Advocacia.

Nesse contexto, o Profissional do Direito deve, incessantemente, perquirir a atualização e o conhecimento sobre as ferramentas colocadas ao seu dispor, com vistas a obter a rapidez e a eficiência que lhe são asseguradas.

Assim, com o surgimento, a implantação e a difusão do Processo Eletrônico, a Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Minas Gerais desenvolveu uma cartilha e o presente Manual de Peticionamento Eletrônico com o intuito de guiar o Advogado Mineiro no exercício prático profissional em meio às mudanças vivenciadas no âmbito das principais esferas judiciais, quais sejam: TJMG, TRF1, TRT3, TRE-MG, TSE, TST, STJ, STF e CNJ.

Neste diapasão, a Seccional mineira cumpre um de seus misteres ao assistir aos valorosos colegas, neste momento de transição digital que vive o processo brasileiro, com a missão de fornecer a informação e a estrutura indispensáveis para garantir aos Advogados o exercício de sua sublime função constitucional e o adequado acesso à Justiça.

Luís Cláudio da Silva Chaves Presidente da OAB/MG

3

COMPOSIÇÃO DA DIRETORIA DA OAB/MG – TRIÊNIO 2010/2012 Presidente Luís Cláudio da Silva Chaves Vice-Presidente

COMPOSIÇÃO DA DIRETORIA DA OAB/MG TRIÊNIO 2010/2012

Presidente Luís Cláudio da Silva Chaves

Vice-Presidente Eliseu Marques de Oliveira

Secretário Geral Sergio Murilo Diniz Braga

Secretário Geral Adjunto Helena Edwirges Santos Delamonica

Tesoureiro Antônio Fabricio de Matos Gonçalves

4

Conselheiros Efetivos

Adao Lino de Andrade Adilson Geraldo Rocha Ailton Felisberto da Silva Alberto Magno Mendes Antonio Ines Rodrigues Arnaldo Soares Alves Carlos Victor Muzzi Celso Soares Guedes Filho Danilo Pereira Borges Denilson Jose Martins Donaldo Jose de Almeida Ellen Mara Ferraz Hazan Erik Rodrigues da Silva Euler de Moura Soares Filho Eunice Maria Brasiliense Faical David Freire Chequer Fernando Barcelos Ferreira Fernando Tadeu da Silva Quadros Francisca Marlene Araruna Santiago Francisco Rodrigues da Cunha Neto Geraldo Magela da Silva Freire Gilberto Faria de Azevedo Ianaca Indio Brasil Ignacio de Loyola Camara Costa Isabel das Gracas Dorado Ivaldo Armando Tassis Ivone Regina da Silva Ivone Reis Silva Janir Adir Moreira Joao Carlos Gontijo de Amorim Joao Fernando Lourenco Joao Luiz de Amuedo Avelar Jose Alfredo de Oliveira Baracho Junior Leandro Vaz de Mello Martins Teixeira Luciomar Alves de Oliveira Luis Antonio Lira Pontes Luis Fernando Quinteiro Luzia Cecilia Costa Miranda Magda A. dos Santos Moura Faleiros Marcio Luiz de Oliveira Marco Tulio de Carvalho Rocha Marconi Bastos Saldanha Marcus de Lima Moreira Maria Aparecida da Conceicao Rossi Mario de Lacerda Werneck Neto Morillo Cremasco Junior Nacib Rachid Silva Negis Monteiro Rodarte Oscar Diniz Rezende Paulo Cesar Mendes Barbosa Rafael Tadeu Simoes

Robison Divino Alves Rodrigo Correa Vaz de Carvalho Rodrigo Otavio Soares Pacheco Rogerio Machado Flores Pereira Romualdo Neiva Gonzaga Ronaldo Armond Rosa Mistica Marques Leao Sergio Rodrigues Leonardo Sergio Santos Sette Camara Taciana Silva Vieira Naia Ulisses de Vasconcelos Raso Vicente Lima Loredo Willy Oliveira Ank Winston Jones Paiva

Conselheiros Suplentes

Adriano Cardoso da Silva Aluizio Pelucio Almeida Vieira de Mello Antonio Giovani de Oliveira Armando Quintao Bello Oliveira Junior Bruno Reis de Figueiredo Candido Antonio de Souza Filho Cesar Augusto Hygino Porto Cilson Jose da Silva Ciro Jarbas Moreira Ciro Machado Jorio Claudia Franco Claudio Boy Guimaraes Claudio Costa Neto Cleiton Faria de Oliveira Cleuso Jose Damasceno Dalton Caldeira Rocha Daniel Bueno Cateb Daniel Dias de Moura Daniel Rivoredo Vilas Boas Deiber Magalhaes da Silva Dilson de Jesus Almeida Guimaraes Edna Cardozo Dias Eduardo de Carvalho Azank Abdu Egle Maria Pastorini Jurgilas Elias Kallas Filho Evanilson Tadeu de Camargo Faustino Fernando Alves Viali Fernando Antonio Fraga Ferreira Fernando Gonzaga Jayme Fernando Walaci Goretti Francisco Maia Neto Gilvan de Pinho Tavares Gustavo Soares da Silveira Giordano Hamilton Roque Miranda Pires Helena Geralda da Silva Hercules Heloisio da Costa Silva

5

Helena Geralda da Silva Hercules Heloisio da Costa Silva 5 Izabel Cristina da Silva Jesus Nascimento

Izabel Cristina da Silva Jesus Nascimento da Silva Joao Capanema Barbosa Filho Joel Gomes Moreira Filho Jose Alberto Albeny Gallo Juber Araujo Rodrigues Leonardo Augusto Marinho Marques Leonardo Costa Bandeira Leonardo Felippe Sarsur Luciana Carneiro Valente Marcelo Alegria Marcelo Vicente de Alkmim Pimenta Marcio Scarpellini Marco Tulio de Castro Maria Celeste Morais Guimaraes Maria Fernanda N. T. de Souza Maia Maria Fernanda P. de Carvalho Pereira Marilda Franca Chaves Nivea Maria Pontes Norma Caproni de Carvalho Santos Octavio Miranda Junqueira Rerivaldo de Souza Marques Richard Crisostomo Borges Maciel Rivelino Ferreira Romulo de Oliveira Mendonca Ronan Camilo de Carvalho e Silva Sergio Augusto Santos Rodrigues Teotino Damasceno Filho Thales Poubel Catta Preta Leal Wallace Carvalho Costa Walter Domingues Generoso Wanderlei Godoi de Faria Zita Sant'ana da Cunha

Conselheiros Federais

Jose Murilo Procopio de Carvalho Paulo Roberto de Gouvea Medina Raimundo Candido Junior

Conselheiros Federais Suplentes

Joao Henrique Cafe de Souza Novais Mario Lucio Quintao Soares

Conselheiros Natos

Aristoteles D. de Araujo Atheniense Gustavo de Azevedo Branco Jair Leonardo Lopes Marcos Afonso de Souza Raimundo Candido Junior

Membro Honorário Vitalício

Marcelo Leonardo

MANUAL PRÁTICO DO PETICIONAMENTO ELETRÔNICO Versão 1.0 1ª edição - 2012 Realização Ficha Técnica Este

MANUAL PRÁTICO DO PETICIONAMENTO ELETRÔNICO Versão 1.0 1ª edição - 2012

Realização

ELETRÔNICO Versão 1.0 1ª edição - 2012 Realização Ficha Técnica Este Manual é resultado do grupo

Ficha Técnica

Este Manual é resultado do grupo de trabalho da

OAB/MG Presidente: Luís Cláudio da Silva Chaves

Conteúdo Técnico:

Laine Moraes Souza, Thiago Rodrigues de Andrade, Rodrigo Pereira Moreira, Jean Carlo Teixeira e Vinicius Bernardes Catuta.

Revisão Gramatical:

Regina Nascimento Silva

Projeto Gráfico:

Laine Moraes Souza

©2012. Todos os direitos reservados a OAB/MG. Proibida a reprodução parcial ou integral sem prévia autorização dos autores.

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 6 1 HISTÓRICO 7 2 A CERTIFICAÇÃO DIGITAL 9 2.1 COMO SE DÁ

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO

6

1 HISTÓRICO

7

2 A CERTIFICAÇÃO DIGITAL

9

2.1 COMO SE DÁ A CONFIDENCIALIDADE?

10

2.2 O QUE É UMA CHAVE PÚBLICA ASSIMÉTRICA?

11

2.3 COMO SE GARANTE A INTEGRALIDADE?

11

2.4 O QUE É ASSINATURA DIGITAL?

12

2.5 O QUE É O CERTIFICADO DIGITAL?

13

2.6 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL NO BRASIL

14

3 O PETICIONAMENTO ELETRÔNICO

16

3.1 COMO ADQUIRIR O CERTIFICADO DIGITAL PARA O PETICIONAMENTO

19

3.2 COMO UTILIZAR O CARTÃO DO ADVOGADO (SMARTCARD) OU O TOKEN

27

4 GUIA DE INSTALAÇÃO DO DISPOSITIVO CRIPTOGRÁFICO

28

4.1 MICROSOFT WINDOWS XP / 2000 / VISTA / 7

28

4.2 APPLE MACINTOSH

39

4.3 LINUX UBUNTU 11

56

5 UTILIZANDO O CERTIFICADO DIGITAL

64

5.1 ALTERAÇÃO DA SENHA DO CERTIFICADO DIGITAL

67

5.2 CUIDADOS INDISPENSÁVEIS AO UTILIZAR O GERENCIADOR CRIPTOGRÁFICO (SAFESIGN)

 

68

5.3 REMOVER O TOKEN OU O SMARTCARD

69

6 O PETICIONAMENTO ELETRÔNICO EM CADA TRIBUNAL

70

6.1

ESCLARECIMENTOS PRELIMINARES IMPORTANTES

70

a) Como se portar nos sites dos Tribunais

70

b) Instalando a Máquina Virtual Java (Java Virtual Machine ou JVM)

71

c) Como criar arquivos em PDF

74

c.1) Criando um PDF a partir do Microsoft Word 2007

75

c.2) Criando um PDF a partir do Microsoft Word 2010

76

c.3) Criando um PDF a partir do Open Office / BR Office / Libre Office

78

c.4) Criando um PDF a partir de um programa específico (“doPDF”)

78

d) Como visualizar arquivos no formato PDF

86

e) Inserindo assinatura digital nos documentos em PDF 89 f) Como digitalizar documentos físicos 95

e)

Inserindo assinatura digital nos documentos em PDF

89

f) Como digitalizar documentos físicos

95

f.1) Configurações recomendadas

95

f.2) Notas importantes referentes ao processo de digitalização

96

f.3) Configurações do scanner Kodak i2600

96

6.2

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS (TJMG)

104

a) Usando pela primeira vez

104

a.1) Notas preliminares

104

a.2) Cadastramento

110

a.3) Acessando o sistema

111

a.4) Instalando e configurando o certificado digital do TJMG

112

a.5) Alterando as senhas do sistema, do certificado digital do TJMG e criando um novo

 

117

b) Peticionando eletronicamente

119

b.1) Cadastrando petições iniciais

121

b.2) Cadastrando ações no 2º grau

129

b.3) Cadastrando ação por dependência

132

b.4) Cadastrando petições intermediárias

133

b.5) Substabelecendo poderes

134

c) Consultando os autos digitais

135

d) Recolhimento de custas

136

e) Considerações finais

136

6.3

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 1ª REGIÃO (TRF-1)

138

a)

Notas preliminares importantes

138

b)

Usando pela primeira vez

140

c)

Acessando o sistema

142

d)

Peticionando eletronicamente

143

d.1) Petição inicial

144

d.2) Demais petições

150

f)

Consultando petições

151

g)

Recolhimento de custas

152

h)

Considerações finais:

155

6.4 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO (TRT-3) E TRIBUNAL SUPERIOR DO

TRABALHO (TST)

157

a) Notas preliminares importantes

157

b) Usando pela primeira vez

158

c) Acessando o sistema

162

d) Peticionando eletronicamente

163

e) Consultando petições

167

f) Recolhimento de custas

168

f.1) Depósito prévio em sede de ação rescisória e Depósito Judicial

171

g) Considerações finais

173

6.5 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS (TRE/MG) E TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL (TSE) 175 a)

6.5 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS (TRE/MG) E TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL (TSE)

175

a)

Notas preliminares importantes

175

b)

Usando pela primeira vez

175

c)

Acessando o sistema

180

d)

Peticionando eletronicamente

180

d.1) Petição Inicial

181

d.2) Demais Petições

191

d.3) Botão “Salvar Petição” e Recuperação de peticionamento

195

d.4) Recibo das petições

197

d.5) Acompanhando petições

198

e)

Consultando processos

200

f)

Recolhimento de custas

201

g)

Considerações finais

201

6.6

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA (STJ)

203

a)

Notas preliminares importantes

203

b)

Usando pela primeira vez

204

c)

Acessando o sistema

207

d)

Peticionando eletronicamente

208

d.1) Petição inicial

208

d.2) Demais petições

211

e)

Consultando petições

214

f)

Consultando processos

217

g)

Recolhimento de custas

220

h)

Considerações finais

223

6.7

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF)

224

a)

Notas preliminares importantes

224

b)

Usando pela primeira vez

230

c)

Acessando o sistema

235

d)

Peticionando eletronicamente

235

d.1) Petição inicial

236

d.2) Demais petições

246

d.3) Consultando petições

251

e)

Consultando processos

252

f)

Recolhimento de custas

254

g)

Considerações finais

258

6.8

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ)

259

a) Notas preliminares importantes

259

b) Usando pela primeira vez

260

c) Acessando o sistema

265

d) Peticionando eletronicamente

265

d.1) Petição inicial

266

d.2) Petição incidental em processo no qual se é parte

272

d.3) Peticionando em processo no qual não se é parte

276

  d.4) Consultando requerimento inicial 279 e) Consultando processos 280 e.1) Consulta geral
 

d.4) Consultando requerimento inicial

279

e)

Consultando processos

280

e.1)

Consulta geral

280

e.2)

Processos enquanto parte

282

f) Recolhimento de Custas

282

g) Considerações finais

282

7 GUIA DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COMUNS (TROUBLESHOOTING)

284

7.1

ARQUIVOS NO FORMATO PDF

284

a) Problemas ao visualizar documentos em PDF

284

b) Erro ao verificar a assinatura de um PDF assinado

284

c) Erro ao assinar um PDF, utilizando o programa “Assinador Livre”

288

d) Arquivo PDF gerado é muito grande

289

e) Unificar dois ou mais arquivos PDF

293

f) Problemas ao instalar o “Assinador Livre” ou o Safesign (dispositivo criptográfico) -

.NET Framework 2.0

297

7.2

NAVEGADORES DE INTERNET

302

a) Instalação de navegadores

302

a.1) Google Chrome

303

a.2) Mozilla Firefox

304

b) Problemas no peticionamento eletrônico no Internet Explorer versões 8 e 9

309

c) Procedimentos de limpeza de “cache” dos navegadores

311

c.1) Internet Explorer Versões 7, 8 E 9

311

c.2) Mozilla Firefox

314

c.3) Google Chrome

314

d) Configurações recomendadas do Internet Explorer

316

e) Configurações recomendadas do aplicativo Java

318

7.3 PROBLEMAS E ERROS RELACIONADOS AO JAVA E AO CERTIFICADO DIGITAL

321

7.4 CONTROLE DE CONTAS DE USUÁRIO (MICROSOFT WINDOWS VISTA E 7)

322

REFERÊNCIAS

325

ANEXOS

329

ANEXO I

329

ANEXO II

334

ANEXO III

338

ANEXO IV

343

ANEXO V

347

ANEXO VI

354

ANEXO VII

362

ANEXO VIII

366

ANEXO IX

371

ANEXO X

374

INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO Este manual, desenvolvido pela Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Minas Gerais, tem por

Este manual, desenvolvido pela Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Minas Gerais, tem por intuito servir de guia (passo-a-passo) para o exercício prático do peticionamento eletrônico pelos advogados mineiros nos principais tribunais e órgãos, cuja atuação profissional faça-se necessária, quais sejam: TJMG, TRF1, TRT3, TRE-MG, TSE, TST, STJ, STF e CNJ.

Para atingir o objetivo proposto, o manual é formado por texto detalhado e ilustrativo, que possibilita a fácil compreensão sobre o tema, e por excertos das regulamentações dos respectivos tribunais, de modo a permitir o bom labor advocatício referente ao Processo Eletrônico, tudo em um único documento de consulta.

Algumas noções e conceitos elementares precedem ao presente guia prático, tão somente para que os advogados compreendam a necessidade de se adequar à era digital, bem como o funcionamento do processo de certificação digital em traços gerais.

1 HISTÓRICO

1 HISTÓRICO A primeira geração de computadores, à base de válvulas, surgiu na década de 1940.

A primeira geração de computadores, à base de válvulas, surgiu na década de 1940. O primeiro computador digital eletrônico (ENIAC) pesava 30 toneladas, com 5,5m de altura e 25m de comprimento, ocupando uma área de 180m 2 . Quando acionado pela primeira vez, consumiu tanta energia que as luzes da cidade da Filadélfia, nos Estados Unidos, oscilaram. 1

Foi apenas em 1980 que os computadores para uso pessoal (PC) começaram a ser fabricados 2 a partir do desenvolvimento da tecnologia de circuitos integração em larga escala (VLSI). O avanço tecnológico continua a surpreender, com a fabricação da vários núcleos de processamento em um único encapsulamento, permitindo a realização de tarefas cada vez mais complexas com menor dispêndio de tempo.

Paralelamente, desenvolveu-se uma rede global de comunicação, inicialmente concebida para fins militares, na década de 1960, no intuito de sobreviver à destruição em decorrência de um possível ataque nuclear. Essa rede atingiu sua maturidade na década de 1980 e, hoje, sob a denominação “Internet”, encontra-se presente na vida de muitos profissionais como uma realidade necessária. 3

Os recursos tecnológicos, de forma geral, sofreram uma grande integração. Ilustrativamente podemos citar os aparelhos telefônicos mais sofisticados, os quais possibilitam uma amplíssima comunicação, para além da voz, funcionando até mesmo como verdadeiros computadores de bolso.

Atualmente, o domínio da tecnologia no contexto informacional, que permite a transmissão e a recepção de informação na forma digital, 4 não é mais reservado aos operadores das áreas de tecnologia, mas ínsito ao bom exercício de qualquer atividade. Assim, no âmbito jurídico, surgem os procedimentos eletrônicos não apenas como resposta à modernização vivenciada nas últimas décadas, mas como uma solução mais eficiente em consequência à necessária celeridade. 5

Na área do Direito, os próximos importantes passos são o desapego ao papel e a transformação do nosso trâmite em eletrônico, não se cingindo à mera digitalização de peças físicas ou à prática de apenas alguns atos eletronicamente. Busca-se a criação de um “Judiciário Virtual”, 6 visando ofertar maior agilidade e eficiência processual.

É evidente que estamos presenciando no Direito o início da era digital, e desnecessário asseverar que a construção de uma interface mais intuitiva estará a caminho nos próximos

1 ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA. ENIAC. Filadélfia: Independence Hall Association. Disponível em:

2 DINIZ, Davi Monteiro. Documentos eletrônicos, assinaturas digitais. São Paulo: LTr, 1999, p. 11.

3 LEINER, Barry M. et al. Brief history of the Internet. Estados Unidos da América: Internet Society. Disponível em <http://www.internetsociety.org/internet/internet-51/history-internet/brief-history- internet>. Acesso em: 15 mar. 2012.

4 DINIZ, op. cit., 11.

5 ALMEIDA FILHO, José Carlos de Araújo. Processo eletrônico e teoria geral do processo eletrônico: a informatização judicial no Brasil. Rio de Janeiro: Forense, 2011, p. 94.

6 RENAULT, Luiz Otávio Linhares. Prefácio. In: CHAVES JÚNIOR, José Eduardo de Resende (coord.). Comentários à lei do processo eletrônico. São Paulo: LTr, 2010, p. 11-13.

anos, com a perspectiva de unificação dos procedimentos, promovendo facilidade ao operador do Direito. 8

anos, com a perspectiva de unificação dos procedimentos, promovendo facilidade ao operador do Direito.

2 A CERTIFICAÇÃO DIGITAL

2 A CERTIFICAÇÃO DIGITAL A Lei 11.419/2006 representa um marco na certificação digital, pois faculta aos

A Lei 11.419/2006 representa um marco na certificação digital, pois faculta aos profissionais, no âmbito jurídico, em seu artigo 1º, “o uso de meio eletrônico na tramitação de

processos judiciais, comunicação de atos e transmissão de peças processuais *

+”.

7

Há extensa preocupação quando se fala em “uso de meio eletrônico”. É notório que a transmissão eletrônica de dados/arquivos pode ser interceptada, modificada ou fabricada por qualquer pessoa com conhecimentos técnicos para tanto. 8 No caso da utilização do meio eletrônico, inclusive para fins jurídicos, a transmissão deve ocorrer com maior grau de confiabilidade.

Se tudo ocorresse por intermédio dos meios físicos tradicionais, seria fácil. Bastaria a apresentação de documentação oficial com foto da parte envolvida, a autenticação cartorária de sua assinatura, a conferência do documento apresentado pelo funcionário do cartório, a incolumidade do local etc. Mas como fazer isto em um ambiente exclusivamente virtual?

É verdade que os documentos digitais são dotados de grande plasticidade, ou seja, podem ser manipulados (alterados, contrafeitos, multiplicados etc.) sem deixar vestígios para quem o recebe como destinatário final, diferentemente do que ocorreria com um documento de papel. 9

Para que seja estabelecida uma confiança na transação efetivada por meio eletrônico, esta deve conter cinco condições cumulativas, 10 quais sejam:

1. disponibilidade, ou seja, a ininterrupção da transferência;

2. integridade, que assegura a chegada do conteúdo de um documento ao seu destinatário de forma inalterada;

3. confidencialidade, para que apenas as partes da transação tomem conhecimento do conteúdo do documento;

4. autenticidade, que representa a garantia que o documento foi realmente originado por quem se espera que o tenha produzido;

5. irretratabilidade ou o não repúdio, que se refere à atribuição do certificado digital a um titular. 11

Dessa maneira, é irrelevante saber de qual computador originou-se a transmissão, pois ninguém está preso apenas a um equipamento ainda mais nos dias de hoje! O importante é saber se a transmissão ocorreu em sua inteireza: se houve a transferência do documento originalmente transmitido e se o emitente foi reconhecido, validamente, como sendo ele

7 BRASIL. Lei nº 11.419, de 19 de dezembro de 2006. Dispõe sobre a informatização do processo judicial, altera a lei n o 5.869, de 11 de janeiro de 1973 código de processo civil, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11419.htm. Acesso em:

15 mar. 2012.

8 SOARES, Marcus Vinicius Brandão. Breve introdução à assinatura digital para operadores do direito. In:

CHAVES JÚNIOR, op. cit., p. 41.

9 DINIZ, op. cit., p. 26. 10 SOARES, Marcus Vinicius Brandão. Breve introdução à assinatura digital para operadores do direito. In: CHAVES JÚNIOR, op. cit., p. 42. 11 MACHADO, Robson Carvalho. Certificação Digital ICP Brasil: os caminhos do documento eletrônico no Brasil. Niterói: Impetus, 2010, p. 116.

mesmo (o que se faz mediante a aposição de assinatura digital, como se verá adiante).

mesmo (o que se faz mediante a aposição de assinatura digital, como se verá adiante). 12 A confidencialidade ocorre por conta da chave criptográfica empregada, como se verificará.

Logo, percebe-se que estes requisitos são bastante lógicos e em muito se assemelham ao que ocorreria no já conhecido mundo de átomos.

2.1 COMO SE DÁ A CONFIDENCIALIDADE?

Cotidianamente, tomamos conhecimento de inúmeras transações que são realizadas em “ambiente seguro”. Isto é uma prática muito comum na realização de compras pela Internet, usando-se cartão de crédito como forma de pagamento. Esta “segurança” decorre do mecanismo denominado criptografia.

Criptografia é um verbete de origem grega. Decompondo-se a palavra, temos kriptos = "escondido" e grafo = "escrita". 13 Portanto, criptografia significa a ocultação da informação, por meio da utilização de um sistema de códigos (cifragem), de modo a torná-la incompreensível para o agente capaz de interceptar a transmissão de dados. Para que o destinatário compreenda a mensagem é realizado um processo de decifragem. 14

Um sistema de encriptação é fundado, basicamente, em um algoritmo (forma de cálculo única para codificar ou decodificar), uma chave (o valor secreto que usa o algoritmo para cifrar ou decifrar) e o período (tempo durante o qual a chave permanece válida).

Em um exemplo, exclusivamente para fins didáticos, digamos que queiramos enviar a palavra “aceito” a alguém, e é imperioso que a mensagem chegue apenas ao destinatário. Poderíamos criar o seguinte código: “a”=# “ce”=@! “i”=¨ “to”=++§. Logo, a mensagem criptografada (denominada criptograma) seria “#@!¨++§”, e inteligível apenas a quem supostamente deveria recebê-la. 15

Sem este “padrão de conversão” seria impossível reverter o criptograma ao documento original ou, no exemplo dado, à palavra “aceito”. Este padrão é armazenado em informação eletrônica (gerado pelo computador) e gravado num arquivo que é chamado de “chave” (key) 16 , que pode ser pública (disponível a todos) ou privada (apenas um ou alguns a detém).

Desse modo, temos:

Cifragem:

(apenas um ou alguns a detém). Desse modo, temos: Cifragem: 1 2 CLEMENTINO, Edilberto Barbosa. Processo

12 CLEMENTINO, Edilberto Barbosa. Processo judicial eletrônico. Curitiba: Juruá, 2007, p. 95-96.

13 MACHADO, op. cit., p. 19.

14 CLEMENTINO, op. cit., p. 98.

15 DINIZ, op. cit., p. 28-29.

16 Id., p. 29.

Decifragem:

Decifragem: No Brasil, utiliza-se por padrão o sistema infraestrutura de chaves públicas (ICP-Brasil), com algumas
Decifragem: No Brasil, utiliza-se por padrão o sistema infraestrutura de chaves públicas (ICP-Brasil), com algumas

No Brasil, utiliza-se por padrão o sistema infraestrutura de chaves públicas (ICP-Brasil), com algumas peculiaridades a serem observadas.

A chave pública é um “padrão de conversão”, também conhecido como “algoritmo criptográfico”, disponibilizado para que qualquer um possa utilizá-la, cifrando ou decifrando as informações transmitidas. No Brasil, encontram-se, por exemplo, armazenadas online no repertório do ITI em http://www.iti.gov.br (opção “Repositório da ICP-Brasil”) ou diretamente em http://www.iti.gov.br/twiki/bin/view/Certificacao/RepositoriodaACRaiz.

No entanto, se a chave é de conhecimento de todos, chegamos à conclusão que a integridade poderia ser comprometida porque o arquivo poderia ser retornado ao original e, assim, modificado e retransmitido. 17

Para solucionar esta questão, adotou-se o sistema de chave pública assimétrica.

2.2 O QUE É UMA CHAVE PÚBLICA ASSIMÉTRICA?

A chave pública assimétrica é composta por duas chaves que se complementam matematicamente: uma privada e uma pública. A privada é mantida em sigilo, em poder do usuário (no caso, o advogado), sendo usada para gerar o criptograma (o texto codificado), que poderá ser aberto valendo-se da chave pública tão somente. 18

Assim, a autenticidade resta assegurada, posto que apenas aquela determinada chave pública será capaz de decifrar o criptograma produzido pela chave privada correspondente. 19 Deste modo, a autoria poderá ser atribuída a um indivíduo certo o emitente.

2.3 COMO SE GARANTE A INTEGRALIDADE?

Ainda que se consiga quebrar todos os padrões de criptografia adotados, a mensagem enviada é acompanhada de um resumo criptográfico da mensagem transmitida, denominado HASH, gerado matematicamente. Este “resumo” nada mais é que um pequeno conjunto (aleatório e exclusivo) de caracteres calculados por meio de uma fórmula, que não pode ser revertida para o trecho da mensagem original. Assim, se algo na mensagem for modificado, o HASH originalmente gerado, e parte integrante da transmissão digital, não será compatível, demonstrando que o texto originalmente enviado foi transformado. 20

17 DINIZ, op. cit., p. 30.

18 MACHADO, op. cit., p. 35.

19 Id., p. 64.

20 Ibid., p. 53-54.

Basta, para a comprovação, que o destinatário refaça o cálculo do HASH para o documento/mensagem

Basta, para a comprovação, que o destinatário refaça o cálculo do HASH para o documento/mensagem que recebeu. Se o número for o mesmo, a mensagem transmitida seguiu inalterada. 21

2.4 O QUE É ASSINATURA DIGITAL?

A assinatura digital corresponde à chave privada armazenada em dispositivo próprio (no cartão do advogado, que é um smartcard, em um chip dedicado para tanto, ou em um outro aparato, denominado token, que se assemelha a um pendrive com conexão do tipo USB), 22 e utilizada mediante inserção do dispositivo em um computador e a aposição da senha escolhida pelo advogado. Esta chave privada foi gerada por um terceiro confiável e associada matematicamente a uma chave pública (padrão assimétrico, conforme já analisado). 23

(padrão assimétrico, conforme já analisado). 2 3 Cartão da OAB/MG ( smartcard ) Token da Certisign

Cartão da OAB/MG (smartcard)

já analisado). 2 3 Cartão da OAB/MG ( smartcard ) Token da Certisign (similar a um

Token da Certisign (similar a um pendrive)

O procedimento é bastante semelhante às compras efetuadas mediante cartão de

crédito com chip.

“Assinar digitalmente” é permitir a atribuição de uma autoria determinada àquela transmissão, conferindo-lhe a autenticidade necessária. 24 A assinatura digital implica o não repúdio posterior, assim entendido como a atribuição do par de chaves a um titular específico. 25

O processo de assinatura digital pode ser representado graficamente como disposto

abaixo:

21 MACHADO, op. cit., p. 57.

22 Id., p. 76.

23 Ibid., p. 63.

24 SOARES, Marcus Vinicius Brandão. Breve introdução à assinatura digital para operadores do direito. In: CHAVES JÚNIOR, op. cit., p. 46.

25 MACHADO, op. cit., p. 116.

Podemos afirmar que há uma grande diferença entre assinatura digital e assinatura digitalizada. A assinatura
Podemos afirmar que há uma grande diferença entre assinatura digital e assinatura digitalizada. A assinatura

Podemos afirmar que há uma grande diferença entre assinatura digital e assinatura digitalizada. A assinatura digital compreende um procedimento exclusivamente eletrônico apto a atribuir a(s) chave(s) empregada(s) ao seu titular, enquanto a assinatura digitalizada é a transposição da assinatura em papel para um arquivo eletrônico (seria o correspondente a digitalizar a assinatura através de um scanner). 26

2.5 O QUE É O CERTIFICADO DIGITAL?

O certificado digital funciona como uma “carteira de identidade virtual”, 27 emitida por um órgão público de alta confiabilidade, e representa, portanto, um documento público digital. 28 A Receita Federal, a título de exemplo, denomina os certificados digitais de eCPF.

O certificado digital contém as informações necessárias para atribuir as chaves geradas a um determinado advogado ou sociedade de advogados, 29 com validade pelo prazo de um ano para os certificados A1 e de três anos para os certificados A3. No entanto, o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI) noticiou que o Comitê Gestor da ICP-Brasil deliberou, dentre outros assuntos, pela alteração do prazo de validade destes certificados digitais tipo A3 de 3 (três) para 5 (cinco) anos. 30 Até o encerramento deste manual, o respectivo ato normativo ainda não havia sido editado.

Os certificados da AC-OAB são A3. Assim, o emissor do certificado é um terceiro confiável que “assina o certificado” com a finalidade de afirmar a identidade da pessoa ou máquina detentora do par de chaves (pública e privada) para si exclusivamente criado. 31

Cumpre lembrar que o certificado digital não se confunde com a assinatura digital. Podemos asseverar que a assinatura digital está contida no certificado digital, este o único

26 SOARES, Marcus Vinicius Brandão. Breve introdução à assinatura digital para operadores do direito. In: CHAVES JÚNIOR, op. cit., p. 46.

27 MACHADO, op. cit., p. 69.

28 Id., p. 118.

29 Ibid., p. 74.

30 INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Certificado digital passa a ter validade de até cinco anos. Brasília, 11 jul. 2012. Disponível em:

2012.

31 Id., p. 69.

capaz de afirmar, com grau de confiabilidade, que o det entor do par de chaves

capaz de afirmar, com grau de confiabilidade, que o detentor do par de chaves é o “Fulano de Tal”, constante nas informações do certificado.

2.6 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL NO BRASIL

O sistema de certificação digital brasileiro foi viabilizado, no início deste milênio, por

meio da edição da Medida Provisória 2.200-2 em 24 de agosto de 2001. Nesta data, determinou-se a implantação da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil), gerida por um órgão público e obedecendo a regras de funcionamento de um comitê gestor, cujos membros são nomeados pelo Presidente da República. 32

Neste diapasão, o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), autarquia federal vinculada ao Poder Executivo, foi criado para manter, auditar e supervisionar a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil), constituindo-se em autoridade máxima no que se refere à certificação digital, recebendo a denominação de Autoridade Certificadora Raiz (AC- Raiz). 33

Enquanto o ITI é uma pessoa jurídica, a ICP-Brasil é, essencialmente, uma infraestrutura por meio da qual se permite a emissão de certificados digitais. Cumpre ressaltar que existe uma cadeira hierárquica para que se dê a expedição de tais certificados, assim representada: 34

expedição de tais certificados, assim representada: 3 4 A AC-Raiz, ou seja, o ITI credencia ou

A AC-Raiz, ou seja, o ITI credencia ou descredencia uma AC, isto é, uma Autoridade

Certificadora, que, por sua vez, representa entes públicos ou privados, cuja responsabilidade é a emissão, a distribuição, a renovação, a revogação e o gerenciamento dos certificados digitais, com base naquele recebido pela AC-Raiz. 35

Em suma, a emissão, a distribuição, a suspensão, a revogação e a renovação das referidas chaves é feita por terceiros, parte de uma estrutura com entes confiáveis denominados Autoridades Certificadoras (AC). 36

32 INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Conheça o significado das siglas mais importantes da Certificação Digital. Brasília, DF. Disponível em:

33 Id., não paginado.

34 Ibid., não paginado.

35 Ibid., não paginado.

36 Ibid., não paginado.

A AC age, na verdade, intermediando a transação eletrônica. Ela confirmará, por meio da verificação

A AC age, na verdade, intermediando a transação eletrônica. Ela confirmará, por meio

da verificação das chaves geradas para cada pessoa, que cada um é quem diz ser, 37 funcionando como uma espécie de “cartório”. 38

Comparativamente, assim como o Registro Geral (RG) possui órgãos expedidores diferentes, o mesmo ocorre com a certificação digital, contando com várias AC, 39 conforme se verifica na ilustração 40 :

AC, 3 9 conforme se verifica na ilustração 4 0 : Os órgãos expedidores do RG

Os órgãos expedidores do RG mantêm, em seus bancos de dados, uma ficha com os caracteres das pessoas, incluindo as impressões digitais das pontas dos dedos, que possibilitam a identificação datiloscópica do indivíduo. Igualmente, as AC mantêm o cadastro da pessoa à qual foi atribuído o par de chaves contido no certificado digital, capaz de identificá-lo prontamente.

A Autoridade de Registro (AR), em seu turno, é a entidade que mantém contato direto

com o usuário final do certificado digital (no caso, o advogado), promovendo a coleta e a confirmação de seus dados pessoais, recebendo seus requerimentos e entregando-lhes tudo o que fora solicitado. 41

37 TYSON, Jeff. Como funciona a criptografia. Disponível em:

38 MACHADO, op.cit., p. 72.

39 Id., p. 69.

40 Ibid., p. 70.

41 Ibid., p. 75-76.

3 O PETICIONAMENTO ELETRÔNICO

3 O PETICIONAMENTO ELETRÔNICO A inclusão da estrutura tecnológica no processo teve início com o artigo

A inclusão da estrutura tecnológica no processo teve início com o artigo 154, parágrafo único do Código de Processo Civil, introduzido pela Lei 11.280, que dispõe:

Os tribunais, no âmbito da respectiva jurisdição, poderão disciplinar a prática e a comunicação oficial dos atos processuais por meios eletrônicos, atendidos os requisitos de autenticidade, integridade, validade jurídica e interoperabilidade da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira ICP- Brasil. 42

Percebe-se, assim, a adoção da utilização de meios informatizados para a prática de atos processuais. Os requisitos acima enumerados estão previstos na Medida Provisória nº 2.200- 2/2001, que regulamentou a ICP-Brasil.

Posteriormente, a Lei nº 11.419/06 disciplinou a informatização do processo judicial, como se observa na transcrição do artigo 1º, caput: “O uso de meio eletrônico na tramitação de processos judiciais, comunicação de atos e transmissão de peças processuais será admitido nos termos desta Lei“, aplicando-a a todos os processos, sejam eles “civil, penal e trabalhista, bem como aos juizados especiais, em qualquer grau de jurisdição” (§1º).

A legislação em comento definiu “meio eletrônico” como “qualquer forma de armazenamento ou tráfego de documentos e arquivos digitais (§2º, inciso I) e “transmissão eletrônica” como “toda forma de comunicação a distância com a utilização de redes de comunicação, preferencialmente a rede mundial de computadores” (§2º, inciso II), ou seja, incluindo-se a Internet, deixando aberto a futuras possibilidades em razão do dinamismo na evolução da telemática. 43

Surge, neste ponto, uma importante discussão doutrinária em razão de a assinatura digital consistir numa espécie de assinatura eletrônica admissível para a prática de atos processuais informatizados, incluindo-se aqui o peticionamento. E esta discussão ocorre em razão da redação do artigo 1º, §2º, inciso III da lei 11.419/06, ipsis verbis:

Art. 1 o

] § 2 o Para o disposto nesta Lei, considera-se:

] [ III - assinatura eletrônica as seguintes formas de identificação inequívoca do signatário:

a) assinatura digital baseada em certificado digital emitido por Autoridade

Certificadora credenciada, na forma de lei específica;

b) mediante cadastro de usuário no Poder Judiciário, conforme disciplinado

pelos órgãos respectivos (grifos nossos).

[

[

].

BRASIL. Lei nº 11.280, de 16 de fevereiro de 2006. Altera os arts.112, 114, 154, 219, 253, 305, 322, 338, 489 e 555 da Lei n o 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil, relativos à incompetência relativa, meios eletrônicos, prescrição, distribuição por dependência, exceção de incompetência, revelia, carta precatória e rogatória, ação rescisória e vista dos autos; e revoga o art. 194 da Lei n o 10.406, de 10 de janeiro de 2002 Código Civil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 fev. 2006. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11280.htm. Acesso em: 15 mar. 2012. 43 SOARES, Marcus Vinicius Brandão. Art. 1 o . In: CHAVES JÚNIOR, op. cit., p. 68.

Para o douto advogado José Carlos de Araújo Almeida Filho, a admissão de atos em

Para o douto advogado José Carlos de Araújo Almeida Filho, a admissão de atos em um processo, mediante unicamente à confecção de simples cadastros com utilização de senha, traduz ampla insegurança, tendo em vista a tendência das pessoas em repetir senhas pessoais em vários sistemas e os computadores possuírem facilitadores para armazená-las. 44

Neste sentido, o autor, baseando-se na legislação alemã e na Medida Provisória nº 2.200-2/2001 em vigor, entende que deveria ocorrer a inserção do token ou do smartcard do advogado para que se garantisse a autenticidade do documento enviado, devendo-se interpretar o dispositivo legal não como formas alternativas válidas de assinatura eletrônica, mas tão somente uma única com dois requisitos cumulativos: a realização do cadastro em conjunto com a utilização da assinatura digital nos termos já expostos, em nome da segurança. 45

Almeida Filho cita como exemplo de interpretação errônea do artigo 1º do sobredito diploma legal o sistema denominado Projudi”, implantado no Supremo Tribunal Federal e no Conselho Nacional de Justiça, taxando-o de “vulnerável e acessível a todos”. 46

Por outro lado, o mestre Marcus Vinicius Brandão Soares, na obra organizada pelo nobre José Eduardo de Resende Chaves Júnior, afirma que a alínea “b” do sobredito dispositivo legal é um método destinado aos profissionais do direito que não possuem acesso à Internet. Bastaria que o advogado, neste contexto, se deslocasse ao Fórum para que este local provesse os meios necessários para a prática dos atos informatizados. 47

Já para Robson Machado, a intenção do legislador foi a de viabilizar duas formas alternativas até que os tribunais implantem a Infraestrutura de Chaves Públicas (ICP) e, portanto, passem a admitir a assinatura digital como meio hábil. 48

Não obstante a importância de tais discussões, que vêm se tornando cada vez mais relevantes, interessa ao presente trabalho os meios adotados na prática por cada um dos tribunais que serão tratados posteriormente, sem qualquer juízo valorativo, preparando o advogado mineiro para atuar com presteza no meio eletrônico.

Destarte, para que o profissional do direito esteja habilitado a atuar eletronicamente, a lei e alguns tribunais exigem previamente o cadastro online no site do tribunal (“credenciamento prévio”), seguido pela validação presencial na estrutura física do tribunal que se pretenda peticionar, para, somente então, ser liberado o acesso ao sistema (artigo 2º, caput, segunda parte, e § 1º e § 2º). O ato presencial, em alguns tribunais, encontra-se dispensado; o profissional, no entanto, efetivará o cadastro mediante a utilização de seu certificado digital.

Tal cadastro, evidentemente, não dispensa a imprescindível assinatura eletrônica em todos os atos praticados (artigos 2º, caput, primeira parte, e 8º, parágrafo único).

Ao peticionar eletronicamente, o advogado receberá, igualmente por este meio, o número de protocolo correspondente sem a necessidade de se dirigir ao cartório ou secretaria

44 ALMEIDA FILHO, José Carlos de Araújo. Processo eletrônico e teoria geral do processo eletrônico: A informatização judicial no Brasil. Rio de Janeiro: Forense, 2011, p. 216.

45 SCELLEKENS (2004) apud ALMEIDA FILHO, op. cit., p. 216.

46 Id., p. 217.

47 CHAVES JÚNIOR, op. cit., p. 68.

48 MACHADO, op. cit., p. 149.

judicial, bem como ficará desobrigado de realizar a juntada de papéis, já que “os d

judicial, bem como ficará desobrigado de realizar a juntada de papéis, já que “os documentos

produzidos eletronicamente e juntados aos processos eletrônicos [

originais para todos os efeitos legais”, incluindo-se os documentos digitalizados, devendo

apenas o advogado preservá-los até o trânsito em julgado, pois poderá ser requisitada a apresentação física dos referidos documentos (art. 11, caput, §§ 1º e 3º).

serão considerados

]

Os prazos processuais, no processo eletrônico, poderão ser cumpridos até as 24h (vinte e quatro horas) de seu último dia (artigo 3º, parágrafo único; artigo 10, caput e § 1º; e artigo 11, caput, § 1º e § 3º). Entretanto, deve-se atentar que a data do protocolo é a do recebimento do arquivo pelo sistema do Tribunal e não a do seu envio.

Em virtude da inviabilidade técnica de digitalização de documentos de grande volume ou por se encontrarem ilegíveis, estes poderão ser entregues e disponibilizados na Secretaria do Juízo em até 10 (dez) dias do peticionamento eletrônico que comunicar o fato (art. 11, §

5º).

Outra particularidade do peticionamento digital é que os autos só se tornam disponíveis em rede externa à do tribunal (via Internet, no website do tribunal) para as partes e o Ministério Público, desde que cadastrados previamente (artigo 11, § 6º).

Além

disso,

o

CPF

e/ou

o

CNPJ

da

parte,

via

de

regra,

deve

ser

informado

obrigatoriamente para que venha a ocorrer a distribuição da petição inicial (artigo 15, caput).

Outro importante tópico é o inerente à intimação quando do peticionamento eletrônico. O artigo 5º (caput e parágrafos) da lei disciplina a matéria, e informa que o profissional, quando acessar o portal de peticionamento eletrônico, no qual conste o teor da intimação, será tido por intimado para todos os efeitos legais.

O advogado, ainda, deverá realizar o acesso aos portais com cautela, procurando sempre verificar se há publicações em seu nome. Caso contrário, transcorridos 10 (dez) dias contados a partir da disponibilização do teor da intimação em meio eletrônico no qual se encontra cadastrado, considerar-se-á intimado, mesmo que não haja acessado o sistema de peticionamento eletrônico daquele tribunal (artigo 5º, § 3º).

Ademais, relevante ressaltar que, caso o advogado encontre-se cadastrado em sistemas de peticionamento eletrônico com disponibilização de intimações no próprio portal, estas não serão mais publicadas no Diário Oficial Eletrônico (artigo 5º, caput), competindo-lhe a regular verificação (ao menos de 10 em 10 dias).

Nesse sentido, imperioso destacar o completo texto deste dispositivo:

Art. 5 o As intimações serão feitas por meio eletrônico em portal próprio aos que se cadastrarem na forma do art. 2 o desta Lei, dispensando-se a publicação no órgão oficial, inclusive eletrônico.

§1 o Considerar-se-á realizada a intimação no dia em que o intimando efetivar a consulta eletrônica ao teor da intimação, certificando-se nos autos a sua realização.

§2 o Na hipótese do § 1 o deste artigo, nos casos em que a consulta se dê em dia não útil, a intimação será considerada como realizada no primeiro dia útil seguinte.

§3 o A consulta referida nos § 1 o e § 2 o deste artigo

§3 o A consulta referida nos § 1 o e § 2 o deste artigo deverá ser feita em até 10 (dez) dias corridos contados da data do envio da intimação, sob pena de considerar-se a intimação automaticamente realizada na data do término desse prazo.

§4 o Em caráter informativo, poderá ser efetivada remessa de correspondência eletrônica, comunicando o envio da intimação e a abertura automática do prazo processual nos termos do § 3 o deste artigo, aos que manifestarem interesse por esse serviço.

§ 5 o Nos casos urgentes em que a intimação feita na forma deste artigo possa causar prejuízo a quaisquer das partes ou nos casos em que for evidenciada qualquer tentativa de burla ao sistema, o ato processual deverá ser realizado por outro meio que atinja a sua finalidade, conforme determinado pelo juiz.

§ 6 o As intimações feitas na forma deste artigo, inclusive da Fazenda Pública, serão consideradas pessoais para todos os efeitos legais.

LEMBRETE: as mesmas observações referentes às intimações se prestam às citações, ressalvados os procedimentos criminais e infracionais, e desde que o advogado tenha acesso integral aos autos (artigo 6º).

3.1 COMO ADQUIRIR O CERTIFICADO DIGITAL PARA O PETICIONAMENTO

Antes de realizar a compra do certificado, o advogado tem duas opções de dispositivos para armazenar o certificado digital pessoal: o cartão do advogado, considerado um smartcard (cartão inteligente) por conter um chip de armazenamento não volátil de dados, e o token.

chip de armazenamento não volátil de dados, e o token. Cartão da OAB/MG ( smartcard )

Cartão da OAB/MG (smartcard)

de dados, e o token. Cartão da OAB/MG ( smartcard ) Token da Certisign (similar a

Token da Certisign (similar a um pendrive)

O certificado digital é gravado nestes dispositivos (à escolha do profissional). O

certificado digital gravado não permite a cópia (backup) para outro dispositivo, inclusive para o

próprio computador, para a segurança do advogado e a confiabilidade do certificado.

Assim, é importante que o profissional tenha cuidado com ambos os dispositivos. O cartão não pode ser flexionado e a parte do chip, em razão de sua fragilidade, necessita de cuidados especiais (não esfregá-lo em superfícies ásperas, pressioná-lo ou friccioná-lo com objetos pérfuro-corto-contundentes como caneta ou tesoura, dentre outras cautelas). O token não deve ter contato com líquidos, nem sofrer pancadas ou quedas. Quando danificado, o cartão do advogado ou o token deverá ser substituído por outro e um novo certificado digital precisará ser adquirido, a expensas do advogado.

Os cartões profissionais emitidos antes de junho/2011 não estão aptos a armazenarem

a nova tecnologia de certificação digital (Raiz V2, mais segura), implantada nos termos das

Resoluções 65/2009 e 68/2009 do Comitê Gestor da ICP-Brasil a partir de 1º de janeiro de

2012. Assim, os advogados que optarem pelo uso do smartcard deverão requerer a emissão de

2012. Assim, os advogados que optarem pelo uso do smartcard deverão requerer a emissão de um novo cartão profissional, arcando com os custos, conforme tabela em vigor. Em caso de dúvidas, a OAB deverá ser contatada para maiores informações. 49

O token também está disponível para a aquisição, bastando, igualmente, contatar a OAB, para obter maiores informações.

ATENÇÃO 1: nem todos os tribunais requerem o certificado digital do tipo A3 fornecido pela Certisign/AC-OAB, tal qual acontece, com o TRF-1 e o TJMG. O TJMG, inclusive, possui um certificado digital próprio, disponibilizado gratuitamente ao advogado (verificar o item inerente ao peticionamento neste tribunal para maiores detalhes).

ATENÇÃO 2: embora o TRF-1 exija apenas o cadastramento do profissional, valendo como assinatura eletrônica, não se conhece ainda o posicionamento jurisprudencial prevalente quanto à necessidade de o advogado enviar suas peças assinadas digitalmente com o certificado da AC-OAB.

ATENÇÃO 3: o advogado não poderá deter dois ou mais certificados digitais emitidos pela mesma Autoridade Certificadora (AC-OAB) e com base no mesmo documento profissional. Logo, poderá ter dois ou mais certificados digitais adicionais da AC-OAB se possuir inscrições (suplementares) em Estados diferentes.

LEMBRETE: a solicitação do certificado digital (passos descritos abaixo) só deverá ser realizada após a opção do advogado entre o token ou o smartcard e sua aquisição. O advogado também deverá estar em situação de regularidade na OAB.

Para a aquisição do seu certificado digital, abra o navegador de Internet (browser Internet Explorer, Google Chrome, Firefox etc.); em seu computador, digite o endereço http://www.acoab.com.br/ e clique em “Compre aqui o seu certificado digital OAB”, conforme ilustração a seguir:

49 Informativo anterior à aquisição do certificado digital disponível em:

Feito isso, a seguinte tela surgirá com as opções: 21
Feito isso, a seguinte tela surgirá com as opções: 21

Feito isso, a seguinte tela surgirá com as opções:

Feito isso, a seguinte tela surgirá com as opções: 21
Antes de efetuar a compra, é necessário clicar nos links que aparecem no canto direito
Antes de efetuar a compra, é necessário clicar nos links que aparecem no canto direito

Antes de efetuar a compra, é necessário clicar nos links que aparecem no canto direito da tela (conforme figura acima, quadrados destacados), a saber:

i. Os “Documentos Necessários” deverão ser apresentados quando da verificação

presencial do advogado em um dos postos habilitados (para ver os postos do Estado de Minas Gerais, basta clicar em “clique aqui” no item “3- Pontos de Atendimento” da página web ilustrada acima; nem todas as cidades possuem tais locais de atendimento) e “Termo de Titularidade” (entregá-lo preenchido no momento da verificação presencial em um dos postos).

ii. Os itens “Políticas de Certificação”, “Declaração de Práticas de Certificação” servem

apenas para ilustrar o funcionamento do processo de certificação digital e, por fim, “Responsabilidade do Titular” esclarece sobre a utilização do certificado digital, disposta neste trabalho.

Para quem já possui o leitor smartcard ou optou pelo token, clicar em “Comprar” apenas o “Certificado Digital OAB” (fig. acima). A imagem da carteira profissional é meramente ilustrativa, e o que se vende, necessariamente, é apenas o certificado.

Realizada a opção de compra, surgirá uma nova página, na qual o advogado deverá preencher o CPF (e não o número de registro na OAB), o Estado da Seccional (MG) bem como o código de verificação (fig. abaixo):

Feito isso, c lique em “Enviar” ( fig. acima). Imediatamente, aparecerá o nome completo e
Feito isso, c lique em “Enviar” ( fig. acima). Imediatamente, aparecerá o nome completo e

Feito isso, clique em “Enviar” (fig. acima). Imediatamente, aparecerá o nome completo e correto do titular do CPF (fig. abaixo), de acordo com as informações constantes na Secretaria da Receita Federal. O sistema solicitará outros dados a serem informados. O número de cadastro na previdência social e o PIS/PASEP não são campos obrigatórios, mas recomenda-se seu preenchimento.

de cadastro na previdência social e o PIS/PASEP não são campos obrigatórios, mas recomenda-se seu preenchimento.
Confirmada a veracidade das informações, clique novamente no ícone “Enviar” (fig. acima), e uma nova
Confirmada a veracidade das informações, clique novamente no ícone “Enviar” (fig. acima), e uma nova

Confirmada a veracidade das informações, clique novamente no ícone “Enviar” (fig. acima), e uma nova seção surgirá, conforme ilustração abaixo:

clique novamente no ícone “Enviar” (fig. acima), e uma nova seção surgirá, conforme ilustração abaixo: 24
clique novamente no ícone “Enviar” (fig. acima), e uma nova seção surgirá, conforme ilustração abaixo: 24
A partir de então, o advogado deverá, cautelosamente, preencher a senha de revogação do certificado,
A partir de então, o advogado deverá, cautelosamente, preencher a senha de revogação do certificado,

A partir de então, o advogado deverá, cautelosamente, preencher a senha de revogação do certificado, que tem por finalidade o cancelamento do certificado presente no cartão ou token. Esta senha deve ser de conhecimento apenas do profissional e, para maior segurança, não deve ser anotada ou mantida próxima ao cartão/token.

Ainda na mesma tela (fig. acima), informe um e-mail válido (de livre escolha) para receber as informações ligadas ao certificado digital. Recomenda-se a utilização de um e-mail de confiança do profissional, não, necessariamente, o e-mail oficial fornecido pela OAB.

Ao final da página (fig. acima), em “Informações Adicionais”, o advogado deverá conferir se o seu número de registro na OAB encontra-se correto (fornecido automaticamente pelo sistema, sem a necessidade de seu preenchimento em qualquer fase da aquisição). Feito isso, deve-se clicar em “Enviar” (fig. acima).

Ao ser redirecionado à próxima página (fig. abaixo), informe os dados para o pagamento do certificado escolhido (no caso, um certificado do tipo A3 de pessoa física), conforme o valor estabelecido (visto anteriormente), podendo o advogado optar ou não pelo parcelamento no cartão de crédito, ou, então, pelo pagamento via boleto bancário.

Os campos situados abaixo de “Dados de Faturamento” foram omitidos em razão de sua desnecessidade, já que se referem exclusivamente ao método de pagamento.

já que se referem exclusivamente ao método de pagamento. Ao clicar mais uma vez em “Enviar”,

Ao clicar mais uma vez em “Enviar”, o advogado será finalmente redirecionado à última etapa, correspondente à confirmação do e-mail cadastrado e ao agendamento para a validação presencial.

Para a validação presencial, o advogado deverá levar os documentos (indicados em “Documentos Necessários”,

Para a validação presencial, o advogado deverá levar os documentos (indicados em “Documentos Necessários”, disponível antes de se clicar em “Comprar”) e uma foto 3x4 recente.

de se clicar em “Comprar”) e uma foto 3x4 recente. Ao clicar para agendar a validação

Ao clicar para agendar a validação pessoal (fig. acima), o advogado será redirecionado

para uma página (fig. abaixo), na qual deverá informar o número do pedido (surge após a finalização da compra e pode também ser localizado na confirmação de pedido enviada ao e- mail vinculado) e o CPF, além do código de verificação.

mail vinculado) e o CPF, além do código de verificação. O profissional também poderá realizar o

O profissional também poderá realizar o processo de agendamento posteriormente,

clicando em um link que lhe será enviado no e-mail de confirmação ou, em alguns casos, ligando para a sua Subseccional (o agendamento online não está disponível para todas as

comarcas listadas).

LEMBRETE: caso não tenha recebido mensagem de confirmação do pedido do certificado digital em seu e-mail, verifique se a mesma não se encontra na pasta denominada “spam” ou “lixo eletrônico”.

todos os

documentos forem entregues e se o “Termo de Titularidade” já estiver corretamente preenchido, conforme previamente explicado.

O processo

de validação presencial é

rápido

e

fácil, principalmente

se

3.2 COMO UTILIZAR O CARTÃO DO ADVOGADO ( SMARTCARD ) OU O TOKEN Para a

3.2 COMO UTILIZAR O CARTÃO DO ADVOGADO (SMARTCARD) OU O TOKEN

Para a utilização do token, basta inseri-lo em uma das entradas/portas USB do computador (os computadores de mesa mais modernos costumam ter entradas USB frontais ou laterais para facilitar o encaixe; caso contrário, uma entrada provavelmente poderá ser localizada na região traseira).

Já, para o cartão da OAB (smartcard), é necessária a aquisição de um “leitor smartcard”, no qual o cartão será inserido, e que também será conectado a uma entrada/porta USB. Este manual possui um guia passo-a-passo para a instalação do leitor e do token no computador. A instalação é um procedimento que só precisa ser realizado uma única vez, a não ser que o computador seja formatado ou, ainda, quando o seu sistema operacional (ex: Microsoft Windows) for substituído ou reinstalado.

(ex: Microsoft Windows) for substituído ou reinstalado. Exemplo de leitor smartcard comercializado pela Certisign.

Exemplo de leitor smartcard comercializado pela Certisign.

O mercado de informática possui uma série de cabos extensores ou multiplicadores (chamados hubs) de portas USB de vários tamanhos e formatos para atender às necessidades de quem não possua uma de fácil acesso ou caso todas se encontrem em uso.

uma de fácil acesso ou caso todas se encontrem em uso. Cabo extensor USB Hub USB

Cabo extensor USB

acesso ou caso todas se encontrem em uso. Cabo extensor USB Hub USB Caso o problema

Hub USB

Caso o problema seja a falta da porta USB, basta adquirir uma placa (computador de mesa) ou um adaptador (notebook) compatível para tanto. Sugere-se que a placa ou o adaptador seja instalado por profissional habilitado, tanto para garantir o correto funcionamento quanto para evitar danos ao equipamento.

funcionamento quanto para evitar danos ao equipamento. Exemplo de placa para computador de mesa Exemplo de

Exemplo de placa para computador de mesa

ao equipamento. Exemplo de placa para computador de mesa Exemplo de adaptador para notebook Antes de

Exemplo de adaptador para notebook

Antes de começar a assinar digitalmente seus documentos, é necessária a instalação dos dispositivos criptográficos, como visto, a seguir, no guia.

4 GUIA DE INSTALAÇÃO DO DISPOSITIVO CRIPTOGRÁFICO Importante: - É necessário que seu computador esteja

4 GUIA DE INSTALAÇÃO DO DISPOSITIVO CRIPTOGRÁFICO

Importante:

- É necessário que seu computador esteja conectado à internet para realizar a instalação do software. Caso sua conexão “caia” ou fique instável, aguarde a normalização e recomece o procedimento de instalação.

- Caso queira instalar o software em um notebook, certifique-se de que o mesmo esteja conectado a uma fonte de energia antes de começar.

- Não conecte o dispositivo (token ou leitor smartcard) no computador antes de instalar os softwares. Conecte somente após concluir a instalação.

- Este procedimento foi executado em computadores com Microsoft Windows, Apple

Macintosh e Linux Ubuntu, livre de vírus, com os navegadores Internet Explorer, versão

8, e Mozilla Firefox versões 11 e 12.

Verifique qual o sistema operacional do seu computador (Microsoft Windows, Apple Macintosh ou Linux Ubuntu) e selecione o passo mais adequado dentre os descritos abaixo. Os sistemas operacionais devem estar atualizados adequadamente e livre de vírus ou outros programas mal intencionados.

4.1 MICROSOFT WINDOWS XP / 2000 / VISTA / 7

NOTA 1: foram testadas as versões “Home Premium” e “Ultimate” do Windows Vista e Windows 7, tanto em plataforma 64 bits (x64) quanto em 32 bits (x86), bem como a versão “Professional” do Windows XP 32 bits (x86) e a versão “Server Professional” do Windows 2000, todos na língua portuguesa (padrão brasileiro).

NOTA 2: as versões “Beginner” ou “Starter” dos sistemas Microsoft Windows podem apresentar problemas durante a instalação por possuírem limitações e, portanto, não são recomendadas.

NOTA 3: a Certisign não oferece suporte aos sistemas Windows Server 2003 e 2008.

APENAS PARA USUÁRIOS DO WINDOWS 2000:

PASSO 1:

Será necessária a instalação do “Windows Installer 3.1” ou superior que pode ser feita em: http://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?FamilyId=889482fc-5f56-4a38-b838-

Na página de download, clique no botão “Fazer Download” (fig. abaixo):

Em seguida, clique em “ Executar ” e aguarde a instalação automática. PASSO 2: Instale
Em seguida, clique em “ Executar ” e aguarde a instalação automática. PASSO 2: Instale

Em seguida, clique em Executare aguarde a instalação automática.

PASSO 2:

Instale

o

“Internet

Explorer”

versão

6.0

a

partir

do

link:

Na página de download, clique no botão “Fazer Download” (fig. abaixo):

, clique no botão “Fazer Download” (fig. abaixo) : Em seguida, clique em “ Executar ”

Em seguida, clique em Executare aguarde a instalação automática.

Reinicie o computador e prossiga com as etapas a seguir.

ETAPA 1: instalando o dispositivo criptográfico, gerenciador criptográfico (SafeSign) e cadeira de certificados Antes de

ETAPA 1: instalando o dispositivo criptográfico, gerenciador criptográfico (SafeSign) e cadeira de certificados

Antes de começar a assinar digitalmente seus documentos é necessária a instalação do software de certificado digital. Para isso, abra o navegador de internet (browser) e acesse o endereço http://www.acoab.com.br/. Na janela da AC-OAB, clique em Assistente de instalação AC OAB”, como mostrado na imagem abaixo:

de instalação AC OAB”, como mostrado na imagem abaixo: Quando surgir a página subsequente (fig. abaixo),

Quando surgir a página subsequente (fig. abaixo), clique em Baixar AIC OAB.

a página subsequente (fig. abaixo), clique em “ Baixar AIC OAB ” . Surgirá uma tela

Surgirá uma tela com as seguintes opções:

Clique em “Executar” (recomendado) (fig. acima), pois , assim que o download encerrar, o programa
Clique em “Executar” (recomendado) (fig. acima), pois , assim que o download encerrar, o programa

Clique em “Executar” (recomendado) (fig. acima), pois, assim que o download encerrar,

o programa abrirá automaticamente sem a necessidade de intervenção do usuário. Caso

prefira salvá-lo em seu computador para posterior instalação, clique em “Salvar”, escolhendo

um local para executá-lo manualmente.

Dependendo do navegador de Internet ou programa antivírus que utilizar, poderá aparecer a seguinte mensagem (fig. abaixo):

poderá aparecer a seguinte mensagem (fig. abaixo): Neste caso, clique em “Ações” (fig. acima) e, logo

Neste caso, clique em “Ações” (fig. acima) e, logo a seguir, em “Executar assim mesmo” (fig. abaixo).

logo a seguir, em “Executar assim mesmo” (fig. abaixo). No Windows 7 / Vista, a tela

No Windows 7 / Vista, a tela Controle de Conta de Usuário, quando exibida, pergunta

se deseja-se prosseguir com a instalação. Clique em “Sim”.

O programa inicializará e, dependendo da versão do sistema operacional utilizado, poderá surgir a tela
O programa inicializará e, dependendo da versão do sistema operacional utilizado, poderá surgir a tela

O programa inicializará e, dependendo da versão do sistema operacional utilizado, poderá surgir a tela ilustrada abaixo:

utilizado, poderá surgir a tela ilustrada abaixo: Selecione a opção “Modificar” e clique em

Selecione a opção “Modificar” e clique em “Avançar”. Se esta etapa não apareceu, não se preocupe! A próxima certamente ocorrerá.

Clique no local indicado pela seta (fig. acima) para escolher o dispositivo a ser instalado
Clique no local indicado pela seta (fig. acima) para escolher o dispositivo a ser instalado

Clique no local indicado pela seta (fig. acima) para escolher o dispositivo a ser instalado (exemplo: Leitora de cartão GemTwin PC, Cardman 3201; token Starsign etc.). O nome e/ou modelo do dispositivo encontra-se escrito no próprio aparelho. Assim que escolher, clique em “Avançar” na parte inferior.

ATENÇÃO: se não souber qual o aparelho, apenas clique em “Avançar” (fig. acima). No entanto, recomenda-se a escolha correta. O procedimento poderá ser executado novamente para instalar outros modelos de dispositivos criptográficos.

Caso apareça um aviso alertando que “ O .NET Framework 2.0 ou mais recente não está instalado”, clique em OK(fig. abaixo).

que “ O .NET Framework 2.0 ou mais recente não está instalado” , clique em “

Aguarde até a próxima etapa, ilustrada abaixo:

Aguarde até a próxima etapa, ilustrada abaixo: ATENÇÃO : caso esta etapa não se verifique em
Aguarde até a próxima etapa, ilustrada abaixo: ATENÇÃO : caso esta etapa não se verifique em

ATENÇÃO: caso esta etapa não se verifique em razão da exigência do .NET Framework 2.0, veja como instalá-lo manualmente no item 7.1, letra “f” deste manual.

Selecione “Instalação Expressa” (fig. acima) e clique novamente em “Avançar”.

A partir deste ponto, o próprio programa iniciará automaticamente o download de arquivos necessários para a instalação e o funcionamento do certificado digital no seu computador (fig. abaixo).

de arquivos necessários para a instalação e o funcionamento do certificado digital no seu computador (fig.
ATENÇÃO : neste momento, poderá surgir algum erro se ocorrer interrupção do serviço de Internet.

ATENÇÃO: neste momento, poderá surgir algum erro se ocorrer interrupção do serviço de Internet. Se for o caso, reinicie o computador e recomece quando a conexão se estabilizar.

o computador e recomece quando a conexão se estabilizar. Clique em “Aceito os termos do(s) contrato(s)

Clique em “Aceito os termos do(s) contrato(s) de licença”, indicado pela seta na figura acima e, em seguida, clique em “Avançar”.

Agora, uma série de instalações será iniciada automaticamente no computador, a exemplo da figura abaixo:

automaticamente no computador, a exemplo da figura abaixo: LEMBRETE : esta fase poderá demorar alguns minutos.

LEMBRETE: esta fase poderá demorar alguns minutos.

O gerenciador criptográfico (“SafeSign”) poderá localizar outros navegadores de Internet (Firefox, Google Chrome

O gerenciador criptográfico (“SafeSign”) poderá localizar outros navegadores de Internet (Firefox, Google Chrome etc.) instalados em seu computador (fig. abaixo). Selecione-o (clicando sobre o mesmo, conforme representado no quadrado indicado) e pressione o botão “Instalar” na parte inferior da tela.

o botão “Instalar” na parte inferior da tela. Em seguida, aparecerá a caixa de diálogo abaixo,

Em seguida, aparecerá a caixa de diálogo abaixo, confirmando o sucesso da instalação. Clique em “OK” (seta 1) para retornar ao menu anterior.

Clique em “OK” ( seta 1) para retornar ao menu anterior. A caixa de diálogo anterior

A caixa de diálogo anterior surgirá novamente (fig. acima). Agora, basta clicar em “Fechar” (seta 2) para dar continuidade à instalação.

ATENÇÃO:

se

as

etapas

descritas

acima

não

ocorrerem,

ATENÇÃO : se as etapas descritas acima não ocorrerem, não se preocupe! Provavelmente, você está utilizando

não

se

preocupe!

Provavelmente, você está utilizando apenas um navegador de Internet.

você está utilizando apenas um navegador de Internet. Após realizado todo o procedimento, a tela acima

Após realizado todo o procedimento, a tela acima aparecerá. Salve todos os seus trabalhos abertos no computador, selecione “Sim, desejo reiniciar meu computador agora” e clique em “Concluir”.

ATENÇÃO: o computador será imediatamente desligado e reiniciado (automaticamente) e todas as janelas ativas serão fechadas. Assim, antes de clicar em “Concluir”, recomenda-se que feche todas as janelas ativas em seu computador e salve os seus trabalhos.

Reiniciado o computador, o token ou leitor de smartcard com o cartão contendo o certificado digital gravado poder(á)ão ser inseridos.

ETAPA 2: verificando a instalação

Conecte o dispositivo criptográfico no computador (token ou leitor de smartcard com o cartão do advogado que contenha o certificado digital).

PARA USUÁRIOS DE WINDOWS VISTA / 7

PARA USUÁRIOS DE WINDOWS VISTA / 7 da página , e em “Todos os p rogramas”.

da página, e em “Todos os

programas”. Localize a pasta denominada “Certisign” e pressione-a. Clique em “Leitora de Cartão Inteligente” e, depois, em “Gerenciador Criptográfico” (fig. abaixo).

Clique no botão “Iniciar” no canto inferior esquerdo

PARA USUÁRIOS DE WINDOWS XP / 2000 Clique no botão “Iniciar” no canto inferior esquerdo
PARA USUÁRIOS DE WINDOWS XP / 2000 Clique no botão “Iniciar” no canto inferior esquerdo

PARA USUÁRIOS DE WINDOWS XP / 2000

Clique no botão “Iniciar” no canto inferior esquerdo da tela e, depois, em “Todos os programas”. Localize a pasta denominada “SafeSign Standard” e clique em “Token Administration” (fig. abaixo).

p rogramas”. Localize a pasta denominada “SafeSign Standard” e clique em “Token Administration” (fig. abaixo).

A utilização das funções do certificado digital será realizada mediante o “Gerenciador Criptográfico SafeSign” ou “Token Administration”, conforme figura acima. Ele é o utilitário de administração do certificado digital (sem a necessidade de comparecer à OAB ou a um posto autorizado Certisign).

Ao clicar em “Gerenciador Criptográfico SafeSign” ou “Token Administration” (de acordo com a versão do Windows utilizada), se nenhum dispositivo criptográfico estiver inserido, o usuário visualizará a seguinte tela:

estiver inserido, o usuário visualizará a seguinte tela: Ao conectar o token ou o cartão do

Ao conectar o token ou o cartão do advogado com um certificado digital instalado (ou se já houver sido previamente inserido), a tela se alterará (fig. abaixo):

ATENÇÃO: não execute qualquer comando neste aplicativo ainda, sob o risco de destruição do seu
ATENÇÃO: não execute qualquer comando neste aplicativo ainda, sob o risco de destruição do seu

ATENÇÃO: não execute qualquer comando neste aplicativo ainda, sob o risco de destruição do seu certificado digital. Clique em para fechá-lo. A sua utilização será explicada à frente.

fechá-lo. A sua utilização será explicada à frente. 4.2 APPLE MACINTOSH NOTA 1: a versão foi

4.2 APPLE MACINTOSH

NOTA 1: a versão foi testada em um computador Apple Macintosh com o sistema operacional próprio (Mac OS) em sua versão 10.6 (Snow Leopard), devidamente atualizada.

NOTA 2: não existe um instalador inteligente como aquele desenvolvido para o sistema Windows. Assim, o procedimento requer três etapas, a serem executadas manualmente para o correto funcionamento, e uma quarta, apenas para verificação.

ETAPA 1: instalação do Gerenciador Criptográfico (SafeSign)

Abra o navegador de Internet e acesse:

Navegue pela página até encontrar “SafeSign – Gerenciador Criptográfico” e clique no botão “Download” à frente de “Para Mac OS X-Snow Leopard” (fig. abaixo):

frente de “Para Mac OS X - Snow Leopard” (fig. abaixo): Ao clicar em “D ownload

Ao clicar em “Download”, será exibida uma tela, perguntando o que o navegador deverá

fazer, escolha a opção “Abrir com o

Aguarde enquanto é feito o download (fig. abaixo). Ao final do download , clique duas
Aguarde enquanto é feito o download (fig. abaixo). Ao final do download , clique duas

Aguarde enquanto é feito o download (fig. abaixo).

Aguarde enquanto é feito o download (fig. abaixo). Ao final do download , clique duas vezes

Ao final do download, clique duas vezes no nome do arquivo. Será aberta uma janela mostrando-o no seu computador. Clique duas vezes no arquivo para que a instalação seja iniciada (fig. abaixo).

Assim que o instalador abrir, clique no botão “MacOSX10.6 - 2137” (fig. abaixo). Na tela
Assim que o instalador abrir, clique no botão “MacOSX10.6 - 2137” (fig. abaixo). Na tela

Assim que o instalador abrir, clique no botão “MacOSX10.6-2137” (fig. abaixo).

clique no botão “MacOSX10.6 - 2137” (fig. abaixo). Na tela do instalador (fig. abaixo ), clique

Na tela do instalador (fig. abaixo), clique em “Continuar”.

Na janela de “ Licença de Uso do Software ” (fig. abaixo), clique em “Continuar”.
Na janela de “ Licença de Uso do Software ” (fig. abaixo), clique em “Continuar”.

Na janela de Licença de Uso do Software” (fig. abaixo), clique em “Continuar”.

do Software ” (fig. abaixo), clique em “Continuar”. Na tela seguinte , clique em “Concordar” para

Na tela seguinte, clique em “Concordar” para aceitar os termos de contrato de licença do software.

A seguir, clique em “Instalar para todos os usuários deste computador” e selecione “Continuar” (fig.
A seguir, clique em “Instalar para todos os usuários deste computador” e selecione “Continuar” (fig.

A seguir, clique em “Instalar para todos os usuários deste computador” e selecione “Continuar” (fig. abaixo).

computador” e selecione “Continuar” (fig. abaixo). Na etapa “Tipo de Instalação”, clique em

Na etapa “Tipo de Instalação”, clique em “Instalar” (fig. abaixo).

Caso o sistema exija, digite o usuário e a senha do sistema operacional (fig. abaixo).
Caso o sistema exija, digite o usuário e a senha do sistema operacional (fig. abaixo).

Caso o sistema exija, digite o usuário e a senha do sistema operacional (fig. abaixo).

o usuário e a senha do sistema operacional (fig. abaixo). Aguarde o processo de instalação, conforme

Aguarde o processo de instalação, conforme demonstrado abaixo:

Ao seguir todos estes procedimentos, a instalação será finalizada com sucesso (fig. abaixo). ETAPA 2:
Ao seguir todos estes procedimentos, a instalação será finalizada com sucesso (fig. abaixo). ETAPA 2:

Ao seguir todos estes procedimentos, a instalação será finalizada com sucesso (fig. abaixo).

a instalação será finalizada com sucesso (fig. abaixo). ETAPA 2: instalação da cadeia de certificados Abra

ETAPA 2: instalação da cadeia de certificados

Abra seu navegador e acesse

Em seguida, navegue pela página aberta até encontrar o botão “Atualize seu navegador” para fazer o download da cadeia de certificados (fig. abaixo).

ATENÇÃO : caso possua um certificado digital emitido antes de janeiro de 2012, realize a
ATENÇÃO : caso possua um certificado digital emitido antes de janeiro de 2012, realize a

ATENÇÃO: caso possua um certificado digital emitido antes de janeiro de 2012, realize a instalação manual das cadeiras de certificado da AC-OAB em “Hierarquia V1” disponível em http://www.certisign.com.br/atendimento-suporte/downloads/hierarquias/icp-brasil/oab

Na caixa de diálogo subsequente, escolha a opção “Abrir com

e clique em OK.

Ao finalizar o download, a tela “Adicionar Certificados” será aberta. Clique, então, em “Adicionar” (fig. abaixo).

aberta. Clique , então, em “Adicionar” (fig. abaixo). Na tela subsequente , clique em “Confiar Sempre”

Na tela subsequente, clique em “Confiar Sempre” (fig. abaixo).

Caso seja exigido, digite o usuário e a senha do sistema operacional (fig. abaixo). Após
Caso seja exigido, digite o usuário e a senha do sistema operacional (fig. abaixo). Após

Caso seja exigido, digite o usuário e a senha do sistema operacional (fig. abaixo).

o usuário e a senha do sistema operacional (fig. abaixo). Após esses passos, a cadeia de

Após esses passos, a cadeia de certificado será instalada com sucesso, conforme imagem:

ETAPA 3: instalando o dispositivo criptográfico ( token ou smartcard ) Abra seu navegador de
ETAPA 3: instalando o dispositivo criptográfico ( token ou smartcard ) Abra seu navegador de

ETAPA 3: instalando o dispositivo criptográfico (token ou smartcard)

Abra seu navegador de Internet e acesse:

Faça o download do driver (fig. abaixo).

Faça o download do driver (fig. abaixo). LEMBRETE : a Certisign não oferece drivers para outros

LEMBRETE: a Certisign não oferece drivers para outros modelos de tokens. Contudo, o driver acima apresentou compatibilidade com os modelos mais comuns utilizados até a finalização da edição deste trabalho, inclusive com o leitor de smartcard.

Ao clicar no botão de download (indicado acima), será exibida a caixa de diálogo

e pressione “OK”.

ilustrada abaixo. Clique em “Abrir com o

Aguarde o download do driver (fig. abaixo). Ao final do download , a pasta “Transferências”
Aguarde o download do driver (fig. abaixo). Ao final do download , a pasta “Transferências”

Aguarde o download do driver (fig. abaixo).

Aguarde o download do driver (fig. abaixo). Ao final do download , a pasta “Transferências” será

Ao

final

do

download,

a

pasta

“Transferências”

será

aberta.

Clique

na

SafeNetAuthenticationClient 8.0.0.1” (fig. abaixo).

pasta

Em seguida, clique no arquivo “SafeNetAuthenticationClient 8.0.0.1.dmg” para inicia lizar o instalador (fig. abaixo).
Em seguida, clique no arquivo “SafeNetAuthenticationClient 8.0.0.1.dmg” para inicia lizar o instalador (fig. abaixo).

Em seguida, clique no arquivo “SafeNetAuthenticationClient 8.0.0.1.dmg” para inicializar o instalador (fig. abaixo).

Na janela do instalador, clique no ícone “SafeNetAuthenticationClient 8.0.mpkg” (fig. abaixo). Na tela seguinte ,
Na janela do instalador, clique no ícone “SafeNetAuthenticationClient 8.0.mpkg” (fig. abaixo). Na tela seguinte ,

Na janela do instalador, clique no ícone “SafeNetAuthenticationClient 8.0.mpkg” (fig. abaixo).

“SafeNetAuthenticationClient 8.0.mpkg” (fig. abaixo). Na tela seguinte , clique em “Continuar” (fig. abaixo).

Na tela seguinte, clique em “Continuar” (fig. abaixo).

Na jan ela “Licença de Uso de Software”, clique em “Continuar” (fig. abaixo). A seguir,
Na jan ela “Licença de Uso de Software”, clique em “Continuar” (fig. abaixo). A seguir,

Na janela “Licença de Uso de Software”, clique em “Continuar” (fig. abaixo).

Uso de Software”, clique em “Continuar” (fig. abaixo). A seguir, pressione “Concordar” para inici alizar a

A seguir, pressione “Concordar” para inicializar a instalação (fig. abaixo).

Clique em “ Instalar ” (fig. abaixo). Caso seja exigido, digite o usuário e a
Clique em “ Instalar ” (fig. abaixo). Caso seja exigido, digite o usuário e a

Clique em Instalar(fig. abaixo).

Clique em “ Instalar ” (fig. abaixo). Caso seja exigido, digite o usuário e a senha

Caso seja exigido, digite o usuário e a senha do sistema operacional (fig. abaixo).

Na tela seguinte , clique em “Continuar a I nstalação” (fig. abaixo). Aguarde o processo
Na tela seguinte , clique em “Continuar a I nstalação” (fig. abaixo). Aguarde o processo

Na tela seguinte, clique em “Continuar a Instalação” (fig. abaixo).

seguinte , clique em “Continuar a I nstalação” (fig. abaixo). Aguarde o processo de instalação (fig.

Aguarde o processo de instalação (fig. abaixo).

Finalizada a instalação, clique em “Reiniciar” (fig. abaixo). ETAPA 4: verificando a instalação Conecte seu
Finalizada a instalação, clique em “Reiniciar” (fig. abaixo). ETAPA 4: verificando a instalação Conecte seu

Finalizada a instalação, clique em “Reiniciar” (fig. abaixo).

a instalação, clique em “Reiniciar” (fig. abaixo). ETAPA 4: verificando a instalação Conecte seu dispositivo

ETAPA 4: verificando a instalação

Conecte seu dispositivo (token ou leitor smartcard) no computador e, em seguida, abra o diretório “Aplicativos (No Dock)” e clique em “Tokenadmin” (fig. abaixo).

O utilitário de administração de “Operacional” (fig. abaixo). token será aberto e mostrará o status
O utilitário de administração de “Operacional” (fig. abaixo). token será aberto e mostrará o status

O

utilitário

de

administração

de

“Operacional” (fig. abaixo).

token

será

aberto

e

mostrará

o

status

como

(fig. abaixo). token será aberto e mostrará o status como O seu certificado digital foi instalado

O seu certificado digital foi instalado e está funcionando corretamente!

ATENÇÃO: não execute qualquer comando neste aplicativo ainda, sob o risco de destruição do seu certificado digital. Encerre o programa. A utilização do certificado será explicada à frente.

4.3 LINUX UBUNTU 11

NOTA 1: a Certisign/AC-OAB não fornece software específico para o sistema operacional Linux. A instalação é composta por quatro etapas manuais, contendo uma para verificação.

NOTA 2: em virtude de incompatibilidades apresentadas durante alguns testes realizados ao elaborar este manual, não se recomenda a utilização deste sistema operacional para o peticionamento eletrônico sem que o usuário detenha conhecimentos técnicos suficientes.

ETAPA 1: instalando o dispositivo criptográfico ( smartcard ) NOTA : não foram localizados drivers

ETAPA 1: instalando o dispositivo criptográfico (smartcard)

NOTA: não foram localizados drivers confiáveis para a instalação do token utilizado pela OAB/MG até o fechamento desta edição do manual.

O procedimento de instalação é feito via “Terminal”. Veja imagem abaixo:

é feito via “Terminal”. Veja imagem abaixo: Na área de trabalho do ambiente gráfico do Linux

Na área de trabalho do ambiente gráfico do Linux (fig. acima), pressione o botão “Painel (Dash home)” (seta 1/fig. acima). Ao abrir a linha de comando, digite “Terminal” e tecle <ENTER> (seta 2/fig. acima). Clique no ícone “Terminal” que aparecerá logo abaixo (seta 3/fig. acima).

Com o terminal aberto, digite a seguinte linha de comando “sudo apt-get update” (fig. abaixo) e pressione a tecla <ENTER>.

digite a seguinte linha de comando “sudo apt-get update” (fig. abaixo) e pressione a tecla <ENTER>.
Digite a senha do usuário, caso seja requisitado, e aguarde a atualização. Ainda no “Terminal”,

Digite a senha do usuário, caso seja requisitado, e aguarde a atualização.

Ainda no “Terminal”, digite a seguinte linha de comando: “sudo apt-get install libccid

opensc libssl0.9.8 openssl libopensc-openssl pcscd pcsc-tools libasedrive-usbe pressione a

tecla <ENTER>.

Aguarde a finalização do download e das instalações.

Introduza a seguinte linha de comando no “Terminal”: “sudo /etc/init.d/pcscd restart”, e pressione <ENTER>.

Para visualizar as informações da leitora do smartcard, digite a seguinte linha de comando no Terminal”: “pcsc_scan”, e pressione <ENTER>.

ETAPA 2: instalando o gerenciador criptográfico

Ainda no “Terminal”, realize o download e a instalação do gerenciador criptográfico, digitando a seguinte linha de comando: “sudo dpkg -i safesignidentityclient_3.0.43- user_i386.deb”, e pressione <ENTER>.

Se a instalação do aplicativo Safesign não for concluída com êxito e o erro “impossível acessar arquivo” (fig. abaixo) ou outro se tornem evidentes, há outra forma para a sua instalação.

tornem evidentes, há outra forma para a sua instalação. Abra o navegador de internet e acesse

Abra o navegador de internet e acesse o seguinte endereço:

O download do aplicativo será iniciado automaticamente. Em seguida, ao aparecer a caixa de diálogo perguntando o que deseja fazer, clique em “Save File” (“Salvar Arquivo”) e “OK”.

Aguarde a conclusão do download. Quando ele terminar, dê um duplo clique com o mouse
Aguarde a conclusão do download. Quando ele terminar, dê um duplo clique com o mouse

Aguarde a conclusão do download.

Aguarde a conclusão do download. Quando ele terminar, dê um duplo clique com o mouse sobre

Quando ele terminar, dê um duplo clique com o mouse sobre o programa de instalação do Safesign (fig. abaixo).

sobre o programa de instalação do Safesign (fig. abaixo). Feito isto, a Central de Programas do

Feito isto, a Central de Programas do Ubuntu será aberta. Clique em “Instalar” (fig. abaixo).

Digite a senha de administrador do sistema (fig. abaixo), se requisitado. Ao surgir a advertência
Digite a senha de administrador do sistema (fig. abaixo), se requisitado. Ao surgir a advertência

Digite a senha de administrador do sistema (fig. abaixo), se requisitado.

de administrador do sistema (fig. abaixo), se requisitado. Ao surgir a advertência “O pacote é de

Ao surgir a advertência “O pacote é de má qualidade”, clique em “Ignorar e Instalar” (fig. abaixo).

clique em “Ignorar e Instalar” (fig. abaixo). Informe a senha do usuário novamente, se requerido. Aguarde

Informe a senha do usuário novamente, se requerido. Aguarde o processo de instalação completar para que, ao final, a tela informativa do seu sucesso seja exibida (fig. abaixo).

Reinicie o sistema. ETAPA 3: verificando a instalação Quando finalizado, acesse o “Terminal” , digite
Reinicie o sistema. ETAPA 3: verificando a instalação Quando finalizado, acesse o “Terminal” , digite

Reinicie o sistema.

ETAPA 3: verificando a instalação

Quando finalizado, acesse o “Terminal”, digite o comando: “tokenmanager“ e pressione a tecla <ENTER>.

Apenas verifique se o seu certificado é listado como operacional (fig. abaixo).

o seu certificado é listado como operacional (fig. abaixo). ATENÇÃO : não execute qualquer comando neste

ATENÇÃO: não execute qualquer comando neste aplicativo ainda, sob o risco de destruição do seu certificado digital. Encerre o programa. A utilização do certificado será explicada à frente.

ETAPA 4: instalação da cadeia de certificados

Abra seu navegador e acesse http://www.iti.gov.br

Clique em “Repositório da ICP-Brasil” (fig. abaixo).

Feito isto, localize o navegador de Internet que irá utilizar para peticionar eletronicamente (exemplificativamente, o
Feito isto, localize o navegador de Internet que irá utilizar para peticionar eletronicamente (exemplificativamente, o

Feito isto, localize o navegador de Internet que irá utilizar para peticionar eletronicamente (exemplificativamente, o Mozilla Firefox foi selecionado). Clique sobre o texto “Clique aqui” para realizar o download e a instalação da cadeia v1 (fig. abaixo).

o download e a instalação da cadeia v1 (fig. abaixo). Marque todas as opções para confiar

Marque todas as opções para confiar nos certificados da ICP-Brasil para identificar websites, usuários de e-mail e desenvolvedores de software (seta 1/fig. abaixo). Pressione o botão “OK” para concluir (seta 2/fig. abaixo).

e desenvolvedores de software (seta 1/fig. abaixo). Pressione o botão “OK” para concluir (seta 2/fig. abaixo).
Repita o mesmo procedimento para as cadeias v2 e v3 indicadas pelas setas na ilustração

Repita o mesmo procedimento para as cadeias v2 e v3 indicadas pelas setas na ilustração abaixo.

Repita o mesmo procedimento para as cadeias v2 e v3 indicadas pelas setas na ilustração abaixo.

5 UTILIZANDO O CERTIFICADO DIGITAL

5 UTILIZANDO O CERTIFICADO DIGITAL Para que o advogado realize a utilização de seu certificado digital

Para que o advogado realize a utilização de seu certificado digital e assine digitalmente petições e documentos deverá sempre fazer uso de uma senha de caráter pessoal e secreta, cadastrada no momento da validação pessoal num dos postos de atendimento da Certisign e denominada PIN.

ATENÇÃO: nunca forneça ou informe senhas a terceiros. Caso suspeite que sua senha tornou-se conhecida, realize a alteração imediata conforme descrito nesta seção (item 5.1).

Para que o certificado digital funcione corretamente, ele deverá ter sido instalado em conjunto com o gerenciador criptográfico “SafeSign” (seção 4).

ATENÇÃO: para a utilização do certificado digital em peticionamento eletrônico, bastará seguir os passos descritos no tópico referente ao tribunal desejado. Leia com atenção a introdução deste capítulo, bem como os itens 5.2 e 5.3.

No intuito de explicar como gerenciar e administrar corretamente o seu certificado digital, abaixo estarão indicados os passos adequados.

NOTA: em razão da grande quantidade de utilizadores dos sistemas operacionais Microsoft Windows, este será a referência. Para acionar o gerenciador criptográfico nos demais sistemas, consulte o guia de instalação respectivo (seção anterior).

PARA USUÁRIOS DE WINDOWS VISTA / 7

PARA USUÁRIOS DE WINDOWS VISTA / 7 Clique no botão “Iniciar” , no canto inferior esquerdo

Clique no botão “Iniciar”, no canto inferior esquerdo , e em “Todos os programas”. Localize a pasta denominada “Certisign” e pressione-a. Clique em “Leitora de Cartão Inteligente” e em “Gerenciador Criptográfico” (fig. abaixo).

e pressione - a. Clique em “Leitora de Cartão Inteligente” e em “Gerenciador Criptográfico” (fig. a

PARA USUÁRIOS DE WINDOWS XP / 2000

Clique no botão “Iniciar”, no canto inferior esquerdo, e em “Todos os programas”. Localize a pasta denominada “SafeSign Standard” e clique em “Token Administration” (fig. abaixo).

Ao clicar em “Gerenciador Criptográfico SafeSign” ou “Token Administration” , de acordo com a versão
Ao clicar em “Gerenciador Criptográfico SafeSign” ou “Token Administration” , de acordo com a versão

Ao clicar em “Gerenciador Criptográfico SafeSign” ou “Token Administration”, de acordo com a versão do Windows utilizada, o usuário visualizará a seguinte tela, se nenhum dispositivo criptográfico estiver inserido:

tela, se nenhum dispositivo criptográfico estiver inserido: Ao conectar o token ou o cartão do advogado

Ao conectar o token ou o cartão do advogado com um certificado digital instalado (ou se já houver sido previamente inserido), a tela se alterará (fig. abaixo):

previamente inserido), a tela se alterará (fig. abaixo): Para exibir informações dos certificados digitais listados

Para exibir informações dos certificados digitais listados no computador, clique em “IDs ”

(fig. abaixo).

Digitais” e selecione “Mostrar IDs Digitais registradas

no computador, clique em “IDs ” (fig. abaixo). Digitais” e selecione “Mostrar IDs Digitais registradas 65
Na tela abaixo, todos os certificados utilizados naquele computador serão mostrados. No entanto, não poderão

Na tela abaixo, todos os certificados utilizados naquele computador serão mostrados. No entanto, não poderão ser utilizados sem a inserção do dispositivo no computador. Os certificados são válidos por um período de três anos. Verifique o prazo de validade do seu certificado (fig. abaixo).

o prazo de validade do seu certificado (fig. abaixo). LEMBRETE : em deliberação do Comitê Gestor

LEMBRETE: em deliberação do Comitê Gestor da ICP-Brasil, o certificado digital do tipo A3 passará a ser válido por até 5 (cinco) anos (v. item 2.5 deste manual).

Nunca forneça ou informe sua senha a terceiros. Caso suspeite que a sua senha tornou- se conhecida, realize a alteração imediata em seu próprio computador, seguindo os passos a seguir.

A senha secreta é necessariamente composta por um PIN (Personal Identification

Number, ou seja, um número de identificação pessoal) e um PUK (PIN Unlock Number, ou seja,

número para destravar o PIN).

O PIN, atualmente, é uma senha de 4 a 15 dígitos (números e/ou letras), sensíveis à

maiúscula/minúscula, de livre escolha do advogado, e cadastrado no ato da validação presencial do certificado digital (etapa explicada acima). A senha original é “1234” e será alterada, obrigatoriamente, quando da validação presencial.

O PIN será pedido toda vez que o advogado realizar a utilização do certificado digital. O

PIN não será armazenado no computador e, ao digitá-lo de maneira incorreta por três vezes,

será bloqueado automaticamente. A partir de então, o sistema irá pedir o PUK que, originalmente, possui a codificação “1234” (possivelmente alterada durante a validação presencial). A única função do PUK é desbloquear o PIN. Um não substitui o outro.

Se o PUK for digitado de forma incorreta em três tentativas sucessivas, ocorrerá automaticamente a invalidação do certificado digital. Se invalidado, a única solução possível será a aquisição de um novo certificado.

LEMBRETE 1 : até o momento não há meios para recuperação da senha utilizada. Assim,

LEMBRETE 1: até o momento não há meios para recuperação da senha utilizada. Assim, caso não lembre a(s) sua(s) senha(s), outro certificado digital deverá ser adquirido. Entre em contato com a Certisign para se informar sobre possíveis procedimentos de recuperação.

LEMBRETE 2: não é recomendado ao detentor do certificado anotar o PIN ou o PUK em um pedaço de papel e armazená-lo junto do dispositivo, o que poderá facilitar a utilização indevida de sua assinatura digital por terceiros não autorizados. Recomenda-se que o profissional crie um código novo, não utilizado em e-mails pessoais ou contas bancárias, de modo a dificultar a adivinhação por parte de terceiros.

5.1 ALTERAÇÃO DA SENHA DO CERTIFICADO DIGITAL

Caso queira realizar a alteração do PIN, o advogado deverá entrar em “Gerenciador

Criptográfico SafeSign” ou “Token Administration” (ver introdução da seção 5). Com o dispositivo criptográfico inserido no computador, clique em “Token” (fig. abaixo) e em “Alterar

e siga o procedimento. Para tanto, o advogado deverá ter memorizado o PIN anterior.

Logo, não poderá haver alteração de PIN, caso o anterior tenha sido esquecido.

PIN

”,

de PIN, caso o anterior tenha sido esquecido. PIN ”, Caso o advogado deseje alterar o

Caso o advogado deseje alterar o PUK, basta selecionar a opção correta, conforme indicado abaixo, e seguir o procedimento.

5.2 CUIDADOS INDISPENSÁVEIS AO UTILIZAR O GERENCIADOR CRIPTOGRÁFICO (SAFESIGN) Não utilize os demais “menus” do
5.2 CUIDADOS INDISPENSÁVEIS AO UTILIZAR O GERENCIADOR CRIPTOGRÁFICO (SAFESIGN) Não utilize os demais “menus” do

5.2 CUIDADOS INDISPENSÁVEIS AO UTILIZAR O GERENCIADOR CRIPTOGRÁFICO (SAFESIGN)

Não utilize os demais “menus” do programa se não detiver conhecimento técnico específico sobre o tema, pois poderá apagar o seu certificado digital.

ATENÇÃO: uma vez excluído, não há possibilidade de regravação do certificado digital, gerando a necessidade de aquisição de um novo.

Em especial, NUNCA CLIQUE EM “TOKEN”, “INICIALIZAR TOKEN” (fig. abaixo), pois isto irá APAGAR permanentemente o certificado.

NUNCA CLIQUE EM “TOKEN”, “INICIALIZAR TOKEN” (fig. abaixo), pois isto irá APAGAR permanentemente o certificado.

5.3 REMOVER O TOKEN OU O SMARTCARD

5.3 REMOVER O TOKEN OU O SMARTCARD No Windows, localize o ícone “Remover Hardware e Ejetar

No Windows, localize o ícone “Remover Hardware e Ejetar Mídia com Segurança”, localizado no canto inferior direito da tela, próximo ao relógio e data do sistema (fig. abaixo).

Clique para aparecer o menu infra ilustrado. Pressione “Ejetar StarSign CUT”, ou outro nome que indique o seu dispositivo criptográfico.

ou outro nome que indique o seu dispositivo criptográfico. Aparecerá a mensagem: “O hardware pode ser

Aparecerá a mensagem: “O hardware pode ser removido com segurança”.

Retire o dispositivo do computador.

O dispositivo também pode ser removido se o computador estiver desligado.

ATENÇÃO: a remoção do dispositivo sem o procedimento correto pode corromper o certificado digital. O ícone acima poderá não estar presente em algumas versões de sistemas operacionais.

6 O PETICIONAMENTO ELETRÔNICO EM CADA TRIBUNAL As ilustrações foram confeccionadas valendo-se do navegador de

6 O PETICIONAMENTO ELETRÔNICO EM CADA TRIBUNAL

As ilustrações foram confeccionadas valendo-se do navegador de Internet (browser) “Internet Explorer” em sua versão 8, em sistema operacional Microsoft Windows 7. Se outro navegador Web for utilizado (Mozilla Firefox, Google Chrome, Opera, dentre outros), as imagens poderão ser diferentes, mas as soluções apresentadas e descritas serão igualmente aplicáveis.

A escolha do sistema operacional deu-se meramente com base em sua popularidade quando da redação deste manual, e a do navegador, em razão de vir previamente instalado como padrão.

O peticionamento eletrônico, em cada Corte, procede diferentemente. Assim, localize a seção desejada.

ATENÇÃO: a leitura do item “6.1” é comum a todos os Tribunais e obrigatória para a realização do peticionamento eletrônico.

6.1 ESCLARECIMENTOS PRELIMINARES IMPORTANTES

a) Como se portar nos sites dos Tribunais

Não é necessário o duplo clique com o botão direito do mouse sobre os links, ícones e botões nos sites dos Tribunais, bastando um clique apenas. Algumas páginas podem demorar alguns minutos para carregar, a depender da velocidade de conexão com a Internet ou da própria página que está sendo acessada (sobrecarga de usuários).

Os Tribunais requerem a instalação de alguns programas para o funcionamento do peticionamento. O seu computador pode já tê-los. Ainda assim, recomenda-se seguir os passos descritos adiante para instalação ou atualização desses programas, conforme o caso.

Quando o navegador de Internet (browser) pedir para guardar, salvar ou lembrar a senha para determinado site, clique em “Não”. Nunca deixe salvas as suas informações de cadastro, evitando assim que outra pessoa venha a acessar indevidamente o site e utilizar o usuário cadastrado (a figura abaixo ilustra a requisição de guardar senha apenas para o “Internet Explorer”; os demais navegadores possuem escritas semelhantes).

; os demais navegadores possuem escritas semelhantes).  Sempre clique em “Sair” ou “Encerrar” ao

Sempre clique em “Sair” ou “Encerrar” ao terminar de utilizar o portal do Tribunal. Se ocorrer o simples fechamento do navegador de Internet (browser), o seu usuário poderá estar disponível para o próximo advogado que vier utilizar o mesmo computador.

 O advogado possui, no máximo, 10 (dez) dias para acessar o sistema e checar

O advogado possui, no máximo, 10 (dez) dias para acessar o sistema e checar as intimações eletrônicas, se o portal de peticionamento eletrônico contar com esta funcionalidade. A partir de então, o prazo correrá como se houvesse sido intimado, nos termos da lei 11.419/06:

Lei 11.419/06:

Art. 5 o As intimações serão feitas por meio eletrônico em portal próprio aos que se cadastrarem na forma do art. 2 o desta Lei, dispensando-se a publicação no órgão oficial, inclusive eletrônico.

[ ]

§ 3 o A consulta referida nos § 1 o e §2 o deste artigo deverá ser feita em até 10 (dez) dias

corridos contados da data do envio da intimação, sob pena de considerar-se a intimação automaticamente realizada na data do término desse prazo [grifos nossos].

Facilite a identificação dos arquivos e documentos a serem enviados ao Tribunal, conferindo-lhes nomes que possibilitem a imediata compreensão do conteúdo. Caso se trate de arquivos fragmentados, mas de mesmo tema, numere-os sequencialmente. Procure anexá-los no sistema na ordem correta em que, normalmente, deveriam aparecer nos autos do processo.

b) Instalando a Máquina Virtual Java (Java Virtual Machine ou JVM)

É necessário estar conectado à Internet.

Abra o navegador de Internet (browser) e acesse o site http://java.com/pt_BR/.

Clique em “Download gratuito do Java” (fig. abaixo).

Clique em “Download gratuito do Java” (fig. abaixo). Na página seguinte , clique na opção “Aceite

Na página seguinte, clique na opção “Aceite e inicie o download gratuito” (fig. abaixo).

O navegador “Internet Explorer” exibirá um aviso , perguntando se deseja executar ou salvar o
O navegador “Internet Explorer” exibirá um aviso , perguntando se deseja executar ou salvar o

O navegador “Internet Explorer” exibirá um aviso, perguntando se deseja executar ou

salvar o arquivo. Clique em “Executar” (fig. abaixo).

salvar o arquivo. Clique em “Executar” (fig. abaixo). Em computadores com Windows Vista e Windows 7,

Em computadores com Windows Vista e Windows 7, será exibida uma mensagem de “Controle de Conta de Usuário” (fig. abaixo). Clique na opção “Sim” para confirmar. Uma nova confirmação de execução do aplicativo também poderá ser necessária.

de execução do aplicativo também poderá ser necessária. A tela de instalação do Java será exibida.

A tela de instalação do Java será exibida. Clique em “Instalar” (fig. abaixo).

Aguarde o download do instalador do Java (fig. abaixo). O procedimento de download do instalador
Aguarde o download do instalador do Java (fig. abaixo). O procedimento de download do instalador

Aguarde o download do instalador do Java (fig. abaixo).

Aguarde o download do instalador do Java (fig. abaixo). O procedimento de download do instalador Java

O procedimento de download do instalador Java é automático. Em alguns casos, poderá surgir uma janela solicitando autorização para a instalação de aplicativos de terceiros, como o “Ask Toolbar” (fig. abaixo). Desmarque a caixa indicada (seta 1) e clique em “Próximo” (seta 2).

como o “Ask Toolbar” (fig. abaixo). Desmarque a caixa indicada (seta 1) e clique em “Próximo”
Apenas aguarde completar o processo de instalação (fig. abaixo). Ao encerrar o procedimento, será exibida

Apenas aguarde completar o processo de instalação (fig. abaixo).

aguarde completar o processo de instalação (fig. abaixo). Ao encerrar o procedimento, será exibida a mensagem

Ao encerrar o procedimento, será exibida a mensagem “A instalação do Java foi concluída com êxito” (fig. abaixo). Clique em “Fechar”.

com êxito” (fig. abaixo). Clique em “Fechar” . Reinicie seu computador. c) Como criar arquivos em

Reinicie seu computador.

c) Como criar arquivos em PDF

ATENÇÃO 1: os Tribunais exigem que as petições enviadas eletronicamente sejam sempre um documento do tipo PDF, salvo algumas exceções. Este é um formato de arquivo proprietário pertencente à empresa Adobe.

ATENÇÃO 2: ao salvar as suas petições em formato PDF para envio ao tribunal, guarde uma cópia no formato original em que você está acostumado a trabalhar (ex.: .doc, .docx etc.), pois os arquivos salvos em PDF são de difícil modificação, caso necessite alterá- los futuramente.

NOTA : se já consegue criar arquivos em formato PDF, não necessitará deste passo. Os

NOTA: se já consegue criar arquivos em formato PDF, não necessitará deste passo.

Os itens c.1, c.2 e c.3 tratam da criação de um documento em formato PDF, utilizando os recursos do próprio editor de textos (Microsoft Word e Libre Office). As versões mais atuais dos editores suportam esta função sem a necessidade de instalação de um programa específico.

No entanto, se necessitar de um programa para criar documentos PDF, verifique o item

c.4.

c.1) Criando um PDF a partir do Microsoft Word 2007

NOTA: as versões anteriores do Microsoft Word não permitem esta opção por padrão.

Assim que houver terminado de digitar o documento e incluído todo o necessário para a petição, clique no botão Office (fig. abaixo; seta 1) e, em seguida, clique em Salvar como(seta 2). Selecione “PDF ou XPS” no menu que surgirá (seta 3).

Selecione “ PDF ou XPS ” no menu que surgirá (seta 3). Na janela “ Salvar

Na janela Salvar como” (fig. abaixo), escolha uma pasta de destino. Digite o nome do documento (seta 1) e, depois, clique em Publicar(seta 2).

O arquivo terá sido salvo na pasta selecionada, com o nome escolhido e em formato
O arquivo terá sido salvo na pasta selecionada, com o nome escolhido e em formato

O arquivo terá sido salvo na pasta selecionada, com o nome escolhido e em formato

PDF.

ATENÇÃO: caso o tamanho do arquivo gerado tenha excedido aquele definido para o peticionamento nos tribunais, no campo “Otimizar para” (fig. acima), selecione “Tamanho mínimo” ao invés de “Padrão”. Se, ainda assim, o tamanho consistir-se em um problema, dirija-se à seção 7.1, letra “d”, deste manual.

c.2) Criando um PDF a partir do Microsoft Word 2010

Assim que houver terminado de digitar o documento e incluído todo o necessário para sua petição, clique no botão “Arquivo” (fig. abaixo; seta 1). Em seguida, clique em Salvar como(seta 2).

1). Em seguida, clique em “ Salvar como ” (seta 2). Escolha uma pasta para salvar

Escolha uma pasta para salvar o arquivo, como de praxe. Digite o nome do arquivo e clique no local indicado pela seta 1 (fig. abaixo), à frente do campo “Tipo”, para escolher a opção PDF (seta 2).

Clique em “ Salvar ”, conforme figura abaixo: O arquivo terá sido salvo na pasta
Clique em “ Salvar ”, conforme figura abaixo: O arquivo terá sido salvo na pasta

Clique em Salvar”, conforme figura abaixo:

Clique em “ Salvar ”, conforme figura abaixo: O arquivo terá sido salvo na pasta selecionada,

O arquivo terá sido salvo na pasta selecionada, com o nome escolhido e em formato

PDF.

ATENÇÃO: caso o tamanho do arquivo gerado tenha excedido aquele definido para o peticionamento nos tribunais, no campo “Otimizar para” (fig. acima), selecione “Tamanho mínimo” ao invés de “Padrão”. Se, ainda assim, o tamanho consistir-se em um problema, dirija-se à seção 7.1, letra “d”, deste manual.

c.3) Criando um PDF a partir do Open Office / BR Office / Libre Office

c.3) Criando um PDF a partir do Open Office / BR Office / Libre Office

Assim que houver terminado de digitar o documento e incluído todo o necessário para sua petição, clique no botão Exportar diretamente como PDF”, disponível na barra superior da tela (fig. abaixo).

”, disponível na barra superior da tela (fig. abaixo). Na janela de exportação (fig. abaixo), selecione

Na janela de exportação (fig. abaixo), selecione a pasta em que deseja salvar o arquivo; digite o nome do documento e clique em “Salvar.

digite o nome do documento e clique em “S alvar ” . O arquivo terá sido

O arquivo terá sido salvo na pasta selecionada, com o nome escolhido e em formato

PDF.

ATENÇÃO: se o tamanho do arquivo gerado estiver superior ao admitido pelo tribunal, dirija-se à seção 7.1, letra “d”, deste manual.

c.4) Criando um PDF a partir de um programa específico (“doPDF”)

NOTA: esta opção é alternativa aos itens “c.1”, “c.2” e “c.3”.

O doPDF é um conversor gratuito para o formato PDF de uso pessoal e comercial

O doPDF é um conversor gratuito para o formato PDF de uso pessoal e comercial em

conjunto com editores de texto já instalados no computador (como o Microsoft Word) ou outros programas que possuem a função de impressão (ex: Outlook Express, Internet Explorer etc.).

Para usar o doPDF, basta selecioná-lo como impressora ao clicar em “Imprimir” no editor de texto, navegador de Internet, programa de e-mail, dentre outros. As etapas de instalação e utilização encontram-se descritas a seguir:

ETAPA 1: instalação do doPDF

Para fazer o download do aplicativo doPDF, abra o navegador de Internet e acesse o endereço: http://www.dopdf.com/br/.

Ao abrir a página, clique no botão “Baixe!” (fig. abaixo).

a página, clique no botão “Baixe!” (fig. abaixo). Em razão da configuração de segurança do seu

Em razão da configuração de segurança do seu navegador de Internet (browser), poderá

ser necessário confirmar o download do arquivo (fig. abaixo), clicando na mensagem indicada

pela seta 1 e, após, selecionando a opção “Baixar arquivo

,

indicada pela seta 2.

a opção “Baixar arquivo ” , indicada pela seta 2. O navegador de Internet irá perguntar

O navegador de Internet irá perguntar se deseja executar ou salvar o arquivo a ser

baixado. Clique em “Executar” para iniciar, automaticamente, a instalação (fig. abaixo).

Caso surja uma tela de “Aviso de Segurança” (fig. abaixo), basta confirmar a execução ao
Caso surja uma tela de “Aviso de Segurança” (fig. abaixo), basta confirmar a execução ao

Caso surja uma tela de “Aviso de Segurança” (fig. abaixo), basta confirmar a execução ao clicar em “Executar”.

basta confirmar a execução ao clicar em “Executar”. Nas versões Vista e 7 do sistema operacional

Nas versões Vista e 7 do sistema operacional Windows, será mostrada uma tela para confirmar a instalação do programa (isto se deve ao “Controle de Conta de Usuário”, caso esteja habilitado). Clique em “Sim” (fig. abaixo).

caso esteja habilitado). Clique em “Sim” (fig. abaixo). O Instalador será iniciado. Na janela seguinte, selecione

O Instalador será iniciado. Na janela seguinte, selecione o idioma Português (Brasil)e clique em OK.

Na próxima tela do assistente, clique em “Avançar” (fig. abaixo). Marque a opção “Eu aceito
Na próxima tela do assistente, clique em “Avançar” (fig. abaixo). Marque a opção “Eu aceito

Na próxima tela do assistente, clique em “Avançar” (fig. abaixo).

tela do assistente, clique em “Avançar” (fig. abaixo). Marque a opção “Eu aceito os t ermos

Marque a opção “Eu aceito os termos do Contrato” e clique em “Avançar” (fig. abaixo; setas coloridas).

Marque a opção “Eu aceito os t ermos do Contrato” e clique em “Avançar” (fig. abaixo;

Clique em “Avançar” novamente (fig. abaixo).

Clique em “Avançar” novamente (fig. abaixo). Clique em “Avançar” mais uma vez (fig. abaixo). ATENÇÃO:
Clique em “Avançar” novamente (fig. abaixo). Clique em “Avançar” mais uma vez (fig. abaixo). ATENÇÃO:

Clique em “Avançar” mais uma vez (fig. abaixo).

Clique em “Avançar” mais uma vez (fig. abaixo). ATENÇÃO: verifique se a opção “Definir doPDF 7

ATENÇÃO: verifique se a opção “Definir doPDF 7 Printer como impressora padrão” encontra-se desmarcada; clique em “Avançar”, conforme ilustração abaixo:

A seguir, marque a opção “Portuguese (Brazilian)” e clique em “Avançar” (fig. abaixo). Na tela
A seguir, marque a opção “Portuguese (Brazilian)” e clique em “Avançar” (fig. abaixo). Na tela

A seguir, marque a opção “Portuguese (Brazilian)” e clique em “Avançar” (fig. abaixo).

(Brazilian)” e clique em “Avançar” (fig. abaixo). Na tela seguinte, após confirmar se o idioma está

Na tela seguinte, após confirmar se o idioma está selecionado como “Portuguese (Brazilian)”, clique em “Avançar”.

Finalmente, clique em “Instalar” (fig. abaixo). Aguarde a instalação (fig. abaixo). 84
Finalmente, clique em “Instalar” (fig. abaixo). Aguarde a instalação (fig. abaixo). 84

Finalmente, clique em “Instalar” (fig. abaixo).

Finalmente, clique em “Instalar” (fig. abaixo). Aguarde a instalação (fig. abaixo). 84

Aguarde a instalação (fig. abaixo).

Para finalizar , desmarque as opções “LaunchdoPDF” e “doPDFonthe Web” e clique em “Concluir” (fig.
Para finalizar , desmarque as opções “LaunchdoPDF” e “doPDFonthe Web” e clique em “Concluir” (fig.

Para finalizar, desmarque as opções “LaunchdoPDF” e “doPDFonthe Web” e clique em “Concluir” (fig. abaixo).

Web” e clique em “Concluir” (fig. abaixo). ETAPA 2: utilizando o doPDF Uma vez instalado, o

ETAPA 2: utilizando o doPDF

Uma vez instalado, o doPDF cria uma impressora virtual, que ficará disponível em todos os aplicativos quem contenham a função “Imprimir”. Conforme ilustração, o Microsoft Word 2010 o traz como impressora (fig. abaixo).

Para criar o arquivo PDF com o doPDF (fig. acima), clique em “Arquivo” na barra
Para criar o arquivo PDF com o doPDF (fig. acima), clique em “Arquivo” na barra

Para criar o arquivo PDF com o doPDF (fig. acima), clique em “Arquivo” na barra superior do menu; em “Imprimir”, selecione a impressora “doPDF” e clique em “Imprimir”. Abrir-se-á uma janela, requisitando o nome do arquivo a ser gerado em PDF e o local no qual se deseja salvá-lo (fig. abaixo). Clique em “OK” ao terminar.

salvá- lo (fig. abaixo). Clique em “OK” ao terminar. LEMBRETE : d eixe selecionada a opção

LEMBRETE: deixe selecionada a opção “Pequeno arquivo” (fig. acima). Se marcar “Imagens alta qualidade”, o doPDF gerará um arquivo muito extenso, que pode não ser aceito em razão da limitação de tamanho nos tribunais.

O arquivo terá sido salvo na pasta indicada, com o nome escolhido e em formato PDF.

d) Como visualizar arquivos no formato PDF

Os arquivos em PDF criados pelo seu computador ou baixados da Internet necessitam de um programa específico para serem abertos e lidos.

Caso não tenha instalado o Adobe PDF Reader, ou caso não consiga visualizar arquivos deste

Caso não tenha instalado o Adobe PDF Reader, ou caso não consiga visualizar arquivos deste formato no seu computador, vá até o site do Adobe (http://get.adobe.com/br/reader/) e faça o download do programa “Adobe Reader” em sua última versão (fig. abaixo).

Para tanto, desmarque a opção de instalação do “McAfee Security Scan Plus” (seta 1), ou qualquer outro programa que não o “Adobe Reader”, e clique em “Faça download agora”, seguindo as instruções que surgirem.

download agora”, seguindo as instruções que surgirem. Em razão da configuração de segurança do seu navegador

Em razão da configuração de segurança do seu navegador de Internet (browser), poderá ser necessário confirmar o download do arquivo (fig. abaixo). Para tanto, clique no aviso

indicado pela seta 1 e, após, selecione a opção “Baixar Arquivo

(seta 2).

após, selecione a opção “Baixar A rquivo ( seta 2). O navegador de Internet irá perguntar

O navegador de Internet irá perguntar se deseja salvar ou executar o arquivo a ser baixado. Clique em “Executar” para iniciar a instalação automaticamente (fig. abaixo).

Caso surja uma tela de “Aviso de Segurança” (fig. abaixo), basta confirmar a execução ,
Caso surja uma tela de “Aviso de Segurança” (fig. abaixo), basta confirmar a execução ,

Caso surja uma tela de “Aviso de Segurança” (fig. abaixo), basta confirmar a execução, clicando em “Executar”.

basta confirmar a execução , clicando em “Executar”. Nas versões Vista e 7 do sistema operacional

Nas versões Vista e 7 do sistema operacional Windows, será mostrada uma tela para confirmar a instalação do programa (isto se deve ao “Controle de Conta de Usuário”, caso esteja habilitado). Clique em “Sim” (fig. abaixo).

(isto se deve ao “Controle de Conta de Usuário”, caso esteja habilitado). Clique em “Sim” (fig.
O procedimento de instalação é automático e intuitivo. Siga os passos indicados e aguarde a

O procedimento de instalação é automático e intuitivo. Siga os passos indicados e aguarde a finalização. A demora deste procedimento está diretamente relacionada à velocidade de sua conexão com a Internet e com a capacidade de processamento de seu computador.

e) Inserindo assinatura digital nos documentos em PDF

ATENÇÃO: considerando o artigo 3º da lei nº 12.682/12 (v. “item f.2” abaixo) e ante a atual discussão existente se o envio de petições mediante o mero cadastro eletrônico do artigo 2º, inciso III, alínea “b” da lei 11.419/06 bastaria, ou se a assinatura digital da alínea “a” do mesmo dispositivo legal seria requerida, recomenda-se que o advogado passe a utilizar a assinatura digital com o seu certificado digital nos padrões ICP-Brasil em todo e qualquer arquivo PDF peticionado.

O aplicativo “Assinador Livre”, divulgado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), realiza a assinatura digital no documento em formato PDF de forma fácil, conforme explicado abaixo.

ETAPA 1: instalação do “Assinador Livre”

Abra

o

navegador

de