Você está na página 1de 11

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

INSTITUFO DE QUÍMICA

Relatório referente à reatividade de metais, equilíbrio químico, oxido-


redução e corrosão

ALUNOS: Lhiego Rodrigues de Paula

Willis A. Manza Junior

Lohayne Vilela

Luís Fernando

CURSO: Engenharia Mecânica

PROFESSOR: Gustavo

Goiânia, 10/07/2009
Introdução

Muitos processos de oxido redução têm grande importância na vida cotidiana, como,
por exemplo: a corrosão, a fermentação, a respiração e a combustão da gasolina, entre
outros. O estudo da oxidação dos metais é um tema de grande importância devido ao
enorme número de aplicações que estes encontram na fabricação dos mais variados
produtos (Gentil,1987). Os processos de oxidação e de redução são necessariamente co-
ocorrentes, pois os elétrons liberados na oxidação são usados na redução. A ordem de
reatividade dos metais pode ser estabelecida tendo como referência os potenciais padrão
de redução, ou seja, quanto maior e mais positivo o E° red, maior a tendência de
ocorrência da redução. Dessa forma, os metais podem ser colocados numa fila
decrescente de reatividade, que obedece uma ordenação.
De acordo com essa fila pode-se escolher os materiais a serem utilizados para
construir os mais variados objetos tendo em vista

Objetivos

Os experimentos aqui apresentados têm como finalidade mostrar algumas reações de


oxido redução ocorridas com metais, seus mecanismos e aplicações, além das equações
que regem tais reações.
Nas reações de oxido redução o agente redutor e o agente oxidante são determinados
por uma série de reatividade que foi construída experimentalmente de acordo com o
experimento 8. Tal fila é de fundamental importância, pois auxilia na hora de escolher
materiais para a construção de carros, máquinas, estruturas, entre outros, podendo
também ser empregada na escolha de metais de sacrifício e na determinação dos
matérias necessários para a construção de uma pilha e na determinação de seu
rendimento.
Parte experimental
Experimento 8

Materiais

• Placa de teste;
• Tubos de ensaio;
• Colherinha;
• Tabela de reatividade dos metais;
• Raspas ou pregos de cobre (Cu),, ferre (Fe), zinco (Zn), magnésio (Mg) e
alumínio(Al);
• Solução de ácido clorídrico (HCl) 6 mol/L;
• Frascos conta-gotas com soluções de 1 mol/L;
-Cloreto de magnésio (MgCl₂)
-Sulfato de alumínio (Al₂(SO₄)₃)
-Sulfato de Zinco (ZnSO₄)
-Sulfato de cobre (CuSO₄)
-Cloreto ferroso (FeCl₂)

Metodologia
Foram colocados ¼ de espátula de raspas de cada metal em 6 tubos de ensaio
diferentes, totalizando 30 tubos de ensaio, e nestes tubos foram adicionados as soluções
de MgCl₂, Al₂(SO₄)₃, ZnSO₄, CuSO₄, FeCl₂e HCl.
Observou-se a ocorencia ou não de reação em cada tubo de ensaio (formação de
bolhas, mudança de coloração, corrosão, entre outros). Constriu-se, então, uma tabela
informando quais os metais reagiram com quais soluções. Com tais dados disponíveis,
copáramos a reatividade de cada metal e assim pudemos colocar os metais testados em
sua ordem de reatividade.

Experimento 9

Materiais

• Tubo de ensaio com tampa;


• Solução de tetracloreto de carbono;
• Solução de sulfato de cobre (CuSO4 ) 0,05mol/L;
• Conta-gotas de solução 0,2mol/L de iodeto de potássio (KI);
• Conta-gotas de solução de amonia (NH3);
• Conta-gotas de solução 8mol/L de ácido nítrico (HNO3);

Metodologia
Resultados e discussão

Experimento 8

A partir da prática de laboratório constatou-se que os metais abaixo reagiram com as


seguintes soluções:
Mg Al Zn Fe Cu
MgCl₂ X - - X -
Al₂(SO₄)₃ X - - X -
ZnSO₄ X - - - -
FeCl₂ X - - - -
HCl X X X X -
CuSO₄ X - X X -
Tabela 1: Os campos preenchidos com X indicam que foi observada reação, os campos
preenchidos com – indicam que a reação não ocorrera.

As reações de oxido redução que provavelmente ocorreram são :


I) Magnésio com Cloreto de magnésio :
Oxidação : Mg°˓s˒ → Mg²+˓aq˒+ 2 e- E°oxi=+2,36V
Redução: Mg²+˓aq˒+ 2 e- → Mg°˓s˒ E°red=-2,36V
Equação global : Mg°˓s˒ + Mg²+˓aq˒ → Mg²+˓aq˒ + Mg°˓s˒ ΔE°=0,00V

II) Magnésio com Sulfato de alumínio :


Oxidação : 3Mg°˓s˒ → 3Mg²+˓aq˒+ 6 e- E°oxi=+2,36V
Redução: 2Al³+˓aq˒+ 6 e- → Al°˓s˒ E°red=-1,66V
Equação global : 3 Mg°˓s˒ + 2Al³+˓aq˒ → 3Mg²+˓aq˒ + 2Al°˓s˒ ΔE°=+0,70V

III) Magnésio com Sulfato de zinco :


Oxidação : Mg°˓s˒ → Mg²+˓aq˒+ 2 e- E°oxi=+2,36V
Redução: Zn²+˓aq˒+ 2 e- → Zn°˓s˒ E°red=-0,76V
Equação global : Mg°˓s˒ + Zn²+˓aq˒ → Mg²+˓aq˒ + Zn°˓s˒ ΔE°=+1,60V

IV) Magnésio com Cloreto ferroso :


Oxidação : Mg°˓s˒ → Mg²+˓aq˒+ 2 e- E°oxi=+2,36V
Redução: Fe²+˓aq˒+ 2 e- → Fe°˓s˒ E°red=-0,44V
Equação global : Mg°˓s˒ + Fe²+˓aq˒ → Mg²+˓aq˒ + Fe°˓s˒ ΔE°=+1,92V

V) Magnésio com Ácido cloridrico :


Oxidação : Mg°˓s˒ → Mg²+˓aq˒+ 2 e- E°oxi=+2,36V
Redução: 2H+˓aq˒+ 2 e- → H2˓g˒ E°red=-0,00V
Equação global : Mg°˓s˒ + 2 H+˓aq˒ → Mg²+˓aq˒ + H2˓s˒ ΔE°=+2,36V
VI) Magnésio com Sulfato de cobre :
Oxidação : Mg°˓s˒ → Mg²+˓aq˒+ 2 e- E°oxi=+2,36V
Redução: Cu²+˓aq˒+ 2 e- → Cu°˓s˒ E°red=+0,34V
Equação global : Mg°˓s˒ + 2 H+˓aq˒ → Mg²+˓aq˒ + H2˓s˒ ΔE°=+2,70V

De acordo com essas equações percebe-se que o Magnésio é altamente reativo, ou


seja, tem uma alta tendência a oxidar, pois reagiu de forma espontânea com todas as
soluções.

I) Alumínio com Cloreto de magnésio :


Oxidação: 2Al°˓s˒→ 2Al³+˓aq˒+ 6 e- E°red=-1,66V
Redução : 3Mg²+˓aq˒+ 6 e- → 3Mg°˓s˒ E°oxi=-2,36V
Equação global : 2Al°˓s + 3Mg²+˓aq˒ ˒→ 2Al³+˓aq˒+ 3Mg°˓s˒ ΔE°=-0,70V

II) Alumínio com Sulfato de alumínio :


Oxidação : Al°˓s˒ → Al³+˓aq˒+ 3 e- E°oxi=+1,66V
Redução: Al³+˓aq˒+ 3 e- → Al°˓s˒ E°red=-1,66V
Equação global : Al°˓s˒ + Al³+˓aq˒ → Al³+˓aq˒ + Al°˓s˒ ΔE°=-0,00V

III) Alumínio com Sulfato de zinco :


Oxidação : 2Al°˓s˒ → 2Al³+˓aq˒+ 6 e- E°oxi=+1,66V
Redução: 3Zn²+˓aq˒+ 6 e- → 3Zn°˓s˒ E°red=-0,76V
Equação global : 2Al°˓s˒ + 3Zn²+˓aq˒ → 2Al²+˓aq˒ + 3Zn°˓s˒ ΔE°=+0,90V

IV) Alumínio com Cloreto ferroso:


Oxidação : 2Al°˓s˒ → 2Al³+˓aq˒+ 6 e- E°oxi=+1,66V
Redução: 3Fe²+˓aq˒+ 6 e- → 3Fe°˓s˒ E°red=-0,44V
Equação global : 2Al°˓s˒ + 3Fe²+˓aq˒ → 2Al²+˓aq˒ + 3Fe°˓s˒ ΔE°=+1,22V
V) Alumínio com Ácido cloridrico :
Oxidação : 2 Al°˓s˒ → 2Al³+˓aq˒+ 6 e- E°oxi=+1,66V
Redução: 6H+˓aq˒+ 6 e- → 3H2°˓g˒ E°red=0,00V
Equação global : 2Al°˓s˒ + 6H+˓aq˒ → 2Al³+˓aq˒ + 3H2˓g˒ ΔE°=+1,66V

VI) Alumínio com Sulfato de cobre:


Oxidação : 2Al°˓s˒ → 2Al³+˓aq˒+ 6 e- E°oxi=+1,66V
Redução: 3Cu²+˓aq˒+ 6 e- → 3Cu°˓s˒ E°red=+0,34V
Equação global : 2Al°˓s˒ + 3Cu²+˓aq˒ → 2Al²+˓aq˒ + 3Cu°˓s˒ ΔE°=+2,00V

O alumínio por sua vez é bastante reativo, como mostram as equações, porém
tal fato não foi observado na prática, pois provavelmente o matéria empregado
não era constituído de alumínio puro ou poderia ser constituído de uma liga de
alumínio.

I) Zinco com Cloreto de magnésio :


Oxidação : Zn°˓s˒ → Zn²+˓aq˒+ 2 e- E°oxi=+0,76V
Redução: Mg²+˓aq˒+ 2 e- → Mg°˓s˒ E°red=-2,36V
Equação global : Zn°˓s˒ + Mg²+˓aq˒ → Zn²+˓aq˒ +Mg°˓s˒ ΔE°=-1,60V
II) Zinco com Sulfato de alumínio :
Oxidação : 3Zn°˓s˒ → 3Zn²+˓aq˒+ 6 e- E°oxi=+0,76V
Redução: 2Al³+˓aq˒+ 6 e- → 2Al°˓s˒ E°red=-1,66V
Equação global : 3Zn°˓s˒ + 2Al³+˓aq˒ →3 Zn²+˓aq˒ + 2Al°˓s˒ ΔE°=-0,90V

III) Zinco com Sulfato de zinco :


Oxidação : Zn°˓s˒ → Zn²+˓aq˒+ 2 e- E°oxi=+0,76V
Redução: Zn²+˓aq˒+ 2 e- → Zn°˓s˒ E°red=-0,76V
Equação global : Zn°˓s˒ + Zn²+˓aq˒ → Zn²+˓aq˒ +Zn°˓s˒ ΔE°=0,00V

IV) Zinco com Cloreto ferroso :


Oxidação : Zn°˓s˒ → Zn²+˓aq˒+ 2 e- E°oxi=+0,76V
Redução: Fe²+˓aq˒+ 2 e- → Fe°˓s˒ E°red=-0,44V
Equação global : Zn°˓s˒ + Fe²+˓aq˒ → Zn²+˓aq˒ + Fe°˓s˒ ΔE°=+0,32V

V) Zinco com Ácido cloridrico :


Oxidação : Zn°˓s˒ → Zn²+˓aq˒+ 2 e- E°oxi=+0,76V
Redução: 2H+˓aq˒+ 2 e- → H2°˓g˒ E°red=0,00V
Equação global : Zn°˓s˒ + 2H+˓aq˒ → Zn²+˓aq˒ + H2˓g˒ ΔE°=+0,76V

VI) Zinco com Sulfato de cobre :


Oxidação : Zn°˓s˒ → Zn²+˓aq˒+ 2 e- E°oxi=+0,76V
Redução: Cu²+˓aq˒+ 2 e- → Cu°˓s˒ E°red=+0,34V
Equação global : Zn°˓s˒ + Fe²+˓aq˒ → Zn²+˓aq˒ + Fe°˓s˒ ΔE°=+1,10V
Conclusões
Bibliografia
Disponível em :< http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc18/A12.PDF > Acessado em : 08 de Julho
de 2009.