Você está na página 1de 9

Concepção de um Planejamento Estratégico de TIC no Tribunal de Justiça de Sergipe

Andre Fellipe, Klésio Copeland, Márcio Rodrigues, Samir Oliveira, Valmiro Marques

andre.lubambo@hotmail.com, klesio@yahoo.com.br, marciorn5@globo.com, samir@live.se,


valmiro@tj.se.gov.br

Resumo. Neste artigo, apresentaremos uma metodologia de planejamento estratégico baseada no


Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação (PETI). Abordaremos os conceitos de
Tecnologia da Informação (TI) agregando a comunicação ao mesmo. Baseado nisso, apresentaremos
diretrizes para a concepção de um Planejamento Estratégico de TIC e apresentaremos um estudo de
caso no Centro de Tecnologia de Informação do tribunal de Justiça de Sergipe.

1 Introdução

A informação e o conhecimento tornaram-se os principais recursos econômicos para a


competitividade das empresas, criando uma necessidade de valorização, a manutenção e
desenvolvimento nas organizações de forma plena e organizada. [SIQUEIRA, 1999].
A Gestão Estratégica da Informação e a Inteligência Competitiva estão entre os principais
fatores críticos de sucesso nas organizações. A Economia do Conhecimento deslocou o eixo da
riqueza e do desenvolvimento dos setores tradicionais intensivos em mão-de-obra, matéria-
prima e capital para setores intensivos em mentes de obras, comunicação estratégica, tecnologia
da informação e inteligência empresarial. [STAREC e ELISABETH, 2007].
A seguir, estaremos expondo nos capítulos seguintes o Plano Estratégico de Tecnologia da
Informação e comunicação (PETIC) do Tribunal de Justiça do estado de Sergipe (TJ-SE) para os
próximos dois anos, esse documento foi elaborado por alunos do curso de pós-graduação em
Gestão da Tecnologia de informação da Universidade Federal de Sergipe com o propósito de
auxiliar o órgão a atingir a meta de ter um TIC produzindo mais com menos esforço.
A equipe de 05 alunos foi composta por dois funcionários do TJ, o que facilitou o acesso as
informações estruturais, dois não funcionários que terão uma visão externa e dessa forma,
menos tendenciosa, e por último um membro que é prestador de serviços, o que lhe dá uma
visão dos dois mundos citados anteriormente.
1.1 Trabalhos Relacionados

Encontramos alguns trabalhos relacionados à gestão em TI. Um dos principais para


elaboração deste artigo foi o PETIC da USP em Tecnologia de Telecomunicações. O autor
demonstra uma visão geral de um plano estratégico para o plano estratégico em diferentes áreas
de TI definido por sua Coordenadoria de Informação. A metodologia baseou-se na metodologia
de Hax e Majluf do MIT Sloan School of Management. Em [Rezende 2003], aborda algumas
diretrizes de como conceber um Plano de Gerenciamento de TIC de forma genérica.

2 Fundamentos para criação do TIC

Segundo [Rezende 2003], “o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação (PETI) é


o conjunto de ferramentas e técnicas, alinhadas ao Plano Estratégico de negócio, que
possibilitam a definição de estratégias de ação para identificar os “Modelos de Informações
Empresariais” e os “Mapas de Conhecimento” necessários à gestão de toda a organização.

Já para [Beal 2004], “quanto melhor estiveram documentados no PETI os objetivos


permanentes e as iniciativas a eles associadas, menores serão os riscos de que as ações
estabelecidas para a realização dos objetivos estratégicos e das atividades que permitem manter
e aperfeiçoar os serviços já providos pelas áreas de TI tornar-se concorrentes”

3 Estrutura Genérica de um Planejamento Estratégico TIC

A Estrutura para o TIC é composta principalmente por duas partes importantes. A primeira é
a parte da apresentação, que é composta por documentos formais de organização uma
introdução de estudo de caso com o contexto ou cenário atual da organização e o contexto ou
cenário pretendido. A segunda é a parte de desenvolvimento, que envolve as áreas de dados,
software, hardware, gestão com pessoas e a área de telecomunicação.
Apresentação Desenvolvimento
Capa – Nome do PETIC, nome da Dados – banco de dados, backup,
organização, local e data da realização redundância, datawarehouse, segurança
Apresentação Formal da Organização – Hardware – desktop, notebooks, no-
Ramo, atividades, estrutura breaks, aquisição e suporte.
organizacional
Contexto Atual de TIC – resumo atual das Software – Sistemas operacionais,
áreas pesquisadas desenvolvimento, aquisições e
frameworks
Cenário desejado de TIC – resumo dos Gestão com Pessoas – contratação,
cenários desejados salários, treinamentos, ergometria,
cargos e avaliação de desempenho
Resumo do Projeto – trata da Telecomunicação – Voip, backbones,
metodologia que foi aplicada pontos de acesso, segurança em rede,
radio, TV, blogs.
Tabela 1 – Estrutura Genérica do TIC

4 Estudo de Caso: TIC do Tribunal de Justiça de Sergipe

Realizamos um estudo de caso no Setor de Tecnologia de Informação do TJ-SE, onde a


primeira fase foi de identificação e análise para determinação do estado desejado. Através de
visitas dos membros do grupo elaboradores do TIC, fizemos o levantamento dos dados de
Hardware e softwares como também a parte de Recursos com pessoas e telecomunicações.

4.1 Cenário atual de Dados

Atualmente o TJ/SE possui um ambiente de dados heterogêneo, envolvendo diversos SGBDs


(Caché, Oracle, PostGreSQL e MySQL) devido às necessidades específicas de cada
sistema/solução.

4.2 Cenário Desejado dos Dados


Utilização do Google Appliance para consolidação dos dados/informações existentes em
todos os SGBDs e pastas compartilhadas do TJ/SE, de forma segura e rápida (provida pela
autenticação integrada com LDAP e pela indexação em texto - respectivamente) semelhante à
interface da ferramenta de busca do Google, permitindo assim uma integração dessas
informações melhorando assim a disponibilidade das mesmas para os usuários.

4.3 Cenário Atual de Infra-estrutura

O cenário atual dispõe de uma estrutura totalmente redundante.


Fisicamente esta estrutura dispõe de 35 servidores distribuídos em 02 Rack, padrão 19”, que
estão condicionados dentro de uma sala cofre, que possui condicionadores de ar, no-breaks e
geradores, todos com redundância para prover alta disponibilidade para todo o ambiente.
Para prover a comunicação entre o prédio principal do TJ/SE, todos os Fóruns e sites
remotos, a Infra-estrutura de rede provê uma malha de fibra óptica que abrange toda a Grande
Aracaju (Aracaju, Nossa Senhora do Socorro e São Cristóvão) com redundância de rede Wireless
Wimax. Já a comunicação com os Fóruns do interior do Estado é feita por meio links frame-relay.

4.4 Cenário Desejado de Infra-estrutura

Para os próximos anos está prevista a criação de um site backup, que vai acomodar toda a
redundância que atualmente está localizada no prédio principal do TJ/SE e futuramente estará
disposta no Fórum Gumercindo Bessa, desta forma todo o ambiente estará replicado em 02
localidades geográficas, o que proverá uma maior tolerância à falhas já que caso toda a estrutura
de um dos prédios fique indisponível, todos os serviços estarão disponível a partir da estrutura
do outro prédio.
A malha de fibra óptica será expandida para todos os Fóruns do interior do Estado.

4.5 Cenário Atual de Pessoas

A Secretaria de Tecnologia de Informação (STI) do TJ é a denominação que é dada ao centro


de desenvolvimento tecnológico. Devido à grande área de desenvolvimento que é composto o
Tribunal de Justiça, a STI apresenta em seu organograma cinco diretorias com suas respectivas
divisões.
 Secretaria de Apoio
 Diretoria de Desenvolvimento de Sistemas
o Divisão de Sistemas do 1º grau
o Divisão de sistemas de Juizados Especiais
o Divisão de Sistemas do 2º grau
 Diretoria de Sistemas de Gestão Organizacional
o Divisão de Portal Corporativo
o Divisão de sistemas de Auxílio Jurisdicional
o Divisão de sistemas Administrativos
o Divisão de Homologação de Sistemas
 Diretoria de Produção e Suporte
o Divisão de Redes
o Divisão de Banco de Dados
o Divisão de Telefonia
o Divisão de Logística
 Diretoria de Atendimento ao Usuário
o Divisão de Atendimento de Capital
 Núcleo de Informática Forum Gumercindo Bessa
o Divisão de Atendimento do Interior
o Divisão de Manutenção de Equipamentos.

4.6 Cenário Desejado de Pessoas

A criação da Divisão de Monitoramento, que será responsável pelo acompanhamento 24h


por dia, 07 dias por semana, do status de todos os servidores e sistemas/soluções atreladas aos
mesmos, bem como de toda rede e elementos ativos do TJ/SE.
Esta nova divisão estará subordinada à Diretoria de Produção e Suporte.

4.7 Cenário Atual dos Softwares

São responsáveis pela revisão e manutenção corretiva e adaptativa dos sistemas existentes e
pela definição e elaboração de novos projetos de desenvolvimento de sistemas, em
conformidade com os procedimentos definidos pela Secretaria de Informática.
I – Acompanhar a atividade de manutenção e testes funcionais dos aplicativos
desenvolvidos internamente pelo Poder Judiciário,

II - Promover a coesão de todas as fases afins bem como a íntegra e pronta


disponibilidade dos serviços de análise de sistemas, programação e documentação técnica.

III - Proceder às manutenções adaptativas e corretivas nos sistemas;

IV - Testar a funcionalidade e a operabilidade dos sistemas desenvolvidos

V - Controlar as versões dos aplicativos desenvolvidos pelo Poder Judiciário;

VI - Auxiliar no treinamento de usuários, quando da implantação de novos sistemas


ou rotinas;

VII - Acompanhar os testes funcionais;

VIII - Executar outras atividades que se incluam no âmbito de sua competência.

A Diretoria de Desenvolvimento de Sistemas tem como principais produtos os


sistemas/soluções a seguir, acompanhados das divisões responsáveis pelos mesmos.
 Divisão de Sistemas do 1º Grau
o Sistema de Controle Processual do Primeiro Grau
o Aplicativos do TJNET
o Sistema de Agendamento de Perícia
o Sistema de Certidão Negativa On-line
 Divisão de Sistemas de Juizados Especiais
o Sistema de Juizados Especiais
o Sistema de Gerenciamento de Projetos
 Divisão de Sistemas do 2º Grau
o Sistema de Controle Processual do Segundo Grau
o Programa de Administração de Medidas e Penas Alternativas
o Sistema da Vara de Execuções Criminais
o Sistema do Juizado da Infância e Juventude
A Diretoria de Sistemas de Gestão Organizacional tem como principais produtos os
sistemas/soluções a seguir, acompanhados das divisões responsáveis pelos mesmos.
 Portal da Corregedoria
 Sistema Acadêmico da ESMESE
 Sistema de Help Desk
 Catálogo de Informações Telefônicas
 Divisão de Sistemas de Auxílio Jurisdicional
o Sistema de Controle de Certidões
o Sistema de Arrecadação de Cartórios Extrajudiciais
o Sistema de Selos
o Sistema de Custas e Depósito Judicial
o Sistema de Protocolo do Arquivo Judiciário
o Revista ON-LINE
o Sistema de Controle de Atos e Publicações
o Sistema de Estágios
 Divisão de Sistemas Administrativos
o Sisap - Auditoria Pública do TCE.
o Sisprev - Previdencia do IPES,
o Manad - Manual Normativo de Arquivos Digitais
o SEFIP - Informações para a Previdência da CAIXA
o SPAC - Auditoria de Custos do TJSE
o ERP - Financeiro, Protocolo, Patrimonio, Contabilidade
o Mentorh - Pessoal

4.8 Cenário Desejado dos Softwares

Os itens a seguir foram estipulados como metas para os próximos 02 anos.


 Execução Fiscal Virtual;
 Numeração única de processo;
 Virtualização do Sistema de Primeiro Grau;
 Unificação dos Sistemas Processuais (Primeiro Grau/Juizados/Segundo Grau/ Vara de
Execuções Criminais/Infancia e Juventude/Administração de Medidas e Penas Alternativas);
 Transformar-se numa fábrica de Software disseminando soluções para todas as unidades da
Federação;
 Ampliar, para todos os estados, o acordo de cooperação de tecnologia já existente entre
Sergipe e Bahia;

5 Conclusões
O estudo do ambiente do Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe, para a realização deste
documento foi válido para o entendimento da importância do PETIC na gestão de ambientes de
TI. Outra contribuição importante é na organização dos planos de crescimento para os próximos
02 anos do TJ/SE, que fará uso deste documento no seu planejamento estratégico.

6 Referências

SIQUEIRA, Marcelo Costa. Gestão Estratégica da Informação: Como Transformar o Contudo


Informacional em Conhecimento Valioso. 1. ed. São Paulo: Brasport, 1999. v. 1. 1 p.

STAREC e ELISABETH, Gestão Estratégica da Informação e a Inteligência Competitiva


Acessado dia 22/06/2009 - Disponível em:
http://www.administradores.com.br/livros/gestao_estrategica_da_informacao_e_a_inteligencia_
competitiva/213

REZENDE, D. A. Planejamento de Sistemas de Informação e Informática: guia prático para planejar


a tecnologia da informação integrada ao planejamento estratégico das organizações - 2ª Edição -
São Paulo: Atlas, 2007. v. 1. 171 p.

POSSI, Marcus. Gerenciamento de ProjetosV.3: Guia do Profissional – Fundamentos Técnicos -


Editora Brasport
Acessado dia 22/06/2009 - Disponível em:
http://books.google.com/books?id=n7MmLfAUpA4C&lr=&hl=pt-BR&source=gbs_navlinks_s
TURBAN, Efraim; WETHERBE, James C.; MCLEAN, Ephraim. Tecnologia da Informação:
Transformando os Negócios na Economia Digital - Edição 3 - Editora Bookman
Acessado dia 24/06/2009 - Disponível em:
http://books.google.com/books?id=d5ekddxquNYC&printsec=frontcover&lr=&hl=pt-BR

MARQUES, Gilda da Costa; CARVALHO, Tereza Cristina M. B. Planejamento estratégico para TI na


USP - Livraria da Fisica, 2007
Acessado dia 24/06/2009 - Disponível em:
http://books.google.com/books?id=oTAL1Joei1MC&printsec=frontcover&hl=pt-BR