Você está na página 1de 13

CEFET-MG 1/13

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS


Lab. CICUITOS ELETRICOS 1ºSem - 2009 prof.: J. C. Scotti

TRANSIENTES EM CORRENTE CONTINUA: Circuito RC (Resistor Capacitor)

• Objetivos:
• Analisar o comportamento do Circuito RC.
• Identificar um do Circuito RC.
• Aplicar as equações; da tensão, corrente e da carga, em função
do tempo
• Representar graficamente o comportamento do Circuito RC.
• Identificar a constate de tempo RC.
• Identificar o tempo de carga.
• Identificar o tempo de descarga
• Levantar o gráfico da tensão no capacitor.
• Utilizar os equipamentos básicos disponíveis no laboratório.
• Medir, corretamente, parâmetros do Circuito RC.

Considerações Gerais

CAPACITOR

Dispositivo que armazena carga elétrica, energia eletrostático, também


conhecido como condensador. Consistem em dois condutores, placas,
isoladas um das outras por um dielétrico. O modelo tradicional e didático
de se apresentar um capacitor é o capacitor de placas paralelas. Nesse
modelo, duas placas condutoras paralelas (armaduras) são aproximadas a
uma pequena distância; ao serem submetidas a uma diferença de
potencial, o capacitor se carrega, com cargas positivas sendo acumuladas
em uma placa e cargas negativas sendo acumuladas na outra. Embora
haja um dielétrico entre as placas e elas não cheguem a se encostar, a
atração entre as cargas positivas e negativas faz com que surja uma
corrente elétrica no circuito. A quantidade de carga acumulada depende
da área das placas e da distância de separação, sendo diretamente
proporcional à diferença de potencial. O valor da capacitância implica na
velocidade de carga e descarga de um capacitor em um determinado
circuito e é medida em Coulomb por volt, unidade denominada Farad (F).

O capacitor possui funções importantes, como filtrar sinais, estabilizar


tensões, fazer desacoplamento de corrente contínua e fazer circuitos
osciladores. Em instalações elétricas comerciais e industriais, um banco
contendo vários capacitores em paralelo é utilizado para corrigir o baixo
fator de potência da instalação, geralmente causado por excesso de
motores; os motores possuem características indutiva, oposta e que pode
ser anulada pela capacitância. Podem ser encontrados no mercado
capacitores de diversos materiais; cerâmica, tântalo, poliéster,
policarbonato, polipropileno, poliestireno ou alumínio; seu tamanho,
constante dielétrica e capacitância são alguns fatores que influenciam seu
preço.

Devido ao fato de cada placa armazenar cargas iguais, porém opostas, a


carga total no dispositivo é sempre zero.
CEFET-MG 2/13
CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS
Lab. CICUITOS ELETRICOS 1ºSem - 2009 prof.: J. C. Scotti

Quando uma diferença de potencial V é aplicada às placas deste capacitor


simples, surge um campo elétrico entre elas. Este campo elétrico é
produzido pela acumulação de uma carga nas placas.

Capacitância

A propriedade que estes dispositivos têm de armazenar energia elétrica


sob a forma de um campo eletrostático é chamada de capacitância (C) e é
medida pelo quociente da quantidade de carga (Q) armazenada pela
diferença de potencial ou voltagem (V) que existe entre as placas:

Pelo Sistema Internacional (SI), um capacitor tem a capacitância de um


Farad (F) quando um Coulomb de carga causa uma diferença de potencial
de um Volt (V) entre as placas. O Farad é uma unidade de medida
considerada muito grande para circuitos práticos, por isso, são utilizados
valores de capacitâncias expressos em microfarads (μF), nanofarads (nF)
ou picofarads (pF).

Energia

A energia (no SI, medida em Joules) armazenada em um capacitor é igual


ao trabalho feito para carregá-lo. Considere um capacitor com
capacitância C, com uma carga +q em uma placa e -q na outra. Movendo
um pequeno elemento de carga dq de uma placa para a outra contra a
diferença de potencial V = q/C necessita de um trabalho dW:

Nós podemos descobrir a energia armazenada em um capacitor


integrando essa equação. Começando com um capacitor descarregado
(q=0) e movendo carga de uma placa para a outra até que as placas
tenham carga +Q e -Q, necessita de um trabalho W:
CEFET-MG 3/13
CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS
Lab. CICUITOS ELETRICOS 1ºSem - 2009 prof.: J. C. Scotti

Os elétrons das moléculas mudam em direção à placa da esquerda


positivamente carregada. As moléculas então criam um campo elétrico do
lado esquerdo que anula parcialmente o campo criado pelas placas. (O
espaço do ar é mostrado para maior clareza; em um capacitor real, o
dielétrico fica em contato direto com as placas.)

Circuito elétrico

Os elétrons não podem passar diretamente através do dielétrico de uma


placa do capacitor para a outra. Quando uma voltagem é aplicada a um
capacitor através de um circuito externo, a corrente flui para uma das
placas, carregando-a, enquanto flui da outra placa, carregando-a,
inversamente. Em outras palavras, quando a voltagem ou tensão que flui
por um capacitor muda, o capacitor será carregado ou descarregado. A
fórmula corrente é dada por

Onde I é a corrente fluindo na direção convencional, e dV/dt é a derivada


da voltagem ou tensão, em relação ao tempo.

Na figura 1 esta representado um circuito para a carga e descarga do


Capacitor C. Com a chave na posição 1 o capacitor adquire carga da fonte
de energia até atingir o mesmo valor da tensão da fonte, tempo de carga,
este tempo depende do valor de C e de R1. Com a chave na posição 2 o
capacitor retém a carga, teoricamente mandem a mesma carga Q e a
mesma tensão Vc. Com a chave na posição 3 o capacitor entra na fase de
descarga, transferindo a sua energia para o resistor R2, funcionando como
uma fonte de energia.

Figura 1 – representação de um circuito para a carga e descarga do Capacitor C.


CEFET-MG 4/13
CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS
Lab. CICUITOS ELETRICOS 1ºSem - 2009 prof.: J. C. Scotti

Dados : C = µF, R1 = Ω , R2 = Ω ; E= V

1) Exercício Proposto
Para o circuito representado na figura 1:
a) No tempo t=0 a chave foi colocada na posição 1, fase de carga do
capacitor, pede-se:
- Expressão matemática da tensão Vc e da corrente ic
- Utilizando a Expressão matemática e/ou a curva universal de
constantes de tempo, preencha a tabela
Valores de 0RC 1RC= 2RC= 3RC= 4 RC= 5 RC= 6 RC= 7RC= 8RC=
t(s)=
Valores de 0RC
Vc (V)
0RC
Valores de ic
(A)

- Esboce a curva de carga da tensão VC do capacitor.

- Esboce a curva de carga da corrente ic do capacitor.

b) No tempo t=0’ a chave foi colocada na posição 3, fase de descarga


do capacitor, pede-se:
- Expressão matemática da tensão Vc e da corrente ic
- Utilizando a Expressão matemática e/ou a curva universal de
constantes de tempo, preencha a tabela

Valores de 0RC 1RC= 2RC= 3RC= 4RC= 5RC= 6RC= 7RC= 8RC=
t(s)=

Valores de
Vc (V)
Valores de
ic (A)

- Esboce a curva de descarga da tensão VC do capacitor.


CEFET-MG 5/13
CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS
Lab. CICUITOS ELETRICOS 1ºSem - 2009 prof.: J. C. Scotti

- Esboce a curva de descarga da corrente ic do capacitor.

Montagem:

Monte o circuito correspondente a figura 1. Com um voltímetro


conectado aos terminais do capacitor e um cronometro de segundos,
preencha a tabela.
a) No tempo t=0s a chave deve ser colocada na posição 1.

Tempo em
0.0 15 30 45 60 75 90 105 120 135 150 165
segundos(s)

Vc (V)

b) Levar a chave para a posição 2 considere este momento como um


tempo t=0s e preencha a tabela

Tempo em
0.0 15 30 45 60 75 90 105 120 135 150 165
segundos(s)

Vc (V)

– Com os dados do item a) esboce a curva de carga da tensão VC do


capacitor, e no mesmo gráfico com os dados do item b) esboce a curva
de descarga da tensão VC do capacitor.

0 30 60 90 120 150 180 0 30 60 90 120 150 180 210

C (F) * V(V) =Q(C)


( )
CEFET-MG 6/13
CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS
Lab. CICUITOS ELETRICOS 1ºSem - 2009 prof.: J. C. Scotti

)
) = )
CEFET-MG 7/13
CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS
Lab. CICUITOS ELETRICOS 1ºSem - 2009 prof.: J. C. Scotti

TRANSIENTES EM CORRENTE CONTINUA: Circuito RL (Resistor Indutor)

• Objetivos:
• Analisar o comportamento do Circuito RL.
• Identificar um do Circuito RL.
• Aplicar as equações; da tensão, corrente e da carga, em função
do tempo
• Representar graficamente o comportamento do Circuito RL.
• Identificar a constate de tempo RL.
• Identificar o tempo de carga.
• Identificar o tempo de descarga
• Levantar o gráfico da tensão no indutor.
• Utilizar os equipamentos básicos disponíveis no laboratório.
• Medir, corretamente, parâmetros do Circuito RL.

Considerações Gerais

FARADAY, Michael (1791-1867), físico e químico britânico, conhecido por suas


descobertas sobre o fenômeno da indução eletromagnética (Lei de Faraday da
Indução Eletromagnética – LFIEM -1831). Observou que em torno de um ímã
existe um campo magnético e havendo um movimento relativo entre o campo
e um condutor elétrico, ou seja, sob a ação do campo magnético, cria-se no
condutor uma corrente elétrica. Estava descoberta a geração de corrente
elétrica em um condutor em movimento no interior de um campo magnético.
Faraday observou também que em torno de um condutor conduzindo uma
corrente elétrica também surgia um campo magnético.
Com o objetivo de reforçar, de fortalecer o campo magnético, surgiram as
bobinas que são formadas por um fio de material condutor enrolado em torno
de um eixo central. A passagem de corrente através de cada uma das espiras
da bobina cria um campo, ocorre um inter-relacionamento entre estes campos,
uma interação, uma influência mútua, de uma espira com o das outras
espiras, e vice-versa, ou seja, induzindo e sendo induzido, resultando no efeito
da chamada indutância e indutância mútua.
A descoberta da indução e da indução mútua serviu para o desenvolvimento
dos transformadores, (conversores tensão-corrente), e do gerador elétrico
rotativo, (conversor de energia mecânico em energia elétrica).

INDUTOR, INDUTÂNCIA E INDUÇÃO

Indutor é uma denominação genérica de diferentes dispositivos capazes


de armazenar energia sob forma magnética. A indutância e indução é o
ato ou efeito de induzir
Uma bobina é constituída de fios de material condutor; cobre alumínio, ou
outro material, enrolado em torno de um eixo central, Tipicamente um indutor
combina o efeito de varias voltas em torno de um eixo, em um suporte inerte,
podendo ter núcleo de material ferromagnético. A corrente elétrica circula pelas
voltas (loops) formando uma indutância que se opõe à variação, (crescimento
CEFET-MG 8/13
CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS
Lab. CICUITOS ELETRICOS 1ºSem - 2009 prof.: J. C. Scotti

ou queda) da corrente é atrasa, retardada pela ação da força contra-


eletromotriz que surge nas espiras.
Para representar o Indutor utilizar-se-á um modelo onde os parâmetros se
apresentam de forma concentrada dividido na parte indutiva e na resistiva:
• Toda a parte indutiva concentrada, qualificada, quantificada em um único
local ou de formal pontual, correspondendo a uma indutância pura.
• Toda a parte resistiva concentrada, qualificada e quantificada em um único
local ou de formal pontual, correspondendo a uma resistência pura,
correspondendo à resistência do fio utilizado na confecção da bobina, em
serie com a indutiva.

Figura 0 – Representação de um Indutor, parâmetros concentrado,


parte indutiva pura L, em serie com a resistiva pura r.

Energia

A energia (no SI, medida em Joules) armazenada na forma magnética em


um indutor é igual ao trabalho feito para carregá-lo.
A energia pode ser determinada por:
L I2
Circuito elétrico

As expressões matemáticas para tensão e corrente em um Indutor, sob


vários aspectos são semelhantes às do circuito RC. Na figura 1 esta
representado um circuito para a carga de um indutor L . Quando a chave
é fechada, inicia-se o processo de carga, a corrente iL parte de zero e
cresce, exponencialmente, curva {1- até o final do transitório e
inicio do regime permanente ou estacionário, onde o valor da corrente no
indutor (iL) atingi iL = , ou seja, deste ponto em diante o indutor
comporta-se como um curto-circuito. a constante de tempo ( ) pode ser
obtida por:

O tempo de carga depende do valor de e dura um período de cinco


constantes de tempo. Tem-se que as expressões matemáticas para
corrente é:

E a da tensão:
CEFET-MG 9/13
CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS
Lab. CICUITOS ELETRICOS 1ºSem - 2009 prof.: J. C. Scotti

Dados: L = mH, R1 = Ω, r= Ω ; E= V

Figura 1 – representação de um circuito para a carga do indutor L.

1. Exercício Proposto
Para o circuito representado na figura 1:
c) No tempo t=0 a chave foi fechada, fase de carga do indutor, pede-
se:
- Expressão matemática: de , da corrente e da tensão .
- Utilizando a Expressão matemática e/ou a curva universal de
constantes de tempo, preencha a tabela
Valores de 0R/L 1 R/L 2 R/L 3 R/L 4 R/L 5 R/L 6 R/L 7R/L 8R/L
t(s)=
Valores de 0R/L
(A)

Valores de 0R/L
(V)

- Esboce a curva de carga da corrente .

- Esboce a curva de carga da tensão .

Na figura 2 esta representado um circuito para a carga e descarga de um


indutor L, quando a chave é fechada, fase de carga, a tensão no resistor
R2 é E volts e o ramo RL se comporta de modo semelhante ao da figura 1.
CEFET-MG 10/13
CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS
Lab. CICUITOS ELETRICOS 1ºSem - 2009 prof.: J. C. Scotti

Dados: L = mH, R1 = Ω , R2 = Ω r= Ω ; E= V

Figura 2 - circuito para a carga e descarga de um indutor L, fase de carga.

Depois que o estado estacionário é atingido, a chave pode ser aberta,


inicia-se o processo de descarga, o resistor R2 oferece um caminho para a
corrente conforme representado na figura 3.

Dados: L = mH, R1 = Ω , R2 = Ω r= Ω ; E= V

Figura 3 - circuito para a carga e descarga de um indutor L, fase de descarga

A corrente iL no indutor não pode variar instantaneamente. A corrente iL


mantém os mesmos valor e sentido E/(R1+r) e:

Que é maior que E. Assim, quando a chave é aberta, a tensão no indutor


troca de polaridade mudando de E para -E 1+R2/(R1+r)}. Como o passar
do tempo, a indutância vai se descarregando e o tempo de descarga
depende do valor de e dura um período de cinco constantes de tempo.
CEFET-MG 11/13
CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS
Lab. CICUITOS ELETRICOS 1ºSem - 2009 prof.: J. C. Scotti

A constante de tempo ( ) pode ser obtida por:

Tem-se que as expressões matemáticas para corrente é:

E a da tensão:

2. Exercício Proposto
Para o circuito representado na figura 2:

No tempo t=0’ a chave foi aberta, fase de descarga do indutor,


pede-se:
- Expressão matemática: de , da corrente e da tensão .
- Utilizando a Expressão matemática e/ou a curva universal de
constantes de tempo, preencha a tabela
Valores de 0R/L 1 R/L 2 R/L 3 R/L 4 R/L 5 R/L 6 R/L 7R/L 8R/L
t(s)=
Valores de 0R/L
(A)

Valores de 0R/L
(V)

- Esboce a curva de carga da corrente .

- Esboce a curva de carga da tensão .

3. Exercício Proposto
Para o circuito representado na figura 2, mantendo o mesmo valor dos
componentes, exceto R2 = Ω:

No tempo t=0’ a chave foi aberta, fase de descarga do indutor,


pede-se:
CEFET-MG 12/13
CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS
Lab. CICUITOS ELETRICOS 1ºSem - 2009 prof.: J. C. Scotti

- Expressão matemática: de , da corrente e da tensão .


- Utilizando os seu conhecimentos, preencha a tabela
Valores de 0R/L 1 R/L 5 R/L 6 R/L 7R/L
t(s)=
Valores de 0R/L
(A)

Valores de 0R/L
(V)

- Esboce a curva de carga da corrente .

- Esboce a curva de carga da tensão .

Montagem:

1. Monte o circuito da figura 3. Com um osciloscópio capture a forma de


onda da fase de carga. Compare o resultado obtido no Exercício
Proposto 1.

2. Com um osciloscópio capture a forma de onda da fase de descarga.


Compare o resultado obtido no Exercício Proposto 2.

3. Com um osciloscópio capture a forma de onda da fase de descarga.


Compare o resultado obtido no Exercício Proposto 3.
CEFET-MG 13/13
CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS
Lab. CICUITOS ELETRICOS 1ºSem - 2009 prof.: J. C. Scotti

Anexo A - Curvas universais de constante de tempo