Você está na página 1de 24
 
  Cópia não autorizada ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro A

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas

Sede:

Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 – Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro – RJ Tel.: PABX (21) 210-3122 Fax: (21) 220-1762/220-6436 Endereço eletrônico:

www.abnt.org.br

Copyright © 2000, ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados

NOV 2001 NBR 7286 24 páginas Cabos de potência com isolação extrudada de borracha etilenopropileno
NOV 2001 NBR 7286 24 páginas Cabos de potência com isolação extrudada de borracha etilenopropileno

NOV 2001

NBR 7286

24 páginas

Cabos de potência com isolação extrudada de borracha etilenopropileno (EPR) para tensões de 1 kV a 35 kV - Requisitos de desempenho

Origem: Projeto de Emenda NBR 7286:2001 ABNT/CB-03 - Comitê Brasileiro de Eletricidade CE-03:020.03 - Comissão de Estudo de Cabos Isolados NBR 7286 - Power cables with extruded ethylene propylene rubber insulation (EPR) for rated voltages from 1 kV up to 35 kV - Performance requirements Descriptors: Electric cable. Power cable Esta Norma substitui a NBR 7286:2000 Válida a partir de 31.12.2001

Palavras-chave: Cabo elétrico. Cabo de potência

Sumário

Prefácio

1 Objetivo

2 Referências normativas

3 Definições

4 Requisitos gerais

5 Requisitos específicos

6 Inspeção

7 Aceitação e rejeição

ANEXOS

A Tabelas de designação dos cabos

B Tabelas de requisitos elétricos

C Amostragem para ensaios especiais

D Ensaio de penetração longitudinal de água

Prefácio

A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).

Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ABNT/ONS, circulam para Consulta Pública entre os associados da ABNT e demais interessados.

Esta Norma contém o anexo A, de caráter informativo, e os anexos B, C e D, de caráter normativo.

1 Objetivo

1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para cabos de potência, unipolares, multipolares ou multiplexados, para insta- lações fixas, isolados com borracha etilenopropileno (EPR), com cobertura.

1.2 Estes cabos são utilizados em circuitos de geração, distribuição e utilização de energia elétrica em tensões de 1 kV a 35 kV.

1.3 Em alternativa à construção normal, são previstos cabos com construção bloqueada, conforme a NBR 6251, reco- mendados para circuitos de distribuição, sujeitos a contatos prolongados com água.

2 Referências normativas

As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão,

2

NBR 7286:2001

recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento.

NBR 5111:1997 - Fios de cobre nus, de seção circular, para fins elétricos - Especificação

NBR 5118:1985 - Fios de alumínio nus de seção circular para fins elétricos - Especificação

NBR 5368:1997 - Fios de cobre mole estanhados para fins elétricos - Especificação

NBR 5456:1987 - Eletricidade geral - Terminologia

NBR 5471:1986 - Condutores elétricos - Terminologia

NBR 6242:1980 - Verificação dimensional para fios e cabos elétricos - Método de ensaio

NBR 6244:1980 - Ensaios de resistência à chama para fios e cabos elétricos - Método de ensaio

NBR 6251:1999 - Cabos de potência com isolação extrudada para tensões de 1 kV a 35 kV - Requisitos construtivos

NBR 6252:1988 - Condutores de alumínio para cabos isolados - Características dimensionais, elétricas e mecânicas - Padronização

NBR 6813:1981 - Fios e cabos elétrico - Ensaio de resistência de isolamento - Método de ensaio

NBR 6880:1997 - Condutores de cobre mole para fios e cabos isolados - Características

NBR 6881:1981 - Fios e cabos elétricos de potência ou controle - Ensaio de tensão elétrica - Método de ensaio

NBR 7292:1982 - Fios e cabos elétricos - Ensaio de determinação de grau de reticulação - Método de ensaio

NBR 7294:1982 - Fios e cabos elétricos - Ensaio de descargas parciais - Método de ensaio

NBR 7295:1982 - Fios e cabos elétricos - Ensaio de capacitância e fator de dissipação - Método de ensaio

NBR 7312:1998 - Rolos de fios e cabos elétricos - Características dimensionais

NBR 9311:1986 - Cabos elétricos isolados - Designação - Classificação

NBR 9511:1997 - Cabos elétricos - Raios mínimos de curvatura para instalação e diâmetros mínimos de núcleos de carretéis para acondicionamento

NBR 10299:1988 - Análise estatística da rigidez dielétrica de cabos elétricos em corrente alternada e a impulso - Procedimento

NBR 11137:2000 - Carretéis de madeira para o acondicionamento de fios e cabos elétricos - Dimensões e estruturas - Padronização

3 Definições

Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as definições das NBR 5456, NBR 5471 e NBR 6251.

4 Requisitos gerais

4.1 Designação dos cabos

4.1.1 Pelas tensões de isolamento

Para os efeitos desta Norma, os cabos de potência se caracterizam pela tensão de isolamento, Uo/U, conforme a NBR 6251.

4.1.2 Pelas partes componentes

Os cabos podem ser designados por meio de uma sigla, formada por símbolos, conforme a NBR 9311. Exemplos destas designações, aplicáveis aos cabos mais comuns abrangidos por esta Norma, constam na tabela A.1 do anexo A.

4.2 Condições em regime permanente

A temperatura no condutor, em regime permanente, não deve ultrapassar 90 o C (para a classe de cabos 90 o C) ou 105 o C

(para a classe de cabos 105 o C).

4.3 Condições em regime de sobrecarga

A temperatura no condutor, em regime de sobrecarga, não deve ultrapassar 130 o C (para a classe de cabos 90 o C) ou 140 o C

(para a classe de cabos 105 o C). A operação neste regime não deve superar 100 h durante 12 meses consecutivos, nem

500 h durante a vida do cabo.

NOTA - Deve ser entendido que o cabo, quando submetido a regime de sobrecarga, tem sua vida reduzida em certo grau, em relação à vida prevista para as condições em regime permanente. Além disto, limites mais baixos de temperatura podem ser requeridos em função de materiais usados nos cabos, emendas e terminais como, por exemplo, o chumbo, ou em função de condições de instalação.

4.4 Condições em regime de curto-circuito

A temperatura no condutor, em regime de curto-circuito, não deve ultrapassar 250 o C. A duração neste regime não deve ul-

trapassar 5 s.

NBR 7286:2001

3

4.5 Acondicionamento e fornecimento

4.5.1 Os cabos devem ser acondicionados de maneira a ficarem protegidos durante manuseio, transporte e armazenagem.

O acondicionamento deve ser em rolo ou carretel, que deve ter resistência adequada e ser isento de defeitos que possam

danificar o produto.

4.5.2 O acondicionamento normal em carretéis deve ser limitado à massa bruta de 5 000 kg e o acondicionamento em rolos

deve ser limitado a 40 kg para movimentação manual. Em rolos cuja movimentação deva ser efetuada por meio mecânico,

é permitida massa superior a 40 kg.

4.5.3 Os cabos devem ser fornecidos em lances normais de fabricação, sobre os quais é permitida uma tolerância de ± 3%

no comprimento. Adicionalmente, pode-se admitir que até 5% dos lances de um lote de expedição tenham um comprimento

diferente do lance normal de fabricação, com um mínimo de 50% do comprimento do referido lance.

NOTA - Ver 4.7.

4.5.4 Os carretéis devem possuir dimensões conforme as NBR 9511 e NBR 11137, e os rolos, dimensões conforme a

NBR 7312.

4.5.5 As extremidades dos cabos acondicionados em carretéis devem ser convenientemente seladas com capuzes de ve-

dação ou com fita auto-aglomerante, resistentes às intempéries, a fim de evitar a penetração de umidade durante ma- nuseio, transporte e armazenamento. No caso de cabos com construção não bloqueada longitudinalmente, é recomendado somente o uso de capuzes de vedação.

4.5.6 Externamente os carretéis devem ser marcados nas duas faces laterais, diretamente sobre o disco e/ou por meio de

plaqueta, com caracteres legíveis e permanentes, com as seguintes indicações mínimas:

a) dados do fabricante;

b) indústria brasileira;

c) tipo de construção (somente se bloqueada);

d) tensão de isolamento (Uo/U), em quilovolts;

e) número de condutores e seção nominal, em milímetros quadrados;

f) material do condutor (cobre ou alumínio), da isolação (EPR) e da cobertura;

g) número desta Norma;

h) comprimento, em metros;

i) massa bruta, em quilogramas;

j) número da ordem de compra;

k) número de série do carretel;

l) seta no sentido de rotação para desenrolar.

Quando o ano de fabricação for marcado em fita colocada no interior do cabo, esta indicação deve também constar como requisito de marcação no carretel. No caso das indicações a que se referem as alíneas c), d) e) e f), os cabos podem ser designados conforme NBR 9311 (ver 4.1.2).

4.5.7 Os rolos devem conter uma etiqueta com as indicações de 4.5.6, com exceção das referentes às alíneas k) e l). Para

a alínea i), deve-se indicar a massa líquida em lugar da massa bruta.

4.6 Garantias

4.6.1 O fabricante deve garantir, entre outras exigências, o seguinte:

a) a qualidade de todos os materiais usados, de acordo com os requisitos desta Norma;

b) a reposição, livre de despesas, de qualquer cabo considerado defeituoso, devido às eventuais deficiências em seu

projeto, matéria-prima ou fabricação, durante a vigência do período de garantia. Este período deve ser estabelecido em comum acordo entre comprador e fabricante.

4.6.2 As garantias são válidas para qualquer cabo instalado com técnica adequada e utilizado em condições próprias e

normais ao tipo do cabo.

4.7 Descrição para aquisição do cabo

O comprador deve indicar, necessariamente, em sua consulta e posterior ordem de compra para aquisição do cabo, os

seguintes dados fundamentais:

a) tipo de construção (bloqueada ou não);

b) tensão de isolamento (Uo/U), em quilovolts;

c) número de condutores, seção nominal em milímetros quadrados, classe de encordoamento e material do condutor

(cobre ou alumínio);

4

NBR 7286:2001

d) tipo de isolação (EPR);

e) tipo de blindagem (se requerida);

f) tipo de armação (se requerida);

g) tipo de cobertura;

h) número desta Norma;

i) comprimento total a ser adquirido, em metros;

j) comprimento das unidades de expedição e respectivas tolerâncias; caso não sejam fixados, adotam-se o compri- mento padrão do fabricante e tolerâncias conforme 4.5.3.

No que se refere às alíneas a) a g), os cabos podem ser designados conforme a NBR 9311 (ver 4.1.2).

No caso de utilização de acessórios pré-moldados, indicação explícita deve constar na consulta para aquisição de cabos e posteriormente na ordem de compra. As tolerâncias dimensionais para o cabo devem ser objeto de acordo entre fabricante e comprador.

No caso de exigência do ensaio previsto em 6.1 e/ou 6.2.3, indicação explícita deve constar na ordem de compra.

5 Requisitos específicos

5.1 Condutor

5.1.1 O condutor deve estar de acordo com a NBR 6251.

5.1.2 A superfície do condutor de seção maciça ou dos fios componentes do condutor encordoado não deve apresentar fis-

suras, escamas, rebarbas, aspereza, estrias ou inclusões. O condutor pronto não deve apresentar falhas de encor- doamento.

5.1.3 O condutor de seção maciça ou fios componentes do condutor encordoado, antes de serem submetidos a fases pos-

teriores de fabricação, devem atender aos requisitos da NBR 5111 ou da NBR 5368, para condutores de cobre nu ou re- vestido, respectivamente, e da NBR 5118, para condutores de alumínio, exceto no que se refere à resistência mínima à tra- ção dos fios, antes do encordoamento, que deve ser 105 MPa.

5.2 Bloqueio do condutor

5.2.1 Quando for prevista construção bloqueada longitudinalmente, os interstícios internos entre os fios componentes do

condutor devem ser preenchidos com material compatível, química e termicamente, com os componentes do cabo. O fa- bricante deve garantir essa compatibilidade através dos ensaios de 6.4.11 ou 6.4.14, conforme a tensão de isolamento do cabo.

5.2.2 Quando for prevista construção bloqueada longitudinalmente, o condutor encordoado deve atender aos requisitos do

ensaio de 6.4.19, realizado em amostra de cabo completo ou veia.

5.3 Separador

Quando previsto, o separador deve estar conforme NBR 6251.

5.4 Blindagem do condutor

5.4.1 A blindagem do condutor, quando necessária, deve estar de acordo com a NBR 6251.

5.4.2 A blindagem constituída por camada extrudada deve estar justaposta ao condutor, porém facilmente removível e não

aderente a este.

5.4.3 As espessuras média e mínima da blindagem devem ser medidas conforme a NBR 6242. Se inviável a medição

direta, pode-se empregar um processo óptico (projeção de perfil ou equivalente).

5.5 Isolação

5.5.1 A isolação deve ser constituída por composto extrudado termofixo à base de copolímero ou terpolímero de etileno

propileno (EPR, HEPR ou EPR 105), conforme a NBR 6251.

5.5.2 A isolação deve ser contínua e uniforme, ao longo de todo o seu comprimento.

5.5.3 A isolação dos cabos, sem blindagem do condutor ou separador, deve estar justaposta ao condutor, porém facil-mente

removível e não aderente a este.

5.5.4 A isolação dos cabos com blindagem do condutor deve ser aderente a esta, de modo a não permitir a existência de

vazios entre ambas ao longo de todo o seu comprimento.

5.5.5 A espessura nominal da isolação deve estar de acordo com a NBR 6251, conforme o tipo de composto utilizado (EPR,

HEPR ou EPR 105). Para o EPR e HEPR, com qualquer tensão de isolamento, são previstas duas alternativas de isolação: plena para o EPR e HEPR e coordenada para HEPR (ver tabelas correspondentes da NBR 6251). Para o EPR 105 com tensões de isolamento iguais ou superiores a 3,6/6 kV e temperatura no condutor de 105 o C, são previstas as espessuras plena e coordenada (ver tabelas da NBR 6251).

NBR 7286:2001

5

5.5.6 Para cabos que possam ser submersos em água (classificação AD8), é permitido o emprego de espessura de iso-

lação coordenada, desde que os cabos possuam construção bloqueada.

5.5.7 As espessuras média e mínima da isolação devem ser medidas conforme a NBR 6242.

5.6 Blindagem da isolação

5.6.1 A blindagem da isolação, compreendendo parte semicondutora e metálica, deve estar de acordo com a NBR 6251. A

parte semicondutora deve ser termofixa e, para tensões de isolamento iguais ou superiores a 6/10 kV, ser extrudada

simultaneamente à isolação e à blindagem do condutor.

5.6.2 O ensaio de aderência da parte semicondutora extrudada da blindagem da isolação deve ser realizado conforme a

6.4.16.

5.6.3 As espessuras média e mínima da blindagem semicondutora da isolação devem ser medidas conforme a NBR 6242.

5.7 Bloqueio da blindagem metálica

5.7.1 Os cabos unipolares ou multiplexados, com construção bloqueada longitudinalmente, devem ter os interstícios entre a

blindagem semicondutora da isolação e a cobertura preenchidos com material adequado e compatível, química e termi-

camente, com os componentes do cabo.

5.7.2 Qualquer construção alternativa para bloqueio longitudinal e/ou transversal é permitida, como a utilização de capa

metálica ou fita metálica laminada, por exemplo.

5.7.3 O bloqueio deve atender ao ensaio de penetração longitudinal de água previsto nesta Norma.

5.8 Reunião dos cabos multipolares ou multiplexados

5.8.1 Nos cabos multipolares ou multiplexados, as veias devem ser reunidas conforme estabelecido na NBR 6251.

5.8.2 O passo de reunião para cabos multipolares deve ser adotado de maneira a permitir que o cabo completo atenda aos

requisitos do ensaio de dobramento, previsto em 6.4.8.

5.8.3 O passo de reunião para cabos multiplexados deve ser no máximo 60 vezes o diâmetro nominal do maior cabo uni-

polar, constituinte destes.

5.8.4 A verificação do passo deve ser conforme a NBR 6242. Não devem ser considerados os comprimentos iniciais da

bobina ou rolo que possam apresentar alterações no passo de reunião.

5.9 Identificação das veias

As veias devem ser identificadas convenientemente, conforme estabelecido na NBR 6251.

5.10 Capa interna, enchimento, capa metálica e armação

Quando previstos, devem estar conforme a NBR 6251.

5.11 Capa de separação

5.11.1 Quando prevista, a capa de separação deve estar conforme a NBR 6251.

5.11.2 Não se recomenda o emprego de compostos do tipo ST1, ST2, SE1/A ou SE1/B para cabos com construção blo-

queada longitudinalmente, a menos que estes possuam construção bloqueada transversalmente.

5.11.3 A espessura mínima da capa de separação deve ser medida conforme a NBR 6242.

5.12 Cobertura

5.12.1 A cobertura deve estar conforme a NBR 6251.

5.12.2 Não se recomenda o emprego de compostos do tipo ST1, ST2, SE1/A ou SE1/B para cabos com construção blo-

queada longitudinalmente, a menos que estes possuam construção bloqueada transversalmente.

5.12.3 A espessura média/ou mínima da cobertura devem ser medidas conforme a NBR 6242.

5.13 Marcação na cobertura

5.13.1 A marcação da cobertura deve estar conforme a NBR 6251.

5.13.2 No caso de cobertura termoplástica, a marcação em baixo ou alto relevo ou tinta é a padronizada.

5.13.3 No caso de cobertura termofixa, a marcação a tinta é a padronizada.

5.13.4 Qualquer outro tipo de marcação deve ser objeto de acordo entre fabricante e comprador.

6

NBR 7286:2001

6 Inspeção

6.1 Pré-qualificação conforme a NBR 10299

6.1.1 Para cabos com tensões de isolamento iguais ou superiores a 8,7/15 kV, deve-se proceder a estimação das esta-

tísticas da distribuição dos gradientes de perfuração em corrente alternada, conforme a NBR 10299.

6.1.2 Em comum acordo entre fabricante e comprador, estabelece-se uma taxa de falhas média máxima admissível (Zm).

NOTA - Um valor de Zm usualmente aceito é de 0,02 falhas por ano e por 30 km de veia.

6.1.3 A partir das estatísticas obtidas nos ensaios, verifica-se a compatibilidade com a taxa de falhas média máxima (Zm)

estabelecida. Em caso positivo, o fabricante é pré-qualificado para o fornecimento dos cabos.

6.1.4 O comprador deve manifestar previamente a exigência dessa pré-qualificação, estabelecendo com o fabricante o pra-

zo necessário para a realização dos ensaios. Recomenda-se às concessionárias de energia elétrica e grandes usuários

destes tipos de cabo a adoção deste procedimento.

6.2 Ensaios e critérios de amostragem

Os ensaios previstos por esta Norma são classificados em:

a)

ensaios de recebimento (R e E);

b)

ensaios de tipo (T);

c)

ensaios de controle;

d)

ensaios durante e após a instalação.

6.2.1

Ensaios de recebimento (R e E)

6.2.1.1

Os ensaios de recebimento constituem-se em:

a)

ensaios de rotina (R);

b)

ensaios especiais (E).

6.2.1.2

Os ensaios de rotina (R) são feitos sobre todas as unidades de expedição (rolos ou carretéis), com a finalidade de

demonstrar a integridade do cabo.

6.2.1.3 Os ensaios de rotina (R) solicitados por esta Norma para cabos com tensões de isolamento iguais ou inferiores a

3,6/6 kV, são:

a)

ensaio de resistência elétrica, conforme 6.4.2;

b)

ensaio de tensão elétrica, conforme 6.4.3;

c)

ensaio de resistência de isolamento à temperatura ambiente, conforme 6.4.5.

6.2.1.4

Os ensaios de rotina (R) solicitados por esta Norma para cabos com tensões de isolamento superiores a 3,6/6 kV

são:

a)

ensaio de resistência elétrica, conforme 6.4.2;

b)

ensaio de tensão elétrica de screening, conforme 6.4.4;

c)

ensaio de descargas parciais, conforme 6.4.7.

6.2.1.5 Todas as unidades de expedição devem ser submetidas a todos os ensaios de rotina.

6.2.1.6 No caso de cabos multipolares ou multiplexados, todas as veias devem ser submetidas aos ensaios de rotina.

6.2.1.7 Os ensaios especiais (E) são feitos em amostras de cabo completo, ou em componentes retirados destas, con-

forme critério de amostragem estabelecido em 6.2.1.10, com a finalidade de verificar se o cabo atende às especificações do

projeto.

6.2.1.8

As verificações e os ensaios especiais (E) solicitados por esta Norma são:

a) verificação da construção do cabo, conforme 5.1 a 5.13;

b) ensaios de tração na isolação, antes e após o envelhecimento, conforme a NBR 6251;

c) ensaio de alongamento a quente na isolação, conforme a NBR 6251;

d) ensaio de tração na capa de separação (se existir) e cobertura, conforme a NBR 6251;

e) ensaio de determinação do fator de perdas no dielétrico (tangente δ), em função do gradiente elétrico máximo no

condutor, para cabos com tensões de isolamento superiores a 3,6/6 kV, conforme 6.4.9;

f) ensaio de tensão elétrica de longa duração para cabos com tensões de isolamento iguais ou inferiores a 3,6/6 kV,

conforme 6.4.13;

g) ensaio de aderência da blindagem semicondutora da isolação, para cabos a campo radial, conforme 6.4.16;

h) ensaio de conformidade da rigidez dielétrica em corrente alternada por amostragem seqüencial, para cabos com

tensões de isolamento iguais ou superiores a 8,7/15 kV, conforme 6.4.20, desde que tenha sido solicitada a pré- qualificação conforme 6.1.4.

NBR 7286:2001

7

6.2.1.9 Os ensaios especiais, com exceção do previsto em 6.2.1.8 h), devem ser feitos para ordens de compra que

excedam 2 km de cabos multipolares ou multiplexados, ou 4 km de cabos unipolares, de mesma seção e construção. Para ordem de compra com vários itens de mesma construção e os mesmos materiais componentes apenas com seções diferentes, os ensaios especiais podem ser realizados em um único item, preferencialmente o de maior comprimento. Para ordens de compra com comprimentos de cabos inferiores aos acima estabelecidos, o fabricante deve fornecer, se solicitado, um certificado em que conste que o cabo cumpre os requisitos dos ensaios especiais desta Norma.

6.2.1.10 A quantidade de amostras requerida deve estar conforme a tabela C.1 do anexo C.

6.2.1.11 A amostra deve ser constituída por um comprimento suficiente de cabo, retirados das extremidade de unidades

quaisquer de expedição, após ter sido eliminada, se necessário, qualquer porção do cabo que tenha sofrido danos.

6.2.1.12

Para ensaio de 6.2.1.8 f), o corpo-de-prova deve ser constituído por um único comprimento útil de no mínimo 5 m

de cabo.

6.2.1.13

Para o ensaio de 6.2.1.8 g), o corpo-de-prova deve ser constituído por um único comprimento útil de 0,40 m de

cabo.

6.2.1.14

O ensaio de 6.2.1.8 e) deve ser realizado sobre unidade(s) completa(s) de expedição.

6.2.1.15

No caso de cabos multipolares ou multiplexados, todos os ensaios e verificações devem ser feitos em todas as

veias.

6.2.1.16

Para o ensaio de 6.2.1.8 h), deve ser adotado o critério de amostragem estabelecido na NBR 10299.

6.2.2 Ensaios de tipo (T)

6.2.2.1 Estes ensaios devem ser realizados com a finalidade de demonstrar o satisfatório comportamento do projeto do

cabo, para atender à aplicação prevista. São, por isso mesmo, de natureza tal que não precisam ser repetidos, a menos

que haja modificação do projeto do cabo que possa alterar o desempenho deste. Incluem-se como ensaios de tipo os en- saios de pré-qualificação, conforme a NBR 10299.

Entende-se por modificação do projeto do cabo, para os objetivos desta Norma, qualquer variação construtiva ou de tecno- logia que possa influir diretamente no desempenho elétrico e/ou mecânico do cabo, como, por exemplo:

a) modificação do composto isolante;

b) adoção de tecnologia diferente para a blindagem do condutor e/ou da isolação, em função da tensão de isola-

mento;

c)

adoção de cabo a campo radial ou não radial, para tensões de isolamento em que a alternativa é permitida;

d)

utilização de proteções metálicas que possam afetar os componentes subjacentes do cabo.

6.2.2.2

Estes ensaios devem ser realizados, de modo geral, uma única vez, para cada projeto de cabo. No caso dos

ensaios de pré-qualificação, devem ser utilizados os modelos e cabos reais indicados na NBR 10299.

6.2.2.3 Os ensaios de tipo efetuados para os cabos de tensão de isolamento máxima produzidos pelo fabricante e/ou

utilizados pelo comprador são válidos para os cabos de tensões de isolamento inferiores, desde que seja certificado pelo fabricante que sejam empregados a mesma construção e os mesmos materiais. É facultado ao comprador solicitar os

ensaios de tipo para cada nível de tensão de isolamento dos cabos por ele adquiridos.

6.2.2.4 Após a realização dos ensaios de tipo, deve ser emitido um certificado pelo fabricante ou por entidade reconhecida

por fabricante e comprador.

6.2.2.5 A validade do certificado, emitido conforme 6.2.2.4, condiciona-se à emissão de um documento de aprovação deste

por parte do comprador. Este documento só pode ser utilizado pelo fabricante para outros compradores com au-torização

do emitente.

6.2.2.6 Os ensaios de tipo (T) elétricos solicitados por esta Norma para cabos com tensões de isolamento iguais ou infe- riores a 3,6/6 kV são:

a)

ensaio de resistência elétrica, conforme 6.4.2;

b)

ensaio de resistência de isolamento à temperatura ambiente, conforme 6.4.5;

c)

ensaio de resistência de isolamento a 90 o C, conforme 6.4.6;

d)

ensaio de tensão elétrica de longa duração, conforme 6.4.13.

6.2.2.7

O corpo-de-prova deve ser constituído por um comprimento de cabo completo, de 10 m a 15 m. A seção re-

comendada do condutor é 120 mm 2 , devendo os ensaios ser efetuados para cada tensão de isolamento.

6.2.2.8 Estes ensaios devem ser realizados conforme a seqüência de 6.2.2.6.

6.2.2.9 No caso de cabos multipolares ou multiplexados, estes ensaios devem ser limitados a não mais do que três veias.

6.2.2.10 Os ensaios de tipo (T) elétricos solicitados por esta Norma para cabos com tensões de isolamento superiores a 3,6/6 kV são:

a) ensaio de resistência elétrica, conforme 6.4.2;

8

NBR 7286:2001

b) ensaio de tensão elétrica de screening, conforme 6.4.4;

c) ensaios de descargas parciais, conforme 6.4.7;

d) ensaio de dobramento, seguido de ensaio de descargas parciais, conforme 6.4.8;

e) ensaio de determinação do fator de perdas no dielétrico (tangente δ), em função do gradiente elétrico máximo no

condutor, conforme 6.4.9;

f) ensaio de determinação do fator de perdas no dielétrico (tangente δ), em função da temperatura, conforme 6.4.10;

g) ensaio de ciclos térmicos, conforme 6.4.11;

h) ensaio de tensão elétrica de impulso, seguido de ensaio de tensão elétrica de screening, conforme 6.4.12;

i) ensaio de resistividade elétrica das blindagens semicondutoras, conforme a NBR 6251 e 6.4.11.

6.2.2.11 Os corpos-de-prova devem ser constituídos por um comprimento de cabo completo, de 10 m a 15 m. A seção re-

comendada do condutor é

nesta Norma.

6.2.2.12 Todos os ensaios devem ser realizados conforme a seqüência de 6.2.2.10 no mesmo corpo-de-prova.

6.2.2.13 Para cabos multipolares ou multiplexados, os ensaios podem ser realizados sobre uma das veias.

6.2.2.14 As verificações e os ensaios de tipo (T) não elétricos solicitados por esta Norma são:

120 mm 2 e a tensão de isolamento deve ser a máxima produzida pelo fabricante e/ou prevista

a) verificação da construção do cabo, conforme 5.1 a 5.13;

b) ensaios físicos da blindagem semicondutora, conforme a NBR 6251;

c) ensaios físicos da isolação, conforme a NBR 6251;

d) ensaio físicos da capa de separação (se esta existir) e cobertura, conforme a NBR 6251;

e) ensaio de envelhecimento em amostra de cabo completo, para cabos com tensões de isolamento iguais ou inferiores

a 3,6/6 kV, conforme 6.4.14;

f) ensaio de resistência à chama, conforme 6.4.15;

g) ensaio de aderência da blindagem semicondutora da isolação, para cabos a campo radial, conforme 6.4.16;

h) ensaio de penetração longitudinal de água, conforme 6.4.19.

6.2.2.15 Deve-se utilizar um comprimento suficiente de cabo completo, retirado previamente da amostra colhida para os

ensaios de tipo elétricos, a menos do ensaio da alínea b), que pode ser realizado em corpos-de-prova obtidos de placa do

material utilizado.

6.2.3 Ensaio de tipo (T) complementar

O ensaio de tipo complementar previsto por esta Norma é o ensaio para determinação do coeficiente por o C, para correção

da resistência de isolamento, conforme 6.4.18.

6.2.4 Ensaios de controle

6.2.4.1 Estes ensaios são realizados normalmente pelo fabricante, com periodicidade adequada, em matéria-prima e semi-

elaborados, bem como durante a produção do cabo e após a sua fabricação, com o objetivo de assegurar que os materiais

e processos utilizados atendam aos requisitos de projeto cobertos por esta Norma.

6.2.4.2 Todos os ensaios elétricos e não elétricos previstos por esta Norma compreendem o elenco de ensaios de controle

disponíveis ao fabricante que, a seu critério e necessidade, utiliza para determinada ordem de compra ou lote de produção.

6.2.4.3 Após a realização dos ensaios de controle, os resultados devem ser registrados adequadamente pelo fabricante,

sendo parte integrante de seu sistema de garantia da qualidade. Esta documentação deve estar disponível ao comprador

em caso de auditoria de sistema ou de produto.

6.2.4.4 Os ensaios de controle podem substituir os ensaios de recebimento, desde que o fornecedor tenha o seu sistema

de garantia da qualidade certificado pelo comprador ou por organismo de certificação credenciado.

6.2.5 Ensaios durante e após a instalação

6.2.5.1 Estes ensaios são destinados a demonstrar a integridade do cabo e seus acessórios, durante a instalação e após a

conclusão desta.

6.2.5.2 Em qualquer ocasião durante a instalação, pode ser efetuado um ensaio de tensão elétrica contínua de valor igual a 75% do valor dado na tabela B.2 do anexo B, durante 5 min consecutivos.

6.2.5.3 Após a conclusão da instalação do cabo e seus acessórios, e antes destes serem colocados em operação, pode ser aplicada uma tensão elétrica contínua de valor igual a 80% do valor dado na tabela B.2 do anexo B, durante 15 min consecutivos.

NBR 7286:2001

9

6.2.5.4 Após o cabo e seus acessórios terem sido colocados em operação, em qualquer ocasião, dentro do período de

garantia, pode ser aplicada uma tensão elétrica contínua de valor igual a 65% do valor dado na tabela B.2 do anexo B,

durante 5 min consecutivos.

6.2.5.5 Os ensaios em corrente contínua, aplicados a cabos com isolação extrudada, para tensões de isolamento

superiores a 6/10 kV, principalmente de instalações antigas, podem causar o seu envelhecimento precoce ou danos permanentes. Recomenda-se que a instalação, nestes casos, seja ensaiada conforme uma das seguintes alternativas:

a) aplicação, por 5 min, da tensão equivalente entre fases do sistema entre o condutor e a blindagem metálica; ou

b) aplicação, por 24 h, da tensão entre fase e terra do sistema entre o condutor e a blindagem.

6.3 Condições gerais de inspeção

6.3.1 Todos os ensaios de recebimento e verificação devem ser executados nas instalações do fabricante, devendo ser

fornecidos ao inspetor todos os meios que lhe permitam verificar se o produto está de acordo com esta Norma.

6.3.2 Os ensaios de tipo podem ser executados em laboratórios independentes, reconhecidos pelo comprador.

6.3.3 No caso de o comprador dispensar a inspeção, o fabricante deve fornecer, se solicitado, cópia dos resultados dos

ensaios de rotina e especiais e certificado dos ensaios de tipo, de acordo com os requisitos desta Norma.

6.3.4 Todos os ensaios previstos por esta Norma devem ser realizados às expensas do fabricante, com exceção dos

ensaios durante e após a instalação, que, se executado pelo fabricante, devem ser objeto de acordo comercial.

6.3.5 Quando os ensaios de tipo forem solicitados pelo comprador para uma determinada ordem de compra, o corpo-de-

prova, previsto em 6.2.2.7, 6.2.2.11 e 6.2.2.15, deve ser retirado de uma unidade qualquer de expedição.

6.3.6 Quando os ensaios de tipo já certificados pelo fabricante forem solicitados pelo comprador para uma determinada

ordem de compra, o importe destes deve ser objeto de acordo comercial.

6.4 Descrição dos ensaios e seus requisitos

6.4.1 Ensaios de pré-qualificação conforme a NBR 10299 (T)

6.4.1.1 Estes ensaios são requeridos para cabos com tensões de isolamento iguais ou superiores a 8,7/15 kV.

6.4.1.2 Os ensaios devem ser realizados em corpos-de-prova de cabo modelo D, reproduzindo a tecnologia de fabricação

empregada no fornecimento e em amostras de cabo real, conforme indicado na NBR 10299.

6.4.1.3 Os corpos-de-prova devem ser submetidos aos ensaios de rigidez em corrente alternada, de curta e longa dura-

ção, conforme procedimentos estabelecidos na NBR 10299.

6.4.1.4 A partir destes resultados, calculam-se os parâmetros a serem utilizados no estabelecimento dos requisitos, con-

forme a NBR 10299.

6.4.1.5 Os ensaios para determinação da distribuição das tensões de perfuração sob tensão de impulso atmosférico, con-

forme a NBR 10299, devem ser realizados, e os resultados, registrados para informação de engenharia.

6.4.2 Ensaios de resistência elétrica (R e T)

6.4.2.1 A resistência elétrica dos condutores, referida a 20 o C e a um comprimento de 1 km, não deve ser superior aos va-

lores estabelecidos nas:

a)

NBR 6880, para condutores de cobre;

b)

NBR 6252, para condutores de alumínio.

6.4.2.2

O ensaio deve ser realizado conforme a NBR 6813.

6.4.3 Ensaios de tensão elétrica (R)

6.4.3.1 Este ensaio é requerido para cabos com tensões de isolamento iguais ou inferiores a 3,6/6 kV.

6.4.3.2 Para cabos unipolares ou multiplexados, sem blindagem metálica ou outra proteção metálica sobre a isolação, o

ensaio deve ser realizado com o cabo imerso em água, por um tempo não inferior a 1 h, antes do ensaio. A tensão elétrica

deve ser aplicada entre o condutor e a água.

6.4.3.3 Para cabos unipolares ou multiplexados, com blindagem metálica ou outra proteção metálica sobre a isolação, a

tensão elétrica deve ser aplicada entre o condutor e a blindagem ou proteção metálica.

6.4.3.4 Para cabos multipolares a campo não radial (sem blindagem semicondutora sobre cada veia), a tensão elétrica

deve ser aplicada entre cada condutor e todos os outros conectados entre si e à proteção metálica coletiva, se esta existir.

A tensão elétrica deve ser aplicada sempre que for necessário, de forma a assegurar que todas as veias sejam ensaiadas entre si e contra a proteção metálica, se esta existir.

6.4.3.5 Para cabos multipolares a campo radial (com blindagem semicondutora sobre cada veia), a tensão elétrica deve ser

aplicada entre cada condutor e sua blindagem metálica, ou, na falta desta, entre cada condutor e a blindagem metálica coletiva.

10

NBR 7286:2001

6.4.3.6 O cabo, quando submetido à tensão elétrica alternada, freqüência 48 Hz a 62 Hz, de valor eficaz dado na tabe-

la B.1 do anexo B, pelo tempo de 5 min, não deve apresentar perfuração.

6.4.3.7 Em alternativa, o requisito estabelecido em 6.4.3.6 pode ser verificado com tensão elétrica contínua, de valor dado

na tabela B.2 do anexo B, pelo tempo de 5 min.

6.4.3.8 O ensaio deve ser realizado conforme a NBR 6881.

6.4.4 Ensaios de tensão elétrica de screening (R e T)

6.4.4.1

Este ensaio é requerido para cabos a campo radial com tensões de isolamento superiores a 3,6/6 kV.

6.4.4.2

Para cabos unipolares ou multiplexados, a tensão elétrica deve ser aplicada entre o condutor e a blindagem me-

tálica.

6.4.4.3

Para cabos multipolares, a tensão elétrica deve ser aplicada entre cada condutor e sua blindagem metálica ou, na

falta desta, entre cada condutor e sua blindagem metálica ou, na falta desta, entre cada condutor e blindagem metálica co- letiva.

6.4.4.4 O valor eficaz da tensão elétrica aplicada deve corresponder ao calculado através das seguintes fórmulas:

U = ESe, sendo

 

d

D

Se

=

 

ln

2

d

d

= dc + 0,8

onde:

U

é a tensão de ensaio, em quilovolts;

E

é o gradiente elétrico de ensaio, igual a 12 kV/mm;

Se

é a espessura equivalente da veia, em milímetros;

dc

é o diâmetro fictício do condutor, em milímetros;

d

é o diâmetro fictício sob a isolação, em milímetros;

D

é o diâmetro fictício sobre a isolação, em milímetros.

No caso de condutores setoriais, os valores de dc e D devem ser obtidos através das seguintes fórmulas:

dc = 2r

D

= d + 2e

onde:

r é o menor raio do setor, em milímetros;

e é a espessura nominal da isolação, em milímetros.

O valor calculado para a tensão de ensaio deve ser arredondado ao inteiro mais próximo.

6.4.4.5 O valor eficaz da tensão elétrica alternada, freqüência 48 Hz a 62 Hz, é calculado em função do gradiente elétrico

máximo do condutor, com as fórmulas dadas em 6.4.4.4.

6.4.4.6 Os valores calculados da tensão elétrica para os cabos normalizados constam nas tabelas B.3 e B.4 do anexo B.

6.4.4.7 O tempo de aplicação da tensão elétrica deve ser de 15 min, não devendo ocorrer perfuração.

NOTA - Para este ensaio, não é prevista a alternativa em tensão elétrica contínua.

6.4.4.8 O ensaio deve ser realizado conforme a NBR 6881.

6.4.5 Ensaio de resistência de isolamento à temperatura ambiente (R e T)

6.4.5.1 Este ensaio é requerido para cabos com tensões de isolamento iguais ou inferiores a 3,6/6 kV como ensaios de

rotina e de tipo.

6.4.5.2 A resistência de isolamento da(s) veia(s), referida a 20 o C e a um comprimento de 1 km, não deve ser inferior ao

valor calculado com a seguinte fórmula:

Ri

= Ki . log

(D/d)

onde:

Ri

é a resistência de isolamento, em megaohms quilômetro;

Ki

é a constante de isolamento, igual a 3 700 M.km;

D

é o diâmetro nominal sobre a isolação, em milímetros;

d

é o diâmetro nominal sob a isolação, em milímetros.

NOTA - Para condutores de seção transversal não circular, a relação D/d deve ser a relação entre os perímetros nominais sobre a isolação e sobre o condutor (ou sobre sua blindagem).

NBR 7286:2001

11

6.4.5.3 A medição da resistência de isolamento deve ser feita com tensão elétrica contínua, de valor 300 V a 500 V,

aplicada por tempo mínimo de 1 min e máximo de 5 min.

6.4.5.4 As condições do cabo ao instrumento de medição devem ser realizadas de acordo com o indicado para ensaio de

tensão elétrica ou screening (ver 6.4.3 e 6.4.4), conforme o tipo de construção do cabo.

6.4.5.5 O ensaio de resistência de isolamento deve ser realizado após o ensaio de tensão elétrica ou screening, conforme

6.4.3 ou 6.4.4. No caso de o ensaio de 6.4.3 ter sido realizado com a tensão elétrica contínua, a medição da resistência de isolamento deve ser feita 24 h após ter(em) sido o(s) condutor(es) curto-circuitado(s) com as respectivas blindagens (ou

proteções metálicas) ou com a água.

6.4.5.6 Quando a medição da resistência de isolamento for realizada em temperatura do meio diferente de 20 o C, o valor

obtido deve ser referido a esta temperatura, utilizando-se os fatores de correção dados na tabela B.5 do anexo B. O fa-

bricante deve fornecer previamente o coeficiente por o C a ser utilizado (ver 6.4.18).

6.4.5.7 O ensaio deve ser realizado conforme a NBR 6813.

6.4.5.8 Quando este ensaio for realizado como ensaio de tipo, para cabos não blindados individualmente, a medição da

resistência de isolamento deve ser feita com o corpo-de-prova constituído por veia imersa em água, pelo menos 1 h antes do ensaio, tendo sido retirados todos os componentes exteriores à isolação.

6.4.6 Ensaio de resistência de isolamento a 90 o C ± 2 o C (T)

6.4.6.1 Este ensaio é requerido para cabos com tensões de isolamento iguais ou inferiores a 3,6/6 kV.

6.4.6.2 A resistência de isolamento da(s) veia(s) a 90 o C ± 2 o C, referida a um comprimento de 1 km, não deve ser inferior ao

valor calculado com a fórmula dada em 6.4.5.2, tomando-se a constante de isolamento Ki = 3,7 M.km.

6.4.6.3 Para cabos não blindados individualmente, a temperatura no condutor deve ser obtida pela imersão do corpo-de-

prova em água, após terem sido removidos todos os componentes exteriores à isolação. O corpo-de-prova deve ser

mantido na água, pelo menos por 2 h, à temperatura especificada, antes de efetuar-se a medição.

6.4.6.4 Para cabos blindados individualmente, a temperatura no condutor pode ser obtida pela colocação do corpo-de-

prova do cabo completo em água ou estufa. O corpo-de-prova deve ser mantido na água ou estufa, pelo menos por 2 h, à temperatura especificada, antes de efetuar-se a medição. A temperatura no condutor pode também ser obtida através da circulação de corrente pela blindagem metálica individual da(s) veia(s). Neste caso, a temperatura pode ser verificada através da resistência elétrica do(s) condutor(es) ou através da medição da temperatura na superfície da blindagem metálica. A medição deve ser feita após a estabilização térmica do corpo-de-prova na temperatura especificada.

6.4.6.5 A medição da resistência de isolamento deve ser feita com tensão elétrica contínua, de valor 300 V a 500 V, apli-

cada por um tempo mínimo de 1 min e máximo de 5 min.

6.4.6.6 O comprimento mínimo do corpo-de-prova deve ser de 5 m.

6.4.6.7 O ensaio deve ser executado conforme a NBR 6813.

6.4.7 Ensaio de descargas parciais (R e T)

6.4.7.1 Este ensaio é requerido para cabos a campo radial com tensões de isolamento superiores a 3,6/6 kV.

6.4.7.2 A tensão elétrica aplicada entre o condutor e a blindagem da isolação deve ser elevada gradualmente até atingir o

valor da tensão de exploração e, em seguida, decrescida até o valor da tensão de medição, conforme estabelecido em

6.4.7.5.

6.4.7.3

Para cabos multipolares ou multiplexados, cada veia deve ser ensaiada individualmente.

6.4.7.4

O cabo, quando submetido à tensão elétrica alternada, com valores de exploração e medição conforme 6.4.7.5. não

deve apresentar nível de descarga superior a 3 pC, na tensão de medição. O nível da descarga na tensão de exploração deve ser registrado para informação de engenharia.

6.4.7.5 Os valores eficazes das tensões elétricas alternadas de exploração e medição, freqüência 48 Hz a 62 Hz, constam

nas tabelas B.6 e B.7 do anexo B e devem ser calculados conforme 6.4.4.4, utilizando-se 7 kV/mm e 6 kV/mm, respectivamente, como valores de gradiente elétrico de ensaio.

6.4.7.6 O ensaio deve ser realizado conforme a NBR 7294.

6.4.8 Ensaio de dobramento (T)

6.4.8.1 Este ensaio é requerido para cabos a campo radial com tensões de isolamento superiores a 3,6/6 kV.

6.4.8.2 O corpo-de-prova, à temperatura ambiente, deve ser enrolado em um tambor, evitando-se movimentos bruscos, por

pelo menos uma volta completa; a seguir, desenrolado, e o processo repetido, após girar 180 o o corpo-de-prova em torno

de seu eixo. Este ciclo de operações deve ser repetido mais duas vezes.

6.4.8.3 O diâmetro do tambor deve corresponder ao raio mínimo de curvatura para instalação, estabelecido na NBR 9511,

em função do tipo de construção do cabo. É admitida uma tolerância de ± 5% sobre o valor calculado.

12

NBR 7286:2001

6.4.8.4 Após completos os três ciclos de dobramento, o corpo-de-prova deve ser submetido ao ensaio de descargas par-

ciais, conforme 6.4.7.

6.4.9 Ensaio de determinação do fator de perdas no dielétrico (tangente δ) em função do gradiente elétrico máximo no condutor (E e T)

6.4.9.1 Este ensaio é requerido para cabos a campo radial com tensões de isolamento superiores a 3,6/6 kV.

6.4.9.2 O fator de perdas no dielétrico (tangente δ) deve ser medido na unidade de expedição (ensaio especial) ou em cor-

po-de-prova mecanicamente condicionado, conforme descrito em 6.4.8 (ensaio de tipo).

6.4.9.3 Os valores eficazes das tensões elétricas alternadas, de ensaios freqüência 48 Hz a 62 Hz, constam nas tabe-

las B.3 e B.4 do anexo B e devem ser calculadas conforme 6.4.4.4, utilizando-se 2 kV/mm, 4 kV/mm e 8 kV/mm, respectiva-

mente, como valores de gradiente elétrico de ensaio.

6.4.9.4

Os valores medidos não devem exceder os estabelecidos nas tabelas B.10 e B.11 do anexo B.

6.4.9.5

O ensaio deve ser realizado conforme a NBR 7295.

6.4.10

Ensaio de determinação do fator de perdas no dielétrico (tangente δ) em função da temperatura (T)

6.4.10.1 Este ensaio é requerido para cabos a campo radial com tensões de isolamento superiores a 3,6/6 kV.

6.4.10.2 O corpo-de-prova deve ser aquecido por meio de um dos procedimentos estabelecidos em 6.4.6.4.

6.4.10.3 O fator de perdas no dielétrico (tangente δ) deve ser medido no corpo-de-prova, à temperatura de 90 o C ± 2 o C, ou

105 o C ± 2 o C no caso do cabo 105 o C, com tensão elétrica alternada, freqüência 48 Hz a 62 Hz, de valor correspondente ao

gradiente elétrico máximo do condutor de 2 kV/mm.

6.4.10.4 Os valores medidos não devem exceder os estabelecidos na tabela B.8 do anexo B.

6.4.10.5 O ensaio deve ser realizado conforme a NBR 7295.

6.4.11 Ensaio de ciclos térmicos (T)

6.4.11.1 Este ensaio é requerido para cabos a campo radial com tensões de isolamento superiores a 3,6/6 kV.

6.4.11.2 O corpo-de-prova, retirado de um comprimento de cabo, respeitado um tempo mínimo de sete dias após a fa-

bricação, deve ser montado em forma de U, observando-se o raio de curvatura mínimo, para instalação em função do tipo de construção do cabo, estabelecido na NBR 9511. É permitida a colocação do corpo-de-prova em um eletroduto não me- tálico, a fim de facilitar a realização do ensaio, bem como a utilização de uma veia blindada ou um cabo unipolar, no caso de cabos multipolares ou multiplexados.

6.4.11.3 Antes do início do ensaio de ciclos térmicos, o corpo-de-prova deve ser submetido à seqüência de ensaios de

6.2.2.10, alíneas a) até f) e a alínea i).

6.4.11.4 Durante 30 dias, o corpo-de-prova deve ser submetido continuamente à tensão elétrica alternada, freqüência

48 Hz a 62 Hz, de valor correspondente ao gradiente elétrico máximo no condutor de 8 kV/mm. Interrupções eventuais de-

vem ser compensadas.

6.4.11.5 Nas condições indicadas em 6.4.11.4, o corpo-de-prova deve ser submetido a uma corrente elétrica de aque-

cimento, de modo a atingir a temperatura de 130 o C ± 3 o C, ou 140 o C ± 3 o C, no caso do cabo 105 o C, no condutor, por um tempo mínimo de 6 h contínuas, a cada dia útil.

6.4.11.6

6.2.2.10, alíneas c), e) e f).

No 15 o dia e no término do ensaio (30 o dia), o corpo-de-prova deve ser submetido aos ensaios previstos em

6.4.11.7 O corpo-de-prova, antes e após ser submetido a ciclos térmicos sob tensão elétrica, deve atender aos requisitos

estabelecidos em 6.4.7, 6.4.9 e 6.4.10, e a resistividade elétrica máxima à temperatura de operação, das camadas semi- condutoras, estabelecidas na NBR 6251.

6.4.12 Tensão elétrica de impulso (T)

6.4.12.1 Este ensaio é requerido para cabos a campo radial, com tensões de isolamento superiores a 3,6/6 kV.

6.4.12.2 O corpo-de-prova, com o condutor à temperatura 95 o C ± 2 o C ou 110 o C ± 3 o C, no caso do cabo 105 o C, deve su-

portar, sem falhas, dez impulsos positivos e dez impulsos negativos de tensão, com valor de crista estabelecido na tabe- la B.9 do anexo B.

6.4.12.3 O ensaio deve ser realizado conforme a NBR 7292.

6.4.12.4 Após a realização do ensaio de impulso, o corpo-de-prova deve ser submetido, à temperatura ambiente, a ensaio

elétrico de screening, conforme 6.4.4.

6.4.13 Ensaio de tensão elétrica de longa duração (E e T)

6.4.13.1 Este ensaio é requerido para cabos com tensões de isolamento iguais ou inferiores a 3,6/6 kV e deve ser realiza-

do à temperatura ambiente.

NBR 7286:2001

13

6.4.13.2 Para cabos não blindados individualmente, o ensaio deve ser feito em corpo-de-prova constituído por veia retirada

do cabo completo, após terem sido removidos todos os componentes exteriores à isolação. O corpo-de-prova deve ser

imerso em água pelo menos 1 h antes do ensaio e a tensão deve ser aplicada entre o condutor e a água.

6.4.13.3 Para cabos blindados individualmente, o corpo-de-prova deve ser constituído por cabo completo e a tensão deve

ser aplicada entre condutor(es) e blindagem(ens).

6.4.13.4 O corpo-de-prova, quando submetido à tensão elétrica alternada, freqüência 48 Hz a 62 Hz, de valor eficaz 3 Vo,

pelo tempo de 4 h, não deve apresentar perfuração.

6.4.13.5 O ensaio deve ser realizado conforme a NBR 6881.

6.4.14 Ensaio de envelhecimento em cabo completo (T)

6.4.14.1 Este ensaio é requerido para cabos com tensões de isolamento iguais ou inferiores a 3,6/6 kV e tem a finalidade

de verificar a compatibilidade química entre a isolação e os demais componentes que constituem o cabo.

6.4.14.2 A amostra deve ser envelhecida em estufa a ar, a uma temperatura de 100 o C ± 2 o C, durante 168 h. Quando a

cobertura é do tipo ST1 ou ST3, a temperatura deve ser 90 o C ± 2 o C.

6.4.14.3 O corpo-de-prova correspondente à isolação, capa de separação (quando esta existir) e cobertura, retirado de

amostra do cabo completo após envelhecimento, deve atender aos requisitos de tração e alongamento à ruptura, previstos

na NBR 6251 para envelhecimento em estufa a ar. O condutor removido da amostra envelhecida não deve apresentar qualquer evidência de corrosão quando submetido à inspeção visual, sem auxílio de qualquer equipamento óptico. Oxi- dação ou descoloração normal do cobre não devem ser levadas em consideração.

6.4.15 Ensaio de resistência à chama (T)

6.4.15.1 Este ensaio é requerido para cabos de qualquer tensão de isolamento.

6.4.15.2 Este ensaio não é aplicável a cabos com cobertura do tipo ST3 ou ST7.

6.4.15.3 Os corpos-de-prova devem ser constituídos por comprimentos suficientes de cabo completo.

6.4.15.4 Quando submetido ao ensaio, a chama no corpo-de-prova deve auto extinguir-se e a parte carbonizada não deve

atingir a região correspondente a 50 mm da extremidade inferior do grampo de fixação superior.

6.4.15.5 O ensaio deve ser realizado conforme a NBR 6244.

6.4.16 Ensaio de aderência da blindagem semicondutora da isolação (E e T)

6.4.16.1 Este ensaio é requerido para cabos a campo radial, com blindagem semicondutora da isolação extrudada.

6.4.16.2 No corpo-de-prova previsto em 6.2.1.13, a camada semicondutora da isolação deve ser cortada longi-

tudinalmente, até atingir-se levemente a isolação. Um segundo corte paralelo deve ser feito, distante 12 mm do primeiro.

Para fixação na máquina de tração, deve-se efetuar uma separação inicial de 50 mm de tira de camada semicondutora entre os cortes longitudinais, mantendo-a em um ângulo de aproximadamente 90 o em relação à veia, durante o ensaio. A tira deve ser inserida na garra superior, e a veia, na garra inferior, adequadamente preparada, da máquina de tração. Submete-se o corpo-de-prova à tração, aumentando a velocidade até que a tira se separe da isolação com uma velocidade de 12 mm/s.

6.4.16.3 Ambas as extremidades do corpo-de-prova devem ser ensaiadas (em sentidos contrários), sendo as tiras cor-

tadas diametralmente opostas. Cada ensaio é terminado no centro do corpo-de-prova.

6.4.16.4 O ensaio deve ser feito à temperatura ambiente, devendo-se registrar as forças máximas e mínimas de tração, na

velocidade especificada, para cada um dos ensaios.

6.4.16.5

A força necessária para remoção da blindagem semicondutora extrudada da isolação deve estar entre 13 N a

105 N.

6.4.16.6

Após a retirada da blindagem semicondutora extrudada da isolação, a superfície exposta da isolação não deve

apresentar danos, nem existir material semicondutor de difícil remoção.

6.4.17 Ensaios físicos nos componentes do cabo (E e T)

Os ensaios físicos nos componentes são indicados na NBR 6251, com os respectivos métodos de ensaio e requisitos.

6.4.18 Ensaio para determinação do coeficiente por o C para correção da resistência de isolamento (T)

6.4.18.1 Este ensaio pode ser realizado desde que previamente requerido, como exigência adicional, para tensões iguais

ou inferiores a 3,6/6 kV.

6.4.18.2 O corpo-de-prova deve ser preparado e ensaiado conforme a NBR 6813 e o coeficiente por o C obtido deve ser

aproximadamente igual ao previamente fornecido pelo fabricante.

6.4.18.3 Certos compostos apresentam elevada constante de isolamento, o que pode dificultar a determinação de seu

coeficiente por o C. Nestes casos, deve ser aceito o menor coeficiente dado na tabela B.4 do anexo B.

6.4.19 Penetração longitudinal de água

6.4.19.1 Este requisito é aplicável a cabos com construção bloqueada longitudinalmente.

14

NBR 7286:2001

6.4.19.2 Durante a realização dos ensaios não deve ocorrer vazamento de água pelas extremidades do corpo-de-prova

através dos interstícios do condutor ou do bloqueio da blindagem.

6.4.19.3 Este ensaio deve ser realizado conforme o anexo D.

6.4.20 Conformidade da rigidez dielétrica em corrente alternada por amostragem seqüencial (E)

6.4.20.1 Este requisito é aplicável a cabos a campo radial, com tensões de isolamento iguais ou superiores a 8,7/15 kV.

6.4.20.2 O gradiente de perfuração dos corpos-de-prova, retirados de amostras de cabos de um lote de fornecimento, de-ve

atender aos requisitos estabelecidos na NBR 10299.

6.4.20.3 A modalidade de ensaio esta estabelecido na NBR 10299.

7 Aceitação e rejeição

7.1 Inspeção visual

7.1.1 Antes de qualquer ensaio, deve ser realizada uma inspeção visual sobre todas as unidades de expedição, para veri-

ficação das condições estabelecidas em 4.5 e 5.13, aceitando-se somente as unidades que satisfizerem os requisitos desta

Norma.

7.1.2 Podem ser rejeitadas, de forma individual, a critério do comprador, as unidades de expedição que não cumpram as

condições estabelecidas em 4.5 e 5.13.

7.2 Ensaios de recebimento

7.2.1 Ensaios de rotina

7.2.1.1 Sobre todas as unidades de expedição, que tenham cumprido o estabelecido em 7.1, devem ser aplicados os en-

saios de rotina dados em 6.2.1, aceitando-se somente as unidades que satisfizerem os requisitos especificados.

7.2.1.2 Podem ser rejeitadas, de forma individual, a critério do comprador, as unidades de expedição que não cumpram os

requisitos especificados.

7.2.2 Ensaios especiais

7.2.2.1 Sobre as amostra obtidas conforme critério estabelecido em 6.2.1 devem ser aplicados os ensaios especiais es-

tabelecidos nesta mesma seção. Devem ser aceitos os lotes que satisfizerem os requisitos especificados.

7.2.2.2 Se nos ensaios especiais, com exceção do previsto em 6.2.1.8 a), resultarem valores que não satisfaçam os re-

quisitos especificados, o lote do qual foi retirada a amostra pode ser rejeitado, a critério do comprador.

7.2.2.3 Nos ensaios de verificação da construção do cabo, previstos em 6.2.1.8 a), se resultarem valores que não

satisfaçam os requisitos especificados, dois novos comprimentos suficientes de cabo devem ser retirados das mesmas uni- dades de expedição e novamente efetuados os ensaios para os quais a amostra precedente foi insatisfatória. Os requisitos devem resultar satisfatórios, em ambos os comprimentos de cabo; em caso contrário, o lote do qual foi retirada a amostra

pode ser rejeitado, a critério do comprador.

7.3 Recuperação de lotes para inspeção

O fabricante pode recompor um novo lote, por uma única vez, submetendo-o a uma nova inspeção após terem sido eli- minadas as unidades de expedição defeituosas. Em casos de nova rejeição, são aplicáveis as cláusulas contratuais per- tinentes.

/ANEXO A

NBR 7286:2001

15

Anexo A (informativo) Tabela de designação dos cabos

Tabela A.1 - Designação dos cabos conforme a NBR 9311 - Exemplos

Condutor (Seção S mm 2 )

Isolação

 

Blindagem

Cobertura ou

Reunião

 

Armação

 

Cobertura

 

Designação NBR 9311

metálica

proteção da

   
   

veia

Número

Tipo

EPR

Sim

Tipo

Tipo

Sigla

Sim

Sim

Tipo

Sigla

Tipo

Sigla

Incluir seção do condutor e tensão de isolamento do cabo

 

Não

 

Não

 

Não

1

R2

E

Não

-

- -

 

Não

Não

-

-

ST2

V

1xS

R2EV 0,6kV/1kV

1

Rc

E

Não

-

- -

 

Não

Não

-

-

ST2

V

1xS

RcEV 0,6kV/1kV

1

R2

E

Não

-

- -

 

Não

Não

-

-

SE1/A

K

1xS

R2EK 0,6kV/1kV

3

R2

E

Não

-

- -

 

Sim(o)

Não

-

-

ST2

V

3xS

R2EOV 0,6kV/1kV

4

Rc

E

Não

-

- -

 

Sim(o)

Não

-

-

SE1/A

K

3xS

RcEOK 0,6kV/1kV

1

Rc

E

Sim

Fios (H)

- -

 

Não

Não

-

-

ST2

V

1xS

RcEHV 8,7kV/15kV

1

Rc

E

Sim

Fitas (H1)

- -

 

Não

Não

-

-

SE1/A

K

1xS

RcEH1K 12kV/20kV

1

Rc

E

Sim

Fios (H)

- -

 

Não

Não

-

-

ST7

P

1xS

RcEHP* ) 8,7kV/15kV Construção bloqueada

(bloqueado)

(bloqueado)

3

Rc

E

Sim

Fios (H)

ST2

V

Sim(o)

Não

-

-

-

-

3

x1Xs RcEHVO

8,7kV/15kV(*)

3

Rc

E

Não

-

 

-

- Sim(o)

Sim

Fitas

F

ST2

V

3

xS

RcEOFV 0,6kV/1kV

planas

 

3

Rc

E

Sim

Fios (H)

 

-

- Sim(o)

Sim

Fios

F1

ST2

V

3

xS

RcEHOF 12kV/20kV

3

ARc

E

Sim

Fios (H)

 

-

- Sim(o)

Sim

Fios

F1

ST2

V

3

xS

ARcEHOF1V

12kV/20kV

* ) Multiplexado.

 

/ANEXO B

16

NBR 7286:2001

Anexo B (normativo) Tabela de requisitos elétricos

Tabela B.1 - Valores eficazes de tensão elétrica alternada

Tensão de isolamento Uo/U

kV

0,6/1

1,8/3

3,6/6

Tensão de ensaio

kV

3,5

6,5

11

NOTA - Os valores de tensão elétrica alternada de ensaio correspondem a 2,5 Uo + 2,0 kV.

Tabela B.2 - Valores de tensão contínua

 

Tensão de

               

isolamento

kV

0,6/1

1,8/3

3,6/6

6/10

8,7/15

12/20

15/25

20/35

Uo/U

 

Tensão de

               

ensaio

kV

8,5

15,5

26,5

36

53

72

90

120

NOTAS

 

1

Os valores de tensão elétrica contínua de ensaio correspondem a 2,4 x (2,5 Uo + 2,0) kV, para cabos com tensões de

isolamento iguais ou inferiores a 3,6/6 kV, e 2,4 x 2,5 Uo, para cabos com tensões de isolamento superiores a 3,6/6 kV.

Os valores correspondentes a tensões de isolamento superiores a 3,6/6 kV são utilizados como referência para o cálculo das tensões de ensaios durante e após instalação, conforme 6.2.4.

2

Tabela B.3 - Valores eficazes de tensão elétrica de screening para cabos com espessura plena de isolação e construção bloqueada ou não

Seção

2

 

Tensão de ensaio kV

 

mm

6/10

8,7/15

12/20

15/25

20/35

16

26

-

-

-

-

25

28

34

-

-

-

35

29

35

41

-

-

50

30

37

43

49

58

70

31

39

45

52

61

95

32

40

47

54

65

120

33

41

48

56

67

150

33

42

49

58

69

185

34

43

50

59

71

240

35

44

52

61

74

300

35

45

53

62

76

400

36

46

54

64

79

500

36

46

55

66

81

NBR 7286:2001

17

Tabela B.4 - Valores eficazes de tensão elétrica de screening para cabos com espessura coordenada da isolação

Seção

2

 

Tensão de ensaio kV

 

mm

6/10

8,7/15

12/20

15/25

20/35

16

21

27

35

--

--

25

22

25

35

--

--

35

23

26

33

44

--

50

24

27

34

43

--

70

25

28

35

45

55

95

25

29

37

47

58

120

26

30

38

48

60

150

26

30

38

49

62

185

26

31

39

50

57

240

29

36

44

48

59

300

30

36

45

49

61

400

30

37

46

50

62

500

30

37

46

51

63

Tabela B.5 - Fatores para correção da resistência de isolamento em função da temperatura

Temperatura

 

Coeficiente/ o C

 

o

C

1,06

1,07

1,08

1,09

1,10

1,11

1,12

1,13

1,14

 

5

0,42

0,36

0,32

0,27

0,24

0,21

0,18

0,16

0,14

6

0,44

0,39

0,34

0,30

0,26

0,23

0,20

0,18

0,16

7

0,47

0,41

0,37

0,33

0,29

0,26

0,23

0,20

0,18

8

0,50

0,44

0,40

0,36

0,32

0,29

0,26

0,23

0,21

9

0,53

0,48

0,43

0,39

0,35

0,32

0,29

0,26

0,24

10

0,56

0,51

0,46

0,42

0,39

0,35

0,32

0,29

0,27

11

0,59

0,54

0,50

0,46

0,42

0,39

0,36

0,33

0,31

12

0,63

0,58

0,54

0,50

0,47

0,43

0,40

0,38

0,35

13

0,67

0,62

0,58

0,55

0,51

0,48

0,45

0,43

0,40

14

0,70

0,67

0,63

0,60

0,56

0,53

0,51

0,48

0,46

15

0,75

0,71

0,68

0,65

0,62

0,59

0,57

0,54

0,52

16

0,79

0,76

0,74

0,71

0,68

0,66

0,64

0,61

0,59

17

0,84

0,82

0,79

0,77

0,75

0,73

0,71

0,69

0,67

18

0,89

0,87

0,86

0,84

0,83

0,81

0,80

0,78

0,77

19

0,94

0,93

0,93

0,92

0,91

0,90

0,89

0,88

0,88

20

1,00

1,00

1,00

1,00

1,00

1,00

1,00

1,00

1,00

21

1,06

1,07

1,08

1,09

1,10

1,11

1,12

1,13

1,14

22

1,12

1,14

1,17

1,19

1,21

1,23

1,25

1,28

1,30

23

1,19

1,23

1,26

1,30

1,33

1,37

1,40

1,44

1,48

24

1,26

1,31

1,36

1,41

1,46

1,52

1,57

1,63

1,69

18

NBR 7286:2001

Tabela B.5 (continuação)

Temperatura

 

Coeficiente/ o C

 

o

C

1,06

1,07

1,08

1,09

1,10

1,11

1,12

1,13

1,14

25

1,34

1,40

1,47

1,54

1,61

1,69

1,76

1,84

1,93

26

1,42

1,50

1,59

1,68

1,77

1,87

1,97

2,08

2,19

27

1,50

1,61

1,71

1,83

1,95

2,08

2,21

2,35

2,50

28

1,59

1,72

1,85

1,99

2,14

2,30

2,48

2,66

2,85

29

1,69

1,84

2,00

2,17

2,36

2,56

2,77

3,00

3,25

 

30

1,79

1,97

2,16

2,37

2,59

2,84

3,11

3,39

3,71

31

1,90

2,10

2,33

2,58

2,85

3,15

3,48

3,84

4,23

32

2,01

2,25

2,52

2,81

3,14

3,50

3,90

4,33

4,82

33

2,13

2,41

2,72

3,07

3,45

3,88

4,36

4,90

5,49

34

2,26

2,58

2,94

3,34

3,80

4,31

4,89

5,53

6,26

35

2,40

2,76

3,17

3,64

4,18

4,78

5,47

6,25

7,14

36

2,54

2,95

3,43

3,97

4,59

5,31

6,13

7,07

8,14

37

2,69

3,16

3,70

4,33

5,05

5,90

6,87

7,99

9,28

38

2,85

3,38

4,00

4,72

5,56

6,54

7,69

9,02

10,58

39

3,03

3,62

4,32

5,14

6,12

7,26

8,61

10,20

12,06

40

3,21

3,87

4,66

5,60

6,73

8,06

9,65

11,52

13,74

Temperatura

 

Coeficiente/ o C

 

o

C

1,15

1,16

1,17

1,18

1,19

1,20

1,21

1,22

1,23

 

5 0,12

 

0,11

0,09

0,08

0,07

0,06

0,06

0,05

0,04

6 0,14

0,13

0,11

0,10

0,09

0,08

0,07

0,06

0,06

7 0,16

0,15

0,13

0,12

0,10

0,09

0,08

0,08

0,07

8 0,19

0,17

0,15

0,14

0,12

0,11

0,10

0,09

0,08

9 0,21

0,20

0,18

0,16

0,15

0,13

0,12

0,11

0,10

10 0,25

0,23

0,21

0,19

0,18

0,16

0,15

0,14

0,13

11 0,28

0,26

0,24

0,23

0,21

0,19

0,18

0,17

0,16

12 0,33

0,31

0,28

0,27

0,25

0,23

0,22

0,20

0,19

13 0,38

0,35

0,33

0,31

0,30

0,28

0,26

0,25

0,23

14 0,43

0,41

0,39

0,37

0,35

0,33

0,32

0,30

0,29

15 0,50

0,48

0,46

0,44

0,42

0,4