Você está na página 1de 36

HARDWARE

 

SOFTWARE

 

CONFIGURAÇÃO DE UM COMPUTADOR MODERNO

 

COMPONENTE

CARACTERÍSTICA

PROCESSADOR

CORE i7 3,2 GHZ COM 4 NÚCLEOS REAIS

MONITOR

LCD, 27” (POLEGADAS) – SXGA

PLACA DE VÍDEO PCI-X 3D

512 MB (MEMÓRIA Vram)

DISCO RÍGIDO

1 TB 7200 RPM COM CONEXÃO SATA

MEMÓRIA RAM “DDR3”

4GB DUAL CHANNEL 1600MHz DE

FREQUÊNCIA

 

MEMÓRIACACHÊ (L2)

4x2 MB, TOTAL DE 8MB

DRIVE DE DISQUETE

3 1/2 1,44 MB

DRIVE DE BLU-RAY

GRAVADORA DVD±RW E

DVD+RW 4x 2.4x 12x DVD+RW 4x 2x 12x E

CD/RW

CD-RW 16x 10x 40x

 

PLACA DE FAX-MODEM

56 Kilobits Por Segundo V92

PLACA DE REDE

10/100/1000 Megabits Por Segundo

PLACA DE REDE WI FI

IEEE 802.11b/g/n 108 Mps Por Segundo

INTERFACE FIREWIRE

IEEE 1394

8 INTERFACES USB

2.0

INTERFACE BLUETOOTH

TIPOS DE COMPUTADORES

 
 

MENORES QUE O PC

DEFINIÇÃO

 

NOTEBOOK E LAPTOP

Possuem os hardwares em um único equipamento portátil.

 

TABLETS

Sua principal característica é ter o monitos

sensível ao toque e ter um tamanho reduzido.

 

NETBOOK

Também reduzido e voltado para, primordialmente, internet e edições simples

 

como trabalhos de escritórios. Não possuem

drives ópticos

SMARTPHONES

É um telefone com várias funções de

 

computador.

MAIORES QUE O PC

DEFINIÇÃO

   

WORKSTATION

É um computador semelhante ao PC, porém voltado para o trabalho mais pesado, para edições de imagens, filmes ou outros

trabalhos equivalentes.

 

MINICOMPUTADOR

O termo “mini” refere-se a algo maior que

“micro”, ou seja, minicomputadores podem

 

ser servidores em pequenas emédias

empresas.

MAINFRAME

Servidores de médias e grandes empresas.

SUPERCOMPUTADOR

São computadores com um supernível de processamento, normalmente específico

para uma determinada tarefa.

 

CLUSTERING

É um conjunto de computadores para criar

um grande computador.

 
 

PROCESSADOR (CPU/UCP)

 

DEFINIÇÃO: UCP ou CPU (PROCESSADOR) é a parte cntral do computador onde são processados os dados. É conhecido como “cérebro” do computador. É na CPU que os dados são convertidos em informações, a CPU busca os dados que estão na memória principal esperando para serem processados e então execulta as instruções que esses dados representam.

 
DEFINIÇÃO: UCP ou CPU (PROCESSADOR) é a parte cntral do computador onde são processados os dados.

PRINCIPAIS FUNÇÕES DO MICROPROCESSADOR:

 

Executar as instruções dos programas;

 

Controlar os programas que estão sendo executados;

Realizar os cálculos lógicos e aritméticos;

Controlar os dispositivos de entrada e saída.

   

PARTES DA CPU (PROCESSADOR)

 
  • UC ou Unidade de Controle: determina, coordenada, controla

 

o que deve ser feito, “É O CHEFE”.

  • ULA ou Unidade Lógica Aritmética: é quem realmente calcula,

 

executa, processa, é quem realmente faz.

  • Registradores: é uma porção de memória do tipo Cachê

 

(Cachê L1) localizada dentro do processador.

CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE UM PROCESSADOR:

 

FABRICANTES:

 

INTEL: Desenvolve processadores e diversos outros componentes e tecnologias para computadores.

AMD: Fabricante de processadores e outros componentes de hardware (processadores normalmente mais baratos que os da INTEL)

PARTES DA CPU (PROCESSADOR) UC ou Unidade de Controle: determina, coordenada, controla o que deve ser
   

MODELOS:

 

PRIMEIRA LINHA: São processadores mais caros com uma capacidade de processamento maior.

MODELOS: PRIMEIRA LINHA: São processadores mais caros com uma capacidade de processamento maior. SEGUNDA LINHA: São

SEGUNDA LINHA: São processadores mais baratos, porém com uma capacidade de processamento menor.

MODELOS: PRIMEIRA LINHA: São processadores mais caros com uma capacidade de processamento maior. SEGUNDA LINHA: São

A diferença principal entre um processador de primeira linha e um de segunda linha é a quantidade de memória CACHE L2.

FREQUÊNCIA DE TRABALHO (CLOCK):

 

Cada processador possui um cristal interno que vibra suas moléculas quando recebe alimentação elétrica. Essa “oscilação” é regular e compassada, funcionando como o “batimento cardíaco” do

processador. Quanto maior for a freqüência, ou seja, quanto mais oscilações houver em um determinado espaço de tempo, mais rápido seu processador executa as operações. A freqüência é medida em hertz (oscilações por segundo), e já chegamos a fronteira dos GHz (gigahertz). PENTIUM (75 MHZ) ó CORE (4 GHZ (CLOCK MÁXIMO))

   

MEMÓRIA CACHE:

 

É uma memória que está entre o processador e a RAM, para fazer com que o acesso à RAM seja mais veloz. A memória CACHE normalmente é formada por circuitos dentro do processador, para que sua velocidade seja ainda maior. Uma vez acessada uma informação, ela não precisará ser acessada mais uma vez na RAM, o computador vai buscá-la na CACHE, pois já estará lá.

A memória cachê é bem mais cara; Ela é chamada de memória de atalho; Ela vem

A memória cachê é bem mais cara; Ela é chamada de memória de atalho; Ela vem em menor quantidade do que a RAM;

É bem mais rápida que a RAM; Tem como objetivo otimizar o processamento principalmente em tarefas repetidas; Também é uma memória do tipo RAM, mais especificamente

Tipos:

 

RAM estática (SRAM).

Cachê interna: HÁ vários níveis de memória CACHE: CACHE primaria (L1) e CACHE secundária (L2) são as mais comuns. Há processadores, porém, que possuem a memória CACHÊ L3. CAPACIDADE: 128, 256, 512, 1024, 2048, 4096(KBS)

Quanto mais memória CACHE um processador possui, mais desempenho ele apresenta;

MEMÓRIA CACHE: É uma memória que está entre o processador e a RAM, para fazer com
 
   

COOLER:

 

É o equipamento responsável pelo resfriamento da unidade central de processamento. O cooler tem por função fazer com que o processador trabalhe em temperaturas baixas posto que o processador gera muito calor durante seu funcionamento.

GABINETE

 

GABINETE: Dentro dele, há vários componentes que fazem o processamento da informação. Mas atenção, não chame do gabinete de CPU, pois são coisas diferentes (algumas pessoas, inclusive técnicos costumam chamar o gabinete de CPU porque esta a CPU está dentro do gabinete).

 

PLACA MÃE

   
PLACA MÃE: É uma grande placa de circuitos onde são encaixados os outros componentes, a placa
PLACA MÃE: É uma grande placa de circuitos onde são encaixados os
outros componentes, a placa mãe recebe o processador, as
PLACA MÃE OFF-BOARD: É mais cara, mas possui um desempenho
melhor.
...
deve ser compatível com o processador e os dispositivos a serem
CHIPSET; conjuntode chips que determina a capacidade da placa
mãe e gerenciam o fluxo de dados no interior desta placa.
memórias, os conectores de teclado, mouse e impressora, e etc
PLACA MÃE ON-BOARD: É a mais barata, mas possui um
desempenho menor.
adquiridos para o micro.
MEMÓRIAS
Ela

É todo componente responsável pelo armazenamento das informações.

MEMÓRIA RAM

É um conjunto de chips que acumulam as informações enquanto estão sendo processadas, é mais ou menos assim:

O que estiver sendo apresentado no monitor está armazenado, neste momento, na RAM. Toda e qualquer informação que estiver sendo processada; todo e qualquer programa que esteja sendo executado

 

está na memória RAM. A memória RAM é vendida na forma de

pequenas placas chamadas “pentes”. RAM significa memória de acesso

aleatório, ou seja, o computador altera seu conteúdo constantemente, sem permissão da mesma, o que é realmente necessário. Como a memória RAM é alimentada eletricamente, seu conteúdo é esvaziado quando desligamos o computador. Sem chance de recuperação, ou seja, é um conteúdo volátil.

TIPOS DE MEMÓRIA RAM

DRAM (RAM DINÂMICA): Mais simples de fabricar, usa capacitores (pequenas pilhas) para armazenar carga elétrica e a memória principal. É a memória que mais usamos em nosso computador; Nossa memória principal é DRAM;

Vendida em formato de pequenas placas (“pentes” ou “módulos” que

 

se encaixam diretamente na placa-mãe.

 
DDDR3 – SRAM RDRAM (RAMBUS Dynamic RAM) MRAM (MRAM – Magneto resistive RAM – RAM Magneto-
DDDR3 – SRAM RDRAM (RAMBUS Dynamic RAM) MRAM (MRAM – Magneto resistive RAM – RAM Magneto-
 

DDDR3 SRAM RDRAM (RAMBUS Dynamic RAM) MRAM (MRAM Magneto resistive RAM RAM Magneto- resistiva)

VRAM (MEMÓRIA DE VIDEO): Memória RAM feita exclusivamente para placas de vídeo. Tipo de memória utilizada em placas de vídeo. Quanto maior for essa memória melhor qualidade terão as imagens exibidas no monitor e o processamento gráfico será maior. A tecnologia vem permitindo imagens cada vez mais elaboradas e detalhadas, principalmente de jogos e programas gráficos. Para acessar a estas melhorias, é indispensável o uso de uma excelente placa de vídeo. CAPACIDADE: 32, 64, 128, 256, 512, 1024. 2048, 4096(MB).

 

MEMÓRIA ROM

 

Definição: É uma memória somente de leitura que traz as funções básicas para o funcionamento do computador. Essa memória é responsável pelo reconhecimento dos hardwares e pelo processo de BOOT e vem gravada de fábrica. Características:

  • Memória (não volátil) permanente; o seu conteúdo não sofre alterações constantes; Memória de difícil acesso (somente de leitura); Memória responsável pelo armazenamento do firmware; Possui instruções para o funcionamento interno do computador;
    Armazena programas e dados para controle do computador; Considerada veloz.

Memória (não volátil) – permanente; o seu conteúdo não sofre alterações constantes; Memória de difícil
 

BIOS: O sistema básico de entrada e saída. A Bios faz um reconheciemento básico (necessário para o funcionamento do computador) dos dispositivos de entrada e saída, pois um hardware para ser executado deve ser reconhecido pela BIOS.

SETUP: Dentro da Bios, existe um programa de configurações básicas na Bios do computador. Ex: alteração de data e hora do computador, definição ou alteração da senha de inicialização, alteração na ordem de boot.

POST: Autoteste durante a inicialização, testa se todos os componentes do computador estão funcionando corretamente. Testa o teclado, o vídeo, a memória, o processador etc.

 

CMOS: uma memória do tipo RAM que armazena as modificações que forem feitas no SETUP. Como essa memória é volátil existe uma bateria que mantém a memória CMOS carregada.

 

BOOT: processo de inicialização do computador, acionado pela memória ROM.

 

Tipos de memória ROM:

 

MROM (Mask Read Only Memory) PROM (Programmable Read Only Memory) EPROM (Electrically Programmable Read Only Memory) EEPROM (Electrically Erasable Programmable Read Only

Memory) Flash ROM (Flash Read Only Memory) CD-ROM, DVD-ROM e outras mídias ópticas apenas para leitura.

Memory) Flash ROM (Flash Read Only Memory) CD-ROM, DVD-ROM e outras mídias ópticas apenas para leitura.

 

MEMÓRIA VIRTUAL

 

A memória virtual é uma extensão da memória RAM. Ou seja, é constituída da junção da memória principal (DRAM) com a memória secundária (HD). É reservado um determinado espaço no HD para tal função.

 
A memória virtual é uma extensão da memória RAM. Ou seja, é constituída da junção da

Quanto menos memória RAM um computador tiver, maior será a necessidade da utilização da memória virtual. A memória virtual, então, é utilizada para suprir a falta de memória RAM, porém, não a substitui e também não existe fisicamente. Não há substituição porque o disco é bem mais lento que a memória RAM e não existe fisicamente porque é apenas uma utilização temporária do espaço do disco rígido.

MEMÓRIAS AUXILIARES

 

São responsáveis por armazenar informações para uso posterior. Isso porque não perdem informações quando o computador é desligado (não voláteis) e podem ser alteradas. Podem ser utilizados como meios de armazenamento do BACKUP.

DISCO RÍGIDO: Também conhecido como winchester ou HD, é um dispositivo de armazenamento magnético na forma de discos sobrepostos. É no disco rígido que as informações são gravadas de forma permanente, para que possamos acessá-las posteriormente. As informações gravadas nos discos rígidos são chamadas arquivos. Ele também tem que passar por uma formatação, e pode ainda, passarpor um processo de particionamento, que criará para o computador uma

“idéia” d que existem 2 ou mais HDs .

 
São responsáveis por armazenar informações para uso posterior. Isso porque não perdem informações quando o computador

CAPACIDADE: 320GB ATÉ 1TB Antigamente, a formatação dos HDs era feita por meio da tabela FAT 16 ou FAT 32 (a FAT 32 é compatível com o Windows 95 até o XP/VISTA), no entanto, hoje em dia, é mais comum usarmos o sistema NTFS (compatível somente com o Windows 2000,XP e VISTA): que permite entre outros recursos a compactação e a criptografia. Cluster: É o menor espaço que pode ser armazenado em um HD, consiste em um ou mais setores do HD. Um cluster jamais pode conter dois arquivos, ou pedaços de dois arquivos, o cluster é sempre um local onde vai se guardar um arquivo ou um pedaço de arquivo. Quanto menor for o cluster melhor será a utilização (menos disperdício) do espaço de armazenamento.

 

Tipos de HD:

IDE (integrated Drive Eletronics) ou ATA; EIDE (Enhanced IDE); IDE UltraATA ou UltraDMA (UDMA); SCSI (Small Computer System Interface); Serial ATA (SATA Serial Advanced Technology Attachment).

 

DISQUETE: Sua capacidade é de 1,44MB antes de ser formatado e de 1,38MB após essa formatação. É obrigatório formatar o disquete antes de usá-lo, embora ele já possa vir formatado de fábrica. O disquete utiliza tecnologia magnética. O tamanho do disquete é 3,5 ou 3 e ½ polegadas. Proteção contra gravação: os disquetes podem ser protegidos contra gravação ou exclusão, evitando que dados muito importantes sejam removidos acidentalmente também evitando a propagação de vírus para o disquete.

 

CD (COMPACT DISK): Esse é um meio de gravação por meio de raios de luz (gravação óptica), sua capacidade média é de 700MB. CDR: são os CDs graváveis; CDRW: são os CDs regraváveis; CD ROM: são os CDs somente de leitura. CAPACIDADES: 650, 700, 800 MB

CD (COMPACT DISK): Esse é um meio de gravação por meio de raios de luz (gravação
 

DVD: Também é óptico e sua capacidade média é de 4,7GB por camada e por face. Pode ter duas camadas por face (double layer). CAPACIDADES: 4.7, 5.9, 17GB

 
 
 

BLU-RAY: Também é óptico e sua capacidade média é de 25GB a 50GB

FITAS DE ARMAZENAMENTO: tem capacidade de 4 a 400GB

PENDRIVE: dispositivo que utiliza memória flash e é portátil, substituindo com grandes vantagens os disquetes e é plug and play (colocou usou).

CARTÕES DE MEMÓRIA (MEMORY CARD): Utilizam memória Flash e recebem nomes muito diversificados, os principais são:

CF Compact Flash (Empresa SanFisk); SM Start Media (em desuso);

CF – Compact Flash (Empresa SanFisk); SM – Start Media (em desuso);
 

MMC ( MultMedia Card (muito comum em PALMS, MP3 Players e Câmeras digitais);
SD Secure Digital ( Derivado do MMC, mais rápido e com recursos contra cópia. Existe o MiniSD e o MicroSD e normalmente há adptadores para a utilização de ambos em máquinas e outros equipamentos);
Memory Stick (desenvolvido pela Sony, possui uma versão

“normal” e uma PRO que tem maior capacidade.

Há também as versões mais nova: Memory Stick DUO e MemoryStick micro M2. Normalmente são utilizados em telefones celulares ou outros equipamentos muito pequenos). XD eXtreme Digital (é bastante recente e é usado basicamente em câmeras digitais. Veio substituir o Start Media). Atualmente, o formato mais popular de cartões de memória para dispositivos portáteis é o do tipo SD (Secure Digital).

Há também as versões mais nova: Memory Stick DUO e MemoryStick micro M2. Normalmente são utilizados
 
 

Flash: É uma memória rápida e sua alimentação é elétrica, porém não é volátil, sua capacidade mais comum vai de 1 a 64GB, ela trabalha com entradas USB que são HOT SWAP, ou seja, permitem a conexão e desconexão sem precisar desligar o computador.

 

DISPOSITIVOS (PERIFÉRICOS)

 

Didaticamente, podemos definir os componentes físicos do computador como divididos em duas categorias: a CPU (unidade central de processamento) e os periféricos que são os tradutores entre o usuário e a máquina (“o que está na periferia”, ao redor, ajudando a CPU a funcionar). Dividem-se em:

 
Periféricos de Entrada; Periféricos de Saída; Periféricos de Entrada e Saída;

Periféricos de Entrada; Periféricos de Saída; Periféricos de Entrada e Saída;

 

PERIFÉRICOS DE ENTRADA

 

PERIFÉRICO DE ENTRADA: É aquele que faz a informação entrar na

CPU, ou seja, tem “mão única” do usuário para a CPU.

 

São eles: teclado, mouse, câmera, microfone, scanner, etc.

TECLADO: Conjunto de teclas que permite que operemos o computador através de comandos digitados. É um periférico de entrada. No Brasil usa-se o teclado padrão ABNT ou ABNT2, que possui a tecla Çe a posição das teclas representativas de acentos em locais diferentes do teclado padrão americano. Os conectores mais usados são USB, SERIAL, PS/2

MOUSE: Através dele, controlamos uma setinha que aponta para os itens na nossa tela. Também é um periférico de entrada. Os conectores mais usados são USB, SERIAL, PS/2 Trackball: É um tipo especial de mouse, ainda mecânico, que, em vez de ter a esfera na parte inferior, possui uma grande esfera rolável na parte superior.

Touchpad: É um tipo de dispositivo apontador que consiste em uma superfície plana, retangular, sensível ao toque (ou à pressão do dedo). Ao deslizar o dedo sobre a superfície, o movimento produzido será captado e levado para o computador.

Joysticks (Controles): É um periférico de entrada que gera dados digitais correspondentes aos movimentos analógicos feitos pelo usuário. Esses dados são convertidos em movimentos ou desenhos na

tela do monitor. Basicamente, é um controle que substitui o mouse, o

 
 

tecldo ou ambos em algumas tarefas, como jogos, simulações ou projetos CAD ( projetos auxiliados por computador).

Mesa Digitalizadora (ou mesa gráfica): É um periférico de entrada de dados semelhante a uma prancheta normal, porém sensível aos desenhos realizados na superfície. É largamente utilizada em projetos CAD.

Touch Screens: São telas que permitem captar, por meio de sensores os pressionamentos diretos na tela. O dispositivo completo (monitor com touch screen) É considerado periférico de entrada e saída, no entanto, aqui se faz referência somente ao dispositivo que poderá ser acoplado ao monitorpara a captura dos pressionamentos/comandos do usuário.

Caneta Óptica: É um periférico de entrada de dados, semelhante a uma caneta normal. É capaz de transmitir os seus movimentos para o computador.

Scanner (Digitalizador): É um periférico de entrada de dados. Os scanners possuem um sensor luminoso que “lê” os pontos que formam uma determinada imagem e transfere esses pontos (a imagem) para o computador. O termo escanner (em português) já apareceu em provas recentes para concurso e é o mesmo que scanner. OCR é o software reconhecedor de caracteres ópticos (transforma pixels em texto editável como se tivesse sido digitado no WORD ou em outro editor qualquer). Conexão através de porta paralela ou CETRONICS E USB. Sua qualidade é medida em DPI (quanto maior,

melhor).

 
 
 

Microfone: É um periférico de entrada de dados. Transporta os sons do ambiente externo para a placa de som, que converte o som analógico em sináis digitais, para ser processados pelo computador.

Leitor de Código de Barras: É um periférico de entrada de dados que lê pontos (imagens) assim como o scanner (ou escanner), porém é limitado às informações contidas no padrão de código de barras. É bastante utilizado em supermecados e em grandes lojas. Nos supermercados, a leitura do código de barras transmite ao caixa o valor e o tipo de produto, assim, não é mais necessária a digitação dos preços dos produtos.

Sensor: É um periférico de entrada de dados que permite ao computador identificar variáveis ambientais, tais como: pressão temperatura, movimento, volume, luminosidade, umidade, som etc. O mais utilizado é o sensor de movimento (ou de presença) que permite apagar luzes em ambientes vázios ou acendê-las quando capta a presença de alguém.

Leitora magnética de Cartões: Também é um periférico de entrada de dados. Faz a leitura de cartões, como, por exemplo, os cartões de banco.

Câmera digital: É um periférico de entrada de dados. É semelhante a uma máquina fotográfica convencional, mas não possui filme, armazena as fotos em formato digital (disquete, cd, dvd, mais

comumente em cartão de memória).

 
 
   

Câmeras de vídeo conferência (Webcam): É um periférico de entrada de dados e se diferencia da camera digital por ficar constantemente ligada ao computador e ser utilizada para vídeocoferência. Não possui sistema de armazenamento próprio de imagens, por isso, deve estar ligada ao PC.

 

PERIFÉRICOS DE SAÍDA

 

PERIFÉRICO DE SAÍDA: É o periférico que faz a informação ser transmitida do computador para o usuário.

 

MONITOR: É o principal instrumento por onde se consegue obter as informações vindas do processamento de dados, ou seja, é o principal periférico de saída de dados. Os dois tipos mais comuns de monitores são os CRT (Cathode Ray Tube ou tubo de ráios catódicos) e os LCD (Liquid Cristal Dsplay cristal líquido) que podem ser LCD normal ou iluminados por LED.

IMPRESSORA: É um periférico, exclusivamente, de saída de dados. A qualidade de impressão é medida em DPI (pontos por polegada). A velocidade de uma impressora pode ser medida em CPS = caracteres por segundo; LPM = linhas por minuto; PPM = páginas por minuto. Como este periférico é bem mais lento que o computador, normalmente possuiu uma memória própria CHAMADA DE BUFFER servindo para armazenar os dados vindos do micro, para que este não tenha que esperar a impressão terminar para poder executar uma nova tarefa. Para que um sistema operacional do computador possa se comunicar corretamente com a impressora é necessário você instalar um DRIVER, que acompanha a impressora quando você a compra ou que pode ser conseguido na página do fabricante.

PRINCIPAIS TIPOS DE IMPRESSORA:

 
   
  • JATO DE TINTA (CARTUCHO - Deskjet): Devido a sua qualidade de impressão e ao seu preço acessível, este tipo de impressora é o mais encontrado atualmente em residências e escritórios. Atualmente utiliza as portas USB e os modelos antigos utilizavam portas PARALELAS. O modelo de seus cartuchos de tinta varia de acordo com o fabricante.

  • IMPRESSORA MATRICIAL (FITA): Este tipo de impressora já foi bastante usado no passado, tem como principal atrativo o baixo custo de sua fita de impressão, apesar do alto preço do equipamento. Também conhecida como impressora de impacto é muito utilizada para aplicações que necessitem de imprimir em formulários com carbono, o que não é possível de se fazer com impressora jato de tinta e laser. Suas maiores desvantagens são a baixa qualidade de impressão e a baixa velocidade, principalmente em modo gráfico.

 
  • IMPRESSORA LASER (TONER): Este tipo de impressora é muito utilizado para aplicações que necessitem de qualidade e velocidade. Devido ao alto custo do equipamento, de sua manutenção e de seus consumíveis, você normalmente a encontrará em empresas. Como características, possui uma memória maior que a da JATO DE TINTA, pois forma uma página inteira antes de imprimi-la. Pode ser conectada diretamente ao micro, embora muitas possuam placa de rede própria e são gerenciadas ou por um servidor de rede ou por um servidor de impressão. Em vez de cartucho de tinta, esta impressora utiliza um TONER (carregador com um pó). A página a ser impressa, após ser montada na memória é enviada a um cilindro fotossensível, capaz de atrair o pó do TONER. A folha de papel passa por esse cilindro e é marcada com o TONER. Depois disso, ela passa por um FUSOR, que aquece para o TONER ser fixado.

 

TRAÇADOR GRÁFICO (PLOTTER): É um periférico de saída de dados, semelhante a uma impressora, que só trabalha com imagens vetoriais ( linhas e curvas). Consegue gerar imagens vetoriais de altíssima qualidade e nitidez.

 

CÁIXAS DE SOM: É um periférico de saída de dados que transmite para o meio externo os sons oriundos da placa de som. Qualquer tipo de som pode ser emitido pela placa de som e trazido para o ambiente externo através das caíxas de som. As mais modernas são acompanhadas de dispositivos (subwoofer) para melhora dos sons graves.

 

PROJETOR MULTIMÍDIA (DATASHOW): É um periférico de saída de dados. Tem por função ampliar as imagens que seriam transmitidas pelo monitor. É bastante utilizado em apresentações, aulas palestras,congressos etc.

 

PERIFÉRICOS ENTRADA E SAÍDA

 

PERIFÉRICOS MISTOS (ENTRADA E SAÍDA): São periféricos de “mão dupla”, ora a informação entra na CPU, ora ela sai. Podemos citar:

disquete, disco rígido, modem, placa de rede, e as memórias (RAM e CACHE). Nestes dispositivos, a CPU tem o direito de ler (entrada) e

 

gravar (saída).

MODEM ou FAX MODEM (modulador demodulador): É um periférico que permite a conexão com outro computador através de uma rede dial-up (conexão telefônica) para, por exemplo, permitir o acesso à internet. Sua velocidade é medida em bps (bits por segundo). Os modens convencionais, atuais, possuem velocidade de 56 kbps (56.000 bps), ou seja, 56 kilobits por segundo, equivale, no máximo 7 kilobytes por segundo. Outras velocidades de modem: 14.400, 28.800, 33.600.

Quando a placa-mãe possui circuitos que implementam as funcionalidades de um modem dizemos que ela possui modem ON- BOARD.

 

MODEM ADSL OU DSL (DIGITAL SUBSCRIBER LINE): É o equipamento utilizado para receber ossinais oriundos de uma linha telefônica com sistema de transmissão de sinais digitais linhas DSL. A linha com tecnologia ADSL consegue separar em frequências distintas os sinais de dados e os sinais de voz.

ADAPTADOR ISDN: Equipamento que permite enviar sinais a 128kbp/s por meio de duas linhas telefônicas.

MODEMS A CABO: Modem que utiliza cabos coaxiais dos serviços de televisões a cabo.

 

MODEMS CELULARES: Utilização dos celulares como modem ou de conectores USB ou cartões de telefonia. A velocidade dos modems celulares (2G, 2,5G) não chega a ser compatível sequer com os modems analógicos convencionais de linha discada. Já os modems de 3G (terceira geração) a velocidade chega próxima à da DSL. Os celulares de 3G já estão invadindo o mercado e sua velocidade já se compara com a banda larga obtida pelo computador, porém, os fabricantes e as operadoras prometem que a velocidade irá subir.

PLACA DE REDE: Permite a troca de dados em velocidade satisfatória entre dois ou mais equipamentos, formando assim o que chamamos de rede local (LAN), através de cabos específicos, chamados cabos de rede.

As placas de rede geralmente são de 10/100 mbps ( megabits por segundo) por causa dos padrões de rede mais utilizados: o antigo ETHERNET (10 mbps) e o atual FAST ETHERNET (100 mbps), mas há ainda um novo padrão que já está sendo adotado é o GIGABIT ETHERNET (1000 mbps).

 

As placas de rede são também muito utilizadas em banda larga via cabo, para conexão direta do CABLE MODEM ao seu computador, embora seja possível, que esse tipo de utilização caia em desuso, pois os CABLE MODEMS mais modernos possuem entrada/saída USB. O conector mais comum é o RJ-45, utilizado para a conexão de cabos do tipo par trançado (padrão Ethernet). Existem modelos de placas de rede que trabalham com cabos coaxiais (pouco utilizadas por ser tecnologia mais antiga) e algumas que trabalham com cabos de fibra

óptica, no entanto, estas últimas são ainda pouco utilizadas.

PLACA DE REDE WI FI: Muito recente e em franca expansão estão as modernas placas sem fio (tecnologia Wireless). Essas placas do tipo wireless normalmente acompanham computadores notebooks, laptos e smartphones devido à versatilidade que apresentam.

 

PLACA DE SOM: Permite que o computador emita som estéreo pelas caixinhas de som.

PLACA DE VIDEO: É uma placa com um circuito responsável por gerar as em pixels que aparecem na tela do monitor. Quando estes circuitos estão embutidos na própria placa-mãe, dizemos que ela possui vídeo ON-BOARD. Quanto mais veloz for o barramento e mais memória RAM tiver a placa de vídeo, maior será a qualidade e mais rápida será a exibição dos vídeos nos computadores.

PLACA DE SOM: Permite que o computador emita som estéreo pelas caixinhas de som. PLACA DE
 

JOYSTCKS (CONTROLES) COM FORÇA REATIVA (FORCE FEED BACK):

Podem ser considerados periféricos de entrada e saída, pois

 

transmitem determinadas sensações ao usuário como “trancos”, força

tangencial e outros.

MONITOR COM TOUCH SCREENS: (com tela sensível ao toque): É considerado periférico de entrada e saída. Os touch screens são muito

utilizados para a confecção de “quiosques” de autoatendimento, ou

 

seja, para construir terminais de atendimento automatizado e de fácil utilização.

MULTIFUNCIONAL (IMPRESSORA + SCANNER (ESCANEER)): É considerado periférico de entrada e saída porque permite tanto a entrada (pelo sistema de Scanner) como a sáida (por meio do sistema de impressão).

 

BARRAMENTOS

 

É o meio de comunicação dos componentes em um computador.

 

SLOTS: São “fendas” na placa mãe que permitem o encaixe de outras placas, como as de vídeo, som, rede, etc.

É o meio de comunicação dos componentes em um computador. SLOTS: São “fendas” na placa mãe
É o meio de comunicação dos componentes em um computador. SLOTS: São “fendas” na placa mãe
É o meio de comunicação dos componentes em um computador. SLOTS: São “fendas” na placa mãe
Barramento Externo (da CPU para RAM) Principal ou FSB: Esse barramento faz ligação entre a CPU,

Barramento Externo (da CPU para RAM) Principal ou FSB: Esse barramento faz ligação entre a CPU, o Chipset e a memória RAM. Possui três sub-barramentos:

Barramentos de dados; Barramentos de Endereço; Barramentos de controle.

Barramentos de dados; Barramentos de Endereço; Barramentos de controle.
 

Barramento Externo (Expansão): Esse barramento faz a ligação com as placas de expansão. ISA: Esse é o modelo mais antigo; PCI: Esse é um sistema ainda muito usado e tem capacidade

Barramento Externo (Expansão): Esse barramento faz a ligação com as placas de expansão. ISA: Esse é
Barramento Externo (Expansão): Esse barramento faz a ligação com as placas de expansão. ISA: Esse é

Plug and Player; PCIX ou PCI Express: São os modelos mais recentes de barramento de expansão.

 

Barramentos de Expansão exteriores ao gabinete: Projetam-se para fora do gabinete por meio das portas de comunicação. As principais portas/barramentos são:

Serial: Libera dados em série. 9 pinos (RS 232) / PS2;

Serial: Libera dados em série. 9 pinos (RS 232) / PS2;
 
 
  • Paralela: Libera dados paralelamente;

 
  • USB: É de uso universal e se comunica em série (no USB 2.0 a velocidade é de 480 mbps), cada porta USB permite até 127 dispositivos.

PORTA

TAXA DE TRANSFERÊNCIA

 

Serial (RS 232)

115Kb/s

 

Paralela (ECC/EPP)

9,6 Mb/s

 

USB (1.0)

12 Mb/s

 

USB (2.0)

480 Mb/s

 

Firewire (IEE1394)

100,200,400 e 800 Mb/s

 

SOFTWARE

 

AQUI ESTÁ A COMPLEMENTAÇÃO DA APOSTILA SOBRE SOFTWARE.

ADWARE: É quando o programa exibe propagandas e avisos até que seja adquirido o programa completo, ou seja, é custeado pela propaganda que é obrigatória enquanto não registrado.

NAGWARE: Exibe janelas de aviso para identificar que o software precisa ser registrado (pago).

BETA: É quando o programa já serve para uso, porém está em fase ddesenvolvimento (segundo estágio de um programa) e normalmente, o programador pede que usuários deem suas opiniões sobre o programa.

FREEWARE: Esses softwares têm suas licenças normais, com todas as suas privações, porém a sua aquisição é gratuita. Seu código fonte é fechado, ou seja, ele não é um software livre como veremos mais a frente. Ex.: Adobe Reader.