Você está na página 1de 3

ATENDIMENTOS - TERAPIA BREVE

• As sessões terão a duração de 50 minutos.


• A característica básica dos educandos: terem se submetido ao processo de
Avaliação Diagnóstica Psicoeducacional e pertencerem a Rede Municipal de
Ensino, estando isentos de qualquer comprometimento cognitivo.
• O número de sessões será estabelecido junto a família do educando, no decorrer
da Entrevista Inicial, tendo em vista no mínimo 10 sessões e no máximo 20,
sendo distribuídos estes atendimentos em sessões consecutivas destinadas à
criança, e simultaneamente atendimentos individuais e/ou grupais à família e à
escola.

• No contrato terapêutico será realizada uma explicação da função e objetivos


terapêuticos; estabelecimento de dias/horários/faltas; sigilo profissional e das
possibilidade de flexibilidade na proposta inicial no que se refere ao número de
sessões a serem realizadas;

• O educando será encorajado a agir, através de tarefas simples, objetivas, claras,


diretas, atraentes, tentando novas formas de atitudes frente a vida. Desta forma
poderá estar capacitado para lidar melhor nas suas relações interpessoais, de
modo prático nas dificuldades e conflitos entre amigos, familiares, colegas, etc.,
facilitando que o educando redescubra seu potencial e volte aos poucos a
melhorar seu sentimento de impotência, refletindo positivamente em seu
desempenho acadêmico.

• Ao final de cada sessão, o próprio educando ficará responsável por registrar os


conteúdos trabalhados naquele dia, podendo fazê-lo através de desenhos ou
escrita.
• O trabalho com a Terapia Breve terá como objetivos:
1. Delimitar junto ao paciente, o que se espera da psicoterapia, planejando o
prognóstico.
2. Conscientizar o paciente de seus conteúdos emocionais.
3. Identificar a área de maior preocupação ⇒ FOCALIZAÇÃO.
4. Trabalhar o AQUI e o AGORA, com os conflitos externos, da realidade
concreta, sendo que o terapeuta ajudará a lidar com os conflitos mais
significativos, promovendo uma clarificação dos valores ou situações já
incorporados pelo indivíduo, família e instituição.

• A intervenção deverá ocorrer em três níveis:


1. Junto a criança: com sessões lúdicas e em grupos, através de “tarefas” para
casa, que ao serem trabalhadas levam cada sessão para o “mundo real” do
educando. Tais “tarefas” serão escolhidas de acordo com a singularidade de
cada caso, visando atender as necessidades emergenciais do educando, em
suas relações vinculares, direcionadas a questões pedagógicas. Ao retornar
será realizado um feedback sobre a “tarefa”, focalizando as dificuldades e
facilidades na execução da mesma, o que poderá ser registrado através da
escrita, desenhos, fantoches ou apenas oralmente de acordo com o objetivo
do proposto.
2. Junto a família: atendimentos grupais e individuais, com orientações,
aconselhamentos e entrevistas, de maneira diretiva e focalizando os
conteúdos emocionais do paciente. Assim como com o paciente, serão
também trabalhadas “tarefas” que permitirão uma maior reflexão sobre o
dia-a-dia e atitudes em relação ao educando em questão.
3. Junto a Instituição: através de orientações individuais, trabalhar aquilo que
será mais útil saber sobre o paciente, possibilitando a criação de vínculos e
relacionamentos significativos, bem como considerar alternativas de ações
diferenciadas a serem desenvolvidas com o educando na Instituição.
• O trabalho junto a família trará a possibilidade de uma releitura da dinâmica
familiar frente as questões emocionais do paciente que estarão em questão nos
atendimentos.
• A Psicoterapia Breve não busca como meta terapêutica a reestruturação global
da personalidade, como propõe a psicanálise. Em psicoterapia Breve defini-se
um objetivo terapêutico, buscando-se o desenvolvimento positivo de
determinada área da personalidade e/ou vida do paciente. A alta vai ser dada em
função da resolução do conflito focal, pois espera-se que a reforma de uma área
atingida possa gerar repercussões que levem a mudanças positivas em outras
áreas da vida e da personalidade do paciente, partindo-se do pressuposto que as
reações em cadeia iniciadas pela terapia irão deflagrai mecanismos internos que
darão seguimento ao processo iniciado. O processo de alta será trabalhado junto
ao educando, família e instituição.