Você está na página 1de 8

Química Inorgânica Experimental Profa.

Fátima Reymão

6. REAÇÕES DE OXIDAÇÃO E REDUÇÃO

6.1. Objetivos
• Familiarização com reações redox, de fácil demonstração experimental.
• Demonstrar, experimentalmente, os princípios úteis à compreensão dos
fenômenos de oxi-redução.

6.2. Considerações gerais


A definição original de “oxidação” afirmava tratar-se de uma reação na qual um
elemento reage com o oxigênio e é convertido a um óxido.

Exemplo: Ca + ½O2 → CaO

A “redução” originalmente significou a reação inversa, ou seja, um óxido de um metal


foi convertido a um metal.

Exemplo: CaO + H2 → Ca + H2O

Ambos os termos foram generalizados e expressos em termos de transferência de


elétrons e mudança no número de oxidação.

Transferência de elétrons
O ganho de elétrons por uma espécie química é chamado de redução e a sua
perda é denominada de oxidação.

Exemplo: Ca + Cl2 → CaCl2 (há transferência total de elétrons)

O processo em comum é chamado de reação redox.


A espécie que fornece elétrons é o agente redutor (ou “redutor”). Ex. Ca
A espécie que remove elétrons é o agente oxidante (ou “oxidante”). Ex. Cl2

Nas reações: 2H2(g) + O2(g) → 2H2O(l)

C(g) + O2(g) → CO2(g) , ocorrem transferência parcial de elétrons.

H2O e CO2 são substâncias covalentes, em que os elétrons das ligações são
compartilhados entre os átomos que se ligam em cada molécula. Essas reações são
consideradas de redox, uma vez que houve alteração nos números de oxidação dos
elementos envolvidos.
Número de oxidação de um átomo é um número que descreve seu estado relativo de
oxidação e redução. Não indica, portanto, uma carga iônica real. Não possui significado
físico preciso, são muito úteis, não só para reconhecer as reações redoxes, como para
balanceá-las e, muito importantes para a sistematização do estudo das propriedades
das substâncias.
A transferência de elétrons é freqüentemente acompanhada pela transferência
de átomos e é algumas vezes difícil se determinar de onde os elétrons vêm ou para

28
Química Inorgânica Experimental Profa. Fátima Reymão

onde vão. Deste modo, é mais seguro – e mais simples – analisar as reações redoxes
utilizando uma série de regras formais expressas em termos de número de oxidação.
Assim, oxidação corresponde a um aumento no número de oxidação de um elemento e
redução corresponde a um decréscimo no número de oxidação.

Uma reação redox é uma reação química na qual há mudança no número de oxidação
de no mínimo um dos elementos envolvidos.

Desproporcionamento: uma reação redox em que um mesmo elemento sofre


simultaneamente oxidação e redução. Portanto, um desproporcionamento é uma
reação do tipo:
A → B + C,
em que, A, B e C são espécies de um mesmo elemento e em que, forçosamente, o
número de oxidação da espécie A é intermediário entre os da espécie B e C.

Reações inversas de desproporcionamento são aquelas do tipo:


D + E → F,
em que D, E e F são espécies de um mesmo elemento e em que, necessariamente, o
número de oxidação da espécie F é intermediário entre os das espécies D e E.
Essas reações podem também serem chamadas de comproporcionamento.

De acordo com a teoria moderna, uma corrente elétrica consiste no transporte de


elétrons. É possível, experimentalmente, observar a passagem de corrente elétrica em
reações redox montando-se uma célula galvânica (uma célula eletroquímica na qual
uma reação química é usada para gerar uma corrente elétrica).

Também se pode prever, teoricamente, mediante breves cálculos numéricos, que


utilizam valores de potenciais padrão ou potenciais de redução padrão, Eo, se
determinada reação química é espontânea.
Exemplo: Conhecidos os potenciais padrão de semi-reação
Zn2+(aq) + 2e- → Zn(s) E0 = - 0,76 Volt
Cu2+(aq) + 2e- → Cu(s) E0 = 0,34 Volt
Verificar se a reação
Zn(s) + Cu2+(aq) → Zn2+(aq) + Cu(s) é espontânea.

O potencial da reação total, sob condições padrão, é chamado de potencial padrão de


célula, Eo, e é determinado pela diferença dos dois potenciais padrão das duas semi-
reações de redução, dentro da qual a reação total pode ser dividida. Seu valor é de 1,1
V. Assim:
EΘpilha = EΘCu - EΘZn
EΘpilha = 0,34 +0,76
EΘpilha = 1,1 V

A teoria das reações redox oferece possibilidades de estudos experimentais os


mais variados. São de grande utilidade para trabalhos de pesquisa envolvendo estudos
quantitativos sobre volumetria oxi-redox, eletrólise e potenciometria.

29
Química Inorgânica Experimental Profa. Fátima Reymão

A série eletroquímica
Lista contendo alguns valores de E° a 25°C (tabela 6.1) e organizada da
seguinte maneira:
• O par Ox/Red com valor de E° fortemente positivo [O x é fortemente
oxidante]
• O par Ox/Red com valor de E° fortemente negativo [R ed é fortemente
redutor]

Tabela 6.1 Potenciais padrão de redução selecionados a 25°C ( em meio ácido)


Par E°/V
H2O2(aq) + 2H (aq)+ 2e → 2H2O(l)
+ -
1,78
IO4 (aq) + 2H (aq) + 2e → IO3 (aq) + H2O(l)
- + - -
1,60
BrO3 (aq) + 6H (aq) + 5e → 1/2Br2 + 3H2O(l)
- + -
1,52
MnO4 (aq) + 8H (aq) + 5e → Mn (aq) + 4H2O(l)
- + - 2+
1,51
Cl2(g) + 2e → 2Cl (aq)
- -
1,36
Br2(g) + 2e → 2Br (aq)
- -
1,06
O2(g) + 2H + 2e → H2O2(aq)
+ -
0,68
I2(aq) + 2e → 2I (aq)
- -
0,53
Cu (aq) + 2e → Cu(s)
2+ -
0,34
S4O6 (aq) + 2e → 2S2O3 (aq)
2- - 2-
0,08
2H (aq) + 2e → H2(g)
+ -
0
Fe (aq) + 2e → Fe(s)
2+ -
- 0,44
Zn2+ (aq) + 2e- → Zn(s) - 0,76
Al (aq) + 3e → Al(s)
3+ -
- 1,68
Ca (aq) + 2e → Ca(s)
2+ -
- 2,86
Li (aq) + e → Li(s)
+ -
- 3,04

Uma importante característica da série eletroquímica é que o membro reduzido de


um par tem uma tendência termodinâmica a reduzir membro oxidado de qualquer par
que se encontre acima na série. Em outras palavras:
• Espécies oxidadas com potenciais padrão altamente positivos são agentes
oxidantes fortes.
• Espécies reduzidas com potenciais altamente negativo são fortes agentes
redutores
Nos dois casos, a classificação refere-se ao aspecto termodinâmico da reação, isto é,
sua espontaneidade e não a sua velocidade.

6.3. Parte experimental


Evidências de reações de oxi-redução
Procedimento 1
• Em tubo de ensaio, adicione 1 mL de solução de brometo de potássio 0,1 M;
junte agora, gota a gota, água de cloro e observe o tingimento que se produz na
solução. Para efeito de comparação use figura 6.1.

30
Química Inorgânica Experimental Profa. Fátima Reymão

Fig.6.1. Etapas do procedimento 1. Tubo 1, solução de KBr. Tubo 2, solução de KBr após adição de água de cloro onde se
observa um tingimento fracamente amarelado em virtude da formação de bromo aquoso.

Procedimento 2
• Em tubo de ensaio, adicione 1 mL de solução de brometo de potássio 0,1M;
junte agora, 1 mL de solução de bromato de potássio 0,1M e agite o tubo;
acrescente gota a gota, solução de ácido clorídrico 1:5 até que se produza
coloração.

Fig.6.2. Etapas do procedimento 2. Tubo 1, solução de KBr. Tubo 2, solução do tubo 1 após adição de solução de KBrO3. Tubo 3,
solução do tubo 2 após adição de HCl onde se observa uma coloração amarelada em virtude da formação de bromo aquoso.

Procedimento 3
• Em tubo de ensaio adicione 3 mL de solução de água oxigenada a 6%(ou 20
volumes) e acrescente pequena porção de dióxido de manganês (cuidado!).
Observe. Para efeito de comparação use figura 6.3.

Fig.6.3. Reação de decomposição do H2O2.

Procedimento 4
• Em tubo de ensaio, adicione 0,5 mL de solução de iodo 0,1 M e dilua ainda mais
com água destilada até quase descoramento da solução; junte agora, 2 gotas de
solução de amido até que se produza intensa coloração azul-acinzentada. E

31
Química Inorgânica Experimental Profa. Fátima Reymão

agite o tubo; acrescente aos poucos, solução de tiossulfato de sódio até


descoramento da solução. Para efeito de comparação use figura 6.4.

Fig.6.4. Etapas do procedimento 4. Tubo 1, solução de iodo diluída. Tubo 2, solução do tubo 1 na presença do amido. Tubo 3,
solução do tubo 2 após adição da solução de Na2S2O3.

Procedimento 5
• Em tubo de ensaio, adicione 5 mL de solução milimolar de sulfato de manganês
(II), e acidifique com 1 mL de ácido sulfúrico 1:4; junte agora pequena porção de
metaperiodato de potássio(KIO4); aqueça a mistura, suavemente e depois, mais
fortemente, até o desenvolvimento de uma intensa coloração vermelho-violácea.
Para efeito de comparação use figura 6.5.

Fig.6.5. Etapas do procedimento 5. Tubo 1, solução de MnSO4 . Tubo 2, solução do tubo 1 acidificada. Tubo 3, solução do tubo 2
após adição de KIO4 e aquecimento. A coloração vermelha-violácea é indicativa da formação do ácido permangânico.

Procedimento 6
• A uma solução de sulfato de cobre(II) 0,1 M, contida em tubo de ensaio, adicione
um prego limpo e deixe em repouso até que se observe descoramento da
solução e tingimento em vermelho no ferro. Para efeito de comparação use figura
6.6.

32
Química Inorgânica Experimental Profa. Fátima Reymão

Fig. 6.6. Etapas do procedimento 6. A) Um prego mergulhado numa solução de CuSO4. B) Depósito de Cu na superfície do ferro.

Montagem de uma célula galvânica.


Procedimento 7
• Tome uma lâmina de cobre e outra de zinco, ambas com dimensões de 1x3 cm,
e conecte fios condutores de cobre através de pequeno orifício existente em
cada lamina. Em béquer de 100 mL coloque 30 mL de solução de sulfato de
cobre(II) 1 M e em outro béquer de mesma capacidade 30 mL de solução de
sulfato de zinco(II) 1 M; ligue as duas soluções através de um tubo em U
contendo solução de cloreto de potássio. .As extremidades do tubo em U devem
ser vedadas com um pequeno chumaço de algodão. Conecte a célula formada
um voltímetro para medir a voltagem. Observe figura 6.7.

Fig. 6.7. Célula galvânica. 1) Lâmina de cobre mergulhada em uma solução de CuSO4 1 M .2) Lâmina de zinco mergulhada em uma
solução de ZnSO4 1 M. 3) Tubo em U, contendo KCl, ligando os dois béqueres (Ponte salina). 4) Voltímetro.

Material necessário
Solução de brometo de potássio 0,1 M; água de cloro (usar água sanitária);
solução de bromato de potássio 0,1 M; solução de ácido clorídrico 1:5; solução de água
oxigenada a 6%; dióxido de manganês sólido; solução de iodo 0,1 M; solução de
tiossulfato de sódio 0,1 M; solução de sulfato de manganês (II) 0,001M; solução de
ácido sulfúrico 1:4; metaperiodato de potássio sólido; solução de sulfato de cobre (II)
1M e 0,1M; solução de sulfato de zinco (II) 1M; solução de cloreto de potássio 1M;
lâminas de cobre e zinco(dimensões 1x3 cm, espessura 0,5 a 1 mm); fios condutores
de cobre, referência 18 ou 20; tubos de ensaio; pipetas de 5 mL; béqueres de 100 mL;
tubo em U pequeno; algodão; um milivoltímetro;

33
Química Inorgânica Experimental Profa. Fátima Reymão

6.4. Questionário de orientação


Deve este questionário (modelo em anexo) ser resolvido pelos estudantes, em
equipes de no máximo cinco alunos e entregue ao professor Tutor após a realização
desta aula, que deverá fazer as devidas correções, atribuir pontuação (0 – 10 pontos) e
devolver ao grupo. A leitura do item considerações gerais, constate desse texto, e as
anotações realizadas durante as aulas de laboratório são suficientes para que o aluno
possa resolver as questões relativas a este questionário.

34
Química Inorgânica Experimental Profa. Fátima Reymão

QUESTIONÁRIO DE ORIENTAÇÃO
Capitulo 6: Reações oxidação e redução
Equipe:
Aluno (a): ..........................................................................................Matrícula: .......................
Aluno (a): ..........................................................................................Matrícula: .......................
Aluno (a): ..........................................................................................Matrícula: .......................
Aluno (a): ..........................................................................................Matrícula: .......................
Aluno (a): ..........................................................................................Matrícula: .......................

Baseado no que você leu no item 6.2, no que foi observado durante a
execução desta aula prática e utilizando os dados da tabela 6.1 responda o que se
pede:

1. Escreva as equações químicas das reações ocorridas nos procedimentos 1, 2, 3, 4,


5, e 6 e calcule o potencial padrão de célula (E°) para cada uma.

2. Em qual dos procedimentos ocorreu reação de desproporcionamento? Justifique.

3. Em qual dos procedimentos ocorreu reação de comproporcionamento? Justifique.

4. Que evidências foram observadas durante a execução dos procedimentos indicativas


de reação química?

5. Qual o valor da voltagem medida no procedimento 7? Escreva as semi-reações


ocorridas no anodo e no cátodo.

6. Qual a função da ponte salina ( tubo em U conectando os dois béqueres) utilizada no


procedimento 7?

35