Você está na página 1de 3

História 58

OS TRÊS PEDIDOS DE JORGINHO

Ciclo Primário (7/10 anos)

Tema : Valor da Prece.

Jorginho era um bom menino. Pertencia a uma família pobre


mas, como fosse o único filho, os pais procuravam fazer-lhe todas
as vontades.

Tinha pois,
Jorginho, muitos
brinquedos e roupas
variadas. Não obstante isso, o menino era muito bem
educado. Obediente para com os mais velhos, bondoso e
gentil, granjeava a simpatia de todos. Assim era a vida de
Jorginho muito alegre e feliz.

De repente tudo mudou na casa do bom menino: o


pai perdeu o emprego e a mãe adoeceu gravemente. Não
havia mais alegria! Não havia mais fartura. Jorginho
possuía ainda algumas roupas bonitas e brinquedos não
lhe faltava. Os doces e aquelas guloseimas de que tanto
gostava, tinham desaparecido por completo.

Contudo não era isso que afligia o simpático menino. O que o entristeceu e o deixou abatido
era o fato de ver sua mãezinha doente, na cama e o pai muito sério, cheio de preocupações.

Chocolates e doces? Pensava ele, eram de fato


muito gostosos e seria bom se ainda os tivesse.

Mais gostosos eram os sorrisos do papai e o " vai e


vem " da mamãe nas lides domésticas, que tornavam a
casa tão alegre, tão agradável!

E assim pensando, uma tarde, Jorginho chegou-se


para perto da mãe que parecia dormir. Vendo-a sossegada,
aproximou-se mais ainda e, levemente, muito de leve
acariciou a cabeça da pobre doente. Dona Wanda, assim
se chamava a senhora, abrindo os olhos e encontrando
perto de si o rostinho tristonho e pensativo do filhinho, sorriu-lhe com ternura e perguntou: em que
você esta pensando, querido? Um brilho de lágrimas, apareceu nos bonitos olhos do menino que
respondeu: Como tudo esta triste mãezinha....Papai não brinca comigo e quase não sorri. A casa
parece abandonada....Não se houve mais os seus passos e nem as lindas
canções que a senhora cantava enquanto trabalhava.

Dona Wanda, sentiu-se emocionada, vendo o filho tão tristonho e,


para encorajá-lo disse logo:

1
Querido, tudo isso passa. Tem paciência, filhinho. Mamãe ficará boa e papai arrumará o
emprego de que tanto necessita. Deus há de permitir que isso aconteça.

Mãe sorriu e falou meio cansada: Não sei filho... Ele é que sabe o que nos convém... mas
confiemos na sua grande bondade. Então, disse o menino, vou pedir a Deus que cure a mãezinha
bem depressa.

A campainha da porta tocou e Jorginho foi atender.

Era a vizinha muito pobre que viera pedir, por favor,


um pouco de leite para o filhinho doente.

Jorginho correu na cozinha, porem não havia leite


em casa. Muito triste; voltou à porta trazendo um dos seus
brinquedos e disse: Não há leite senhora, mas leve um de
meus brinquedos ao menino doente.

A pobre senhora, abraçou-o agradecida e retirou-se.

Que pena a gente não poder ajudar os outros, suspirou ele. E


foi novamente para perto da querida mãe doente. À noite, depois de
abraçar o pai e a mãe, o menino recolheu-se a seu quarto. Já
deitado, pronto para dormir, virou-se para a janela aberta.

A noite estava linda! Um bonito luar envolvia tudo em suave e


tranqüila claridade, enquanto infinidade de estrelas como pedras
diamantinas, brilhavam no céu. Então o pensamento de Jorginho
elevou-se ao Criador de todas as Coisas e seus lábios moveram-se
deixando passar uma prece que partira do fundo do coração.

Pai do Céu! Dizia ele. Cura a minha mãezinha e que o


paizinho não ande mais triste. Em seguida cerrou os olhos para
dormir. Nisto lembrou-se da vizinha que viera pedir um pouco de leite
para o filhinho doente. Jorginho pensou. Seria demais fazer a Deus
mais um pedido? E se Deus para atender o terceiro, não atendesse
os dois primeiros? Aí mamãe não se curaria e papai não ficaria alegre. Jorginho estava indeciso, mas
a bondade do seu coração venceu. E orou outra vez. Pai do Céu....
não deixe faltar leite para o menino doente. No dia seguinte bem
cedo levantou-se. Correu logo ao quarto da mãe, Dona Wanda não
melhorara nada e estava muito abatida. Jorginho ficou
desapontado, mas mamãe pediu que tivesse paciência e
continuasse a orar, pois Deus ouviria suas preces.

À tarde, teve uma grande alegria. Estava na janela, quando


se aproxima a vizinha e dise-lhe que o filhinho ficara tão feliz com o
brinquedo, que até melhorara. Além disso, uma bondosa senhora
lhe havia enviado algumas latas de leite em pó. Jorginho ficou
radiante e naquela noite, cheio de esperança, sentindo-se feliz com
o que acontecera á vizinha, orou novamente.

Pai do Céu muito obrigado por teres atendido um dos meus


três pedidos.... Cura a mamãe e que o paizinho não ande mais
triste.

À noite, teve outra grande alegria. Estava ao lado da mãe, quando ouviu a voz do pai que
chegava. E como vinha contente p paizinho. Nem parecia o mesmo. Estava empregado! Tinha
conseguido um bom emprego. O menino olhava encantado para o pai Tornava a ver naquele rosto
querido o sorriso que tanto amava.

2
Na oração daquela noite Jorginho orava assim: Deus
Bondoso! Muito obrigado por teres atendido dois dos meus
pedidos. Cura agora minha mamãe, paizinho do Céu. E
assim orava o menino todas as noites, sem desanimar.

Certa tarde o pai trouxe um médico novo, que


examinou atentamente a doente e mudou todo o
tratamento. Os dias foram passando. Pouco a pouco, d.
Wanda recobrava a saúde, até, finalmente foi declarada
curada por completo.

E quando Jorginho ouviu de novo a mamãe cantar,


sentiu tanta alegria, que não se conteve: correu para o jardim e, olhando para o lindo céu azul, assim
se expressou.

Pai do Céu, estou muito contente. Muito obrigado... Muito


obrigado por teres atendido aos meus três pedidos.

E a felicidade, voltou àquela casa, onde a família se reunia na


hora das refeições e proferiam suas orações todos os dias. E
Jorginho passou a viver despreocupado, alegre e brincalhão para
sempre.

FIM