O ambiente e as tecnologias limpas

Os recursos flúem pelo ciclo de produção e consumo em ritmo mais lento. A produção limpa leva ao desenvolvimento e implementação de tecnologias mais limpas nos processos produtivos. água e ar. Os sistemas de produção actuais são lineares ou cradle-to-grave e com frequência usam substâncias nocivas e recursos finitos em vastas quantidades e em ritmo acelerado. Os sistemas de produção industrial exigem recursos: materiais. menos água e energia. • • Os sistemas de produção limpa são circulares e usam menos matériaprima.O que são tecnologias limpas ? Relação tecnologia limpa/ produção limpa • As tecnologias limpas são processos industriais novos ou alterações dos processos existentes que visam reduzir não só os impactos ambientais mas principalmente o consumo de energia e matérias-primas utilizadas durante um determinado processo tecnológico. energia. • .

Produção limpa e técnicas de fim-de-tubo. qual a diferença? Técnicas de fim-de-tubo • • Poluentes são controlados por filtros e métodos de tratamento do lixo O controle de poluição é avaliado depois do desenvolvimento de processos e produtos e quando os problemas aparecem Controles de poluição e avanços ambientais são sempre considerados factores de custo pelas empresas Qualidade é definida como “preocupação com as necessidades dos utilizadores” Produção limpa • • Poluentes são evitados na origem. através de medidas integradas A prevenção da poluição é parte integrante do desenvolvimento de produtos e processos Poluição e resíduos são considerados recursos potenciais e podem ser transformados em produtos úteis e sub-produtos desde que não tóxicos • • • • Qualidade total significa a produção de bens que atendam às necessidades dos usuários e que tenham impactos mínimos sobre a saúde e o ambiente .

.

em que se estabilizam as peles de modo a tornarem-se estáveis e resistentes à putrefacção. A principal alteração verificada no processo de fabrico do biocouro encontra-se na fase de curtume. – O biocouro português O FAMU é um couro biodegradavel. que permite manter as características visuais e físicas do couro convencional mas sem vestígios de crómio ou metais pesados. M. Ambiente. . U. fabricado de acordo com processos mais limpos que os tradicionais. a Manufactura e o Uso. O produto estabelece o equilíbrio entre o Fabrico.Três casos nacionais F. A.

Visto que tem uma quantidade ínfima de metais o mesmo é altamente biodegradavel. por taninos vegetais extraídos de algumas árvores como Mimosas. Esta característica também permite que as raspas e resíduos do biocouro sejam utilizadas como fertilizante para a agricultura devido ao seu elevado teor em azoto.Nesta fase o fabrico do biocouro obrigou à substituição do tradicional curtume mineral. que tem como principais agentes curtientes os sais de crómio. contrariamente aos resíduos do couro tradicional que só podem ser depositados em aterro em virtude da presença de metais pesados e crómio. . Acácias ou Quebrachos e resinas poliméricas.

. A perspectiva de comercialização deste produto abre – se principalmente a países com uma forte educação ambiental e que privilegiam o consumo de produtos limpos. mas também durante todo o seu processo de fabrico.A ausência de crómio permite contribuir com menos poluição não só no final do ciclo de vida.

.

Pantufinhas – A linha azul de Coimbra .

.

.

.

. O mesmo visa testar as potencialidades da célula de hidrogénio em veículos de transporte colectivo. No entanto.Autocarros movidos a hidrogénio no Porto O Porto é uma das nove cidades europeias envolvidas no projecto CUTE – Clean Urban Transport for Europe. a sua produção em massa é ainda complexa e bastante dispendiosa. Um quilo de hidrogénio contem três vezes energia que um quilo de petróleo e gera apenas agua como produto residual.

.

” Cristiano Diniz em Ambietec on – line • “ As empresas precisam adoptar processos limpos para se tornarem mais competitivas” Hugo Springer. Ambiental e Social. o uso de água e energia. . os trabalhadores precisam pedir processos de produção mais seguros e os ambientalistas precisam educar o público para que ele exija produtos mais limpos. que deve respeitar todo o seu ciclo de vida. Presidente do Instituto Brasileiro de Produção Sustentável e Direito Ambiental • As universidades precisam pesquisar materiais mais limpos. Uma empresa ou processo.Considerações finais • “A tecnologia limpa considera a variável ambiental em todos os níveis de organização: o design do produto. para serem válidos dentro dos conceitos actuais.” Carlos Nascimento. ambientalmente compatíveis e socialmente justos. até o pós – venda. director do CNTL – Centro Nacional de Tecnologias Limpas (Brasil) • “A ecoeficiência baseia-se em três pilares: Económico. a engenharia de produto e de processo. a compra de matérias – primas. devem ser economicamente rentáveis.

pt .cummins. Uma publicação da Ecolatina http://www. brunom@student.br/ SMTUC – Serviços Municipalizados de Transporte Urbanos de Coimbra Engenharia do Ambiente 2003/04 Disponível em: http://ambiente.º 52 Ambietec on – line.pt Paulo Norte Pinto.pt/~gustavop Bruno Sirgado Marques.dec.org.br/ IBPS – Instituto Brasileiro de Produção Sustentável e Direito Ambiental www.ibps. brasio@student.gov. edição n. Tecnologia & Meio Ambiente – Agência Brasil – Radiobrás http://www.com.br/ Cummins Latin America http://www.cfm CUTE – Clean Urban Transport for Europe. gustavop@student.uc.dec.pt Marco Alves Brásio.uc.dec.uc.radiobras. General Introduction Brochure Diciopédia 2004 Greenpeace Brasil http://www.com.O ambiente e as tecnologias limpas • • • • • • • • • Fontes Água & Ambiente.greenpeace.br/ambietec/ Ciências.uc.com/la/pages/en/index.ecolatina.dec.