1

PIERCINGS E TATUAGENS NA ADOLESCÊNCIA

Maria das Graças Teles Martins O uso de piercings e tatuagens está se tornando cada vez mais popular entre os jovens de diversos países e em todas as camadas sócio-econômicas. Vários podem ser os motivos que levam o adolescente a fazer uso dessa prática, além do simples “modismo na adolescência”. As características inerentes dessa faixa etária, como a procura pela novidade, e o estímulo provocado pela mídia, provavelmente são as causas mais freqüentes. O pediatra deve abordar esses assuntos com o adolescente e seus familiares, numa postura ética e sensata, dispondo de corretas informações e orientações. TATUAGEM E PIERCING Tatuagem é a inserção na derme de pigmentos insolúveis, que podem permanecer indefinidamente na pele. O pigmento mais freqüentemente utilizado é a tinta da China. A expressão piercing tem sido usada para designar um tipo de adorno (body piercing), jóia ou peça decorativa, inserida por perfuração, em certas partes do corpo. Sua aplicação pode ser realizada em uma ou várias regiões do corpo como, por exemplo, orelha, região superciliar, nariz, umbigo, boca (lábio, bochecha e língua), mamilo e genitais. Depois de colocado, dependendo do local de perfuração, existe um tempo variável para sua cicatrização. É importante que o médico conheça esse tempo, pois representa um período de vulnerabilidade, necessitando de intensa vigilância para possíveis complicações infecciosas. Os locais habitualmente utilizados têm os seguintes tempos de reepitelização: lóbulo da orelha – 1 a 2 meses; sobrancelha – 2 meses; asa do nariz, língua e lábios – 2 a 4 meses; área cartilaginosa da orelha – 4 a 6 meses; cicatriz umbilical – 6 a 12 meses. CONTRA-INDICAÇÕES Piercings e tatuagens são contra indicados em grávidas, imunodeprimidos, indivíduos com tendência para formação de quelóides, com dermatites infecciosas,

interferência na mastigação. halitose. seguida da orelha e nariz. difi culdade de fonação. A complicação mais descrita é a dermatite de contato pelos pigmentos injetados na derme. Além disto. em particular as condrites em orelhas e nariz. devido ao crescimento. É interessante salientar que durante a adolescência. Piercings: são descritos. . hipersalivação. COMPLICAÇÕES Tanto a colocação de piercing como a aplicação de tatuagem podem causar complicações. As complicações do adorno oral são: dor. Infecção é a complicação mais comum (mais de 75% das procuras por serviços de saúde). Linfadenopatia pode ocorrer em qualquer indivíduo que tem um piercing. A disseminação infecciosa subjacente. Tatuagens: os riscos de transmissão de infecções também existem com este procedimento. Na pele. a tatuagem sofre deformidade e distorção. em cerca de 10 a 30% dos casos.2 dermatites atópicas ou que tenham dermografismo. os pigmentos tatuados. O HIV pode ser transmitido por utilização de material contaminado não esterilizado. pelas implicações estéticas futuras. é temerária. o risco de transmissão de hepatite B. Outras complicações descritas são as cicatrizes quelóides e as reações eczematosas (dermatites de contato pelo material do dispositivo). realizadas com henna. hepatite C e tétano no procedimento de inserção por material inapropriado. tendem a fi car turvos e se localizarem em regiões mais profundas da derme. Também não são recomendados em jovens com discrasias sanguíneas ou em uso de anticoagulantes e naqueles com doenças cardíacas congênitas. principalmente com equipamentos não esterilizados. periodontite e aspiração. obstrução das vias aéreas. cujas manifestações típicas são dor e sinais fl ogísticos locais. com o decorrer dos anos. O risco de complicações infecciosas é bastante reduzido se forem tomados os cuidados com assepsia na colocação e na manutenção do piercing. Existe também. ranhura ou fratura de dentes. podem determinar complicações alérgicas. Vale ressaltar que mesmo as tatuagens ditas “temporárias”. trauma gengival ou em mucosa. infecção ou sangramento no local de sua inserção. edema. a maior parte das complicações ocorre em região umbilical.

º 9828 que proíbe. pacientes que se encontrem nessas situações. examinar as regras para quebrá-las. Os profi ssionais que atendem adolescentes no estado de São Paulo devem estar cientes da lei estadual n. Desta lei. Comumente. desde 1997. por outro. Apesar das leis e proibições terem o seu papel. Se por um lado a lei se tornou um obstáculo maior para os adolescentes que desejam colocar esses adornos. já que vários jovens resolvem fazer a perfuração de modo caseiro. CONSIDERAÇÕES PRÁTICAS PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE Sugere-se que a abordagem do assunto com o paciente deva estar dissociada de visão discriminatória. É importante que o médico oriente os adolescentes de forma adequada e trate. Além disso. elas não garantem a inexistência dos riscos e complicações. privilegiando a reflexão e a crítica em relação aos aspectos particulares do tema na adolescência. fi ca excluído apenas o furo no lóbulo da orelha. São comuns na prática clínica as fl utuações nos referenciais trazidos por . com oscilações e mudanças podem constituir-se em elementos a serem considerados na tomada de decisão para a aderência a um movimento. Os adolescentes costumam. -Pode haver arrependimento ou mudança de idéia? A adolescência é marcada pela procura de identidade e independência. A necessidade de experimentação e o processo de formação de sua identidade. tornou-se um problema. com freqüência. mesmo sob consentimento dos pais.3 LEGISLAÇÃO Não existe regulamentação sobre formação e certifi cação dos profi ssionais que inserem piercings e tatuagens. quando necessário. tipo de grupo ou vestuário. a aplicação de piercings e tatuagens em menores de idade. fi cando mais predispostos às complicações. os piercers (pessoas que inserem os dispositivos) não têm formação específica e aprendem a técnica simplesmente por observação. sabe-se que os estabelecimentos que se destinam a tal fi nalidade apresentam freqüentemente absoluta precariedade.

Deve ser clara e explícita a orientação . ele procura. Após a remoção podem ocorrer: manchas escuras ou claras que em geral são transitórias. muitas vezes provocam hemorragias e cicatrizes hipertrófi cas ou atrófi cas e hipocrômicas. químicos. Para a remoção das tatuagens podem ser utilizados métodos mecânicos. tenha capacidade de percebê-las ou de se preocupar com conseqüências futuras. muitas vezes. O pigmento absorve a luz e a tinta é fragmentada pelo laser em micropartículas que são removidas pelo próprio organismo. identifi cando suas oscilações de gostos e envolvimentos. seu acompanhamento. por vezes. A experiência demonstra que. embora desenvolvidas. Algumas “marcas” podem tornar-se inadequadas nesse “novo” momento e. térmicos. reações alérgicas no local da remoção e casos raros de choque anafi lático. O crescimento e o desenvolvimento conduzem o adolescente a novas posições sociais. A remoção das tatuagens através dos raios laser é o método mais efi caz. indeléveis. escudos de time de futebol. sem que ele. tatuar-se ou aplicar uma tintura em seu cabelo. retirá-la. Em geral são necessários de quatro a seis sessões para a remoção. Inúmeras vezes uma “obra de arte” pode se transformar em uma cicatriz inestética. profundidade e das cores utilizadas na tatuagem. As cores escuras como o azul e preto são as mais fáceis enquanto as mais claras. embora caro. no futuro. .4 adolescentes durante o de tatuagens. postergando eventualmente atitudes intempestivas e. ainda estão distantes de grande parte da população. por vezes. sinais cabalísticos ou uma simples menção ao surf pode virar algo indesejado. atuando sem prejudicar as estruturas de pele ao redor.E se houver complicações? O uso de tatuagens e piercings pode envolver o adolescente em determinadas situações de risco. por exemplo. como o amarelo e o verde. irreversíveis. As cicatrizes são complicações raras. Nomes de namoradas. É interessante que o adolescente perceba-se num momento de experimentações. com seqüelas piores que a própria tatuagem. com a mesma intensidade com que um adolescente deseja. As técnicas de remoção. dependendo do tamanho. cirúrgicos e lasers. as mais difíceis. São tratamentos difíceis.

Contact Dermatites 1994. 12:151-5. VIH en adolescentes: estudio estadístico 1992/97. Endod Dent Traumatol 2000. 5(3):79-82. Argent. American Journal of Contact Dermatitis 2001. Comment On: Dermatology 2003. J Subst Abuse 2001. Youth and tattoos: what school health personnel should know. Moore A. Barbaud A. De Witte AM. Campbell A. Kucenic M. Bosio N. . Rev. J Sch Health 2000. 2. Soc. 9. 33:110-2. Woodring T. Dotterud LK. 16: 232-7. 5. Dessa forma. REFERÊNCIAS 1. Kaise W. Quintessence Int 2002. Ginecol. Robillard A. Tattooing and body piercing among adolescent detainees: relationship to alcohol and other drug use. podendo funcionar como fator de prevenção e proteção de riscos para estes indivíduos.5 ao adolescente sobre todas as potenciais complicações descritas para o procedimento desejado e suas conseqüências a curto e a longo prazo. 206(4): 345-6. Estratégias de redução dos riscos. o fortalecimento do diálogo com os adolescentes constitui aspecto fundamental. Surabian G et al. na adolescência. Tongue piercing: impact of time and barbell stem length on lingual gingival recession and tooth chipping. Belsito DV. independentemente da existência de leis. Oral piercing and gingival recession: review of the literature and a case report. Dibart S. 31: 308-13. De Feo P. Infanto Juvenil 1998. Metal allergy in north Norwegian schoolchildren and relationship with ear piercing and atopy. Schmutz JL. como as orientações de perfurações em partes menos sujeitas a complicações. Williams E et al. Deve haver sensibilização do adolescente aos cuidados específi cos de manutenção. 13(1-2):5-16. podem ser úteis. Erlich A. Tongue piercing and associated oral and dental complications. 6. Brown KM. 73:289-97. McDermott RJ. Doumat F. J periodontol 2002. 70(9): 355-60. Arriola KJ. Basal cell carcinoma in a tattoo. Braithwaite R. Stephens T. educadores e profi ssionais de saúde percepção e postura adequadas. O tema. De Moor RJ. Role of body piercing in the introduction of metal allergies. González P. Pellegrini C. Falk ES. Perlmutter P. 4. 7. 8. 3. De Bruyne MA. exige de pais.

Forster J. Ram D. Braz J Infect Dis 2002. Risk factors for hepatitis C transmission in the Victorian population. 77(3): 341-3. An Bras Dermatol 2002. ASDC J Dent Child 2002. Talhari S. Metal piercing througt the tongue and localized loss of attachment: a case report. Geni Worcman Beznos. Tongue piercing resulting in hypotensive collapse. Horle S. Hardee PS. Reacciones de hipersensibilidad sobre tatuaje: presentación de cinco casos. Hocking J. IN: Manual do Adolescente. Aitken C. Piercing em Tatuagem na adolescência. Hutchinson IL. 72: 831-3. Nishioka SA. MacLean JD.6 10. 15. 99: 200-2. Tattoos and transfusion-transmitted disease risk: implications for the screening of blood donors in Brazil. Malvido KA. Body piercing involving oral sites. Gyorkos TW. Kretchmer MC. 6(4):172-81. 11. Cabrera HN. Mallya LR. Thompson S. 23(6): 622-6. Watson R. Arch Argent Dermatol 2001. 51(6): 27380. Complications following eyebrown piercing. Seção V: Agravos à saúde. 16. Crofts N. 17. 18. 67: 326-9. J AM Dent Assoc 1997. J periodontal 2001. 128: 1017-20. 19. Kuba GB. 188: 657-8. Eczema de contato após tatuagem com black henna: estudo de dois casos. Talhari AC. Aust N Z J Public Health 1999. Moriaty JD. 12. Débora Gejer. 14. Lewis MW. Br Dent J 2002. . Mitchell C. Benito Lourenço. Price SS. 13. Peretz B. Stengel FM. Ophthalmologe 2002. Tongue piercing and insertion of metal studs: three cases of dental and oral consequences.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful